História Traga-me sua inocência para a cama. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!jungkook, Bottom!taehyung, Depressão, Drama, Flex, Jihope, Jimin Sincero, Menção Yoonseok, Minseok, Não Vai Ter Namjin, Srtbrends, Taekook, Top!jungkook, Top!taehyung, Vkook, Yoonseok
Visualizações 115
Palavras 4.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Fluffy, Lemon, Lírica, Luta, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá novamente ~
Nossa, parece que o tempo passa mais lentamente de vez em quando, até pensei que tinha-se passado 1 mês desde o primeiro capítulo.
Em oportunidade disto, agradeço pelos comentários, sério, estou lisonjeada.
Adorei que vocês comentaram da minha escrita (insira aqui gritos histéricos)
O capítulo é menorzinho, ok?
Boa leitura ~~

Capítulo 2 - Traga-me novos acontecimentos


CAPÍTULO  II

Traga-me novos acontecimentos 


Meio dia, o som alto dos alto-falantes que indicavam o fim do período escolar matutino ecoavam pelos largos corredores, estes que em segundos ficaram cheios de alunos que seguiam seus próprios caminhos. Dentre os vários alunos estavam Jimin e Jungkook seguindo a correnteza de pessoas em direção à saída, como era segunda-feira Seokjin não poderia os acompanhar por comparecer no Conselho Escolar já que eles estavam pagando a futura faculdade do mesmo – possuía excelentes notas, especificamente as melhores.

Os dois garotos andavam com um laço de mãos compartilhados, já que em qualquer momento com a velocidade dos vários alunos um deles pudesse se perder. Ao que chegaram no pátio e tiveram um prazer imenso com o ar fresco e cheiros não tão poluentes soltaram um muxoxo em satisfação.

- O que você vai fazer hoje? – Jimin pergunta assim que os dois atravessam o grande portão metálico e dispõem seus corpos com a calçada cheia de folhas secas, Jungkook chutava e amassava o máximo que conseguia com o tênis surrado.

- Não sei, provavelmente irei ler algum livro...- O moreno parou de judiar das pobres folhas secas e assumiu uma pose aérea – ... Acho que irei naquela biblioteca de Busan, a que abriu recentemente, sabe?

O loiro acenou em confirmação com a cabeça, mas logo que as palavras do amigo fizeram sentido em sua mente proibida para menores de 18 anos que ele esboçou uma ação digna de foto.

- Por que em Busan? Vai naquela ali da esquina. – Apontou com o dedo indicador para uma livraria de canto numa rua próxima, Jungkook negou prontamente.

- Eu já li todos os livros daquela livraria, eu acho... – Abaixou a voz - ... Além do mais, a recepcionista gosta de mim...

- Ahhh... meu garanhão! – Empurrou levemente o outro pela lateral com um sorriso que lhe cortavam as bochechas e encolhiam os olhos.

- Para com isso... – pediu tímido enquanto enrolava os dedos uns nos outros – ... E você sabe que não temos tempo para isso, afinal ano que vem é nosso último ano e já está na hora de nos tornarmos responsáv...

- Tá bom, Tá bom! – abanou as mãos gordinhas em desistência – Meu Deus, Jungkook, aproveita a sua juventude.

- Eu estou aproveitando...

- Lendo 8 livros por semana? Estudando 9 horas por dia? Rejeitando todos os meus convites para sair? – O baixinho citava descontente, soltando o ar preso e continuando seu raciocínio - ... Me diga, quando foi a última vez que você fez aquelas coisas que fizemos no domingo? Você tem que viver mais por si próprio, e não por histórias inventadas e cálculos matemáticos.

Colocou uma mão no ombro do maior para que este o olhasse, logo sorrindo sereno para demonstrar sua preocupação com a rotina exagerada do amigo.

- É sério, pensa nisso. – Levantou os calcanhares e deu um breve selinho na bochecha gordinha e gelada do moreno pelo ar-condicionado da sala de aula, acenou e se separou do outro pegando uma rua contrária ao resto do caminho do deste.


《》《》《》《》


Jungkook olhava pela grande janela do vagão do trem parcialmente lotado, estava em pé enquanto admirava as casas bem decoradas de Busan cortando a visão do grande céu azul. Ao que o trem chegava na estação pensava sobre o que Jimin lhe contara anteriormente, deveria rever seus conceitos de diversão (?).

