História The Younger Sister Of Sakamakis... - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Beatrix, Carla Tsukinami, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Richter, Ruki Mukami, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Visualizações 48
Palavras 1.307
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Segundo...


 ( Christa Narrando )

Já se passaram 6 anos desde quando a abandonei minha filha e minha vida vem se tornando um verdadeiro inferno... 

Meu filho, Subaru, é um menino doce e muito tímido, ele não se dá bem com nenhum dos outros herdeiros, todos o olham torto por ser fruto de um abuso e um incesto, algo abominável aos olhos dos humanos que trabalham para nós. Eu só espero que meu pequeno veja o quanto é amado. 

- mamãe - chamou Subaru com seus olhos cheios de lágrimas - eles estão me olhando torto de novo 

- meu amor não precisa chorar - disse limpando suas lágrimas - venha para o colo da mamãe - o mesmo colocou sua cabeça em meu colo enquanto comecei a acariciar seus cabelos - apenas relaxe seu coração meu amor... 

O mesmo limpou seus olhinhos que eram um tanto lindos, bem escuros e bem chamativos do que qualquer outro filho de meu irmão. 

- pode cantar para mim mamãe? - disse Subaru pegando em meu cabelo 

- I eodum sogeul geunyang geotgo tto geotgo isseo

Haengbokhaedeon sigandeuri naege mureosseo

Neo neon jeongmal gwaenchanheun geonyago

Oh no

Nan daedaphaesseo ani naneun neomu museowo

Geuraedo yeoseot songi kkocceul sone kkok jwigo

Na nan geotgo isseul ppunirago

Oh no

But it’s my fate

It’s my fate

Geuraedo balbeodungchigo sipeo

Maybe I, I can never fly

Jeogi jeo kkoccipdeulcheoreom

Nalgael dan geocheoreomeun an dwae

Maybe I, I can’t touch the sky

Geuraedo son ppeotgo sipeo

Dallyeobogo sipeo jogeum deo

Wide awake Wide awake Wide awake

Don’t cry

Wide awake Wide awake Wide awake

No lie

Wide awake Wide awake Wide awake

Don’t cry

Wide awake Wide awake Wide awake

No lie

Maybe I, I can never fly

Jeogi jeo kkoccipdeulcheoreom

Nalgael dan geoscheoreomeun an dwae

Maybe I, I can’t touch the sky

Geuraedo son ppeotgo sipeo

Dallyeobogo sipeo

Jogeum deo - cantei para o mesmo que tentava alcançar a borboleta que voava em cima de nos 

Passamos a tarde ali, aproveitando a companhia de um do outro o mesmo cantava comigo e dançava. Finalmente a noite chegou e as empregadas logo chegaram o levaram para longe de mim, o mesmo gritava e chorava por mim, mas nada eu poderia fazer, afinal, estava privada de ver até meu filho desde daquele dia que ousei fugir. 

Assim que o levaram pude aproveitar minha solidão, o que de certa forma não era nada desagradável, eu amava a noite e os seus mistérios, ela me fazia perceber o qual era bela, mesmo sendo tão misteriosa. 

- aproveitando seus momentos sozinhas querida irmã? - disse aquela voz que eu tinha tanto nojo, aquela mesma voz que matou meu marido, meu verdadeiro amor para me fazer casar com ele - ou apenas aproveitando seus últimos momentos? 

- por que ainda insiste em me manter presa aqui? Já tem seu herdeiro - disse apertando minhas mãos com ódio - não vê que seu filho esta infeliz? 

- o herdeiro que me deu não passa de um fracote desprezível, se tivesse deixado minha filha... - interrompi o mesmo 

- como ousa falar assim de uma criança? Quer que ele vire um monstro como você? Se for este seu desejo eu não permitirei - disse batendo no mesmo, inutilmente pois ele logo segurou meis pulsos e me prensou contra a parede - ME LARGUE! 

- acho que você precisa apreender a domar sua língua perante a mim - disse o mesmo em meu ouvido - vou lhe mostrar que a mim não deve-se enfrentar nunca 

Naquela noite o mesmo mais uma vez me bateu e abusou de mim até minhas últimas forças irem embora, Karl não era o estilo de marido perfeito, nem muito menos o pai perfeito, o mesmo não tinha apenas uma mulher, mas sim várias e muitos dessas mulheres morriam por não dar a ele a herdeira que ele tanto queria. 

