História This Man - 2jae - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Jackbam, Markjin
Visualizações 219
Palavras 3.867
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente \o/
Demorei um pouco mas vim kk
Espero que gostem ^^
Desculpá pelos erros de ortografia que possa ter deixado passar.

Capítulo 7 - Capítulo 6


Desperto-me no início da manhã, antes mesmo do despertador soar. Não consegui dormir noite passada, pois tamanho é meu nervosismo.

Com um suspiro longo e profundo, me arrasto para fora da cama e vou para o banheiro tomar um banho. Tenho um dia cheio hoje no Lusso, não posso me dar ao luxo de perder tempo.

 

Visto uns Jeans rasgados e confortáveis, uma camisa surrada e chinelos de dedo. Hoje é o dia da inauguração do Lusso, temos que garantir que tudo ocorra como planejado, e pra que isso aconteça eu provavelmente ficarei em pé o dia todo.

Em uma mala pequena coloco minhas mudas de roupa, não haverá tempo para vir me trocar em casa, então vou ter que me vestir por lá mesmo.

Espero que meu cabelo se mantenha bonito até hoje à noite...

 

Vai ser um saco carregar todas essas coisas no metrô, mas não tenho outra opção, já que o senhor Im ainda se mantem em posse do meu carro.

 

Desço as escadas amaldiçoando toda a sua geração, até deparar-me com minhas chaves no capacho.  Quer dizer então que ele teve a decência de libertar o meu carro? É provável, já que não tivemos mais nenhum encontro desde ontem à noite.

 Se estou decepcionado? Não sei, e também não tenho tempo para pensar nisso agora.

 

-Estou indo. –Grito para Jinyoung. –Meu carro voltou. –Continuo gritando até ele por sua cabeça para fora da cozinha.

-Ótimo, boa sorte. Passo lá mais tarde para beber daquele Champanhe caro. –Sorriu.

Meu amigo, como sempre muito atarefado, não tardou a retornar a suas tarefas. Às vezes eu acho que ele faz isso para esquecer de seus problemas, mas não é como se eu tivesse no direito de reclamar, já que apenas trabalho desde a minha separação.

-Vejo você mais tarde! –Corro em direção ao meu veículo, parando abruptamente quando vejo um celular completamente despedaçado na calçada.

Seu louco!

Olho para os dois lados, analisando se alguém está vendo, e chuto o restante do aparelho para dentro de um bueiro que há na beirada da calçada.

Sigo para o meu mini, colocando minhas coisas no porta- malas e me acomodando no banco do motorista.

Para a minha felicidade, percebo que estou sentado a metros do volante. Acabo por lembrar vagamente do dia em que Jaebum teve que ajustar o banco do carro para si.

 

Ligo o rádio e logo o mesmo começa a tocar a todo volume uma música do Blur. Estaria Im com problemas de audição?

Luto contra uma parte de mim que quer rir desse fato e retiro o CD do aparelho de som.

Assim que paro do lado de fora do Lusso, viro meu rosto em direção a câmera e logo os portões se abrem. Os responsáveis pelo Buffet descarregam as louças e os copos, enquanto alguns construtores conversam sobre ajustes.

Pego minhas coisas no porta-malas e paro diante do prédio. Já estive aqui um milhão de vezes, mas é impossível não reparar na extravagância desse lugar.

 

Assim que passo pelo foyer vejo Seungjo, um dos porteiros, brincando com o novo equipamento eletrônico. Ele faz parte da equipe que vai prestar serviço padrão hotel seis estrelas, o que consiste em organizar tudo, comprar mantimentos, conseguir reservas em restaurantes e coordenar as viagens de helicópteros dos futuros moradores.

 

Atravesso o piso de mármore, que brilha estonteantemente, até chegar no enorme balcão.  Ele está repleto de vasos pretos com centenas de rosas vermelhas, arranjadas cuidadosamente de ambos os lados.

 

-Bom dia, Seungjo! –Viro-me cumprimentando o porteiro.

Ele tira os olhos de suas telas, com pânico evidente em seu rosto.

-Youngjae, eu já li esse manual quatro vezes nessa semana e ainda não entendi como operar isso aqui.

-Não deve ser tão difícil assim. –Suspiro, já prevendo mais uma tarefa para mim. –Já pediu ajuda a equipe de segurança?

-Sim, já pedi três vezes. Devem achar que tenho algum problema. –Lamentou.

-Tudo bem, pergunte para eles novamente hoje à tarde. Agora eu tenho que ir.

