História There For You (Imagine Jimin) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Hoseok, Imagine, Imagine Bts, Imagine Jimin, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Rap Monster, Suga, Taehyung, Yoongi
Visualizações 161
Palavras 4.518
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Visual Novel
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E para comemorar o aniversário do nosso bolinho, trago a parte final dessa mini-fic!!!
Espero que gostem e por favor, leiam as notas finais!

Capítulo 3 - The End


Fanfic / Fanfiction There For You (Imagine Jimin) - Capítulo 3 - The End

(S/N) encarava a caixa em suas mãos, tentando criar coragem para fazer o que realmente era necessário. Havia se passado quase 2 semanas desde que Jimin a deixou no quarto sozinha e colocou um ponto final no relacionamento dos dois, e (S/N) pegaria o avião para Toronto no dia seguinte.

Ela chorou muito na primeira semana, e por causa disso nem mesmo saiu de casa, o que ocasionou ter que sair as pressas para fazer compras das últimas coisas que precisaria para a viagem, e por um lado foi bom, acabou a distraindo um pouco.

Mas tudo veio a tona novamente quando começou a juntar todas as coisas para levar para a viagem, e perceber que em cada canto do seu quarto tinha algo que era do Jimin e até mesmo coisas que a lembravam dele.

Inúmeras fotos que contavam as histórias dos quase 3 anos de namoro, os presentes, os ursinhos de pelúcia, as camisas e um moletom que ela havia pegado dele, era mais confortável para dormir, e enquanto juntava tudo isso, ela não pode evitar de cair no choro outra vez, as camisas ainda tinham seu perfume, e sentir isso olhando as fotos parecia que aquilo havia se passado há tanto tempo.

(S/N) reuniu tudo em uma caixa, segurava a mesma firmemente, sentindo suas mãos tremerem um pouco. Chegou a recepção e disse o que estava fazendo ali, para sua total surpresa, a mulher a reconheceu e a deixou entrar, ela realmente pensou que fossem proibir sua entrada na BigHit depois de tudo que aconteceu.

Respirando fundo, ela seguiu pela direção que já conhecia muito bem, pegou o elevador e parou no andar onde ficavam os dormitórios dos meninos. Ela já havia ido tantas vezes ali que sabia de cor o quarto de cada um deles. Foi então que ela ouviu alguns murmúrios e conversas vindas de um quarto, que ironicamente era do Jimin.

Tomando toda a coragem que tinha, a mesma bateu à porta, a conversa lá dentro se cessou e ela ouviu passos, e foi suficiente para sentir seu estômago se revirar de nevoso e suas mãos suarem. Mas para alívio ou talvez nem tanto quem a atendeu foi Namjoon.

– (S/N)? – ele questionou confuso, passando seu olhar pelo rosto sério da garota até a caixa em suas mãos.

Ela não sabia o que dizer, apesar de Jimin ter a deixado no quarto e não ter atendido suas ligações naquele dia, uma parte de si ficou esperando dele mudar de ideia no decorrer da semana, mas isso não aconteceu. Isso foi o que fez a garota se dar conta de que Jimin realmente a tirou de sua vida, e das dos meninos também, já que eles até mesmo pararam de mandar mensagens aleatórias puxando assunto como sempre faziam.

Namjoon engoliu em seco e olhou para os próprios pés, estava envergonhado. Sabia o que havia acontecido e se sentia péssimo pela garota, havia conversado com o Jimin, em uma tentativa de colocar um pouco de juízo naquela cabeça, mas Jimin se recusou a ouvir e pediu para que não falassem nada sobre (S/N). Apesar de não concordar com as atitudes dele, Namjoon assim como o resto do grupo respeitou sua decisão e não falaram nada, mas agora (S/N) estava ali e isso tornava as coisas mais complicadas. Namjoon a conhecia o suficiente, e mesmo que ela estivesse séria, percebeu que ela estava sofrendo com tudo e as olheiras denunciavam isso.

– Eu vim deixar isso. – ela esticou a caixa e Namjoon pegou sem saber o que era. – Pode entregar para ele, ou jogar fora, tanto faz agora.

– (S/N), eu… Eu sinto muito, de verdade mesmo… – Namjoon esboçou um sorriso triste.