- você até que serve para alguma coisa - disse Karl se vestindo enquanto o mesmo tentava falar comigo 

- por que ainda insiste em ter algo comigo? Por que não procura suas outras mulheres para lhe satisfazer - disse olhando para o nada - por que? 

- aquelas duas não tem o que eu vejo em você minha querida irmãzinha - disse o mesmo em um tom irônico - nenhuma delas tem a doçura como você tem, não foi você que me traiu com meu irmão e usou o próprio filho para se satisfazer, não foi você que tem apenas um favorito enquanto o outro luta para chamar sua atenção - o mesmo subiu em cima da cama me fazendo me afastar cada vez mais do mesmo - é você quem eu quero e não elas, apenas só quero uma herdeira, alguém para casar com um dos meus filhos legítimo - Karl saiu dali me deixando aflita em meus pensamentos 

" será que eu deveria lhe dizer onde minha filha está? " 

- nunca irei entregar onde minha filha está - disse sussurrando - nunca! 

( Snow White Narrando )

Mais uma vez estava trancada em meu quarto, sozinha, sem ninguém.... Todos tinham medo de mim, me chamavam de aberração feliz. Por que? Mesmo com todos me chamando de esquisita eu não consigo odia-los, algo me diz que isso nunca levará a nada. 

- olha la a esquisita! - gritaram outra vez o mesmo grupinho irritante, apenas o que eu pude fazer? Ignorar! Do que adiantaria eu falar algo? Se eu tentasse seria vista como um verdadeiro monstro já que os mesmo sempre acreditam nela. 

- deixem ela em paz! - disse uma voz seria e calma que eu conhecia muito bem 

- Ruki - sorri ao ver sua mão estendida para me ajudar a me levantar - sempre me ajudando nos momentos mais difíceis 

- você sabe que eu nunca deixaria nenhuma daquelas idiotas fazer mal a você - disse Ruki bagunçando meus cabelos - não importa o que aconteça nos sempre estaremos juntos, né? 

- sim - sorri para o mesmo

- ei vocês dois! A comida ja vai ser servida e parece que Yuma-kun conseguiu algo para nós - disse Kou nos fazendo rir pelo seu jeito animado 

Corremos para nosso pequeno esconderijo e encontramos Yuma preparando as verduras que o mesmo cultivava em seu pequeno jardim. 

- bom vamos começar a fazer - disse Ruki - onde está minha ajudante? 

- aqui - disse rindo do mesmo que cortava as verduras com sua pequena faca, o mesmo pegou uma panela a qual roubamos da cozinha para fazer nossas comidas, mas na hora de comer era uma verdadeira guerra entre Kou e Yuma que sempre estavam com fome - meninos por favor! Aqui podem comer o meu 

- obrigada Snow-kun - disse Kou sorridente 

- o.. obrigada porca! - disse Yuma corado o que me fez achar super fofo 

Comíamos tranquilamente até Ruki se levantar e ergue seu copo fazemos todos nós erguemos e brindar pela nossa amizade. 

- será que um dia iremos sair daqui? - disse depois de estarmos todos deitados observando o belo entardecer - sei la, fugir daqui? 

- vocês sabem que eu estou fazendo mais alguns planos para sairmos daqui logo não é? - disse Ruki fazendo todos nós o olharmos - eu sei que iremos fugir daqui e viveremos todos juntos felizes em um lugar só nosso 

- acha... que... um dia... isso.. acontecerá... Ruki? - perguntou Azusa com sua voz calma e bem lenta 

- isso teremos que ver no futuro - disse Ruki - mas, agora vamos aproveitar o hoje 

Rimos e conversamos um pouco até que logo escureceu e tivemos que voltar para não recebermos sermões depois. 

- Boa noite meninos - disse me deitando na minha cama ouvindo os mesmos também dizerem boa noite - Boa noite mãe...  - sussurrei a última parte pois nenhum de meus amigos gostava dessa palavra, mas por alguma razão eu sempre sonhava com ela, mas seu rosto nunca apresentava uma visão clara - como você deveria ser? - sussurrei até que finalmente adormeci 


Notas Finais


Comentem sobre o que acharam do capítulo por favor! Obrigada e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...