História Thirteen Days Out. - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Suho
Exibições 28
Palavras 6.516
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chorei horrores antes de começar a escrever, mas tudo bem, é pra ter um final bom, e vai ter, espero que gostem, porque eu realmente amo essas coisas <3

Acho que esse capítulo se trata mais sobre a família, está que foi citada a fic toda, não, não é a Omma do Jun e o Tio ou qualquer parente de sangue e sim os amigos.

Notas finais vai ter surpresa :3

Boa Leitura~

Capítulo 16 - This is our forever.


Fanfic / Fanfiction Thirteen Days Out. - Capítulo 16 - This is our forever.

–Junmyeon, acorda, a gente já chegou –Abri os olhos devagar com o mais velho balançando o meu corpo, franzi as sobrancelhas e me sentei no banco.

–Chegamos aonde? –Minha voz saiu um pouco grossa por causa do sono recente, ele abriu a porta da limusine.

–Estamos no aeroporto, vem, o nosso vôo logo saí –Após terminar de falar, desceu do carro, suspirei e me sentei no banco, para finalmente sair do automóvel, segui o mais velho para dentro do aeroporto, ele estava carregando uma mala, puxei o seu braço e comecei a andar agarrado à ele, ele me olhou e rio –Você parece uma criança assim.

–Eu sou uma criança... A criança do meu maninho! –Disse num tom manhoso e ele logo rio.

–Falando em crianças... Eu sou da sua admissão na universidade de Toronto, vai mesmo ir pra lá? –Suspirei.

–Eu quero ir porque KiHyun e JeongHan vão morar e estudar lá, ai eu pensei que poderíamos ficar juntos, mas eu tenho o Min Seok aqui, ele é meu noivo e vamos nos casar daqui à alguns anos, então eu estou pensando seriamente sobre isso.

–O que você vai fazer lá? –Paramos na fila do Check-In.

–Pedagogia, porque eu tô pensando seriamente em largar a empresa do meu Appa, eu me estresso muito com aquilo e eu gosto de crianças, cuidar e ajudar, ah! Também quero fazer literatura logo depois –Ele assentiu e ficou um tempo em silêncio até falar.

–Que tal uma proposta?

–Qual?

–Faça uma faculdade por aqui, também preciso de um professor de apoio no meu turno a tarde, é a turma do primário, ai mais tarde faça à de literatura no Canadá –Suspirei.

–Até eu acabar, KiHyun já vai ter acabado o curso, e tem certeza de que quer me ajuda com crianças?

–Você vai pro Canadá só por causa dele? Mas enfim, tenho a total certeza, você se da bem com crianças, sábado pode começar, e eu ainda vou falar com o Ph. D. Sobre isso de faculdade, ai te aviso.

–Pelo o que mais iria?... Ph. D.? Espera... Você está falando sobre Yonsei?! –Perguntei um pouco alto, fazendo as pessoas ao meu redor me olharem, ele ri.

–Sim, eu estudei lá e dei aula alguns meses atrás, posso te indicar lá dentro, mas, tem que se comprometer com isso –Fiquei boquiaberto, yonsei é uma ótima faculdade, também se eu estudar nela, vai ser uma oportunidade de ficar com o Min Seok... Mas e o KiHyun.

–Hyung, e o KiHyun e o JeongHan? –Fiz um breve bico.

–Nas suas férias você visita eles, certo? –Pensei um pouco e aquilo não parecia tão ruim.

–Tudo bem, Hyungiie –Sorri e ele fez um carinho na minha cabeça.

–Obrigado por não ser teimoso, baixinho –Deixou um beijo sobre a minha testa.

[...]

Suspirei cansado por estar andando à bastante tempo, desde que chegamos do aeroporto eu não desgrudei do braço do mais velho e pelo que notei de Toronto é uma cidade realmente linda, poderia até pensar em morar aqui futuramente, com Min Seok, claro, e os nossos 50 filhos, rio baixinho para que o mais velho não me pergunte qual é a graça e assim paramos a frente de um spa, a entrada era coberta com vasos enormes, exatamente do tamanho dá metade do meu corpo, estavam cheios de flores com cores diferentes, ouvi o Hyung falar algo em outra língua, talvez francês, e assim entramos naquele spa.

–Hoje você vai passar o dia com KiHyun –Sussurrou em meu ouvido e meus olhos ficaram um pouco maiores ao saber disso, como criança, ao saber que vai no parque de diversões, meu olhar procurou pelo rapaz naquele lugar.

–Aonde ele está, Hyung? –Perguntei rápido, me soltando do mais velho.

–Ele está na–Antes que ele terminasse de falar, vi um homem de cabelo rosa andando de roupão, assim que olhou para o meu rosto eu olhei para o dele.

–KIHYUN!

–JUNMYEON! –Gritou e veio correndo em minha direção e eu na dele, e nossos corpos se chocaram em um abraço, o apertei com todas as forças que eu tinha –Eu senti tanto a sua falta, amora –Sussurrou choroso em meu ouvindo, meus olhos começaram a lacrimejar também, me afastei um pouco para olhar o seu rosto e o mesmo estava chorando, fiz um bico.

