História Thing of the past - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Ana, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Tamara, Tino, Yam
Tags Simbar
Visualizações 67
Palavras 4.215
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi, oi gente!!!!
Eu voltei!!!
Kkkkkkkkkkkk
Desculpa a demora, mas eu tive uma grande queda de ideias, mas agora eu voltei
Com um belo cap
E eu queria agradecer há ~LadyAlvarez, ela me mandou uma mensagem muito linda e inspiradora, e isso realmente me deu forças para não deletar a fic, então eu sou muito grata....

Capítulo 3 - Coisinha?


Fanfic / Fanfiction Thing of the past - Capítulo 3 - Coisinha?


Um ano depois


- Simon, a Luna chegou! - Minha mãe gritou da escada, me fazendo acordar para a vida. Rapidamente desci e vi a mesma com os patins.


- Vamos patinar? - A morena perguntou animada.


- Claro. - Respondi já pegando os meus patins e os calçando. - Tchau, mãe!


- Tchau, tia!


- Tchau, crianças!


- Então, você estava fazendo o quê? - Luna perguntou completamente curiosa.


- Nada, só mexendo no celular, e vendo algumas fotos.


- Posso ver?


- Hm. - Disse pegando o meu celular. - Esse é o meu....


- Seu pai, parece com você.


- Concordo. - Disse sorrindo.


- E quem é essa de costas?


- Essa é uma amiga minha...


- Seu olhar, deu a impressão de ser algo mais!


- Okay, eu gosto dela...


- E ela gosta de você?


- Mistério... - Disse rindo com ela.


- Acho que você deveria ligar para ela.


- Acha mesmo?


- Com certeza!


- Okay... - Disse colocando na lista de números nervoso. - Pronto, está chamando.


Ligação #on
- Oi, Ambar!


- Simon, como você está?


- Com saudade, e você?


- Indo, digamos assim...


- O que houve?


- Ambar, nós podemos tomar um sorvete depois?


- Claro, meu amor...


- Está falando com quem?


- Com o Matteo.


- Matteo? Ele não era o mauricinho da escola?


- O meu namora... - Assim que eu ouvi o inicio da frase senti o meu sangue ferver e desliguei o celular, pois não conseguia ouvir o resto.
Ligação #off


- Simon, eu sinto muito....


- Pelo o quê? Você não tem culpa, se a Ambar não da a minima para mim...


- Mas eu é que falei para você ligar...


- Esquece isso, vamos dar uma volta?


- Tem certeza?


- Muita, vamos?


- Vamos!


Meses depois


P.O.V. Ambar
- Rei, você avisou para o Matteo que nós já chegamos? - Perguntei para o empregado da minha mãe, sem paciência.


- Não, pois você não é a Sra. Benson, e eu trabalho só para ela.


- Vai deixar ele falar assim comigo, mãe?


- Sim, pois eu estou sem paciência para você e suas frescuras!


- Bem-vindos! - Uns homens, moreno de terno branco, nos cumprimentou sorrindo. - Sra. Benson.


- Eu sou o Rei, agente pessoal da Sra. Benson.


- Secretario pessoal, Rei. - Ela o corrigiu de imediato. 


- Secretario pessoa. - Ele se corrigiu, ajeitando o terno. - Por favor, nos mostre os quartos, pois a Sra. Benson e a sua filha estão cansadas da viagem. - O Rei, pediu sem educado, com o tal empregado.


- Pode deixar. - Ele disse sorrindo e nos guiando até as escadas.


- Que cheiro bom, o que é? - Minha mãe perguntou sorrindo.


- Fragância de jasmin. - Ele respondeu feliz, pelo olhar da minha mãe.


- Muito bom o cheiro. - Ela o elogiou admirando o cheiro.


- Vai querer velas arom....


- Não, a Sra. Benson não gosta de velas. - O Rei, mencionou serio, pelo fato do acidente.


- Perdão eu não sabia...


- Sra. Benson, vai querer alguma coisa para o almoço? - Uma mulher morena de rabo de cavalo perguntou com um sorriso no rosto.


- Lagosta. - Minha mãe respondeu, senti por incrível que paressa gentil.


- Cosida ou grelhada?


- Cosida. - Ela respondeu antes de subir.


- Certo, alguém me traga um buquê de rosas e dois sucos, vou estar na piscina. - Disse indo me trocar. Assim que eu terminei de me trocar, fui para a piscina, peguei o meu tablete e liguei para as minhas amigas. - Oi, meninas!


