História To Find Me – Fanfic Taehyung. - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~Kotami

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Personagens Originais, Suga, V
Tags Bts, Hoseok, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Suga, Taehyung, Yoongi
Exibições 60
Palavras 1.986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente tudo na paz? Mais um capítulo mais uma semana :v

Capítulo 8 - Contrato


Fanfic / Fanfiction To Find Me – Fanfic Taehyung. - Capítulo 8 - Contrato

Normalmente, sempre que eu "acordava" dos meus "sonhos" habituais, parecia que tudo tinha sido realmente um sonho, mas naquele dia foi totalmente ao contrário, eu acordei com total certeza de que tudo tinha sido real.

Me levantei com um pouco de tontura, enquanto tocava a grama molhada e macia com a ponta dos dedos e sentia o corpo mole, porém um tanto dolorido. Eu não reconheci de primeira aquele lugar, parecia mais um parque, onde pude avistar uma fonte, bancos de madeira espalhados e crianças correndo e brincando.

Estava claro que aquele não era o meu quarto e por mais que eu quisesse parecer surpresa, eu não conseguia, minha cabeça estava uma verdadeira confusão, onde eu só entendia que precisava me levantar rápido e ir atrás do livro.

Olhei para o lado e vi os garotos que eu sabia que viriam comigo, porém não sabia que suas feições mudariam tanto, por exemplo, Jimin estava com uma aparência calma e descansada, cabelos pretos e ligeiramente bagunçados, enquanto Taehyung estava com os cabelos castanhos, olhos um pouco mais escuros, quase pretos e uma expressão de extremo cansaço e eu podia jurar que ele estava babando na grama.

– Acordem logo que eu não estou afim de carregar peso morto! – falei, sacudindo os dois, enquanto via algumas pessoas passando e nos olhando de forma estranha.

– Só mais cinco minutinhos omma! – Jimin resmungou e se virou para o outro lado, me ignorando completamente.

– Cinco minutinhos nada! – chuto sua bunda – ANDA SEUS BOSTAS!

Taehyung levantou rapidamente, arregalando os olhos e mostrando que estava assustado com o meu grito, assim como as crianças que brincavam em um balanço próximo, inclusive, uma começou a chorar e aquilo me deixou super constrangida, já que eu é quem seria conhecida como a louca do parque e não eles.

– Levanta Jimin, antes que essa maluca grite de novo! – Taehyung deu um leve chute em Jimin e o mesmo levantou ainda sonolento.

Seria cômico se não fosse um desastre, pois parecíamos um bando de desabrigados pelos pais ou de pessoas bêbadas que haviam chegado no parque de madrugada depois de uma festa, achando que estavam em casa.

A verdade era que a única coisa que passava por minha cabeça era que estávamos passando vergonha e não havia se passado nem dez minutos desde que acordamos, o que nos dava uma nota máxima no quesito estupidez por não sabermos lidar com situações de desespero.

Sim, nós estávamos desesperados, só não havíamos deixado isso transparecer.

Eu conhecia Taehyung já fazia algum tempo e mesmo que ainda estivéssemos distantes um do outro, eu ainda sentia vontade de conversar com ele, puxar algum tipo de assunto, me fazer presente em sua vida, como se tivéssemos uma ligação muito forte, onde éramos ligados por correntes que jamais poderiam ser quebradas, então era fato que eu sabia quando ele não estava tranquilo e sim quase surtando.

Eu estava me iludindo? Talvez, mas eu sou a personificação da ilusão, então a lógica da minha vida é essa: se iluda sempre que possível, caso contrário você não será você mesma.

Eu levo isso bem à sério, ainda mais quando se trata de nutrir sentimentos por outras pessoas e fica tudo mais emocionante quando essa pessoa deixa quase que claro que não quer nada comigo e não, eu não estou dizendo que estou apaixonada por Taehyung, longe disso, porém eu o acho muito atraente e misterioso, uma coisa que me atrai nos garotos, ainda mais quando eles tem um rosto, uma pele, um cabelo maravilhoso... sem contar no sorriso quadrado.... AHHH O SORRISO DO TAEHYUNG!

