História TimeTale - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Tags Universo Alternativo
Exibições 20
Palavras 1.352
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


espero que gostem e se tiver ruim podem falar, eu sou um autor novato então se tiver algo errado e por isso, bom eu pensei em criar essa AU eu te pesquisei para ver se ela já existia mas não encontrei nada se alguém descobrir se essa AU já existia me avise nos comentários ou em mensagem privada.

Capítulo 1 - 1 hora: underground


Estava fugindo, correndo o mais rápido que podia não posso deixar que me pegassem não posso deixar que usem meu poder para o mal, então continuo correndo enquanto sentia minha alma se preencher de medo e desespero. Minha pele vários aranhões causados pelos galhos e arbustos espinhentos que me furavam e arranhavam ao passar correndo entre eles, mas não podia me deixar abater por estes simples machucados sendo que poderiam fazer piores em mim se me pegassem bem vocês não devem estar entendendo nada então vamos voltar do começo afinal todos merecem saber a verdade.

-----------------------------------------------------{INICIO}------------------------------------------------------

Lá estava eu correndo pela floresta  com o objetivo de chegar a o misterioso Mont Ebott cuja as lendas diziam ser um local do qual nenhuma pessoa voltava ao ir lá, e eu, como uma garota curiosa decidi explorar o local e resolver esse grande mistério. Depois de vários minutos de caminhada e algumas pausas para reabastecer minha agua eu finalmente cheguei ao topo da Montanha e constei que não avia nada de interessante por ali.

Convencida de que não existia realmente nada de misterioso no local decido voltar para a cidade antes que alguém do orfanato perceba que não estou presente, começo a descer pelo mesmo caminho que usei para chegar ao topo quando de súbito sinto uma forte onda de energia passar por mim e fluir pela minha alma antes de desaparecer olhei em volta estranhando e dou mais uma volta no local tentando achar a origem dessa estranha energia ela era muito familiar parecia a energia que compunha uma alma, mas era de certa forma diferente, igual e ao mesmo tempo diferente. Depois de um tempo procurando eu encontro a entrada de uma caverna

- curioso isso não estava aqui antes. -coloco a mão no queixo pensativa enquanto teorias de como aquela caverna avia aparecido de uma hora pra outra mas nenhuma parecia ser provável.

 Ignorando minha linha de raciocínio voltei minha atenção para a entrada da caverna e ponderei se devia entrar ou simplesmente ignorar e voltar para a cidade, mas como avia dito sou uma menina curiosa e minha curiosidade falou mais alto naquele momento olhei mais uma vez pra trás  antes de entrar na escuridão da caverna.

Não conseguia enxergar a um palmo da minha mão e só conseguia ouvir o barulho de água pingando, e o som do meu coração que acelerava com o medo e ansiedade quando de súbito ouso um barulho atrás de mim e instantaneamente começo a correr de medo e sem conseguir enxergar nada a minha frente paro por alguns segundos tentando estabilizar minha respiração me virei de costas e comecei a caminhar para trás tentando avistar alguma coisa, e tudo que me lembro foi de tropeçar em alguma coisa, o chão sumindo debaixo dos meus pés e o vento passando pelo meu corpo enquanto despencava na escuridão do abismo e depois tudo escureceu.

-----------------------------------------[ QUEBRA DO TEMPO ]----------------------------------------------

Sentia a luz bater e meu rosto e aos poucos fui abrindo meus olhos estava deitada sobre alguma coisa confortável levanto e olho para o local onde estava deitada a alguns momentos atrás e vi que era um uma cama de flores mas as pétalas tinham um formato estranho pareciam ponteiros de um relógio olhei um volta e constei que as flores eram a única coisa viva naquela sala andei pelo local e encontrei uma passagem no final dela avia um portão passei através dele e vi uma pequena flor em um único campo iluminado na sala e me aproximei dela e toquei nas pétalas que também tinham o estranho formato de ponteiros de um relógio.

- hoydey sou time!flowey a flor de tempo você e uma humana não e .-dei um salto pra trás com o susto a flor estava falando  COMIGO, cheguei perto dela e comecei a examina-la procurando alguma entrada pra pilhas ou algum tipo de botão de liga e desliga e a única explicação logica que achei ela e um robô.

