História The Wings - Auréola de Fogo - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 13
Palavras 1.286
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Mais um capítulo pra vocês!
Espero que gostem.

Capítulo 4 - Jardim do Éden


— Tá bom, agora já chega! — disse Jade — Com certeza há algum engano aqui, não sou a salvadora de ninguém, muito menos esse troço que você me chamou! Quero ir pra casa, agora! 

Jade estava agindo como uma criança mimada, mas a situação era tão ridícula que ela nem ligava pra isso. Só queria ir pra casa, se trancar no quarto e gritar até não poder mais. 

— Você não está entendendo a situação, Jade. — continuou o homem. 

— Ah eu estou entendendo muito bem sim, só que não posso fazer absolutamente nada por vocês. Arrumem algum anjo ou sei lá o que pra me substituir nisso. — disse Jade. 

— Ninguém pode te substituir, Jade. Sei que é muito pra você por um dia, e acredite, nunca colocaria você nisso se tivéssemos outra opção. Além do mais, não é só os anjos que estão em perigo, Jade. Todos que você ama morrerão se não acabarmos com isso. Lúcifer quer trazer o apocalipse, e você é a nossa última esperança.  — disse o homem ainda calmo, isso irritava Jade, como alguém pode permanecer calmo falando sobre o fim do mundo? 

Jade parou por um momento e pensou em Lydia e Gregório morrendo. Não deveria ter feito isso porque a imagem sangrenta em sua mente fez ela tremer dos pês a cabeça. Ela definitivamente não deixaria nada acontecer com as duas pessoas que ela mais ama no mundo, mas ela ainda estava confusa, como se estivesse presa em um sonho, isso não podia ser real, anjos e demônios não existem, são apenas historinhas pra colocar medo nas pessoas e fazer com que elas façam as coisas certas, é a mesma coisa que acreditar em Papai Noel. Mas se é mesmo um sonho, que mal faz ela em aceitar pelo menos considerar a ideia? 

— Mesmo achando que é loucura, prometo pensar sobre isso. Não estou dizendo que vou aceitar, mas se por acaso isso acontecesse, qual seria o meu papel nisso tudo? — disse Jade. 

— Sabia que você era uma menina sábia, Jade. Você saberá mais quando for a hora, não posso passar informações secretas do céu para quem ainda não se comprometeu com nossa missão. — disse o homem passando a mão em sua longa barba branca. — De qualquer modo, estarei aqui esperando por você, quando se decidir. A propósito, meu nome é Nataniel, líder dos anjos guardiões. 

— Acredito que já saiba o meu nome. — disse Jade levantando uma sobrancelha. 

— Sei muito mais do que o seu nome, querida. — disse Nataniel superiormente, mas não de uma forma arrogante.

Jade o encarou por um momento, pensando sobre o que exatamente ele estava falando. O que ele sabia dela? tinham acabado de se conhecer, não? mas logo depois desviou o olhar e disse: 

— Posso ir agora?

— Ah, claro, vá até Alec, o anjo que te trouxe e diga a ele que eu permiti sua saída. Ele se dá muito bem com os portais. — disse Nataniel pensativo. 

Jade se levantou e foi até a porta, tudo que ela queria naquele momento era sair dali, sair desse lugar. Ela ansiava por algo normal, sadio e humano, mas quando ela abriu a porta viu algo totalmente diferente. Se ela achava que a sala em que acabara de estar era bonita, esse jardim que ela avistava agora era totalmente extraordinário. Ela virou pra trás pra perguntar pra Nataniel onde encontrar Alec, mas não encontrou nada além de fumaça roxa sumindo no ar, como aquela do portal que ela usou pra chegar no céu. Era óbvio que Nataniel a tinha mandado até ali, nem a porta que ela tinha acabado de abrir estava lá. 

