História Things So Complicated. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Atena, Bianca di Angelo, Dionísio, Hazel Levesque, Hermes, Jason Grace, Luke Castellan, Nico di Angelo, Piper McLean, Poseidon, Sally Jackson, Thalia Grace
Tags Percabeth
Exibições 217
Palavras 5.408
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Dois


🍼Pov's Annabeth

_Bom dia garotas- a mulher que estava na sala aparece novamente. A mais nova- eu me chamo Bianca e sou a dona dessa casa, eu agradeço a todas pela presença. E infelizmente vamos poder ficar apenas com uma de vocês.

Ela sorri, mas eu vejo que ela gostaria de estar fazendo algum tratamento estético à estar aqui com esse bando de garotas.

_A que ficará com o turno da noite será a Poliana- diz se referindo a mulher que morava na Alemanha- e a que terá a honra de ficar com o emprego do dia será a- fala como se isso não fosse tão importante. - Annabeth.

Me surpreendo.

_Obrigada a todas.

Fico muito feliz e as outras garotas começam a ir embora em silêncio

Ainda nem estou conseguindo acreditar que eu consegui mesmo esse emprego.
Já que eu não tenho experiência alguma e alguma das outras garotas tem experiência em outros países ,e tem altas recomendações e eu não tenho nada disso.

Esse sem dúvidas é um grande sonho se realizando. Finalmente eu vou ter um emprego. Não vou ser expulsa de casa, e ainda vou me livrar das humilhações daquele meu padrasto otario.

Gente nunca mais vou ter que ouvir que sou uma vagabunda e ter que escutar outros desaforos e humilhações.
Eu só queria que isso fosse o suficiente para sair daquela casa e levar a minha mãe junto comigo.
Aí sim isso seria um sonho realizado.
Mas eu já consegui o mais difícil que é o trabalho. Então conseguir juntar dinheiro o suficiente para sair daquela casa é apenas uma questão de tempo.
E o melhor é saber que não vou ter que escutar o Luke dizendo que eu vou ter que virar a sua prostituta para poder ganhar dinheiro.
Agora ele vai ver que eu tenho dignidade e posso conseguir algo muito melhor do que me tornar garota de programa.
Tudo bem que eu nunca pensei que iria aceitar um emprego de babá, mas isso já é um primeiro grande passo para realizar o meu tão querido sonho de um dia me tornar uma importante arquiteta e fazer com que a minha mãe sinta orgulho de mim.
E sei que isso vai acontecer.

Estou tão distraída nos meus pensamentos que levo um susto quando escuto uma voz esganiçada e bem alta.

_ISSO É UMA PALHAÇADA- uma das garotas grita.

Me Viro em direção a voz e vejo uma das garotas que estava sentada perto de uma parede quando cheguei.
Ela era morena e seus olhos eram de um azul bem intenso.
Suas roupas eram muito apertadas, ela estava usando uma calça apertada e uma blusa bastante decotada e sua maquiagem estava muito forte.

_O que você disse querida? - Cármen pergunta.
_Que isso tudo é uma palhaçada- repete- eu tenho experiência como babá a mais de dez anos. Trabalhei na Inglaterra , na Grécia, e acabei de voltar de Londres.
_Isso é muito bom para o seu currículo- Cármen diz tranquila.
_Então por que eu não passei? - pergunta.
_Por que todas fizeram uma entrevista e teve duas melhores que a sua- Cármen diz.
_Então está me dizendo que eu fui pior do que uma menina que não tem experiência? - diz me encarando.
_Sim querida- Cármen continua falando calma.
_Eu sou a mais indicada para esse trabalho- grita- e não essa garota. Isso tudo é uma armação.
_Minha querida- a senhora Bianca diz- quem escolhe quem trabalha na minha casa sou eu. E você não está qualificada o suficiente.
_Como não? - exige.
_Eu não me importo se trabalhou no quinto dos infernos- diz perdendo a paciência- e meus filhos não vão ficar sob os cuidados de uma pessoa que se veste como uma striper então faça o favor de se retirar da minha casa. Ou terei que chamar os seguranças?

A garota sai pisando duro mas de cabeça baixa.

