História The Vampire Diaries - O Despertar. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation, Red Velvet, Sistar, Super Junior
Personagens Choi Siwon, Taeyeon, Tiffany
Tags Taeny
Visualizações 84
Palavras 2.063
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Mistério, Misticismo, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eiiiii gente. Bom, eu já quero ir agradecendo a todos que estão começando a ler.
Essa historio é do livro de mesmo nome e como ando viciada nessa historia, juntei com os outros amores da minha vida (taeny) e de verdade, espero que gostem e acompanhem.

Capítulo 1 - Pilot


Fanfic / Fanfiction The Vampire Diaries - O Despertar. - Capítulo 1 - Pilot

4 de Setembro

Querido diário,

Algo horrível está para acontecer hoje.

Eu não sei por que escrevi isso. Isto é maluco. Não há razão para eu está me perturbando e há muitas razões para eu está feliz, mas...mas aqui estou eu ás 5:30 da manhã, desperta e assustada. Eu me mantive falando, apenas isso. Eu estava completamente desorientada devido à diferença de horário entre a França e aqui. Mas isso não explicava o porquê de eu estar tão assustada. Tão perdida.

Antes de ontem, enquanto tia BoA, Joy e eu estávamos voltando do aeroporto, eu senti o tal sentimento estranho. Quando nos dobrávamos na nossa rua, eu imediatamente pensei “Mamãe e papai estão esperando por nos em casa. Eu aposto que eles estão de frente para a varanda, na sala, olhando para fora da janela. Eles devem ter sentindo tanto minha falta.”

Eu sei. Isto soa completamente maluco.

Mas ainda quando eu vi a casa e a frente da varanda vazia, eu ainda me senti bem. Corri cansada para porta e bati com o batedor. E quando tia BoA destrancou a porta, irrompi para dentro e apenas oscilei no hall escutando, esperando ouvir mamãe descendo as escadas ou papai falando. Então apenas tia BoA deixou a mala com um ruído no chão, na minha frente e suspirou um alto suspiro e disse, “Estamos em casa”. E Joy riu. E o pior sentimento que eu tive em toda minha vida, veio para mim. Eu nunca tinha me sentido tão absolutamente e completamente perdida.

Casa. Eu estou em casa. Por que isso soa como uma mentira?

Eu nasci aqui em Jinhae. Eu sempre vivi nessa casa, sempre. Esse é meu mesmo antigo quarto, com as marcas chamuscadas nas tábuas onde Bora e eu experimentamos cigarros na 5º serie e quase nos engasgamos. Eu poderia olhar para fora da janela e ver a grande árvore que os meninos subiam para estragar aminha festa do pijama há dois anos. Esta é a minha cama, minha cadeira, meu armário. Bem, mas agora tudo parece estranho para mim. Como se eu não pertencesse a este lugar.

Esta sou eu fora desse lugar. E a pior coisa é que sinto que este é o lugar que eu devo pertencer, mas eu não posso encontrá-lo.

Eu estava tão cansada ontem para ir à orientação.

Seohyun melhorou o cronograma para mim, mas eu não me senti bem falando com ela no telefone. Tia BoA contou para qualquer um que ligasse que eu estava cansada da viagem por causa do fuso horário e estava dormindo, mas ela me observava no jantar com uma cara engraçada.

Eu tenho que ver essa multidão todo dia, pensei. Nós esperávamos nos encontra no terreno do estacionamento antes da escola. É com isso pelo que eu estou assustada? Eu estou assustada com eles?

Tiffany Hwang parou de escrever.

Ela encarou a ultima linha que tinha escrito e então sacudiu a cabeça, pousando a caneta sobre o pequeno livro com capa de veludo rosa, sua cor favorita. Então, com um súbito gesto, ela levantou a cabeça e atirou a caneta e o livro, onde eles pularam inocentemente pelo estofado da poltrona da janela.

Isto era tão completamente ridículo.

Desde quando ela, Tiffany Hwang, tem estado assustada em conhecer pessoas? Desde quando ela tem estado assustada com algo? Ela levantou e irritada impulsionou os braços para dentro do roupão vermelho de seda. Ela não deu nem mesmo uma olhadinha no belo espelho vitoriano em cima da cômoda avermelhada; ela sabia o que veria.

Tiffany Hwang, indiferente, ruiva e esbelta, a pessoa que dita à moda do último ano do ensino médio, a garota que todo garoto quer e toda garota quer ser, ou também queria ter. Que agora tinha uma carranca descontente no rosto e um bico na boca.

