História Traçando Minha Própria História (ShikaTema) - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chiyo, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Iruka Umino, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Kankuro, Karin, Kushina Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikadai Nara, Shikaku Nara, Shikamaru Nara, Shisui Uchiha, Tayuya, Toneri Otsutsuki, Tsunade Senju
Tags Naruhina, Sasusaku, Shikatema
Exibições 138
Palavras 4.760
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente eu tô realmente em semana de prova. Hoje já foram 3 amanhã mais três e sexta mais duas (eu acho)

BOM. Vocês estão nem aí pra isso,porque eu no lugar de vocês não estaria,então :

LETIS GHOUL MAI LIRO FRIENDE

BOA LEITURA & PERDOA OS ERROS ORTOGRÁFICOS ❤❤❤

Capítulo 26 - Sabaku's


Fanfic / Fanfiction Traçando Minha Própria História (ShikaTema) - Capítulo 26 - Sabaku's

Ponto de vista do Shikamaruuuu:

  Ela tinha ganhado a corrida. Nada que eu já não esperasse. Mas sempre tem uma pitada de orgulho e felicidade. A abracei

— Parabéns, problemática. Não que eu já não esperasse, mas não o primeiro lugar.

  — Eu sou surpreendente, eu sei — Disse ela de forma brincalhona e eu apenas revirei os olhos bufando. A soltei do abraço e ela começou a olhar as pessoas que se aglomeravam em torno dela. Olhei para o Itachi que fez um sinal para irmos embora. Senti Temari se encostar em mim. Ia perguntar se ela estava se sentido bem, mas quando a vi com a mão na boca e uma expressão espantada olhando para um lado da arquibancada improvisada. Havia um homem que estava sorrindo para ela de forma estranha. Abracei ela pelo ombro e ele olhou pra mim. Seu sorriso foi se desfazendo e agora era uma cara de ódio. Vi ele voltar a sorrir. Ele levantou o dedo indicador e olhou pra mim logo passando o dedo indicador na garganta e abriu a boca em um sorriso maior de forma mais macabra ainda. Senti Temari agarrar a minha blusa. Em um momento de desconcentração na multidão ele havia sumido. Então era ele. Virei ela é coloquei minhas mãos em seu rosto. Ela estava assustada, estática. Itachi e Izumi se aproximaram de nós

— O que aconteceu? — Perguntou vendo a expressão da Temari. Eu tirei as mãos do rosto dela e a puxei para mais perto

— Vamos para casa — Itachi parece ter entendido.

— Me dá a chave da moto que eu busco a sua também — A chave estavam na mão dela. Ela apenas me entregou e encaixou seu rosto no meu ombro — Me esperem aqui, já voltamos. Vem Izumi — Disse e ela assentiu o seguindo. 

Voltei meu olhar para Temari e tirei sua cabeça da minha blusa fazendo-a olhar para mim. Ela parecia com medo. Eu nunca tinha a visto com medo. Ela sempre foi tão forte e nunca mostrou uma franqueza só. Ela era: Inteligente, mandona, teimosa, louca, forte, difícil ou até mesmo agitada. Eu sabia que iria conhecer uma Temari que poucos ou ninguém conhece. Eu conhecia o lado carinhoso e assanhado, mas nunca esperei a ver com medo. Itachi chegou e eu vi que o pessoal do evento tinha trocado o pneu e a pastilha de freio o que agradeci mentalmente.

— Eu piloto, vamos — Disse forçando um sorriso e ela correspondeu com um fraco. A volta foi sem aventuras. Eu dirigi mais rápido , mas não loucamente como ela.

Chegamos em casa eu coloquei meu celular para carregar. Já que por acaso ele havia acabado a bateria. Temari foi tomar banho e eu separei uma blusa minha para ela usar já que não tinha nenhum pijama dela ali. Ela foi rápida e eu só tomei uma ducha e quando cheguei Temari estava com minha blusa, que ficava como um vestido. Okay, não vamos pensar em como as coxas dela estavam exposta já que o short de dormir era curto e eu vi algumas marcas que tinham ficado da minha mão. Talvez eu tenha apertado demais a coxa dela. Ela olhou para mim é seu rosto estava triste

— Shikamaru ele está aqui. Eu vi ele lá,era ele — Disse se levantando.  Apenas me aproximei dela e a puxei para um abraço.