Vou até o outro lado do hall e aperto o código de segurança para o elevador privativo. Ainda tenho que carregar vasos de flor por todo o andar desse prédio.

 

 

 

 

 

 

XXX

 

 

 

 

 

 

 

 

Ás dez e meia estou posicionando o último arranjo de flor do lugar.

-Flores para o senhor Choi. –Uma voz soa as minhas costas, quase me fazendo derrubar essa droga de vaso.

Lentamente me viro, vendo um jovem com um arranjo em mãos.

Reviro os olhos. Não me diga que aumentaram a quantidade de rosas desse prédio, não consigo mais nem olhar para uma sem sentir cansaço.

 

-Já recebi a entrega de flores. –Olho para a calçada, vendo a van da loja, na qual não encomendei flores, estacionada.

-Já recebeu? –O jovem olha para sua prancheta em pânico.

-O que tem ai? –Perco a paciência. É impossível de acreditar que no dia em que tudo tem que dar certo sempre aparece alguém para estragar.

-Um buquê de copos-de-leite para o senhor... –Olha sua prancheta novamente. –Choi Youngjae.

-Eu sou Choi Youngjae.

-Ótimo, eu volto em dois segundo.

 

Dito isso ele sai, voltando rapidamente e me entregando o maior buquê de copos-de-leite que já vi.

Abri o cartão com o estômago revirado.

Sinto muito. Me perdoe, por favor. Um beijo, JB.

 

Releio essa mensagem repetidas vezes. Ele já se desculpou pelo seu comportamento inadequado e veja só aonde isso me levou.

Ele não vai desistir tão cedo, vai?

 

Coloco as flores sobre o balcão da portuária, pelo menos elas vão ajudar a embelezar mais esse lugar.

 

 

 

 

 

 

 

XXX

 

 

 

 

 

 

 

Yugyeom aparece as cinco e meia.

-Desculpe o atraso, esse trânsito está um pesadelo. –Olha em volta. –Estão todos reservados para os convidados. Estou tão animado! –Ele cantarola.

-Já está tudo completo, só quero que dê uma volta para verificar se não esqueci algum detalhe. –Eu o conduzo a área central.

 

-Meu deus, Jae. Isso está sensacional! –Sorriu orgulhoso, já que é a primeira vez que lhe mostro meu trabalho com prédios como o Lusso.

 

-Está lindo, não é? Nunca tive uma verba tão grande como essa, vou ter que admitir que foi divertido decorar esse prédio com o dinheiro alheio. –Rimos. –Viu a cozinha?

-Vi, mas quando ainda não finalizada.

-Vai lá ver, enquanto eu me arrumo no spa.   

-Ok. –Yug confirma, caminhando e desaparecendo naquela imensa cozinha.

 

 

 

 

 

 

 

XXX

 

 

 

 

 

Uma hora mais tarde, depois de usar todo o equipamento luxuoso do spa do Lusso, estou pronto.

 

Saio, analisando cada cantinho. Ainda é difícil de acreditar que tudo aqui foi feito por mim. Olho o terraço desse lugar apaixonado. Quem quer tenha comprado esse o prédio, definitivamente deve gostar das melhores coisas da vida. Claro, que por meros 10 milhões de dólares, já que a negociação só aceita a moeda americana em troca.

 

Vou até a cozinha e encontro Yugyeom.

 

-Tudo pronto. –Ele declara.

-Vamos beber. –Pego duas taças e passando uma para si.

-A você, Jae. Estiloso de corpo e mente. –Erguemos os copos em brinde.

-Uau, isso é muito bom. –Analiso a bebida rosada em minha taça.

-Ca’del Bosco, Cuvee Annamaria Clementi 1993. Italiano, claro. –Ergo minhas sobrancelhas impressionado, esse vinho deve custar uma fortuna.

Ouvimos ruídos vindos do hall de entrada.

 

Saio da cozinha, encontrando Patrick que sorria orgulhoso. Logo atrás vejo a cabeleira de Kunpimook, que abria e fechava a boca impressionado com a grandiosidade do Lusso.

-Jae, isso aqui ficou demais. –Bambam corre até mim e me dá um abraço apertado.

-Deixe o menino Bam, assim você amarrota-lo todo. –Patrick ralha, puxando-o gentilmente pelo braço e inclinando-se para beijar meu rosto. –Ficou muito lindo, Baby. Você fez um excelente trabalho. E cá entre nós... –Aproximou-se de minha orelha. –Os executivos deram a entender que querem você no próximo projeto.