Bastava um banho quente e café e eu irei me acalmar, ela pensou. O ritual matinal de lavar-se e vestir-se estavam calmos, e ela selecionou lentamente toda sua nova coleção de roupas de Paris. Ela finalmente escolheu um top rosa bebê e short preto, além de uma jaqueta jeans, com um penteado que a fazia parecer uma framboesa num sundae. Bom o suficiente para comer, ela pensou, o espelho então mostrou uma garota com um sorriso misterioso. Os seus receios iniciais tinham se dissolvido, esquecidos.

“Tiff! Cadê você? Você vai chegar atrasada na escola!” A voz soou perceptivamente do andar de baixo.

Tiffany correu passando a escova mais uma vez no seu sedoso cabelo prendendo-o para trás com uma fita rosa. Então ela pegou sua mochila e desceu as escadas.

Na cozinha, Joy, 4 anos de idade, estava comendo cereal na mesa da cozinha e Tia BoA estava queimando algo no fogão. BoA era o tipo de mulher que sempre parecia vagamente afobada. Tinha um rosto fino e pequeno, com um claro e esvoaçante cabelo puxado despenteado para trás. Tiffany beliscou sua bochecha.

- Bom dia, todo mundo. Desculpa, não tenho tempo para o café-da-manhã.

- Mas, Tiff, você não pode sair sem comer. Você precisa de proteín...

- Eu vou pegar um donut antes da escola - Tiffany disse rapidamente, ela inclinou-se e beijou a testa de Joy e virou-se para sair.

- Mas Tiff....

- E eu provavelmente vou voltar para casa com o Sooyoung ou a Seohyun, depois da escola. Então não me esperem para o jantar. Tchau!

- Tiff...

Tiffany já estava na porta da frente. Ela a fechou atrás de si, cortando os distantes protestos de Tia BoA, deu um passo para a varanda.

Parou.

Todos os sentimentos ruins de manhã cedo, voltaram. A ansiedade, o medo e a certeza que algo ruim estava para acontecer.

A rua estava deserta. As altas casas vitorianas pareciam estranhas e silenciosas. Como se todas elas estivessem, talvez, vazias por dentro, como casas abandonadas de um set de filmagem. Elas pareciam vazias de pessoas, mas cheias de estranhos sentimentos que a observavam. Que estavam lá. Algo que a observava.

O céu sobre sua cabeça não estava azul, mas sim branco e opaco, como uma gigante bacia que virou e caiu. O ar estava sufocante e Tiffany tinha certeza que estavam de olho nela. Ela viu algo escuro na bifurcação da antiga árvore em frente da casa.

Um corvo estava quieto e rodeado por folhas tingidas de amarelo. Ele estava observando-a.

Ela tentou dizer para si mesma que isso era ridículo, mas de alguma forma ela sabia. Este era o maior corvo que ela já viu; gordo e brilhante, com o arco-íris brilhando por trás de suas penas. Ela poderia vê todos os detalhes claramente: As graciosas garras escuras, o inescrupuloso bico, o único brilhoso olho preto.

Ele estava imóvel, talvez devesse ser um pássaro de cera que fora posto lá. Mas do modo como ele a encarou, Tiffany sentiu-se corar e lentamente o calor subindo por sua garganta e bochecha, porque ele estava olhando para ela? Então o corvo olhou os garotos que passavam e a olhou de volta, como se ela estivesse usando um tailler de banho ou uma blusa transparente. Como se ele a despisse com os olhos.

Antes dela perceber o que estava fazendo ela tirou sua mochila e pegou uma pedra, que estava na frente da garagem.

- Saia daqui! - Ela disse com agitação de raiva na sua voz tacando uma pedra em sua direção.

Houve uma explosão de folhas, mas o corvo saiu ileso. Abrindo suas enormes asas, que tinham o tamanho de uma raquete. Tiffany agachou-se der repente, assustada, quando ele bateu as asas diretamente na cabeça dela, o vento das asas balançando seu cabelo ruivo.

Mas ele investiu para cima de novo, circulando, a silhueta escura contra o céu branco-papel. Então, com um estridente coaxar, ele voou em círculos na direção do caminho das copas das árvores.

Tiffany endireitou-se lentamente, então olhou ao redor, sem naturalidade. Ela não podia acreditar no que tinha feito. Mas agora que a ave se fora, o céu estava normal de novo.

Uma brisa fez as folhas flutuarem e Tiffany respirou profundamente. No final da rua uma porta abriu-se e várias crianças saíram, rindo. Ela sorriu e respirou novamente, o alivio varreu seus pensamentos como raios de sol. Como ela pode ter sido tão tola? Este era um dia bonito, cheio de promessas e nada ruim estava acontecendo.