O jardim era fantástico, pra onde se olhava tinha árvores altas, roseiras com lindas rosas brancas, harpas encantadas que tocavam sem precisar de ninguém para manuseá-las, e todo tipo de plantas. O ar era totalmente agradável, nem frio demais, nem quente demais, fazendo o clima ficar bem mais aconchegante. Jade pensou que Lydia ia gostar muito daquele lugar, com todas aquelas flores que ela amava. Isso a fez lembrar de como Lydia tinha a olhado naquela noite, que agora parecia tão distante. Lydia e ela já tinham brigado antes, como todas as amigas, é claro, mas por coisas bobas, dessa vez Jade praticamente a humilhou em público. Jade queria tanto que Lydia estivesse aqui agora, pra ela explicar como tudo isso era uma grande besteira e como ela odiava aquele Peter por magoar ela! Jade fez uma nota mental de lembrar de pedir desculpas a Lydia. Mas logo saiu de seu devaneio quando ouviu alguma coisa se movendo. 

Ela andou pela grama macia e logo avistou Alec atirando flechas em um alvo distante. Aconteceu tanta coisa em tão pouco tempo que ela nem pode pensar sobre o que aquele jovem estava fazendo em seus sonhos. Pelo pouco tempo que ela havia passado com ele, ela já sabia que ele parecia ser calmo, assim como Nataniel e provavelmente todos os anjos, até quando estava matando três demônios completamente sozinho, e então porque ele a olhava tão desesperadamente naquele sonho? Aliás, o que ele estava fazendo em seu sonho? Ela pensou em perguntar para ele, mas como iria iniciar essa conversa? Oi, você é o garoto dos meus sonhos, sabia? Não, definitivamente ela não poderia fazer isso. Além do mais, ela não sabia porque, mas quando ela olhava para aqueles belos olhos azul índigo ela se sentia estranha, nervosa. 

Como não sabia como iniciar uma conversa, por um momento ficou apenas observando Alec. O jeito como ele era ágil, o jeito como ele atirava flechas e acertava todos os alvos, o jeito como seu cabelo estava solto, com exceção de duas mechas de cada lado da cabeça, que estavam trançadas e que se juntavam e formavam uma trança maior atrás. Ela podia olhar pra ele por horas e mesmo assim não conseguiria dizer todas as suas qualidades visuais, a sua beleza era totalmente angelical. Ele porém, percebendo que estava sendo observado, sem se virar, disse: 

— Já não te disse que... — e se virou. Quando viu Jade, Alec primeiro ficou surpreso e os dois se encararam por um momento, depois seu rosto adquiriu outro semblante, quase como admiração. — Pensei que era outra pessoa. — ele disse. 

— Ah, mas sou só eu. Ainda não fomos apresentados, sou Jade. A propósito obrigado por salvar a minha vida. — disse Jade acenando com a cabeça. 

— Alec, e não foi nada. — disse ele com um meio sorriso. 

— Seu nome não parece nada angelical. — disse Jade retribuindo o sorriso. 

— Nem poderia ser, já que ele é o meu nome terráqueo. — disse ele fitando os olhos escuros de Jade.

— Nome terráqueo? cada vez isso fica mais estranho. — disse Jade. 

— Você se acostuma. — disse ele depois de soltar um suspiro.

Jade e Alec se encararam por mais um momento, mas vendo como a situação já estava ficando constrangedora e lembrando do motivo pelo qual tinha vindo aqui, Jade disse: 

— Nataniel pediu para você me levar para casa. 

— Então você não aceitou a proposta. — disse Alec com um leve desapontamento na voz. 

— Eu disse que ia pensar, e vou. — disse Jade. 

— Pense com carinho então. — disse Alec chegando mais perto de Jade, segurando suas mãos e dizendo as mesmas palavras esquisitas que ele tinha dito pra abrir o portal pro céu. 

Ela logo viu a fumaça roxa de novo e entrou - dessa vez sozinha - no portal. E de repente ela estava na frente da casa de Lydia. Ela não sabia quanto tempo passara, mas o céu já estava claro, a neve derretendo e o sol rachando. Ela também não sabia como Alec sabia que ela queria falar com Lydia, mas o agradeceu mentalmente. Ela bateu na porta três vezes e esperou, já sabendo o que estava por vir. 


Notas Finais


Como será que Lydia vai reagir?
Aguardem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...