- Oi, Ambar! - As duas disseram sorrindo.


- Que roupa linda! - Jazmin, me elogio animada. - O seu cabelo, combinou!


- Eu sei!


- Ambar, cadê o Matteo? - Delfi perguntou me lembrando, dele e de sua mania de não me atender, na primeira ligação, nem na segunda e muito menos na terceira.


- Ele já vem, vamos gravando e depois nós gravamos com ele, okay?


- Okay! - Após a gravação chegou o meu pedido.


- Oi, o Foodger Wheels sempre chega a tempo! - Uma garota com o capacete colorido disse sorrindo.


- Meu amor! - Gritei vendo o Matteo sorrindo e acenando. - Ahhh! - Gritei sentindo algo gelado cair sobre a minha roupa.


- Me desculpa....


- Deixa, não encosta em mim.


- Eu limpo!


 - OLHA O QUE VOCÊ FEZ COM A MINHA ROUPA!


- Eu? Você é que veio para cima de mim! - De repente ouço o Matteo rindo.


- Você está rindo de mim, é isso mesmo?


- Não, não, não, não, não! - Ela gritou entrando em pânico. - Ele está rindo de mim, relaxa coisinha....


- "Coisinha"? VOCÊ ME CHAMOU DE COISINHA?


- Não! Você não deixou eu terminar, eu quis dizer: Coisinha linda!


- Menina delivery e sua manina de esbarrar nas pessoas.


- Acho melhor eu.. - Assim que ela chega perto de mim, dou um esbarrão "sem querer", e ela cai na piscina. 


- Droga... - Matteo murmurou pulando na piscina  a salvando. - Você está bem?


- A minha medalinha... - Ela disse triste.


- Você está bem?


- Hm...


- Qual é o seu nome?


- Sou Luna....


- Que bom que você está bem, agora vem Matteo. - Disse o puxando para perto de mim. - Matteo, eu quero você longe dela me entendeu?


- Pode deixar, mas por que eu ficaria perto dela mesmo?


- Não sei, mas eu sei do por que ela ficaria perto de você.


- Relaxa, eu estou com você. - Ele disse me beijando.


- Vem, nós temos um vídeo para fazer. - Disse pegando na mão dele e o puxando.


- Sim, senhora.


P.O.V. Luna
- A General vai me matar... - Murmurei voltando para o trabalho. 


- Ei, quem é que fez o pediu, Poseidon? 


- Não, uma garota loira insuportável.


- Que garota?


- Não sei o nome dela, mas eu acho que já vi ela em algum lugar....


- Bom, esquece ela, vamos patinar depois do trabalho, okay?


- Okay, você é a melhor pessoa do mund....


- Você se atrasou e ainda está molhada! - General gritou furiosa.


- Desculpa, mas uma garota me jogou dentro da piscina.


- Demorou para voltar e ainda estava na piscina?


- O quê? A senhora não me intendeu....


- Sem mais e nem menos! Volte trabalhar. - Ela disse entrando na cozinha.


- Ela simplesmente ignorou o que eu disse? 


- Sim, mas relaxa e esquece isso. 


Horas depois


- Finalmente temos liberdade. - Simon gritou começando a patinar comigo.


- Concordo, espero que eles não estejam mais lá...


- Eles? Você não disse que era uma garota loira? - Simon perguntou confuso.


- O namorado dela me salvou....


- Hmmm, acho que a Luna está apaixonada! - Ele implicou rindo.


- Vem, e faz silêncio que a mãe dessa garota é muito seria... - Sussurrei enquanto entravamos na cozinha. 


- Como espiões? - Ele perguntou andando agachado.


- Sim, nossa missão de hoje é pegar frutas e água. Vai! Vai! Vai! Vai! - Pedi dando "cobertura".


- Pronto, vamos para onde?


- Tem alguém vindo, vamos para a piscina, rápido. - Avisei o puxando para lá. - Ufa, conseguimos!


- Missão completa?


- Com certeza, sem perdas, sem fracassos, perfeito soldado. - Disse batendo continência.


- Isso, mandamos bem! - Simon falou animado e me dando um hi-five.


- Simon, está tudo bem? - Perguntei vendo ele desfazer o sorriso e formar lágrimas nos olhos. - Simon, o que você está olhando? - Perguntei dirigindo o meu olhar para aonde ele olhava e vi a garota loira com o namorado. Eu não estava entendendo, e completamente confusa, até que eu entendi e me lembrei de quem ela era. - Simon, eu sinto muito....