Andava em meio àquela multidão da estação após saltar do trem, segurava sua bolsa com força pela insegurança que dominava seu corpo. Odiava sair sozinho.

Puxou o celular do bolso e seguiu o caminho do aplicativo já aberto indicando o lugar, tentava ao máximo não demonstrar tamanho nervosismo e não pirar no meio da rua.

Ao que chegou na nova biblioteca. Se admirou de imediato pela glamorosa arquitetura e tamanho. Se imaginava todos os dias voltando para aquele lugar até que não sobrassem mais livros para se ler, enfim jogando a idéia de Jimin numa pastinha de fundo.

- Olá, Boa tarde, seja bem vindo à nova biblioteca da cidade. Deseja algo em especial? – O jovem tomou um leve susto pela voz repentina que acordou seus sentidos, olhou para a recepcionista que o encarava com um sorriso ensaiado no rosto.

Caminhou até ela, ficando em frente do balcão de mármore extenso.

- Boa tarde. Eu gostaria de saber como é o sistema aqui... – pronunciou timidamente.

- Então... – abaixou, logo voltando com várias fichas de diversas cores e cartões – Aqui nestes fichas estão os gêneros, o azul é drama, o rosa é romance, o verde é ficção científica... – posicionou as fichas em horizontal disponibilizando que os nomes dos gêneros aparecessem sob a cor – ... E os cartões é pra te identificar caso você queira levar algum livro para casa, então a gente anota o número do seu cartão e a cor da sua ficha e você terá o prazo de 1 semana para devolver.

- Entendi... – Passou o olho pelos gêneros - ... Vou pegar a ficha azul.

- Agora é só você se direcionar àquelas estantes ali no centro pintadas de azul, está vendo? – Apontou em meio a várias estantes e mesas ocupadas por um número exageradamente pequeno de pessoas.

Confirmou e logo se dirigiu até onde o foi indicado, passou os dedos pelos livros novos – alguns que já havia lido na biblioteca antiga – e parou em um curioso que exibia uma largura desinteressante. Pegou o óculos aviador na abertura da frente da bolsa, logo o posicionando em frente ao olhos.

Pegou e se sentou numa mesa afastada perto das janelas cobertas para impedir que a luz fizesse mofo no local.

Poesias para o meu não-amor”

“Página 3;

Eu pensava que você era meu doce mel;

E eu abelha, caí em sua armadilha de aluguel;

Porque, afinal sabemos que era tudo movido a papel;

Papel que comprava-lhe mais mel;

E que com outras abelhas você prendesse todas em um carrossel;

Para assim assistir todas correrem atrás do pouco mel.”

Instigante,

Passava-se o tempo e Jungkook estava quase terminando o livro, anotou o nome da autora deste na lateral de seu pulso com uma caneta que achara de repente em seu bolso.

- “...E eu abelha, caí em sua armadilha de aluguel.” – uma voz grossa lhe chamou a atenção, o obrigando a levantar a cabeça e os óculos caírem um pouco ficando na ponta de seu grande nariz.

Sentiu como se tivesse voltado no tempo em que sua mãe o levava para a praia quando tinha 9 anos, e como a altura era precária as ondas eram tsunamis.

Acabara de ter sido atingido/levado um caldo de uma tsunami de sentimentos.

Surpresa;

Confusão;

Ansiedade;

Medo;

Vergonha;

E no fundo... Alegria.

- Taehyung? – perguntou mesmo já sabendo a resposta, sua voz falhou minimamente pelo aparecimento repentino mas conseguiu disfarçar com uma leve arranhada de garganta.

O mais velho estava quase 95% coberto, sendo percebido de longe como um disfarce. O sobretudo grosso fechado destacando a máscara branca contornando seu maxilar, a touca bege quebrava a perfeita harmonia assim ganhando seu destaque em toda a roupa. Por fim, o óculos de lentes escuras despojado em seu colarinho.

- Ao vivo, e em cores. – Sorriu aberto – Eu não te vi no trabalho, você é um staff geral? – puxou uma cadeira que estava perto e sentou-se ao lado do moreno que engasgou com a pergunta.

- Ah... sobre isso... – Media as palavras cuidadosamente para encaixar numa futura frase, entretanto Jungkook estava desconcertado demais para colocar toda sua genialidade à prova.

