História Then, Now, Forever - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Laura Marano, R5
Personagens Ellington Ratliff, Laura Marano, Ross Lynch, Rydel Lynch
Tags Ellington Ratliff, Laura Marano, Raura, Romace, Ross Lynch, Rydel Lynch
Exibições 140
Palavras 2.557
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oi meus amores
tudo bem com vocês?
mais um capítulo S2

Capítulo 4 - Again and again


Fanfic / Fanfiction Then, Now, Forever - Capítulo 4 - Again and again

Meu corpo pesava, minha cabeça latejava e minha boca estava extremamente seca. Olhei pra o lado e constatei que aquele não era meu quarto. Primeiro por que não havia sofá; segundo porque era possível ouvir o barulho do chuveiro, e minhas amigas odeiam tomar banho de manhã. Desesperei-me ao pensar que eu poderia ter feito alguma coisa e olhei em baixo do cobertor. Suspirei aliviada ao ver que eu estava com a minha roupa.
Como um click, as lembranças da noite anterior tomaram minha mente e eu simplesmente queria desaparecer. Eu não deveria ter beijado ele, e muito menos deveria ter dito o quanto ele beija bem. Cobri-me até o pescoço enquanto pensava no que eu faria para consertar o que eu havia feito, mas nada me vinha à mente.
Ouvi o chuveiro ser deligado e um loiro saiu apenas com uma toalha pendurada na cintura. Seu abdome definido estava à mostra e seus olhos estavam mais claro que o normal.  Tentei controlar a minha respiração e desviar o olhar, mas meu cérebro não mandou o recado para o meu corpo.
Senti vontade de espirrar e logo o garoto me encarava assustado

-desculpa, eu não te vi ai- eu ia dizer que não tinha problema, mas minha garganta falhou e apenas um som inaudível deixou minha boca- Laura, eu deixei um copo de água e um remédio para dor de cabeça do seu lado- olhei para a mesinha e encontrei o que ele havia dito.

-obrigada... De novo – sorri e levei o remédio até minha boca.

-disponha- ele se dirigia para o banheiro com uma cueca rosa, uma blusa e uma calça jeans.

-Ross... Sobre ontem – o chamei e mordi meus lábios para tentar conter o sorriso ao lembrar do beijo- desculpa por ter te beijado. Quer dizer, eu estava bêbada e... - meu deus, o que eu estou fazendo? -foi um erro- não, não foi- e a gente podia esquecer isso – não, não podemos- certo?- me levantei da cama passando a mão pelo meu cabelo que deveria estar todo bagunçado.

-Laura- ele se aproximou fazendo o meu coração disparar- você sabia que não se pede desculpa quando beija alguém?- seu corpo estava tão perto e meu corpo relaxou assim que senti sua mão percorrer minhas costas. O que ele estava fazendo? Nossos corpos estavam colados e eu senti a toalha molhada encostar-se às minhas pernas. Nossos olhos não desviaram em nenhum momento e sua boca aproximava-se da minha orelha. Meu ponto fraco- muito menos pede para esquecer

Seus lábios tocaram o meu com pressa e eu já me via perdida no meio do seu beijo. Sua língua movimentava-se em sincronia com a minha e eu o puxei nos deitando na cama. Suas mãos puxavam meu cabelo enquanto eu arranhava de leve suas costas, o que deixaria marcas mais tarde. Um chupão foi deixado no meu pescoço enquanto minha respiração acelerava cada vez mais. Em um movimento rápido troquei nossas posições e coloquei minhas pernas em sua volta fazendo o meu vestido subir e minhas coxas ficarem à mostra. Seu olhar estava mais intenso e eu tinha certeza que o meu estava do mesmo jeito. Paramos o beijo lentamente e eu saí do seu colo logo após ele ter me dado um selinho.

- desculpa pelo beijo – ele disse rindo e ajeitando a toalha – agora estamos quites certo?

-Sim, estamos - falei tentando parar com a nossa crise de riso- mas agora eu tenho que ir encontrar com as meninas – disse, mas ele levantou junto comigo enquanto uma risada gostosa deixava seus lábios.