— Calma, Tema. Eu estou aqui com você, tá bem? — Senti ela me abraçar de volta.

           — Shikamaru, ele quer te matar... Ele não vai parar — Senti ela apertar minha blusa — Acho melhor eu me entregar.

Eu parei. Pensei.

Não, ela não tava dizendo isso. Não era possível. 

            — Temari, nunca mais fale isso. Eu já te dissr que estou nessa porque quero. Eu tô nisso porque quero você perto de mim.

— Eu não quero que você saiu sequelado ou se machuque — Disse afundando o rosto.

— Preocupada comigo? Que bonitinho...  me sinto menos homem a cada dia desse relacionamento Temari. Era pra eu estar de falando isso.

— Idiota — ela nos separou e já aparentava melhor — Tô com fome. 

— É humanidade, parece que a Temari melhorou — Ela me deu um sorriso fraco, mas já era um bom início — Vamos lá e depois vamos dormir pelo amor de Alá, estou cansado.

— Alá? — disse abrindo a porta do quarto. Fez um sinal com a cabeça como se me chamasse. Descemos as escadas e ela comeu uma maçã.

  Meus pais tinham voltado porque a mesa estava com um arranjo de flores novo.

— Shika... — Disse enquanto pegava uma maçã — Seus pais, você sabe deles?

— Acho que eles voltaram. Minha mãe é a única pessoa que troca esse arranjo igual troca de roupa — Disse apontando para a mesa principal. Ela sorriu subimos e deitamos para dormir.

  Eu não precisei a puxar pra perto já que ela deitou encostada em mim. Eu estava com sono e queria dormir,mas sentia ela passando os dedos no contorno do cobertor. Tentando evitar lembrar do fato de ela estar com a perna em cima da minha e com o braço no meu peito, e também que estava somente de blusão e um short curto, eu finalmente decidi perguntar

— O que foi? — Ela parou de mexer as mãos.

— Achei que estava dormindo...

— Não consigo,você não dorme — disse me ajeitando — O que foi?

— Eu liguei para os meus irmãos quando você tava no banho.

— E...?

— Parece que meu pai desenvolveu um quadro depressivo, mas não contou a eles. Eles que acharam remédios no banheiro dele e descobriram que ele está indo em um psicólogo escondido — falou de forma triste — e isso tudo porque eu fugi de casa... — Senti ela aperta a coberta.

— Temari, a situação te forçou a fazer isso. Não vai se culpando. Você não é de esconder ou não falar nada. Tenho certeza que você deixou claro para o seu pai o que queria.

— Com meu pai eu não falava tudo o que penso ou impunha tudo o que achava bom — Me espantei,ela não era assim. Ela falava tão não cara que a pessoa deveria entrar em modo fetal depois de discutir com ela — Ele era a única pessoa que eu tinha o máximo de respeito e eu sempre tentava não  ser grossa,mas como disse tentava. Ele me chamava se rosa com espinhos — Eu ri, realmente combina com ela — Eu não achei que ele ficaria tão mal com isso a esse ponto, Shikamaru. Ele está tomamdo remédio tarja vermelha. Eu sei que eu tinha de ter raiva dele, porque eu sou de guardar rancor.

— Devo me preocupar com isso? — A interrompo. Sinto ela balançar a cabeça

— Só você não mentir para mim. Não mentir e nem me trair. O resto são defeitos que aprenderemos a conviver — a abracei e por um minuto de luz em seu rosto, observei que ele estava triste. A abracei mais forte — Shikamaru eu estou praticamente matando meu pai... — Senti ela respirar pesadamente. 

— Não, Tema... As escolhas do seu pai estão matando ele. Você foi o reflexo da escolha dele. Não é culpa sua.

— Eu gostaria muito de dizer que me arrependo, mas eu não me arrependo. A única coisa que me arrependo é de ter colocado você nisso.

— Temari, eu já falei pra não pensar assim, cara.

— Desculpa...  — Ela disse em um fio de voz e senti sus voz embargada.

