História Toda sua - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Farosella, Fogasella
Exibições 153
Palavras 1.198
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa a todos pela demora mas eu não estava conseguindo me concentrar pra escrever porém espero que vocês gostem desse capítulo e obrigada por tudo como sempre

Capítulo 20 - Capítulo 20


- Desculpa - Ela diz enxugando uma lágrima que ousava escorrer pelo seu rosto.

 - Aconteceu algo? - ele pergunta

 - Não foi nada - as lágrimas continuavam a descer provocando raiva em Paola em se sujeitar aquela situação na frente de um homem que ela nem conhecia direito. 

 - Meu carro ta estacionado logo ali, vamos sentar até você se acalmar - ele a segura pela cintura 

- Não precisa me contar o que houve - Marcos olha para a chef e tenta da o seu melhor sorriso. 

Guiada talvez pela cena que acabará de presenciar, Paola resolveu seguir com o competidor, não queria chegar em casa naquele estado. 


 No cão veio finalmente Fogaça conseguiu colocar Carine em seu devido lugar.

 - Chef, a chef Paola acabou de sair daqui e não estava com a cara muito boa - Disse o cozinheiro alto e robusto assim que Henrique entrou no salão. 

 - Como assim? A Paola tava aqui? - Ele pergunta desnorteado

 - Sim chef eu só a vi indo embora, parecia que ela tava brava.

 - Merda - Fogaça levou as mãos a cabeça logo ligou o pontos, saiu correndo do bar, subiu em sua moto e seguiu pelas ruas de São Paulo.


 - Gracias por me ouvir - Paola dizia tentando sorrir para o homem que a encarava com os olhos azuis brilhando. 

 - imagina - Ele diz secando uma lagrima que caia do rosto dela. 

- Eu nem sei porque te contei tudo isso, espero que não saia daqui - Ela diz fugindo do toque do homem.

 - Eu nunca contaria nada para ninguém mas eu notei que vocês tinham algo quando ele quase me fuzilou com os olhos cada vez que eu falava contigo.  

Paola começava a sentir ódio novamente, seu rosto queimada.

 - Ele é um babaca - Marcos se aproxima ainda mais da chef - Se eu tivesse a sorte de ter uma mulher como você eu jamais a faria chorar. 

Respiração de Paola estava acelerada e sua cabeça girava. 

 - O homem que te magoa devia ser preso - Ele bota novamente a mão sobre a face de Paola e acaria as maças com o indicador - Você é tão  linda. 

Paola não sabia o que dizer, estava apenas ouvindo o que o loiro repetia, num jesto ela olhou a boca dele, estava tão próxima que ela podia sentir seu hálito, um cheiro de whisky não muito forte.

 Atraído pelo calor do momento Marcos cola os lábios nos da chef, talvez fosse a carência mas ela não o empurrou, continuou apenas com os lábios grudados nos dele.

 Ele pediu passagem mas nesse momento o sabor de whisky fez ela relembrar de Fogaça e então empura o loiro. 

 - Não posso fazer isso - Ela diz passando a mão nos cabelos. 

 - Me desculpa você, foi um impulso, não quero que você pense que eu me aproveitei do momento - ele diz botando as mãos no volante.

 - Imagina, somos adultos né? E eu preciso mesmo ir pra casa, preciso da minha cama - ela abre o carro - Boa noite Marcos - e segue pro seus restaurante onde seu carro estava estacionado. 


 Chegando em seu apartamento ela encontra o homem tatuado sentado no chão em frente sua porta, com os braços envolta do joelho. 

 - Quem te deixou subir? - Paola já pergunta irritada se aproximando do chef

 - Meu amor me deixa te explicar - Ele levanta rapidamente.

 - Amor? - Ela pergunta ironicamente solta uma risada. 

 - Você entendeu tudo errado - Ele disse subindo um pouco o tom de voz. 

 - Fala baixo quer acordar meus vizinhos todos? - ela diz sussurando

 - Então me deixa entrar - Ele pede 

- No - Ela o empurra - sai daqui 

 - Se você não me deixar entrar eu vou ficar plantado aqui na sua porta, uma hora você terar que me ouvir. 

Vencida pelo cansaço e a vontade de gritar com ele talvez ela o deixa entrar e antes mesmo de fechar a porta ela da um tapa na face do tatuado. 

 - Eu não acredito que você me fez de idiota - Ela estava ficando com a pele branca avermelhada de ódio enquanto ele levou a mão pra esfregar o lugar onde havia tomado o tapa. - Eu ainda não acredito que eu terminei com o Jason por você - Ela  jogou a bolsa no sofá - Mas foi bem feito para mim, você sempre foi um galinha, achei que a idade tinha te trazido algo mas não você continua o mesmo garotão que traia a Fernanda com as garçonetes na época do Júlia - Paola secava as lágrimas que ousavam cair sempre que ela estava com raiva.

 - Eu não sou mais assim Paola por favor me escuta - Ele tentava se aproximar dela mas a chef desviava.

 - Eu não quero escutar nada, somos a porra de um clichê daquelas malditas comédias romanticas onde acabam se apaixonando pelo o que devia ser apenas sexo casual, eu sou a porra do clichê, você só estava se divertindo comigo e eu idiota realmente acreditei que você me...

 - Nunca mais diga isso - Fogaça falou com sua voz grossa quase num grunido - Eu sei que eu nunca fui flor que se cheire mas essa fase já passou, depois que eu te conheci eu quis ser uma pessoa melhor. 

 Paola tentou abrir a boca para rebater mas foi enterrompida. 

 - Eu não sei o que você viu hoje mas eu não tenho nada com aquela mulher, nada e nem quero, porque a única pessoa que eu quero é você, única mulher que eu sempre quis. 

 Paola sentou no sofá mas sua expressão ainda era de raiva.

 - Acredita em mim, eu não tenho nada com ela e me perdoa por ter deixado alguma becha que fizesse você desconfiar de mim. - ele caminha para perto dela - Se eu tivesse que escolher entre todas as mulheres do mundo ou você eu sempre escolheria você, eu queria dormir e acordar do seu lado todos os dias, gritar pra todo mundo que eu te amo, e quando me perguntam se eu tenho algo com você a minha vontade é gritar "Sim ela é a mulher da minha vida", a mulher pelo qual eu faria tudo e o maior arrependimento meu no momento era não ter dito que a amo mais vezes. 

 Cada frase revirava o estamago de Paola, parecia tudo tão sincero.

 Fogaça se aproxima do sofá e senta ao lado de dela.

 - Eu sou um babaca, desculpa ter te feito chorar. 

 Paola o olha 

 - Ainda bem que sabe que você é um bacaca. 

 Fogaça se aproxima e deita a cabeça no colo de Paola. 

 - Eu te amo, não duvide disso - Ele diz deitado nas pernas da chef.

 - Você parece outra pessoa falando essas coisas - Ela diz acariciando o braço dele. 

 - Olha - ele vira para ela - minha cabeça ta na sua vagina - E sorrir.

Paola sorrir de volta, depois daquilo tudo só ele para fazer ela sorrir.

 - Agora parace você - Ela abaixa e da um selinho no chef. 


Notas Finais


Foi meio difícil pra mim escrever ela com outro homem mas vai ser bom pro decorrer da história.
Não teve hot nesse capítulo pq eu não queria demorar demais pra soltar mas prometo no outro umas transas boas de reconciliação


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...