– Tanto faz. – (S/N) deu de ombros tentando não chorar com todo aquele sentimento de pena vindo de Namjoon. Ela colocou as mãos na nuca e com os dedos trêmulos retirou seu colar que tinha a sua aliança pendurada. Com uma certa raiva, jogou o colar dentro da caixa e respirou fundo. – Adeus, Namjoon.

Ela não esperou Namjoon responder, e pode jurar que ouviu alguém chamando por ela, provavelmente TaeHyung. Ela não sabia se Jimin estava dentro daquele quarto, mas agora isso nem mesmo importava tanto.

Ela seria forte, e conseguiria superar isso. (S/N) já havia passado por situações piores, terminar o namoro com Jimin seria só mais uma coisa em sua lista de decepções.

***

– Vai ficar aí olhando isso por quanto tempo? – Yoongi perguntou para Jimin.

Namjoon havia entregado a caixa que (S/N) havia trago no dia anterior para Jimin. Estavam todos os sete dentro da sala de ensaios, mas o clima tenso e melancólico tornava impossível dançar ou cantar qualquer coisa.

Jimin se sentou em um canto, abriu a caixa e viu que (S/N) havia colocado ali todas as coisas que ele a deu de presente durante os 3 anos de namoro, até mesmo seu colar com a aliança estava ali, jogado junto a aliança de Jimin que estava no fundo da caixa.

Jimin sentiu sua garganta se fechar, ele não sabia ao certo, mas era bem provável que ela havia pegado o avião e nesse momento já estaria longe. Ele queria dizer que era forte o suficiente, e que o término desse namoro não o machucou, mas a verdade era que há duas semanas ele não conseguia pensar em nada que não fosse ela. Por que havia feito isso, afinal? Por medo? Medo de que talvez o amor deles não fosse o suficiente para suportar uma distância por mais de 3 anos.

Mas agora ali sentado com a caixa ao lado, lembrando de todos os momentos com (S/N), e com os olhares de pena dos amigos, Jimin percebia o quanto havia sido idiota.

E talvez agora não conseguiria consertar as coisas.

– Está arrependido? – ouviu a voz de Namjoon perguntar.

– Eu…

– Depois de ter feito a merda que fez? Pelo amor de Deus, Jimin! – Yoongi exclamou. Jimin o encarou um tanto surpreso, por que ele estava tão irritado?

– Por que está falando desse jeito? Você mal falava com a (S/N), inclusive você foi uma das pessoas que ficou contra o nosso relacionamento no começo! – Jimin respondeu se levantando.

– É, mas isso foi antes de perceber que ela realmente te fazia bem. Pode parecer que não, mas eu me importo com você, com cada um de vocês!

Ver e ouvir Yoongi falando daquele jeito era surpreendente, justo ele que sempre era tão frio.

Jimin se preparou para responder, mas bufou ao sentir o celular vibrando em seu bolso, olhou o número e como era desconhecido, desligou a chamada.

– Você sabe que está errado, qual é, Jimin?! Você a deixou em um quarto de um clube sozinha, nem mesmo terminou as coisas de um jeito adulto. – Jungkook se manifestou pela primeira vez.

– E do que você sabe sobre isso, Jungkook? – Jimin retrucou ironicamente, bufando novamente com o celular tocando, desligou a chamada e se virou para o amigo – Você acabou de sair das fraldas, mal sabe sobre a vida!

Em um momento de raiva, Jimin nem mesmo percebeu a gravidade de suas palavras e o quanto elas haviam machucado o próprio amigo.

– Posso ser novo, e não saber muito das coisas ainda, mas eu nunca me comportaria como um moleque e faria o que você fez com a (S/N). Aliás, talvez seja bom para ela ter acontecido isso, porque sinceramente, você não a merece.

A sala toda entrou em um profundo silêncio, que foi quebrado quando o celular de Taehyung tocou, o mesmo se afastou para responder, Jimin respirava profundamente, encarando Jungkook friamente.

– Retire o que disse… – Jimin pediu calmamente, mas em um tom frio.

– Vocês dois, parem com isso! – Namjoon interferiu. – Chega desse assunto, você terminou com ela, Jimin… Fim da história!

