História The way We see the World HALREN(LAUSEY) CAMREN G!P - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Halsey, Krewella
Personagens Camila Cabello, Halsey, Lauren Jauregui, Yasmine Yousaf
Tags Camila Cabello, Camren, Camrengip, Fifthharmony, Halren, Halsey, Interssexualidade, Krewella, Laurenjauregui, Lausey
Visualizações 214
Palavras 1.855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, FemmeSlash, Ficção, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 19 - Take me


 

• [CHANINI] •.

 

Algo no âmago de Delora não estava bom.

Ela assisitia todas as noites, Halsey se preparar, vestir a jaqueta, colocar uma mochila nas costas, olhar para os lados para garantir que não era seguida e sair como uma fugitiva. Ela sabia bem onde Halsey estava indo.

O que doía em Delora era o fato de que ela era a única que havia perdido. Jahan nunca mais voltaria, e Halsey nunca havia mostrado nenhum pingo de tristeza com isso. 

 

(...)

 

Halsey jogava um jogo em seu celular, enquanto Chanini assistia desenhos na televisão com Yásmine, que escovava seus cabelos.

Apesar do jeitinho infantil, Yásmine tinha toda a paciência do mundo com ela, cantava suas cançõezinhas e contava histórinhas para ela dormir.  Em seguida Chanini desaparecia, ficava dias sem dar notícias, e consequentemente, uma sua gêmea, Delora mal humorada e irritante aparecia.

Yásmine viu que Camila Cabello estava fazendo uma pequena live no facebook, então foi se distrair, Halsey arrumou sua mochila para dormir na casa de Lauren e Chanini ficou sozinha na sala com um biquinho levemente infantil. Curiosa como só, e muito apegada à Halsey, ela segurou suas pernas, esperneando.

- Não vá, Halsey. Nini precisa de você!

- Nini, fica com a Yásmine um pouquinho, sim? Eu já volto.

- Mentira! Você só volta no outro dia. A Delora me contou!

Halsey parou imediatamente, e se abaixou ao chão, junto à pequena.

- O que ela te contou?

- Me desculpa! Nini não pode dizer mais nada. – e tapou a boca com as mãos, o rostinho apavaorado – Não disse nada.

- Você vai me dizer sim. O que ela disse?

- Se Chanini contar, Delora vai brigar com Chanini!

- Ela não vai brigar tá? – e deu um beijinho em sua testa – Eu prometo.

- Se eu contar você fica?

A de cabelos azuis fitou o relógio. Lauren iria pensar que ela não iria, mas Halsey precisava mesmo saber daquilo.

- Halsey vai ficar?

- Delora me disse que você fica atrás da sua “ceguinha”, só porque ela se aproveita e que não pode ver o seu defeito.

- ELA DISSE ISSO DE MIM? – Halsey bufou irritadíssima.

- Sim. Delora disse que quando você menos esperar, o que é seu está guardado. – e levou a ponta do dedo ao lábio, olhando para cima e pensando – O que Delora quis dizer, Halsey?

- O que é meu está guardado? – e torceu os olhos – Ela não pede por esperar!

 

 

• [ LAUREN] •

 

Eram uma e trinta da manhã. Halsey ainda não havia chego. Tentou tocar novamente o Philip Adler no piano, a música que tanto lhe relaxara, a canção “Cameron

Ela se enrolou em seu robe, calçou botinhas de frio, desceu, se sentou ereta no piano e pôs-se a praticar, nota após nota.

Duas e dez da manhã.

Um trovão urrou nos céus. O sopro das brisas, o farfalhar dos galhos, o cheiro de umidade que se formava... Jauregui praticamente tinha superpoderes como sua super audição e sua memória. Ela era uma garota fantástica.

Mas ao que era especial, isso lhe prejudicava. Halsey embaçava todos os seus sentimentos, seria calor no peito, pernas trêmulas, seu coração batia descompassado. Sempre que se deitava no peito dela, ficava mansa, ou quando ela fazia cócegas, ficava alerta.

Halsey era fodidamente envolvente. Precisava dela, pensava nela, respirava ela. Maldita rebelde de cabelos azuis, Smurf-gay!

