História Tiempos De Soledad - Dramione (Em Breve) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Gina Weasley, Hermione Granger, Pansy Parkinson, Ronald Weasley, Theodore Nott
Tags Amor, Draco Malfoy, Dramione, Emma Watson, Ginny, Hentai, Hermione Granger, Hermione Malfoy, Romance, Romance De Época, Sexo, Tom Felton, Universo Alternativo
Exibições 108
Palavras 1.457
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Primeiro capítulo!!!! E acabei mudando a capa, já que a outra não entrava no contexto da fic.

Agradeço a todos que se interessaram na história e darei início a mesma no começo de dezembro, pois estou adiantando alguns capítulos, pois serão duas fanfics do universo de Harry potter: Uma será Hansy (Oposição) e a outra Tiempos de Soledad (Dramione) espero que goste bastante desta como estou gostando de escrever.

Beijos da Samy

Capítulo 3 - Capítulo I


Fanfic / Fanfiction Tiempos De Soledad - Dramione (Em Breve) - Capítulo 3 - Capítulo I

O duque de Wiltshire encarava novamente pela janela enquanto a chuva caia demasiadamente, fazendo com que ele se recordasse dos tempos infernais que passara nas ruas, afinal nunca foi uma de suas melhores lembranças, se é que isto poderia considerar uma lembrança, já que para ele, era, um pesadelo.

Retornou para suas origens, apenas quando soube de seu amigo Theodoro que havia morrido por causa de uma dívida, no qual nem ousou ajudá-lo por sentir desonesto consigo mesmo e com o Sr. Abraxas, pois ele sabia que não era o suposto neto e sim, uma fraude.

No salão estava seu melhor amigo Blásio e sua esposa Luna que em sua humilde opinião era completamente doida, em que na mesma quantidade tinha sua sabedoria, se é que isto seria lógico ou possível de se imaginar.

 

– Como está sentido, Draco? - Perguntou-lhe a loira com a faceta angelical que nada combinava com sua personalidade quando estava irritada ou nervosa com algo.

Draco esperava sentir algo, algum sentimento, pois em todos seus vinte e cinco anos, ele havia feito nada que pudesse comprovar que era o verdadeiro neto, mas lhe invejava demasiado por ter tudo aquilo ... Mas a pergunta de Luna lhe intrigava, pois esperava sentir no mínimo desprezo ou raiva, mas nada sentia. Como todos os sentimentos que passou desde a notícia do testamento do seu pai, segundo Abraxas Malfoy.

Então por fim resolveu falar a verdade para a loira que com o tempo havia se tornado uma amiga, na qual era agradecido pelo amigo por te encontrado uma mulher grandiosa como aquela que jaz presente naquela sala.

– Nada! Sinto nada, acreditei cegamente que sentiria algo, mas vejo que estava equivocado novamente.

A empregada chegou antes que Luna pudesse retrucar suas palavras e acabou preferindo guarda-las consigo.

O advogado parecia apressado e um tanto rabugento, afinal Dumbledore era conhecido por ser o melhor advogado de Londres, no qual fazia que seu tempo seja limitado e com tamanha rigidez. Fazendo que o avô de Draco sentisse raiva do mesmo, afinal ele era pago uma fortuna e não era respeitado, pois se não fosse tão bom que é já tinha deixado os seus serviços e procurado outro para que lhe represente.  Contudo o Abraxas não estava presente, porque tinha uma viagem para o sul de Londres e também tinha indo visitar suas terras no sudoeste da cidade londrina.

Seguidamente com o testamento lido sentia seu sangue ferver de ódio, pois temia que a qualquer momento aparecia o verdadeiro Draco e assumindo sua vida que construiu ali, mas infelizmente todos via a semelhança do jovem com o seu avô ninguém poderia negar a aparência de ambos, já que muitos diziam que o jovem era semelhante ao seu pai quando tinha sua idade e do seu avô Abraxas, mas mesmo contudo isto Draco se negava, pois ele não queria ser injusto, já que não tinha memórias de sua infância, apenas o sofrimento que viveu nas ruas e quando o Greyback lhe trouxe para o sul da Espanha com a proposta de uma vida melhor que sem nenhuma dúvida foi melhor, já que não lembrava muito o que passou nas ruas londrinas.

