História The True Happiness - Capítulo 19


Escrita por: ~ e ~sajisae

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Personagens Originais, V
Tags Bangtan Boys, Bipolaridade, Bts, Ficção, Hobi, Imagine, J-hope, Romance, Taehyung, Você
Visualizações 35
Palavras 1.357
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Tenham uma boa leitura!

Capítulo 19 - Chapter 19


Taehyung POV's





Nós ainda tínhamos que ficar um tempo na biblioteca, estudando para a próxima avaliação de sociologia. Hoseok se adapta a rotinas muito fácil. Ele começou a levar os estudos mais a sério e… digamos que, ele se acomodou no pau, sentou e relaxou.

Eu até tento, por mais que eu seja estudioso o bastante para me acostumar com a rotina pesada de estudos e provas. Mas Hoseok até nisso, consegue ser "perfeito".

Dei uma leve cotovelada no quadril de Hoseok, que estava lendo um livro sentado ao meu lado.

— Tá interessante a leitura aí, em! — Debochei de sua concentração.

— Interessante vai ser a sua nota circular e com um buraco no meio, por não ter se concentrado na tão… interessante leitura! — Praguejou me lançando um olhar, digamos assim, amedrontoso.

— Porra Hoseok, fala assim não. — Choraminguei na esperança de que ele se desculpasse.

— Não vou me desculpar, se é o que você pensa. — O olhei incrédulo. — Eu só quero teu bem Taehyung, entenda. — Passou uma de suas mãos pelo meu quadril. Estremeci com o toque e me esvai de seu braço. Nem parece aquele Hoseok que me chamou a atenção por estudar de mais.

— Já entendi.

— A gente, já pode ir. — Se levantou e foi pôr o livro no local onde pegou. Fiz o mesmo e depois nos despedimos da bibliotecária dali, saindo logo após. — O que vai acontecer entre você e a Yoora? Ela ainda está confusa? — Começou a me questionar enquanto saíamos em direção ao dormitório.

— Eu nem sei mais Hobi, ninguém fica confuso assim, do nada. — Taehyung seu idiota, você está confuso e nem sabe de tal fato.

— Isso é normal e você sabe. Não vou dizer a coisa mais clichê, que seria: Dá um tempo pra ela pensar. Muito pelo contrário, você tem que tirar as devidas satisfações com ela! Tá esperando o que pra fazer isso?

— Agora?

— Agora não, imbecil. — Hoseok riu.

— Não ria, muito menos sorria. — Abaixei a cabeça.

— Por… — Fez um sinal com a mão enquanto andávamos, querendo que eu continuasse.

 Porque tira a minha concentração.

— Concentração no quê, Taehyung?

— Sei lá Hobi, eu só quero dormir.

— Tá bom. — Riu novamente.

— Para de rir, aish!!! — Desatei a andar na sua frente, chegando primeiro no dormitório.



(...)



Hoseok e eu não conversamos depois do estranho ocorrido. É estranho eu estar estranhamente estranho.

Não que eu seja uma pessoa confusa e que não faz a mínima ideia do que se passa na própria mente... É exatamente isso que eu sou.

Yoora me ligou e parecia estar normal pelo seu tom de voz. Ela me pediu para encontrá-la na porta do dormitório masculino. Achei estranho sua pressa, pois já era umas oito horas da noite. Saí do quarto, deixando um Hoseok curioso para trás. Desci as escadas e avistei Yoora com os braços cruzados e apoiada na porta enquanto me olhava.

— Por que me chamou aqui? Eu tenho mais o que fazer, se você não sabe. — Fui grosso, sem nem perceber tal coisa.

— Vou ser direta.

— Ótimo.

— Acabou, tudo. — Disse em alto e bom tom, endireitando sua postura.

— Eu realmente gosto de você mas não estou te entendendo. — Fiz sinais repetitivos em negação com a cabeça. — Eu não devia ter caído nessa. Eu sou um Taehyung burro que aceitou qualquer uma que apareceu.

— Olha aqui, eu não sou qualquer uma! — Praguejou com raiva do que eu disse, imagino.

— Eu acabei de perceber que você é sim. — Me virei e voltei correndo de volta para o quarto. Quem ela acha que é para jogar a bomba assim? Eu não tenho estrutura! Taehyung, você precisa passar a ter.

Entrei no quarto e deitei na cama após fechar a porta.

Eu não vou chorar!

Eu não vou chorar.

Estou chorando?

Sim, estou chorando.