— Calma, Temari — a puxei por completo e a abracei — Não chora por favor. Eu nunca sei o que fazer quando você chora — EU REALMENTE NÃO SEI O QUE FAZER QUANDO ELA CHORA. Quando ela está feliz eu fico caçoando. Quando ela está desanimada eu chamo para jogar. Quando está quieta começo a discutir sobre feminismo, legalização do aborto que ela fica tagarela de novo. Eu tenho solução para todos os humores, menos triste. Eu fico desnorteado porque ela é animada e forte e quando fica triste parece vulnerável. Depois de um tempo senti a respiração dela calma e vi que tinha dormido. Passei a mãos nos olhos dela e pude notar que estavam úmidos. Ela pode ser escandalosa e tagarela, mas seu choro é silencioso. Senti um aperto no peito. A abracei mais forte e dormi.

Acordei com meu celular tocando baixo. Eu abri os olhos e vi que ela ainda dormia. Ela deveria estar muito cansada porque geralmente tinha sono leve. Ela ainda estava deitada em cima de mim e com um pouco de jeito peguei o celular. E sem ver o nome de quem era atendo:

— Sim? — disse com a voz de quem acabou de acordar.

— SHIKAMARU — pelo escândalo já sabia que era o Uzumaki e que alguma coisa tinha acontecido.

— Fala baixo desgraça, sabe que horas são? 

— Meio-dia. Horário que a Temari supostamente estaria saindo do campus para almoçar. Mas não está — Uma aperto no coração surgiu,mas lembrei que ela estava no meu peito dormindo.

— Ela está comigo. Por que?

— Por quê?  Bom, digamos que OS IRMÃOS DELA ESTÃO VINDO PRA CÁ — Eu parei e repeti aquela frase na minha cabeça.

— Como?— Falei calmamente

— Embarcaram de madrugada e Gaara me passou uma mensagem falando que deveria chegar aqui duas da tarde no máximo

— Temos tempo.

— Ela está com você, literalmente? 

— Sim Naruto, ela está.

— Do seu lado?

— Sim Naruto  ela está deitada, dormindo em cima de mim. Mais alguma coisa?

— Estão na casa dos seus pais?

— Sim, estamos

— Gaara não parecia muito bem. Eles vão ficar três dias, avise a Temari — Ouvi a voz da Hina lá trás e uma gargalhada do Naruto, logo ouvi barulhos de tapas e a gargalhada dele se intensificar— Calma amor. Hina, você não era violenta assim. Tá andando muito com a Temari.

— Vai se fuder Naruto — Disse Temari com um sorriso no rosto. Logo abriu os olhos e olhou pra mim.

— Eu ouvi isso Temari — disse o Naruto — Bom, até mais. Meu Deus Hinata, onde você arrumou uma faca? — A ligação desligou e eu ri fechando os olhos e olhando para cima. Senti um desconforto e abri os olhos, encontrando olhos intensamente verdes me encarando.

— O que foi? — perguntei puxando ela para mais perto de mim.

— Nada, porque ele ligou?

— Parece que seus irmão vieram pra Konoha — Ela levantou a cabeças e passou a me encarar

  — Já estão aqui?

— Não, parece que ainda não.

— Ahm.... — Disse abaixando a cabeça e me abrçando. Ficamos ali um tempo comigo passando a mão no cabelo dela e ela mr abraçando. Presumi que ela estivesse dormido.

— Temari, vamos levantar

— É estranho ouvir isso vindo de você — Disse com um sorriso abafado. Ela levantou o olhar — Não quero levantar agora.

— Temari, eles vão chegar daqui a pouco. Você tem que se arrumar.

— Tenho tempo — Disse se ajeitando.

— Temari essas frases são minhas — Disse levantando sua cabeça a fazendo olhar para mim.

— Convivência — Diz sorrindo — Isso é cheiro de Bacon? — Puxei o ar e tinha um cheiro gostoso no ar. Presumi que minha mãe estava em casa.