–Por favor, não chora, pesseguinho –Pedi baixo, levando meu polegar até a bochecha, aonde a lágrima escorreu –Eu também senti sua falta –Olhei para o seu cabelo –Agora ficou um pêssego rosa –Ri baixo anasalado e ele rio também.

–Nossa, que gay vocês dois, nem parece que fui eu que criei –Nós dois olhamos para Yong Bi que se aproximava e fazia uma falsa cara de desgosto.

–Foi por você ter nos criado que ficamos desse jeito, você é o mais gay de todos –Disse KiHyun, apontando o dedo em sua direção –Jun, você já ouviu a história do casamento dele? –O rosado me olhou.

–Cala a boca, KiHyun –O mais velho empurrou a sua cabeça e o afastou de mim, o puxando pela cintura e levando para alguma sala, eu apenas os segui.

–Como é? Queria saber como ele se casou com Sang Woo, eu amo o Sang Woo, é um amor de pessoa –Antes que KiHyun voltasse a falar, o mais velho tampa à sua boca.

–Vem cá, Junmyeon –Disse o mais velho dos dois e eu me aproximei dos dois, ele soltou KiHyun, que o ficou de olhos semicerrados para si –Eu namorava o Sang Woo por dois anos, nos últimos 9 meses, eu comecei a juntar grana para o nosso casamento, até tranquei a faculdade por isso, eu iria pedir ele em casamento, só que o abençoado, pra não chamar de outra coisa, quis fazer um cruzeiro de 5 meses pela América, ai eu fui lá e gastei todo o dinheiro do casamento em uma passagem, era pra comprar uma aliança, mas o dinheiro tinha acabado, ai na hora eu achei uma rosa e pronto, vi ele, me ajoelhei e pedi, nunca tinha visto ele chorar até soluçar, mas aquele cruzeiro valeu a pena –KiHyun cruzou os braços.

–Viu? Ele que ensinou as práticas homossexuais –Ri do que KiHyun disse e tentei imaginar toda a cena e o desespero do Hyung para conseguir fazer o pedido, Sang Woo chorando, nossa, que especial.

–Ki... Como foi o seu pedido? –O mais velho me olho, mas fez um sinal para que eu esperasse e assim entramos na sala, assim que voltamos para lá, ele sentou em uma cadeira de frente para o espelho e indicou o sofá atrás dele para nós sentarmos nele, e assim fizemos.

–Eu e JeongHan ficamos uns dias conversando, eu achei estranho ele ter vindo pro Canadá, ficava me perguntando o porque todos os dias, mas até que então, eu resolvi perguntar,  pra matar logo essa curiosidade, ai o idiota me respondeu, eu vim aqui atrás de você, aquelas coisas que você não esperava do Senpai–

–Ele é seu senpai? –Perguntei um pouco confuso.

–O que é senpai?

–É alguém que a gente gosta, ai chama de Senpai.

–Ah...

–Cala a boca agora, que eu vou continuar –Disse KiHyun, nos interrompendo–Ele me disse isso e eu fiquei em choque, eu queria chorar mais me segurei, ai do nada ele se ajoelhou a minha frente e me pediu e tipo, a gente tava no meio de uma praça, todo mundo tava olhando, eu fiz uma carinha de que não iria aceitar e ele de medo, mas ai eu disse pra ele levantar, ai ele fez isso, eu fechei o punho, ainda no meu teatro, ai eu disse "Se você fizesse isso mais mil vezes... Eu diria mais mil vezes sim" –Suspirou ao terminar de falar, com um sorriso no rosto.

–JeongHan chorou, né? –Perguntei ele apenas concordou com um manear da cabeça.

–Espera... Você não gostava do Jun? –Perguntou o mais velho dos dois, nos entreolhamos, também queria saber se era verdade, KiHyun rio alto.

–Todo mundo acreditou nisso mesmo? –Ele sorriu sarcástico e apenas assentimos –Primeiro, me desculpa Jun por isso, eu mesmo que disse que gostava de você, foi pro JeongHan, na época eu era muito apaixonado por ele, hoje ainda sou, mas sabe... Eu não podia falar, eu pensei que ele nos visse como irmãos, se eu me declarasse e levasse um fora, tudo entre a gente ia ficar estranho, por isso disse que gostava de você, amora –Deu um leve sorriso –Desculpa... –Suspirei e fui até o mais velho, o abraçando pelos ombros por causa das nossas posições, o mais velho encosta a testa em meu abdômen.

–Tudo bem, se foi pra proteger vocês dois, está tudo bem –Dei um leve sorriso assim que eu o afastei.

–Mas se isso chegou nos ouvidos do Min Seok? Ele vai detestar te ver perto de mim! –Choramingou, murmurei um "tsc" logo depois.

–O Hyung também me ama, ele vai ter que aceitar isso –Olhei para o mais velho e ele me mandou um beijo.

–Eu te amo, Junmyeon, mas é como irmão.

–Eu sei, Hyung. Não precisa quebrar o meu coração assim –Fiz uma falsa voz de choro e o mesmo somente riu, me fazendo rir também, voltei a minha atenção para KiHyun e olhei em seus olhos, logo depositei um beijo em sua testa –Não chora no altar, tá bom? Mas se chorar, pode segurar a minha mão até se acalmar, vai dar tudo certo e pode acreditar agora... Você vai ser o homem mais feliz da face da terra ao lado de JeongHan –Ele fechou os olhos e assentiu, vi uma lágrima descer pela sua bochecha e a limpei rapidamente ela.