Nada ruim estava acontecendo – Exceto que ela chegaria atrasada na escola. O público estaria esperando-a no estacionamento. Mas ela poderia sempre contar a todo mundo, que você parou para jogar pedras em um corvo, ela pensou e quase riu. Agora isso dará algo para eles pensarem.

Sem olhar para trás, para as árvores, ela começou a andar rapidamente descendo a rua.

 

~ x ~

 

O corvo parou em cima de um enorme carvalho e Siwon levantou a cabeça por reflexo. Quando ele viu que era apenas um pássaro, ele relaxou. Seus olhos prenderam-se na mancha branca em suas mãos. Ele sentiu seu rosto torcesse-se de arrependimento.

Ele não tinha intenção de matá-lo. Deveria ter caçado algo maior que um coelho. Se ele soubesse o quanto estava faminto. Mas, lógico, isto era o que assustava: Nunca saber quanto o caçador poderia ser forte ou o que ele poderia ter para satisfazê-lo. Ele era sortudo por neste momento só caçar coelhos.

Ele apoiava-se de baixo dos carvalhos, que filtravam os raios de sol que chegavam os seus cabelos negros. Com o seu jeans e sua camisa, Kim Siwon parecia exatamente como um estudante normal do ensino médio.

Mas ele não era.

Nas profundezas das árvores, onde ninguém poderia vê-lo, ele alimentava-se. Agora. Ele passou a língua pelos lábios, lambendo-os, para certificasse que não estavam sujos. Ele não queria correr risco. Manter essa mascara era bastante difícil para tirá-la como estava fazendo.

Por alguns momentos ele perguntou-se, de novo se não devia jogar tudo para o alto. Talvez ele devesse voltar para a Itália, voltar para o seu esconderijo. O que o fazia pensar que poderia voltar ao mundo de luz? Mas ele estava cansado de viver nas sombras. Ele estava cansado da escuridão e de todas as coisas que viviam lá. Mas o pior de tudo era que ele estava cansado de ficar sozinho.

Ele não tinha certeza porque escolhera Jinhae, Coreia do Sul. Ela era uma cidade nova, para os seus padrões. As casas antigas tinham sido construídas no centro há alguns anos. Mas as memórias e os fantasmas da guerra civil ainda viviam lá, tão reais quanto os supermercados e os fastfoods.

Siwon tinha profundo respeito pelo passado. Ele pensou na possibilidade de gostar das pessoas de Jinhae. E talvez – Apenas talvez- ele poderia encontrar um lugar entre eles. Ele nunca seria completamente aceito, lógico. Um pequeno sorriso formou-se em seus lábios com a ideia. Ele sabia que esperança era o melhor para isso. Não haveria um lugar onde ele poderia pertencer completamente, onde ele poderia ser verdadeiramente ele mesmo.

A menos que ele escolhesse pertencer às sombras... Ele deixou esses pensamentos de lado. Deixou as sombras para trás. Ele estava deixando esses borrões de muitos anos para trás e começando de novo.

Hoje.

Siwon deu-se conta que ele ainda segurava o coelho. Gentilmente, ele o colocou em cima de uma cama de folhas.

Muito longe, tão para os ouvidos humanos escutarem, reconheceu os ruídos de uma raposa. Chegando, o irmão caçador, ele pensou tristemente. Seu café da manhã está esperando.

Ele colocou sua jaqueta nos ombros. Notou o corvo que o tinha perturbado mais cedo, ele estava no carvalho e parecia está encarando-o. Tinha algo errado ali. Ele começou a enviar pensamentos inquisitórios na direção da ave, para examiná-la, mas freou-se. Lembrando-se de sua promessa, pensou. Você não pode usar seus poderes a menos que seja absolutamente necessário. A não ser que não houvesse outra saída.

Andando quase silenciosamente entre as folhas mortas e os galhos secos, ele fez seu caminho ao redor das árvores. Seu carro estava estacionado lá. Ele olhou para trás e viu que o corvo tinha ido e os ramos caíram sobre o coelho. Tinha algo sinistro no modo como ele abria as asas. Algo sinistro e triunfante. A garganta de Siwon apertou-se e ele quase voltou para persegui a ave.

Se ele encontrasse o pássaro de novo, olharia dentro da mente dele, ele decidiu. Mas agora, seus olhos passaram rapidamente pelas árvores, sua mandíbula trincou-se. Ele não queria chegar tarde à Escola Lee.


Notas Finais


Então, o que acharam?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...