História Todo Mundo Tem Um Anjo - L3ddy - Capítulo 36


Escrita por: ~ e ~justl3ddy

Postado
Categorias Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti
Personagens Lucas "LubaTV", Lucas Olioti
Tags L3ddy
Visualizações 224
Palavras 1.498
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu disse q ia postar outro, entao ta ai rsrsrs
se conseguir bastante comentarios nesse cap e no anterior, eu posto outro amanha (talvez ate dois hehe)
bom cap sz

Capítulo 36 - Past


Fanfic / Fanfiction Todo Mundo Tem Um Anjo - L3ddy - Capítulo 36 - Past

POV T3ddy

 

 - O que vocês estão fazendo ai no chão? – pergunta Gabbie assim que chega ao estacionamento – Luba? Ele ta bem?

  Nos separamos do abraço, para olha-la. Logo ele se levanta.

  Ele estende a mão para que eu possa me levantar, e assim o faço.

 - Estou bem, Gabbie. – ele diz limpando o rosto.

 - Eu e Luba a gente estava... Conversando...

 - Ele sabe. – ele a olha.

 - Você... – ela me olha – eu não contei... Luba, eu juro que não falei nada! – ele diz implorando agora para ele.

 - Eu sei, você não disse nada. Foi o... Você sabe quem.

 - Guilherme?

 - Sim.

 - Não acredito... Ta, eu contei pra ele... Depois de dias chorando no quarto ele deveria saber o por que... Mas eu não imaginava que ele fosse capaz de fazer isso!

 - Ele quer acabar com nós dois! – digo.

 - E a forma mais fácil que ele achou foi dizendo isso, para te botar contra mim.

 - Bem, não funcionou.

 - Mas por que ele iria querer acabar com vocês dois? – Gabbie pergunta.

 - Até parece que você não sabe, Gabriela!

 - Ele... Não superou?

 - Aparentemente... Não. E eu fui o culpado.

 - Ei, você não teve culpa! Ele pode até ser meu irmão, mas eu ainda acho que ele foi um babaca com você!

 - E foi, isso não nego! O problema é que eu fiz ele ser um babaca assim comigo.

 - Não, ele já era assim com você bem antes de vocês namorarem!

 - Pelo amor de Deus, não diz mais isso!

 - O que?

 - Que eu e ele já namoramos!

 - Você não pode fugir disso para sempre, Luba. – digo, abaixando a cabeça.

 - T3ddy, essa é a coisa que eu mais me arrependo na minha vida, eu nunca vou me perdoar por ter feito isso. O mínimo que posso fazer, é tentar evitar essa parte do passado. – ele ergue minha cabeça – eu me arrependo. Entenda bem isso. Eu sinto nojo só de pensar que tive uma história com aquele ser.

 - Eu sei, eu lembro de como ele te tratava... Lembro de quando você me ligava desesperado chorando por que ele havia feito algo... Era horrível até pra mim te ver daquele jeito, eu imagino para você!

 - Que bom que me entende. – ele sorri.

 - Agora, uma coisa que você não deve fazer é se culpar! – Gabbie diz, e eu concordo.

 

POV Luba

 

 - Mas fui eu quem o deixei assim. Ele sempre falava que se ele era tão horrível quanto eu dizia, a culpa era minha. Nunca entendi bem o porque, mas acabei me conformando com isso.

 

//Flashback On//

 

 - Luba, larga desse celular pelo menos um minuto! – ele diz, já sem paciência. – presta atenção no filme! O que você faz tanto nesse celular?

 - To falando com uma amiga. – digo calmo.

 - Amiga? Achei que sua única amiga era a Gabriela.

 - Mas é com ela que estou falando.

 - Deixa eu ver – ele arranca o celular da minha mão.

 - Ei! Devolve meu celular!

 - Você não esta conversando com a Gabriela! “Urso”? Quem é esse, Lucas?

 - é meu... Primo...

 - Que intimidade é essa com seu primo?

 - É um apelido ué – falo nervoso.

 - E por que mentiu pra mim? – ele altera a voz em alguns oitavos.

 - É... Gui...

 - Você ta me traindo? LUCAS, VOCÊ ESTA ME TRAINDO?

 - Não, Gui, calma, seus pais vão acordar! Ele é meu primo e...

 - DANE-SE MEUS PAIS! VOCÊ ESTA ME TRAINDO! ELE NÃO É SEU PRIMO!

 - Gui, se acalma!

 - EU NÃO VOU ME ACALMAR! VOCÊ MENTIU PRA MIM!

 - Eu não te trai, e não menti, por favor para de gritar!

 - VÃO DISCUTIR LÁ FORA, PORRA! – seu pai entra na sala, já irritado.

 - Desculpa, senhor Fadel, me perdoa...

 - SAIAM, VÃO DISCUTIR LÁ FORA!

 - VEM! – Guilherme pega pelo meu pulso e me leva até o quintal da frente.

 - Guilherme, ta machucando... Ai!

 - Me explica essa palhaçada AGORA!

 - Guilherme, enquanto você não se acalmar, eu não vou conseguir te explicar nada!

 - Você... Eu não acredito... Você esta me traindo desde quando?

 - Eu não... – ele me corta.

 - ALÉM DE UM VIADINHO AINDA É PUTA QUE DA PRA TODO MUNDO, É ISSO?

 - NÃO FALA ASSIM COMIGO!

 - ISSO, SE MOSTRA A BICHINHA QUE VOCÊ É!

 - PARA, GUILHERME!

 - DESDE QUANDO VOCÊ TA DANDO PRA ELE, LUCAS?