 

-Onde está o Champanhe? –Bambam, que não perde uma oportunidade de bebida grátis, perguntou. 

-Por aqui. –Os levo em direção a cozinha.

 

 

 

 

XXX

 

 

 

 

 

Passo algumas horas sendo apresentado a membros da alta sociedade, e explicando minha inspiração por trás do design. Jornalistas de revistas de arquitetura e design circulam o lugar fazendo fotos, e para meu desgosto, inventaram de me colocar em uma chaise longue de veludo –Cadeira longa, também conhecida como divã ou cadeira de descanso. – para tirar foto.

 

Agradeci aos Deuses quando vi Jinyoung na entrada. Patrick fazia questão de me arrastar para todo o Lusso, gritando a quatro ventos que eu sozinho decorei este lugar. Os executivos não paravam de me encarar e aquilo me envergonhava.

 

Peguei nas mãos de meu amigo e nos direcionei até a cozinha.

-Bem luxuoso hein? –Ele admira. –Faz minha casa parecer um caos. –Comenta nos fazendo rir, sua casa fofa e aconchegante é realmente o oposto disso aqui.

 

-Você quis dizer imponente, certo? –Pergunto.

-Sim, mas eu nunca conseguiria morar aqui. –Ele diz, sem a menor vergonha. Finjo estar magoado e espero que ele retire o que falou.

Em vez disso, Jinyoung me encara sorrindo maliciosamente. Viro para ver o que tanto lhe chama a tenção e merda!

-Ele não vale nada, né? –Jin comenta friamente.

Ah, meu amigo, você não faz ideia.

 

E lá estava ele. Usando terno preto, uma das mãos sobre seu bolso e outra segurando uma pasta. Ao seu lado um agente imobiliário, que aparentemente está falando sozinho, já que seus olhos mantém-se a todo momento fixados em mim.

 

-Merda! –Xingo baixinho, para não levantar atenção de mais alguém, e me viro para Jinyoung.

-Sabe... –Ele toma um gole do líquido de sua taça sorrindo. –Esse não é o comportamento de alguém que teoricamente não se abala com a presença de outro alguém.

 

-Fui ao Solar na terça-feira e quase dormi com ele. –Deixo escapar.

-O que? – Meu amigo se engasga.

-Ele pediu desculpas pela mensagem de texto que me mandou, eu voltei ao Solar na terça, ele pediu ao Grandão que me levasse até um quarto e apareceu semi nu lá.

-Está brincando? Meu deus, quem é o Grandão? –A urgência para colocar Jin a par dos fatos me faz cuspi-los depressa.

-Foi um desastre! –Meu rosto se contorce, apavorado. –Fugi quando ouvi o namorado dele o chamando, e então ontem Im apareceu lá em casa querendo me fazer exigências.

-Pera, que tipo de exigências? –Jin se segura para não rir.

-Não sei! Ele é um babaca arrogante. Você acredita que ele teve a audácia de me perguntar o quanto eu iria gritar quando me comesse? –Exasperei o mais silencioso possível, tentando disfarçar ao ver um garçom passar por nós.

-Ele o que? Merda, Youngjae, ele está vindo para cá! –Jinyoung não consegue parar quieto, seus olhos dançam em empolgação.

 

Começo a planejar minha fuga, que seria muito bem sucedida se Im não estivesse parado as minhas costas.

-Que bom velo novamente Jinyoung. –Fala calmamente. –Youngjae?

 

Continuo de costas para si, ciente de que se me virar para vê-lo, serei catapultado para sua zona de perigo. Os olhos de Jin vagam de Im para mim, esperando que algum de nós se manifeste.

-Jaebum. –Ele o cumprimenta. –Com licença, preciso ir ao banheiro. –Essa praga anuncia, deixando a taça vazia sob o balcão e ignorando completamente meu olhar raivoso.

Quem precisa de inimigos quando se tem Park Jinyoung como amigo?

 

Im dá a volta, posicionando-se cara a cara a mim.

-Você está lindo. –Murmura.

-Você disse que eu nunca mais iria vê-lo. –Disparo.

-Eu não sabia que estaria aqui. –Forja inocência, enquanto o encaro farto.

-Você me mandou flores!

-Ah, é. Mandei. –Vejo um sorriso brincar em seus lábios. Não tenho tempo para seus joguinhos.

-Com licença, por favor. –Tento desviar, mas Jaebum se move para o mesmo lado, bloqueando a minha passagem.

