História Fairy Tales - Interativa - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~cutiecandy

Postado
Categorias Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland), Bangtan Boys (BTS)
Personagens Absolem, a Lagarta, Alice Kingsley, Chapeleiro Maluco, Coelho Branco, Dormidonga (Mallymkun), Gato de Cheshire (Gato Risonho), J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lebre de Março, Personagens Originais, Rainha Branca, Rainha Vermelha, Rap Monster, Suga, Tweedle-Dee, Tweedle-Dum, V, Valete de Copas
Tags Bts, Contos De Fadas, Interativa
Visualizações 49
Palavras 1.511
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Magia, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


✴Hello gente, Nany aqui e cá estou eu com o "primeiro capitulo" da fanfic, antes que me perguntem, sim meus caros amigos, eu tenho vagas, só estou postando mesmo para lhes ajudar no intendimento da fanfic -para assim lhes ajudar a fazer as fichas-, nestes capitulos serão contados sobre o conto da Alice -O MEU FAVORITO!- e bem, eu estou bem animada, admito!
✴Bom gente, eu decidi fazer uma personagem junto com minha senpai -vulgo @Pandy_Si- então claramente, será diminuída uma vaga, agora eu terei cinco vagas ao todo, e outra coisa KIM SEOKJIN ESTÁ DEVIDAMENTE OCUPADO ASSIM COMO O CONTO DA CINDERELA -sim eu mudei o conto do Jin para o da Cinderela, então o conto do Jimin está como da Bela Adormecida-! Sorry para quem ia fazer para ele.
✴Bem, a personagem abaixo, é a minha bebê -vulgo Nathalie- bem, antes de falarem algo, ela não é normal, e ela tem um problema mental -literalmente- eu não irei dizer qual é, e gostaria que vocês comentassem suas opiniões sobre qual doença é.
✴Eu estarei postando capitulos assim para introduzir um novo conto, ou nova personagem, eles não estarão separados por idades, e sim serão postados pelos personagens que primeiro entrarem.
✴Outra coisa, eu esqueci de falar meus amore, mas terá que haver um motivo digamos que trágico para a sua personagem precisar ir para o mundo real, ela pode ter sido amaldiçoada ou ameaçada de morte, mas tem que ser algo que a faça voltar para o mundo encantado!
✴Eu retirei a data de entrega pois além da data já ter sido atingida, é melhor assim, pois ninguém será apressado!
✴Enfim, boa leitura xuxus!
*Desculpem-me pelos erros ortográficos, espero que gostem ^^*

Capítulo 2 - Chapter I - Alice In Wonderland - First part


 

Leiam as notas iniciais, por gentileza.

┏─═─━══─⊱✠⊰─══━─═─┓ 

Chapter I - Alice In Wonderland - First Part

||

Capitulo I - Alice no País das Maravilhas - Primeira Parte

┗─═─━══─⊱✠⊰─══━─═─┛

“Você consegue ouvir minha louca dama? Consegue ouvir os sussurros de um mundo esquecido, de um mundo abandonado? Consegue ouvir o desespero que ele amana? Preste atenção, minha querida herdeira da paz e embaixadora das loucuras… O país das Maravilhas lhe chama de volta… Agora consegue ouvir… Os sussurros do País das Maravilhas?”

 

Londres, Reino Unido.

06/07 às 06:00 PM


 