Desculpa, acho que me empolguei, mas voltando ao assunto principal, o qual eu realmente vim contar: a missão! Precisávamos encontrar o livro e ele devia estar na livraria de antes, onde eu encontrei aquele garoto pela primeira vez e olhando ao redor mais uma vez, agora totalmente acordada, eu pude perceber que não estávamos tão longe do local onde deveríamos ir.

– Como é que viemos parar aqui? – Taehyung perguntou confuso, enquanto saímos do parque.

– Presentinho do Jungkook, aparentemente ele não gostou de você e quis brincar um pouco. – Jimin explicou, soltando uma risadinha.

– Por que ele não gostou de mim? – Taehyung perguntou, com o cenho franzido.

– Por causa dela... – Jimin apontou para mim com o olhar me fazendo corar.

Continuamos o caminho em silêncio, não tínhamos muito o que conversar, o fato de estarmos atrás de algo aparentemente perigoso era um tanto assustador para mim e eu não queria demonstrar isso no meu tom de voz, acho que seria demasiado inútil no momento, afinal, os meninos não podiam ficar se preocupando comigo na missão, eles tinham que focar na tarefa que precisavam exercer.

Fiquei tão pensativa que só me dei conta que estava andando à um metro de atraso de Taehyung e Jimin quando meu olhar se encontrou com a nuca do mais novo, me fazendo fitar os fios aparentemente sedosos e brilhosos, que se estendiam de forma bagunçada, demonstrando um desleixo que chegava a ser um charme seu. Ele estava me chamando atenção de certa forma nos últimos dias, o jeito que estava agindo perante algumas situações me deixava aflita, pois parecia que ele estava se importando demais com algo que não deveria ser importante, não para ele que sempre estava com aquele olhar vazio, sempre fitando o nada...

– Qual o plano? – Jimin perguntou, me tirando bruscamente de meus devaneios.

– Pegar o livro e sair. – afirmei com veemência.

– Acha que vai ser fácil assim? – Taehyung revirou os olhos, me fazendo sentir a aspereza em sua voz.

– Acho, da primeira vez foi bem fácil. – me adiantei, ficando alguns passos à frente dos dois.

– Agora não vai ser, sinto que não vai... – Jimin constatou.

– Virou vidente, querido? – questionei, como um deboche.

– O meu plano é distração, ele não é tão fácil de dobrar, então precisamos distraí-lo, enquanto pegamos o livro. – Taehyung opinou, deixando claro que ele queria liderar a missão e que eu e Jimin precisávamos fazer o que ele estava mandando para dar tudo certo.

– A Min Soo pode ditraí-lo, ela inventa umas histórias meio idiotas, cheias de criatividade, igual as mentiras dela que eu aposto que vai prender a atenção dele, nem que seja pra rir da cara dela.

– Jimin! – o repreendi – Não é assim que se fala com as pessoas, nem que seja para salvar a sua pele! Isso é falta de respeito, ainda mais quando se trata de um ser tão maravilhoso quanto eu!

Ouvi os dois rirem e não estavam fazendo isso comigo e sim de mim, logo o que parecia ser uma piada sem graça feita por mim, se tornou uma zoação gratuita do dois.

Eu não mereço isso...

(...)

A porta rangeu ao ser aberta pelas pequenas mãos de Jimin, que adentrou com um certo receio estampado em sua postura, seguido por mim e por Taehyung que fechou a mesma atrás de sí, enquanto passava a observar as estantes de livros da loja, o visual que chamava atenção e o balcão vazio onde deveria estar o vendedor ou responsável pelo estabelecimento.

Novamente o corvo estava próximo ao balcão, parecendo nos olhar de forma que dissesse que aquele não era um bom lugar para estar, porém, nada era exatamente claro, já que ele era um animal e eu podia estar apenas louca, vendo coisas onde não havia nada.

– Ele não está aqui. – Jimin afirmou.

– Deve estar no segundo andar, olha... – Taehyung apontou para uma placa que não havíamos visto bem em cima de um quadro que estava preso à parede, dizendo que o responsável estava em horário de almoço – Julgando pelo cheiro de comida, ele está lá em cima, onde deve haver algum quartinho, banheiro, sei lá... essas coisas que tem atrás ou por cima das lojas!