- Não, esquece isso... - Ele pediu engolindo o choro e secando as lágrimas. - Eu não acredito que a Ambar tenha feito isso com você, quer saber eu vou embora... - Ele disse me entregando as coisas e saindo da mansão. 


- Droga... - Murmurei chateada. Ele se magoou de novo e a culpa é minha, novamente...


P.O.V. Simon
- Burro! Burro! Burro, seu imbecil! - Gritava andando de um lado ara o outro em frente a mansão. - Eu e a Ambar? Só que não, ela é rica e era óbvio que ela ficaria mimada e malvada.... Ah é, namoraria com o popular e bonitão da escola, o Matteo... - Murmurava sentindo uma dor no peito.


- Olha só quem eu encontro por aqui, um fantasma do passado. - Matteo disse rindo. - É Simon, não é?


- Como você sabe? - Perguntei disfarçando a minha tristeza e raiva.


- Digamos que antes de tudo, você e a minha namorada ficavam andando juntos. Sabe eu só não mexia com você, por que eu não tinha tempo, mas agora eu nem preciso. Tenho a sua garota, sou o mais popular, bonito e quero você bem longe da Ambar, fui claro?


- Tão claro quanto os olhos dela... - Murmurei o fazendo cerrar os punhos. - Que foi? Não gostou do elogio a Ambar? Olha, você pode estar com ela, mas ela mudou por algum motivo e se eu descobrir que você, um idiota qualquer mudou ela, eu acabo com você, fui claro? - Perguntei cruzando os braços. 


- Toma cuidado, palhaço. - Ele disse entrando na mansão. Se pensar fui para casa respirar um pouco, se a Ambar tivesse esbarrado na Luna, com certeza tinha sido sem querer, ainda mais se ela fosse a mesma garota que eu conheci e... Me apaixonei. Sem perceber já estava no meu quarto deitado na cama. Era tão estranho ver como aquela garota mexia comigo só por estar aqui, imagina se nos encontrássemos, eu perderia toda a minha sanidade tomando aqueles perfeitos lábios rosados, a puxaria para perto de mim e.... Sou tirado dos meus pensamentos com o barulho do meu celular. - Oi, Luna...


- Oi, como você está?


- Bem, sabe que eu sou forte.


- Eu fiquei preocupada...


- Não fique, okay? Eu vou ficar melhor...


- Espero, mas eu queria lhe dizer uma coisa...


- Claro, fala.


- Eu irei para Buenos Aires...


- Como? - Perguntei me sentando na cama. - Por quê? Eu não estou entendendo....


- A Sra. Sharon disse que se os meus pais não fosse com ela para Buenos Aires, eles seria demitidos, já que ela comprou de vez a mansão.


- Sério? Ela não pode fazer isso....


- Mas fez, bom vem aqui em casa ás 16:00, eu irei embora ás 16:30.


- Não se preocupe, eu estarei ai. - Me despedi desligando o celular. - A minha amiga não vai embora, não desse jeito... - Murmurei saindo do meu quarto as pressas. Ao chegar na mansão vi a Srta. Sharon na janela de um dos quartos. Sem ninguém perceber subi, entrei no quarto e nos tranquei lá. - Sra. Sharon. - A chamei fazendo ela virar confusa. - A senhora não deve se lembrar de mim, mas eu sou o....


- Simon, o que faz aqui?


- Minha amiga Luna, é filha da Mônica e do Miguel.


- Ah claro, entendo. - Ela disse cruzando os braços. - Mas o que faz no meu quarto?


- Vim falar com a senhora, sobre o que você está fazendo. 


- Como assim?


- Você está obrigando a família Valente a ir para Buenos Aires, sendo que eles não querem.


- E desde quando isso é problema seu?


- Desde hoje, a senhora está obrigando a minha segunda família a ir embora, e antigamente a senhora não era assim, nunca era amagar, grossa ou muito menos manipuladora.


- Como ousa? Você não é ninguém para falar como eu devo ser.


- Eu não falei isso! Eu disse que a senhora não era assim. - Debati já com o sangue fervendo. - Você e a Ambar mudaram, mas por quê?


- Não te interessa, agora saí desse quarto antes que eu chame o meu assesor Rei.