-acho melhor você tirar a maquiagem antes- corri até o espelho do banheiro e me assustei ao ver o estado que eu me encontrava.

-deve estar por aqui

-o que?

-o demaquilante da Delly – a pia estava uma bagunça e havia diversas maquiagens misturadas a outras coisas, que muito provavelmente eram do Ross- achei- ele me entregou um algodão com um pouco do liquido e eu passei na minha face removendo a mancha do meu olho. O celular do loiro tocou e ele foi em direção ao quarto

-é tão complicado... Sim eu sei... Estarei ai em quinze minutos... Prometo não demorar... Beijos- ele desligou o celular e colocou o rosto na fresta da porta- Lau! Vou me trocar aqui no quarto então não sai dai... Ou sai se quiser- falou e eu taquei uma toalha no rosto dele antes de fechar a porta. Fiquei um tempo me encarando pelo espelho e levei minhas mãos até os meus lábios.

-Lau, vamos? – sai apressada quase tropeçando eu uma mala que estava no meio do caminho- só lembrando que você tem que chegar viva ok?

-vai ganhar o prêmio de piadista do ano senhor Ross – revirei os meus olhos na brincadeira e fomos em direção ao refeitório. Ele estava mais uma vez vestindo um casaco e usando óculos escuros. O que era uma pena, porque o cabelo dele era lindo.

-eu tenho que ir resolver umas coisas agora pandinha

-pandinha? Serio?- falei rindo e nos despedimos.

Ótimo. Eu iria demorar anos para achar as meninas. Peguei um prato e comecei a me servir, no caso, só coloquei uma montanha de panqueca e um suco.

-Bom dia Laurita

-você e seu irmão são péssimos em inventar apelidos- a loira riu enquanto nos abraçávamos. Meu bolso vibrou e eu comemorei ao ver uma mensagem da Bia dizendo que elas estavam tomando café da manha. Passei olhos sobre o lugar e a vi acenando na minha direção – Vem- puxei a garota até a nossa mesa e a apresentei para o pessoal

-Então... Onde a senhorita passou a noite? Foi com o Andy não foi?- Droga! Ainda tinha essa.

- na verdade, Cami, eu dormi no quarto dela né?

-foi sim – minha amiga disse- e ela ronca

-hey, não ronco não tá? – rimos da brincadeira da minha amiga e logo estávamos todos conversando como se a Delly fosse nossa amiga a anos.

A manhã passou incrivelmente rápida e decidimos visitar a caverna já que o dia estava lindo. Era para Irmos com o ônibus da agencia, mas a Delly disse que poderíamos ir com o carro e aproveitarmos para passear um pouco pela cidade. Havia nove lugares e agradeci pelo automóvel ser tão grande a ponto de cabermos todos nós

-gente! Peguem seus celulares- a Alice anunciou e todas fizeram isso enquanto a Delly olhava a estrada a sua frente e eu procurava uma musica decente no rádio. Gritinhos histéricos preenchiam o carro e eu já sabia do que se tratava

-o que está acontecendo? – a Delly perguntou e eu tapei meus ouvidos

-é um cara que elas são fãs

-e como são – sorriu

Olhamos pela janela assim que fomos avisados que havíamos chegado e eu me impressionei com o lugar. Havia árvores por todos os lugares e a água dentro da caverna era mais azul que o olho do Pedro.

-esse lugar é...

-incrível – eu e a Loira completamos a fala da Bia e eu notei uma lágrima escorregar pela bochecha da garota

-está tudo bem? – A Delly apenas assentiu e disse esse lugar trazia boas recordações. Andamos até pararmos bem em frente daquele cenário maravilhoso e aproveitamos para tirar uma foto todos juntos.

-quem vai entrar primeiro?

-a Cami- o pê sorriu a desafiando e a mesma retirou sua roupa ficando apenas com o biquíni. Meu amigo babou como sempre e levou um tapa de leve da namorada

-só se você vier junto

-nem pensar. Quem acha que ela deveria ir antes?- ninguém levantou a mão e o garoto bufou-tudo bem

Os dois se abraçaram e fizeram um drama básico antes de pular.

