História The Wolf Pack - Capítulo 8


Escrita por: ~

Visualizações 102
Palavras 8.678
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente!
Nesse capítulo o diário está muito fofo, bom, na minha humilde opinião está kkkk.
Eu vou viajar semana que vem, mas eu vou postar um capítulo se tudo der certo!

Boa leitura!

Capítulo 8 - First Love


Fanfic / Fanfiction The Wolf Pack - Capítulo 8 - First Love

      Em uma das nossas visitas ao nosso “observador de guepardos”, maneira que gostávamos de chamar a montanha que dava visão aos guepardos correndo, Kyungsoo me abandonou para ir a um curso de desenho, que ele nem queria realmente ir, somente foi porque seu crush estava lá.

      Desde que o Kyung cismou que seria um ômega, (coisa que sairia completamente de nossos planos de comandar duas alcateias e junta-las para fazer um império, um dia íamos dominar o mundo!) ele passou a procurar um alfa na nossa escola com um cheiro que o deixasse apaixonado. Sim, ele é muito apressado, mas o que posso fazer para impedi-lo?

      Mesmo sem companhia, subi sozinho a montanha. Logo consegui ver os carros parados, todos tinham um selo, o que autorizava eles a irem para lá deixarem seus híbridos correrem.

      Me sentei e tirei um suco e um sanduíche da sacola que levava, minha mãe achou que eu iria me encontrar com o ChimChim, mas ele acabou desmarcando, então eu resolvi assistir os híbridos correndo.

      Era impressionante a rapidez que eles se moviam, seus corpos não passavam de vultos, não via a hora de finalmente descobrir minha classificação e me transformar em um lobo, para correr tão rápido quanto eles.

      Me deitei de bruços, apoiando minha cabeça em meus braços. Terminei o suco e guardei na sacola, tirando os olhos do campo. Quando voltei para minha posição inicial pude sentir uma presença do meu lado…

      — É muito legal ver eles correndo, não é? — Uma voz próxima demais apareceu do nada, fazendo meu coração bater como nunca e um berro sair da minha garganta. Rosnei para a nova presença, que riu em resposta — Você é muito fofo! Como é o seu nome? — Disse, o que agora reconheci como híbrido de guepardo.

      — Eu sou o Yoonie e você? — Disse, me aproximando do estranho.

      — Meu nome é Jungkook, mas pode me chamar de Kookie — Se sentou de frente para mim, estendendo sua mão, não sabia o que aquele movimento queria dizer, até que ele pegou o meu pulso, entrelaçando nossas mãos, subindo e descendo — Isso é um sinal de que eu sinto prazer em te conhecer, pelo menos é isso que meus donos me contaram — Disse, olhando no fundo dos meus olhos com aquelas jabuticabas gigantes.

      — Ah, eu sabia, só estava pensando em outra coisa — Tentei fugir da vergonha de não saber um ato tão simples quanto aquele.

      — Quantos anos você tem? Eu tenho 9 — Fez o número com os dedos, que tinham alguns cortes, provavelmente da grama.

      — Eu tenho 6 — Ele riu e bateu palmas, começando a cantar.

      — Eu sou mais velho, eu sou mais velho, eu sou mais velho — Aquele moleque ainda teve a audácia de mostrar a língua para mim.

      — Não ligo se você é mais velho ou não! Eu ainda vou ser um alfa lúpus e ser o próximo líder da minha alcateia — Levantei, ficando contra o vento, o que achei que me faria parecer mais heroico, mas só aumentou a risada do mais velho.

      — Você? Alfa? — Riu mais ainda — Não me faça rir! Você é tão pequeno que se eu te colocar no potinho, sobraria espaço para mais duzentos de você! — Disse, levantando-me e colocando o braço por cima da minha cabeça.

      — Você fala como se fosse muito alto — Ok, ele era bem alto se comparado a mim, porém ele não precisa saber disso — E além do mais, tamanho não é documento, meu pai que é alfa é mais baixo que a minha mãe! — Aquilo realmente era verdade, meu pai era julgado pelo seu tamanha, mas a sua voz de alfa fazia com que todos tremessem.

      — Mas além do seu tamanho, você parece um boneco. Alfas não parecem com bonecos, eles parecem predadores, como eu — Disse e mostrou suas presinhas, o que me fez rir — Ei! Por que está rindo? — Cruzou os braços na frente do corpo, fazendo birra.

      — Se eu sou um boneco, você é um bichinho de pelúcia! — Ri ainda mais quando o moreno inflou as bochechas.

      — Yah! Tenha algum respeito com o seu hyung! — Sentou-se novamente, com a cara emburrada, sendo acompanhado por mim — Eu só não te mostro meu poder porque você é meu primeiro amigo! — Aquela frase fez meu sorriso sumir, como assim primeiro amigo?

      — Você não tem outros amigos? — Perguntei, recebendo um sinal de negação do próprio, que parecia mais triste agora — Ah mas não tem problema, eu vou te apresentar a todos os meus amigos-deitei minha cabeça em seu colo, parecia intimidade demais, porém eu me sentia extremamente confortável com a sua presença-Tem o Kyungsoo, a Moonbyul e o Baek-senti seus dedos em meus fios, fazendo um carinho lento, que era quase tão bom quanto o menino com o cheiro gostoso — Ah e ainda tem os amigos que eu pretendo fazer : Tem um beta na minha escola que é a pessoa mais legal do mundo! Ele é superinteligente e super legal. Eu nunca tive coragem de falar com ele-escondi meu rosto com as mãos, imitando o jeito que ficava quando o mais velho passava perto de si.

      — Você gosta dele? — Kookie disse, tirando um dedo que tampava meus olhos, sua expressão demonstrava um incômodo, que passou despercebido por mim.

      — Não sei, eu nem ao menos falei com ele, como posso saber se ele quer ser meu amiguinho? — Fiquei confuso com a pergunta do moreno, já que tinha acabado de falar que ainda queria ter ele como amigo.

      — Não! Como amigo não, como namoradinho? — Sua expressão estava cada vez mais apreensiva, como se esperasse o pior.

      — Argh! Que nojo! Namoradinhos se beijam Kookie, é nojento! — Passei a mão pela minha boca inúmera vezes, como se tivesse acabado de fazer o ato.

      — Não é nojento! Meus humanos fazem isso com muita frequência — Falava como se fosse um especialista em beijinhos, o que duvidava que ele fosse — Eles fazem isso porque se gostam!

      — Mas eu gosto do Kyung e nunca beijei ele! — Disse, ainda confuso com toda aquela história.

      — É diferente, eles se gostam como namoradinhos — Suas mãos saíram do meu cabelo e começaram a gesticular conforme ele falava.

Me sentei e segurei as duas mãos, esticando as duas pernas e colocando do lado das suas, que entravam cruzadas. Olhei no fundo daquelas jabuticabas, notando que suas bochechas coraram com o meu olhar.

      — Kookie, você quer ser o meu namoradinho? — Perguntei, tombando a cabeça para o lado, coisa que eu sempre fazia quando pedia algo para a mamãe.

