História Time lines - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Greater Dog, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Gaster, Mistério, Undertale
Exibições 12
Palavras 1.603
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa, eu demorei de novo, juro que tentei postar mais cedo, mas eu estava passando por uma semana de prova e fui obrigado a enfrentar as hordas demoníacas da recuperação.

Mas felizmente, consegui derrotar as entidades da matemática e da física, carrego agora as escrituras sagradas do boletim que me permitirão transcender para a próxima etapa de minha educação.

Voltando ao que interessa, porque acho que vcs não querem saber da minha vida escolar.

Mais um capítulo prontinho pra vcs, espero que gostem e até as notas finais ;-)

Capítulo 7 - Have mercy


Fanfic / Fanfiction Time lines - Capítulo 7 - Have mercy

~ Gaster p.o.v


Ela me olha com cautela, seus olhos rubros agora mostram um brilho frio e assassino, mas isso não é a única coisa diferente no momento.


Minha forma sólida foi restaurada, não sou mais composto por um líquido negro e sim por ossos mais uma vez. Meu sobretudo preto, que havia se fundido comigo no void, voltou ao que era antes.


Chara persebe minha distração momentânea e avança contra mim desferindo um corte vertical de cima para baixo, dou um passo para trás e uso a mão com o poder da alma azul escura, no mesmo instante a alma de Chara fica azul e com um movimento de minha mão atiro ela para trás.


Ela voa vários metros e cai em cima das flores do grande jardim de Asgore, que também é sua sala do trono.


Chamo a mão verde e a ordeno que me cure, ela flutua até o ferimento e sinto a magia fluir dela para mim, sinto a costela que foi atingida pela faca de Chara se fechando novamente. Quando o processo termina a mão verde volta para junto das outras.


Nesse meio tempo Chara já havia se levantado e corre na minha direção, invoco dois gaster blasters, eles atiram nela ao mesmo tempo, mas seus reflexos são rápidos e ela consegue evita-los saltando por cima dos feixes.


Este salto deixa ela a centímetros de mim e ela cobre essa pequena distância com um estocada, seria um golpe impossível de se desviar se eu não tivesse a habilidade de teletransporte.


Me teletransporto para longe dela garantindo uma distância segura entre nós, “não quero mata-la, mas gostaria de saber mais sobre o poder da determinação e essa luta pode me garantir isso.”


- Quero que saiba de algo antes de continuar. - Digo elevando a voz.


Ela não responde, apenas me lança um sorriso sombrio e aponta a faca na minha direção.


- Há apenas duas maneiras de você sair daqui, comigo ou sem mim. Faça sua escolha.


Ela avança na minha direção, parece estar mais rápida do que antes, ela cobre a distância que nos separa em um piscar de olhos e me ataca com um corte vertical de cima para baixo.


Consigo desviar no último segundo, mas seus ataques não param, a faca continua a passar muito perto de mim como um borrão branco e reluzente, sempre mirando onde meu corpo está desprotegido com uma precisão mortal.


Levanto minha mão e uso o poder azul, arremessando-a para o outro lado da sala.


Assim que ela se levanta convoco a mão com a alma amarela, atiro pequenos projéteis de energia amarela na direção dela, que é atingida por alguns, mas eu não boto muita intensidade nos ataques, ela solta uma gargalhada e começa a correr na minha direção novamente.


Ela não desvia, simplesmente corre pra cima dos ataques até chegar a mim. Ela da um salto e prepara a faca para me perfurar, eu não desvio, simplesmente contra ataco.


Uso a mão azul claro para levantar uma muralha de ossos azuis (ataques azuis = placas de pare azuis) não há como parar e ela se choca contra os ossos, não perco tempo e uso a mão roxa, que lança um emaranhado de fios na direção dela, os fios não causam dano mas deixam ela presa.


Aproveito para usar a mão laranja, ela tem uma pequena peculiaridade, não há como diminuir a intensidade dos ataques dela.


Assim que a mão se aproxima de mim um imenso punho laranja começa a surgir envolvendo a pequena mão, que dispara na direção de Chara, acertando-a em cheio e rompendo os fios.


Enquanto ela cai consigo ver uma pequena rachadura aparecer em sua alma. “Devo tomar mais cuidado, qualquer ataque é capaz de mata-la agora.”


Chara se levanta mais uma vez. “Devo dizer que é impressionante como o poder da determinação funciona, mesmo mortalmente ferida sua velocidade e ataque continuam aumentando, creio que não sou mais capaz de sobreviver se ela me acertar.”


E mais uma vez ela corre na minha direção com a faca pronta para me acertar, dessa vez ela não me dá brecha para contra atacar, sou fulminado por inúmeros ataques muito rápidos, ela não para até que perco o rítimo e a faca penetra meu sobretudo preto.


Olho perplexo para Chara e caio de joelhos, ela chega mais perto para dizer algo, mas antes que o faça eu sussurro em seu ouvido.


- Você errou


Eu a empurro e uso a mão azul para arremessar ela ainda mais longe. A faca passou entre as minhas costelas e não acertou nenhum dos ossos. “As vezes eu esqueço que tenho essa pequena vantagem.”


De qualquer forma, já aprendi o suficiente sobre a determinação e minha experiência está começando a ficar perigosa, é hora de acabar com isso.


~Chara p.o.v.


