História Together - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lay, Suho
Tags Chanbaek, Exo, Kaisoo, Sulay
Exibições 47
Palavras 2.011
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu ia postar antes, mas assim... é....   (⇀‸↼)
Esse capítulo eu tive que dividir em dois pq tava grande pakas e eu quero manter um limite de palavras por capítulo, sabe?
Mas eu não sei quando a segunda parte vai ser postada entom, paciência comigo   (づ ̄ ³ ̄)づ    

Desculpem qualquer erro e boa leitura
 (〜 ̄▽ ̄)〜 

Capítulo 3 - Capítulo 2 - parte 1


 Pouco tempo se passou desde que Suho chegou em casa. O olhar de seu pai sobre si enquanto estavam sentados frente a frente sobre o sofá o deixava de certa forma apreensivo, ainda mais, por saber do que a futura conversa que teriam se tratava.

Seu responsável por vez, tentava ao máximo não transbordar sua irritação, pois novamente seu filho único continuava a manter o conhecimento sobre coisas que deveriam ser privadas, e tudo apenas se mostrou mais óbvio com seu pedido na casa do Sr. Zhang, para que adiasse uma conversa onde os mais velhos acreditavam estar apenas sob seus conhecimentos.

— Eu não vou. – proferiu Junmyeon quebrando o silêncio do cômodo.

— Não é uma escolha sua, as coisas estão se tornando complicadas. – respondeu Sr. Kim enquanto massageava as têmporas em busca de calma.

— E o senhor resolveu ceder à covardia e fugir? - sorriu irônico buscando afetar de alguma forma o orgulho do pai – Eu já disse, não vou me mudar daqui.

— Não estou surpreso. – sorriu, se recostando na parte superior do sofá – E como premeditamos isso, se não formos nós a nos mudarmos, saiba que o Sr. Zhang já está a procura de um lugar para ir embora com Lay.

— Não podem fazer isso. – o timbre de sua voz denunciou seu nervosismo, apenas por se permitir imaginar brevemente a perda do contato com aquele o qual viveu basicamente toda sua vida.

— Já foi decidido. – disse, levantando-se de onde estara pronto para encerrar a conversa, tentando ao máximo ignorar a feição desesperada do filho em busca de uma solução.

— Podemos fazer um acordo. – propôs ouvindo um suspirar alto vindo do mais velho.

— Como eu disse antes-

— Apenas me ouça. – interrompeu elevando notavelmente seu tom de voz – Talvez eu possa fazê-los mudar de ideia.

— Você… - iniciou, logo desistindo de debater com a teimosia do menor, voltando a se sentar lentamente, e esperar com curiosidade sobre a proposta do jovem – Sou todo ouvidos.

 

* * *

 

Ainda era manhã quando Junmyeon entreabriu os olhos e sentiu a pouca claridade do quarto incomodar sua visão. Esforçou-se um pouco para sentar, mas assim que o fez, olhou preguiçosamente o relógio ao seu lado e praguejou consigo mesmo pelo fato de ter acordado em plena dez da manhã.

Restavam ainda algumas horas de descanso, já que seu horário estudantil era à tarde, e mesmo que sua consciência insistisse em lhe dizer que deveria aproveitar, o fato de ser alguém que dificilmente voltava ao sono depois de acordado, fez ele optar por tomar um banho frio que despertasse-o por completo.

Não foi algo demorado, pois em apenas alguns minutos ele já estava na cozinha pegando o primeiro alimento fácil para comer.

Sem muito o que fazer naquele momento, enquanto apenas mordia uma goiaba que estava antes na fruteira, entregou-se por completo a seus pensamentos, repletos de ansiosidade e aflição. Já sabia da possível mudança que seu pai e o Sr. Zhang preparavam, mas não imaginou que o assunto seria tocado em tão pouco tempo. Ainda não sabia do motivo, mas Junmyeon raramente questionava sobre os assuntos do mais velho, por saber, de certa forma, que ainda não estava preparado para ouvir com total sinceridade sobre o tipo de vida que levavam as famílias, antes dele e Yixing amadurecerem.

Pouca coisa sabia, mas comparado a seu companheiro julgaria saber até demais, e por mais que desejasse contar sobre metade das coisas que descobrira, sua necessidade em fazer Yixing conviver consigo dentro de um “mundo” perfeito ultrapassava esse querer.

Alguns passos fortes foram se aproximando da cozinha, e Sr. Kim se sentiu levemente surpreso, mais do que pelo fato de ver seu filho acordado em tal horário, mas por Suho está tão imerso em seus pensamentos que não notou quando o próprio se aproximou.

