História Till the Death do Us Unite - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~anahyun

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Chanbaek, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Namjin, Sulay, Taoris, Xiuchen, Yoonseok
Exibições 150
Palavras 2.397
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


CHEGUEMOS
Com o nosso segundo capítulo da fanfic, UHUUUUUU (joga confete)
Acho que vocês vão gostar bastante desse, - mas também podem ficar bravos (recolhe o confete e foge) - mas eu, particularmente AMEI escrever, então né <3
Queríamos agradecer pelos comentários nos capítulos anteriores, é muito importante pra gente, muito mesmo!
Sem mais delongas, nos perdoem se houver erros, e boa leitura ;3

Capítulo 3 - Meetings


  — Sou Park Jimin. Prazer em conhecê-lo, Jeon Jungkook. — Disse o moreno, pegando a mão que lhe foi estendida, apertando levemente. Mãos muito macias, Jungkook acha que vale a pena ressaltar.

  O mais baixo andou até a cama onde estavam postas as coisas de Jungkook, e após uma longa bufada, virou-se para o maior com uma face totalmente emburrada.

  — Posso saber por que suas coisas estão aqui? — Perguntou, botando as mãos na cintura em sinal de indignação. Jungkook, não entendendo o motivo para tal, apenas respondeu normalmente.

  — Como você ainda não havia chegado, tomei a liberdade de escolher uma cama. — Olhou para o rosto do Park, que adquiriu uma expressão raivosa.

  — E quem te deu essa liberdade? Eu queria essa cama!

  — E qual a diferença? São iguais, você pode muito bem ficar com a outra.

  — Essa fica na janela. Eu quero ela e ponto final. Além de que, se são iguais como você diz, você também pode muito bem ficar com a outra. — Respondeu fazendo bico.

  — Mais uma vez. Qual a diferença? Só por causa de uma janela? Você parece uma criança. — Revirou os olhos.

  — Criança aqui é você. Pelo que sei, é o mais novo aqui. Exijo respeito, sou seu hyung. — Cruzou os braços, batendo o pé no chão impacientemente.

  — Como você sabe que sou mais novo?

  — Você é novato certo? — O mais alto maneou a cabeça confirmando. — Eu sou um ano mais velho que os novatos, assim eu sei. — Deu de ombros.

  — Então você tem 17 anos?

  — Olha, ele sabe contar! Parabéns, quer um prêmio criança? — Bateu palmas com uma falsa cara de felicidade.

  — Que ridículo — Jungkook revirou os olhos. — Tudo bem, mas como pode ser um ano mais velho se também é um novato aqui?

  — É da sua conta? Acho que não. Agora tira logo as suas coisas de cima da minha cama.

  — Ainda não acredito que mal nos conhecemos e já estamos brigando, por conta de uma cama. — Bufou alto. — Tudo bem, pode ficar com a bendita cama. — Disse já indo até a cama e pegando seus pertences e colocando sobre a outra.

  — Acho bom mesmo. — Jimin respondeu vitorioso.

  — Acha bom? Você não tem que achar nada, simplesmente chegou aqui impondo ordens, acha que é quem? — Jungkook irritou-se, andando até o mais velho e fitando-o de perto.

  — Eu sou- — Antes de terminar sua fala, Jin entrou no quarto, se desculpando em seguida por estar atrapalhando os dois. Jungkook negou, dizendo que não precisava se desculpar e que ele já estava mesmo saindo para procurá-lo. Saiu puxando Jin sem ao menos despedir-se do Park.

  — Nem pergunte Jin. Apenas vamos comer, estou com fome. — Jin assentiu, e seguiram até o restaurante. Jeon estranhou o grande número de alunos que estavam ali, sendo que as aulas sequer começaram. O mais velho explicou, que os alunos devem estar na escola ao menos uma semana antes do início das aulas, regras da escola.

  Pediram dois hambúrgueres, um bem grande para o mais novo, e a pedido do mesmo, sentaram-se em uma mesa mais afastada do primeiro andar do local. Estavam comendo e conversando normalmente quando Jin anunciou que ia até o balcão para já ir pagando pela comida e logo estaria de volta. O outro concordou, voltando a comer, e quase cuspindo tudo fora quando ouve um grito em seus ouvidos.

  — OI. VOCÊ É JEON JUNGKOOK CERTO? SOU BYUN TAEHYUNG, PRAZER EM CONHECÊ-LO.