Como todos os dias de sua monótona e até mesmo injusta vida, Nathalie encontrava-se entediada, sua vida era tão repetitiva, sempre se resumia a ir a sair do orfanato, ir para a escola, e depois de sair da escola voltar novamente para sua "casa". Era sempre assim, a morena clamava por mais intensidade em sua tediosa vida, mas era como se mais clamasse por aventuras, as mesmas menos chegavam. Para passar o tédio, a morena passou a andar pelo orfanato e por onde passava a mesma ouvia os sussurros 'você ouviu o que dizem sobre ela? Ela é alucinada! Fala sozinha!’ 'Sim, eu ouvi, também ouvi dizer que ela tentou matar uma garota de sua escola’ 'que horror!’ 'ela é assustadora’ 'estranha!’ 'não quero ser amiga de uma pessoa como ela!’. A morena não entendia o porquê de conseguir ouvir os sussurros, a mesma apenas sabia que sempre teve sua visão, audição e olfato extremamente potentes. Nathalie não ligava para os sussurros, na realidade nunca ligou, pois alguém, em seu passado havia dito-lhe 'Não ligue para o que as pessoas dizem, pois na realidade elas apenas tem inveja, já que você é única é ninguém é igual a você’, a morena não lembrava do autor daquelas belas palavras, mas sabia que as levaria para o resto de sua vida. Sobre os rumores, em sua parte, alguns deles eram reais, pois ela realmente falava sozinha, mas nunca chegou a tentar matar alguém, por mais que a voz em sua mente lhe dissesse para matar todos à sua volta, mas ela nunca a ouvia, pois sabia que ela só queria uma coisa, queria a sua sanidade, a voz queria que a garota perdesse o autocontrole, mas isto nunca acontecia, o que frustrava a misteriosa voz.

 

[...]

 

PV’O Nathalie

 

Depois de muitas voltas por aquele bendito orfanato, eu voltei a meu quarto. Ao chegar no mesmo, parei para pensar como viver naquele lugar era tedioso, não tinha nada para fazer -pelo menos para mim, que era ignorada por todos daquele orfanato-, ninguém conversava comigo, o que deixava tudo ainda mais cansativo e repetitivo, apesar que dependendo da conversa que eu tivesse, continuaria a ser repetitivo, pois eu sempre admiro o quanto as garotas eram viciadas em garotos, moda e beleza, gente… Eu me sentia um extra terrestre naquele bendito lugar, e ainda para me ajudar ainda mais em minha vida social, era a ‘alienada’, ‘estranha’, ‘maluca’ da escola, claro que eu não ligava, mas de certa forma era cansativo.

Balancei minha cabeça ao perceber que falava sozinha, e apenas um murmurei um ‘maluca’ enquanto deitava-me de barriga para cima olhando para o teto. Por um instante parei para pensar a quanto tempo estava naquele orfanato… Eu sempre era excluída pelas pessoas que iam para aquele lugar adotar alguém, pois a diretora sempre dizia ‘pensem bem, existem garotas melhores, Nathalie é… Problemática, ela fala sozinha, tem alucinações’ porque ela falava aquilo? Não seria melhor para ela se me adotassem?

 

-As pessoas são confusas. -Murmurei para mim mesma e logo sentei-me em minha cama continuando com meus pensamentos até ser interrompida por uma voz.

 

“As pessoas fazem tudo isto por serem normais, minha querida alteza”

 

Olhei em volta procurando a origem da voz, e acabei me assustando e enraivecendo por não encontrar o autor da voz, já que a mesma era um tanto quanto grave para ser uma voz feminina, sendo assim, não era a voz de Rose.

 

-Ótimo, não bastava ouvir as vozes de Rose, agora… Estou ouvindo vozes de um garoto! -Murmurei para mim mesma, e claro, contendo meu stress, pois por algum motivo, eu era alguém digamos que… Um pouco revoltada?

 

“A senhorita não está imaginando coisas vossa alteza… Não é só porque não me vê, que eu não existo, eu… Apenas não existo no mundo aonde a senhorita está vivendo atualmente”

 

De alguma forma… Aquilo havia atiçado-me a curiosidade… Como assim ele não existe na terra? E por que me chama de vossa alteza?

 

-Como assim não existe neste mundo e… Por que me chama de vossa alteza? Eu não sou princesa e muito menos faço parte da realeza!

