História Timetale - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, W. D. Gaster
Tags Bonnieweirdy, Drama, Echofell, Echotale, Error, Flowerfell, Ink!sans, Inktale, Linha Do Tempo, Magia, Meu Deus Quanta Tag, Shippagem, Time, Timetale, Tortura, Underfell, Underswap, Undertale, Universo Alternativo
Exibições 36
Palavras 1.369
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


AAAAAAA
q sono
DEMOROU MAIS CHEGOU
TA
DSCLP ;-;
(mais uma capa mó wtf <3)

Capítulo 7 - Sétimo - Surprise


Fanfic / Fanfiction Timetale - Capítulo 7 - Sétimo - Surprise

 

TIMETALE

-

Sétimo - Surprise~

 

Seu olho brilhava intensamente, assim como as lágrimas que escorriam pelo seu rosto ossudo. Queria se esconder e chorar toda a dor que dominava seu corpo, mas não queria, ao mesmo tempo. Precisava parar aquela criança antes que fosse tarde demais.

Escondeu o rosto com o capuz para não ser notado, e murmurou com voz trêmula:

Se você deixar ela morrer, você terá um tempo muito ruim, garoto. Te vejo por aí.

Depois de demonstrar seu amor e carinho pelo outro esqueleto, saiu do local, pegando um atalho. O cachecol alaranjado não merecia ficar jogado na neve daquele jeito, afinal.

***

 

– O clima tá bem tenso, huh? H-haha... poderíamos quebrar esse gelo com um evento bom, tipo, os seus olhos abrindo. E-Eu gosto da cor dos seus olhos! Lembra quando... e-eles eram roxos? E-Era legal, não? – perguntou, sorrindo fraco. Segurava Time em seus braços, como se a a abraçasse. – Heh... enfim... você quer... t-tipo, ouvir uma piada?

O silêncio foi o sim que o esqueleto recebeu.

– T-Toc... T-Toc to-toc... – riu rouco. Silêncio novamente. – Então, você pergunta “quem é”... e eu respondo, “eu”. Aí você pergunta de novo, “eu quem?”.  E eu respondo, por fim: “eu não quero te perder”. E-Engraçado, não?

Suspirou, tocando no rosto alheio e acariciando de leve, se lembrando dos momentos que viveu com ela e o quanto amava esses momentos. A primeira vez que eles jogaram dominó, e Time perdeu descaradamente. Quando brincaram de duas verdades e uma mentira, jogo que Time ganhou três vezes – afinal, ela sabia de tudo. Menos como ganhar no xadrez. Nisso ela era péssima.

– Ei. Você tem linhas do tempo para cuidar, então... Time... por favor... eu só te peço que abra os olhos, apenas para que eu possa saber que está viva. – murmurou. Fechou seus olhos num suspiro, e deitou o corpo nas flores, se sentando mais confortavelmente. Continuaria ali, por mais que melhorasse seu humor abraçá-la.

Ele estava prestes a chamar por Blueberry quando sentiu uma mão em sua bochecha ossuda, fazendo carinho com o polegar na mesma. O esqueleto abriu os olhos ao os arregalar, e se deparou com Time sentada a sua frente, totalmente saudável e sorridente.

– Time! – exclamou, abraçando-a com um sorriso no rosto. – Pare de fazer esse tipo de coisa comigo, idiota! Sabia que eu fui ameaçado de morte por seu amiguinho esquelético? Aquilo me deu medo, tá?

Certo, certo. Eu estava dormindo, desmaiei, ok? Desculpa. – a ruiva riu, mas ao lembrar de Sans desmanchou sua expressão e encarou Ink, preocupada. – E o Papyrus? Ele... realmente...?

Ink suspirou, assentindo tristemente. A ruiva mordeu o lábio e cruzou os braços, sentindo um frio percorrer todo seu corpo. Abriu um tímido sorriso, e tocou na mão de Ink com esperança de animá-lo também. Ele a encarou, preocupado.

– Eu... eu tenho que voltar pra minha seção, lá em cima... você está realmente bem? Não vai ter nenhuma recaída ou algo do tipo? Estou preocupado contigo.

Não, eu estou bem! Pode ir. Eu sei me cuidar, e qualquer coisa eu lhe chamo. Vai lá, as AU’s precisam do herói delas. – disse a menina, piscando. O esqueleto riu e se levantou, indo procurar suas armas pelo cômodo. Time suspirou e voltou-se para a tela principal, que agora mostrava uma luta do humano com Shyren. Sentou-se mais direita nas flores, e assistiu toda a trilha de poeira que o humano causava. Suspirou novamente, mas hora um suspiro de raiva.

Sentiu uma mão em seu ombro, e tentou sorrir fraco ao ver Ink com seu pincel apoiado no ombro.

– Vou indo. Se cuida, ok? Qualquer coisa me chame – estou aqui para você. Ou, pode usar seus troços voadores e brilhantes. Eles são bem uteis. – o esqueleto disse, sorrindo e se afastando.

Ok! Até mais. – assentiu, e observou Ink teleportar em um clarão de cores variadas. Suspirou, voltando para o telão e novamente se sentando.