– O que você…

– Pessoal… – Jimin se calou quando Taehyung entrou na sala novamente, estava com o celular em mãos, todos perceberam que ele estava tremendo e sua pele estava tão pálida quanto a pele de Yoongi. Isso sem falar nos olhos que estavam levemente vermelhos.

– O que foi, Tae? Por que está com essa cara? – Hoseok questionou. O olhar de Taehyung parou diretamente em Jimin, que logo sentiu seu corpo ficar tenso.

– Ligaram do hospital… Era o número que estava ligando para você… – Taehyung apontou para o celular nas mãos de Jimin – Disseram que (S/N) deu entrada no hospital há uns 40 minutos, ela sofreu um acidente…

– E como ela está, foi muito grave? – Jin questionou após perceber que todos estavam pasmos demais para fazer qualquer pergunta.

– Eles não são autorizados a passar informações por telefone, mas ela disse que foi grave… – Taehyung respondeu quase aos sussurros.

Jimin engoliu em seco, e se não fosse por Hoseok que o segurou, ele teria ido ao chão. A notícia veio como um baque, um soco forte em seu estômago, sentia suas pernas fracas apenas em imaginar sua garota em uma cama de hospital.

– O que foi que eu fiz? – ele perguntou para si mesmo.

***

Os dias pareciam durar anos, pelo menos para Jimin. Ele ainda tinha pesadelos se lembrando de quando chegou correndo ao hospital há 8 dias e ignorando toda a segurança do hospital, saiu feito louco procurando por (S/N), para encontrar a mesma dentro de uma sala toda fechada. Jimin sentiu seu mundo desabar ao ver sua garota desacordada, cheia de machucados e ligada a vários fios e tubos para que pudesse continuar viva.

Os detalhes do acidente vieram mais tarde naquele dia, junto aos amigos, Jimin ficou sabendo que (S/N) estava dentro de um táxi a caminho do aeroporto, porém um motorista bêbado em um carro acabou se chocado contra o táxi onde ela estava. O taxista acabou não sobrevivendo, já (S/N), havia passado por uma cirurgia, passou os 2 primeiros dias em coma, e mais 3 em coma induzido, os médicos disseram que ela poderia acordar a qualquer momento, já que haviam parado há dois dias com a medicação mais pesada.

Devido à isso, Jimin estava em um dilema, queria que sua garota acordasse, para que pudesse abraçá-la e dizer que sentia muito por tudo que havia feito, mas um parte de si tinha medo se ela acordasse e mesmo depois de todos os pedidos de desculpas ela não o perdoasse.

– Jimin, por que não vai tomar um banho? Você já não foi ontem… E nem comeu nada. – Namjoon disse se levantando do sofá onde estava sentado.

Desde o dia do acidente, Jimin raramente saía de perto da cama de (S/N), mesmo que fosse para ficar sentado naquela poltrona desconfortável que estava acabando com sua coluna, ele não queria deixá-la sozinha. Os pais de (S/N) eram médicos voluntários e pelo que Jimin lembrava das últimas conversas que teve com a garota, eles estavam em alguma região da África, e sem qualquer tipo de comunicação.

Tentar convencer Jimin à ir para casa era quase impossível, então os meninos se revesavam para visitar tanto (S/N) quanto Jimin no hospital, sempre levando comida para que convencesse o garoto a comer algo.

– Jimin? Está me ouvindo?

– Jungkook tem razão. – Jimin murmurou baixinho, mas sabia que Namjoon havia o escutado.

– Do que está falando?

– Eu não a mereço… – as palavras de Jungkook se juntavam com as últimas palavras que ouviu de (S/N) quando a mesma ligou para Taehyung, ele estava sentado ao lado do amigo e foi impossível não ouvir o choro dela do outro lado, tudo parecia ecoar em sua mente agora.

– Jimin...

– Quando ela acordar… – Jimin olhou para o rosto de (S/N), com alguns machucados que estavam começando a cicatrizar, e voltou sua atenção para sua mão, que segurava a mão da garota delicadamente – … Ela não vai me perdoar. – ele mordeu o lábio inferior, não queria cair no choro outra vez. – Não precisa dizer nada, eu sei que vocês pensam o mesmo… E não estão errados. Ela é muito boa para mim.