_Alguém tem algo a dizer- a senhora Bianca pergunta.
_Não senhora- as três garotas que ainda estavam na casa responde.
_Ótimo- Cármen força um sorriso- obrigada mais uma vez a todas. Mas agora as únicas pessoas que devem permanecer é a Poliana e a Annabeth.

Elas saem em silêncio.
Fico mais chocada ainda em saber que eu fui escolhida para cuidar de crianças de um lugar tão luxuoso, e olha que eu sou bem simples. E ainda saber que eu fui escolhida e uma excelente babá que trabalhou em diversos países não, era a parte mais inacreditável de todas.
Nunca pensei que isso poderia estar acontecendo.

Sinto alguém me observando e vejo que é o rapaz que pegou a bebê no colo, e que não parava de me olhar.
Abaixo o olhar quando vejo que ele está se aproximando.
Noto que o seu corpo é mais perfeito do que eu imaginava e que os seus olhos são mesmo verdes intensos e ele é vários centímetros mais alto do que eu.
Ele está sorrindo.

_Prazer- diz apertando a minha mão- eu me chamo Perseu.
_Prazer- digo com as bochechas rosadas.

Enquanto ele está segurando na minha mão eu sinto algo diferente. Era como se eu estivesse recebendo pequenos choques pelo corpo, era como se cada nervo estivesse sento pressionado.
Sinto que o meu coração está se acelerando.

_Prazer- consigo dizer- sou a Annabeth.

Ele sorri outra vez.
Nesse exato momento a sua mulher se vira e nos encara. Ela se aproxima e me lança um olhar fatal.

_Seja bem vinda- diz forçando um sorriso- irá adorar as nossas crianças. Não é mesmo amor?
_Sim- o senhor Perseu diz sorrindo.
_Estou ansiosa para os conhecer- digo mais firme.
_A Cármen era os trazer em breve- a senhora Bianca diz.

Sorrio como resposta e observo como essa mulher está me avaliando, ela me olha da cabeça aos pés e sorri cínica quando nossos olhares se cruzam.
Eu tenho certeza de que ela disse a palavra "amor" mais alto do que era necessário, e definitivamente eu não entendo o motivo disso.
Não é como se eu tivesse disposta a seduzir o seu marido.
Essas mulheres chiques são tão estranhas.
Ela é linda, tem cabelos pretos e sedosos, e com o corte da moda, as suas roupas são mais caras do que a minha casa.

_Senhora? - Cármen aparece.
_Trouxe eles? - a senhora Bianca pergunta e me encara por mais uns segundos e se vira sorrindo.
_Sim- Cármen responde.

Ela estava segurando aquela bebêzinha linda nos braços. A menininha estava com um pijama vermelho e fofo, os seus olhos eram iguais ao do seu pai- acredito que o senhor Perseu seja o pai desses garotos- até o sorriso era o mesmo. Do seu lado direito tinha uma uma menina de longos cabelos pretos, seus olhos tambem eram pretos ela estava com uma camisa larga e um short. E um garoto do seu lado tinha cabelos castanhos e seus olhos eram uma estranha mistura de castanho e verde.

_Esses são os anjinhos- a senhora Bianca diz- a Isabella, e o Victor.
_E a bebê é a Cristal- o senhor Perseu diz orgulhoso, e a sua mulher virou a cara e se afastou.

Que estranho, era como se ela não considerasse a Cristal a sua filha.

_É claro que me lembro dessa bebê fofa- respondo sorrindo.
_Bom pois agora esses três serão os seus filhos- a senhora Bianca diz e me assusto.

_Não a assuste Bia- o senhor Perseu diz- ela quis dizer que agora eles serão como se fosse seus filhos.
_Vou as amar como um filho- garanto.
_Muito bom- Cármen sorri.
_Você é a nossa nova mãe?- o garoto pergunta.
_Babá- Cármen diz sorrindo- sim Victor.
_Muito prazer- a garota Isabella diz sorrindo- eu sou a Isa.
_Prazer Isa- digo sorrindo- eu sou a Annabeth.
_Esse é o Victor meu irmão- a garota continua- e a minha irmã a Cristal.

O garoto me dá um abraço muito apertado e a garota sorri e aperta a minha mão com carinho.
Por mais incrível que pareça, eu os adorei.