- Não tenho medo. - Disse ficando próximo dela. - Anda, me diz o que aconteceu com vocês duas! Cadê o Jamal, a Elize e o Arthur?


- Rei! Rei! - Ela gritavam me ignorando.


- Diz logo, cadê eles?


- Senhora, Benson está tudo bem? - O tal Rei perguntou tentando destrancar a porta.


- Não, tem um garoto me importunando aqui! - Ela disse indo até a porta e a destrancando. De imediato o Rei veio até mim e começou a me levar embora.


- VOCÊS NÃO ERAM ASSIM! NUNCA FORAM, POR QUE MUDARAM? - Gritava sendo levado para fora.


P.O.V. Ambar
- Eu estava na piscina com o Matteo, quando ouço uma voz muito familiar. - Meu amor ouviu isso?


- Isso o quê?


- Essa voz, parecia com a do....


- SRA. SHARON, PARE COM ISSO! EU NÃO VOU DESISTIR DE DESCOBRIR O QUE HOUVE COM VOCÊ E A AMBAR!


- Simon... - Murmurei me levantando e indo o mais rápido para dentro da mansão. Ao chegar lá só vi a minha mãe com uma cara muito triste e o eu com um olhar chateado. - Mamãe, o que aconteceu aqui? - Perguntei preocupada.


- Nada, só vamos embora daqui, o Rei disse que a hora do voo é daqui a pouco, então vá se arrumar.


- Mas eu ouvi a voz do Simon, ele estava aq....


- Ambar, fique longe desse moleque, me entendeu? Ele desrespeitou a nossa família, então me obedeça e fique longe dele. 


- Sim senhora... - Concordei forçando um sorriso e subindo para o meu quarto. O Simon fez isso? Duvido, ele era a pessoa mais doce e gentil do mundo, nunca faria tal coisa ou faria...? Pessoas mudam, como eu e a minha mãe mudamos por causa do acidente...


Flashback #on
- Vai Elize, adivinha qual é o filme!


- Nemo?


- Não, quase!


- Pequena sereia?


- Acerto, sua vez!


- Fico tão feliz que os nosso filhos estejam felizes.... - Mu pai murmurou algo abraçando a minha mãe de lado.


- Quase todos, Ambar ainda está triste pela ida do Simon....


- Que tal irmos para New York nas férias e depois irmos para Cancun?


- Perfeito, ela ficar tão feliz... 


- Ambar... - Meu pai me chamou e de imediato eu desliguei o celular para lhe dar atenção.


- Sim, pai...


- Eu e a sua mãe estávamos pensando e fazer uma viagem para New York nas férias e depois irmos para Cancun.
- Sério? - Perguntei animada.


- Sim, você ama New York e sente muita falta de Can...


- Simon.... - Jamal e Elize disseram me deixando completamente corada.


- Na haver, eu sinto falta é de Cancun... - Disse tentando disfarças a minha vergonha.


- Sei...- Os dois implicaram me fazendo corar mais ainda.


- Então, está combinada, nas féri.... - Antes que ele terminasse o caminhão bateu, fazendo metade ir para um lado e a outra ficar perto da calçada. Bom, a parte que voo longe foi aonde eu e os meus irmãos estávamos. Meu corpo doía, eu ouvia o choro dos meus irmãos. 


- Jamal, Elize, se acalmem, eu estou aqui... - Disse indo até eles e vendo que o banco tinha prendido a perna dos dois. 


- Está doendo, Ambar... - Eles disseram soltando lágrimas.


- Calma, eu vou tentar tirar vocês daqui o mais rápido possível... - Murmurei sentindo o cheiro da gasolina. De imediato comecei a tentar só que eu não conseguia. - Droga... - Murmurei com raiva de mim mesma, por não ter força. - Olha, eu vou chamar a mamãe e o papai para ajudar, oky?


- Não deixa a gente... - Eles pediram pegando na minha mão. Droga, Ambar pensa! 


- Crianças, vocês estão bem? - Meu pai perguntou correndo para a nossa direção. 


- Eu estou só com alguns machucados, mas eles estão com as pernas presas.


- Certo, vai lá ficar com a sua mãe, eu cuido disso.


- Mas pai, eu posso ajudar.


- Ambar não discute, só vai. - Ele mandou e assim eu fiz, mas antes que eu pudesse me afastar de verdade do carro, ele começou a pegar fogo.