 

-Estava esperando que me mostrasse o apartamento.

-Vou chamar Yugyeom, ele ficará feliz em lhe mostrar o local. –Respirei fundo, fazendo uma contagem regressiva para não gritar consigo nesse local repleto de gente importante.

-Prefiro que seja você.

-Você não ganha uma trepada tour. –Falo e logo sua expressão se fecha.

-Você pode, por favor, não utilizar essa linguagem?

-Desculpe. –Desdenho indignado. –E coloque o banco no lugar quando for dirigir o carro dos outros.

Vejo seu sorriso surgir, me deixando ainda mais furioso consigo.

-E não mexa no meu rádio!

-Desculpe. –Seus olhos brilham em malicia. –Você está bem? Parece um pouco nervoso. –Im estende a mão e lentamente passa seus dedos em meu ombro. –Algo está afetando você?

Além de arrogante é cínico.

 

-De jeito nenhum. –Me desvencilho. –Ainda quer que lhe mostre o local?

-Adoraria. –Ele parece contente consigo mesmo.

 

-Loungue. –Movimento a mão aleatoriamente no espaço de cerca. –Você já viu a cozinha. –Digo sobre seu ombro. Andamos a um espaço aberto, que nos leva ao terraço. –A vista. –Mantenho o mesmo tom cansado, fazendo-o rir atrás de mim.

Levo-o de volta para o loungue, até chegar à sala de ginástica. Não dizemos uma palavra enquanto atravessamos a cobertura.

Jaebum cumprimenta várias pessoas cada vez que nos deslocamos, mas não o deixo parar para conversar. Ando em ritmo acelerado, tentando acabar com aquilo o mais rápido possível.

Maldito lugar exuberantemente grande!

 

-Academia - digo, entrando na sala, mas saindo de repente assim que ele entra.

Vou em direção às escadas, ouvindo-o rir atrás de mim. Subo a escadaria de ônix com iluminação indireta, abrindo e fechando as portas, uma atrás da outra, enquanto informo o que há além delas.

Quando chegamos à atração principal, a suíte máster, faço um gesto largo no closet e no banheiro. O lugar merece muito mais paixão e tempo do que eu estou dedicando. Afinal, foi euzinho quem fiz. Mas quem liga?

- Você é um guia especializado, Jae. -Ele brinca, chamando atenção para uma das minhas obras de arte favoritas. - Você se incomoda de me falar sobre o fotógrafo?

 - Giuseppe Cavalli -Solto o nome, cruzando os braços diante do peito.

-É bom. Há algum motivo especial para ter escolhido esse fotógrafo? – Ele está tentado a me fazer conversar consigo.

Olho para suas costas largas, cobertas pelo paletó. Meus olhos gostam do que veem, mas meu cérebro se parece com ovos mexidos.

Suspiro e decido, sabiamente ou não, fazer sua vontade. Giuseppe Cavalli definitivamente merece meu tempo e entusiasmo. Solto os braços ao lado do corpo e me junto a ele diante da imagem.

- Era conhecido como o mestre da luz -Digo, e Jaebum me encara com interesse genuíno. - Ele achava que o objeto não tinha a menor importância, não importava o que fotografava. Para ele, o objeto era sempre a luz. Ele se concentrava em controlá-la. Está vendo? -Aponto para os reflexos na água.

- Esses barcos a remo, por mais bonitos que sejam, são apenas barcos. Mas vê como ele manipula a luz? Não se importa com os barcos, ele se importa com a luz que os cerca. Torna objetos inanimados interessantes, faz você olhar para a foto com uma... bem, com uma luz diferente, eu acho. -Inclino minha cabeça e observo a fotografia. -Nunca me canso dela. Parece tão simples, mas quanto mais se olha, mais é possível entendê-la.

Após alguns momentos em silêncio, tiro os olhos da imagem e flagro Im me encarando.

Nossos olhares se encontram, e ele morde seu lábio inferior. Sei que não vou conseguir dizer não outra vez se ele insistir. Não tenho mais forças, usei todas as minhas reservas na noite passada.

 

-Por favor, não. –Minha voz é quase inaudível.

-Não o que? –Pergunta.

-Você sabe o que. Você disse que eu não precisaria mais vê-lo.

- Eu menti -Ele parece nem um pouco envergonhado. - Não consigo ficar longe de você, então você vai ter que me ver outra vez... e outra vez... e outra vez... -Termina a última parte da declaração lenta e claramente, não me deixando brecha para dúvidas.