_Crianças agora a Annabeth terá que conhecer a casa- Cármen diz.
_Nós a acompanhamos- os dois garotos falam juntos.

Do nada a Isa pega a irmã no colo e segura na minha mão.

_Vem- diz sorrindo e o Victor pega na minha outra mão.

Enquanto nos afastamos eu sinto que alguém ainda está me encarando.
Primeiro as crianças me mostram o resto da sala de estar, depois fomos até o terceiro andar, aonde se encontrava o quarto dos senhores. E o quarto era esplêndido, e nem nas revistas mais luxuosas eu poderia encontrar um lugar tão elegante. No andar de baixo tinha os quartos das crianças e seus quartos eram maior do que a minha casa. O quarto da Isa era cheio de livros e as paredes eram amarelas, o quarto do Victor era cheio de brinquedos e as paredes era todas azul e por último o quarto da Cristal que estava cheio de brinquedos e coisas de bebês e as paredes era da cor lilás.
No andar de baixo se encontrava o restante da casa, e cada cômodo era mais elegante do que o outro.
Por fim terminamos na cozinha.

_Espero que tenha gostado do tur com os garotos- Cármen diz.
_Sim gostei- repondo- só não sei se vou conseguir decorar tudo.
_Não se preocupe- Cármen sorri- se acostumara com o tempo. Aqui é as chaves extras de todos os cômodos da casa- diz me entregando várias chaves- terá que ficar com elas o dia todo.
_É claro- pego as chaves com cuidado.
_Espero que tenha carteira de motorista- diz- se não tiver vamos providenciar.
_Eu tenho- digo me lembrando como foi difícil conseguir dinheiro para tirar minha habilitação.
_Bom- Cármen sorri- a traga sempre na carteira pois seu carro esta sendo providenciado.
_Meu carro? - pergunto.
_Sim- diz séria- não é sempre que o motorista estará disponível.
_Claro- concordo.
_Bom aqui esta a dieta das crianças- diz me entregando uma pasta- não se preocupe pois vai ser fácil, a Isa ama frutas então o café e o lanche não pode as faltar nunca, ela come quase de tudo, menos frutos do mar, pois ela é alérgica. Massas na medida certa. Nada de muito açúcar pois isso a deixa agitada, e você não quer ver ela falando sem parar.
_Entendi- digo sorrindo.
_Já o Victor odeia frutas- continua- é muito difícil fazer ele comer frutas e verduras, mas tem que tentar. Invente algo novo todo dia para que ele possa querer comer. Como ele fica em casa o dia todo então sempre esteja de olho para ele não comer muita besteira para perder o apetite.
_Ficarei sempre atenta- garanto.

Nesse momento percebo que as crianças tinham sumido.

_Já a Cristal- continua- tem apenas que dar a mamadeira nas horas certas, também seria bom lhe dá algumas frutas na hora do lanche. Nada de comida industrializada. A antiga babá fez isso e o resultado não foi dos melhores.
_Só vou dar o leite e as frutas que ela goste- digo.
_Então não teremos problemas- diz- como eu disse na entrevista à Isa acorda cedo para ir para a escola, quando chegar ela já estará acordada apenas a apresse, o café ela toma sozinha, então a leve para a escola, nesses primeiros dias o motorista irá junto. Ela sai mais ou menos as quatorze horas então tem que a buscar na porta da escola, quando ela voltar a ajude com as tarefas da escola. Depois dará o lanche e depois é a hora livre, e você terá que elaborar tarefas educativas para ela. Pode os distrair brincando e a leve na piscina sempre que achar adequado. Depois de tudo a coloque para tomar banho. O Jantar sempre é dado pela babá da noite. Tudo certo até agora?
_Sim- respondo tensa.
_Bom o Victor terá que ser acordado quando voltar do colégio da Isa. Fique com ele na mesa e tente fazer com que ele coma tudo. Brinquem pelos jardins. O almoço é o mesmo esquema do café, elabore tarefas pra ele se distrair e depois ele pode ver televisão, o lanche também terá que inventar algo pra ele querer comer. E dê um banho. E sempre tarefas educativas. Tudo certo?
_Sim - digo.
_A Cristal avisará quando acordar- diz- lhe prepare a mamadeira, lhe dê um banho, sempre que ela estiver acordada tem que a levar com você. Quando ela estiver dormindo eu ficarei com ela. Trocar de fralda sempre, e essas coisas. Na hora do lanche não se esqueça de colocar uma fruta no seu prato. Bom não se preocupe querida está tudo escrito aí.

