História The Wings - Auréola de Fogo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 11
Palavras 1.239
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Aqui está o segundo capítulo, espero que gostem!

Capítulo 2 - A Festa de Halloween


Depois que compraram as fantasias, Jade se despediu de Lydia e seguiu caminho a pé. Sua casa não ficava muito longe dali e ela gostava de caminhar sozinha pra clarear as ideias. Por mas que ela tentasse, não conseguia tirar da sua cabeça o sonho que tivera na noite passada. Ela tivera muitos sonhos estranhos antes, mas não como esse. Tinha sido real demais, mas real do que qualquer outro sonho que ela já tivera. 

Ela resolveu pensar um pouco sobre isso. Tentou lembrar de qualquer coisa que pudesse ter alguma ligação com a realidade, mas ela não conseguiu nada além de vagos flashes de memória. Ela sempre foi muito cética em relação ao sobrenatural, porém sempre acreditou que havia algo mais nos sonhos.

Ela lembra que uma vez Lydia lhe contou que tinha tido um sonho. Nesse sonho, a prima dela estava finalmente namorando. Jade não achou nada de mais nisso. Nem a própria Lydia acreditou que isso seria mais do que mais um sonho louco que seu cérebro cansado projetou. Mas uma semana depois, a prima dela disse que arranjou um namorado, e quando ela o apresenta a Lydia ela vê que é exatamente igual ao cara do tal sonho dela. 

Jade virou uma esquina e abriu o velho portão de ferro fundido da sua casa. Se é que ela pode chamar mesmo aquilo de casa. Toda sua vida morou lá, mas nunca sentiu que ali era seu lar. Seu pai morreu antes dela nascer e sua mãe a abandonou, desde então ela morava naquela velha casa com seu velho tio. Quando contava essa parte de sua vida, todo mundo a olhava com piedade, e ela odiava isso. Ela não era do tipo que se fazia de coitadinha. Além do mais, não tem porque ela sentir falta de quem ela nem chegou a conhecer. 

Ela já estava subindo as escadas para seu quarto, quando ouviu passos e se virou. 

— Dormiu fora querida? — Perguntou uma voz. 

— Sim, tio Gregório. Na casa da Lydia. — Respondeu Jade educadamente. 

— Ah, então estava em boa companhia. — Disse Gregório. Ele sempre gostara de Lydia. Quando Jade e Lydia eram pequenas, Lydia passava horas falando sobre Ursinho Pooh com Gregório, que evidentemente também amava esse desenho em particular. — Porém, gostaria que me avisasse quando for passar a noite fora. 

— Sem problemas, vou lembrar disso da próxima vez. — Disse Jade subindo as escadas e entrando no seu quarto. Ela tinha certeza que ia se atrasar uns bons minutos para a festa.

***

— Porque demorou tanto? — Perguntou Lydia enquanto girava descontroladamente o volante. Lydia nunca foi boa em dirigir. 

— Eu não achei que fosse demorar tanto tempo para me arrumar. — Disse Jade ajustando o cinto de segurança e tirando duas barras de proteína da bolsa. — Quer? — ofereceu Jade a Lydia. 

— De jeito nenhum! Eu quase não entrei nessa fantasia. Se eu ficar mesmo popular, vou ter que emagrecer uns bons quilos. — Disse Lydia observando o trânsito.

O motorista que estava atrás do carro de Lydia gritou pra ela andar logo e ela berrou dizendo que se ele estivesse apressadinho deveria passar por cima. Jade observou rindo enquanto guardava a barra de proteína que Lydia recusara. Com todo aquele frio a estrada tinha quase virado uma pista de patinação para carros, mas mesmo assim não demorou muito até que as duas estivessem no local onde ia ocorrer a festa. 

As duas nunca tinham ido a casa de Peter Histern, é claro, mas já tinham ouvido tanto as pessoas comentando sobre festas anteriores que haviam ocorrido lá, que já sabiam o que esperar. Era uma casa moderna, com pé direito alto e lindamente decorada. Elas infelizmente não puderam ver mais do que a sala já que a festa ocorreria no jardim. 

