História Tons de Vermelho e Negro - Capítulo 56


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Giles, Iris, Jade, Kentin, Leigh, Letícia, Li, Lysandre, Manon, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Violette
Tags Amor Doce, Ficção, Hentai, Mistério, Sadomasoquismo
Exibições 49
Palavras 2.824
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Harem, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sobre o nome do cap: não pensem merda, é apenas uma referencia.

Capítulo 56 - Sexo no Horizonte?


Fanfic / Fanfiction Tons de Vermelho e Negro - Capítulo 56 - Sexo no Horizonte?

P.O.V. Mika

Eu e o Armin estávamos voltando para o dormitório quando avistamos a Lydia e o Kentin saindo do local, o médico tinha saído de lá as pressas. “O que aconteceu?” Armin indagou surpreso “A Lydia perdeu fragmentos da memória, o doutor não tinha notado antes pois o que ela dizia combatia com o que eu descrevi.” Lydia permanecia de olhos fechados “E na verdade era só uma festa que a gente tinha dado de despedida pro Kentin, que ia vir pra escola militar.” Armin disse tentando não julgar a Lydia com os olhos.

“Eu perdi três anos...” ela sussurrou com uma lágrima no rosto, como a Sophie me disse uma vez, a minha voz acalma as pessoas “Lydia... Pensa assim, você ainda se lembra dos momentos que viveu com o Kentin! Isso é mais importante do que qualquer coisa!” ela deu um pequeno sorriso, e os dois saíram dali. “Mika... Pergunta básica. Usou sua voz para acalma-la?” andamos até o dormitório e eu abria porta do mesmo “Tentei, né?! Agora, boa noite!” dito isso lhe dei um selinho e me virei para o dormitório “Ei?! Eu não vou dormir aqui contigo?”

“Claro que não! As regras daqui são rígidas e claras. Você não pode dormir na ala feminina.” Ele arqueou uma sobrancelha “Sério que tu tá me dizendo isso?” Armindoim parecia realmente surpreso “Claro! Fora que eu tenho que falar com a tia Manon depois do sinal de recolher. Boa noite, Armin!” dei lhe um beijo no rosto e fechei a porta do quarto. Apanhei meu celular e o tirei do carregador, olhando para a tela dele esperando um tipo de resposta, de chamada. Sentei na minha cama e olhei para o teto do quarto, era um local bem ruim.

Suspiro atrás de suspiro. Eu quero tantas respostas que não consigo achar, nem sei se tentei procurar. Coloquei para tocar a música Young Forever, eu gosto bastante dela e da letra dela também. “Lobo em pele de cordeiro...” sussurrei pra mim mesma, me levantei da cama e chaveei a porta, me jogando na cama seguidamente. Aquela música me faziam pensar em inúmeros momentos que eu vivi.

Flash Back ON

Depois de uma longa briga que tivemos na escola, eu peguei seu console e escondi no meu quarto, só para obriga-lo a ir lá e falar comigo. Ou isso termina bem ou termina mal! Fui pra casa correndo e me arrumei. Quando tinha treze anos eu comecei a me arrumar bastante, principalmente porque estava com o Devon, e quando tinha quinze anos só me arrumava quando era encontro de família ou eu ia ver o Armin. Deitei na minha cama, como quem não quer nada e comecei a assoviar. Dava pra sentir que ele estava chegando. Na época tinha 15 anos.

Minha porta foi aberta fortemente e o Armin estava alteradíssimo! “Calma ai, se quebrar vai ter de pagar!” eu disse com um tom sarcástico “Cadê o meu CONSOLE??” eu ri e disse: “Vai ter que achar!”

“Não acredito que você escondeu!!”

“Também não acredito que brigou comigo por coisas inúteis!” o mesmo tom sarcástico foi mantido. “Sério que você escondeu ele de mim por causa de uma pequena discussão?”

“Pelo o que mais seria?”

“Sei lá... Por você me odiar! Normalmente todos me odeiam lá na escola.” Eu me aproximei dele e segurei seu queixo de forma provocante.

“Eu te odeio!” sussurrei e então o beijei. Aos poucos nosso beijo não estava mais tímido, e sim estava mais fervoroso. Sua língua procurava a minha de um jeito desesperado, e ambos os corpos pediam pelo fato a certo tempo. Sentia as suas mãos percorrerem o caminho longo da minha nuca até a minha cintura. Ceder não é a palavra certa a ser usada, na verdade quem cedeu foi ele, mas... Era engraçado pensar que eu não conseguia enxergar que sempre gostei dele! Nossas bocas se separaram por alguns segundos “Hoje é Natal, sabia?” sussurrei no seu ouvido “Feliz Natal Mikinha...”