Suspiro aliviada. Eu não ia decorar tudo isso. Não hoje.

_Essa é a Regina a cozinheira- diz me apresentando uma mulher ruiva alguns anos mais velha do que eu- o Henrique o motorista- diz se referindo a um cara moreno- o Bruno que é jardineiro- diz se referindo a um homem mais de idade- e por último a Juliana e a Brenda que são as empregadas- duas mulheres loiras me dão sorrisos forçados.
_Prazer- digo baixo.
_Amanhã as oito em ponto tem que estar aqui- Cármen diz.
_Não vou me atrasar.
_E traga seus documentos- diz.
_Sim- digo.
_Pode ir agora querida- fala sorrindo.

Quando me viro vejo a Isa entrar correndo.

_Cármen- chora- tem que trocar a fralda da Cris.
_Deixe que eu faço isso- digo- se não se importar.
_Nem um pouco- Cármen diz aliviada.

Ela me leva até o quarto da bebê, eu troco a sua fralda e depois vou embora. E antes de sair da casa sinto os olhares do senhor Perseu.

_Senhor- digo o cumprimentando.
_Annabeth- diz sorrindo- até amanhã.
_Até- digo e saio depressa.

Quando estou perto do portão acabo tropeçando e quase caio.

Pego o meu ônibus e vou embora para a minha casa.

_Consegui o emprego- digo a novidade.
_Esta mentindo- Hermes diz- ninguém iria te contratar.
_Uma família descente em um condomínio no leste da cidade- digo.
_Que coisa mais boa minha querida- minha mãe diz me abraçando- estou muito feliz.
_Também estou feliz mãe- sorrio- começo amanhã.
_Que família louca- Luke diz- contratar uma garota que não tem experiência com crianças pra ser babá.
_Devo ter os encantado com o meu carisma- digo sorrindo.
_Eu sabia- Hermes grita- aposto que fez o teste do sofá.
_Filha, você fez mesmo isso? - minha mãe também grita.
_Não- digo ofendida- eu nunca me venderia para ter um emprego.
_Agora ser babá é um bom emprego? - Luke zomba.
_Pelo menos tenho um trabalho- digo- não sou uma atoa.
_Se acha que cuidar de crianças é uma coisa muito boa- o Luke sai rindo.
_ Se eu souber- o Hermes diz puxando o meu braço- que você se vendeu para ter esse emprego.
_Eu não fiz nada- puxo o meu braço- e se eu tivesse feito? O que você faria?
_Te daria uma surra- diz alto- vadia não tem lugar na minha casa.
_Faça isso- me irrito.
_Você sabe que eu não posso te bater- diz baixo- mas a sua mãe vai levar.
_Eu já disse que eu não fiz isso- grito- eu fiz uma entrevista com a governanta da casa e a senhora da casa decidiu que eu e outra garota seríamos a contratadas.

Ele não diz mais nada e sai da sala e a minha mãe me dá um abraço e vai atrás do idiota do Hermes.
Eu não entendia a minha mãe. Ela não deveria pensar que eu seria capaz de me vender dessa forma.
Ela sabe que até hoje eu não me entreguei a homem algum e eu não iria fazer isso para conseguir um trabalho.
Eu não sou tão baixa assim. E ela deveria saber.

Vou até a casa da Piper para contar a novidade e agradecer por tudo que ela tinha feito por mim.