– Você foi bem idiota mesmo. Mas eu sei que você a ama muito, e ela ama você. – Namjoon disse.

– O problema é que depois de tudo que eu fiz, talvez isso não seja mais o suficiente. – Jimin suspirou.

Namjoon apenas murmurou algo inaudível e se despediu de Jimin, ele não sabia o que dizer na atual situação que o amigo se encontrava. Ele se importava, e torcia para que a garota acordasse logo e eles ficassem juntos, mas as últimas atitudes de Jimin dificultavam um pouco isso.

Jimin continuou segurando a mão de (S/N), acariciando as dobras dos dedos com a ponta de seu polegar. E tudo que se podia ouvir no quarto era o bipe irritante, mas que indicava que (S/N) estava viva. Soltando um suspiro cansado, ele apoiou sua cabeça sobre o colchão, fechando os olhos por alguns minutos.

– Ji… Jimin…

O garoto sentiu um arrepio percorrer por todo o corpo, e por um momento pensou que a voz rouca e aos sussurros fosse coisa de sua mente, foi então que sentiu um leve apertar em sua mão.

– (S/N)? – ele levantou a cabeça e sentiu os olhos marejados ao ver a garota acordada, ela piscava com dificuldade, ainda se acostumando por abrir os olhos depois de vários dias. – Amor, você acordou… – Jimin queria beijá-la, abraçar, mas os fios o impediam de fazer isso, então pegou a mão da garota entre suas e beijou várias vezes.

– O que aconteceu? Minha cabeça dói… – ela reclamou tentando se mexer, mas Jimin a impediu.

– Não se mexa, você sofreu um acidente muito sério… Fica quietinha, eu vou chamar alguém.

Deixando mais uma série de beijos na mão de (S/N), Jimin saiu em disparada pelo quarto, já retirando o celular do bolso para avisar aos meninos que ela havia acordado.

Jimin logo encontrou uma enfermeira e avisou sobre (S/N), a mesma logo chamou um médico para que pudessem examinar (S/N), nesse momento Jimin teve que ficar de fora do quarto, e demorou mais de 45 minutos para que eles saíssem do quarto.

– Já a examinamos e ela não apresentou nenhuma sequela, vamos realizar novos exames amanhã, mas ela está bem e respira por conta própria. – a enfermeira explicou para Jimin. – Pode entrar agora.

Jimin agradeceu e parou com a mão sobre a maçaneta, e respirou fundo antes de abrir a porta. (S/N) se encontrava sentada, mas ainda encostada nos travesseiros, estava sem os aparelhos, mas os fios continuavam ligados a seu corpo.

– Se lembra do que aconteceu? – Jimin perguntou se aproximando da cama.

– Do acidente ou da nossa briga e do “término”? – ela perguntou baixo em um tom irônico.

– Você se lembra.

– Acho que seria impossível esquecer, não é mesmo?

– (S/N), me desculpa… Eu… Eu realmente fui um tremendo idiota. Eu só estava com medo de perder você, de talvez você conhecer um cara melhor que eu, me perdoe… Eu quase morri durante esses dias, vendo você nessa cama em coma e eu não quero sentir isso novamente, então… Tudo bem se você for para Toronto, eu realmente vou te apoiar, em qualquer coisa. Eu fui muito egoísta e não pensei em tudo que você passou e aguentou por mim, e quero fazer o mesmo por você… Agora e sempre, porque eu te amo.

– É irônico, não é? Eu precisei sofrer um acidente e ficar em coma, para que você me apoiasse? – (S/N) retrucou com os olhos marejados.

– Não diga isso, eu… – Jimin se sentou na beirada da cama e pegou a mão da garota entre as suas.

– Jimin, você não pode simplesmente vir dizendo todas essas coisas, como se magicamente tudo que aconteceu fosse ser esquecido, sabe que eu não posso ignorar isso… Você me magoou, Jimin. E sinceramente, mesmo com a dor pela cirurgia e com todos esses machucados, nada se compara com a dor que estou sentindo aqui. – (S/N) disse colocando a mão sobre o peito. Seu rosto já estava inundado de lágrimas, não muito diferente de Jimin, seus olhos estavam vermelhos e inchados por ter chorado por vários dias, imaginando o momento no qual estavam agora.