-sua vez agora Lau- Olhei para baixo e mesmo que não fosse tão alto, devo admitir que dei uma travada

-acho melhor eu esperar aqui mesmo, deve estar bem gelada a água – dei uma desculpa esfarrapada

-vamos lá, vai ser divertido!-olhei para a Delly e concordei com a cabeça

-mas você vem comigo-falei e ela riu da minha infantilidade

-sabe o que é Lau... Tenho alergia à água

-olha, eu realmente não sei quem deu a pior desculpa- o Pedro disse rindo causando um eco lá em baixo.

-tudo bem, vamos Delly- puxei-a e contamos até três antes de nos jogarmos.

Afundei na água e me senti leve... Essa sensação definitivamente poderia durar para sempre. Subi até a superfície e olhei para cima bem na hora em que a Bia, a Helô e a Lice pularam todas juntas. Daria uma ótima foto no ângulo em que eu estava.

-gente, essa água está uma delicia.

-nem me fale Cami- falei em um suspiro

Depois de algumas horas naquele paraíso, fomos dar uma volta por Cancun e me surpreendi com o quanto à loira natural, como chamávamos a Delly já que a Bia havia tingido o cabelo, conhecia esse lugar.

-E bem, aqui é o melhor restaurante de todos. Eu costumava vir aqui, mas depois de um tempo perdeu a graça- seu sorriso desapareceu e eu me peguei pensando no que poderia ter acontecido- mas, a comida ainda deve continuar sendo maravilhosa- Eu havia acabado de conhecer ela e o irmão, mas eu sabia que Cancun mexia com eles de uma forma inexplicável-hm... O que vocês acham de jantarmos aqui hoje?-Seus olhos brilharam quando concordamos. Entramos no local e nos sentamos em uma mesa perto de um jardinzinho.

-Boa noite, já sabem o quem vão pedir? Temos o especial da Ca... Não acredito! Delly quanto tempo- os dois se abraçaram como velhos conhecidos- você não vem aqui desde o... - a garota assentiu o cortando- hm...  Vai querer o de sempre?

-sim! Com pimenta extra

-pode deixar, e vocês?

-Delly, quer me ajudar?- perguntei já que eu não fazia ideia

-esse aqui- apontou para o cardápio e me pareceu bom. Todos fizeram seus pedidos e logo os pratos já estavam sendo servidos

-La noche para a senhorita- disse me servindo- se precisarem de mais alguma coisa é só chamar

Olhei para o meu prato com uma cara estranha fazendo a Delly rir

-você vai amar! Experimenta- assim que coloquei na boca comprovei que ela estava certa. Aquilo era maravilhoso

-isso é muito bom – disse fazendo a loira natural sorrir.
pagamos a conta depois de conversas e risadas e nos preparávamos para irmos embora quando ouvimos o nome da Bia ser pronunciado. Assim que virei para trás avistei o mesmo garoto do dia da balada ao lado do irmão babaca. Revirei os olhos e voltei minha atenção para meu prato

-oi Andrew- minha amiga levantou e deu um beijo na bochecha do garoto- oi Bruno. O que vocês tão fazendo aqui?

-oi loirinha, oi Lau-comprimetei o menino e ignorei a presença do outro garoto - bem eu vim jantar aqui com o meu irmão, mas ele acabou chegando atrasado e eu acabei jantando antes, então estávamos indo embora.

-eu estava fazendo coisas mais importantes, por isso me atrasei.

-sim, sabemos que coisas são essas- o clima estava tenso entre os dois e eu senti alguém tocar no meu braço.

 -não vai me cumprimentar? –perguntou e eu apenas dei um oi seco- será que a gente pode conversar?-disse mais baixo apenas para eu ouvir

-tenho que voltar com as meninas, não vai dar Bruno-falei andando em direção à saída.

-eu te levo de volta-insistiu e eu concordei apenas por não estar com vontade de discutir-gente eu e a Lau vamos mais tarde- avisou para as minhas amigas que me olharam surpresa.

