História The Way You Look Tonight - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Exibições 67
Palavras 3.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa parte dos capítulos tem uma música como referência, vou colocar o nome do capítulo como nome na música. Black and Gold é um música de Sam Sparro. Quem quiser conhecer as músicas da fanfic é só tacar no google, porque vou colocar várias no decorrer da fic! Espero que vocês gostem dessa história que eu estou amando!

Capítulo 1 - Black and Gold


I feel a way of something beyond
I don't see what I can feel
If vision is the only validation
Then most of my life isn't real

Black and Gold – Sam Sparro

15 de Julho de 2016

-Catharina.

-Catharine? –O homem a minha frente perguntou risonho.

-Não. Catharina. –Repeti mais uma vez. –Eu sou a fotógrafa.

-CatharinA. –Revirei meus olhos. –Você não deveria estar tirando fotos?

-Você não deveria estar servindo? –Rebati e ele saiu andando.

Sentia-me um tanto quanto confusa naquele meio. Estava tudo tão lindo, eram onze da manhã e Holmes Chapel colaborava com o tempo.

Nunca fui acostumada com aquele tipo de evento, na verdade, nunca pude me acostumar com algum para ter uma experiência. Enquanto os convidados se acomodavam pelo espaço como se estivessem atrasados – e estavam – eu procurava me concentrar em todos os detalhes daquele casamento. A churrasqueira; A tenda para o almoço; O enorme jardim a minha frente em que logo logo a noiva estaria entrando; Os arranjos maravilhosos de buquês; As toalhas brancas nas mesas enormes. Tudo parecia funcionar em uma perfeita sincronia, como uma orquestra.

Tinha também um palco perto da piscina, me sentia em um clipe do Maroon 5 e com certeza, isso não me incomodava. Sempre preferi as bandas em eventos. Se Adam Levine entrasse de surpresa e começasse a cantar Sugar, essa viagem valeria muito mais a pena do que me contaram.

-Oi? –Senti me cutucarem de leve no ombro e me virei mexendo na lente da câmera.

-Oi. –Dei meu melhor sorriso simpático para Robin, ele estava um noivo lindo, assim como Anne estava maravilhosa.

-Cath. –Riu nervoso. –Posso te chamar assim?!

-É claro.

-Então Cath, Anne está super nervosa, seus filhos ainda não chegaram. –Suspirou. Finalmente percebi como ele estava soando. –Você é a única pessoa que deixariam entrar naquele quarto. Por favor, teria como você acalma-la? –Sorriu nervoso.

-Olha, eu poderia tentar... –Estava quase terminando de falar quando ele me cortou.

-Então ótimo! Corra antes que ela desmaie! -Saí correndo enquanto Robin me empurrava.

Aquela casa era gigante, mas era tão reconfortante que parecia que eles eram os donos. Estava apaixonada em cada detalhe quando me toquei do real motivo de estar “passeando” pela casa.

-Anne? –Bati umas duas vezes na porta até ouvir um “Entra!”. –Está tudo bem? –Perguntei enquanto a via correndo de um lado para o outro.

-Catharina, você nem acredita no que está acontecendo! –Ela falava tão rápido que meu inglês arcaico nunca foi testado tão bem como naquele momento.

-Sente-se Anne, vou pegar um copo d’água. –Ela se sentou enquanto pegava uma garrafinha no frigobar.

-Pode ser assim mesmo. –Disse e eu a entreguei. –O voo dos meus filhos atrasou. Meu casamento está afundando. –Falou chorosa.

Nunca fiquei tão perto de uma noiva no dia de seu casamento como hoje. Não tive reação nenhuma, não sabia o que fazer. Isso nunca esteve em meus planos do que fazer antes de morrer.

-Anne, seu casamento não está arruinado! Ele está maravilhoso. –Sorri e ela me olhou. –Antes do Robin me chamar até aqui, estava admirando a beleza deste lugar. Nunca fui em um casamento tão lindo como o seu. –Ela deu um riso fraco. –A senhora deveria estar orgulhosa!

-Cath, já falamos sobre o “senhora”. –Ri com ela. Não estava acostumada com isso. –Apenas “Anne”, por favor.