– Eu sei que está chateada comigo, e pode acreditar, eu vou passar o resto da minha vida tentando me redimir por isso, eu sei que ninguém nunca te machucou como eu fiz há semanas atrás, mas, (S/N)… Ninguém vai te amar como eu amo e preciso de você. – Jimin segurou a mão da garota mais firme – Sei que existem outros caras lá fora que merecem você, mas eu sou apaixonado por você…

Jimin sentou mais próximo dela, e tomou o rosto da garota entre suas mãos, encostou sua testa contra a de (S/N), engoliu em seco vendo o quão triste estava seu olhar e ele queria muito mudar isso.

– Então, por favor… Me perdoe e me deixa ficar com você… – ele sussurrou, podia sentir a respiração dela contra a sua.

– Eu te perdoo… – ela sorriu levemente, mas logo fechou o sorriso – … Mas não podemos ficar juntos. – ela suspirou afastando Jimin gentilmente. O garoto se levantou da cama como se tivesse levado um golpe. – Eu também te amo muito, como nunca amei e acho que jamais vou amar outra pessoa, mas sinto como se estivéssemos ficado 3 anos juntos e eu não te conheci direito, porque a pessoa que pensei conhecer não faria o que você fez em me deixar acordar sozinha em um quarto qualquer de um clube.

– Então está terminado? – ele perguntou de costas para (S/N).

– Você já havia feito isso, Jimin. Só estou aceitando dessa vez.

***

Aquela foi a última vez que Jimin à viu, eles se despediram apenas com olhares e Jimin foi para casa com uma expressão cética e vazia, assim como se sentia internamente, ele sabia que era tudo culpa dele, não sabia se a veria de novo, mas se isso acontecesse um dia esperava que a ferida que havia deixado em (S/N) já estivesse cicatrizada.

(S/N) viajou para Toronto cerca de quase 1 mês depois do acidente, e durante os primeiros dias e meses em um novo lugar, foi difícil lidar com a dor interna que ainda a machucada profundamente.

*

Uma pessoa de coração partido é diferente das outras pessoas, o tempo delas correm em uma velocidade completamente diferente. São sensações e dores físicas e emocionais misturadas, e nada te distrai daquilo. Então o tempo vai passando, e quanto mais você cria novos hábitos e costumes, acaba se acostumando a não receber uma mensagem todos os dias dizendo “Bom dia, amor”. Acostuma a não ligar para alguém a noite e perguntar como foi seu dia. Os velhos hábitos são substituídos por novos, como focar em seus objetivos de vida e marcar encontros divertidos com os amigos.

Até perceber que finalmente está bem, e torce para que “ele” também esteja.



2 anos e três meses depois…

– (S/N), preciso resolver uns problemas pessoais, é um pouco importante. Acha que consegue se virar sem mim? –Somin disse pegando suas coisas.

– Acho que sim. – (S/N) concordou. – Toma cuidado com o trânsito, Seoul é bem caótica na sexta-feira depois das 4 da tarde.

– Pode deixar.

Não tinha nem 30 minutos que Somin havia saído, quando Jade entrou na sala com um cachorro nos braços, era peludo e com os pêlos em um tom de beje escuro. (S/N) franziu o cenho, tinha a leve impressão de já ter visto o animal em algum lugar.

– Pode dar uma olhada nele? O dono chegou aqui quase morrendo dizendo que ele não está comendo nada desde ontem à tarde.

– Coloca ele na mesa. –(S/N) pediu. Jade colocou o cachorro sobre a mesa, (S/N) se aproximou para examinar o mesmo com um sorriso mínimo nos lábios. – Você vai ficar bem… – ela se abaixou para ver a coleira do cachorro, e se levantou um tanto séria. – Holly. Quem é seu dono, hein? Perguntou o nome do dono dele? Como ele é?

– Não, eu achei melhor trazê-lo antes de preencher a ficha, nem reparei direito, mas ele tem o cabelo meio azul…

Qual seria a probabilidade? Um dono de cabelo azul e o cachorro se chamava Holly? É claro que poderia ter várias pessoas e animais com essas características, mas batia demais com Yoongi, o que automaticamente já a fez se lembrar de Jimin.