- Você gosta de ler? Eu também, só não sou muito bom em escrever... Ah, não! Eu sou sim, mas só quando estou de bom humor... Mas acho que isso é um fato universal, não é? – riu alto de si mesmo.

Jungkook perdeu-se em sua órbita, enquanto pensava o que responder em um assunto Taehyung já estava em outro totalmente alheio, anotava em sua mente que seria muito difícil conversar com o mais velho sem pedir para que repetisse algo.

- Gosto? Livros? Ah sim... gosto bastante.

- Eu perdi a conta de quantas vezes eu já li esse... – apontou com os olhos para o pequeno livro descansando nas cochas abençoadas pela puberdade de Jeon. - ... Toda hora que eu vejo esse livro me dá uma vontade gigante de comer mel, deve ser porque o primeiro poema é relacionado à isso. Acho que aqui perto tem uma loja que vende mel, vamos?

E novamente, o moreno teve que colocar os neurônios em reunião para que juntos chegassem em um conclusão e ação para o ato externo, conseguia ver claramente dentro de sua cabeça os mesmos declararem demissão e deixar-lhe de mãos atadas.

- Repete... – pediu com a própria confusão renascida em seu tom de voz e expressão facial.

- Ah, desculpa... – riu novamente, esboçando aqueles dentes bem cuidados - ... É que eu sou meio ansioso, sabe? – falava sem jeito.

“Sei, sei exatamente como se sente”.

- Mais ou menos... – mentiu.

- Então, vamos? Somos colegas de trabalho, é bom que trocamos umas idéias.

- Sobre isso...

Taehyung não deixou que Jungkook terminasse a frase, o pegando pelo pulso e o fazendo com que as duas pernas sustentassem o corpo mole que sentira um enjoo inicialmente. Arrastou o jovem pelas estantes e logo chegando à calçada em frente ao estabelecimento que Jungkook antes passara um bom tempo parado olhando a bela arquitetura.

Mesmo que quisesse romper o contato com o castanho deixou seu corpo ser levado, sabe-se lá quando teria a mesma oportunidade novamente.

Admirava o corpo alto não muito musculoso lhe levando pela calçada bem feita de Busan, enquanto sentia o perfume forte sair da epiderme alheia e atingir-lhe o próprio rosto. Parecia o cheiro de alguma flor, entretanto não se lembrava qual, perguntaria à sua mãe num mais tardar já que a mesma possuía uma floricultura bem famosa nos arredores de sua pequena cidade.

Ao que os cabelos do maior pararam de serem esticados pelo vento gélido e o corpo se estacou num ponto que Jungkook despertou de seus breves pensamentos, olhou em volta vendo que não haviam andado tanto já que a biblioteca estava à alguns metros atrás.

“Curioso como o tempo varia tanto quando estamos com a pessoa da qual gostamos.”

Piscou algumas mínimas vezes para que lubrificasse os olhos secos que esquecera de piscar ao que olhava Taehyung o arrastando para onde estavam.

- É um restaurante. – Taehyung informou divertido pelo descontentamento mental estampada na cara do menor. – Apesar de não parecer tanto...

Ao que o Kim ria sem mostrar os dentes já que uma de suas mãos cobria o sorriso que Jungkook achava tão único e a outra mão ainda conectava os dois corpos, Jungkook finalmente retirou os olhos do maior para assim observar o ambiente.

Parados em frente de uma pequena casa não muito tradicional, está que possuía apenas uma porta e uma placa média que indicava o que era o local. O moreno pensara que a palavra “Suspeito” deveria ter um sinônimo maior para definir tal lugar. Relutou, retirando a mão do laço quente que aproveitava anteriormente.

- Olha, eu sei que seu trabalho é para maiores e afins... – Falava sem jeito ao que encarava outro ponto que não fosse o castanho em sua frente. – Mas acho que começamos rápido demais, sabe... Então...

- Meu Deus, eu não vou transar com você. – Caiu em gargalhadas alta com o corpo tremendo em espasmos rápidos. – Vamo apenas comer mel... Espera, qual o seu nome?

- Jeon Jungkook...