– Sr. Dumbledore, mas se caso o Sir. Malfoy não se casar? - Perguntou seu amigo moreno percebendo que seu o amigo Duque estava preso em lembranças que ele sabia quais, já que vivei grandes partes delas no seu lado.

O barulho que o senhor Dumbledore fez antes de falar fizera com que ele, acordasse dos seus devaneios e o prestasse atenção no velho homem.

– Sinto lhe informar, mas perderá todo seu ducado para o seu primo distante Potter, então recomendo que se case o quanto antes com a Lady Granger.

Assim que o advogado fora embora seguidamente pelos seus amigos, ele ficou preso em seus pensamento e pesadelos que teve, enquanto vivia naquela rua.

Afinal a Lady sempre fora uma dama e nunca aceitaria o seu verdadeiro eu, se fosse ao contrário não aceitaria. Ele nunca conheceu nenhuma que pudesse aceitar e sabia que com ela não seria diferente.

Sentiu o rum queimar sua garganta, já que o desconforto em sua garganta não passava desde a chegada do advogado ou fora desde sua chegada em terras londrinas não sabia ao certo. Estava divido, pois não tinha ideia do que fazer, ele sabia que com sua herança e esposa teria novas responsabilidades que teriam quer cumprir, afinal ele não seria tolo o bastante para dizer que deixaria de ser o demônio londrino, mas não desrespeitaria sua esposa na sua frente, pelo menos, contudo sentia que deveria casar com ela e também assumir sua herança por causa do Sr. Abraxas que sempre foi como uma pai desde dos seus 14 anos e rejeitar a herança seria o mesmo que rejeitar seu próprio sangue, apesar de não ter tanta certeza do fato.

– Não me perdoaria tal desonrar para o Sr.Abraxas.

Bebericou mais um gole de seu rum e tomou a decisão de iria para Escócia na próxima semana, já que nesta não poderia por causa do temporal que estava ocorrendo.

Ele teria que ir atrás de sua querida-não-desejada-Noiva... Hermione Granger e torcia com todas as forças que fosse submissa como as esposas londrinas, mas o pressentimento lhe tomou dizendo totalmente ao contrário. Ela não seria submissa e nem como as outras esposas londrinas.

ܔܢܜܔܔܢܜܔܔܢܜܔ

Enquanto isto o dia estava incrivelmente lindo e agradável para passear pelos campos escoceses de sua propriedade, já que a companhia não lhe faltava, pois, o seu amigo Weasley que era um criado de seu pai fazia questão de ajudá-la com o seu passeio matinal.

Ela nunca lhe contou sobre seus sentimentos proibidos para o criado, afinal ela não poderia fazer alguma coisa a não ser o seguir as ordens de sua madrasta Belatrix que enganava a todos sobre a verdadeira maternidade da morena que possuía em suas auréolas escuras que comprovavam o sangue mestiço de escravos, afinal ela teve sorte fora que ouviu durante anos.

– Que uma dama como você tanto pensas?

Ela encarou o criado que sentia tanta afeição e deu um sorriso meigo.

– Nada, apenas coisas triviais.

Sentiu um nó em sua garganta ao perceber a mentira que contava para seu melhor amigo, contudo ela se preocupa demasiadamente com os pretendentes que sua madrasta havia lhe apresentado e que ela fez questão de expulsá-los rapidamente.

Sentia um medo erroneamente assustador de que descobrisse sua verdadeira origem e desonrasse-a revogando o seu matrimônio, pois preferia a morte do que a desonra.

Naquela tarde recebeu uma carta do duque de Wiltshire avisando que estaria em breve nas terras de Glaslow para resolvesse o seu dote com seu pai.