Já fazia mais de 2 anos que (S/N) havia voltado para Seoul, apesar de sua bolsa em Toronto ser por 3 anos e meio, ela acabou ganhando uma proposta de uma faculdade de Seoul e com direito a um estágio na veterinária de Somin, um pouco indecisa ela acabou aceitando e voltou para a cidade.

O fato é que 2 anos se passaram e ela não viu Jimin e nem mesmo os outros amigos, com exceção de reportagens em revistas e jornais e alguns programas de TV. Ela não sabia dizer ao certo o que sentia com tudo isso e agora estando com o cachorro que poderia ser de Yoongi, a deixava ainda mais confusa. Ela havia perdoado Jimin e com o tempo que passou ela poderia dizer que havia superado o que aconteceu anos atrás.

– Quer que eu o chame aqui para você fazer algumas perguntas?

(S/N) não respondeu a pergunta de Jade, apenas seguiu com os passos necessários para ajudar Holly, o animal pelo menos estava tomando água, o que já era bom.

Jade já havia voltado para a recepção, (S/N) havia ficado mais alguns minutos com Holly e sorriu aliviada quando o cachorro comeu um petisco que ela deu depois de longos minutos após aplicar um remédio.

Com Holly nos braços e uma embalagem de um remédio em mãos, (S/N) saiu da sala e seguiu para a recepção. Respirou fundo quando reconheceu Yoongi em pé, andando de um lado para o outro, parecendo muito impaciente, e quando se virou para dizer algo para Jade, o olhar dele caiu sobre (S/N), o fazendo arregalar os olhos e ficar boquiaberto.

– Que cara é essa, hyung?

(S/N) engoliu em seco ao ouvir a voz de Jimin, e antes que pudesse pensar em qualquer coisa, Jimin acompanhou o olhar de Yoongi e esboçou a mesma expressão que o amigo.

Jimin e (S/N) se entreolharam por alguns minutos. Jimin estava totalmente surpreso e assustado, havia tanto tempo que ele não a via, e agora estava ali na sua frente com um jaleco branco e Holly nos braços. Como isso era possível?

Já (S/N) só conseguia pensar em como Jimin continuava lindo, assim como da última vez, seu cabelo estava preto, combinando com as roupas de tons escuros.

Parados ali olhando um para o outro, ambos percebiam o quanto continuavam apaixonados depois de tanto tempo.

– Como ele está? – Yoongi perguntou quebrando o silêncio.

– Ele está bem, provavelmente deve ser alguma virose, ele está bebendo água, o que é bom para ele não ficar desidratado. Eu dei um remédio… – (S/N) entregou Holly para Yoongi, que pegou o mesmo com cuidado e deixou um beijo no topo da cabeça da bolinha de pêlos – Pode dar um comprimido desses aqui há cada 6 horas até perceber uma melhora.

– Obrigado, eu… Não sabia que você era a veterinária.

– Pois é. Bom, preciso ajeitar algumas coisas lá dentro. Qualquer coisa pode ligar.

(S/N) não olhou em direção à Jimin, mas sentiu que ele a encarava profundamente. Um pouco trêmula, ela voltou para a sala de atendimento. A garota se apoiou em uma mesa, e respirou fundo inúmeras vezes.

Minutos depois a porta rangeu, e ela não precisou olhar para trás para saber que era ele, o perfume com um toque cítrico e amadeirado comprovou isso, continuava o mesmo.

– (S/N)? – ouvir Jimin chamar seu nome depois de tanto tempo, era uma mistura de sensações. – Por favor, olhe para mim… Fiquei esperando por isso por tanto tempo.

Lentamente, (S/N) se virou para encará-lo. E o que seu olhar logo notou foi o colar de Jimin, o mesmo tinha dois anéis pendurados.

– Você está tão linda. – ele disse olhando cada detalhe de (S/N).

– Você guardou… – ela sussurrou apontando para o pescoço de Jimin.

– Pensei que talvez um dia você voltaria a usar novamente, e isso me traz boas lembranças… Posso te pedir uma coisa? Será que eu poderia te abraçar?

– Jimin, eu…

– Por favor. – Jimin praticamente implorou, (S/N) mordeu o lábio inferior um tanto indecisa. Olhou para os próprios pés e fechou os olhos por alguns segundos, mas não teve nem tempo de responder, apenas sentiu os braços fortes de Jimin contra seu corpo.