Perco o fôlego e institivamente me afasto de si.

- Você lutar contra isso só me deixa mais determinado a provar que você me quer - Im começa a se aproximar, dando passos cautelosos para a frente, mantendo contato visual intenso. - Estou tornando esse o objetivo de minha missão, faço qualquer coisa.

 

Paro de recuar quando sinto a cama encostar na parte de trás dos meus joelhos. Mais dois passos, e ele, estará em cima de mim, e a ideia do contato iminente é o bastante para me tirar do transe que ele me causa.

- Pare - Estendo uma mão fazendo-o parar. - Você nem me conhece - Falo rápido, em uma tentativa desesperada de fazê-lo ver o quanto isso é absurdo.

- Sei que você é inacreditavelmente bonito. - Ele volta a caminhar na minha direção. - Sei o que eu sinto e sei que você sente também. - Estamos muito próximos agora, e meu coração bate com força na minha garganta. - Diga, Youngjae. O que eu deixei passar?

 

 

Tento controlar minha respiração acelerada, mas estou ofegando e meu corpo treme visivelmente.

Estou lutando. Baixo a cabeça, com vergonha das lágrimas que surgem nos meus olhos. Por que estou chorando? Tesão, talvez.

Sinto sua mão tocar meu queixo, e o calor seria bem-vindo se eu não o considerasse um cafajeste nesse momento. Ele levanta minha cabeça e, quando nossos olhos se encontram, estremece ao ver minhas lágrimas.

- Desculpe -Ele sussurra suavemente, deslizando a mão para afagar meu rosto, tirando meus óculos e limpando minhas lágrimas com o polegar. Sua expressão é de puro tormento.

 

- Você disse que ia me deixar em paz - Olho para ele perplexo, enquanto continua a acariciar meu rosto com o polegar. Ele claramente está infeliz em seu relacionamento, o que não torna isso certo.

 - Eu menti, desculpe. Não consigo ficar longe de você, Jae.

-Você já pediu desculpas e está aqui de novo. Devo esperar flores amanhã? - Não escondo meu sarcasmo.

Seu polegar para, e ele baixa a cabeça. É a vez dele ficar envergonhado. Mas quando nossos olhares se conectam, os seus descem para os meus lábios.

 

Sua boca se aproxima da minha e eu prendo a respiração, quando nossos lábios roçam uns nos outros, ainda que muito de leve, meu corpo se rende. Minhas mãos voam e segurarem com força seu paletó.

Ele geme em aprovação, e as suas mãos vão para a base de minha coluna, me puxando para mais perto. Nossas bocas pairando próximas, os hálitos se misturando, enquanto trememos de maneira incontrolável.

 

- Já se sentiu assim? - Im diz numa respiração, deslizando a boca pelo meu rosto, até chegar à minha orelha.

- Nunca. -Respondo com sinceridade. Minha respiração entrecortada é irreconhecível. Ele prende o lóbulo de minha orelha entre os dentes e puxa de leve, deixando a carne escapar devagar.

-Está pronto para parar de lutar? - Sussurra, traçando a linha externa de minha orelha com a ponta da língua.

 Seu hálito quente faz uma onda de calor surgir entre minhas pernas.

 Não consigo mais lutar contra isso.

 - Ah, Deus... - solto num suspiro, e seus lábios colam nos meus para me calar. Ele os toma com gentileza, e eu os deixo, permitindo que nossas línguas rolem junto, em um ritmo calmo e compassado. É bom demais. Todo o meu corpo está em chamas.

 Ele geme, libertando minha boca.

 

- Isso é um sim? - ele me fita com aqueles olhos maravilhosos.

 - Sim. - Com um meneio de cabeça, quase imperceptível. Jaebum beija meu nariz, meu rosto, minha testa e volta aos meus lábios.

 - Preciso ter você inteiro, Jae. Diga que posso ter você por inteiro.

Inteiro? Mente? Alma? Mas não no sentido literal, não é?

 

Não, ele quer meu corpo todo, e agora minha consciência me foge completamente. Preciso tirar esse homem da cabeça. Ele precisa me tirar da cabeça dele.

-Me possua - digo baixinho, com os lábios colados nos dele.

 

O grunhido que sai de seus lábios ao ouvir minhas palavras só aumenta meu desejo e, com a boca ainda colada na minha, ele passa o braço pela minha cintura e a outra mão segura minha cabeça com firmeza. Aprofunda o beijo, me levantando do chão e me levando ao outro lado do quarto, até que minhas costas toquem a parede.