-Pode deixar! –Sorri.

Antes de poder continuar alguém entrou correndo pela porta sem ao menos bater.

-DINDA! –Berrei. –Vai estragar a surpresa. –Disse e ela se virou correndo com a mão no rosto. Ela estava bizarramente vermelha, chegava a ser engraçada aquela situação toda.

-Tudo bem, Cath. Sua dinda me ajudou a escolher o vestido. –Anne gargalhava com toda aquela situação.

-Desculpa. –Me contive.

Mesmo que não me sentisse em um trabalho, estava ali para aquilo. Tinha que me comportar como se tivesse em um, ou quase isso, precisava treinar para o futuro. Mesmo o futuro não sendo fotografia, mas sim jornalismo.

-Não se preocupe com isso querida. –Passou a sua mão em meu rosto enquanto sorria. Sorri timidamente para a mesma. –Fale Deise, qual o motivo do desespero?

-Seus filhos chegaram! –Nunca vi Anne sorrir tão abertamente como naquele momento. –Está na hora da noiva!

-Eles não vão subir?

-Não, os meninos estão se preparando e a Gemma já foi se sentar. Robin está no altar. Só falta a noiva. –Sorriram uma para a outra e minha Dinda se despediu.

-Boa sorte, noiva. –Ri. –Você está linda.

-Muito obrigada, Cath.

-Foto dos últimos segundos? –Perguntei apreensiva.

Não queria ser uma dessas fotógrafas chatas que não te deixam em paz em um dos momentos mais importantes da sua vida.

-Foto dos últimos segundos! –Anne pareceu mega animada com a minha proposta e logo sorriu para a câmera que eu já tratava de preparar.

-Prontinho! –Disse depois de uma sequência de fotos. –Ficaram maravilhosas. –Suspirei feliz com o trabalho que eu estava fazendo ali. Nem parecia a Catharina nervosa de mais cedo. –Espero você lá em baixo?

-Gostaria que você descesse comigo. –Senti meu rosto ficar um pouco vermelho de vergonha, mas concordei.

-Pedido de noiva é uma ordem.

Descemos juntas enquanto Anne apertava minha mão. Ela soava frio, seu rosto estava igual o de uma pessoa encantada com tudo em sua volta.

Quando minha Dinda me contara sobre Anne, ela deixou claro a pessoa incrível que ela era. De todos os sentimentos que eu já senti até agora por estar fotografando o casamento de Anne Cox, o maior deles com certeza foi esse, seu sorriso enquanto descia as escadas pronta para mais um passo em sua vida.

[...]

Enquanto a maluca aqui corria de um lado para o outro para conseguir fotografar Anne com seus convidados em suas mesas, minha Dinda dava altas gargalhadas ao me ver extremamente descabelada. O vento tinha aumentado e em minha opinião, isso deixava o clima muito mais romântico, meu cabelo já discordava.

O casamento tinha sido maravilhoso. Tudo ocorreu como Anne e Robin tinham planejado. A cerimônia foi tão rápida que logo já me peguei acolhendo Anne novamente junto com minha Dinda, Robin e sua filha Gemma. Ela procurava pelo seu filho que havia sumido assim que a cerimônia tinha se encerrado, ela queria tirar foto com a família, mas acabamos mudando para a última foto.

-Cath, os Johnsons estão amando seu trabalho. Posso passar seu contato para eles mais tarde? –Anne perguntou enquanto o casal a minha frente me encarava.

-Eu adoraria. –Sorri.

-Minha filha irá nascer daqui a dois meses, estou louca para fazer um álbum. –Um pouco em cima da hora, não?! Pensei, mas preferi guardar o comentário para mim mesma.

-Cath está passando um tempo por aqui, aproveite enquanto ela não volta para sua vida no Brasil, não é mesmo?! –Assenti.

-A não ser que vocês queiram fazer essas fotos lá no meu país. –Sorri e eles gargalharam.

-Seria ótimo. –A mulher me encarou encantada. -Passamos nossa lua de mel lá. Adoraria voltar.

-Nossa Jessy. –O homem acariciou a barriga de sua mulher. -Irá amar. –Sorriu para mim. –Você é da onde no Brasil? –Perguntou educado.

