História The wedding - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Catarina Loss, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Jem Carstairs, Lily, Magnus Bane, Maia Roberts, Maryse Lightwood, Max Michael Lightwood-Bane, Personagens Originais, Rafael Lightwood-Bane, Raphael Santiago, Robert Lightwood, Simon Lewis, Tessa Gray
Tags Casamento, Malec, Saphael
Visualizações 37
Palavras 1.884
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Festa, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


EU SEI, vacilei e demorei uma vida mas eu realmente não sabia como terminar a história sem cair em um grande clichê, e advinhe o que? ficou clichê.
A música é I loved her first- heartland, uma música super fofaaa que eu super achei que combinaria com esse capitulo e com a história, mas não sei.
Achei mais que necessário que o ultimo cap fosse pelo ponto de vista da pessoa principal da história, a noiva.

Capítulo 4 - The dance


 

Muito pequena eu descobri o que era dor, manipulação e medo, fiz coisas que não queria e que me arrependo profundamente, mas, de alguma forma, algum porque que nem eu sei dizer, alguém la em cima colocou algumas pessoas na minha vida, que me ensinaram o amor, carinho e verdadeiro sentido de família.

Magnus e Alexander viram em mim coisas que ninguém mais viu, abriram sua casa e acima de tudo seus corações me amando incondicionalmente. Então veio o pequeno, muito azul e extremamente carinhoso Max com sua risada fofa e pequenos chifres e grande bagunça, tão lindo e inocente e tão cedo sabendo a dor do abandono. Depois Raph, com sua pele morena e grandes olhos castanhos, falando estranho como o tio Raphael, tão magro e calado e assustado e... quebrado. Papa e Ayah decidiram cuidar deles como cuidaram de mim e eu prometi a mim mesma que nunca deixaria nada de mal acontecer a nenhum deles, iria usar minha magia para o bem, proteger aqueles que amo e que foram machucados, minha família.

Foi assim que encontrei com Nico pela primeira vez, com 10 anos, na casa do tio Simon, em mais uma visita dos meus pais que aparentemente precisavam falar sobre algo importante e de adulto. Lembro de ficar no chão distraindo meus irmãos enquanto Ayah e tio Raphael conversavam quando ele entrou na casa se escondendo atrás do tio Simon, lembro de sua cara de assustado quando me viu, feição que logo mudou pra um olhar tão feroz quanto a de um gatinho com seus grandes olhos tão negros quanto a noite, cabelo em leves ondas que no ângulo certo apenas se pareciam pequenas asas de morcego, tão magro quanto Raph quando chegou na nossa casa, suas roupas em tons pretos e sua pele tão pálida como a de um fantasma.

- já que ninguém vai nos apresentar eu sou a Madzie e esses são meus irmãos Raph e Max.- lembro de levantar do chão e estender a mão em sua direção, de como ele me olhou estranho como se ninguém nunca tivesse feito algo assim antes e falou seu nome tão baixo que soou como um sussurro: Nicolas, naquele momento eu decidi que queria proteger aquele garoto tanto quanto minha família.

Em algum momento ao longo dos anos viramos melhores amigos, apenas porque éramos o mesmo com a mesma idade por perto ou porque conhecíamos a dor por trás um do outro, não sei, mas sei das noites sobre o telhado do Dumort olhando as estrelas, dos treinos até nossos corpos não terem mais energia pra se mexer, tardes em meu quarto conversando besteiras e noites em seu quarto, deitado em seu peito o ouvindo- o ler em sua língua materna se apegando aos velhos livros italianos em uma esperança de não esquecer aquilo que carregava como uma das poucas coisas bonitas de seu passado.

Também teve as brigas pelas grandes coisas e pelas pequenas, portas batendo e gritos, lagrimas durante as noites sem dormir por medo de perder e de deixar ir quando ainda nem sabíamos como tudo entre nós tínha virado amor.

Então teve aquela conversa onde tudo parecia ir de mal a pior quando fomos atacados por demônios, onde lutamos por nossas vidas e onde eu acabei esgotando minhas forças, sendo jogada em um carro apenas para abrir meus olhos e ver seus olhos tão perto dos meus, a chuva sempre pareceu combinar com seu cabelo fazendo-o se moldar em seu rosto e o sorriso que ele abriu quando me viu acordar me enfeitiçou como nenhum outro fez antes. Naquela noite teve nosso primeiro beijo, de baixo da chuva, cansado, machucado e um pouco cobertos de sangue de demônio.

Tudo isso me levou a esse dia, a vestir esse vestido branco e dourado, a entrar por aquele corredor e estar aqui, ao seu lado, pronta pra gritar ao mundo que somos um do outro e que seremos um do outro por toda a eternidade.

Os votos foram simples e até esse momento a festa foi exatamente como o planejado, na hora dos votos todos riram e choraram e ainda tento respirar depois das risadas quando vejo meu marido, ainda se sente estranho pensar nele dessa forma, subir no palco e tomar o microfone em suas mãos.