— Acho que sim — Ela levanta o corpo ficando praticamente ficando de quatro em cima de mim. Uma posição que deixou um certo amigo meu meio atiçado. Ela olhou pra mim com um sorriso. Eu a puxei e dei-lhe um beijo nem um pouco calmo e sim um beijo de urgência, repleti de desejo. Logo me sentei e puxei seu corpo para cima do meu. Ela correspondeu na hora e logo levou as mãos na minha nuca e saiu arranhando da minha nuca até o meu peitoral. A apertei mais forte e ouve um gemido fraco sair dentre seus lábios. O que me deixou mais atiçado. Levei minha boca a sua nuca deixando uma marca de mordida.

— Shika... — disse com a voz meio dengosa e ofegante. O que não estava sendo legal para a situação porque estava sentindo minha sanidade igual uma areia da ampulheta, se esvaindo — Shikamaru...  — Me chamou novamente e parei a olhando. Estava corada com o cabelo bagunçado e ofegantes.

— Temari, você é linda —disse levando minha mão ao seu rosto e a vendo corar mais ainda.

— Eu não sei reagir a elogios — Disse abaixando a cabeça e colocando-a no meu ombro — Eu não sou nem um pouco feminina, tenho cicatrizes e machucados por todo meu corpo.

— Se eu quisesse uma boneca perfeita e feminina, iria numa loja e comprava. Não diga que você não é bonita — Disse levando minha mão na sua cabeça. Ela tirou a cabeça e me olhou e ela veio e me beijou. Lentamente pediu passagem e eu cedi. Era raro ela tomar iniciativas e tenho certeza que com o tempo ela vai se soltar e fazer isso com mais frequência. Levei minha mão a sua cintura e apertei. Ela logo parou.

— Acho melhor a gente ir, não é?

— Eu... Eu preciso de um banho — Eu estava realmente duro é precisava daquila.

— A-ah claro. Desculpa — Disse saindo de cima de mim. Agradeço fielmente aos criadores da cueca que seguram ereções. Ela se senta na cama, mas logo levanta e começa a ajeitar o short de pijama no corpo — Olha o que você fez na minha coxa, Shikamaru. Está quente e eu vou ter de usar calça — disse apontado para algumas marcas meio roxas na sua coxa. Senti um pingo de arrependimento que passou mais rápido que chuva de verão. Não, não me arrependia. Apenas sorri me levantando.

— Não me arrependo, Temari. Essa é a marca que você é só minha — Temari dando discurso feminista em 3,2,1...

— Olha aqui Shikamaru. Se você não quer morrer, sugiro que você entre nesse banheiro. Ou não digo por mim.

— Problemática… — Disse entrando no banheiro e logo fechando a porta.

— Eu ouvi isso — gritou do lado de fora. E eu sorri

Tomei uma ducha fria o que me aliviou aos poucos. Assim que sai, Temari não estava mais no quarto. Senti falta da minha blusa preta e já até imaginava onde estava. Peguei uma calça aleatória coloquei uma meia e um regata, o que eu não costumava usar. Desci as escadas e encontrei Temari cortando legumes conversando com a minha mãe sorrindo. Assim que entrei minha mãe sorriu para mim e na varanda estava meu pai lendo alguns documentos da Elite. Me sentei ao lado dele que logo levou os olhos a mim e sorriu abafado

— A noite foi boa, não? — disse voltando aos documentos e senti meu rosto esquentar. Era estranho aquilo vindo do meu pai.

— Como assim?

— Seu pescoço, seus ombros, seu braço —  disse apontando. Daí eu me toquei que a Temari havia me arranhado.

— Ahh... — Lembrei que estava de regata — Voltando — Mudando o rumo da conversa para não ficar mais constrangido — O que aconteceu?

— Você não sabe, mas o pessoal da elite meio que se apegou no lance da Temari. Exemplo Itachi, Zetsu,Kisame,Obito, Kakuzou a Konan começaram a vigiar independente a movimentação dos capangas do Daimaru. E teve uma movimentação grande. Com isso fui convocado na Elite pra resolver isso porque eles exigiram uma reunião. E acabou que descobrimos envolvimento político nisso.

— Eles estão fazendo isso por conta própria? — juro que não dá pra acreditar se a Temari souber disso vai ficar... Nem sei, ela odeia depender dos outros ou que tenham pena dela.