Estava meio nervosa para voltar a fotografar já que Anne tinha pedido licença e se retirado há segundos atrás. Todavia decidi aproveitar um pouquinho.

-Do Rio.

-Rio de Janeiro. –Falaram com um sotaque engraçado. –Lá é maravilhoso.

-Espero que vocês voltem. –Sorri e me retirei depois de mais alguns diálogos.

Gemma apareceu correndo em minha frente com sua mãe. Anne estava começando a ficar irritada.

-Tudo bem? –Perguntei já com medo daquilo tudo ser por minha causa.

-MEU FILHO É UM IRRESPONSÁVEL! Ele chega atrasado e ainda tem a cara de pau de sair por aí sem ao men... –Anne não conseguiu terminar.

A atenção de todos foi ao palco. O menino de olhos claros, cabelo que deixara de ser cacheado já a um tempo sorria para a mãe. O resto do grupo terminava de ajeitar tudo. A minutos atrás o palco estava coberto com um pano incrivelmente branco para a cerimônia. Agora ele já tinha sumido dali e cinco meninos se encontravam sorridentes naquele palco. Eu os conhecia das revistas; Da televisão; Do radio; Era a One Direction na minha frente e eu estava bem longe de dar um ataque.

-Minha mãe deve estar muito revoltada comigo. –Riu sem graça. –Mas eu precisava sumir um pouquinho, por ela. –Ele se virou para os meninos e fez um aceno com a cabeça.

Os primeiro acordes de uma música começou a tocar. Eu sabia qual era. Suspirei sorrindo e cheguei mais perto do palco junto com os outros convidados. Eu amava aquela música, ela estava em todos os momentos mais importantes da minha vida. The Way You Look Tonight é uma música do Frank Sinatra.

-I will feel a glow just thinking of you –Sussurrei junto a música.

Peguei a minha câmera e comecei a tirar fotos daqueles meninos que fizeram todo um sentimento que eu nunca poderia ver, apenas sentir, passar por mim. Eu estava extasiada.

-And the way you look tonight –Cantou para a mãe. A mesma já não contia as lágrimas e deixava claro sua felicidade.

Lembrei da última vez que aquela música me fez me sentir assim. Minha última apresentação de dança. Dancei como se aquele fosse o fim dos tempos, nunca acreditei que fosse parar, aquela nostalgia que o menino dos olhos claros me trazia me deixava extremamente contente com vontade de sair por aí pulando e gritando como eu estava amando toda aquela experiência. Eu estava feliz e fazia tempos que eu não me sentia assim.

- Lovely, don't you ever change. Keep that breathless charm won't you please arrange it. –Todos pareciam encantados com aquela música sendo cantada e tocada por aqueles meninos. Não me lembro de um cover tão bom como aquele. -Cause I love you.

Aproveitei aquele momento em que todos pararam, inclusive os que estavam dançando, para tirar uma das fotos mais emocionantes da minha vida.

Anne segurava a mão do filho enquanto a outra estava em seu rosto, ora limpando as lágrimas e ora com a mão na boca. Já ele, bom, ele estava com uma mão dada a sua mãe e a outra no microfone. Eles estavam frente a frente, ele desceu do palco e eu deveria agradecer depois por ter me dado duas oportunidades em um mesmo dia.1) Uma nostalgia maravilhosa. 2) Uma foto que vai entrar para o álbum “Eu me amo!”. Um álbum incrível de fotos que eu mesma tirei e eu sinto orgulho por isso.

-Just the way you look tonight. –Cantou a última frase da música e todos foram a loucura.

Anne pulou em seu filho que se enterraram em um abraço enorme. A foto daquele momento também estava boa, mas nada como a anterior. Logo Gemma se jogou entre seu irmão e sua mãe. Robin não queria ficar de fora e aquela sim, foi uma grande fotografia.

Os meninos que estavam no palco também pareciam emocionados, mas não pela música em si. Um dia talvez, eu descubra o real motivo. Para não ficar de fora então, enquanto todos se abraçavam, os meninos do palco pularam um em cima do outro e se juntaram ao grupo dos “Abraçamos mesmo!”. Tirei mais algumas fotos quando senti alguém se jogando em cima de mim quase me derrubando.