      — Eu...eu...quero! — Entrelaçou os nossos dedos, me puxando para mais perto, sua mão soltou a minha, segurando agora meus ombros, lugar em que ele se apoiou para avançar sobre mim, selando nossos lábios.

      Aquela sensação era estranha, porém gostosa. Seus lábios eram macios e molhadinhos. Fechei meus olhos, deixando-me levar pela sensação.

      Foi tudo muito rápido para raciocinar, assim que abri meus olhos novamente, Kookie estava com as mãos na frente do rosto e o que ficava de fora estava completamente vermelho. Senti meu rosto queimar, olhei para as minhas bochechas, que estavam completamente vermelhas. Ri um pouquinho e peguei as mãos de Jungkook, tirando elas da frente de seu rosto, juntei nossos lábios em outro selo.

      Fechei meus olhos quando Kookie acariciou meu rosto, separamos de novo, desta vez seguramos um a mão do outro e rimos. Coloquei minhas pernas por cima das do Jung e comecei a contar-lhe histórias sobre o líder que eu tentando venerava, às vezes exagerando em alguns fatos, os tornando fantasiosos, mas não conseguia evitar.

      — Então ele se transformou num Lobo gigantesco! O Cha era incrível! Além de tudo ele também dançava! — Jungkook tinha seu queixo encostado em meu ombro, seus olhos estando completamente focados, como se ele piscasse, perderia a melhor parte — Uma vez, eu vi ele dançando com o JaeHwan, eles eram incríveis! Mas então eles começaram a se beijar, não que nem a gente, parecia que eles queriam sugar a boca do outro! Era nojento — Soltamos um sonoro “blé” juntos, rindo juntos.

      —Meus donos me encontraram em uma caixinha, dentro de um...um labo...aish eu não consigo lembrar-fez um biquinho, não me segurei e passei meu dedo por eles, recebendo uma risada de Kookie — Eles falam que eu tinha chances de ir para um lugar lá no alto- apontou para o céu, o que me confundiu, como alguém podia ir tão longe? — Mas agora não tem mais essa possibilidade, é chato! Ia ser legal ir lá para cima-disse olhando sonhador para o céu.

      — Ah! Mas se você fosse, não iria me conhecer e me conhecer foi a melhor coisa que te aconteceu! — Empinei meu nariz, vendo a cara de indignado do Jung, ri junto a ele.

      — Yah! Criança convencida! — Seus dedos faziam uma sensação engraçada na minha barriga, não consegui segura a risada. Quando abri meus olhos de novo, Jungkook estava por cima de mim e minha garganta já doía de tanto rir.

Forcei seu corpo para o lado e fiquei por cima dele, tentando repetir os movimentos que foram feitos em mim.

       — Yah! Yoonie, pare! — Ele ria, jogando sua cabeça para trás, o que fazia sua barriga e pélvis levantarem e em uma dessas eu caí para o lado, batendo minha cabeça no chão. Antes que eu pudesse pensar, lágrimas começaram a sair em uma abundância exagerada. Kookie parou de rir na hora, deixando uma face preocupada dominar seu rosto.

Jungkook abraçou-me e colocou-me em seu colo, beijando minha cabeça várias vezes.

      — A minha dona disse que isso ajuda na dor — Explicou a sua ação, dando mais alguns beijinhos onde doía — Vamos, eu vou te levar para alguém que consiga te ajudar — Ele se levantou, com muita dificuldade, afinal ele só tinha 8 anos.

Suas perninhas tentavam ir o mais rápido possível, tomando cuidado para não cair e machucar os dois. Depois de um curto tempo, chegamos na alcateia.

Assim que entramos na viela principal, pude ver o garoto do cafuné bom vindo até nós, tão preocupado quanto Jung.

      — O que aconteceu? Quem é você? — Perguntou, Kookie só contou que eu tinha me machucado e precisava de ajuda.

O garoto nos guiou a escola, entrando na enfermaria que ficava fora do prédio, disponível para alunos e outras pessoas. Jeon me deitou na maca e o menino pegou um spray e espirrou na minha cabeça, o que me fez gritar. Como aquilo ardia!

      Kookie parecia sentir mais dor que eu, falando que ia ficar tudo bem, como se aquele galo fosse uma doença terminal que podia acabar comigo.

      —Eu vou colocar um curativo e daqui a alguns dias nem vai parecer que você se machucou-o meninos fez um cafuné, tomando cuidado para não tocar no machucado.

      — Ah muito obrigado…

      — Jin, Seokjin, mas pode me chamar de Jin mesmo! — Ele falou com um sorriso muito bonito no rosto, na realidade ele era muito bonito.

      — Ah! Eu sou o Jungkook e ele é o Yoonie! — Levantou a sua mão, para fazer o mesmo ato que tinha feito comigo mais cedo. Percebi que Jin também não sabia do que se tratava, então levantei a mão dele, Jungkook aproveitou a deixa e a pegou, balançando para cima e para baixo.

      — Obrigado por cuidar de mim de novo! — Agradeci ao mais velho, era a segunda vez que ele me ajudava em situações como esta.

      Na primeira eu estava correndo pelos corredores do colégio, novamente atrasado para a aula de artes, quando tropecei num papel, caindo de bumbum no chão. Foi extremamente constrangedor, as lágrimas saíram mais por causa da vergonha do que por qualquer dor. Mas então Jin me levantou, com um pano limpou minhas lágrimas, enquanto sua mão livre fazia um carinho em meu cabelo, tenho certeza de que se eu fosse um híbrido de gato, começaria a ronronar, pedindo por mais daquele contato.

      — Não precisa agradecer, futuramente eu vou ajudar muitas pessoas, principalmente a encherem a barriga — Dei risada junto com os outros dois, mesmo que não tivesse entendido o que ele queria dizer com aquilo.

      — Oh! Eu tenho que voltar, meus donos já devem estar chegando — Disse, se despedindo de Jin.

      — Espere! Eu vou com você! — Me levantei e peguei em sua mão, acenando para Jin antes de sair.

      Corremos de mãos dadas, desviando das pedras e tentando não cair. Ao chegar no topo da montanha, pudemos ver dois humanos gritando pelo Kookie. Ele me olhou preocupado consigo mesmo e deu um selo em meus lábios, correndo para seus donos em seguida. Tampei minha face pela vergonha, teria que me acostumar com aquilo.

      O namoro entre nós dois não durou muito tempo, pois ao voltar para a alcateia, Jungkook ficava olhando para uma ômega o tempo todo e eu fiquei possesso de ciúmes, terminando com ele, falando que só o aceitaria de novo quando se transformasse num homem de verdade.

      Foi engraçado para as pessoas ver aquela cena, um menino de 9 anos chorando porque um de 7 estava gritando com ele.

      Não consegui ficar muito tempo sem falar com o mais velho, então logo o perdoei, mas a promessa de que só voltaria com ele quando se tornasse um homem ainda era real.