Hoseok ouviu meus soluços abafados pelo travesseiro e se levantou, sentando ao meu lado.

— Quer me dizer alguma coisa Taehyung? — Começou a fazer carícias no meu cabelo. — Pode desabafar, não quero ver você assim. — Juntei toda a coragem que eu tinha e o abracei pela cintura, apoiando a cabeça em seu ombro direito.

— Yoora terminou comigo. — Respirei fundo e deixei as lágrimas rolarem. Hoseok envolveu seus braços no meu pescoço e sussurrou baixinho no meu ouvido:

— Estou aqui Tae, não chore. — Naquele momento eu parei de chorar, por me sentir bem em seu abraço e por ser consolado, por ele. Sussurei de volta:

— Obrigado Hobi, você é um ótimo amigo. — Desfiz o abraço e lhe lancei um sorriso amigável, voltando a deitar logo após.

Eu só sabia sorrir e… não tinha certeza do por quê.

Naquele dia nós dormimos umas dez horas da noite, muito cedo para a nossa rotina. Mas não tínhamos nada para pensar e nem nos preocupar, bom, pelo menos Hoseok não.



(…)



— Hoseok, não é porque hoje é sábado que você vai dormir até tarde! — Disse balançando o ser que parecia estar morto, nem se mexia.

— Você sabe que é chato pra um caralho? — Murmurou baixo, se virando e me olhando com os olhos semiabertos. — Que horas são? — Esfregou os olhos.

— Oito.

— Ninguém merece! — Se levantou e foi para o banheiro.

Por que esse homem às vezes é tão insuportável? Eu tenho é pena da ________. Tem certeza de que isso não é inveja, Taehyung? Credo, em nome do pai, do filho e do espírito santo. Me esvai dos meus pensamentos confusos quando Hoseok saiu do banheiro, xingando mil e um palavrões por ter acordado cedo no sábado, por minha culpa.

— Deixa de ser um cuzão e sossega. — Disse ao me levantar e trazer Hoseok de volta para sua cama, o sentando ali. — Já sei, vamos jogar UNO. — Meu cu foi na mão quando ele me olhou daquele jeito de quem está planejando mentalmente a minha morte.

— Você quer ver minha fúria? Creio que não. — Revirou os olhos e deitou, ficando com a metade do corpo para fora da cama. — Tá bom, 'vamo jogar essa caralha.

— Isso tudo é mau humor pós sono, irritante. — Me levantei e procurei em todo o lugar aquele UNO que minha mãe me deu, se caso eu não tivesse nada pra fazer com meu colega de quarto… tipo agora. — Achei! — Voltei pra cama de Hoseok e comecei a separar sete cartas pra cada um. Ele se sentou e pegou suas sete cartas, assim como eu.

— Eu não sei bem se meu jogo está bom ou não. — Disse olhando para as cartas que segurava.

— Eu sei que o meu está, HAHAHAH! — Ri divertido, sabendo que iria ganhar.

Arrumei espaço em sua cama e ficamos com as pernas em forma de índio. Pus uma carta número 6 vermelha e Hoseok olhou para suas cartas, pensativo. Depois de um minuto, ele colocou uma carta número 7, azul.

— Não, não Hobi. Olha, você só pode pôr uma carta da mesma cor ou uma com o mesmo número. — Disse tirando a carta dele de cima da vermelha.

— Hmm, tá okay. — Dessa vez ele colocou uma carta azul, número 6.

— Fui desafiado. Eu tenho cartas azuis Hobi. — O provoquei com o olhar enquanto colocava uma carta número 9, também azul. Essa primeira rodada, Hoseok ganhou. A segunda, bom, ele ganhou também. 

Quando Hoseok ganhou a terceira rodada seguida, eu desisti. Como pode? Eu não cheguei nem perto de ganhar.

— Como se sente Taehyung? — Questionou enquanto tentava me fazer cócegas.

— Derrotado, né! Se bem que foi eu que deixei você ganhar. — Na verdade não, eu não tinha. No momento eu estava tentando entender como que ele ficou tão bom num jogo que acabou de conhecer e aprender.

— Deixou é? Tem certeza?

— Tá bom Hobi, você ganhou porque é bom no jogo… satisfeito?

— Sim, HAHAHAH! — Gargalhou em um tom sarcástico e se levantou.

Maldito jogo, e bendito Jung Hoseok.


Notas Finais


Bendito Jung Hoseok!

Nós nem sabemos o que dizer desses dois, hihi

Esperamos que tenham gostado. Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...