- Ok, então, Jungkook... – Respirou enquanto parecia repetir um mantra como se já estivesse farto da mesma cena. – Olha, só porque eu trabalho com filmes adultos não quer dizer que eu vou sair pelos lugares chamando qualquer um para transar.

“Qualquer um...”

Aquilo quebrou seu coração, despedaçando-o mais ainda. Jungkook sentiu nojo de si mesmo por cogitar a idéia de que outro alguém se interessaria por ele, e novamente o garoto se depreciava internamente.

Apertou o pulso esquerdo onde se localizava alguns finos cortes cobertos pelo grande agasalho, sentia-se horrível, queria chorar e ir para casa.

Jungkook era extremamente sensível.

- Infelizmente eu não posso te acompanhar, eu tenho horário para chegar em casa e já estou atrasado. – mentiu com um riso leve.

- Ah, mas nem escureceu ainda.

- Mas eu moro muito longe, tenho que ir agora...

- Eu chamo um táxi.

- Não precisa...

Ao que Taehyung tagarelava opções para não se desgrudar do mais novo este ficava mais impaciente cresceu assim uma raiva interna por alguém o pressionar tanto. Sentia-se sufocado.

- Ok. Chama logo. – Disse ríspido, logo esboçando um sorriso para amenizar a situação, Taehyung o olhou curioso pela súbita desistência e por fim ligou para um táxi que chegou 10 minutos depois.

- Deixa que eu pago! – Segurou a porta antes desta ser fechada pelo agora cliente, pediu para o taxista calcular o preço total logo abrindo sua carteira. – Toma, 23.214,29 won (65 reais).


《》《》《》《》


Ao que caminhava entre passos rápidos para sua tão adorada casa e também lugar favorito seu alívio aumentava, o frescor em seu peito se expandia em si causando um calor tão bom que adoraria sentir isto sempre, imaginava o quão bom era dormir com este calor lhe envolvendo o corpo.

Atravessou o portão decorado de madeira escura girando os calcanhares e entrando pela porta média de seu tão aguardado lar. Finalmente havia chegado.

Após entrar no quarto tendo em vista que sua mãe o prendeu no andar de baixo o entupindo de perguntas de onda estava e afins que conseguiu relaxar. Teve que explicar detalhe por detalhe, ocultando a parte de um “estranho” o arrastar para um lugar desconhecido oferecendo mel.

Lembrou que logo depois de sair do carro que lhe ofereceu um tempo muito menor no percurso de volta para casa, o motorista disse que “o belo rapaz” que pagara a conta havia pedido para entregar um bilhete assim que chegasse em seu destino. Deitou na cama procurando o bilhete amassado no bolso da calça que penicava sua pele, foi desdobrando até que se formasse um pequeno corte desajeitado de uma folha de caderno, a caneta preta indicava um número que julgava ser de um telefone junto ao recado extra:

“JK, me chame quando chegar em casa. De preferência, me ligue.”

Logo abaixo da mensagem era notado um desenho de um urso, pato, cachorro, não sabia que animal era aquele mas identificava que estava sorrindo e com um dos olhos fechados.

Encarou aquele papel durante sabe-se lá quanto tempo, estava organizando sua mente e se situando onde que pisou para tomar um rumo tão... diferente.

- Me ligue? Ligar? Como assim ligar? – Levantou num pulo da cama, andando em círculos até que a tontura desse sinais de vida, questionava-se com uma voz baixa para que ninguém da casa o ouvisse mesmo que tivesse o hábito de sempre fechar a porta. – Ele quer que eu...

Engasgou com a saliva em excesso, já estava de noite e a aulas de amanhã seriam tediosas ao extremo, mas teria que manter o papel de bom aluno e nerd que sempre exerceu. Jungkook gostava de estudar, amava, mas apenas aquilo que lhe fosse útil em seu trabalho no futuro.

“Para que estudar plantas? Eu vou morar em prédio e não num campo!” – essa era sua filosofia de vida.

E odiava que no dia seguinte teriam 2 aulas de Biologia, e aquele professor o tirava a paciência de tão excessivamente exigente que era.

Por um filete de tempo esqueceu de sua pirada noturna de sempre, anotaria em seu caderninho secreto que lhe acompanhava desde os 14 anos, lá continha segredos dos mais inocentes como quando descobriu um site de fazer bolo mais fácil até um site de relações sexuais que o fez espantar-se com tamanha pele exposta. Estava acostumado a ler sobre bolos e de um dia para o outro descobrir qual o processo para aumentar o índice de natalidade.