–A maquiagem, KiHyun, vai estragar –Digo risonho e ele dá um leve tapa no meu braço.

–Eu tô sem maquiagem, e cadê o Hyung? –Ele abriu os olhos e me encarou sério.

–Ah, desculpas, KiHyun Hyung –Disse meio sem graça e ele logo rio.

–Eu tô brincando, amora, mas perto do JeongHan você tem que falar isso, ele odeia que a gente faça isso –Revirei os olhos e logo sorri.

–Seu marido é ciumento, ein, credo, vou nem poder tomar um chá com você no final da tarde –Resmunguei.

–Ah, mas é claro que vai poder! JeongHan gosta disso também! –Disse tentando me animar.

–A gente vai poder fazer uma sextape? –Ele arregalou os olhos e logo o Hyung gargalhou alto.

–O quê?... N-ão... Claro que não –Disse nervoso, acabando gaguejando, o Hyung se levantou e veio até nós.

–KiHyun, relaxa, eu que disse pra ele falar isso para as pessoas, só pra ver a reação delas, uma vez, esse pivete –Deu um tapa em minha nuca, me fazendo murmurar um "ai" –Disse para o Sang Woo que a gente tinha feito uma sex tape, só faltou o menino chorar sangue, porque nossa, Junmyeon é um grande filho da puta –KiHyun se levantou da sua cadeira e caminhou até estar de frente ao espelho duas vezes o seu tamanho.

–É, fazer isso com o Sang Woo foi maldade, é, ele é um grande filho da puta –Disse risonho e tirou o roupão, revelando o seu corpo –Jun, pode pegar minhas roupas ali? –Apontou para a mesa no canto da sala, onde eu vi algumas roupas empilhadas, as peguei e levei até o mais velho.

–Não reclame, Hyung, isso te rendeu recompensas –KiHyun se virou e olhou curioso para o Hyung, o mesmo que passou a mão na nuca.

–O que foi que você ganhou, Hyung?! –Disse o rosado, um pouco alto e caminhou rápido até o mais velho de todos.

–Não foi nada... –Tentou parar o assunto.

–Foi algo sim, diz agora! –Disse impaciente.

–5 Horas fazendo uma sextape –Respondi rápido, desviando o olhar para o espelho, já prevendo uma bronca.

–Meu Zeus... –Disse KiHyun –Você viu a sextape? –Olhei para o rosado.

–Claro que não, ele me contou que o Sang Woo, quando eles chegaram em casa, propôs isso e eles foram fazer, só isso que eu sei e o tempo, não sei o ato em si –Respondi simples e fui até KiHyun, lhe entregando a boxe para que ele vista.

–Mas 5 horas é muito tempo! –Exclamou enquanto se vestia.

–KiHyun, eles são tântricos –Respondi, ele franziu um pouco as sobrancelhas.

–Mas eles não eram budistas?

–Também, mas o tantrismo tá envolvido –Ele murmurou um "Ah" e o Hyung apenas cruzou os braços e balançou a cabeça.

–Onde está as minhas roupas e a do Jun? Faltam duas horas pro casamento –KiHyung arregalou os olhos.

–Duas horas? Droga... Estão na outra sala, se troquem lá mesmo e eu vou esperar vocês na entrada do spa –Ele pegou o resto das suas roupas das minhas mãos, logo eu e Yong Bi saímos daquela sala e fomos para a outra ao lado, já vendo os nossos ternos pendurados nas araras, abri um grande sorriso ao notar o terno escuro, bem intenso e a camisa social em cetim cinza, os sapatos bem lustrados logo abaixo.

–Ué, cadê a gravata? –Perguntou o Hyung, pegando as suas roupas, mordi o lábio.

–Não acredito que a gente vai totalmente sedutor para o casamento! –Digo animado e logo o Hyung ri.

–Não vou nem discutir.

–Obrigado, ah! Usa a camisa com os três botões abertos, tá bom? –Ele franziu as sobrancelhas e logo assentiu.

                             [...]

Desci do carro após o mais velho e KiHyun permaneceu no mesmo, o mais velho estava simplesmente lindo, seus fios rosados estavam penteados para trás e o suas roupas completamente brancas, aquele terno estava perfeito, na lapela um girassol, ele odeia rosas. Olhei a frente do lugar, estávamos a frente de um castelo, fiquei boquiaberto com aquilo, era imenso e tão magnífico, olhei para as pessoas do lado de fora, de um lado as mulheres, 6 delas com um vestido de cada cor, uma  vermelha, a próxima laranja, amarela, verde, azul e roxa, eu iria entrar com a que estava de roxo, que eu mal sabia quem era, o Hyung foi até a de amarelo e estendeu seu braço para ela, a mesma entrelaçou o seu braço ao dele, segui até a garota de roxo e sorri.

–Hi... –Disse, ela não parecia coreana, então evitaria papo pra não passar vergonha, se ela ela falar inglês eu posso tentar algo, agora francês me lasca.