O jardim assim como a casa era belíssimo, amplo e com uma estufa grande de vidro que Jade adorara. Não deu pra ela notar muitos outros detalhes já que além de ele estar completamente lotado de abóboras, teias de aranha falsa e outros artigos de Halloween, tinha muitos adolescentes bêbados assim como Jade previra. 

— Vou pegar uma bebida pra gente. — Lydia disse. Jade a encarou, então ela completou. — Calma Jads, é só refrigerante. 

— Acho bom mesmo. — Retrucou Jade.

Lydia se virou e foi até o bar improvisado que estava em uma das extremidades do jardim. Jade a observou por um segundo, mas logo outra coisa chamou sua atenção. Peter Histern estava vindo em sua direção. Ele estava com uma fantasia de pirata e com um sorriso branco perfeito.

— Oi Jads, você veio! — Disse ele. Jade pensou sobre isso por um momento. Ele por acaso sabia que ela viria? ou melhor, que ela existia? Ela nunca havia trocado se quer uma palavra com ele e do nada ele aparece aqui a chamando pelo seu apelido? Muito suspeito, pensou ela. 

— Oi. — Disse Jade secamente. 

Então o que menos ela esperava aconteceu. Ele pegou a mão dela e todo mundo olhou para os dois. Jade ficou sem saber como agir.

— Jads, eu venho guardando isso a muito tempo, mas não posso mas negar meus sentimentos por você. — Jade o encarou já sentindo o rubor em seu rosto. Uma mistura de ódio e vergonha. Peter estava esperando uma resposta e quando ela não deu, ele continuou. — Jads, estou apaixonado por você. — Jade continuou sem expressão, vendo isso e já ficando constrangido por estar sendo rejeitado ele a beijou a força. 

Ela o empurrou com tanta força que ele quase caiu e então ela deu um belo tapa na cara dele. E depois se virou pra ir embora, mas não antes de ver Lydia olhando com desapontamento e tristeza em sua direção e virando as costas. Ela correu atrás dela, mas Lydia já tinha pegado o carro e ido embora. 

***

Ela se sentiu um lixo. Que tipo de amiga ela era? ela ouvia Lydia falar desse garoto a vida inteira, sem perceber que era ela própria quem ele queria. Pensou em como Lydia devia estar triste agora, essa era pra ser a melhor festa da vida dela e acabou sendo a pior. Ela então deixou a lembrança da dolorosa experiência voltar a sua mente. O jeito com Peter a olhou com aqueles terríveis olhos verdes, o jeito que ela corou o que a deixou parecendo uma idiota, o jeito como a pobre e inocente Lydia a olhava com desprezo. 

Então ela avaliou sua situação. Ela estava vestida de anjinha-mau, no meio da noite e nem sabia como voltar pra casa. Ela considerou ligar para o seu tio Gregório, mas depois pensou bem e achou melhor não. Ele iria fazer perguntas e ela não saberia dar as respostas. Então ela simplesmente começou a andar, não sabia pra onde estava indo, não sabia quando parar, só sabia que precisava desesperadamente sair dali e apagar todo esse episódio de sua memória. 

Ela não sabe quanto tempo andou, mas já passava da meia-noite com certeza, e ela já estava exausta. Ela estava numa alameda, coberta por neve e tremendo de frio. Parou um pouco pra descansar e se encostou em uma árvore, foi quando ela ouviu passos. Quem será? Jade pensou. Será Lydia querendo conversar? Será alguns adolescentes da festa querendo tirar sarro de sua cara? Sera Peter querendo se declarar novamente? Será o tio Gregório preocupado? Será só algum doido andando no meio da rua sozinho a noite?  Não. Era algo bem pior. Ela podia esperar por tudo, menos pelo o que ela viu. 


Notas Finais


Hm... o que será que Jade viu?
A partir de agora as coisas vão ficar mais sérias, deixando esse lado bobinho de fora.
Continuem lendo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...