 - ELE É SÓ MEU AMIGO!

 - Amigo? Mas ele não era seu primo?

  Porra, porra, PORRA!

 - Ele... É...

 - VOCÊ MENTIU DENOVO? MAS QUE PORRA LUCAS, PARA DE MENTIR!

 - Guilherme, me escuta! Ele é só um amigo... Virtual! Ele mora bem longe de mim, eu juro! Pode até olhar o DDD dele!

 - Então quer dizer que você me trai até virtualmente?

 - EU NÃO TE TRAIO, CARALHO! ELE É SÓ UM AMIGO! SE ACHA QUE EU QUERO ELE, POR QUE EU ESTARIA COM VOCÊ?

 - E VOCÊ NÃO QUER ELE?

  Fico quieto. Ok, sobre isso eu simplesmente não consigo mentir.

  Ele respira fundo, tentando manter a calma.

 - Desde quando vocês se conhecem? Onde vocês se conheceram?

 - Eu... Não... Te devo explicações.

 - O que? – ele me encara, com os olhos fervendo a ódio. – o que você disse?

 - EU NÃO TE DEVO EXPLICAÇÕES!

  Ele me tapeia.

  Levo a mão até a bochecha, sentindo-a queimar.

  Ele me da outro tapa na cara.

 - NUNCA MAIS, EM HIPOTESE ALGUMA, PENSE EM DIZER ISSO A MIM DENOVO! – ele aponta o dedo na minha cara – NUNCA MAIS!

 - VOCÊ É UM MONSTRO! – grito.

 - SE EU SOU UM ONSTRO, É CULPA SUA!

 - CALA BOCA!

  Outro tapa.

  Ele segura em meu braço, me trazendo para perto de si.

 - Eu sou teu namorado, teu homem, você deve me respeitar! Se hoje você conseguiu se assumir foi graças a mim que quis te aguentar como seu primeiro namorado, e você deve me agradecer! Mais um desses errinhos seus como os de agora e eu juro que você não vai mais ter língua para falar um A contra minha pessoa! – ele diz, cara a cara.

  Naquele momento, eu já me desabava em choro.

 - Peça desculpas.

  Fico quieto.

 - PEÇA DESCULPAS AGORA!

 - VOCÊ NÃO É MEU PAI PARA ME MANDAR ME DESCULPAR!

 - NÃO, NÃO SOU, ATÉ POR QUE SEU PAI MORREU NÃO É MESMO?

  Minha vez de bater nele. E faço isso o mais desgosto e raiva que já tive.

  No exato momento em que o acerto, o portão do quintal é aberto, mostrando Gabbie chegando.

 - O que esta acontecendo aqui?

 - Manda essa tua bichinha de estimação me respeitar!

 - Do que ele ta falando, Luba?

 - Essa coisinha ta me traindo! – ele se pronuncia antes de me deixar falar.

 - É verdade, Luba?

 - Não, Gabbie, por favor, acredita em mim, não é verdade! Ele que não quer acreditar em mim!

 - Por que meu irmão não acreditaria em você? Vocês são namorados!

 - Por que ele é uma vagabunda que da pra todo mundo!

 - PARA DE FALAR ASSIM COMIGO, SEU BABACA!

 - NÃO CHAMA MEU IRMÃO DE BABACA!

 - VAI DEFENDER O MONSTRO, GABBIE?

 - EU VOU DEFENDER MEU IRMÃO!

 - MAS NÃO SOU EU O ERRADO AQUI, ELE QUEM ME BATEU!

 - Você bateu nele, Guilherme?

 - Ele merecia uns tapas!

 - VOCÊ É QUEM MERECE DE UNS SOCOS NA CARA!

 - Bem, se for por isso, pode deixar que ele tomou coragem e me deu um tapa de troco.

 - POIS BEM FEITO, VOCÊ MERECIA, SEU ESCROTO!

 - OLHA COMO VOCÊ FALA COMIGO, SUA PIRRALHA!

  Naquele momento o pai de Gabbie e Guilherme abre a porta, enfurecido.

 - OU VOCÊS PAREM DE BRIGAR, OU EU JURO QUE EXPULSO VOCÊS DE CASA AGORA MESMO!

 - Pode deixar que eu to dando o fora. Volto só amanhã. Vem Luba. – Gabbie me puxa pelo braço, saindo do quintal indo pra rua.

 - Onde você pensa que vai? – Guilherme pergunta.

 - Não te interessa! – ela diz, já dentro do carro.

  Antes que eu possa entrar no carro também, ele me para e me vira, fazendo ficar cara a cara.

 - Se você acha que a Gabriela vai aparecer sempre pra te salvar de mim, pode ir parando. A nossa conversa ainda não acabou!

 - Me solta – me desvencilho dele – seu verme.

  Entro no carro, e antes que eu sequer consiga fechar a porta, Gabbie da partida no carro na mais alta velocidade.

 

 

//Flashback Off//

 

 - Você não deveria acreditar no que ele falava.

 - É passado, não vamos nos incomodar com o que já passou. O máximo que conseguimos fazer, é esquecer...

 - E eu vou te ajudar nisso, ta? – T3ddy me abraça.

 - Obrigada, Urso. Você esta sendo um sonho no meio de todo esse pesadelo.

 - E mesmo que você acorde, eu vou estar aqui, ok?

 - Ok. – sorrio.

 - Ok. – sorri de volta.

 

 

Continua...


Notas Finais


to com uma saudade de conversar com vcs
puxem um assunto ai nos comentarios pra gente bater um papo rsrsrs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...