–Tudo bem, eu sei falar coreano, me colocaram especialmente com você por isso –Sussurrou e logo a vergonha aumentou dentro de mim.

–Ai Zeus... Desculpa por isso –Disse baixo e ela apenas rio e logo a organizadora fez um gesto para que a gente se arrumasse, vi JongHyun com a primeira madrinha, a de vermelho, as pessoas de verde e azul eu nem conhecia

–Você é o Junmyeon, né?

–Sou sim –Dei um leve sorriso.

–Eu sou a Zoe, JeongHan me falou muito de você. –Franzi um pouco as sobrancelhas, já tinha ouvido o seu nome antes.

–Zoe... Você é sobrinha do JeongHan, aquela que é da Austrália? –Ela assentiu e logo eu sorri–Meu deus, Zoe, a gente brincou junto quando eu tinha 5 anos –Ela fica boquiaberta.

–Pequeno Kim?

–Sim!

–Ai meu deus! –Gritou e logo o resto da fila nos olharam, nós rimos e logo e mandando para que fossemos entrar, logo seria a vez de KiHyun, a noiva, ri baixo com isso e continuei o meu caminho para dentro do castelo, percebendo que ele estava muito bem iluminado e o salão aonde celebrariam o casamento imitava uma igreja, só que sem os símbolos, logo os casais foram se separando, cada um para cada lado do altar, mulheres de um lado e homens do outro, até que vi JeongHan parado no altar, ele me viu e sorriu, como se estivesse dizendo, "Eu consegui, finalmente consegui", retribui o seu sorriso e levantei o meu polegar, confirmando que realmente tinha conseguido e assim fui para o meu lugar, ficando ao lado do Hyung e de outro desconhecido.

–Junmyeon! –Ouvi uma voz conhecida e logo percebi que era a minha Omma, a procurei com o olhar e a vi a mais velha sentada no banco da frente, caminhei até a mesma e me agachei a sua frente.

–O que foi? –Perguntei baixo.

–Onde está o Min Seok?

–Ah... Ele teve alguns compromissos com a empresa do Appa dele, por isso eu não trouxe ele, mas queria –Dei um leve sorriso –Já está com saudades, é?

–Digamos que sim, mas queria que ele tivesse vindo, isso seria bom pra ele, todos os seus amigos estão aqui, ele iria se sentir mais confortável mais cedo –Assenti.

–Quando eu voltar, digo que a senhora sentiu a falta dele, okay? –Ela assentiu e eu me levantei –Ah, está magnífica! –Disse analisando o seu vestido, ultimamente ela só tem usado vestidos até o pé, crise de meia idade?

Voltei para o altar e fiquei entre o Hyung e o outro desconhecido, meu olhar ficou sobre a entrada do lugar, a espera de KiHyun.

–Sabe o bom de se pensar nessas situações? –Sussurrou em meu ouvindo.

–Não. –Respondi ainda prestando atenção na porta, logo a marcha nupcial soou ao som dos violinos, todos que estavam sentados se levantaram.

–Que quem está entrando agora, é Kim Min Seok –Senti meu coração acelerar só de ouvir aquele nome, e as coisas pareceram estar em câmera lenta agora, enquanto KiHyun entrava junto ao seu Appa, eu imaginava ser Min Seok em seu lugar e do lugar que eu estava, a luz cobria o seu rosto, meu coração parecia se apertar a cada passo dele e meus olhos começaram lacrimejar, será que ele estaria tão bonito assim? Claro que sim, Min Seok estaria maravilhoso! E eu choraria? Por que não? Estou fazendo isso agora! Mordi o lábio e limpei as lágrimas com as costa da mão direita, funguei baixo, tentando me recompor e logo KiHyun estava no altar, JeongHan expunha um sorriso mais feliz do mundo, KiHyun também, só que com os olhos lacrimejados, o som dos violinos cessaram e os dois segurarem a mão uma do outro e em seguida ficaram de frente um para o outro também, já tinha chegado a hora.

–Então, estamos todos reunidos aqui, para celebrar a união de Yoon JeongHan e Yoo KiHyun –Disse o juiz –Que comecemos –Disse e todos se sentaram –A união em um casamento é algo muito importante para as pessoas, como a mais absoluta prova de amor que um ser humano pode ter com o outro, quando nos casamos, nos tornamos um com a pessoa que nós amamos, quando nos casamos, o amor é oficializado –Ele olhou para cada um dos dois nos olhos, os mesmos prestavam atenção em cada palavra que ele dizia –Então,você Yoon JeongHan, aceita amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, nos dias refrescantes da primavera e nos dias frios do inverno, até que a vossa morte os separe? –Perguntou, JeongHan desviou o olhar do mesmo e olhou para KiHyun.

–Cadê as alianças? –disse o rosado, acabando de notar a falta delas e olhando em volta, JeongHan assoviou, atraindo sua atenção novamente e pegou uma das alianças da caixinha, que estava nas mãos do garotinho, que nem ao menos eu tinha notado chegar, KiHyun rio meio sem graça. JeongHan levou a mão que estava segurando até os lábios e deixou um beijo até nas costas da mesma.