      Aquela história nos rendeu várias piadas sobre uma escondida paixão, que zombávamos, falando que um não viveria sem o outro, de desejos escondidos.

      Mas no fundo nós sabíamos que não era mentira e sim um fato, que estávamos tentando esconder.


 

~~**~~


 

      Acordei, com a luz do sol batendo no meu rosto, olhei para onde o raio passava, uma pequena fresta da janela. Esfrego meus olhos, tinha acabado de acordar, porém estava completamente cansado.

      Tentei me mover para sair da cama, porém quando fui levantar fui impedido por uma força em minha cintura, olhei para ela e vi um braço. Segurei um grito.

      Atrás de mim, Taehyung dormia com a boca aberta, com um pouco de baba escorrendo no travesseiro. A minha frente, Jungkook, que tinha uma das mãos em minhas nádegas, os dois estavam nus, assim como eu?

      As lembranças da semana passada com os dois vieram com tudo em minha cabeça. Oh! Eu havia feito aquilo tudo! Minha cara queimava e meu quadril doía como nunca. Jungkook estava todo marcado, seu pescoço tinha várias marcas roxas e vermelhas. Vi que o meu não estava muito diferente do seu.

      Olhei para trás, com cuidado para não acordar, Taehyung, que antes estava com a boca aberta, agora estava com um sorriso no rosto.

      Coloquei meu braço livre perto de meu nariz, o cheiro de ambos estava impregnado em mim. Oh! O que vão pensar de nós?

      E se....e se eles me marcaram?

      Procurei desesperado por uma marca em meu corpo, mas felizmente não encontrei nenhuma. Meu Lobo ficou decepcionado, já eu nunca havia ficado tão aliviado em toda a minha vida.

      Saí do meu devaneio quando ouvi um bocejo.

Jungkook piscou várias vezes antes de realmente abrir os olhos. Aquilo seria muito fofo se eu não estivesse tão assustado.

      — Ah bom dia Yoongi! — Coçou seus olhos e piscou mais algumas vezes, passando a língua pelos lábios, mas logo fez uma cara confusa que virou assustada em questão de segundos — Yoongi? — Senti a mão que estava nas minhas nádegas pressionando elas — Oh! Me desculpe — Ele tirou tão rápido a mão quanto seu rosto inteiro virou um pimentão — Eu...eu vou levantar e — A cama acabou antes dele acabar a frase, seu corpo foi de encontro ao chão, fazendo um estrondo que me assustou — Eu tô bem —Jungkook levantou rapidamente, mas seu corpo continuava despido, minha cara ardeu ainda mais ao ver as milhares de marcas em toda a sua pele — Oh! Tomar banho, tomar banho, tomar banho — A frase foi repetida até que o som do chuveiro ligado invadisse o quarto.

Decidi me levantar também, até teria feito se Kim Taehyung não tivesse apertado minha cintura e diminuído o espaço entre nós para zero. Antes que eu pudesse falar algo, senti leves mordidas dadas pelo mais velho em minha nuca, todo o meu corpo estremeceu.

      — Yah! Taetae — Mesmo o chamando as mordidas continuavam e até aumentavam, agora até mesmo beijos eram distribuídos pela minha pele. Tentei ao máximo segurar meus gemidos, mas um ou outro ainda saiam.

      — Hum Yoonie — Virei minha cabeça para trás, vendo que mesmo me mordendo, Taehyung ainda estava dormindo, provavelmente sonhando...comigo?

A vergonha foi maior que qualquer outra sensação quando senti uma ereção se formar em minha bunda. Tirei seu braço de cima de mim e tampei meu corpo com o cobertor.

      Taehyung fez uma cara de bravo, muito fofa por sinal, mas isso não vem ao caso. Sua mão começou a tatear a cama, até que encontrou a minha, puxando ela para si,levando meu corpo junto.

      — Yah! Taehyung, acorde! — O cutuquei, para ver se ele saia daquele sonho. Sabia que ele tinha um sono pesado, mais até do que o meu, mas aquilo era exagero.

Seus olhos se abriram e um sorriso iluminou sua face.

      — Então não foi um sonho? — Eu apenas movi minha cabeça, um sinal de que realmente não foi somente um sonho. Sua mão voltou para o meu quadril, fazendo nossos corpos se encostarem de novo.

      O Kim beijou minha bochecha várias vezes, antes de atacar meus lábios. Meu lobo uivava dentro de mim, feliz por receber carinho do alfa, tenho que admitir, eu também estava.

      O selo continuou assim por um tempo, nenhum dos dois aprofundava nada, era somente um carinho. Nos afastamos quando o ar ficou escasso, colando nossas testas.

      — Aish! Como pode ser tão lindo Min? — Tae deu um beijo na minha testa, em seguida olhou para o relógio e com uma cara de choro me perguntou —Que dia é hoje? — No relógio falava o dia, mas como Tae tinha problemas de visão piores que os meus, não conseguia enxergar.

      —Segunda — Disse, ouvindo um resmungo do Tae.

      — Argh, é o meu último dia antes de largar — Enfiou sua cabeça no espaço entre meu pescoço e o ombro-Bom-deixou um beijo naquele lugar, fazendo-me arrepiar — Tenho que ir. Bye bebê — Deu um beijo em minha bochecha e se levantou, nem ligando para o fato de estar despido.

      Pegou algumas roupas e foi para o banheiro do corredor.

      Resolvi me levantar também. Sabia no quarto dos pais do Tae havia um banheiro, já fui obrigado a usá-los várias vezes, toda vez que venho aqui, Tae faz questão de me sujar, só para que eu tome banho e use suas roupas.

      Peguei uma de suas camisetas e uma cueca. Fui até o banheiro e liguei o chuveiro, entrando embaixo da água em seguida. Ensaboei meu corpo inteiro, com alguns flashes dos acontecimentos dos últimos dias.

      Oh! Os toques de Taehyung, as palavras de Jungkook. Aquilo tudo foi real? As coisas que eu fiz? Ah eu não acredito que aquilo tudo havia acontecido, eu...eu.

      Não é como se eu fosse virem ou algo assim, mas eles são meus melhores amigos, bom, pelo menos eram.

      Eu disse tantas coisas obscenas. Como vou olhar na cara dos dois de novo?

      Meus pensamentos foram interrompidos por Taehyung batendo na porta.

      —Yoonie? Eu já estou indo Okay? Tem café na mesa. Bye — Assenti, como se ele pudesse ver.

      Resolvi sair do banho e enfrentar as consequências. Peguei uma toalha no armário e me sequei. Quando eu ia colocar a camisa, meu olhar se desviou para meu reflexo no espelho.

      Desde meu pescoço até as minhas pernas, tudo estava cheio de marcas. Minha pele branca havia se tornado uma galáxia e eu não poderia ter escolhido melhores artistas.

      Vesti a camiseta, vendo que ela não cobria nem um terço das marcas em meu pescoço. Coloquei a cueca e peguei uma escova nova, que eu sempre deixo ali, para as noites em que ficamos eu, Jin, Hoseok, Taetae e o Jeon aqui, às vezes com a presença do Namie.