“Feliz Natal Mimin...” disse o beijando de novo. Após isso fizemos um acordo – resumindo: permitimos nos dar uns pegas dentro da amizade.

Eu queria me lembrar daquele natal para sempre... Armin me atirou na cama e me beijou lentamente... Eu sentia que algo ia acontecer essa noite! Não seria um simples natal... E não foi! Sua mão percorreu todo meu corpo, isso me deixou completamente louca... Senti seu membro ereto se friccionar na minha intimidade, que estava se contraindo muito e me deixando cálida! Eu estava tendo inúmeros sonhos, desejos eróticos naquela altura, minha boca estava completamente salivada, e sentia que a por onde a boca do Armin passava, o local também ficava salivado, me excitando ainda mais.

Aos poucos Armin começou a abrir o zíper da minha blusa preta, ele o abria lentamente enquanto lambia meu pescoço, me deixando ainda mais lúbrica. Suas mãos retiraram meu short e a minha blusa, quase que no mesmo instante. Eu já estava tremendo de tanto que eu queria sentir ele ‘dentro’ de mim, quero muito isso! Eu puxei o Mimin pela nuca e o beijei de maneira intensa, que se tornou uma selvageria esplêndida! Retirei sua camiseta, e quando senti o toque do Armin na minha intimidade, arranhei suas costas com força, escutando finalmente um gemido da parte dele.

Minha calcinha e meu sutiã já tinham sido lançados para o chão, igualmente a sua camiseta e calça. Enquanto Armin me beijava, transferi minha mão para dentro de sua boxer azul marinho, e senti seu pênis ereto em minha mão, o apertei e Armin parou o beijo de imediato e mordeu meu seio esquerdo, gemi, mano, gemi bem alto! Eu tinha um pouco de vergonha do meu corpo... É difícil, eu ainda nem fiz dezesseis anos... Armin tinha uma namorada linda... Imaginar o que ele está pensando do meu corpo é um pouco difícil! Armin parou de morder meu seio e se dirigiu para o meu pescoço.

Só digo uma coisa: briguei com ele por causa das marcas roxas do dia seguinte. Ele começou a chupara de leve, mas depois começou a doer, uma dor ótima! O arranhei ainda mais, e tirei a sua boxer de uma vez por todas, aquilo estava me incomodando um pouco. “Mika... Isso é sério? Quer realmente isso??” eu só mordi seu pescoço como resposta e ele riu. Senti ele me penetrar.... Eu me contorci e gemi muito! Os movimentos me deixavam com totais pensamentos de luxúria, Armin beijava meu pescoço, enquanto me adentrava com força. Senti que o Armin talvez fosse parar, então arranhei suas costas e gritei:

“POR FAVOR ARMIN, não para...” Armin me lascou outro beijo e enfiou novamente. Essa é a melhor dor que alguém pode sentir! Apreciei então seus movimentos perfeitos, que fizeram meus olhos revirarem de tanto prazer carnal que estava vivenciando! Eu e ele estávamos suados, tínhamos chegado ao orgasmo, que foi uma sensação completamente nova e maravilhosamente erótica. “Feliz Natal Mikinha!” respirei aliviada um pouco “Feliz Natal Mimin...” voltei a beija-lo, queria poder nunca esquecer desse momento. Queria poder nunca me esquecer que Armin está aqui comigo.

Flash Back OFF

Parei de me lembrar daquele dia muito... enfim a música mudou, agora a música Story Of My Life começou a tocar, me afundei um pouco mais na cama. Por algum motivo, essa música me deixa bem... Bem eu de antigamente.

Flash Back ON

Eu e Armin estávamos sentados nas cadeiras a frente da mesa da diretora, que ainda não havia chegado. “Isso tudo é culpa sua!”

“Minha?” indagou rindo.

“Foi você que me beijou!!”

“Ah é... E você odiou tanto que me beijou ainda mais...” ele disse rindo rodando a cadeira “Ok... Só espero que ela não esteja de mau humor. O meu pai já não gosta muito de você imagina se ela resolve ligar para ele...” “Daí eu vou lá na tua casa e te beijo na frente dele *risos* pra acabar de vez com a minha vida!” ele disse rindo.

“Vejo que estão bem tranquilos.”

“Isso significa que não vamos mais ficar.” O Armin sussurrou, vendo a diretora se sentar em sua cadeira. “Sorte de vocês que estou animada hoje e o que os dois fizeram não vai abalar o meu humor. Número 1: beijo aqui é proibido! Número 2: isso pode ocasionar expulsão, suspensão e um grave registro. Mas como o meu humor está bom, vou deixar passar.” Eu e o Armin suspiramos aliviados. “Bom, na verdade, eu vim aqui trazer as notas do trabalho, e o Armindoim tem de lhe falar uma coisa.”