–Eu, Yoon JeongHan, aceito amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, nos dias refrescantes da primavera e nos dias frios do inverno, aceito amá-lo até o fim dos meus dias, e que só a morte me separe de você –JeongHan dizia tudo olhando nos olhos de KiHyun, com um tom sereno e sincero, KiHyun não chorava mais, simplesmente sorria.

–Pode colocar a aliança –Disse o juiz, então finalmente JeongHan desviou o olhar dos olhos dele e olhou para a sua mão e com cuidado e dedicação colocou na a aliança na canhota e no dedo anelar, dando um beijo sobre a mesma e assim voltando a olhar KiHyun –Então, você, Yoo KiHyun, aceita amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, nos dias refrescantes da primavera e nos dias tristes de outono, promete todas essas coisas, até que a vossa morte os separe? –KiHyun pressionou os lábios um contra o outro e respirou fundo antes de continuar, ele esticou a mão até a caixinha que o garoto segurava e pegou a outra aliança, voltou a olhar o rosto do mais velho dos dois.

–Eu, Yoo KiHyun, aceito amar e respeitar, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza,  nos dias refrescantes da primavera e nos dias tristes de outono, eu te prometo todas essas coisas e muito mais, até que a morte me separe de você –Pegou em sua mão meio trêmulo e logo abaixou o olhar para a mesma.

–Pode colocar a aliança –Pronunciou o juiz.

Está tudo bem. –Murmurou JeongHan e KiHyun sorriu, começando a colocar a aliança no seu anelar da mão esquerda, deixando um beijo sobre o anel e logo erguendo o olhar para o mais velho que ele, sorrindo.

–Antes que eu sele a união de vocês, por favor, os votos, começando por você, JeongHan – é aquele momento que todo mundo faz silêncio e um dia, vai ser testemunha do que eles falaram e pode ser usado em uma possível briga, que maldade, Junmyeon, JeongHan segurou a sua outra mão e seu olhar continuava fixo aos de KiHyun, e aquela paz, que antes eu possuía, ele ostentava, porque era algo só dele, a paz e harmônia diante de tudo.

–Acho que nenhum dos dois acreditaria que isso estaria acontecendo, vou confessar pela segunda vez, desde que eu vi você saindo da escola, naquele final de setembro, nunca mais parei de te amar, apesar das brigas, dos ciúmes, dos vários momentos que eu quis embora, tinha, e ainda tenho até hoje, de que te deixar não valia a pena, é por todas as besteiras que eu fiz na vida, ter ficado ao seu lado, compensou todas elas, porque esta foi a mais certa à se fazer –E depois dessas palavras, KiHyun chorou, me dando uma vontade enorme de correr pra e lhe abraçar, mas estava tudo bem, ele estava recebendo a prova do seu amor, da melhor forma que alguém pode receber, e aquela frase típica It's Okay, It's Love (Está tudo bem, é amor), define toda essa situação, JeongHan passou o polegares embaixo dos olhos, secando todas as lágrimas, KiHyun fica fofinho quando chora, a ponta do seu nariz fica vermelha, o menor respira fundo.

–KiHyun, seus votos, por favor –Disse o juiz, pedindo a continuidade da cerimônia, ele assentiu e mordeu o lábio inferior, seu olhar continuava no de JeongHan.

–Bom, eu já te dei tantos motivos para ir embora, eu já fiz você chorar tanto, já fiz tantas besteiras contra você, mas eu só queria justificar tudo aquilo, foi porque eu te amo, mas eu não sabia como me declarar, eu tinha medo, e tentava de qualquer forma te manter longe, porque eu não queria maltratar à mim mesmo ao ouvir suas histórias com outras pessoas –Ele respirou fundo, isso explica todas as vezes que eu o vi chorando e quando perguntava o que aconteceu ele dizia " estava falando com o JeongHan" –Mas isso já passou e eu finalmente posso te ter e eu me sinto o homem mais realizado do mundo, porque eu consegui realizar o meu sonho, e o meu sonho era ter você só pra mim e... E eu consegui isso –E vai KiHyun chorar de novo, olhei para o Hyung ao meu lado e ele secou as suas lágrimas, me fazendo rir baixo, pois também estava chorando, e JeongHan também, somos manteiguinhas derretidas, o juiz sorriu.

–Agora assinem a certidão de casamento, vocês preferem Yoo ou Yoon? –Os dois se entreolharam.

–Amor, você...

–Não faz muita diferença do meu para o seu, mas eu prefiro que seja Yoon –KiHyun sorriu e JeongHan retribuiu ao seu sorriso, logo assinaram juntos e voltaram a ficar de frente um para o outro.

–E vocês provaram novamente como o amor é lindo, e eu os declaro marido e esposo, que a eternidade venha agraciar esse lindo amor... Podem ficar à vontade sobre a parte do beijo –KiHyun mordeu o lábio e desviou o olhar do juiz e olhou para o seu marido, logo se aproximando aos poucos.

–Só um selinho, porque eu tenho vergonha de beijar na frente dos outros –Sussurrou.