- Onde você se meteu garota? Tem menos de doze horas que nos vimos, e eu já estou com saudades suas. Por favor, não demore. – disse com um sorriso e uma vontade de chorar.

Por qualquer razão, se levantou, mesmo as trovoadas e ventanias ficando mais e mais fortes, e saiu de casa. Andou, até que percebeu que estava a bons metros de casa.

- Que merda, deixei minha guia em casa!

Ela então começou a caminhar, com passos lentos e se apoiando no muro, descendo a rua tropegamente. Jauregui com sua audição superdesenvolvida pôde ouvir um chorinho, mais ou menos como de um bebê.

Seguiu os sons, até encontrar uma pequena caixa de papelão virada com um jornalzinho. Uma bolinha de pelos quente e chorosa esfregou o focinho úmido em sua caneça.

- Ai meu Deus! Por que está aqui sozinho, bebê? – a morena o ergueu nos braços

Era um cachorrinho, parecia ter três meses. Tinha uma barriguinha grande e redonda, parecendo vermes, uma cauda fina, e um focinho comprido. Ela não podia ver, mas sua cor era castanha.

- O que está fazendo aqui sozinho, hein?

O abrigou em seu roupão, e o embalou nos braços como se fosse um bebê, apenas com a cabecinha para fora.

Entrou sorrateiramente em casa, antes que sua mãe escutasse algo. Deu um banho rápido, secou com o secador, e lhe serviu pão amassado com leite. Agora tudo o que ele fazia era lambê-la, e abanar sua cauda, pedindo carinho.

- Acho que vou chamar você de Leo.

 

(...)

 

Depois de jantados e de banho tomado, seu novo boy e ela estavam debaixo das cobertas, protegidos do temporal.

Lauren tinha um sono tranquilo, Leo descansava com o focinho entre o rabo, deitado debaixo de seu braço. A morena formava uma conchinha com seu novo melhor amigo, quando sentiu ele farejar e descer da cama. Gemeu pela falta de contato, mas voltou a cochilar.

Um vaso se quebrou, caindo ao chão.

- Shh, fica quieto cachorro do demônio! – ela ouviu Halsey gritar

Lauren imediatamente acordou, quando sentiu Leo dando mordidas e pequenos rosnados, e Halsey tentanto se desvencilhar.

- Sai daqui! Bicho chato!

- Isso, Leo! Defende a mamãe! Expulsa ela! – disse e gargalhou

O vira-lata levando a sério, começou a avançar mais e mais na direção de Halsey, de alguma maneira tentando afastar sua “mamãe” daquela intrusa de cabelos azuis. Lauren ria de se acabar, ouvindo os detalhes da luta.

- Você nunca mais vai me dar susto enquanto o Leo estiver aqui.

- Tá e posso saber por que ele está me atacando?

- Não sei, mas descobri que ele é um ótimo cão de guarda. – e deu duas batidinhas – Vem Leo, deita aqui. – ela disse e imediatamente ele obedeceu

Leo se deitou ao lado de Lauren, mas não deixava Halsey se aproximar da cama.

A de cabelos azuis estava um pouco por causa da chuva, então tirou a jaqueta, a calça jeans e os calçados, ficando apenas de cueca e regata, ambas pretas. Quando foi se sentar, Leo deu uma bela mordida em seu braço.

- Bom garoto. – e Lauren se virou de costas – Agora deixa a mamãe dormir, sim?

- Que é? Não ganho nem um boa noite?

- Boa noite, Ashley. – respondeu seca e se virou

- O que eu fiz? Por que está chateada?

- Não estou chateada! Que porre!

- O que foi que eu fiz?

- Sabe que horas são, Halsey?

- Sei lá, onze horas?

- São duas da manhã! Sabe quanto tempo eu fiquei te esperando? – e se sentou, o olhar sempre, em direções aleatórias

- Ai, já está tão tarde? Não. Pera. Você estava me esperando dormir? – e abriu um sorriso largo – Porra, Laws, você não consegue dormir sem mim?

Halsey sentiu o peito aquecido, e não conseguia desmanchar o sorriso em seus lábios. Lauren a estava esperando!