- Não! - Gritei voltando para o carro, mas era tarde demais, ele explodiu com os três lá dentro, uma criança de 6 outra de 9 e o meu pai... No outro dia eu acordei no hospital viva, sendo que eu é que tinha que ter morrido naquele carro. Assim que eu acordei e me lembrei de tudo, comecei a chocar.


- Ambar... - Minha mãe disse se aproximando de mim. - Não fique assim, seu pai não iria querer te ver nesse estado, vamos para o funeral deles, okay?


- Sim, senhora... - Disse me levantando. 
Flashback #off


- Estávamos todos na limousine rindo e conversando como sempre. Jamal e Elize brincando, minha mão e o meu pai conversando e rindo, enquanto eu estava vendo algumas fotos minhas com o Simon... Coisa boba, perdi o meus últimos segundos com toda a minha família vendo fotos se um garoto que foi embora... E pior é que tudo foi tão rápido, em um hora estávamos voltando para casa e na outra um caminhoneiro bêbado bateu e nós e levou a minha família, tudo de bom que restou em mim e na minha mãe, ela se fechou para todos e até para mim e eu tentei pegar coisas que talvez poderiam me deixar ocupada e que pudessem orgulhá-la. Depois de algumas coisas assinadas no hospital, voltamos para casa, nos arrumamos e fomos para o funeral, doeu tanto e eu queria tanto, mais tanto ficar nos braços do Simon, mas ele não antedia o celular, não respondia as minhas mensagens, e o único que esteve lá foi o Matteo, e por isso eu sou grata até hoje.


Em Buenos Aires


- Luna, não se preocupe, mas você vai se acostumar com todas essas mudanças, okay?


- Okay, obrigada por dizer isso Ambar. - Luna agradeceu sorrindo.


- Não tem de quê. - Respondi pegando o meu celular e indo para o jardim. - Meninas me encontrem na escola, e fiquem perfeitas, okay? Precisamos arrasar no nosso primeiro dia de aula. 


- Claro. - Elas respondeu e assim eu desliguei o meu celular. Logo depois de me arrumar, fui para a limousine junto com a Luna que parecia uma perdida no mundo de tão distraída que ela era. Assim que eu cheguei na escola sai do carro e vi as minhas amigas. Quando eu ia me aproximar delas, Luna pegou na minha mão.


- Por que você está pegando na minha mão? - Perguntei me soltando.


- Eu queria saber se você tem alguma dica para primeiro dia de aula?


- Sobreviva.


- E como eu faço isso?


- Não ficando no meu caminho e sendo invisível, perfeito e bem fácil. - Falei lhe dando um piscadela e indo até as minhas amigas. - Prontas?
- Sim. - As duas responderam em coro entrando comigo. Assim que entramos todos dirigiram os olhares para nós três, alguns tinham medo, outros inveja e os meninos babavam. Por onde passávamos ninguém tinha a coragem de ficar na nossa frente, nem mesmo os professores. 
- Pelo o que eu vi a escola está cheia de perdedoras... - Delfi comentou com cara de nojo enquanto observava algumas dos pés a cabeça.


- Nossa, parece que elas nunca viram alguma revista de moda... - Jazmin comentou rindo.


- Concordo, uma pior do que a outra... - Murmurei encarando algumas dos pés a cabeça. - Certo, cadê o Matteo?


- Ali, com um monte de garotas babando por ele.


- Garotas? Elas são um bando de vermes. - Falei empurrando algumas e as fazendo cair no chão.


- Ambar...


- Shhhh, vermes não falam. - Disse indo até o meu namorado. - Oi, meu amor.


- Oi, linda... - Ele me respondeu selando nossos lábios em um beijo. - Quem eram aquelas meninas?


- Ninguém, só um bando de vermes...


- Olha só, pelo visto a menina delivery está nos seguindo.


- Ela está morando lá em casa, eu mereço? 


- Nem um pouco, amiga. - Delfi e Jazmin responderam a encarando perdida.


- Minha mãe fica inventando cada uma, e depois eu tenho que aturar aquela garota... - Murmurei jogando o meu cabelo para trás.


- Olha, a trouxa da Nina ido falar com a Luna.


- Fazer o que, trouxas andando juntas, não estão vendo? - Perguntei me referindo a outras nerds andando juntas.


- Eu não acredito....


- Que foi? - Perguntei procurando com os olhos o que a Jazmin estava falando.