_Que felicidade amiga- Piper diz sorrindo.
_Foi um verdadeiro milagre- confesso- tinha outras garotas que trabalharam até na Alemanha.
_Elas podem ter experiência- diz- mas você tem carisma, e é isso que importa.
_Sim- admito- vou começar amanhã.
_Mas me conte como eles são- pede.
_As crianças são três- digo- a Isabella de cinco, o Victor de três, e a Cristal de cinco meses.
_E os pais- diz quando me calo.
_Devem ter a nossa idade- digo- a senhora Bianca é uma verdadeira perua- falo sorrindo- sabe aquelas que todos os dias fazem um tratamento estico? Ela é bem vestida, e usa roupas caras.
_E o marido dela? - pergunta.
_Ele se chama Perseu- digo- deve ser um ano mais velho do que eu. Não me pareceu ser aqueles caras que jogam golfe o dia todo não. Chego a pensar que ele faz academia já que o seu corpo é bem forte.
_Gato? - pergunta maliciosa.
_Sim- admito- e ainda tem olhos verdes.
_Ui- rimos- uma tentação?
_Demais- falo rindo- mas como eu disse, ninguém com grana iria olhar pra mim.
_É aí que se engana- comenta- mas você tem que ter um cuidado nesses primeiros dias.
_Cuidado? - me assusto.
_Esse pessoal adora armar "acidentes" para nos colocar no nosso lugar. Então continue com as roupas simples, mas sempre com algo para não ser simples demais. Faça tudo com um sorriso, sempre os cumprimente- continua me dando outras dicas importantes.

A Piper estava tão animada, estava até mais radiante do que eu.

_E como a sua família reagiu? - pergunta.
_A minha mãe ficou feliz- digo- já o Luke e o Hermes insinuaram que eu me vendi- digo.
_Que você se vendeu? - pergunta.
_Sim- digo baixo- eles acham que me deitei com alguém para conseguir o emprego.
_Mas você tem competência para conseguir as coisas com dignidade- diz- eles são loucos isso sim.
_O idiota do Hermes disse que se eu tiver feito isso mesmo ele vai bater na minha mãe- suspiro- você sabe que se ele encostar em mim os meus tios dão um toque especial nele, mas a minha mãe não tem essa proteção.
_Não sei como a sua mãe foi se envolver com esse cretino- diz séria.
_Nem eu entendo- suspiro- ele faz tudo o que quiser e ela continua do seu lado.

Depois de muito tempo eu me despedi da Piper e fui embora para a minha casa.
Eu estava muito cansada e teria que acordar bem cedo para ir trabalhar na casa dos Jackson, e tenho certeza de que o trabalho lá não é nada pouco.
Só agora estou pensando como deve ser difícil cuidar de três crianças mimadas.

Chego em casa e quase dou um pulo de susto quando vejo a minha mãe sentada no sofá da sala.

_Me assustou- comento.
_A onde estava? - pergunta.
_Com a Piper- digo indiferente- eu fui a agradecer. Pois foi ela que me mostrou essa vaga.
_Anna- diz baixo- quero te pedir uma coisa.
_Que coisa- pergunto.
_Faça de tudo para não perder esse trabalho- diz séria.
_Mãe isso está além da minha vontade- digo.
_É aí que você se engana- diz mais dura- se fizer seu trabalho certo não dará motivos para te demitir.
_Vou fazer tudo certo- digo a encarando.
_Acho bom mesmo- diz- se perder esse emprego eu não vou poder te ajudar com o Hermes.
_Não vou perder esse emprego- me irrito- se eu perder arrumo outro.
_Foi o que pensou quando saiu da faculdade- diz- você não se esforça.
_Eu fiz o meu máximo- quase grito.
_E acabou com um emprego de babá- diz baixo.
_Um emprego muito honesto- me irrito.
_Honesto mas não ganhará muita coisa- grita.
_Quem tem que sustentar essa casa é o seu marido e não eu- também grito.
_Abaixe o seu tom- exige.
_Então me deixe em paz- saio pisando duro.

Eu odiava brigar com a minha mãe, mas ela estava começando a me irritar, as vezes parece que o Hermes está lhe fazendo uma lavagem cerebral.
Vou para o meu quarto e tranco a porta.
Essa minha família já está me deixando maluca.

***

Na manhã seguinte tomo um banho relaxante e visto uma blusa e uma calça, e uma sapatilha, prendo os meus cabelos e pego as minhas coisas e saio de casa.
Felizmente eu não encontrei com ninguém no meu caminho. Tomei um café depressa e sai de casa.
Pego a minha condução e chego a mansão dos Jackson antes das oito.

_Que bom que é pontual- Cármen diz.
_Sou sim- digo.
_Bom dia querida, trouxe tudo que eu pedi? - pergunta.
_Sim aqui- digo entregando uma pasta.
_Também é organizada- comenta satisfeita- a Isa já acordou mas é bom a apressar. Sabe aonde é o seu quarto?
_Sim- digo.