  — PUTA QUE PARIU GAROTO. — Jeon deu um grito também, totalmente assustado pelo aparecimento repentino do outro menino. Ele brota do inferno, sai gritando em seus tímpanos, espera, como ele sabia seu nome? — Ok, vamos do começo. Oi. Sim, sou eu mesmo. Prazer em te conhecer também.

  — NOSSA QUE EDUCADO VOCÊ. — Disse fazendo um gesto de abano com a mão ao lado da cabeça. — Desculpe, vou parar de gritar. Posso me sentar aqui? Obrigado.

  — Já sentou mesmo. — Jungkook deu de ombros. — Byun Taehyung certo?

  — Certíssimo querido, eu mesmo.

  — Você é novo aqui também? — Tentou iniciar uma conversa com o garoto.

  — Certo de novo. Cheguei aqui faz dois dias, eu estava tãããão solitário Jungkookie. Sorte que agora tenho você, vamos nos divertir muito!

  Ele é estranho.

  — Então, como você sabe meu nome? Eu cheguei hoje, e ainda não me apresentei para ninguém exceto meu colega de quarto.

  — Ah, sobre isso. Meu irmão me contou que haveria um novato da minha idade e que aparentava ser boa gente. Ele tem ótimo olho para identificar boas pessoas sabe? Ele também sabe de tudo o que acontece na escola. Meu hyung é incrível. — Disse com um ar de imensa admiração, sorrindo para o ar. Ok, esse garoto deve mesmo idolatrar o irmão.

  — E quem é seu irmão? — Nesse exato momento ouviu-se um estrondo vindo da porta do restaurante. Quando Jeon foi ver o que estava acontecendo, reparou que todos já estavam virados para a porta pelo mesmo motivo. Foi quando começaram aplausos, alguns sussurros e até mesmo alguns gritos.

  — Ali está ele.

  Quando todos se acalmaram e Jungkook pode ver melhor, conseguiu avistar dois indivíduos parados em frente a porta. Um mais baixo, de óculos escuros e cabelos platinados, calças de couro justas e coturnos cheios de spikes dourados, além de uma camiseta larga cinza e uma jaqueta brilhosa por cima. Junto dele, estava um cara mais alto, de cabelos vermelhos, usando uma calça jeans escura e também coturnos, mas sem spikes. Uma camiseta preta de banda, com uma jaqueta de couro por cima. O mais baixo, após a entrada triunfal, levou a mão ao cabelo jogando-o para o lado, e suspirou alto.

  — Channie. — Tirou os óculos e entregou-os ao garoto mais alto em seu lado. — Segura. — Logo que tirou os óculos, fez uma careta como se a luz incomodasse demais. — AAI, ESSA LUZ TÁ ME CEGANDO! — Disse alto esfregando os olhos com as costas das mãos. — Credo Channie, essa luz é forte demais. Sabe, todo esse negócio de aquecimento global, toda essa luz e esse calor me fazem mal, ai Channie eu acho que eu vou desmaiar. — Reclamou se escorando no mais alto, fazendo menção de desmaio, colocando as mãos sobre a cabeça e fazendo sons de dor.

  — Faça-me o favor Baekhyun, não é para tanto. Estamos em um local fechado, e você está com esses óculos desde que acordou, claro que a claridade vai incomodar. — Replicou o ruivo, ainda sim segurando o mais baixo.

  — Seu insensível. Por acaso você vai querer um namorado com a pele toda ressecada? Com os olhos machucados? Com o cabelo seco e quebrado? Com a saúde comprometida? VOCÊ QUER CHANYEOL? POIS SE QUISER CONTINUE COMIGO, EU LOGO VOU FICAR ASSIM MESMO, JÁ QUE VOCÊ NÃO CUIDA DE MIM. — O platinado gritava no meio do restaurante, ficando na ponta dos pés para alcançar o rosto do suposto namorado. Todos olhavam para eles, muitos riam e cochichavam, alguns até gravavam a briga.

  — Aquele é seu irmão? — Jungkook perguntou ainda rindo da situação, puta baixinho equivocado, nossa senhora. — Preciso admitir, vocês são parecidos. Mas ele é mais, como posso dizer, aberto.

  — Não é mesmo? — Perguntou em uma animação que Jungkook considerou fora do normal para aquela situação. — HYUNG, HYUNG! BAEKHYUN HYUNG! — Taehyung começou a gritar chamando o irmão que agora dizia algo como “Você não me ama mais, você quer que eu morra queimado”, mas parou na hora para procurar quem lhe chamava.