      Escovei meus dentes e saí, olhando-me no espelho, tenho que admitir, minha pele ficava mais bonita com tais marcas.

      Quando sai dei de cara com Jungkook, que arregalou os olhos antes de despejar milhares e milhares de pedidos de desculpas, falando que seu lobo o dominou completamente. Pedindo meu perdão caso houvesse me machucado.

      — Jeon, você quis e eu também! Não tem porque pedir desculpas — Passe a mão em seus cabelos, tendo que me esticar um pouco para alcançá-los — E não, você não me machucou, de verdade-dei um sorriso para ele, que retribuiu na hora.

      — Isso quer dizer que você gostou? — Assenti um pouco tímido por tal pergunta-Ótimo! — Sorriu, antes de me grudar na parede e atacar meus lábios.

      O beijo era carinhoso, mas ao mesmo tempo tinha uma pitada de luxúria. Suas mãos contornavam minha cintura. Sua língua pediu passagem e eu a dei na hora. Podiam passar anos, mas os lábios de Jungkook sempre teriam a mesma maciez como da primeira vez que os tive para mim. Paramos para respirar — Aish Yoongi, você com essa roupa e o meu cheiro fica mais irresistível ainda — Voltou a selar nossos lábios, dessa vez a luxúria estava maior, suas mãos fizeram minhas pernas contornarem seu quadril.

      Assim que nos separamos mais uma vez, ele me olhou nos olhos.

      —Yoongi-ah, você não acha que eu já sou um homem? — Perguntou, distribuídos selares pelo meu pescoço — Se você me aceitasse, seria o ômega mais feliz do mundo, eu teria certeza que sim — Um gemido manhoso escapou de mim, quando o moreno mordeu a área sensível do meu pescoço.

      —Jeon...eu — Arfei mais uma vez ao ver ele descendo os beijos, parando ao ouvir minha voz — Deixe-me descer, meu quadril está doendo demais — Não estava mentindo, aquela posição fazia minha cintura inteira doer. Fui colocado no chão e o ouvi murmurar um “desculpe” — Você realmente já é um homem, mas eu ainda não estou preparado para tudo isso — Seu rosto adquiriu uma expressão triste, o que fez meu coração doer — Não fique triste Okay? Você sempre vai ser meu primeiro amor, mas eu realmente já estou pronto para isso, não agora.

      — Eu entendo Yoongi, desculpe lhe pressionar, saiba que eu sempre te amarei, então quando se sentir preparado, eu estarei aqui — Beijei uma de suas bochechas e selei nossos lábios, só sentindo a maciez do outro. Separei o selo e fui até o quarto de Taehyung, pegando um short e colocando-o.

      — Agora eu tenho que ir, prometi para o Seokjin-hyung que iria limpar a cozinha hoje, Tchau Kookie — Dei mais um selo no mais alto e fui embora.

      Peguei uma carona com uma ômega que passava por ali em sua bicicleta. No caminho pude ver Hoseok trabalhando na venda de flores e parei ali mesmo.

      — Hobi! — Gritei para ele, que sorriu para mim na mesma hora. Assim que cheguei mais perto seu sorriso sumiu.

      Como se farejasse algo, começou a cheirar meu pescoço, o que me deixou bem envergonhado.

      — Ah, você estava com eles né? — Sua cara triste quebrou meu coração, era difícil ver ele assim e quando estava triste, a coisa era bem grave.

      — Sim, eu passei um tempo lá, mas...por que você está triste? Sabe que não gosto de te ver assim — Disse sentando no balcão e acariciando uma de suas bochechas.

      — Não é nada, vamos esquecer isso sim? — Concordei com ele e dei um beijo em sua testa, fazendo seu sorriso voltar.

      Ficamos conversando por algum tempo até que uma cliente entrou na loja.

      — Hoseok! Como está? — Uma ômega se aproximou da gente, ignorando completamente a minha presença — O meu alfa está bem hoje? — Perguntou, fazendo um bico enorme.

      Fingi que o meu alfa não havia me incomodando, mas tinha e muito.

      — Já disse que não sou seu alfa! — Ele falou, tão sério que nem parecia o Hobi — Se você não for comprar nada, peço que se retire.

      — Mas oppa! — Ela fez uma cara indignada, como se acabasse de descobrir que a terra é redonda.

      — É isso, pode ir. Tchau, obrigado por vir — Disse, a “acompanhando” até a saída.

Assim que ela foi embora respirei aliviado, ouvindo uma risada vinda de Hoseok.

      — Está com ciúmes Yoon? — Perguntou, levantando a sobrancelha.

      — Eu? Com ciúmes? Não me faça rir-Ciúmes? — Eu estava era com muito ciúmes mesmo!

      — Aham, fica tranquilo — Ele se aproximou, passando sua mão pela minha cintura — O Hobi aqui é só seu — E assim selou nossos lábios. O beijo de Hoseok era diferente dos que eu já tinha dado, ele era agressivo mais cuidadoso ao mesmo tempo. Assim que sua língua entrou em contato com minha, uma pequena guerra começou. Mesmo que eu tentasse liderar, Hobi sempre ficava por cima, não que eu estivesse reclamando.

      Nós separamos por falta de ar, minha cara começou a pegar fogo. Três alfas em um só dia? Assim meu coração não vai aguentar. Vendo que Hobi não ia falar nada, resolvi me pronunciar.

      — Eu...eu tenho que ir, tchau Hobi — Dei um selinho em seus lábios e fui correndo para o café de Jin, nem esperando por sua reação.

      Cheguei rapidamente no café, cansando, mas cheguei. Peguei a chave reserva que ele guardava em um esconderijo no jardim e entrei.

      Fui até os fundos e peguei uns utensílios de limpeza. Tratei de ignorar a dor e aproveitei para tomar um remédio de dor que Jin sempre deixava ali.

      A cozinha não estava tão bagunçada, então não demoraria muito. Comecei a faxina limpando a geladeira, tirando tudo que tinha dentro e limpado suas gavetas e estantes.

      Com ajuda de um pano, limpei as gosmas estranhas que tinham lá dentro.     Colocando tudo de volta rapidamente para que nenhum dos produtos acabasse estragando.

      Quando eu já estava acabado de organizar tudo, a chave caiu embaixo do fogão.     Suspirei alto e reclamei um pouquinho.
      Sorte que hoje meu dia está muito bom.
      Guardei o restante dos produtos de volta do balde e o resto dos ingredientes para a geladeira, peguei a vassoura e tentei alcançar a chave com ela, mesmo que ainda estivesse distante.
      Me abaixei e comecei a tatear o chão, procurando pelo metal que me tiraria do café, porém quanto mais eu procurava, menos eu achava.
      Me curvei mais para tentar pegá-la, conseguindo finalmente tocar a chave e puxá-la parar mim. Antes que eu pudesse me levantar, ouvi uma voz vindo da porta da cozinha.
     — Aish Min Yoongi, você realmente quer me enlouqueceremos é mesmo? — Aquela voz, eu a conhecia.