— Não exploda. – falou, vendo o jovem se assustar e colocar a mão sobre o peito como se pedisse para o coração se acalmar – Está pensando demais.

— Me pergunto o porquê? – disse Junmyeon em ironia – E você ainda não foi trabalhar por?

— Estou com tempo. – fitou o relógio pendurado acima da geladeira – E ainda tenho que pegar meu carro na casa dos Zhang.

— Por que o carro está lá afinal? - questionou, pensando o quão sem lógica era usar o automóvel para se deslocar apenas para o outro lado da rua.

— Eu vinha de uma negociação na empresa, e como precisava conversar com ele passei por lá. – explicou sem muito interesse no assunto – Eu vou indo então.

— Eu vou com o senhor. – apressou o passo para próximo do pai que já saía da cozinha.

— Falar com Yixing? - o mais velho virou para fitar o filho, agora, a pouca distância de si, e teve como reposta um aceno positivo de sua parte – Cumpra com sua parte do acordo.

— Tenho até amanhã, lembra? Enquanto isso, prefiro agir como se nada tivesse acontecido, ou vá acontecer. – suspirou pesado ao falar a última parte, e mesmo que o Sr. Kim desejasse consolá-lo, sentiu que o silêncio seria a melhor opção.

Caminharam sem pressa para sair de casa, e em apenas três minutos já estavam adentrando na residência dos vizinhos da frente.

Suho caminhou diretamente para o quarto do amigo, enquanto seu pai buscou cumprimentar o Sr. Zhang e avisá-lo que como estava de saída levaria de volta seu carro.

Ao subir as escadas e parar frente ao quarto, Junmyeon pensou seriamente em chamar por Lay, mas ao girar a maçaneta e ver que a porta estara destrancada, apenas adentrou com cautela, e deu de cara com seu amigo totalmente enrolado com as colchas de sua cama. Sorriu consigo ao ver a cena e mesmo que achando cruel acordá-lo de um sono tão profundo, não gostaria de passar as próximas horas em pé à espera da boa vontade do amigo em despertar.

Yixing estava complemente submerso em seus sonhos estranhos, havia dormido pouco noite passada devido ao excesso de atividades que deveria pôr em dia, e mesmo que quisesse conversar via aplicativos com Suho, teve de dispensá-lo durante toda a noite para que não perdesse seu foco, já que quando se tratava de conversas, ambos tinham uma facilidade imensa em fazê-las durar.

Ao sentar-se numa das beiradas da cama, Junmyeon sentiu o companheiro se remexer e lentamente levantar o rosto para ver, de quem ou o quê, se tratava o peso extra, próximo aos seus pés, seus olhos estavam semicerrados, no canto de sua boca uma pequena gota de saliva estara formada, e ao perceber que era observado minuciosamente pelo amigo, Lay logo voltou a se cobrir, ouvindo em seguida um sorriso divertido do outro.

— Já te vi pelado, qual a vergonha em eu te ver acordando? - questionou em tom de brincadeira, sentido o pé do outro o chutando levemente para fora da cama.

— Inconveniente. – murmurou – O que está fazendo aqui tão cedo?

— Estava sem sono. – disse, se ajeitando sobre a cama de modo que deitasse ao lado do amigo.

— Algo de errado? - ao perguntar abaixou o lençol que cobria seu rosto, esforçando-se para encarar Suho e apenas notar que sua feição demonstrava confusão diante da pergunta – Você não consegue dormir bem quando tem algo te preocupando.

— Não é nada. – o olhar de Yixing sobre si deixou óbvio que não havia acreditado no que disse e como forma de escapar das questões apenas buscou mudar de assunto – Amanhã, lembra?

— É por isso? - questionou, associando sua preocupação à ansiosidade, e Suho concordou assim que percebeu do que se tratava – Você não vai querer sair?

— É claro que eu vou. – afirmou com certeza, buscando retirar a expressão triste que Lay obteve ao fazer a pergunta – Amanhã de meia-noite, ou no caso seria hoje? Enfim, eu sinceramente ainda não entendo essas coisas de tempo espaço, mas te dou a certeza que estarei com você, ok?

— Ok. – disse risonho sentindo uma pontada de felicidade ao ouvir a forma certa sobre como estariam juntos naquele dia – No caso, vamos sair hoje de meia-noite pra comemorar na madrugada de amanhã? - ele e Suho se encararam pensativos já que não haviam pensado dessa forma na primeira vez em que marcaram, mas sem muito o que debater, apenas concordaram, pois ambos sabiam que as horas eram apenas um mero detalhe.

