História Toxic - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Life Is Strange
Personagens Chloe Price, Maxine Caulfield
Tags Lis, Pricefield
Visualizações 77
Palavras 592
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi. Decidi que esta será uma história com mais capítulos. Cada um terá uma música como base, que pode ser encontrada no grande site YouTube. As traduções sempre serão feitas por mim e serão bastante livres, podendo ter alguma palavra o expressão modificada por conveniência.
A desse capítulo é do Greg Laswell - Dodged a bullet.

Capítulo 2 - Eu disparei a arma


 Acordo primeiro que Max. O sol está batendo em metade do seu rosto, dá um tom acobreado ao seu cabelo. Sorrio, não posso deixar de sorrir ao ver quão esplêndida um simples sono a faz ficar. Mas eu sabia que logo ia pensar merda. Pensar no que aconteceu, pensar em Rachel. Eu sou mesmo uma fodida por ser minha própria estraga prazeres.

Max é provavelmente a pessoa mais valiosa para mim agora. Eu me pressiono a todo tempo, dizendo que não posso – e não quero – decepcioná-la. Mas não consigo aguentar o peso dessa autocobrança e jogo tudo pra debaixo do tapete chamado Eu Não Me Importo.

Mesmo que eu não queira, Max me força a pensar nela. Principalmente depois de episódios como os de ontem à noite. Eu não posso fingir que não está acontecendo – ao menos não para mim mesma – porque preciso tomar uma postura sobre isso. Tudo é tão confuso. Max nunca foi uma amiga como as outras, para falar a verdade. Max sempre foi especial. Que ninguém me pergunte o que isso significa.

Apesar de tudo, toda e qualquer possibilidade se desmancha quando eu penso em Rachel. Eu não a superei. Até falar da morte dela é difícil e provavelmente torna ainda mais complicado o processo de tirá-la da minha cabeça.

Foi Rachel que configurou meus desejos.

Rachel abriu uma porta dentro de mim que eu mesma não conseguia abrir.

Como se supera algo assim?

 

Eu não vou tentar consertar as coisas

 

Eu não vou passar pelo calvário de te enterrar neste verão

 

Você está muito a frente agora

 

Você está fora do meu alcance, mas, na verdade, parece que sempre esteve

 

Eu não vou tentar consertar tudo

 

Eu não vou tentar organizar meus pensamentos se pra isso terei que pisar em cacos de vidro

 

Mesmo que eu saiba como

 

Te deixando a sete palmos no meu consciente, jogando punhados de pesar no seu caixão

 

Todo mundo pensa que eu desviei de uma bala

 

Todo mundo pensa que você era perigosa

 

Mas eu acho que disparei a arma

 

Mas eu acho que sou um pouco culpada de tudo

 

Eu não vou contar aos meus novos amigos sobre você

 

Rachel, eu não vou deixar você ser parte constante na minha vida. Você não existe mais, e é assim que vai ser. Se sua existência depender das minhas palavras para nelas se reverberar, você continuará morta

 

Não, eu vou deixar esse detalhe escapar

 

Eu vou agir displicente sobre você assim como eu era a respeito de tudo antes de você chegar e despejar seu sangue no álcool

 

Eu vou ser preguiçosa ao escrever sobre você

 

Eu vou ignorar que seu nome vai ser sempre uma faca invisível atravessada no meu peito

 

Mesmo que isso esgote minhas forças

 

Até eu desabar e ter que me esconder mais uma vez para lembrar de você

 

Eu vou voltar a acreditar

 

Que eu só posso viver no mundo se ele for cinza

 

Faz muito tempo agora

 

Eu vou levantar e fazer parecer fácil

 

Mesmo que eu não saiba como

 

Na verdade, estou dando minha cara a tapa, porque não sei, nunca soube, por mais que eu quisesse, ser indiferente a você

 

Eu não vou tentar consertar as coisas

 

Estou muito para trás agora

 

Eu não sei mais onde estou e quais meus limites. Parece que preciso de você pra dizer quem eu sou. E nessas horas, parece que nunca te amei mais

 

Não, eu não vou tentar consertar tudo agora

 

Mesmo que eu saiba como

 

Eu só vou deixar o peso de existir me empurrar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...