-tudo bem, então a gente vai indo- a Lice disse – se precisar de alguma coisa liga pra a gente-sussurrou e saiu com o pessoal, inclusive com o Andrew.

-o que você quer? – falei grossa

-você

-só isso? Então estou indo, Porque isso você não vai ter nunca mais.

-qual é Laura, você achou mesmo que você era uma exceção? Eu não me relaciono com ninguém sacou?- seu tom de voz alterou e eu comecei a ficar assustada. Estávamos do lado de fora e a rua estava completamente vazia. Sua mão foi para a minha cintura e ele me apertou contra a parede. Seu cheiro era de álcool e eu tive a certeza de que ele havia bebido.

-me solta Bruno- tentei empurrar ele para longe, mas não conseguia.

-eu tentei ficar com você, mas você não me deu o que eu queria- seu olhar foi para o meu seio e eu me desesperei.

-Bruno!- gritei, mas o imbecil se aproximou ainda mais encostando nossos lábios.

-solta ela seu desgraçado-uma voz surgiu atrás de mim.

-ou o que?

-você definitivamente não vai querer saber- a mão do menino fechou com força e disparou uma sequência de socos no rosto do Bruno o fazendo cair

-você está bem pequena?- Assim que olhei para seu rosto corri para abraçá-lo, mas em um movimento rápido o Bruno levantou e chutou o Ross na região do estomago. O loiro deu outro soco e o empurrou– não chega mais perto dela

-fica frio, eu não vou.

-acho bom mesmo. Aliás, não faça isso novamente, independente de quem seja. Não se força ninguém a fazer essas coisas, deu para entender? Quando a mulher disser “não”, respeite isso – o loiro lançou um olhar assustador para o Bruno que apenas concordou e se afastou - vamos Lau?- caminhamos até o carro dele e ele tirou a toca deixando seu cabelo à mostra. - quantos sustos você ainda vai querer me dar nessa viagem?- perguntou e eu o abracei afundando minha cabeça em seu pescoço

-você realmente é bom em salvar pessoas- disse, mas não consegui sorrir. Eu estava assustada e me perguntando se ele teria mesmo coragem de levar aquilo para frente. Será que ele teria mesmo coragem de me...

-Hey-pegou em meu queixo me fazendo olhar em seus olhos- ele não vai fazer nada com você. Eu prometo- Ele depositou um beijo em minha bochecha enquanto permanecíamos abraçados.
 

-Ross- disse depois de um tempo em silencio. Seu olhar estava concentrado na estrada a sua frente - o que você estava fazendo lá?

-eu tinha tido uma reunião de trabalho hoje o dia inteiro praticamente, e eu estava indo pegar meu carro quando ouvi você gritar.

-mas você não é dos Estados Unidos? Quer dizer, você trabalha aqui também?

- meio que o trabalho me segue – Ele estacionou o carro na garagem do hotel e colocou a toca novamente. Caminhamos até o elevador juntos

-Ross? Abrigada de novo, de novo e de novo – gargalhamos e nos despedimos antes dele sair no andar dele. Abri a porta e encontrei as garotas fazendo uma guerra de travesseiro.

-o que aconteceu? – a Delly veio correndo em minha direção e eu sussurrei em seu ouvido “seu irmão me salvou pela terceira vez”

-Lau você está bem? O que aquele desgraçado tentou fazer?

-eu estou bem Lice, agora eu estou. Ele estava bêbado e... –balancei a cabeça

-Laura fala o que aconteceu, eu vou matar aquele desgraçado

-ele tentou me .....-parei a frase pela metade e as meninas me abraçaram.

- A gente não devia ter te deixado lá. Mas que droga!

-não dava para prever esse tipo de coisa- E essa era a mais pura realidade, a gente não pode se culpar pelas coisas que acontecem em nossas vidas. A gente não tem controle do amanhã e a minha sorte é que eu tenho um herói para me salvar nessas horas.


Notas Finais


O que acharam?
Espero que vocês tenham gostado tanto quanto eu
beijinhos S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...