– Ok, então o plano é o seguinte, eu o distraio, enquanto vocês procuram o livro pela loja e no resto do acervo.

– Ótimo, vou adorar procurar um livro velho e empoeirado. – Jimin revirou os olhos.

E assim fizemos. Eu subi as escadas de ferro em estilo caracol, enquanto os meninos ficaram no térreo, procurando o livro.

Certamente aquilo que estava diante de mim era apenas um quartinho, onde o rapaz que eu estava procurando ficava quando precisava comer ou descansar, fora que ao lado eu pude notar uma porta, que talvez fosse um banheiro. Havia um sofá um tanto velho de três lugares, um microondas sobre uma mesa, um pequeno frigobar e uma tv.

Andei um pouco pelo local, observando as paredes com a pintura gasta e me surpreendi quando o garoto que havia visto há um tempo atrás saiu da porta que julguei ser um banheiro e me olhou com uma de suas sobrancelhas arqueadas, antes de se jogar no sofá.

Eu não sabia muito bem o que falar, mas ele não parecia nenhum pouco surpreso com a minha presença, pelo contrário, ele me olhava de forma divertida, como se já me esperasse, o que fez meu corpo arrepiar. Sua proximidade era gélida, mesmo que à metros de distância, eu podia sentir.

– O que faz aqui? – perguntou e eu quase jurei que ele estava se fingindo de desentendido.

– Eu quero respostas.

Até hoje tento entender o que deu em mim quando disse aquilo, pois eu não planejava, foi quase que automático. Talvez fosse uma pergunta que estivesse no meu subconsciente, guardada, pronta para ser posta para fora no menor descuido que eu tivesse.

– Eu sei tudo o que você quer saber e a verdade é que você pode, mas saiba que tudo tem um preço e você não pode fugir dele, nunca mais.

– Me conte então, eu quero saber. – me sentei no sofá ao seu lado e a cada palavra que saía da minha boca eu ficava cada vez mais confusa, pois eu não as queria dizer, eu precisava me concentrar no plano, mas ele prendia a minha atenção e me fazia ter atos que eu não gostaria de ter – Kim Namjoon, certo? – ele concordou com a cabeça – Então, Kim Namjoon, me conte tudo o que você sabe!

– Você devia ter morrido naquele acidente, mas resolveram lhe dar uma outra chance, contanto que você ajudasse esse garoto que você tanto se sente atraída, mas não entende o porquê. – ele cuspia as palavras de forma brusca, e eu tentava apenas acompanhar ao máximo sem me perder em sua quase grosseria – Ele precisa da sua ajuda para poder achar algo muito importante... a própria identidade.

– E por qual motivo me escolheram?

E foi nesse momento que me dei contar que talvez Taehyung e Jimin poderiam não achar o livro, logo aquilo tudo estaria sendo em vão. Eu precisava me concentrar e mudar o plano completamente e seguindo a lógica de todos os filmes que eu já havia visto, a única forma de conseguir fazer com que um garoto faça tudo que você quer é o seduzindo e mesmo sem qualquer tipo de prática, eu coloquei meu plano para funcionar, assim poderia fazer com que Namjoon me desse o livro, sem nenhuma enrolação. Apoiei a minha mão na parte interna de sua coxa, onde ele direcionou o olhar. Estava sorrindo, mas eu não conseguia prestar atenção no seu sorriso quando o meu nervosismo chamava mais atenção.

– Você é especial de alguma forma, mas precisa prometer que dará até a própria vid se for necessário, para ajudá-lo.

Então, sem pensar, eu selei nossos lábios, não percebendo que logo em seguiad fui puxada abruptamente por dedos que conhecia, eram de Taehyung.

– O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO? – seus olhos estavam arregalados e seu tom de voz era um misto de raiva e receio – Você beijou a morte? Idiota, você acabou de fazer um contrato.

E olhando para Namjoon percebi que eu havia acabado de assinar um contrato vitalício, onde eu prometera que até me jogaria em seus braços para ajudar Kim Taehyung, além disso ele sorria, um sorriso que eu não sabia se era sincero ou de puro sarcasmo, mas reconhecia firmemente que eu estava nas mãos dele agora.


Notas Finais


Capítulo feito por @JBaby


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...