–Ah! Para de viadagem e dá logo uns beijos marotos! –Disse o Hyung, fazendo todo mundo rir e KiHyun o olhar bravo, eram como cão e gato, e assim JeongHan colocou a mão em seu rosto, ganhando toda a sua atenção novamente, sorriu e fez um carinho na sua bochecha, logo lhe dando um selinho demorado, arrancando um "Uhull" de mim e do Hyung, os dois se afastaram e olharam para a gente, mas logo riram –Vamos todos para o salão, eu quero bolo! –Disse o Hyung, saindo correndo do altar e indo para o final do recinto, virando a porta à direita, logo aos poucos todos foram para lá, ficando apenas eu e os noivos, JeongHan faz um sinal para que eu me aproximasse e assim fiz, sendo abraçado pelos dois.

–Awwn, que saudade de você, Ho! –Disse JeongHan, enchendo a minha testa de beijinhos, ri baixo e aos poucos me afastei –Cadê o Min Seok?

–Min Seok não pode vir, teve que resolver alguns negócios da empresa do Appa dele –Dei um leve sorriso e logo KiHyun suspirou.

–Poxa... Só porque eu queria finalmente falar com ele –Abraçou o mais alto de nós dois e deitou deu rosto no peito dele.

–Ah, deixa pra próxima, vamos marcar em um dia que nós vamos estar na Coréia e quando ele tiver tempo livre –Disse JeongHan, logo levando o seu esposo para o salão, eu os segui, colocando as mãos nos bolsos e fitando os dois grudados à minha frente, como será no dia do meu casamento? Será que ele vai ter medo? E se ele chorar, o que eu vou fazer? Mordi o lábio e conti um sorriso, independente do que aconteça, vai ser perfeito.

Me sento na mesma mesa que o Hyung, logo percebendo a presença de Sang Woo ao seu lado.

–Olá, Hyung –Disse após cutucar o seu ombro, ele ma olha e sorri, esticando os seus braços e me abraçando.

–Oi, Baby Ho –Falou num tom infantil, me apertando, ri e logo fui solto –Como está? Me disseram que você está noivo, é verdade?

–Eu estou bem, Hyung, sim, eu estou noivo –Ele ficou boquiaberto e logo procurou a minha mão, vendo assim a aliança na mão direita e a de namoro no dedo indicador.

–Wow... Ele veio com você? –Olhei para a cadeira vazia ao meu lado, depois voltando a olhar o mais velho.

–Não, ele teve que resolver algumas coisas de família, mas queria ter ido –Sang Woo fez bico.

–Aish... Ah! Mas o próximo casamento que você for, você tem que levar ele, sabe, é bom para o casal imaginar esse momento juntos –Cruzei os braços e sorri confiante.

–O próximo casamento a gente nem vai imaginar, vai estar casando mesmo –Yong Bi me olhou e logo sorriu.

–Isso, continue pensando assim que vai tudo dar certo –Deu leves tapinhas no meu ombro e voltou a colocar a mão sobre o ombro de Sang Woo, todo mundo de casal aqui e eu segurando velinha, que triste, logo vi JeongHan e KiHyun no meio do salão, atrás da mesa com o seu bolo de casamento.

–Eu agradeço muito pelo presença de todos aqui, por terem feito o máximo possível para estarem aqui, porque não é todo dia que se pode ficar viajando da Coréia para o Canadá, mas obrigado por cada um que pode vir, obrigado por fazer do nosso dia, o mais especial de todos –Disse JeongHan, e em seguida todos bateram palmas, KiHyun pegou a espátula para cortar o bolo e JeongHan segurou na sua mão, cortando assim, os dois juntos, o bolo.

–O primeira pedaço vai pra amora, traço meu primogênito –Levantei as sobrancelhas surpreso, a família Yoo e Yoon vai me matar, mordi o lábio e me levantei, indo até os mais velho –Antes de pegar o bolo, quer discurso –Disse de nariz empinado, deixando o bolo sobre a mesa, olhei em volta, para todas as pessoas que estavam ali, sério isso? Respirei fundo e pude ouvir um "vai e arrasa" de KiHyun, me fazendo rir.

–Certo, certo, acho que eu estou mais feliz que vocês dois, porque meus pais finalmente se casaram –Me aproximei dos mesmos e os abracei.

–Desculpa Sra. Kim, Junmyeon é meu filho –Disse Ki, risonho.

–Ela vai te bater... Mas enfim, eu estou feliz que o sofrimento de vocês dois acabou, que o choro por certas coisas não vai existir mais, eu tenho certeza de que serão bastante felizes, porque amor é assim, ele nos transborda –Dei um beijo na bochecha de cada um –Eu amo vocês –Sussurrei e assim soltei os mais velhos, pegando o preto com o bolo e voltando para a mesa que eu estava, Sang Woo me olhou com um sorriso.

–Melhor filho –Disse levantando o polegar.

[...]

Balanço a taça com suco de laranja e o continuo olhando para o gramado lá embaixo, estava na varanda.

–O que houve, ein? –Olhei de cima do ombro para aquele ser que quebrou o silêncio, KiHyun.

–Nada, por quê? –Ele caminhou até o meu lado e se virou, encostando as costas na mureta da varanda.

–Está todo mundo lá dentro, se divertindo, é até estranho você estar aqui fora– Disse vago –O que anda pensando? –Disse e se virou, apoiando os cotovelos na mureta, como eu.

–Sei lá, é tanta coisa, mas é só Min Seok–Ele levantou as duas sobrancelhas, mas abaixou mais rápido ainda.