Ficaram durante alguns minutos pensando e conversando, algumas besteiras eram ditas com frequência, mas a maior parte do tempo, falavam sobre o passado. Momentos bons, outros nem tanto, e quando se deram conta, as horas foram se passando e ambos continuavam entretidos nos assuntos que não paravam de surgir

Para a surpresa dos dois, o celular de Lay começou a tocar, e ao olhar na tela principal viu que era o alarme que marcava as doze e quinze, horário o qual, ele constantemente acordava para se banhar.

— Tenho que me arrumar. – disse, jogando os lençóis para o lado e vendo-os cair no chão.

— O que acha de ficar em casa hoje? – propôs Junmyeon enquanto se agarrava na cintura de Yixing impedindo que este se levantasse.

— Não podemos. – seu corpo se forçou para fora de cama e logo conseguiu se desvencilhar do aperto do amigo – Você também tem que ir pra casa arrumar suas coisas. Nos vemos no caminho.

— Não acredito que está me expulsando, eu achei que você me amava. – seu timbre demonstrava uma falsa indignação que lhe foi rapidamente respondida com uma gargalhada do amigo – Pode pelo menos me levar até a saída?

— Você sabe onde é a saída, pode ir sozinho.

— Finja que se importa com meus dramas e me leve pelo menos até as escadas. – proferiu, vendo seu amigo revirar os olhos mas em seguida começar a acompanhá-lo para fora do quarto.

Yixing caminhou ao seu lado até que chegassem ao início dos degraus, e ficou alguns minutos esperando a boa vontade do companheiro para que fosse embora.

— Não estou a fim de ir. – disse encarando Lay, que quando tentou abrir a boca para falar algo foi prontamente interrompido – Não sem algum ato afetuoso de despedida.

— Você não existe… – murmurou, porém sabendo do aspecto teimoso que Suho tinha, não demorou a pensar em algo.

Lentamente se aproximou de Junmyeon que estava a um degrau abaixo de si, e ao obter a certeza que estavam a sós naquele espaço, segurou o queixo do mais velho que já estara com os olhos fechados à espera do selar, mas recebeu ao invés disso, um rápido beijo na testa.

— Isso não é justo. – olhou para Lay indignado – Não te namoro há dois anos só pra receber beijos na testa! – exclamou alto completamente incrédulo pelo feito do outro.

— Só vai logo. – pediu sorrindo, enquanto se virava para voltar ao quarto, e como Suho ainda estava ao seu alcance segurou sua mão tentando impedir sua ida, mas num ato repentino soltou-a, e seu olhar se prendeu de forma nervosa sobre o corredor à frente.

Yixing inicialmente estranhou sua ação, mas ao fitar o local onde seu parceiro continuava a encarar, sentiu seu coração acelerar e a sua respiração falhar. O nervosismo também lhe atingiu.

— Algo de errado? – perguntou Sr. Zhang olhando as feições assustadas dos garotos sendo direcionadas a si – Se apressem em se arrumar que eu deixo vocês na escola, vou lá embaixo tirar o carro. – disse calmo descendo as escadas enquanto os jovens se entreolhavam assustados.

— Acho que ele não ouviu. – suspirou Suho, e seu parceiro o acompanhou na ação – Vai lá tomar banho, eu vou pra casa tentar recuperar os compassos que perdi do coração. – se despediu um pouco atordoado pelo acontecimento.

Yixing não estava diferente, caminhou com certo nervosismo até o banheiro, mas por sorte, quando a água quente começou a cair sobre seus ombros sua tensão aliviou. Não seria novidade serem quase pegos enquanto faziam ou diziam algo que comprometesse o segredo da relação, mas por um momento, pensou que tudo havia sido em vão, já que as chances de seu pai ouvir haviam sido tão grandes. Ainda não havia tido coragem para contar a verdade, e quanto mais o tempo passava, mais difícil parecia se tornar, ter de um dia, encarar seu pai e lhe contar toda a verdade.


Notas Finais


Mals se acabou meio que VRÁAA (isso sou eu querendo dizer que foi de repente, já que né, a segunda parte que ta com um finalzinho mais decente._.)
Esse capítulo explicou alguma coisa? Não
Vai demorar pra entederem algo? Provavelmente
Eu me sinto mal por isso? Nennhum pouquinho ( ͡͡ ° ͜ ʖ ͡ °)
Ok, quem nunca tava fazendo algo errado e os pais surgiram das cinzas pra te pegar no flagra né ahuahuahua
O próximo são eles chegando na escola, vão aparecer uns personagens interessantes, então é bom se ligar nos detalhes (⊙ω⊙)  
É só isso mesmo :') @LadySoo12 se liga que meu calabouço ta preparado pra tu e Bia (◠‿◠✿)  

Aceito opiniões sinceras u.u
Kissus de lemon ( ͡° ͜ʖ ͡°)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...