- Olha aquela patricinha loira dando uma de rainha da escola.


- Pelo visto, ela deve ser uma garota que pensa estar em um filme. - Murmurei cruzando os braços. - Que tal darmos boas vindas a metidinha? - Perguntei colocando a mão na cintura e vendo as duas sorrirem. - Já volto.


- Vai lá. Tenho aula agora, mas a gente se vê no Roller? - Matteo perguntou acariciando o meu rosto.


- Claro, vai lá. - Me despedi vendo ele ir embora com o Gaston. Depois fingin colocar um sorriso carismático e fui até ela. - Oi, você é nova, não é?
- Sou, por quê? - Ela respondeu de nariz em pé fazendo todos nos olharem. - Veio levar a minha mochila para o meu armário? - Ela perguntou me fazendo soltar uma leve risada. Quem ela pensa que é?


- Olha queridinha, sei que você queria ser a dona da escola, já que provavelmente na outra você era só mais uma ninguém. Deixa eu te dizer, aqui não vai ser diferente e se você falar, melhor. Pensar em falar comigo sem eu te dar permissão, faço da sua vida um belo inferno, fui clara? Ah, você pode responder, mas toma cuidado.


- Então, você é a rainha da escola?

 
- Sim, quando eu quero algo eu tenho, e se você quiser algo, você vai me pedir, e eu verei se eu quero que você tenha aquilo, entendeu?


- Você realmente acha que da medo?


- Não, mas posso ser bem perigosa. Quer que eu demostre? - Perguntei vendo ela ficar meio aflita. - Você aí. - Chamei o garoto que tinha uma vitamina. 


- Si....


- Não era para você me responder, só me da a vitamina. - Mandei e assim ele me deu. - Bom, isso é só um pequeno ato do que a sua vida pode ser daqui para frente. - Disse derramando a vitamina na cabeça dela. - Na próxima com certeza vai ser pior, então toma muito cuidado quando eu estiver por perto, perdedora. Agora vaza. - Mandei vendo ela sair correndo chorando.


- Bem feito para ela. - Delfi falou cruzando os braços enquanto ria.


- Ela nunca mais vai se meter com você! - Jazmin disse rindo.


- Acho que as férias fizeram algumas pessoas se esquecerem que eu sou. - Disse me referindo as nerds que ficaram olhando para o Matteo a minutos atrás. - Certo, vamos para a aul... O que o Matteo está fazendo? - Me perguntei vendo ele conversar com a Luna. - Essa garota de novo?


- Quem é ela?


- A Luna, a que entrou na escola a pouco tempo, Jazmim. - Delfi respondeu por mim me poupando tempo.


- Ah, verdade, mas por que ela está falando com o Matteo?


- Irei descobrir agora... - Murmurei indo até eles dois. - Luninha, tudo bem?


- Sim, estou sobrevivendo.


- Que bom, mas sobre o que você estavam conversando mesmo?


- Bom, eu estou perdida e o Matteo está me ajudando.


- Eu mesma poderia te ajudar. - Disse indo até ela. - A sua classe é bem ali, vai com a Nina, ela será uma ótima amiga para você. - Mandei vendo as duas irem embora. De imediato dirigi o meu olhar para o Matteo. - Então...?


- Relaxa, eu só estava sendo gentil.


- Matteo, só porque o nosso relacionamento só fachada, não quer dizer que você possa me trair, me entendeu?


- Claro, não fica zangada, não. - Ele pediu acariciando o meu rosto. - Você é muito mais bonita sorrindo.


- E você é muito mais bonito longe da Luna. - Respondi dando o meu típico sorriso sarcástico. - Bom, vai para a sua aula, não queremos que se atrase.


- Com certeza não. - Ele disse me dando um selinho antes de ir para a sala com o Gaston.


- Então essa Luna está afim do Matteo? - Jazmin perguntou confusa.


- Não sei, mas ela não chega aos meus pés. - Respondi rindo. - Se ela tentar vai perder, já que eu não tenho fraquezas.


No Jam & Roller


- Meninas mais alguém está achando essa questão difícil? - Jazmin perguntou novamente.


- Jazmin, é fácil. - Respondi seria vendo ela tentar. Quando eu ia voltar a minha atenção para o meu caderno, vi Simon com malas e com um sorriso no rosto. - Não pode ser... - Murmurei chocada.
 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!!
Comentem o que acharam!!!!
Bjs de Mel e biscoito!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...