“Esqueleto desgraçado, fingiu ter sido atingido só pra rir de mim, você vai pagar por isso, poça de gosma.”


Corro pra cima dele de novo, mas quando chego perto ele some e reaparece do outro lado da sala.


- Foi bastante interessante, nossa luta até agora, mas temo que ela tenha que acabar - Diz Gaster.

- Você não conseguiu me matar até agora e quase morreu duas vezes durante a luta, o que te faz pensar que vai conseguir terminar essa luta com vida? - Digo em um tom irônico.

- Simples, minha criança, esse curto período de tempo que gastamos lutando para mim não passou de um experimento, tenho interesse em saber qual a singularidade de sua alma e agora eu sei, não há mais motivos para prolongar essa luta.


Ele para de falar, se teletransporta ligeiramente para o lado e continua a fazer isso cada vez mais rápido ao redor de mim e continua  me olhando durante os teletransportes, ele fica tão rápido que imagens dele se formam ao meu redor.


Ele se vira para o lado e começa a andar enquanto se teletransporta e as imagens o seguem quase de imediato.


Tento acertar um ponto do grande círculo que ele formou ao meu redor, mas a faca simplesmente passa sem encostar em nada.


- Você fez a sua escolha, Chara. - A voz dele vem de todos os lados - Agora é a minha vez.


Um gigantesco gaster blaster aparece ao lado dele, esse é muito diferente dos outros, é três vezes maior que um gaster blaster normal e tem dois grandes chifres que saem de sua lateral e fazem uma curva para cima, muito parecido com um crânio de boi.


Ele se teletransporta junto com Gaster, sua boca vai abrindo lentamente conforme suas imagens me cercam.


A boca do gaster blaster se abre por completo revelando uma grande esfera branca, as imagens começam a desaparecer, mas não há nada ao meu redor e uma luz forte ilumina as minhas costas.


Me viro e vejo o gigantesco gaster blaster em cima de mim, quase encostando em minha testa, coloco os braços na frente do rosto, me abaixo e fecho os olhos. “Não da tempo de desviar.”


Ele dispara, o som é ensurdecedor, mas eu não sinto nada além de uma pressão na mão direita e logo em seguida ouço o barulho de metal se quebrando.


Continuo com os olhos fechados por um tempo até tomar coragem para abri-los de novo, Gaster está sentado de costas pra mim admirando as flores que cobrem a sala.


- O que você fez? - Pergunto sem entender oque aconteceu.

- Não está sentindo falta de nada? - Pergunta ele em um tom sarcástico.


- Olho pra minha mão direita, único lugar do meu corpo em que senti alguma coisa, e também é a mão que estava segurando a faca, e realmente era pra eu estar sentindo falta de algo, minha faca não está mais comigo.


- Minha faca…

- Destruída - Ele me interrompe - sem ela você não tem uma arma, e sem uma arma não vai poder lutar contra mim e isso te deixa com uma única escolha, sair daqui comigo.

- Eu te odeio.

- Não, você não me odeia, eu apenas estou no seu caminho.

- Você não sabe nada sobre mim.

- Eu sei o bastante, seu ódio nunca foi contra os monstros e sim contra os humanos. Eles a atiraram no interior do Mt. Ebott, massacraram e trancafiaram neste o lugar, os monstros que te acolheram.

“Eu entendo seu ódio pela humanidade, Chara, eu também cultivava esse mesmo ódio, mas Frisk me fez enxergar os humanos de maneira diferente. Sempre existirão aqueles que querem o nosso mal, mas não podemos nos esquecer daqueles que querem nos ajudar.”

“Muito tempo se passou, as pessoas mudam. Dê uma chance à elas. Volte a ser aquela criança que os Dreemurr acolheram.”


Não sei porque, mas sinto um aperto no peito e lágrimas começam a se formar, me viro de costas para ele esfrego as mãos no rosto para secar elas


- Vamos deixar isso tudo para trás, você tem seu corpo novamente, tem sua vida de volta. Não vale a pena se dedicar ao ódio. - Diz ele colocando uma mão em meu ombro.

- Acha mesmo que isso é possível? - Pergunto ríspida - Acha que vão ignorar tudo que eu fiz?

- Nada disso importa, eu mudei, você mudou, estamos juntos nessa caminhada. Você sempre pode contar comigo.

- Obrigada, doutor…

- Doutor não, muito formal. Pode me chamar como preferir.

- Velhote ou poça de gosma? Qual você prefere? - Pergunto com um pequeno sorriso.

- Tudo bem, você fez eu me arrepender disso.


Ele se levanta e estende a mão pra mim. “O que ele tem contra andar?”


- Vamos. Frisk vai ficar muito feliz em ver você.

- Como você sabe?

- Intuição

- Tudo bem, mas temos que ver uma pessoa antes. - Digo pegando a mão dele.

- Quem? - Pergunta ele confuso.

- Meu irmão, Asriel.


Ele fica sério no mesmo instante, assumindo uma expressão pensativa e preocupada.

- Nós iremos, mas temo que encontraremos outra pessoa no lugar de Asriel.


Notas Finais


Críticas são bem vindas, as negativas serão aceitas com seriedade e tentarei melhorar, as positivas terão um lugarzinho especial no meu coração.

Talvez o próximo capítulo seja apenas no ponto de vista da Chara.

Até mais(vou tentar postar mais rápido).


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...