História T.O.C. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Joo Heon
Tags Jooheon, Monsta X, Satansoo, Tema10, Toc
Visualizações 62
Palavras 925
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Primeiramente deixando claro que não sou nenhuma expert no assunto.
Eu me baseei em um vídeo (notas finais), coloquei algumas manias minhas e da minha mãe, e puft!
Preparados para mais um flop, crianças?!

SatanSoo Challenge;
10 - Uma fanfic que o protagonista tenha transtorno compulsivo obsessivo; 

Capítulo 1 - Capítulo dois. – Pulando o um para evitar números ímpares.


Fanfic / Fanfiction T.O.C. - Capítulo 1 - Capítulo dois. – Pulando o um para evitar números ímpares.

E em mais uma manhã, Jooheon abriu seus olhos. O som do despertador ecoava por seus ouvidos, o fazendo suspirar enquanto fitava o teto um tanto quanto embaçado por acabar de despertar.

Respirando fundo, olhou para o lado e esticou a mão, assim pegando e desligando o toque do celular que já começava a lhe incomodar. Se sentando sobre o colchão, virou com calma até olhar para o chão e procurar seus chinelos, afinal, não queria colocar os pés no chão frio, senão teria que passar a mão neles até que a sensação estranha saísse.

Como sempre, se calçou primeiro do pé esquerdo e em seguida do direito, se levantou e não esperou para que arrumasse a cama.


–Tudo bem, é só mais um dia, você consegue.Sussurrou para si mesmo, de olhos fechados para que conseguisse se conectar o quanto conseguisse com seu interior. Caminhou então para o banheiro, um bom banho lhe despertaria.


Após tudo sair como o esperado, Jooheon deixou seus chinelos molhados no box, de pé e encostado na parede, e saiu pisando no tapetinho branco. Secou bem a sola e assim pode calçar seu segundo par de chinelos, sequinhos e novinhos que sempre ficavam a postos no cômodo.

Arrumou-se para sair, sempre tomando muito cuidado com o que fazia, e até estava indo bem, pelo menos até chegar na gravata. Por duas vezes passou o nó com a mão esquerda.

Mas que droga, Jooheon! É com a direita! A direita! Se repreendeu em pensamento, enfim conseguindo passar o nó de uma forma que sua cabeça ficasse em paz. E como sempre, antes de sair, parou frente a mesa da sala e colocou todos seus principais objetos ordenados em tamanho crescente.

Primeiro as chaves, depois carregador bem enrolado, crachá, celular, e a pasta pequena com alguns documentos principais que, mesmo não usando, era bom ser prevenido. Porém, pela primeira vez em tantos anos, parou para pensar se o seu crachá não viria antes do carregador.

Cinco minutos apenas, foi o que ficou trocando os objetos de um lado pro outro, até que decidiu que o crachá deveria estar primeiro dali em diante e então, finalmente, arrumou tudo devidamente em sua mochila. Subiu ambos os zíperes, os alinhando bem no topo da mala. Passou a mochila pelas costas e pegou sua chave de casa, indo para a saída.

Saiu, colocando primeiro o pé esquerdo na calçada e depois o direito. Se virou e fechou a porta, assim a trancando com a chave.

Pondo a mão na maçaneta, a abaixou e tentou abrir a porta, contando quantas vezes o fazia.

–1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15.

Suspirou aliviado, estava fechada.


Enfim, passando para o próximo desafio do dia; era só manter a cabeça baixa. Caminhava a passos firmes, claro que começando a caminhada com o pé esquerdo e depois o direito. Agradecia que de primeira a sua calçada era lisa, mas tudo complicava depois que virava a esquina. Respirou fundo, então tendo que ritmar os passos para que nunca, em hipótese alguma, pisasse na risca.

Era difícil, às vezes um passinho minimamente a mais e o início do seu pé parava sobre a rachadura na calçada. Era o suficiente para que parasse onde estava e respirasse fundo para que não voltasse até o início do quarteirão e andasse direito, sem erro. Mas precisava respirar fundo, assim como sua psicóloga aconselhava.

Talvez pudesse ocupar sua cabeça com outra coisa.


Ok, Jooheon. Coloque a cabeça para cima.


Voltando a caminhar, tentando ao máximo ignorar as riscas no chão, sua cabeça automaticamente procurava uma nova tarefa para ser feita.


Certo. Conte os carros.


Olhando para a rua, sem parar sua caminhada, um carro preto passou.


Ok, um.


Logo, um segundo, e depois um carro prata e, merda! Por que tinha que ser prata?! Jooheon odiava qualquer coisa prateada que pudesse existir! Bufou já sentindo a irritação, porém não pode fazer nada; havia parado no arbusto de sempre e, algo ali tinha.


–Um, dois, três, quatro, cinco…. Seis, sete e… - Olhando bem, não achava nenhuma flor a mais. - Droga! Quem arrancou as outras três?! - Questionou a si próprio, e não aguentando, teve de arrancar mais uma. Era agoniante ver qualquer coisa em um número ímpar.

Voltando a caminhar, dessa vez apressado para não perder nem um segundo de sua hora, Jooheon pulou sobre as riscas brancas da faixa de pedestre e continuou enfurecido com a quantidade de carros pratas que encontrou pelo caminho. Era alguma nova tendência? Esperava que não, já bastava sair mais cedo de casa para não atrasar em seus compromissos, não queria correr o risco de ter pânico de botar os pés pra fora e se deparar com carros prateados no caminho.




Enfim, Jooheon parou frente o já conhecido portão. O abriu e subiu a pequena escada já ouvindo o som das chaves antes mesmo de chegar. Um homem gordinho apareceu sorrindo, pronto para abrir o segundo portão para si.

–Boa tarde, Jooheon. Tudo bem?

–Tudo sim. Eu consegui ignorar as riscas da calçada hoje. - Comentou, soltando um risinho enquanto já entrava e caminhava para a simples sala de espera.

–Isso é bom! Você acha que anda tendo um melhor controle? - Fitando o moreno que entrava e sentava na cadeira da recepção, seguiu o olhar pro relógio, reparando que tinha ainda dez minutos até que o doutor Kim chegasse.

–Acho que sim. Isso já foi um grande passo para mim. - Comentou com um sorriso pequeno. - Só acho que as pessoas deveriam experimentar carros que não fossem prateados.


Notas Finais


[VÍDEO]; https://youtu.be/t0UbycyHI7o

Meu twitter é; @Always_Yoonie
Meu Sarahah; smallalways.sarahah.com

ME DESCULPEM O APARENTE DESÂNIMO! É a primeira fic com meu bias aaa
Mas estou caindo de sono perdão aí ;_;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...