Até que, repentinamente, murmurou, atenta aos barulhos atrás de si:

Tão cedo assim, Error? Pensei que demoraria mais.

Sabia que você era esperta~. Bom, vamos direto ao ponto. Venha comigo, ou...

A menina não deixou ele terminar, lançando um laser dourado na direção do esqueleto negro – este que riu.

Então... será do jeito difícil? – perguntou ele, desviando. Time sorriu de forma desafiadora. – Se prepare; eu recarreguei meus blasters mais cedo, garota.

Os dois se posicionaram, e de suas mãos faíscas saíam. Como primeiro ato, Time lançou um poderoso blaster na direção do outro, que – com dificuldade – desviou e riu, lançando ossos na mesma. Time teleportou para trás dele e tentou um laser, mas ele desviou.

Isso vai demorar, não? – perguntou a ruiva, teleportando enquanto ele lançava-a diversos tiros. O esqueleto suspirou, sumindo por uns instantes. Time  olhou ao redor, confusa, procurando o lugar onde seu rival tinha ido parar.

Sentiu alguém atrás de si, e logo se virou, criando um escudo dourado e sorrindo vitoriosa. Error sorriu junto.

Demorará o quanto precisar.

***

 

– Então... aquilo... aquilo afetou bastante a Time, certo? Quando o jogador mata ou conquista algum momento marcante do jogo, ela é afetada. Isso é bom para nós! – o esqueleto comentou, sorrindo. Era a primeira vez que Ink via seu parceiro sorrir, e aquilo o deixava animado, de alguma forma. Mas não o suficiente.

– Acha que eu deveria ter deixado ela sozinha, Dream? Eu deveria estar cuidando dela, certo? Como Gaster me pediu. – perguntou. Dream negou com a cabeça, bufando.

– Ela precisa do espaço dela. E, ela tem poderes, certo? Consegue se proteger!

– Eu sei mas... vai que Error chega mais cedo. – pensou com o outro, que bufou, batendo na cabeça alheia. – Ouch!

– Pare de pensar coisas rui-..

Seus olhos pararam num ponto escuro, no qual outro esqueleto com roupas extravagantes e desnecessárias estava, tentando se esconder.

– Ei! Quem é você? – perguntou, fazendo o esqueleto escondido gaguejar e correr. Dream teleportou até ele, segurando-o pelo casaco negro. Ink voltou com outro, este que estava preso por uma aura negra, feita de nanquim. – E você, também?

– Hey hey! Não é culpa nossa, certo? – o que usava roupas rasgadas (e tinha também uma cara de psicopata) disse, rindo nervosamente. – Digo... E-Error que nos mandou aqui e-...

– HORROR! – o outro exclamou, fechando sua boca depois. Horror bufou, o encarando com ódio. – N-Nós não conhecemos o Error, não é como se trabalhássemos para ele ou coisa do ti-..

Vocês. Trabalham. Para. O Error? – perguntou Ink pausadamente, com um brilho colorido saindo de seu olho esquerdo. Os dois que estavam presos engoliram em seco. – ME RESPONDAM, LOGO!

– Eeek! S-Sim, nós trabalhamos para ele!! – o esqueleto até agora sem identidade soltou, tremendo.

– Me digam, onde ele está? Ele foi se encontrar com Time?! – perguntou novamente, desta vez se dirigindo a Horror. – FALE, LOGO!

– Aaaah!! Não nos mate! Sim, ele foi capturá-la! O plano dele é chegar até você através da tortura, ele quer torturar ela!

O esqueleto maior – tomado por fúria – largou o que segurava no chão, e Dream largou o outro também. Os dois prenderam os invasores em um universo que sabiam ser amedrontador, e teleportaram para Undertale, destinados a Sala do Tempo.

Horror e Lust (o outro) olharam em volta, confusos. Era um calabouço, mas não sabiam em que lugar aquele calabouço estava. Quando iam chamar por ajuda, viram algo se mexer no canto escuro do local. Uma música alta começou a tocar distante, mas eles ainda conseguiam escutar sua letra.

– Ah não... – murmurou Horror.

– ISSO NÃO!! EEK! – exclamou Lust, tremendo no cantinho.

E então, alto, começou a tocar “Friday”; músicas do mundo humano.

Uma tortura pior do que armas.

***

 

Ink e Dream chegaram ofegantes a parede da Sala do Tempo, procurando algum sinal de invasão. Mas nada acharam, e isso apenas os preocupou mais ainda. Ink pegou seu pincel, pronto para destruir aquela porta, mas foi impedido por Dream.

– Eu acho que ouvi algo... – sussurrou. Os dois ficaram em silêncio, até que um estrondo fio escutado do lado de dentro. Eles iam se aproximar, quando a parede em sua frente explodiu, e voou lá de dentro um esqueleto negro como carvão. Time veio andando e limpando as mãos, vitoriosa. O esqueleto caído bufou, se limpando e se levantando, pronto para atacar.

Os dois que assistiam perceberam que a batalha estava  apenas começando.


Notas Finais


FICOU UMA BOSTA? sim
EU TO COM SONO? to
desculpa, eu só to bem cansada e isso foi o que saiu ;----;
um beijo na bundinha
bonnie


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...