A Cármen sorri e sai. Subo as escadas e vou até o quarto da Isa.

_Olá querida- digo.
_Olá Annabeth- diz colocando coisas na mochila.
_Pode me chamar de Annie- digo sorrindo- vem eu te ajudo com seu uniforme.

A visto direito- pois sua roupa estava toda torta- e arrumo os seus cabelos.

_Fez a lição de casa? - pergunto.
_Sim- diz pensativa- acho que fiz.
_Hoje quando voltar vamos conferir seus horários e vou te ajudar com a lição do dia seguinte.

Ela concorda.

_Vai tomar café que eu só vou ver a sua irmã e já desço.

Ela sorri e sai correndo.
Vou até o quarto da Cristal e ela estava acordada.

_Bom dia meu amor- digo a pegando no colo.
_Ela já mamou- Cármen diz aparecendo na porta- não se preocupe pois hoje ela ficará comigo.

Concordo e apenas troco a fralda da garota e desço as escadas. A Isa estava terminando de tomar café.
Ela escova os dentes e saímos.

O Henrique nos leva até a escola da Isa.

_Vou com você- digo também saindo do carro.
_Não precisa- diz baixo.

Mesmo assim a acompanho até a sua sala.

_Tenha um bom dia- digo e Beijo seu rosto. Ela sai e entra na sua sala- eu sou a nova babá da Isa. A Annabeth.
_Prazer querida- a professora diz.

Pergunto algumas coisas básicas e descubro que a menina não está muito bem, e ela sempre se esquece de fazer a lição de casa.

Entro no carro e voltamos pra casa.
Quando chegamos corro e vou acordar o Victor.

_Bom dia- digo abrindo as janelas.
_Bom dia- diz bocejando- já é dia?
_Sim- falo sorrindo- que tal um banho para acordar?
_Banho? - pergunta tímido.
_Um delicioso banho- garanto.
_Esta bem- diz pensativo.

Lhe dou um banho e depois de colocar uma roupa limpa no garoto o levo para tomar café.
Me sento do seu lado e faço um prato de salada de frutas e vou colocando na sua boca enquanto ele me conta sobre o seu dia de ontem.

Subo as escadas novamente e vou até o quarto da Cristal. Lhe dou um banho, troco a sua roupa e a levo lá pra fora.
A coloco sentada na grama enquanto brinco com o Victor.
Jogamos um jogo educativo que a Cármen me indicou. E antes do almoço lhe dou um suco e faço a mamadeira da Cristal.
Na hora do almoço a Cármen me diz que os Jackson nunca comiam com os filhos.
Então eu coloquei comida na boca do Victor.

_Agora pode ir ver televisão- digo e o garoto sai correndo.

Enquanto lavo a louça eu sinto alguém me olhando. Me viro e vejo o senhor Jackson sorrindo. Já era a terceira vez que eu via que ele estava me olhando.

_Já está louca? - pergunta- os meninos não são fáceis.
_Espero não ficar louca tão cedo- digo ainda encarando o prato.
_Dou uma semana- fala sorrindo.
_Eles são muito danados? - pergunto.
_Um pouco- admite- mas eles tem um bom coração.
_Tem sim- concordo.
_Esta gostando do seu primeiro dia? - pergunta.
_Estou sim- digo e era a verdade.

Enquanto conversamos fico nervosa e sinto que o meu rosto está se esquentando.

_Agora vou lhe deixar trabalhar- diz sorrindo- tenha uma boa tarde.
_Igualmente senhor Perseu- digo educada.
_Percy- diz e sai.

Fico pensativa e continuo com o meu serviço.
Mais tarde vou buscar a Isa na escola e a ajudo a fazer a lição de casa do dia seguinte.
Depois de toda a tarefa pronta a Isa vai brincar com os irmãos.
Lhe dou o lanche- que era uma fruta e na hora do espaço educativo li um pouco para eles.
Enquanto a Isa estava no banho, a Cris dormindo e o Victor brincando aproveitei para comer algo depressa.