 

“Bem… Eu não posso explicar-lhe isto ainda… Ainda irá demorar para a senhorita reaprender sobre isto, e bem… Sobre o porque de chama-la de vossa alteza.. A senhorita logo descobrirá… Bem, eu tenho que ir, senhorita Nathalie Wonderland, mas antes, leia o livro The Truth About Fairy Tales”

 

Antes mesmo que eu pudesse ao menos fazer qualquer outra pergunta a voz desapareceu, eu havia sentido isso, pois de alguma forma, eu sentia a presença daquela voz, de alguma forma era uma presença familiar…

Estava tão perdida em meus pensamentos que nem havia sentido o enorme peso de um livro em minhas pernas, apenas percebi a presença daquele enorme e grosso livro, quando o mesmo começou a brilhar, uma luz que atraia-me para si. Antes do livro se abrir sozinho, eu consegui ver sua capa, na mesma estava estampada a foto de duas crianças, uma tinha longos cabelos loiros e olhos azuis, em sua cabeça havia um par de orelhas, e também era possível ver um rabo, escondido atrás de seus quadris. Ao lado da garotinha, tinha um gato, o seu sorriso era largo e ao mesmo tempo tão…. Familiar. Na capa também era possível se ver em grandes, belas e chamativas letras em vermelho escarlate, as letras diziam The Truth About Fairy Tales.

 

-A verdade dos contos de fadas… -Sussurrei para mim mesma, mas logo prestei atenção nas páginas agora abertas pelo livro e logo me pus a ler em voz baixa o que estava escrito em si.

 

“Você achava que está história começaria com um 'era uma vez'....

Não achava?

Bem, saiba que está é e ao mesmo tempo não é…

A história já antes ouvida por você

Aqui meu caro leitor, você encontrará a verdade sobre sete contos, sim, sete contos, e o que você está prestes a ler, fala sobre uma garotinha de longos cabelos loiros, a garotinha cujo esta fora chamada de Alice.

A cada vez que um novo conto for lido, a capa mudará, como pode ver, na capa agora contém a foto de uma bela garotinha junto a um gato, e para você que provavelmente conhece a história “perfeita” de alice, já deve ter percebido que aquele ao seu lado é o Gato de Cheshire.

Leia com atenção, pois para compreender o verdadeiro conto da nossa bela e feliz louca garotinha, precisamos de muita atenção e compreensão.. Muita mesmo”

 

Logo as folhas do livro começaram a ser rapidamente passadas, parando em uma pagina aonde estava escrito Alice no País das Maravilhas. Eu sorri pelo fato de ser meu conto favorito e novamente me pus a ler.

 

“A muito tempo atrás, Maravilha, era um País que continha apenas um reino, este que era governado por um rei e uma rainha, estes que tinham duas filhas…

Elizabeth… A mais velha, uma garota risonha, feliz e engraçada, está sempre se punha a fazer seus súditos felizes

Katherine…. A mais nova, a garota mais gentil e bondosa do reino, está estava sempre a ajudar as pessoas mais pobres de Maravilha, e estava sempre a conversar com os cidadões, e saber se os mesmos estavam felizes.”

 

Duas fotos apareceram aos pouco na página, mostrando duas garotas, uma continha longos cabelos loiros e olhos castanhos, esta que era muito bela por sinal. Ao lado da loira, havia uma garota de cabelos ruivos e olhos também pretos, a mesma era também extremamente bela, mas por algum motivo… Eu via maldade em seu sorriso.

 

“Os reis amavam suas filhas e estavam felizes por terem suas maravilhosas filhas, as duas se completavam, de uma maneira sem igual.

Mas como tudo passa, a vida das garotas passou de forma rápida, e com o tempo… Uma das garotas fora corrompida, ela era como uma rosa branca, que fora pintada de vermelho, do mais puro sangue.”

 

Eu ouvi passos pelos corredores e logo tratei de dormir pois sabia muito bem que as madres ficariam irritadas se eu não estivesse dormindo -isso mesmo, eu vivo em um orfanato de uma igreja- então simplesmente escondi meu livro em baixo de meu travesseiro, joguei-me em minha cama, me cobri com as quentinhas cobertas -já que o dia estava frio- e tratei a fingir dormir. Eu ouvi a porta ser aberta, dando assim passagem as luzes acesas do corredor, mas logo a mesma foi fechada.

 

-Amanhã continuarei a ler o livro já que não haverá aula. -Sussurrei para mim mesma logo pegando no sono.



 


Notas Finais


Leve inspiração em relação ao livro @SarahMiya-chan (SIM, DENOVO!)

*Atenção: Capitulo não revisado*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...