Pegou o celular e discou os números implorando para que Taehyung estivesse ocupado, para sempre.

- Alô? – A voz grossa tão familiar ecoou pelo buracos do alto-falantes do celular.

Respirou, contou até dois e por fim rezou em uma velocidade desconhecida em solo terrestre.

- Oi...

- Jeon Jungkook, é você? – O timbre aumentou carregando alegria e surpresa evidentes.

Jungkook teve que se sentar na cama para que não perdesse as estruturas, odiava a sensação de socializar. Porque era alguém novo, o que conversaria? Como perguntar as coisas sem parecer um idiota anti-social? Gostaria de ter o dom de Jimin em puxar assunto até com as paredes.

- Sim, pode me chamar apenas de Jungkook, está bom.

- Ok, então... Jungkook, como estás?

- Bem(?) – respondeu incerto, gostaria de desligar a chamada com a desculpa de os créditos já estarem no fim e que conversariam por mensagens. Contudo, gastara todos os créditos com o que? Com ligações para compra de produtos pela TV? Ninguém faz isso...

- Foi uma afirmação ou... Espera, foi uma afirmação? – E novamente a gargalhada gostosa do outro lado da linha preenchia os tímpanos de Jungkook.

Se sentia abençoado por ouvir tal som antes de sua morte. Imaginava o castanho trajando aquele sorriso que travava seu maxilar e suas bochechas subiam para abraçar a parte inferior dos olhos felinos.

- Foi uma afirmação, Taehyung. – Soltou um riso leve que somente fora escutado como um assoprar pelo outro.

- Certo... – Diminuía a sonoridade que era transferida pelo aparelho, logo recompondo-se. – Então, quantos anos você tem? Parece que tem 15... Achei meio estranho ter um adolescente no camarim, mas já que você tem experiência no ramo pela roupa bonita que escolheu acho que nada importa sobre esse negócio de idade. Você tem quantos anos?

Jeon teve que aumentar o som na lateral do celular para que pudesse compreender as palavras que saíam rapidamente da boca do outro, tendo somente entendido a partir do “... sobre esse negócio de idade. Você tem quantos anos?”

- Eu tenho 16, mas farei 17 brevemente. – respondeu educadamente.

- Como assim? Você tem 16 anos? Mentira! Me mostre sua identidade! Daqui 1 ano você será um adulto? Meu Deus...- O Kim desabafava desacreditado tendo sua língua rápida proferindo as palavras que desta vez foram todas entendidas pelo menor. – Se bem que o seu rosto é bem infantil, parece mais novo. Mas sua estatura é de homem forte, você faz academia?

- Fiz... uns 3 anos, mas parei 2 meses atrás.

- Por que?

Jeon e o Kim nem perceberam que de estranhos estavam se dando tão bem que nem questionavam o porquê de estarem se falando por telefone. Estavam seguindo a correnteza que eles mesmo fizeram, juntos.

E se tem uma coisa que é admirável no ser humano é a capacidade de ser tão bom, por ventura o que o corrompe é a vontade de proclamar o mau.

- Eu estou no segundo ano do ensino médio, tenho que me dedicar aos estudos...

- Espera, se você vai fazer 17 anos daqui alguns meses não era para você estar no terceiro ano? Você reprovou?

O semblante feliz por conseguir manter uma conversa com outra pessoa se esvaiu imediatamente, lembrava do ocorrido de 1 ano atrás. Um choque.

- Sim... Mas não foi por notas e coisas assim. – explicou rapidamente evitando maiores mal-entendidos.

- É pessoal demais? – O tom tranquilizando com a pergunta o tornava sereno, como quem não o obrigaria ter que lhe dar satisfações.

- Mais ou menos, não me sinto muito confortável em revelar isso... – Deitou as costas na cama ainda com as pernas em posição de sentado, coçou os olhos indicando que o sono já batia em sua porta.

- Ah, entendo... Também não me sinto confortável em revelar algumas coisas para a mídia, me sinto exposto demais. Às vezes eu acho que as pessoas querem que eu instale câmeras em minha casa e me grave 24 horas por dia. Sabe, gosto da minha privacidade e acho que todos nós merecemos isso.