— Sim e acabamos descobrindo uma gangue que estamos caçando a muito tempo. Esse cara tem poder capital. Uma das vezes que Kisame foi atrás de um dos mercenários e descobriu a facção — Ele parou, tirou os olhos do jornal e olhou para frente — a facção do Koruo Hatake. (Fictício)

Já tinha ouvido algumas pessoas falarem sobre ele, mas nunca procurei saber quem era ou de onde era. Dizem que o sequestro da filha do senador foi a facção dele quem fez.

— Eles são bons... Kakashi sabe disso?— Sussurrei e meu pai olhou pra mim.

            — Sim e ele falou "Que a justiça seja feita, não posso proteger parentes distantes. Não se eles colocarem minha família nisso" — ele disse. Eu continuava apreensivo —Se for por causa da filha do senador não esquenta. Ela foi isca fácil. Não chega nem na sombra da Temari. Bom esse não é o tão preocupante. Parece que Daimaru veio para Konoha. O passaporte dele no sistema ouve modificações e era pra Kasai o destino, suponho que devesse tomar mais cuidado.

— Ele já foi atrás dela – Disse soltando um suspiro. Meu pai olhou pra mim pedindo explicação — Ontem fomos na pista de racha com a Izumi e a Temari de disputo o racha. Quando terminou ele apareceu no meio ds multidão.

— Ela viu ele? — Perguntou guardando os documentos na pasta.

— Viu

— Fez algo a ela?

— Sorriu e soletrou algo para ela. Se bem que ela não me falou o que foi. Depois disso ele olhou pra mim é deixou uma ameaça.

— Isso pode ser... — Fomos interrompidos por Problemáticas ao quadrado.

— O ALMOÇO TA PRONTO — gritaram as duas e logo se ouvia risada. Elas se dão tão bem que as vezes da medo. O perfil durão e difícil é muito igual. Durante o almoço conversávamos sobre coisas aleatórias. Parecia que éramos uma familha a tempos. Quando acabou o almoço eu e meu pai fomos obrigados a lavar a louça e arrumar a cozinha.

Quando fui liberto da escravidão, Temari e minha mãe estavam sentadas na sala vendo um filme. Me sentei no chão, ela praticamente em cima de mim sentada no sofá mexendo no meu cabelo. Alguns minutos depois meu pai se permite cochichar algo no ouvido da minha mãe que deu um sorriso e saiu com ele. Temari olha pra mim com malícia nos olhos e como eu já disse, não consigo - e nem quero - imaginar meus pais melosos um com o outro. Comecei e deitei minha cabeça em seu colo. Quando estava concentrado no filme ouço a campainha tocar.

— As pessoas escolhem quando tocam a campainha, não é possível "Nossa está chegando a parte boa do filme que eles estão assistindo, vou tocar a campainha" — Disse irônica. Ela olhou pra mim com cara de "Não quero atender" e eu devolvi um olhar "Somos dois" — Okay Shikamaru vamos resolver isso como dois adultos conscientes — Ela respirou fundo e eu já imaginava o que estava para vir — PAR

— ÍMPAR — jogamos as mãos e ela jogou um cinco e eu um três, que saco.

— Eu ganhei vai lá, amorzinho — Disse rindo. Bufei e fui até a porta da casa onde tinha um Naruto, um garoto aparentemente mais novo e baixo que eu e um cara aparentemente mais velho que eu.

— Ah, Shikamaru. Esses são os irmãos da Temari — eu tinha esquecido, admito. Olhei novamente para eles e reconheci um com uma tatuagem no canto da testa e olheiras. Deveria ser o mais novo.  Antes que eu pudesse fazer algo, ela chega atrás esfregando os olhos para se acostumar com a luz

— O que foi, Shika? — Olhou para mim e seus olhos foram até os irmãos dela. Que sorriram abertamente e ela foi até lá pulando no de cabelo castanho que a puxou e deu-lhe um abraço apertado. Logo indo e pulando no colo do ruivo. Vi que o de cabelo castanho olhou o pescoço dela e deu um sorriso abafado e logo chegou próximo ao ouvido dela e disse algo que a deixou corada e a fez levar a mão no pescoço. Eu só observava até que o Naruto chegou mais perto de mim

— Eae,Shikamaru. Como estão as coisas? — Diz acenando e se colocando ao meu lado.