      Oh senhor!

      Me levantei rapidamente, vendo que eu estava a presença de...

      Em uma das nossas visitas ao nosso “observador de guepardos”, maneira que gostávamos de chamar a montanha que dava visão aos guepardos correndo, Kyungsoo me abandonou para ir a um curso de desenho, que ele nem queria realmente ir, somente foi porque seu crush estava lá.

      Desde que o Kyung cismou que seria um ômega, (coisa que sairia completamente de nossos planos de comandar duas alcateias e juntar

      Mesmo sem companhia, subi sozinho a montanha. Logo consegui ver os carros parados, todos tinham um selo, o que autorizava eles a irem para lá deixarem seus híbridos correrem.

      Me sentei e tirei um suco e um sanduíche da sacola que levava, minha mãe achou que eu iria me encontrar com o ChimChim, mas ele acabou desmarcando, então eu resolvi assistir os híbridos correndo.

      Era impressionante a rapidez que eles se moviam, seus corpos não passavam de vultos, não via a hora de finalmente descobrir minha classificação e me transformar em um lobo, para correr tão rápido quanto eles.

      Me deitei de bruços, apoiando minha cabeça em meus braços. Terminei o suco e guardei na sacola, tirando os olhos do campo. Quando voltei para minha posição inicial pude sentir uma presença do meu lado…

      — É muito legal ver eles correndo, não é? — Uma voz próxima demais apareceu do nada, fazendo meu coração bater como nunca e um berro sair da minha garganta. Rosnei para a nova presença, que riu em resposta — Você é muito fofo! Como é o seu nome? — Disse, o que agora reconheci como híbrido de guepardo.

      — Eu sou o Yoonie e você? — Disse, me aproximando do estranho.

      — Meu nome é Jungkook, mas pode me chamar de Kookie — Se sentou de frente para mim, estendendo sua mão, não sabia o que aquele movimento queria dizer, até que ele pegou o meu pulso, entrelaçando nossas mãos, subindo e descendo — Isso é um sinal de que eu sinto prazer em te conhecer, pelo menos é isso que meus donos me contaram — Disse, olhando no fundo dos meus olhos com aquelas jabuticabas gigantes.

      — Ah, eu sabia, só estava pensando em outra coisa — Tentei fugir da vergonha de não saber um ato tão simples quanto aquele.

      — Quantos anos você tem? Eu tenho 9 — Fez o número com os dedos, que tinham alguns cortes, provavelmente da grama.

      — Eu tenho 6 — Ele riu e bateu palmas, começando a cantar.

      — Eu sou mais velho, eu sou mais velho, eu sou mais velho — Aquele moleque ainda teve a audácia de mostrar a língua para mim.

      — Não ligo se você é mais velho ou não! Eu ainda vou ser um alfa lúpus e ser o próximo líder da minha alcateia — Levantei, ficando contra o vento, o que achei que me faria parecer mais heroico, mas só aumentou a risada do mais velho.

      — Você? Alfa? — Riu mais ainda — Não me faça rir! Você é tão pequeno que se eu te colocar no potinho, sobraria espaço para mais duzentos de você! — Disse, levantando-me e colocando o braço por cima da minha cabeça.

      — Você fala como se fosse muito alto — Ok, ele era bem alto se comparado a mim, porém ele não precisa saber disso — E além do mais, tamanho não é documento, meu pai que é alfa é mais baixo que a minha mãe! — Aquilo realmente era verdade, meu pai era julgado pelo seu tamanha, mas a sua voz de alfa fazia com que todos tremessem.

      — Mas além do seu tamanho, você parece um boneco. Alfas não parecem com bonecos, eles parecem predadores, como eu — Disse e mostrou suas presinhas, o que me fez rir — Ei! Por que está rindo? — Cruzou os braços na frente do corpo, fazendo birra.

      — Se eu sou um boneco, você é um bichinho de pelúcia! — Ri ainda mais quando o moreno inflou as bochechas.

      — Yah! Tenha algum respeito com o seu hyung! — Sentou-se novamente, com a cara emburrada, sendo acompanhado por mim — Eu só não te mostro meu poder porque você é meu primeiro amigo! — Aquela frase fez meu sorriso sumir, como assim primeiro amigo?

      — Você não tem outros amigos? — Perguntei, recebendo um sinal de negação do próprio, que parecia mais triste agora — Ah mas não tem problema, eu vou te apresentar a todos os meus amigos-deitei minha cabeça em seu colo, parecia intimidade demais, porém eu me sentia extremamente confortável com a sua presença-Tem o Kyungsoo, a Moonbyul e o Baek-senti seus dedos em meus fios, fazendo um carinho lento, que era quase tão bom quanto o menino com o cheiro gostoso — Ah e ainda tem os amigos que eu pretendo fazer : Tem um beta na minha escola que é a pessoa mais legal do mundo! Ele é superinteligente e super legal. Eu nunca tive coragem de falar com ele-escondi meu rosto com as mãos, imitando o jeito que ficava quando o mais velho passava perto de si.

      — Você gosta dele? — Kookie disse, tirando um dedo que tampava meus olhos, sua expressão demonstrava um incômodo, que passou despercebido por mim.

      — Não sei, eu nem ao menos falei com ele, como posso saber se ele quer ser meu amiguinho? — Fiquei confuso com a pergunta do moreno, já que tinha acabado de falar que ainda queria ter ele como amigo.

      — Não! Como amigo não, como namoradinho? — Sua expressão estava cada vez mais apreensiva, como se esperasse o pior.

      — Argh! Que nojo! Namoradinhos se beijam Kookie, é nojento! — Passei a mão pela minha boca inúmera vezes, como se tivesse acabado de fazer o ato.

      — Não é nojento! Meus humanos fazem isso com muita frequência — Falava como se fosse um especialista em beijinhos, o que duvidava que ele fosse — Eles fazem isso porque se gostam!

      — Mas eu gosto do Kyung e nunca beijei ele! — Disse, ainda confuso com toda aquela história.

      — É diferente, eles se gostam como namoradinhos — Suas mãos saíram do meu cabelo e começaram a gesticular conforme ele falava.

Me sentei e segurei as duas mãos, esticando as duas pernas e colocando do lado das suas, que entravam cruzadas. Olhei no fundo daquelas jabuticabas, notando que suas bochechas coraram com o meu olhar.

      — Kookie, você quer ser o meu namoradinho? — Perguntei, tombando a cabeça para o lado, coisa que eu sempre fazia quando pedia algo para a mamãe.

      — Eu...eu...quero! — Entrelaçou os nossos dedos, me puxando para mais perto, sua mão soltou a minha, segurando agora meus ombros, lugar em que ele se apoiou para avançar sobre mim, selando nossos lábios.

      Aquela sensação era estranha, porém gostosa. Seus lábios eram macios e molhadinhos. Fechei meus olhos, deixando-me levar pela sensação.