-DINDA! –Berrei de empolgação. –Muito obrigada por me proporcionar isso. –Disse quase chorando e vi meu dindo vindo logo atrás.

-Você merece isso tudo, nossa netinha emprestada. –Sorri.

-Gatinha, você está incrível hoje. –Meu dindo me elogiou e eu corri para abraça-lo. Robin teve um imprevisto e acabou que meu dindo foi em seu lugar para não tirar o noivo do próprio casamento.

-Vocês não conseguem imaginar a mistura de sensações que está dentro de mim. Eu mesma não estou aguentando. –Falei quase explodindo de tanta felicidade.

Naquele momento nós três falávamos em português e todos os convidados em nossa volta nos olhavam estranho, nós éramos aliens para eles. E eu, bom, eu amava aquilo.

-Eu e seu dindo estávamos tentando imaginar como você estava quando eles cantaram essa música. Surpreendi-me quando vi que você não estava chorando. –Ela riu.

-Bom, não era para tanto. –Sorri envergonhada.

Depois de algumas trocas de frases com meus dindos voltei ao meu “trabalho”. Se sempre fosse assim, eu queria aquilo para a minha vida. Aproveitei o momento caloroso de todos e ataquei uns petiscos da festa. Apesar de ser uma “empregada” e não me sentir como uma. Anne deixou claro várias vezes que eu também era uma convidada, logo, deveria aproveitar tudo como uma.

-Cath meu amor. Venha tirar uma foto minha com meus filhos emprestados. –Me berrou e eu fui correndo até a sua direção.

-Desculpa Anne, tava matando o Garfield que existe dentro de mim. –Gargalhei junto a ela e os meninos me olhavam com uma cara engraçada.

Não os julgo, eu pensaria e ficaria do mesmo jeito ao ver a fotógrafa daquele jeito com a noiva.

-Tudo bem, aproveita enquanto o Niall não foi comer ainda. –Ela e os meninos riram enquanto o loirinho revirava os olhos.

-Já tiraram a foto gente?! –Uma voz super rouca falou perto de meu ouvido. Seria mentira falar que eu não me arrepiei. Não era culpa minha, vamos lá. –Quero a minha mãe para mim!

-Ah Harry, deixa disso. Tia Anne é nossa mãe também. –Um dos meninos falou rindo enquanto aproveitei para tirar foto. –Ei! Tava rindo.

-São as melhores fotos. –Baixei a câmera para olha-lo e pisquei rindo.

-Toma LOUIS! –O menino berrou no meu ouvido.

-Olha os modos HARRY! –Gemma berrou da mesa dos doces que ficava ali perto.

-Vamos tirar logo essa foto antes que eu desista de vocês todos. –Anne falou e me olhou. –E de você também senhorita Catharina! –Falou se fingindo de autoritária e eu abri minha boca em um perfeito “O”. Ela gargalhou e eu ri de leve.

Tirei algumas fotos. Na verdade, algumas são poucas para as milhares de fotos que eu tirei daqueles meninos com Anne. Sem contar as gargalhadas que eu dava entre uma e outra. Estava amando aquilo.

Quando chegou na parte de Harry, Gemma e Robin, Anne estava quase chorando. Ela repetia que seus bebes estavam crescendo e Gemma fazia piadinhas para a mãe. Harry não parava de sorrir enquanto cantarolava a música recém tocada pelo mesmo.

Após horas e horas de “trabalho”, Anne decidiu me liberar para dar uma descansada e segundo a mesma, “aproveitar a festa”. A verdade é que eu estava aproveitando muito mais do que ela poderia imaginar.

Às sete da noite, boa parte dos convidados já haviam ido embora. Minha dinda se entupiu tanto de chocolate que acabou tendo que ser levada para o hotel pelo meu dindo.

Anne aproveitou a despedida dos convidados para que eu tirasse algumas fotos que ainda faltavam entre ela e seus parentes e amigos.

-Cath, você foi incrível nesse dia! Queria muito que você tivesse aproveitado mais! Fico triste por estar te liberando só agora. –Falou meio tristonha.