Nossas línguas dançam juntas. Minhas mãos se movem em suas costas, quero um contato mais próximo. Seguro a lapela de seu paletó e começo a tirá-lo de seus ombros.

Ele mantém o beijo, dando um passo atrás o bastante para se livrar da peça. Eu a jogo no chão, agarro sua camisa e o puxo para mais perto.

Aonde foi parar a minha sanidade?

 

Nossos corpos se chocam com força e ele me empurra contra a parede, devorando minha boca.

- Meu Deus, Jae. - Ofega. - Você me deixa louco. - Jaebum mexe seus quadris, fazendo com que sua ereção toque na minha, arrancando um grito de meus lábios.

Já passamos do ponto em que poderíamos parar.

 

Suas mãos tocam a fivela do meu cinto e ele começa a desafivela-lo. Abre a minha calça, a abaixando até chegar nos meus pés.

Eu enrolo minhas pernas em volta de sua cintura.

 

Seus quadris se movem, me fazendo gemer. Preciso de mais. Vejo Im morder o meu lábio inferior e o soltar, afastando o rosto para me olhar nos olhos, enquanto faz mais um movimento firme para roçar nossos sexos.

Jogo a cabeça para trás em um gemido profundo, lhe dando acesso livre ao meu pescoço, do qual ele se aproveita, chupando e passando a língua em todas as depressões e saliências.

 

Eu poderia chorar de prazer, mas então ouço vozes vindas do lado de fora do quarto, e a realidade volta como um golpe.

-Jaebum. - Digo sem ar, tentando chamar sua atenção.

-Jaebum, alguém está vindo, você precisa parar. - Tento me desvencilhar, mas sua ereção toca na minha, me fazendo bater a cabeça na parede, descontando a onda de prazer que me cerca.

-Não vou soltar você, não agora. –Solta um gemido rouco.

- Precisamos parar.

 - Não -Ele murmura, mas meu Deus, qualquer um pode entrar por aquela porta.

 - Vamos continuar mais tarde -Tento convencê-lo novamente.

-Isso vai dar a você muito tempo para mudar de ideia -Mordisca meu pescoço.

-Não vou mudar de ideia -Seguro em seu queixo, puxando seu rosto na direção ao meu. Olho fixamente em seus olhos. - Não vou mudar de ideia.

Ele me estuda, buscando a certeza de que precisa, mas eu não poderia estar mais decidido.

Eu quero isso. Sim, vou ter tempo para avaliar a situação, mas nesse momento tenho certeza de que vou até o fim. Jaebum é muito tentador para resistir, e só Deus sabe como tentei.

-Sinto muito, mas não posso arriscar. - Ele me segura com força e me leva para o banheiro.

 - O quê? Eles vão querer entrar aqui também. E minha calça e óculos estão lá fora. - Ele não pode estar falando sério.

 - Vou trancar a porta. Não grite - ele me olha, com um sorrisinho.

 

Estou completamente chocado com esse homem.

-Você não tem vergonha na cara. –Pondero a situação, o que me faz querer rir.

- Não. Meu pau está doendo desde sexta-feira passada, finalmente você está nos meus braços e ele conseguiu ver a luz. Eu não vou a lugar algum, e eu sei que você também não quer ir.

 

 

Continua...


Notas Finais


~Não me matem ~
Eu sei que parei numa parte legal, desculpa T.T mas esse capítulo já estava grande demais.

--->Aviso: Como viram, o Youngjae aceitou transar com o Jb, e em nenhum momento eu irei relatar o mesmo passando por cima das vontades dele. Por isso o negrito no final. É importante frisar que o Jae sempre quis ir pra cama com ele, só não o fazia por ter seus complexos, no caso não querer compactuar com uma possível traição.
Gente, eu levei muito tempo pensando nisso, e já comentei aqui que irei mudar um pouco a estória por não concordar com algumas crises de possessão do personagem original. Ademais, vale lembrar que estupro é crime e não é bonito/legal, e eu nunca retrataria personagens meus romantizando algo como isso. Isso é horrível. E o JB concretizar o ato e o youngjae não querer é abuso sim! Se você ver alguma pessoa escrevendo algo do tipo, por favor alerte ela sobre isso.

Espero que tenham intendido a minha mensagem ^^
Não me matem por ter parado o lemon no meio.
Vou tentar atualizar o mais rápido possível.
Amo vocês ^^
Beijos, Anne <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...