      Foi tudo muito rápido para raciocinar, assim que abri meus olhos novamente, Kookie estava com as mãos na frente do rosto e o que ficava de fora estava completamente vermelho. Senti meu rosto queimar, olhei para as minhas bochechas, que estavam completamente vermelhas. Ri um pouquinho e peguei as mãos de Jungkook, tirando elas da frente de seu rosto, juntei nossos lábios em outro selo.

      Fechei meus olhos quando Kookie acariciou meu rosto, separamos de novo, desta vez seguramos um a mão do outro e rimos. Coloquei minhas pernas por cima das do Jung e comecei a contar-lhe histórias sobre o líder que eu tentando venerava, às vezes exagerando em alguns fatos, os tornando fantasiosos, mas não conseguia evitar.

      — Então ele se transformou num Lobo gigantesco! O Cha era incrível! Além de tudo ele também dançava! — Jungkook tinha seu queixo encostado em meu ombro, seus olhos estando completamente focados, como se ele piscasse, perderia a melhor parte — Uma vez, eu vi ele dançando com o JaeHwan, eles eram incríveis! Mas então eles começaram a se beijar, não que nem a gente, parecia que eles queriam sugar a boca do outro! Era nojento — Soltamos um sonoro “blé” juntos, rindo juntos.

      —Meus donos me encontraram em uma caixinha, dentro de um...um labo...aish eu não consigo lembrar-fez um biquinho, não me segurei e passei meu dedo por eles, recebendo uma risada de Kookie — Eles falam que eu tinha chances de ir para um lugar lá no alto- apontou para o céu, o que me confundiu, como alguém podia ir tão longe? — Mas agora não tem mais essa possibilidade, é chato! Ia ser legal ir lá para cima-disse olhando sonhador para o céu.

      — Ah! Mas se você fosse, não iria me conhecer e me conhecer foi a melhor coisa que te aconteceu! — Empinei meu nariz, vendo a cara de indignado do Jung, ri junto a ele.

      — Yah! Criança convencida! — Seus dedos faziam uma sensação engraçada na minha barriga, não consegui segura a risada. Quando abri meus olhos de novo, Jungkook estava por cima de mim e minha garganta já doía de tanto rir.

Forcei seu corpo para o lado e fiquei por cima dele, tentando repetir os movimentos que foram feitos em mim.

       — Yah! Yoonie, pare! — Ele ria, jogando sua cabeça para trás, o que fazia sua barriga e pélvis levantarem e em uma dessas eu caí para o lado, batendo minha cabeça no chão. Antes que eu pudesse pensar, lágrimas começaram a sair em uma abundância exagerada. Kookie parou de rir na hora, deixando uma face preocupada dominar seu rosto.

Jungkook abraçou-me e colocou-me em seu colo, beijando minha cabeça várias vezes.

      — A minha dona disse que isso ajuda na dor — Explicou a sua ação, dando mais alguns beijinhos onde doía — Vamos, eu vou te levar para alguém que consiga te ajudar — Ele se levantou, com muita dificuldade, afinal ele só tinha 8 anos.

Suas perninhas tentavam ir o mais rápido possível, tomando cuidado para não cair e machucar os dois. Depois de um curto tempo, chegamos na alcateia.

Assim que entramos na viela principal, pude ver o garoto do cafuné bom vindo até nós, tão preocupado quanto Jung.

      — O que aconteceu? Quem é você? — Perguntou, Kookie só contou que eu tinha me machucado e precisava de ajuda.

O garoto nos guiou a escola, entrando na enfermaria que ficava fora do prédio, disponível para alunos e outras pessoas. Jeon me deitou na maca e o menino pegou um spray e espirrou na minha cabeça, o que me fez gritar. Como aquilo ardia!

      Kookie parecia sentir mais dor que eu, falando que ia ficar tudo bem, como se aquele galo fosse uma doença terminal que podia acabar comigo.

      —Eu vou colocar um curativo e daqui a alguns dias nem vai parecer que você se machucou-o meninos fez um cafuné, tomando cuidado para não tocar no machucado.

      — Ah muito obrigado…

      — Jin, Seokjin, mas pode me chamar de Jin mesmo! — Ele falou com um sorriso muito bonito no rosto, na realidade ele era muito bonito.

      — Ah! Eu sou o Jungkook e ele é o Yoonie! — Levantou a sua mão, para fazer o mesmo ato que tinha feito comigo mais cedo. Percebi que Jin também não sabia do que se tratava, então levantei a mão dele, Jungkook aproveitou a deixa e a pegou, balançando para cima e para baixo.

      — Obrigado por cuidar de mim de novo! — Agradeci ao mais velho, era a segunda vez que ele me ajudava em situações como esta.

      Na primeira eu estava correndo pelos corredores do colégio, novamente atrasado para a aula de artes, quando tropecei num papel, caindo de bumbum no chão. Foi extremamente constrangedor, as lágrimas saíram mais por causa da vergonha do que por qualquer dor. Mas então Jin me levantou, com um pano limpou minhas lágrimas, enquanto sua mão livre fazia um carinho em meu cabelo, tenho certeza de que se eu fosse um híbrido de gato, começaria a ronronar, pedindo por mais daquele contato.

      — Não precisa agradecer, futuramente eu vou ajudar muitas pessoas, principalmente a encherem a barriga — Dei risada junto com os outros dois, mesmo que não tivesse entendido o que ele queria dizer com aquilo.

      — Oh! Eu tenho que voltar, meus donos já devem estar chegando — Disse, se despedindo de Jin.

      — Espere! Eu vou com você! — Me levantei e peguei em sua mão, acenando para Jin antes de sair.

      Corremos de mãos dadas, desviando das pedras e tentando não cair. Ao chegar no topo da montanha, pudemos ver dois humanos gritando pelo Kookie. Ele me olhou preocupado consigo mesmo e deu um selo em meus lábios, correndo para seus donos em seguida. Tampei minha face pela vergonha, teria que me acostumar com aquilo.

      O namoro entre nós dois não durou muito tempo, pois ao voltar para a alcateia, Jungkook ficava olhando para uma ômega o tempo todo e eu fiquei possesso de ciúmes, terminando com ele, falando que só o aceitaria de novo quando se transformasse num homem de verdade.

      Foi engraçado para as pessoas ver aquela cena, um menino de 9 anos chorando porque um de 7 estava gritando com ele.

      Não consegui ficar muito tempo sem falar com o mais velho, então logo o perdoei, mas a promessa de que só voltaria com ele quando se tornasse um homem ainda era real.

      Aquela história nos rendeu várias piadas sobre uma escondida paixão, que zombávamos, falando que um não viveria sem o outro, de desejos escondidos.

      Mas no fundo nós sabíamos que não era mentira e sim um fato, que estávamos tentando esconder.


 

~~**~~


 

      Acordei, com a luz do sol batendo no meu rosto, olhei para onde o raio passava, uma pequena fresta da janela. Esfrego meus olhos, tinha acabado de acordar, porém estava completamente cansado.