Ela riu e mandou eu me retirar, mas antes de eu me levantar ela falou “Aliás, nada irá estragar o meu humor, pois tenho de estar pronta para receber os meus netos.” Eu e Armin ficamos boquiabertos “Como assim?” perguntei.

“Meu Totó vai ser papai!!” eu segurei o riso e disse: “Boa sorte diretora!!” me retirei e esperei ele na porta. Ele saiu rindo igual uma anta “Ela vai ser avó...”

“Não fala assim, os netos dela vão ser especiais...” ele respirou fundo e quando chegamos do corredor perto da nossa sala, ele me puxou pela cintura e me beijou de novo.

Flash Back OFF

The Preteder tocava, e as minhas lágrimas foram inevitáveis. A cada palavra que saia pelos lábios do Dave Grohl, eu tinha ainda mais lembranças do Devon... Filho da puta!

Flash Back ON

Era como se nada existisse. Era apenas eu e ele. Nós dois juntos sem haver um amanhã. Eu não sabia que aquele seria o último dia. Que talvez fosse o último minuto.

Pode ser engraçado, clichê, terrível... Mas será que seria diferente se eu soubesse as minhas ações futuras com o Devon? Se eu soubesse do que eu era capaz?

Talvez, eu só precisasse me recuperar de tudo isso.

Devon estava sentado sobre uma árvore enquanto bebia uma garrafa de Yanjing, uma cerveja chinesa. Balançava as pernas e olhava para o horizonte. Estávamos na casa de campo da família dele, Devon simplesmente amava aquele lugar, simplesmente amava tudo naquela paz, naquela tranquilidade.

Ele parou por alguns segundos de beber sua cerveja, e pôs um cigarro na boca, o acendendo e voltando a olhar para o horizonte. Devon bagunçou um pouco seus cabelos negros e pegou sua câmera fotográfica, se virou pra mim sorrindo e tirou uma foto. Apenas sorri para ele e subi na árvore junto dele, Devon escutava a música The Pretender, fazendo uma dancinha esquisita.

-Por favor... Não me abandone... – ele sussurrou enquanto bebia mais um pouco de cerveja.

-Nunca faria isso... Você é especial pra mim! – sussurrei pegando sua cerveja e bebendo alguns goles.

-Mikaela... Você sabe que está me excitando desse jeito, não é?!

-Mas eu tô normal!! – exclamei apanhando o cigarro da boca dele e o colocando da minha. Comecei a balançar as pernas como ele – Que foi?

-Aqui não é o melhor lugar para fazermos o que estou pensando! – ele mordeu o lábio inferior, pegou minha mão com delicadeza e sussurrou – Sexo no horizonte?  

Flash Back OFF

Eu comecei a rir um pouco como uma psicopata, Try estava a tocar, a vida pode ser bem canalha as vezes. E sério, eu nunca tinha visto uma senhora vida tão canalha como a minha, sério. O garoto era perfeito, me amava, eu amava ele, tá certo que ele tinha certo problema com bebida, mas era normal. E a vida vem, e me tira o meu precioso... Eu sinceramente não desejo isso pra ninguém.

Flash Back ON

Estávamos quase morrendo naquela aula patética quando bateu o sinal, na sala um garoto que eu já tinha visto antes entrou. E por incrível que pareça, ele era o nosso novo professor de literatura. Olhei para a Beka e reparei na troca de olhares dos dois. O LYSANDRE QUASE QUE DANÇOU COM ESSA! Não, eu não tenho a mínima ideia de quem seja esse tal ai... Mas o que eu sei é que a Beka e ele se retiraram da sala.

Sophie correu até mim no exato instante em que os dois botaram o pé pra fora. Ela chegou no meu ouvido e sussurrou:

-Eu tenho leve suspeitas que esse cara... É o Yuki... Vai por mim, esse ser se adequada a descrição que a Bekinha fez... – ela voltou para sua classe... Será? Se for... Então o Lys pode ter perdido a batalha.

Flash Back OFF

O sorriso da Beka... Algo me diz que ela ainda é profundamente apaixonada pelo Yuki. O sorriso dos meus pais... O sorriso da minha família, toda junta. A Sophie, a Beka, a dona Lúcia, o seu Phillip, os meus tios. Sinto falta de tudo isso! A música Purple Lamborghini teve início, e eu só pude me lembrar de uma coisa...

Flash Back ON

Fiquei sozinha na cozinha com a minha mãe e o meu pai. “Eu queria pedir desculpas pelo meu comportamento.” Eu estava cabisbaixa.