  — QUEM DIZ MEU SANTO NOME EM VÃO? — Então ele viu o irmão acenando freneticamente em cima da mesa (sim, ele subiu na mesa) para que o outro notasse. — AH, MANINHO, É VOCÊ! CHANYEOL, VEM. — E ele veio. Depois de aguentar todos esses xingamentos e gritos por parte do menor, esse tal Chanyeol continua o obedecendo. Jungkook não entendia mais nada daquele lugar. Quando estavam perto, Taehyung saltou da mesa e deu um abraço em seu irmão, dando rodopios perto da mesa.

  — Oi maninho, que saudades, não vejo você desde o café da manhã garoto! Por onde se meteu? — Quando o menor ia responder, o irmão o cortou. — Ah não importa, você viu o que o Chanyeol fez? Queria me deixar morrer nesse calor!

  — Vi Hyung, que injustiça. Ele sabe o quanto sua pele é sensível, precisa cuidar bem para manter hidratada, mas que horror. Chanyeol, você deve medir suas palavras querido, o Hyung não gosta. — Ele apenas riu fraco.

  O platinado começou a olhar em volta, até que seu olhar parou em Jeon. O analisou de cima abaixo, como se fosse jurado de algum concurso de moda e ele, o modelo.

  — Maninho escuta, eu sei que você as vezes não come todo seu almoço, mas não precisava chamar um urubu para terminar para você. — Jungkook olhou-o incrédulo, como assim urubu? — Não me leve a mal filho, mas essas roupas pretas, você fica parecendo um urubu. Ou é roupa de enterro? Alguém morreu? Oh meu deus, meus pêsames. — Adquiriu uma expressão de tristeza, parecia que a qualquer momento iria chorar ali mesmo.

  — Baekhyun, olá!  — Jin brotou do nada também, cumprimentando o mais baixo. — Vi um tumulto e uns gritos, imaginei que fosse você.

  — JIIIIIN, OI MEU QUERIDO, QUE SAUDADES TAMBÉM! — Pulou para dar um abraço nele, mas largou-o e se distanciou o olhando desconfiado. — Amigo, mas você engordou hein? Reparei em umas gordurinhas aqui do lado, e o que é essa pançinha? — Apertava a barriga de Jin, esse, que estava mais vermelho que a cor em si.

  — Baekhyun, direto como sempre. — Jin riu nervoso. — Não diga isso, não engordei não.

  — Ah mas isso não é problema, é um charme sabia? — Sorriu torto. — Faz tanto tempo que não nos vemos, deveríamos sair e tomar alguma coisa, o que acha? Uma água, um refri, uma vodka, nem que seja um banho.

  — BAEKHYUN! — Gritou Chanyeol, visivelmente irritado com o namorado que fazia descaso ao seu lado.

  — Ai Chanyeol você não tem senso de humor, eu só estava brincando né Jin?

  — Claro, só brincando. — Sorriu amarelo ao ruivo. — Mas Baek, você já conheceu o Jungkook? — Apontou para o garoto ainda sentado apenas assistindo a tudo.

  — O cosplay de urubu? — Jeon olhou feio. — Estou brincando, credo. Ninguém aqui tem senso de humor? — Bufou. — Sim, eu já conhecia ele na verdade, ouvi falar que ele entraria esse ano na escola. Como queria arranjar um amiguinho também para o Taetae, eu pesquisei os novatos que entrariam, e quando vi que ele era seu amigo logo deduzi que ele é boa gente.

  — Pesquisou os novatos? Mas isso não seria de acesso restrito aos diretores da escola? — Perguntou Jeon ao mais baixo.

  — Não para mim. Querido, eu sei tudo que acontece nessa escola. Tudo. Se alguém peida aqui dentro eu sei antes mesmo da pessoa sentir a necessidade. Enfim. Você já conheceu a escola Jungkook?

  — Já sim, Jin me mostrou hoje pela manhã.

  — É incrível, não é? Estou aqui há dois anos e ainda não me acostumei totalmente a todo esse luxo em uma escola, nossa senhora. Por mais que minha casa seja bem luxuosa sabe, eu -. — Então, pela décima quinta vez no dia brotou um ser ao lado de Baekhyun, respirando pesado com a mão no peito. — Tao, querido, o que houve?

  — Baekkie, o Min-Gwu está espalhando para a escola toda que você fez plástica! — Falou o garoto com dificuldade. — Vê se pode uma coisa dessas, amigo? Vai deixar assim? — Pôs as mãos na cintura.