- hey o que esta fazendo?  -olhei para a flor curiosa.

- o que e você? Algum tipo de brinquedo .-passei a mão pelas pétalas de flowey e uma vinha deu uma fraca chicotada na minha mão fazendo arder um pouco.

- não me toque desse jeito humana, e respondendo sua pergunta não sou um brinquedo eu sou um monstro .- mandei um olhar confuso pra flowey e ele suspirou.

- qual o seu nome garota ?- ele perguntou tentando fazer gestos com as folhas em seu caule como se fossem pequenos braços.

- ah me desculpe meu nome Frisk  .- me perguntava porque ele queria saber meu nome mas botei esse pensamento de lado.

- bom Frisk acho que o bom e velho eu terei de te ensinar umas coisinhas .- após dizer isso toda a sala escureceu, mas por algum motivo flowey ainda podia ser visto mesmo sem luz, a minha frente uma ampulheta vermelha flutuava na altura do meu peito.

- esta vendo essa ampulheta ela e a sua alma a própria culminação do seu ser muitos monstros tentaram tomar sua alma então você deve lutar, mas sua alma e fraca e para torna-la mais forte você precisa de mais LV .- ele olhou divertido pra mim e por um momento pude ver um brilho de malicia em seus olhos mais acho que era so coisa da minha cabeça, então perguntei o que era esse tal de LV.

- o que e LV, ora, LOVE e claro você quer love não quer .- ele piscou um olho uma pequena pétala em forma de ponteiro apareceu mas não demorou a sumir.

- o love e compartilhado por estas pequenas e brancas balinhas de amizade temporal .- varias das tais “balinhas” surgiram – vamos pegue o máximo que puder.

Ele lançou as balinhas na minha direção e eu fiquei parada no mesmo lugar quando as “balinhas” tocaram minha alma eu senti uma dor absurda me fazendo cair de joelhos olhei para Flowey e ele estava com um sorriso psicótico no rosto.

- HAHAHA, não acredito que você caiu nessa quem desperdiçaria uma oportunidade dessas quando eu tiver sua alma determinada eu finalmente poderei voltar no tempo e impedir aquela tragédia, agora faça um favor para mim e ... MORRA.- ele disse pausadamente e começou a rir cinicamente, varias pétalas rodearam minha alma e um desespero tomou conta de mim eu não quero morrer, não assim, não desse jeito.

- PARE.- eu gritei com todas as minhas forças e minha alma começou a brilhar num forte tom de vermelho e antes que o taque de Flowey encostasse na minha alma um impulso de energia foi liberada dela e tudo parou, o ataque parou, as risadas pararam ate mesmo a própria flor estava imóvel congelada com as feições assustadoras, aos poucos me levantei ainda com dor e me aproximei da minha alma a tomando nos braços e sai correndo do local e depois de alguns segundos as risadas voltaram e logo em seguida um grito de ódio, não fiquei ali para ver se ele tentaria me seguir subi pela escadaria e corri para a próxima sala dando de cara com um novo monstro de costas, ela se virou pra mim e pude ver que era uma cabra seu pelo tão branco quanto a neve e os olhos azuis como o céu, ela estava usando um vestido com estampas de relógios e ampulhetas e um estranho símbolo na região que cobre o tórax, andei pra trás conforme ela se aproximava e vendo minhas feições assustadas ela parou.

- o que a de errado criança porque esta tão assustada ?- ela me olhou preocupada e vendo que ela não tinha intenção de me atacar corri para os braços peludos da monstra enquanto chorava sobre seu ombro.

-  po-porfavor na-não deixa aquela coisa me pe-pegar .- dizia com uma voz chorosa

- esta tudo bem minha criança esta segura agora .-ele me abraçou – esta tudo bem.

Ela acaricio minha cabeça e ficamos ali agachadas enquanto ela me reconfortava e depois de um tempo eu dormi no seu colo, sabendo que estou segura me enche de determinação. 


Notas Finais


para quem não sabe eu estou escrevendo uma fanfic interativa e ainda a vagas femininas e masculinas, e esse fim de semana vai ter um novo capitulo tanto dessa fic quanto da interativa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...