“Já pediu desculpas a Ambre?” minha mãe perguntou alterada “Não, ela não foi a aula.”

“Por que será?” ela disse em um tom irônico. Meu pai se aproximou de mim “Por que a destruiu?”

“Foi como uma vingança... Ela fez muito mal para mim e para as minhas primas... Eu não me aguentei e a destruí!” permaneci cabisbaixa. “Jure que nunca mais vai fazer isso.” Minha mãe disse mais calma “Juro... Apesar de ter feito isso hoje...” sussurrei a última parte mas meus pais me ouviram. “O que??”

“Espera aí!! Eu não destruí ninguém, só entrei no Armin sem querer.” Meu pai respirou fundo e me deu um beijo na testa. Ele saiu e a minha mãe se aproximou com um olhar malicioso me pedindo para sentar. “Me conta tudo que você viu!!” ela falava toda animada “E-eu vi as melhores memórias...”

“Você estava nelas, né?!” eu avermelhei na hora, tipo, ela mal sabe que eu transei com ele!

“Sim..” minha mãe pareceu vibrar “Quais eram?”

“Algumas da nossa infância... Uma quando tínhamos 9 anos e eu dei um selinho nele, o Natal em que fiz 15 anos,” minha mãe me interrompeu “O Natal? Vocês se viram no Natal?” comecei a suar frio “Bem, sim. Aqui em casa na verdade... Continuando, aquela sexta-feira que eu sai com ele, o Alexy e a Violette, o dia quem ele me beijou na frente da senhora...”

Não tinha nada contra contar isso para minha mãe, desde que ela não abrisse o bico para o meu pai. “O beijo de vocês foi muito fofo...”

“E quinta-feira passada, que nós... nos beijamos na escola.”

“Como eu não fiquei sabendo disso??”

“A diretora estava de bom humor!” disse sorrindo e saindo dali. Entrei correndo no meu quarto e fechei a porta com força. “O que aconteceu??” Beka perguntou assustada. “A minha mãe queria saber todas as memórias que eu vi no Armin hoje...” vi a Sophie atirando o celular da Beka para ela, eu pisquei o olho e vi a Sophie na janela com uma roupa diferente.

Ela usava uma blusa de manga preta com o universo estampado, um shorts branco menor que a blusa dela e uma botinha preta “Tchau amores!” ela acenou e pulou a janela. “Sua irmã é doida.” Eu me joguei na cama e comecei a procurar

“Ela é doida pelo Castiel!” Beka disse rindo e abrindo o armário. “Mika... acha que devo me tornar uma vampira completa?”

“Acho que deve seguir o seu coração!” disse indo até o armário junto dela.

Flash Back OFF

Best of You entrou na minha mente, não me controlando, meus pensamentos viajaram e um sorriso bobo surgiu no meio das minhas lágrimas.

Flash Back ON

Fui correndo até o dormitório do meu internato, Devon estava deitado em minha cama com um embrulho na mão. O meu som estava ligado e o som super alto de Welcome To The Jungle do Guns N' Roses tocava. Ele fazia uma dancinha de olhos fechados, corri até ele e pulei em cima dele. Ele começou a rir e me entregou o embrulho, me dando um selinho fofo.

-Por favor, eu sei que o presente não é lá algo bom... Mas espero que goste!

Abri o embrulho e retirei um colar vermelho, com um sininho prata, uma paleta do Guns muito foda, e alguns detalhes em prata que faziam um som engraçado. Devon se aproximou do meu rosto e me beijou, eu amei aquele colar! Tanto que... Eu tô usando agora...

Flash Back OFF

Meu sorriso durou pouco, logo a imagem do Devon veio a minha cabeça novamente... Ele não era feio, ele era lindo, mano. Pelo menos na minha opinião, ele tinha inúmeras tatuagens pelo corpo, tinha estilo próprio e tal... Era o garoto perfeito, o meu garoto perfeito ♥ Pelos menos era... Qualquer música que seja rock, ou que seja k-pop me lembra ele. Sabe... Ele quem me apresentou alguns grupos de k-pop, o Armin passou a gostar deles com o tempo, ele me apresentou o Foo Fighters e o Andy Black ♥ ou seja, o moleque era perfeito demais! Por isso... Eu acho que fui idiota.


Notas Finais


Sobre a mudança na forma escrita do diálogo, foi apenas um exemplo da mudança que vou fazer comparada com o que eu fazia antes, então isso foi só um pouco explicativo okay?
Eu escolhi Jay Park hoje: https://www.youtube.com/watch?v=gx_mg-1WhWw
Gente, sério, eu amo essa música goxxtosa aqui, sério, amem essa música caso não tenham escutado: https://www.youtube.com/watch?v=Kjpa0SMOug0


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...