- Você sentiu saudades minhas?

- Vá se foder, Ashley!

- Oh, não. – e tentou tocá-la, que se esquivou – Seja bonitinha e responda, sim?

- Sai. Não quero papo.

Imediatamente, Halsey a roubou pela cintura, a abraçando fortemente por trás, caíram pelo tapete e rolaram, Leo latindo e resmugando que atacaram sua “mamãe”

- Ainda está brava?

Lauren não respondeu. Halsey se sentou sob sua cintura e a atacou de cócegas. Em instantes a menor estava gargalhando. Quando cessou com um espirro.

- Isso é um espirro? Você ficou gripada por conta da friagem? – e Halsey fez um muxoxo

- Sai. Já disse que não quero papo contigo!

- Não saía daí. – e a maior se levantou

Halsey retornou no minuto seguinte com uma xícara de chá, naldecom e uma pomada anticongestionante. Lauren bebeu o remédio e o chá, entre um espirro e outro.

- Melhor?

Jauregui apenas assentiu.

- Por que demorou tanto? – perguntou de braços cruzados – Por que não me avisou onde estava.

- Eu estava pensando. Chanini me disse umas coisas, na verdade a Delora disse umas coisas de mim.

- Que coisas?

- Sabe por que eu nunca tive nenhum relacionamento sério?

- Por quê?

- Porque quando as garotas me vêem, elas logo sacam o meu problema e se afastam. Você é a pessoa mais próxima que eu tenho agora, sabe por quê? Porqe você não me vê, e ela me disse uma coisa que é verdade. Quando você puder me ver, será que você também vai fugir como as outras?

Lauren fitava sua boca, ouvindo cada palavra. Ela mordeu os próprios lábios e suspirou.

- Eu jamais fugiria de você! Quando você me achou naquele beco, quando você me carregou nos braços, quando você deita do meu lado, ou até quando você faz cócegas sem eu permitir, eu me sinto cada vez mais ligada a você. Eu acho que é cedo pra falar, mas eu não aguento ficar longe de você, Ashley.

- E quem disse que é pra você ficar, Laws? Eu vou te salvar, te carregar no colo, te abraçar e te fazer cócegas quantas vezes forem necessárias para que você entenda que eu sou louca por você.

- O q- ela não concluiu

Halsey grudou seus lábios nos dela. A princípio foi manso, mas em seguida se tornou ardente, pedindo passagem e contato. Lauren permitiu que aquela língua afoita invadisse a sua e aprofundou o beijo. Aquele sim era o seu primeiro beijo, ardente, com paixão, carinho.

Jaregui gemeu, grudando as mãos nos cabelos da maior. Céus como era bom, como queria aquilo!

Pararam porque precisaram de ar, e agora Lauren era quem comandava. Halsey a foi deitando na cama, passeando as mãos pela sua barriga, costelas, coxas, e ela amava aquele contato possessivo e selvagem.

Leo que estava em dúvida se latia, rosnava, optou por ir para debaixo da cama e escondeu os olhos debaixo das patinhas.

Halsey parou o beijo e foi para seu pescoço, lambendo de cima a baixo, excitada, por cada gemido insando daquela garota. Lauren se sentou, tirando a própria blusinha do babydoll, revelando um sutiã da cor vinho, sexy e pecaminoso.

- Laws, vamos com calma sim? – Halsey a interrompeu

- Uau! O que foi isso?

- Isso. – selinho – É o que você causa em mim, princesa. Isso. – outro selinho – É você mexendo com o meu corpo, com todos os meus instintos, me fazendo ficar cheia de desejo. Eu quero tanto te tomar, Lauren. Eu preciso.

- Então me tome.

 

 

BOTAS FINAIS

JÁ SABEM QUE QUANDO VOCÊS COMENTAM BASTANTÃO TIA SARAH FICA FELIIIIIIZ E AS CALCINHAS VÃO FICANDO CHUVOSAS

Ah, Leo é o boy que vai dormir na cama da Lauren, acha mesmo que ia ter macho nessa fic? Não, né?

Lobinhos, agora o que vocês acham? Se a Camila melhorar e aprender com os erros dela, ela merece outra pessoa?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...