–Brigaram antes de vir pra cá? –Neguei com a cabeça –Inseguranças de Junmyeon?

–Deve ser...

–O que te incomoda?

–Esse lance de universidade, como vai ser a nossa vida adulta, essas coisas –Ele assentiu.

–Ah, eu soube pelo MinHo que o Min Seok tem borderline, isso é sério? Tipo, gravíssimo? –Fixei meu olhar na grama e tomei um pouco do suco.

–Pelo pouco que eu sei, é, pelo que eu vivi, às vezes é difícil e pelo que dizem, tende à piorar–Dizia tudo de maneira fria, por que por enquanto, não queria dar sentimento à essa situação, porque todos seriam ruins.

–E o que você pensa em fazer?

–No começo, eu pensei em não fazer nada, por que ele poderia ficar melhor quando fosse mais velho, mas ai eu descobri que quando ele ficar mais velho, as coisas só iram piorar... Sei lá o que eu tenho que fazer, levar ele em clínicas todos os dias me parece algo frio e ainda por cima, eu nem sei como eu vou me sentir sobre isso, porque um dia ele pode simplesmente ter uma crise e se matar –Pressionei os lábios um contra o outro, sinto sua mão em minhas costas, fazendo carinho ali, senti meus olhos lacrimejarem –A única pessoa que eu preciso amar, pode ir embora à qualquer momentoDigo com a voz embargada, logo ele me puxa para um abraço.

–Não acredita nisso não, Min Seok vai se esforçar pra melhorar por você, quem aguenta ver o seu rostinho triste? Ninguém, então, eu acho, que por você ele melhora –Me afastou aos poucos do seu abraço –Você não vai mais vir estudar aqui, não é?

–Não, eu não acho justo deixar o Min Seok lá e ficar aqui, do outro lado do mundo, a gente nem irá se ver –Ele suspirou e assentiu.

–Tudo bem, são as suas escolhas, espero que venha me visitar, claro, se o Min Seok deixar –Revirei os olhos e o puxei para perto de mim, deixando um beijo em sua bochecha.

–Deixa de drama, eu vou vir te visitar, Min Seok não faz por mal, eu que faço por ele –Ele olhou para o meu rosto e levou a sua mão até o meu rosto, apertando o mesmo.

–Você é o noivo ou Appa dele? O garoto é mais velho que você, não precisa de todo esse cuidado.

–Eu sou uma Omma, tenho isso –Ele murmurou um "tsc".

–Você não é Omma, você só é intrometido –O olhei surpreso, mas logo disfarcei, tomando um pouco do suco –Desculpa, mas não posso te deixar sofrer desse jeito, agora vai doer, mas mais tarde vai entender.

–Tá, tudo bem...

–Jun, me empresta o seu celular? O pessoal quer gravar uma mensagem para o Min Seok –Disse JeongHan, surgindo na varanda.

–Tudo bem –Peguei o celular e lhe entreguei, ele puxou a minha mão e me levou para dentro, junto de si.

–Você vai ouvir tudo o que a gente, para ver se é adequado ou não –Disse risonho, ele estava bêbado.

[...]

–Gente! Olha essa foto! –Disse JeongHan, mostrando o meu celular pra todos e eu tentava de tudo para pegar, mas ele era mais alto, droga.

–Me dá! –Choraminguei.

–Povo, tive uma ideia! –Disse o Hyung Yong Bi, logo entrando no banheiro e todo mundo o seguindo, no banheiro tem um espelho enorme, do chão ao teto, assim ele ficou de frente para ele –Vamos tirar uma foto igual, cada um com o seu marido –Disse e pegou Sang Woo pela mão, abraçando o seu corpo e logo espalmando a sua mão na bunda do menor, JeongHan fez a mesma coisa com o KiHyun e eu fiquei do outro lado.

–Posso tirar? –Disse JeongHan, com o meu celular em mãos.

–Espera! –Disse rápido e abracei a mim mesmo –Pode agora... –Disse e logo vi o flash da câmera, logo desfizemos nossas posições, saindo do banheiro, logo levanto as sobrancelhas ao ouvir aquela música, Tryna.

–Minha música, meu deus –Disse KiHyun, já começando a dançar e me puxando junto, para o meio do salão, e dessa vez não dançamos que nem "meninas", porque éramos duas pornôs dançando, mas foi algo misturado com salsa e movimentos pélvicos, também íamos devagar, de frente um para o outro, sensualizando de um jeito "hetero", logo os Hyung's JeongHan e Yong Bi se juntaram a nós e ai de sensual a dança foi para "O que vocês estão fazendo?", começando a dançar do jeito que mais gostávamos, rindo alto e dançando uns com os outros, como só estava a família dos noivos e alguns amigos próximos, todo mundo estava dançando e se divertindo, sabe aqueles momentos que você queria que se eternizasse? Então, eu queria ficar dançando até a eternidade, mas logo a batida foi diminuindo e a gente parando, já iria desanimar, até que...

–Tá com você –KiHyun empurrou o meu ombro e saiu correndo no meio das pessoas, fiquei meio sem entender e logo vi os dois mais velhos correrem também, sorri.

