História To you, from me. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 893
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia)
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - Final.


Fanfic / Fanfiction To you, from me. - Capítulo 1 - Final.

Olá, como estão as coisas? Espero que bem. Faz bastante tempo que não nos falamos, não é? Quase um ano. Às vezes parece que foi ontem, porque ainda dói.

Porque sim, eu sinto saudade. Sinto saudade de tudo. Das nossas maratonas de Pretty Little Liars, de uma temporada inteira, até as seis da manhã; das palavras que inventávamos e que apenas nós entendiamos; das longas horas rindo por coisas inúteis da internet ou stalkeando pessoas; das nossas conversas às vezes sobre coisas importantes, às vezes sobre coisas aleatórias; sinto saudade de tudo isso e muito mais.

Eu me pergunto como foi possível isso acabar assim. Será que essa amizade, foi sempre unilateral e eu nunca percebi? Talvez eu nunca tenha sido para você nem um porcento do que você foi para mim. Pensar isso machuca, mas deve ser a verdade, já que você me esqueceu tão rápido.

Às vezes eu te vejo na rua, com seu novo namorado — sobre o qual eu tive que descobrir sozinha, pois você não me contou — e penso que vamos voltar a nos falar, mas você passa direto. Porque você faz isso? Talvez não tenha me visto, talvez tenha fingido não ver, não importa. Eu sou trouxa, nunca mais nos falaremos, você não quer isso, certo?

Quando foi que isso começou a acontecer? Eu devia ter tentado mais? Deveria ter corrido mais atrás? As pessoas à minha volta dizem que não, que eu fiz até demais, mas talvez eu devesse mesmo ter tentado mais um pouco. Quem sabe assim você não perceberia o quanto eu sentia a sua falta e precisava de você?

No meu aniversário de quinze anos, há quase dois anos atrás, eu cheguei a pensar que tudo voltaria ao normal. Aquele dia foi incrível, nós não nos viamos há algum tempo, mas continuávamos as mesmas uma com a outra. Só que passou. Como sempre, aquela sensação passou. Você estava ocupada com seu namorado — não o de agora, o outro, que eu tive que te perguntar para descobrir já que você também não me contou — eu entendo. Eu estava feliz por você, mas eu sentia sua falta.

O ano seguinte foi o pior. Eu nunca falei tão pouco com você desde que nos conhecemos. E nunca aconteceram tantas coisas ruins de uma só vez. Foi aí que tudo desandou de vez. Naquele doze de agosto, quando ele foi embora para nunca mais voltar, eu precisei de você. Você não estava lá, mas tudo bem, você tinha outras coisas para fazer. Minha família estava comigo, eu não fiquei sozinha, não realmente, apesar da falta enorme que ele fez desde o primeiro instante.

Você chamou outra pessoa de melhor amiga. Meu coração quebrou em mil pedaços, aquilo doeu de verdade. Como você pôde chamar logo ela desse jeito? Depois de tudo que ela fez...

Você apareceu depois de um tempo, foi estranho. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes tinha tentado falar com você, mas não obtive sucesso, recebendo respostas curtas e desinteressadas em troca, ou sendo respondida pelo seu namorado (isso me dava muita raiva, eu não queria falar com ele, queria falar com você). Você me lembrou sobre a partida dele, mas disse que se eu não quisesse não precisávamos falar sobre aquilo. Eu não queria mesmo. Eu queria que nós nos resolvêssemos, mas não aconteceu, já que você disse que viria, mas não apareceu.

Eu cheguei ao meu limite. Pensei que isso nunca aconteceria, mas aconteceu. Eu cheguei a cogitar a ideia de ficar tentando para sempre, sem nunca cansar, um dia você notaria, mas eu cansei. Pessoas cansam, eu sou humana. Eu ainda não entendo o que houve, por que você mudou dessa forma? Eu não sei se fui eu que fiz alguma coisa que te magoou ou outra coisa e provavelmente nunca vou saber, já que você nunca, nunca, nunca vai ler isso, mas às vezes eu sinto lá no fundo do meu coração, uma mínima vontade de perguntar.

Eu não vou fazer isso, é claro. Foi muito difícil te excluir da minha vida, deixar de te seguir nas redes socias e abandonar a ideia de voltarmos a ser como antes para agora aparecer de novo, correndo ainda o risco de ser taxada de chata, trouxa e insistente. Não, obrigada.

Você faz sim, muita falta. Faz falta pra caralho. Mas o meu orgulho é maior, não que isso seja algo bom. Sendo assim, acho que essas são as minhas últimas palavras direcionadas a você, mesmo que não as leia.

Eu espero de verdade, que você esteja bem, que esteja feliz. Eu estou conseguindo, mesmo sem você, mesmo com tudo que aconteceu de uns tempos pra cá e todas as minhas complicações. Eu estou lutando, estou me mantendo de pé. Claro, você nem sabe do que eu estou falando, você não estava mais aqui quando isso começou, mas eu quis reforçar que estou seguindo em frente.

Se você sente a minha falta ou pensa sobre todas essas coisas às vezes, eu não sei, mas eu espero que não. Porque é ruim. É um sentimento horrível e apesar de eu querer sim te socar às vezes, eu ainda me importo o suficiente para não te desejar algo tão horrível.

Então, eu acho que é isso, ex melhor amiga. Essa foi a última vez, as últimas palavras, uma despedida. Fique bem, seja forte, siga com a sua vida, é o que eu vou fazer.


Notas Finais


Eu só queria deixar claro que a minha intenção com isso aqui não é ganhar views. Longe disso. Eu só precisava botar pra fora o que eu estava sentindo, como eu disse no texto, precisava me despedir e essa foi a forma que eu encontrei. Achei também que alguém poderia de alguma forma se identificar, por isso resolvi postar aqui. Eu poderia ter deixado guardado no meu celular pra sempre, mas não me ajudaria da mesma forma.
Enfim, era isso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...