Sentiu sua bile arder e quando ouviu atrás da porta no escritório de seu pai, um hábito muito deselegante para uma dama, a discussão de seus pais.

– Joseph, mas você não se preocupa com a honra de sua filha, o tal pretendente é conhecido por Duque Bartholomeu, nome de um demônio!!

Observou seu pai respirar profundamente e reparando de como o tempo havia lhe envelhecido sem nem a menos notar.

– Não posso fazer nada! Hermione completará vinte e dois em breve e estou velho demais para me preocupar com suas artimanhas e o casamento com o duque será bom para a mesma, já que ao parecer o duque possui um temperamento muito forte que domará o de Hermione.

– Mas Joseph...

Joseph estava cansado de todo aquele falatório sem fim, já que ambos eram prometidos desde crianças mesmo sem nunca terem se conhecido e aquele casório iria ajudar muito com as finanças das suas terras que estavam desvalorizadas e também uma forma de sanar as dívidas que ambas mulheres fazia com os bailes que fazia ou eram convidadas, infelizmente aquele feitio era mais de sua esposa, já que sua filha preferia coisas que havia lhe ensinado com tanto amor e dedicação a ler, escrever, cavalgar e também a se defender com uma espada se fosse necessário, mas tudo escondido de sua esposa, contudo para acabar com o assunto que duraria a noite se dependesse de sua esposa, ele bateu na mesa cheio de ira assustando ambas pela surpresa

– Hermione irá casar com o Duque, querendo ou não! - Deu o seu ultimato 

A duquesa caminhou para o seu quarto com os olhos mareados e o coração apertado, afinal ela seria como todas as outras esposas, não teria opinião e teria que aprender a satisfazer seu marido quando lhe fosse a vontade, e deixasse que ele lhe domasse, era isto que uma ótima esposa faria.


Contudo ela sempre tivera em mente que nunca seria uma esposa perfeita, porém aquilo lhe dividia, pois temia sua desonra como temia a sua morte.

E foi assim o começo da minha prisão matrimonial com o Duque Bartholomeu.


Notas Finais


Gostaram?
Espero que sim, o próximo capítulo será dia 01/dezembro, pois estou concluindo Beloved Malfoy com lágrimas nos olhos e tentando me apegar.
Beijos

BELOVED MALFOY
Draco Malfoy se apaixonou Hermione Granger no momento que a viu, porém essa paixão fora colocada em risco quando descobriu que a menina era uma “Sangue Ruim”, na qual foi criado para odiar com todas suas forças, mas infelizmente isso ficava cada vez mais impossível quando via o seu sorriso por trás dos livros. Eles se tornaram amigos inseparáveis e mais tarde embarcaram numa paixão avassaladora.Draco prometeu o seu -recém aprendizado- Amor para Hermione que confiou nele, Mas quando ele se torna um comensal da morte como os seus pais, ele foi embora deixando Hermione para trás que fugiu para o mundo Londres trouxa com o seu segredo no seu ventre: Scorpious Hyperion Malfoy

LINK DO BM: https://spiritfanfics.com/historia/beloved-malfoy-querido-malfoy--dramione-5320743

OPOSIÇÃO
Pansy Parkinson é a típica garota nova iorquina que adora uma balada e se divertir com os amigos milionários. É a única garota que Draco Malfoy e Blásio Zabini conseguem suportar com o título de amiga e nas noitadas que nunca tem fim para esses três riquinhos.
Em uma dessas noitadas, Pansy acaba passando da conta e se vê obrigada a ficar um tempo reclusa na Irlanda do Norte até que seu nome seja esquecido pelos tabloides de Nova Iorque, porém ela não imaginava que aquele sereno país iria fazer uma verdadeira reviravolta em sua vida.

LINK DO OPOSIÇÃO: https://spiritfanfics.com/historia/oposicao-hansy-6342774


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...