-Que isso Anne, eu amei cada segundo. Você não sabe como me diverti hoje! –Sorri. Eu não sei se ela sentia o mesmo que eu, mas eu sentia que eu parecia a garota mais feliz do universo naquele momento.

-Muito obrigada por tudo, meu amor. Quero você sempre como a minha fotógrafa!

-Eu que agradeço, nunca achei que fosse conseguir uma oportunidade tão incrível como essa! –Falei e ela sorriu.

-Você estará sempre em meu coração. –Se retirou e eu fiquei ali observando o resto dos convidados que ainda sobraram. Os mais próximos da família, com certeza.

Observei de longe Harry, o filho de Anne. Ele estava mexendo no celular e parecia meio preocupado. Seus amigos estavam na mesa de doces e sua irmã que passou boa parte da festa junto a eles tinha sumido.

Lembrei-me então que já estava liberada para aproveitar um pouquinho a festa e que eu queria agradecer ao menino de olhos claros. Nunca fui muito de me esconder, sempre falei quando queria com alguém, mas aquilo tava de longe ser algo que eu estava 100% segura de fazer.

Sentei-me ao lado do menino e ele me olhou. PENSA RÁPIDO CATHARINA! Meu subconsciente gritava comigo.

-Obrigada. –Sorri.

-Por ter salvado a sua vida? –Perguntou curioso e eu gargalhei. Me contive logo depois de me lembrar como eu costumava ser histérica.  

-Não, não mesmo. –Ri fraco e ele sorriu fogo após um suspiro.

-Fãs costumam falar isso. –Bloqueou seu celular e me encarou.

-Não sou sua fã. –Ele me olhou surpreso. –Bom, não exatamente. Acho que depois de seu cover de hoje, fiquei encantada por você. Talvez vire sua fã agora. –Falei rindo e ele balançou a cabeça negativamente enquanto sorria.

-Você me parece uma fã.

-Suas fãs tem a mesma aparência que eu?! –Perguntei olhando meu vestido vermelho.

-Elas costumam ficar me encarando boa parte do tempo enquanto estamos no mesmo lugar. –Falou e eu senti minhas bochechas ficarem da cor de minha roupa. 

-Não era exatamente a minha intenção. –Comecei a me embaralhar no meu péssimo inglês e senti vergonha de mim mesma naquele momento. –Patch estaria com raiva de mim agora. –Sussurrei, mas ele pareceu ouvir.

-Quem é Patch?

-Meu ex-professor de inglês. Ele estaria decepcionado com as merdas que eu estou falando. –Ri.

-Seu inglês não é ruim quando você não está nervosa. –Sorriu gentilmente.

-É, talvez. –Percebi que todos me olhavam e decidi me retirar. Já tinha feito mais do que eu queria ali e agora parecia realmente o que ele tinha me dito a segundos atrás. Eu era uma fã. –Bom. Obrigada. –Falei e me levantei. Eu ia me retirando quando ele pulou em minha frente me fazendo dar dois passos para trás.

-Por? –Perguntou curioso.

-Por ter salvado a minha vida. –Provoquei-o e ele gargalhou. –Motivo um. Você me deixou muito feliz com aquele cover. Eu deveria te agradecer eternamente por aquilo. –Ele sorriu envergonhado.

-E o dois?

-Por ter me ajudado a tirar uma das minhas fotos favoritas do dia. –Ele sorriu mais abertamente naquele momento e pegou delicadamente a minha câmera a tirando de meu pescoço.

-Posso ver?

-Se você não for me zoar por ser uma total iludida achando que foi uma boa foto, mas na verdade foi uma péssima.

-Vou ficar quieto. –Me garantiu.

-Então pode vasculhar até o meu passado obscuro.

-Tem certeza?

-Acho melhor não. –Gargalhamos. 


Notas Finais


Espero que vocês gostem! Críticas são sempre construtivas!
Se gostarem, por favor, comentem, compartilhem com os amiguinhos e favoritem! Vou amar o carinho de vocês e sempre responderei!
Um beijo, um queijo e um abraço da tia Jess!
*Desculpa por qualquer erro*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...