- Concordo com você... – Respondeu sonolento, deixando o sono evidente em sua voz, o Kim percebendo tal tratou de encerrar a conversa.

- Parece que alguém está com sono... – Brincou, recebendo uma confirmação da outra parte da linha. - ... Salvarei seu número como Gukk, é fofo de pronunciar. Tudo bem?

- Uhum... – fechava os olhos lentamente.

- Salve o meu número quando acordar amanhã, boa noite Gukk...

- Boa noi...te

E desligou, retirou as roupas pesadas ficando apenas com sua familiarizada cueca folgada, virou a cabeça para o lado no travesseiro e se ajeitando melhor na cama enfim dormiu.

Por incrível que pareça Jungkook não havia feito sua rotina de tomar seu remédio antes de dormir, isso porque não precisava dele agora pois sua cabeça estava focada demais naquela memória de felicidade que arquivaria para sempre em seu computador mental.


《》《》《》《》


E novamente, no passar de cada dia o Sol entrava pelas frestas da cortina do quarto juvenil, balançando-se junto ao vento calmo da manhã.

O preguiçoso levantou em relutância ao que seu despertador continuava a estragar aquele tempo tão silencioso.

Logo que se arrumara e acabara sua mini-rotina que saiu de casa ao ponto de encontro dos amigos, andava devagar já que estava mais adiantado naquele dia.

Viu apenas Jimin ao fundo, com um garoto maior ao seu lado passando o braço por seus ombros rodopiando o corpo alheio, o amigo estava segurando o celular assim abaixando-o ao que viu Jungkook se aproximar, deveria estar tirando foto ou coisa assim porque sabia que o pequeno odiava que lhe vissem fazendo tal ato.

Chegou finalmente em frente do desconhecido e o não-tão-desconhecido, abriu um sorriso mínimo após provar sua educação cumprimentado o outro que tinha um cabelo mais escuro que o de Jungkook, quase preto.

- Jungkook, esse aqui é Jung Hoseok. Ele disse que gostaria de falar com a gente.. – Apontou para o que não parecia ser um estudante ao que trajava vestes comuns e não o uniforme padrão.

- Oi. – Cumprimentou novamente agora em reverência.

- Então, podemos entrar? – A voz do mais velho entre todos ali se fez presente apontando para o estabelecimento rústico que a cafeteria dispunha.

- Temos aula agora, não podemos... – Jimin explicou tomando as dores do amigo em conversar com um completo estranho, Hoseok era um galanteador nato e Jimin percebera isso com tamanho atrevimento do mesmo em fazer-se sentir confortável com um contato mais próximo que envolvia seus ombros por um braço.

- Ah, entendo... – Um semblante antes sedutor e convicto havia se transformado em questão de segundos de um cachorrinho abandonado pela família tão querida. Um verdadeiro galanteador.

- Se quiser podemos podemos passar aqui depois da escola, ela libera os alunos às 12:30. – Jimin surpreendeu-se com a atividade repentina do mais novo.

Hoseok que antes aparentava estar triste agora exibia sua incrível arcada dentária impecável, e logo concordando com a proposta que lhe foi oferecida.

- Certo! Encontrarei vocês aqui daqui a pouco?

Os estudantes confirmaram, Jimin se despediu de Hoseok passando seu número “disfarçadamente” ao que virou as costas e os dois seguiram seu caminho.

- Seokjin não veio hoje? – Jungkook puxou assunto.

- Acho que ele não vai mais vir muito, ele foi promovido no emprego. Agora ele é um modelo oficial, acho que ele vai fazer aulas particulares...

Jeon entristeceu-se com a notícia, amava a companhia marcante de Seokjin e seu humor tão incrível.

Odiava que a vida tirasse aquilo que lhe fizesse um bem tão gigante;

E odiava a si mesmo por querer prender as pessoas em sua volta, como se fosse um bebê.


《》《》《》《》


Assim que entraram no café denominado CoffeCat de antes seguiram para um mesa reservada onde estava Hoseok com aquele agasalho negro que na visão de Jimin o achava extremamente sexy, não que Jungkook não o achasse bonito mas tinha outra pessoa roubando-lhe a atenção ultimamente.