_Gostando? - Regina pergunta.
_Sim- digo- estou perdida hoje mas logo pego o ritmo deles.
_Pega sim- Diz sorrindo- eles são uns anjinhos.

_Sabe- diz depois de um tempo- tem umas coisas que precisa saber para não se assustar.
_Que coisas? - pergunto.
_Se vê a senhora Bianca conversando com o Henrique em lugares afastados ou outra cena comprometedora não se assuste.
_Por que? - pergunto já desconfiando da resposta.
_É que eles tem um caso- diz baixo- repare que daqui a uma semana já vai perceber.
_Credo- digo baixo.
_A sujeira é sempre escondida em baixo do tapete- diz.
_Posso te perguntar uma coisa- digo.
_Pergunte- diz sorrindo.
_A Cristal não é filha deles? - pergunto- dá pra notar como a senhora Bianca é indiferente com a menina.
_É que ela é filha somente do senhor Percy- diz- ele teve uma filha fora do casamento.
_Nossa- digo chocada.
_Para todos ela diz que a menina é adotada- diz- mas todos notam como a menina é a cara do pai.
_É sim - concordo.
_Só os mais antigos daqui que conhece a história verdadeira.
_Então ela deve não gostar muito dela mesmo- digo- mas por que ela aceitou isso?
_E perder a fonte de renda dela? - fala rindo- prefere ser chifruda a perder o título de rainha. E sim ela odeia a pobre Cristal.

Absolvo as novas informações e vou ver os garotos, o resto do dia foi passando e logo chegou a minha hora de ir para casa.
E confesso que eu estava exausta.

_Vai não Annie- a Isa chora- fique mais.
_Por favor- Victor implora- não queremos ficar sozinhos.
_Não vão ficar- Cármen diz- meninos a Poliana já está chegando.
_Não- os dois garotos choram- queremos a Annie.
_Amanhã prometo que eu volto- digo os abraçando.

Nesse momento a Cristal também começa a chorar.


🍼Pov's Percy

Acordo bem animado. Hoje seria o dia em que aquela nova babá iria começar.
Não estou interessado nela, mas é que ela tem um toque misterioso que me deixa intrigado.
Ela não chega a ser gostosa, mas tem um charme único.
Eu nunca me importei tanto assim com uma simples babá, essa era a primeira vez que eu queria muito ver uma pessoa.
Me viro e como sempre a Bia já tinha saído.
Eu quase nunca acordava e via a minha esposa do meu lado. Nem me lembro quando foi a última vez que tomamos café juntos.
Faço a minha higiene pessoal e desço as escadas. Infelizmente a babá já tinha saído para levar a Isa pra escola.
Suspiro indignado. Se eu tivesse acordado um pouco mais cedo eu teria me encontrado com ela.
Termino de comer e vou trabalhar.
Durante o tempo em que estou na empresa eu não paro de pensar na Annabeth e naqueles inigmaticos olhos cinza.

_Eu preciso a ver- penso comigo.

Na hora do almoço saio disposto a encontrar.
E a encontro várias vezes e apenas a observo. Ela cuidava das crianças com tanto amor e carinho.

E enquanto os garotos saem eu a vejo lavando umas louças. E como ela me viu então dou um sorriso.

_Já está louca? - pergunto- os meninos não são fáceis.
_Espero não ficar louca tão cedo- diz ainda encarando o prato.
_Dou uma semana- falo sorrindo.
_Eles são muito danados? - pergunta.
_Um pouco- admito- mas eles tem um bom coração.
_Tem sim- concorda.
_Esta gostando do seu primeiro dia? - pergunto.
_Estou sim- diz .

Enquanto conversamos percebo que ela esta ficando com o rosto vermelho e ela era tão fofa com vergonha.

_Agora vou lhe deixar trabalhar- digo. sorrindo- tenha uma boa tarde.
_Igualmente senhor Perseu- diz educada.
_Percy- digo e saio.

Me deu um arrepio quando ela me chamou de senhor.
Me veio uma fantasia na cabeça.

Infelizmente tenho que voltar a trabalhar.

_E aí- alguém diz entrando na sala.
_Fale aí Jason- digo.

O Jason era o meu melhor amigo, ele era irmão da esposa do meu cunhado.