–Ah, não vale! Eu nem sabia! –Disse já começando a correr atrás deles, vendo que todos tinham para fora, percebi que estava à noite e o bosque do lado de fora era lindo, logo toquei no ombro de JeongHan e todos pararam de correr –Ué, acabou a brincadeira? –Perguntei confuso e logo os três vieram me abraçar –Yah! –Disse risonho.

–A gente ama você!

–Melhor pessoa que existe.

–Não nos abandone.

–Você é o meu exemplo, Jun.

–Vai ser o melhor marido pro Min Seok.

–É o melhor amigo que eu poderia ter!

–Junmyeon! Você é lindo!

–Não vamos te abandonar nunca!

Disseram os três, cada um, uma frase, me apertando, fazendo carinho na cabeça, beijando minha testa e afagando as minhas costas, eles se afastaram e olharam para mim, fiquei ainda meio estático e olhei para cada um, logo sorrindo e soluçando logo em seguida, começando a chorar.

–Ai, meu deus... –Disse JeongHan, se aproximando de novo e me abraçando, apertei o seu corpo.

–Vocês não parecem existir... Eu amo vocês, muito, muito mesmo!

[...]

Estava sentado na cadeira, vendo todo mundo dançar alguma valsa romântica, deixaram a dança dos noivos para o final da festa, logo vi o platinado vir em minha direção e eu franzi as sobrancelhas, mas logo suspirei ao notar quem realmente era, MinHo.

–Olá, Bae –Disse e se sentou na mesa ao meu lado.

–Eae... –Respondi levantando o indicador e o do meio, não desviando o olhar da dança dos casais.

–Você parece que quer dançar, quer dançar comigo? –Virei minha cabeça lentamente em sua direção.

–Você parece que quer levar uns tapas, dá um fora daqui –Disse sério e ele levantou uma sobrancelha.

–Olha aqui, eu só –E a mesa caiu, arregalei os olhos ao vê-lo no chão e logo cai na gargalhada, me levantando e batendo palmas, ninguém parou para olhar, então a diversão era totalmente minha.

–Você me parecia que queria cair no chão, que bom que aconteceu –Disse cínico e logo caminhei para longe dali, logo avistando Zoe sentada sozinha, dei um leve sorriso e caminhei rápido até ela –Ei, Zoe, quer dançar comigo? –Ela me olha meio surpresa.

–Ah, tudo bem –Sorriu e se levantou, segurando a minha mão assim que estendi para ela, comecei a levá-la até o meio das pessoas, logo levando a minha outra mão a sua cintura e ela a sua mão ao meu ombro, comecei a conduzi-la devagar, pois estava tocando love me like you do, Enquanto dançavamos, seu olhar não saia do meu e sua companhia me parecia agradável, não pisou nenhuma vez em meus pés, pois isso sugeri que ela soubesse dançar muito bem, logo a música acaba e nós nos separamos, ela se aproxima e beija a minha bochecha.

–Obrigado pela dança –Disse e se afastou, saindo dali.

–De nada... –Murmurei.

[...]

–Me visite sempre que puder, okay? –Assenti –Não esquece de me mandar uma mensagem quando chegar, se não eu vou pra lá verificar se está bem! –Assenti novamente e o maior se aproximou de mim, pegando um lencinho e passando no meu rosto –Se não soubesse que é gay, já iria te bater por essa marca de batom.

–Que marca de batom? –Perguntei confuso e ele me mostrou o lenço, borrado de Batim vermelho, ele colocou a mão na lapela do meu terno e tirou um papel de lá, me olhando com uma sobrancelha levantada.

–JeongHan, eu disse que sua sobrinha era doidinha, olha ai! –Se virou e entregou o papel a o citado, que estava atrás de si.

–Deixa ela –Lhe deu selinho e logo me deu um beijo na testa –Vai com cuidado meu anjo e não esquece da gravação... Hyung! Lembre ele! –Disse a Yong Bi que estava atrás de mim –Obrigado por vir, galera, deve ter sido difícil, mas obrigado mesmo!

–Não agradeça, a gente não poderia perder algo importante pra vocês –Disse o Hyung, colocando as mãos nos meus ombros e eu assenti –Vamos Jun –Me virei e segui para o seu carro, estava parecendo um zumbi de tanto sono, assim entrei no carro e me deitei no banco, deitando a cabeça no colo de Sang Woo e pegando no sono.


Notas Finais


Depois de muitos dias, consegui terminar, ai deus, como eu sou preguiçosa e enrolada.

Obs; Eu tentei fazer o mais parecido com uma cerimônia, nas que eu fui, só via a noiva entrar e depois ia comer (gordices), mas fim, tbm tinha procurado pelo assunto pra não ser totalmente leiga e é quase isso, pq eu não consigo escrever algo que bata 100% com os fatos

Miau~ Se chorou com esse casamento, espere pelo nosso, pq vou fazer tu chorar horrores, porque meus votos vão ser grandes u.u

A surpresa seria um capítulo especial do sonho do Jun (pra quem manja ou notou, os sonhos dele são totalmente porns e com o Min Seok, então já dá pra saber oq vai rolar), eu vou ver quando eu começo a escrever, pq a ideia eu já tenho.

Enfim, bye~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...