- Normalmente o noivo não costuma fazer isso mas quando nós tínhamos 12 anos eu prometi a Madzie que iria fazer um belo discurso no dia do seu casamento então aqui estou eu.- sua risada é baixa e sei que ele está constrangido.- Eu poderia dizer que passei a noite toda acordado pensando no que iria dizer hoje, o que em parte é verdade, mas a verdade é que essa garota que hoje finalmente posso chamar de minha esposa me tira o sono a anos, desde de o dia em que nos conhecemos e ela tão espirituosamente estendeu a mão em minha direção e não se abalou quando eu não fiz o mesmo... desde a primeira vez que descobri o que era amar. Entre todos os altos e baixos que passamos juntos o que mais me veio a mente foi minha própria transformação. Assumir a transformação é um risco, principalmente com a sede de sangue, era perigoso, poderia ser letal, mas Madzie bateu o pé e ficou ao meu lado em cada momento que pode e quando ela não podia mais por que a dor era demais pra nós dois ela passou noites acordada no telefone, quando tudo ficou tão escuro e assustador que eu só queria fazer acabar ela iria me ligar ou mandar uma mensagem ou mesmo aparecer em meu sonhos falando sobre seu dia ou sussurrando de novo e de novo que era apenas mais uma noite, mais uma noite antes de estar ao seu lado novamente. Nós passamos por tanta coisa e ainda é tão incrível que ela me ame... mas eu deveria falar um pouco sobre ela certo? Sobre essa garota teimosa, que odeia esperar, que nunca tem medo e que sempre protege aqueles que ama, essa garota que eu amo e que e seguiria a qualquer lugar sem pensar duas vezes mesmo que toda vez que ela escolhe um lugar pra gente sair acabamos entrando em alguma enrascada ou em algum lugar que provavelmente destruiria a minha reputação... essa garota que pegou um garoto quebrado pela mão e o ensinou novamente a amar. Ela sabe o que eu vou dizer, ela sabe disso a um tempo, mas eu preciso ter certeza de dizer a ela apenas mais uma vez: Madzie Lightwood-Bane Santiago, nada nem ninguém nesse mundo poderia me fazer questionar qualquer segundo do que vivemos.- ele desce do palco ainda segurando o microfone e me jogo em seus braços segurando as lagrimas, ele beija minha testa e nos vira de frente para os convidados.

- É sendo tomado por seu espirito selvagem e destemido e por te amar tanto quanto te amo que faço mais uma quebra de protocolo essa noite, Magnus, pode vir aqui por favor?- Nico continua, Ayah se levanta, caminha lentamente em nossa direção e para do outro lado de nico, aparentemente tão confuso quanto eu.- Normalmente a primeira valsa são dos noivos mas queria que esse primeiro momento tão especial fosse de vocês dois.- ele dá um passo atrás, entrega o microfone para o Max e corre para fora da pista de dança, ainda tento processar o que está acontecendo mas mesmo assim coloco as mãos sobre os ombros de Ayah, o movimento comum e familiar depois de anos dançando pela casa em seus braços.

A melodia enche meus ouvidos e sinto lagrimas quentes escorrerem por meu rosto quando escuto a voz do meu irmãozinho cantando de forma tão maravilhosa essa musica...

Look at the two of you dancing that way

Lost in the moment and each others face

So much in love your alone in this place

Like there's nobody else in the world

I was enough for her not long ago

I was her number one

She told me so

And she still means the world to me

Just so you know

So be careful when you hold my girl

Time changes everything

Life must go on

And I'm not gonna stand in your way

 

But I loved her first and I held her first

And a place in my heart will always be hers

From the first breath she breathed

When she first smiled at me

I knew the love of a father runs deep

And I prayed that she'd find you someday

But it still hard to give her away

I loved her first

 

How could that beautiful woman with you

Be the same freckle face kid that I knew

The one that I read all those fairy tales to

And tucked into bed all those nights

And I knew the first time I saw you with her

It was only a matter of time

 

But I loved her first and I held her first

And a place in my heart will always be hers

From the first breath she breathed

When she first smiled at me

I knew the love of a father runs deep

And I prayed that she'd find you someday

But its still hard to give her away

I loved her first

 

From the first breath she breathed

When she first smiled at me

I knew the love of a father runs deep

Someday you might know what I'm going through

When a miracle smiles up at you

I loved her first

- Eles estão certos, você me amou primeiro e o amor que eu sinto por você nunca vai ser substituído por nenhum amor ayah.- sussurro em seu ouvido ainda o abraçando depois de dançarmos aquela musica e afasto meu rosto de seu ouvido apenas pra vê-lo sorrir entre lagrimas que enxugo com um sorriso em meu próprio rosto.

- Agora sim é hora do noivo.- Meu irmão fala e olho ao redor vendo quase todos em lagrimas e sorrio para Nico que caminha até parar ao meu lado.

- Obrigada Nicolas, acho que você ganhou um ponto ou dois comigo.- Ayah comenta e vejo meu marido sorrir.

- o suficiente pra chamar você de sogrinho?- Nico pergunta brincando.

- não seja tão arrogante, no máximo para ter a honra de me chamar de tio Magnus mais uma vez.- Nico o abraça meio de lado feliz em saber que mais uma vez conquistou a confiança de seu tio favorito e ayah praticamente me coloca em seus braços.

-Você fez uma boa escolha princesa, não que isso seja surpresa, você é sempre aquela com as melhores escolhas.- Ayah sussurra em meu ouvido e logo correndo para o lado de papai que parece que vai desidratar de tantas lagrimas.

- Obrigada Nico, isso foi muito importante pra mim.- sussurro apenas o abraçando enquanto ainda estão arrumando tudo para a próxima dança.

- O que eu precisar fazer pra te fazer feliz, eu farei Madzie. Te prometi isso no dia que aceitou namorar comigo e como um Santiago criado por Raphael, tenho prazer em cumprir essa promessa.- seu toque em meus lábios é casto, apenas um selinho e nesse momento sei que fiz a escolha certa... toda a dor e medo e cada momento que me trouxe até esse momento valeu a pena.


Notas Finais


Comentem, digam o que acharam, elogiem, façam criticas (mas não muito, tenham pena de mim) porque vou responder sempre e até uma próxima.
bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...