Jimin apertou o corpo da garota contra o dele, sorrindo de leve por tê-la novamente em seus braços, nem que fosse por alguns minutos. Seu rosto foi direto para a curvatura do pescoço de (S/N), sentindo o cheiro do perfume levemente adocicado. E seu sorriso aumentou quando sentiu os braços de (S/N) abraçarem sua cintura.

Eles ficaram por longos minutos abraçados, (S/N) sentiu as batidas do coração de Jimin irem se estabilizando aos poucos, e quando isso aconteceu ela gentilmente o empurrou.

– (S/N)…

– Por favor, Jimin… não diga nada… Acho melhor você ir embora.

– O quê? Depois de todo esse tempo e você me pede para ir embora? Por que não me falou que havia voltado?

– Caso não se lembre, não temos mais nada… Então não te devo explicações. – a garota disse um tanto exaltada.

– Você ainda não me perdoou pelo que fiz… – Jimin se afastou da garota.

– Jimin, as coisas não são tão simples… Não é porque voltei que tudo voltaria ao que era antes… Para isso só se nos conhecêssemos de novo e voltasse a estaca zero… E isso é impossível.

– Eu continuo apaixonado por você… – ele sussurrou.

– Jimin, por favor, não torne as coisas mais difíceis. Vá embora, por favor.

Jimin balançou a cabeça e saiu da sala em seguida. (S/N) soltou a respiração, já sentindo uma vontade de chorar. Ela também ainda era apaixonada por ele, mas era tão difícil, tinha medo de se entregar e ser magoada novamente.

Tentando empurrar esses pensamentos para longe, ela voltou sua atenção para o trabalho, já estava quase na hora do expediente acabar e provavelmente Somin não voltaria. Era pouco de 18:00 horas quando Jade foi embora, (S/N) terminou de arrumar as coisas, retirou o jaleco, guardou dentro da bolsa e seguiu para a recepção para que pudesse fechar a loja.

Mas para sua surpresa tinha alguém sentado nas cadeiras de espera. E ao ouvir os passos da (S/N), ele levantou a cabeça, ela franziu o cenho e bufou ao ver que era Jimin.

– Olha, eu não sei o que está fazendo aqui, mas eu preciso fechar o petshop. – (S/N) disse cruzando os braços.

– Então você trabalha aqui… – ela esboçou uma careta confusa, do que ele estava falando? É claro que ela trabalhava ali. – Sabe, eu estou pensando em adotar algum animal… E queria conversar para saber o que seria bom para mim, não entendo muito de bichos. – Jimin disse se levantando da cadeira.

– Eu não estou entendendo… O que você está fazendo? – ela perguntou confusa.

– Oh, me desculpe… Eu não me apresentei, eu sou Jimin!

Jimin estendeu a mão para (S/N) para se apresentar, foi então que ela entendeu.

“…Não é porque voltei que tudo voltaria ao que era antes… Para isso só se nos conhecêssemos de novo...”

Foi o que (S/N) havia dito há algumas horas, era isso que ela queria, que se conhecessem de novo. E dessa vez, seria sem segredos, sem desconfianças, sem inseguranças e com muito amor.

E dessa vez…. Talvez poderia dar certo.

Ela olhou para a mão de Jimin que continuava esticada, sorrindo timidamente, ela pegou a mesma em um aperto gentil.

– Me chamo (S/N). – ela respondeu.

– Então, será que pode me ajudar? Tem uma cafeteria ótima aqui perto, aceita tomar um chocolate quente comigo?

– Eu adoraria.


Notas Finais


E aí? Vocês gostaram?
Devido as atitudes de Jimin, creio que cerca de 99% das garotas não iriam perdoar, então o que eu quis com esse final… Como a personagem mesmo disse, talvez fosse possível eles tentarem de novo, mas começando do zero.
Então, deixo por sua conta e imaginação, imaginar o que quiser... Se eles voltaram ou não, se viraram amigos ou não... Enfim...
Espero que tenham gostado.
E deixem aí nos comentários com quem vocês querem uma próxima mini-fic, talvez eu já possa começar a trabalhar nela.
Bjss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...