      Tentei me mover para sair da cama, porém quando fui levantar fui impedido por uma força em minha cintura, olhei para ela e vi um braço. Segurei um grito.

      Atrás de mim, Taehyung dormia com a boca aberta, com um pouco de baba escorrendo no travesseiro. A minha frente, Jungkook, que tinha uma das mãos em minhas nádegas, os dois estavam nus, assim como eu?

      As lembranças da semana passada com os dois vieram com tudo em minha cabeça. Oh! Eu havia feito aquilo tudo! Minha cara queimava e meu quadril doía como nunca. Jungkook estava todo marcado, seu pescoço tinha várias marcas roxas e vermelhas. Vi que o meu não estava muito diferente do seu.

      Olhei para trás, com cuidado para não acordar, Taehyung, que antes estava com a boca aberta, agora estava com um sorriso no rosto.

      Coloquei meu braço livre perto de meu nariz, o cheiro de ambos estava impregnado em mim. Oh! O que vão pensar de nós?

      E se....e se eles me marcaram?

      Procurei desesperado por uma marca em meu corpo, mas felizmente não encontrei nenhuma. Meu Lobo ficou decepcionado, já eu nunca havia ficado tão aliviado em toda a minha vida.

      Saí do meu devaneio quando ouvi um bocejo.

Jungkook piscou várias vezes antes de realmente abrir os olhos. Aquilo seria muito fofo se eu não estivesse tão assustado.

      — Ah bom dia Yoongi! — Coçou seus olhos e piscou mais algumas vezes, passando a língua pelos lábios, mas logo fez uma cara confusa que virou assustada em questão de segundos — Yoongi? — Senti a mão que estava nas minhas nádegas pressionando elas — Oh! Me desculpe — Ele tirou tão rápido a mão quanto seu rosto inteiro virou um pimentão — Eu...eu vou levantar e — A cama acabou antes dele acabar a frase, seu corpo foi de encontro ao chão, fazendo um estrondo que me assustou — Eu tô bem —Jungkook levantou rapidamente, mas seu corpo continuava despido, minha cara ardeu ainda mais ao ver as milhares de marcas em toda a sua pele — Oh! Tomar banho, tomar banho, tomar banho — A frase foi repetida até que o som do chuveiro ligado invadisse o quarto.

Decidi me levantar também, até teria feito se Kim Taehyung não tivesse apertado minha cintura e diminuído o espaço entre nós para zero. Antes que eu pudesse falar algo, senti leves mordidas dadas pelo mais velho em minha nuca, todo o meu corpo estremeceu.

      — Yah! Taetae — Mesmo o chamando as mordidas continuavam e até aumentavam, agora até mesmo beijos eram distribuídos pela minha pele. Tentei ao máximo segurar meus gemidos, mas um ou outro ainda saiam.

      — Hum Yoonie — Virei minha cabeça para trás, vendo que mesmo me mordendo, Taehyung ainda estava dormindo, provavelmente sonhando...comigo?

A vergonha foi maior que qualquer outra sensação quando senti uma ereção se formar em minha bunda. Tirei seu braço de cima de mim e tampei meu corpo com o cobertor.

      Taehyung fez uma cara de bravo, muito fofa por sinal, mas isso não vem ao caso. Sua mão começou a tatear a cama, até que encontrou a minha, puxando ela para si,levando meu corpo junto.

      — Yah! Taehyung, acorde! — O cutuquei, para ver se ele saia daquele sonho. Sabia que ele tinha um sono pesado, mais até do que o meu, mas aquilo era exagero.

Seus olhos se abriram e um sorriso iluminou sua face.

      — Então não foi um sonho? — Eu apenas movi minha cabeça, um sinal de que realmente não foi somente um sonho. Sua mão voltou para o meu quadril, fazendo nossos corpos se encostarem de novo.

      O Kim beijou minha bochecha várias vezes, antes de atacar meus lábios. Meu lobo uivava dentro de mim, feliz por receber carinho do alfa, tenho que admitir, eu também estava.

      O selo continuou assim por um tempo, nenhum dos dois aprofundava nada, era somente um carinho. Nos afastamos quando o ar ficou escasso, colando nossas testas.

      — Aish! Como pode ser tão lindo Min? — Tae deu um beijo na minha testa, em seguida olhou para o relógio e com uma cara de choro me perguntou —Que dia é hoje? — No relógio falava o dia, mas como Tae tinha problemas de visão piores que os meus, não conseguia enxergar.

      —Segunda — Disse, ouvindo um resmungo do Tae.

      — Argh, é o meu último dia antes de largar — Enfiou sua cabeça no espaço entre meu pescoço e o ombro-Bom-deixou um beijo naquele lugar, fazendo-me arrepiar — Tenho que ir. Bye bebê — Deu um beijo em minha bochecha e se levantou, nem ligando para o fato de estar despido.

      Pegou algumas roupas e foi para o banheiro do corredor.

      Resolvi me levantar também. Sabia no quarto dos pais do Tae havia um banheiro, já fui obrigado a usá-los várias vezes, toda vez que venho aqui, Tae faz questão de me sujar, só para que eu tome banho e use suas roupas.

      Peguei uma de suas camisetas e uma cueca. Fui até o banheiro e liguei o chuveiro, entrando embaixo da água em seguida. Ensaboei meu corpo inteiro, com alguns flashes dos acontecimentos dos últimos dias.

      Oh! Os toques de Taehyung, as palavras de Jungkook. Aquilo tudo foi real? As coisas que eu fiz? Ah eu não acredito que aquilo tudo havia acontecido, eu...eu.

      Não é como se eu fosse virem ou algo assim, mas eles são meus melhores amigos, bom, pelo menos eram.

      Eu disse tantas coisas obscenas. Como vou olhar na cara dos dois de novo?

      Meus pensamentos foram interrompidos por Taehyung batendo na porta.

      —Yoonie? Eu já estou indo Okay? Tem café na mesa. Bye — Assenti, como se ele pudesse ver.

      Resolvi sair do banho e enfrentar as consequências. Peguei uma toalha no armário e me sequei. Quando eu ia colocar a camisa, meu olhar se desviou para meu reflexo no espelho.

      Desde meu pescoço até as minhas pernas, tudo estava cheio de marcas. Minha pele branca havia se tornado uma galáxia e eu não poderia ter escolhido melhores artistas.

      Vesti a camiseta, vendo que ela não cobria nem um terço das marcas em meu pescoço. Coloquei a cueca e peguei uma escova nova, que eu sempre deixo ali, para as noites em que ficamos eu, Jin, Hoseok, Taetae e o Jeon aqui, às vezes com a presença do Namie.

      Escovei meus dentes e saí, olhando-me no espelho, tenho que admitir, minha pele ficava mais bonita com tais marcas.

      Quando sai dei de cara com Jungkook, que arregalou os olhos antes de despejar milhares e milhares de pedidos de desculpas, falando que seu lobo o dominou completamente. Pedindo meu perdão caso houvesse me machucado.