- Então... – Hoseok começou organizando as palavras que pareciam difíceis de serem usadas. - ... Eu sei que vocês invadiram o camarim de Kim Taehyung no domingo.

Os dois ali que bebiam pelo canudinho do copo que carregava uma bebida doce se engasgaram simultaneamente.

“Ferrou” era o que definirá a única palavra que rodava em torno dos dois amigos.

- Calma, vocês estão pálidos... – O mais velho abanou as mãos em frente dos rostos alheios para que estes voltassem a realidade. - ... Vocês não estão encrecados, calma! – Ria das expressões de medo e espanto em sua frente.

Percebeu que nada sairia pelas bocas que antes maltratavam os canudinhos coloridos.

- Eu sou o Manager especial de Kim Taehyung, sou responsável por seu conforto e privacidade. E também amigo na maior parte do tempo... – informava calmo – Faltando uns 5 minutos para ele sair do camarim eu entrei lá para o chamar, mas ele já estava pronto. E como eu conheço Taehyung fazem anos eu sei que ele seria incapaz de fazer um penteado tão bonito e escolher uma roupa tão chique. E se algum staff tivesse entrando lá, eu saberia. Ele me disse que dois garotos o ajudaram, depois de definirem vocês dois eu percebi que não pertenciam à equipe, mas não disse nada.

Tomou um gole do próprio copo decorado para molhar a garganta, logo continuando.

- Ontem Taehyung chegou em casa todo alegre dizendo ter reencontrado um dos staff’s que cuidaram de si no domingo. Ele também disse que havia dado o número para este garoto misterioso, confesso que me deu uma vontade gigante de esganar aquele maldito por ficar dando seu número pessoal para estranhos, sem ofensas... – olhou para Jungkook com um rosto que transparecia profissionalismo, o moreno não poderia se sentir ofendido por tamanho trabalho duro que o outro exercia. – Então... venho fazer uma proposta para vocês, o Tae é um cara muito carente e nem sempre eu estarei lá para ele já que estou sempre cuidando de sua agenda e afins, e como vocês são boas pessoas e ainda não instalaram câmeras na casa dele ou espalharam fofocas maldosas... Gostaria que cuidassem dele, não de Kim Taehyung, mas do TaeTae. Ele é uma criança que cresceu demais.

Os estudantes agora com a mente borbulhando em novas informações colocaram em linha cronológica as idéias oferecidas naquela mesa, virariam babás (?).

- Jungkook aceita, eu não sou muito bom na escola e minhas notas estão péssimas, ele já pode faltar o resto do ano que terá nota para passar. – Jimin concluiu aquele falatório, era verdade que tinha notas horríveis, mas não poderia virar babá do cara que seu melhor amigo gosta. Além de que tinha outros focos, e um deles era Jung Hoseok.

- Ok, pode assinar aqui? – o Jung perguntou erguendo um contrato e uma caneta, apontou para o final da folha onde tinha uma linha para a assinatura. – É o contrato da empresa, apenas para evitar desentendimentos futuros.

Jungkook relutou, pegando o papel e o nervosismo se alastrando em seu interior subindo a garganta.

Pegou a caneta e apontou a ponta para o espaço em branco.

- Eu posso me demitir, não é?

- Claro, é um contrato oficial. Mas duvido muito você se afastar de Taehyung depois de conhecê-lo – Hoseok responde convicto.

- Certo...

Aproximou a caneta do papel e por fim assinou no espaço em cima da linha.

- Obrigado, Jungkook. Ele ficará extremamente feliz em saber disso. – E novamente o mais velho comenta com um sorriso sincero contornando seus lábios. – ...Muito.


Notas Finais


Turuurun (som de tambores)
É isso... e-e
A partir do próximo capítulo o foco não será o Jungkook, porque acho que vocês já tiveram uma grande noção de sua personalidade, não é?
Agora irei explorar os outros personagens, seus pensamentos e sentimentos.
>Nada passará despercebido, meus amores ○-○ (música de mistério+tambores novamente)
Obrigada por mais uma leitura, bye ~
/Pega uma garrafa de café e voa pra longe ~
P.S.: Sim, eu escrevo pelo celular pq sou pobre e não tenho computador...
P.S.2: Fui eu que fiz os versinhos do livro que o Jungkook estava lendo na biblioteca, meloso, eu sei... e.e


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...