— Indo. Tá tudo meio médio, mas estou achando que disso não passa — Disse me ajeitando. E levando os olhos a ele — Precisando de ajuda com a empresa ainda?

— Ahh, sobre isso — Vi Temari vindo na nossa direção com os dois —  A gente conversa deopois – Disse sorrindo. Ele chegou perto do meu ouvido e sussurrou "Gaara tem bastante ciúme da irmã não deixe as coisas muito provocativas"  e depois passou o dedo indicador no meu braço. Me toquei o que era e apenas concordei.

— Gaara e Kankuro esse é o Shikamaru — Disse com um sorriso e veio para o meu lado

— Prazer — disse estendendo a mão para Kankuro que apertou e depois para Gaara que hesito mas apertou a mão dele. Ele parecia me analisar de cima a baixo. Eu ficsris nervoso, mas estou com preguiça para expressar qualquer sentimento. Para quebrar o clima de análise Naruto logo propõe

— Vamos marcar de sair anoite com o pessoal. Onde você fez a reserva Gaara? — Perguntou coçando a nuca.

— Gaara vai ficar até quando? — Perguntou Temari olhando pra mim. Mando um olhar pra ela de "Vamos entrar pelo amor de Alá eu não gosto de suar" e ela riu — Vem vamos sentar na cozinha — Disse ela e eu apenas a segui com as mãos dentro dos bolsos. Naruto me olha e parecia se segurar para não rir mandei um olhar de morte e ele olhou para o outro lado. Cheguei perto da Temari, que estava conversando, e sussurrei um "Vou trocar de blusa, senhora unha" me afastei e ela parou e me mandou um olhar que deveria ser mortal, mas não funcionou porque estava corada. Subi e coloquei uma blusa com manga e um tênis já que Naruto disse que sugeriria de sairmos. Peguei o celular e quando estava descendo de novo encontro um bilhete no quadro de avisos que costumávamos usar.

Shikamaru 

              Por conta da Elite tivemos de fazer uma viagem de última hora.

 

  O papel era vermelho e só usávamos o vermelho em casos de urgência. Deveria ter outro e eu não tinha visto. Desci mais rápido. Não quero explicar isso tudo pra ela agora. Os irmão dela estão aqui e seria melhor para ela. Apareci na cozinha e os qautro estavam lá. Assim que entrei eles olharam pra mim eu apenas sorri e fui até o quadro de avisos da cozinha. Ótimo, nada. Olho para o lado e vejo Naruto que me manda um olhar de dúvida e eu peguei o bilhete que estava no bolso e mostrei para ele. Pela cor ele já entendeu o que se tratava porque na elite usávamos o mesma forma de comunicação de quando íamos para missão já que não poodia usar objetos pessoais como celular lá e do celular da elite sua conversa e toda gravada.

— Hmm. A Ino respondeu, Gaara. Vamos sair — Disse olhando pra mim e eu entendi. Nesse momento o celular de Gaara tocou e notei um sorriso no rosto do Kankuro. Gaara saiu da cozinha e ela veio para perto de mim.

— Você está agindo estranho, o que foi? — Esqueci que ela é completamente observadora — Sei que não é pelos meus irmãos então,é por que?

— Temari, eu te conto assim que tiver uma oportunidade melhor, pode ser?

— Pode — Ela olhou pra mim é deu um sorriso de leve. Não, fácil de mais.

— Sério? — Não devia ter perguntado isso.

— Não — O sorriso desfez e deixei um escapar dos meus lábios.

— Imaginei — tirei a mão do bolso e coloquei a mão no pescoço e o maldito papel voou da minha mão.

— Que isso? — Disse se abaixando. Eu até iria pegar,mas quando ameacei ela pegou o meu braço e me jogou em no chão sentando em cima de mim e pegando o bilhete —  Shikamaru, o que está escondendo de mim, fala agora que é melhor.

— Temari, tente ser mais amorzinho com seu namorado, coitado.