      — Jeon, você quis e eu também! Não tem porque pedir desculpas — Passe a mão em seus cabelos, tendo que me esticar um pouco para alcançá-los — E não, você não me machucou, de verdade-dei um sorriso para ele, que retribuiu na hora.

      — Isso quer dizer que você gostou? — Assenti um pouco tímido por tal pergunta-Ótimo! — Sorriu, antes de me grudar na parede e atacar meus lábios.

      O beijo era carinhoso, mas ao mesmo tempo tinha uma pitada de luxúria. Suas mãos contornavam minha cintura. Sua língua pediu passagem e eu a dei na hora.    Podiam passar anos, mas os lábios de Jungkook sempre teriam a mesma maciez como da primeira vez que os tive para mim. Paramos para respirar — Aish Yoongi, você com essa roupa e o meu cheiro fica mais irresistível ainda — Voltou a selar nossos lábios, dessa vez a luxúria estava maior, suas mãos fizeram minhas pernas contornarem seu quadril.

      Assim que nos separamos mais uma vez, ele me olhou nos olhos.

      —Yoongi-ah, você não acha que eu já sou um homem? — Perguntou, distribuídos selares pelo meu pescoço — Se você me aceitasse, seria o ômega mais feliz do mundo, eu teria certeza que sim — Um gemido manhoso escapou de mim, quando o moreno mordeu a área sensível do meu pescoço.

      —Jeon...eu — Arfei mais uma vez ao ver ele descendo os beijos, parando ao ouvir minha voz — Deixe-me descer, meu quadril está doendo demais — Não estava mentindo, aquela posição fazia minha cintura inteira doer. Fui colocado no chão e o ouvi murmurar um “desculpe” — Você realmente já é um homem, mas eu ainda não estou preparado para tudo isso — Seu rosto adquiriu uma expressão triste, o que fez meu coração doer — Não fique triste Okay? Você sempre vai ser meu primeiro amor, mas eu realmente já estou pronto para isso, não agora.

      — Eu entendo Yoongi, desculpe lhe pressionar, saiba que eu sempre te amarei, então quando se sentir preparado, eu estarei aqui — Beijei uma de suas bochechas e selei nossos lábios, só sentindo a maciez do outro. Separei o selo e fui até o quarto de Taehyung, pegando um short e colocando-o.

      — Agora eu tenho que ir, prometi para o Seokjin-hyung que iria limpar a cozinha hoje, Tchau Kookie — Dei mais um selo no mais alto e fui embora.

      Peguei uma carona com uma ômega que passava por ali em sua bicicleta. No caminho pude ver Hoseok trabalhando na venda de flores e parei ali mesmo.

      — Hobi! — Gritei para ele, que sorriu para mim na mesma hora. Assim que cheguei mais perto seu sorriso sumiu.

      Como se farejasse algo, começou a cheirar meu pescoço, o que me deixou bem envergonhado.

      — Ah, você estava com eles né? — Sua cara triste quebrou meu coração, era difícil ver ele assim e quando estava triste, a coisa era bem grave.

      — Sim, eu passei um tempo lá, mas...por que você está triste? Sabe que não gosto de te ver assim — Disse sentando no balcão e acariciando uma de suas bochechas.

      — Não é nada, vamos esquecer isso sim? — Concordei com ele e dei um beijo em sua testa, fazendo seu sorriso voltar.

      Ficamos conversando por algum tempo até que uma cliente entrou na loja.

      — Hoseok! Como está? — Uma ômega se aproximou da gente, ignorando completamente a minha presença — O meu alfa está bem hoje? — Perguntou, fazendo um bico enorme.

      Fingi que o meu alfa não havia me incomodando, mas tinha e muito.

      — Já disse que não sou seu alfa! — Ele falou, tão sério que nem parecia o Hobi — Se você não for comprar nada, peço que se retire.

      — Mas oppa! — Ela fez uma cara indignada, como se acabasse de descobrir que a terra é redonda.

      — É isso, pode ir. Tchau, obrigado por vir — Disse, a “acompanhando” até a saída.

Assim que ela foi embora respirei aliviado, ouvindo uma risada vinda de Hoseok.

      — Está com ciúmes Yoon? — Perguntou, levantando a sobrancelha.

      — Eu? Com ciúmes? Não me faça rir-Ciúmes? — Eu estava era com muito ciúmes mesmo!

      — Aham, fica tranquilo — Ele se aproximou, passando sua mão pela minha cintura — O Hobi aqui é só seu — E assim selou nossos lábios. O beijo de Hoseok era diferente dos que eu já tinha dado, ele era agressivo mais cuidadoso ao mesmo tempo. Assim que sua língua entrou em contato com minha, uma pequena guerra começou. Mesmo que eu tentasse liderar, Hobi sempre ficava por cima, não que eu estivesse reclamando.

      Nós separamos por falta de ar, minha cara começou a pegar fogo. Três alfas em um só dia? Assim meu coração não vai aguentar. Vendo que Hobi não ia falar nada, resolvi me pronunciar.

      — Eu...eu tenho que ir, tchau Hobi — Dei um selinho em seus lábios e fui correndo para o café de Jin, nem esperando por sua reação.

      Cheguei rapidamente no café, cansando, mas cheguei. Peguei a chave reserva que ele guardava em um esconderijo no jardim e entrei.

      Fui até os fundos e peguei uns utensílios de limpeza. Tratei de ignorar a dor e aproveitei para tomar um remédio de dor que Jin sempre deixava ali.

      A cozinha não estava tão bagunçada, então não demoraria muito. Comecei a faxina limpando a geladeira, tirando tudo que tinha dentro e limpado suas gavetas e estantes.

      Com ajuda de um pano, limpei as gosmas estranhas que tinham lá dentro. Colocando tudo de volta rapidamente para que nenhum dos produtos acabasse estragando.

      Quando eu já estava acabado de organizar tudo, a chave caiu embaixo do fogão. Suspirei alto e reclamei um pouquinho.
      Sorte que hoje meu dia está muito bom.
      Guardei o restante dos produtos de volta do balde e o resto dos ingredientes para a geladeira, peguei a vassoura e tentei alcançar a chave com ela, mesmo que ainda estivesse distante.
      Me abaixei e comecei a tatear o chão, procurando pelo metal que me tiraria do café, porém quanto mais eu procurava, menos eu achava.
      Me curvei mais para tentar pegá-la, conseguindo finalmente tocar a chave e puxá-la parar mim. Antes que eu pudesse me levantar, ouvi uma voz vindo da porta da cozinha.
     — Aish Min Yoongi, você realmente quer me enlouqueceremos é mesmo? — Aquela voz, eu a conhecia.

      Oh senhor!

      Me levantei rapidamente, vendo que eu estava a presença de...


Notas Finais


Tenho que admitir, eu fiquei imaginando o Jungkook e o Yoongi com essa idade, só de imaginar eu já vomito arco-íris.
Bom, esse foi o capítulo de hoje.
Espero que tenham gostado!
~chu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...