_Escutei a Bianca comentando com a Thalia que contrataram uma nova babá- comenta.
_É sim- digo- acho que agora essa fica.
_Bonita?- pergunta se sentando.
_Deveria imaginar que veio perguntar isso- digo rindo.
_É claro- admite.
_Sim é bonita- digo- é loira e deve ser um ano mais nova.
_Uma ninfa? - diz pensativo.
_Quase- falo rindo- ela não é tão novinha mas tem um jeito daquelas meninas virgens.
_Uau uma delícia- diz sorrindo- meu amigo tome cuidado
_Não se preocupe. Eu não vou fazer besteiras- admito- juro que eu vou me conter.
_Mas olhar não arranca pedaço- diz rindo.
_Com certeza- concordo.

Mais tarde volto pra casa e vejo como a Annabeth cuida bem das crianças, eles gostam tanto dela que quando ela vai embora eles fazem a maior birra.

_Pode parar- a Bia aparece- a babá tem uma vida pessoal.
_Eu posso ficar até a outra babá voltar- a garota diz.
_Não- a Bia diz firme- eles tem que aprender que nem tudo são como eles querem.
_Mas mamãe- a Isa chora.
_Se despeça da babá e vai para o quarto os -diz.

Noto como a Bia e a Annabeth são diferente. E com apenas um dia a Annabeth tratou as crianças com mais amor do que a mãe deles a vida toda.

***

Vou pro meu quarto e escuto as crianças se despedindo da babá.

_Amor vamos jantar fora- Bianca pede.
_Jantar ?- pergunto.
_Sim- diz- eu comprei uns vestidos lindos.
_Ah- digo.
_E também hoje eu fiz um novo tratamento estético- diz orgulhosa- eu faço tudo pra ficar mais bonita pra você.
_E não precisa- digo.
_É só um jantar amor- insiste.
_Está bem- digo.

Ela sorri e vai se arrumar.
Duas horas depois estávamos saindo de casa.
A Bia vestiu um vestido curto e bem vermelho e colocou botas de cano alto.
Chegamos ao restaurante e a Bianca ficou falando das suas futilidades como sempre. As suas infinitas compras e do seu novo tratamento no rosto.
Depois começou a falar das roupas das pessoas que estavam no restaurante.
Aquilo já estava me irritando.
A ignoro e respondo uns e-mail pelo meu celular.

_Nem esta me escutando- reclama.
_Sim eu estou- digo a encarando.
_Viemos jantar para você conversar comigo, me notar- chora- e você não faz isso.
_Como vamos conversar se você só sabe falar? - pergunto.
_Esta dizendo que falo sem parar? - pergunta.
_Isso mesmo- concordo- viemos jantar para conversar. Fazer uma noite de casal, mas você só sabe falar sobre a sua beleza.
_Eu já disse que eu faço isso pra você- diz.
_E eu já disse que não precisa- me irrito.

Começamos a brigar. A jogar os defeitos um na cara do outro. E acabamos voltando para casa mais cedo.
A Bia, foi pro quarto e bateu a porta com força.
Aproveito para ver os meninos e os coloco para dormir.

_A Annie é muito legal- a Isa diz- ela me ajudou a arrumar pra ir pra escola, se apresentou a professora. E quando voltei ela me ajudou com a lição de casa, e ainda brincou com a gente.
_Então gostou dela? - pergunto.
_Sim- diz animada- ela é muito amorosa e ela nos tratou melhor do que a mamãe.
_Oh filha- a pego no colo- a mamãe tem apenas um jeito diferente de demonstrar amor.
_A mamãe nunca nos dá atenção- lamenta.

Me sinto mal em saber que a minha filha sente que a própria mãe não a ama.
Depois de colocar a Isa para dormir eu checo a Cris e resolvo sair um pouco de casa para beber algo.
Porém no meio do caminho eu mudo de idéia e começo a dirigir sem rumo.
Eu precisava tirar vários pensamentos da cabeça.
Viro uma esquina e me espanto quando vejo uma garota correndo no meio da rua.
Paro o carro e me surpreendo pois é a Annabeth, ela estava com as roupas rasgadas, descalça, tremendo e chorando muito.

_Annabeth? - digo saindo do carro e me aproximando.

Me assusto pois ela está com sinais de machucado nos braços.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...