— Ele pode sair dessa posição a hora que quiser — Ela disse e eu realmente podia sair daquilo a hora que eu quisesse. Eu só estava ali ainda porque força pra sair não ia mudar o fato dela já ter lido.

— Pode? — perguntou se encostando no balcão. Eu apenas sorri e o braço que ela eu segurei o pulso dela, girei meu tronco onde ela estava, sentada em cima, joguei ela no chão (com carinho, obviamente) e a joguei meu corpo em cima de sua cintura, não a deixando levantar e segurando suas mãos acima da cabeça. Ela sorriu.

— Viu? — Soltei as mãos dela mas não sai de cima dela.

— Nunca vi a Temari tão vulnerável na vida. Não sei o Gaara, mas gostei se você — Ela revira os olhos e volta a olhar pra mim

— Vai falar ou vou ter de descobrir?

— Meus pais viajaram

— Eles não escreveriam isso num papel vermelho se fosse só isso. Tem alguma coisa a mais — Sai de cima dela e estendi a mão que pegou e ficou próximo aos meus olhos

Modo conversa com o olhar: ON

— Eu não quero falar isso agora. — disse eu

— Você vai falar isso agora — disse levantando a sobrancelhas.

— Mas nem eu sei direito o que tá acontecendo.

— Me fala o que sabe — Cruzou os braços.

Modo conversa com o olhar: OFF

— DÁ PRA PARAR? ESSA CONVERSA NÃO TEM LEGENDA PRA QUEM TA AQUI FORA — Fala Kankuro

— Coloca um tênis, vamos na elite — Digo por vencido. Ela sorri e sobe as escadas com o irmão a seguindo e Naruto apareceu

— Shikamaru, Ino falou pra gente se encontrar no Ichikaru. Eae, cara, descobriu o que aconteceu?

— Vou na elite, devem ter deixado algo na sede. Já que a princípio não era pra Temari saber.

— E por que ela sabe?

— Já tentou discutir com aquela mulher? Não? Ah bom. Ela ia descobrir de qualquer forma.

— Grave? — Ele perguntou já com a voz apreensiva

— Não sei, espero que não. Tem haver com o Kurou — ele vai gritar, observem. (A// lógico que vai, eu que escrevo a fanfic,eu sei o que vai acontecer)

— HATAKE? — perguntou em um sussurrou meio gritado.

— Sim, bom eu vou com a Temari até lá e encontro vocês na churrascaria — Disse pegando as chaves. Ela já vinha em minha direção e sorriu quando viu a chave — Nem sonha, Temari. Eu vou pilotar agora. Desisti — ela cruzou os braços — Por favor, não vamos discutir isso agora. Temos de ser rápido. Gaara aparece nesse momento e ele ainda me olha meio torto.

— Onde vocês vão? — Se manifesta finalmente.

— Vamos passar em um lugar antes, vai ser rápido — ele olha descinfiado— vamos nos encontrar de novo — diz ela e logo vem em minha direção e vamos em direção a moto. Subi e ela logo atrás. Fui mais rápido que o normal e pelo incrível que pareça ela passou a mão na minha cintura. O que era raro. Chegando na Elite o pessoal já chegou comprimentando e um novato começou a babar quando ela passou e meu olhar foi para ele. Que pareceu não notar então apenas passei o braço em volta do pescoço dela e fui até o quadro de avisos de lá. Haku estava na secretaria e eu já estava ali então não iria perder nada perguntando.

— Haku, meus pais deixaram algo pra mim? — Disse parando na frente da mesa dele e ele me olhou logo dando um sorriso para nós.

— Não sei — respondeu e logo pedou um cartão e me entregou — Vai no escrito da sua mãe e vê. Trás o cartão de volta depois. Agradeci com a cabeça e fui até lá. Minha mãe que tinha o escritório principal mas meu pai e ela que ficavam lá. Em cima da mesa tinha um cartão com alguns números. Ela olha

— São coordenadas. Isso aí não é em Konoha. Muito menos em Kasai — olhei os números e pela primeira vez não soube o que fazer. 


Notas Finais


C O N T I N U A . . .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...