  Baekhyun parou por um momento, pareceu ter congelado. Seu rosto foi ficando cada vez mais vermelho e sua expressão cada vez mais fechada.

  — Não. Não pode ser. Eu não acredito. EU. NÃO. ACREDITO. QUE AQUELE INVEJOSO ESTÁ ESPALHANDO BOATOS FALSOS SOBRE MIM! SÓ PORQUE ELE NÃO NASCEU COM ESSA PELE DE PÊSSEGO ELE SE ACHA NO DIREITO DE DIZER QUE EU FIZ PLÁSTICA? CHANNIE, VAMOS. — Puxou o namorado pela mão. — VOU ACABAR COM A RAÇA DAQUELE PROJETO MAL SUCEDIDO DE COBRA VENENOSA.  VOU PUXAR AQUELES CABELOS QUEBRADOS E RESSECAR AINDA MAIS AQUELA PELE OLEOSA E HORROROSA. SE ME ATACAR, EU DESTRUO.

  — ISSO MESMO AMIGO, DETONA COM ELE, ESSE MENINO VAI APRENDER QUE COM BYUN BAEKHYUN NÃO SE MEXE. — Disse o que havia chegado anteriormente, avisando de toda a confusão.

  E assim ele se foi, pisando forte, com o namorado atrás de si tentando, inutilmente, acalmá-lo, e o outro botando cada vez mais pilha. Sequer se despediu dos outros.

  — Esse garoto, seja quem for, é um garoto morto. Hyung odeia que falem essas coisas sobre ele. — Taehyung se manifestou. — Tomara que Chanyeol consiga o segurar, se não, o garoto pode dar adeus a seus cabelos.

  — Seu irmão é engraçado. Mas parece ser uma boa pessoa. — Jungkook disse depois de um tempo. Taehyung concordou.

— Ele é incrível, é o melhor Hyung do mundo.

  Jungkook riu fraco, e Taehyung pareceu ter se lembrado de algo.

  — Você e Jin são irmãos?

  — Não, não somos. Mas crescemos juntos, na mesma casa e tudo mais. Nos consideramos irmãos, só não somos de sangue. — Explicou Jin com um doce sorriso no rosto.

  — Ah, entendi, que fofo. Mas na mesma casa? Como assim? Em que cidade vocês moravam? Como é morar com alguém que não é seu parente de verdade?

  Os dois riram alto da quantidade enorme de perguntas disparadas pelo garoto, que só agora reparando, tinha cabelos laranja.

  — Tae, perguntas demais. Calma, vamos responder todas, só fale com calma sim? — Lhe disse Jungkook, sorrindo fechado. E começaram a conversar animadamente, como se fossem amigos de anos, respondendo a curiosidades do rapaz que demonstrava empolgação demais, não interessava quando. E quando Jungkook achava que não poderia acontecer novamente, mais uma vez o garoto de antes brotou ao lado da mesa, mais uma vez respirando pesado com a mão no peito.

  — TAE, O BAEK QUEBROU O NARIZ DO GAROTO, AÍ ELE LASCOU A UNHA E AGORA ESTÁ LÁ CHORANDO COM O CHANNIE POR TER DESPERDIÇADO UMA LASCA DE UNHA COM AQUELE GAROTO, ELE NÃO PARA DE CHORAR A GENTE NÃO SABE O QUE FAZER, ALÉM DE QUE O GAROTO QUANDO ESTAVA INDO PARA A ENFERMARIA DISSE QUE CONTARIA TUDO PARA O DIRETOR, POR FAVOR AJUDA.

  — CALMA TAO PELO AMOR DE JEOVÁ, CADÊ MEU IRMÃO?

  — NO PRÉDIO DA TERRA, VEM LOGO!

  — TÁ CALMA, TENHO QUE IR GENTE, DEPOIS A GENTE SE FALA, BEIJOS DE LUZ.

  E se foram, em meio a gritos e tropeços, socorrer o platinado que havia lascado uma unha socando o nariz do garoto das falsas acusações.

  Baekhyun é estranho. Taehyung é estranho. Aquele garoto também é estranho. Esse lugar é estranho. Mas é o estranho mais incrível que Jungkook já viu na vida.


Notas Finais


E AÍ GENTE
GOSTARAM DA NOSSA DIVA BAEKHYUN?
Cara, honestamente eu considero ele um dos melhores personagens dessa estória, pqp
ENFIMMMM
Esperamos mesmo que vocês tenham gostado desse capítulo, e que vocês continuem aguardando novos capítulos!
Até terça! :***


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...