História Transilvânia - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias AnnaSophia Robb, Ariana Grande, Barbara Palvin, Josh Hutcherson, Katherine McNamara, Keke Palmer, Kelli Berglund, Logan Lerman, One Direction, Victoria Justice
Personagens AnnaSophia Robb, Ariana Grande, Barbara Palvin, Harry Styles, Josh Hutcherson, Katherine McNamara, Keke Palmer, Kelli Berglund, Liam Payne, Logan Lerman, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Victória Justice, Zayn Malik
Tags Bruxos, Descobertas, Drama, Lobisomens, Mutantes, Outros, Revelaçoes, Romance, Segredos, Surpresas, Vampiros
Exibições 44
Palavras 1.675
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Super Power, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amores, boa noite :3


Antes de mais nada, queria avisar, que essa Fanfic, eu estou a repostando. Com algumas mudanças. Eu já exclui ela duas vezes, mas não excluirei mais. Dessa vez vou até o fim, e planejo mais de 3 temporadas pra ela :3

Avisos:
- Lily Collins como Cj <333
- AnnaSophia Robb como Melanie <333
- Luke Benward como Eliot <333
- Créditos a essa capa incrível a designer Cachinhos e ao blog London Designs <333
- Créditos a esse Banner incrível a designer Lid e ao blog Fairy Edits <333
- A sinopse não fui eu que fiz, é que não me lembro da designer agora, depois procuro e coloco aqui. Pois já faz um tempinho, kkk.
- Não tenho dia exato para postar, postarei sempre que der, me desculpem se eu demorar muito, e peço que não abandonem a Fanfic por isso :3

Enfim, por enquanto é só <333


Boa leitura <333

Capítulo 1 - Prólogo!


Fanfic / Fanfiction Transilvânia - Capítulo 1 - Prólogo!

Transilvânia, Romênia - 19:30 da noite

P.O.V  Cj

Finalmente o avião pousou e chegamos na Transilvânia. Eu nunca tinha vindo para cá antes, mais esse lugar é fantástico. Ainda mais por ser conhecido como o lar dos vampiros e principalmente do conde Drácula. E eu como fã e tanto dessas historias e contos, amo e se pode existir mutantes, por que não pode existir vampiros? Ou Bruxos? Ou Lobisomens? E por ai vai. E acredite, tudo isso existe e muito mais.

- Cj, mais cuidado. – Falou o meu pai, após eu deixar as minhas malas cair no chão.

- Relaxa pai, e também essas malas estão super pesadas. – Falei e depois as coloquei dentro do carrinho, que carregava malas.

- Pra você maninha, eu sou forte. – Falou meu irmão Eliot, com 5 malas na mão.

- E você sabe que só é forte por causa do seu super poder de super força. – Falei.

- Eu seria do mesmo jeito sem ele. – Diz.

- Claro que sim. – Falo e depois uso os meus poderes de telecinese parar colocar o resto das malas no outro carrinho.

- Aqui não Cj! – Meu pai falou. – Quer que todos aqui vejam?

- Desculpa. – Falei. – E também a patricinha ai, não ajudou em nada. – Falei da minha irmã Melanie. Ela tem 14 anos, é chata, metida e me odeia e eu não a suporto.

- Quer que eu faça o que? Quebre minhas unhas? – Fala e eu reviro os olhos. – E você e o Eliot como aberrações pra ajudar, podem fazer isso sozinhos. – Ela diz.

- Eu só não faço nada pra ninguém descobrir que Eliot e eu somos mutantes. – Falei. – Mais isso basta. –Dou um puxão no cabelo dela.

- Ai! Sua estúpida! – Eliot e eu rimos.

- Chega as duas por favor, agora vamos que o táxi já esta esperando a gente lá fora. – Falou nosso pai, após parar de falar ao celular com sei La quem.

Assim nos saímos dali com o carrinhos pra fora.

Acho que eu esqueci de falar certas coisas, não? Bom, meu nome é Claire Joana Mitchell, mais sou conhecida desde os 3 anos de idade por Cj. E tenho 16 anos. Como podem ver, eu e meu irmão Eliot somostemos poderes, isso porque somos mutantes. de acordo com o meu pai, nós nascemos assim. Eu tenho poderes psíquicos e poço fazer varias coisas, como a telecinese e teletransporte. Enquanto ao Eliot, ele tem a super força, telecinese e também pode se teletransportar. Melanie desde pequena foi assim, e lá pelos 10 para 11 anos piorou. Ela sempre chama eu e meu irmão de aberrações e tem inveja as vezes de ter nascido normal e não com super poderes. Eliot é um ano mais velho que eu.

- Pode deixar senhor, eu cuido do resto das malas. – Falou o cara da táxi.

- Não tudo bem, eu ajudo. – Falou meu pai. – Entrando os três, andem. – Ordenou, após terminar de ajudar o taxista com as malas.

O único motivo de estarmos aqui na Transilvânia, é porque meu pai perdeu o emprego e não conseguia achar outro melhor. E minha tia Mira que mora aqui, ofereceu ajuda a ele e ele aceitou. Então moraremos aqui por enquanto.

- Onde a tia Mira mora mesmo? – Perguntei ao meu pai.

- Em um casarão, em uma rua não muito populosa. – Ele responde.

- Pelo menos ela é rica. – Fala Melanie.

- Sinceramente pai, você devia ter me ouvido e ter colocado a Melanie naquele colégio militar ou o interno, antes de virmos pra cá. – Falei.

- Como é?

- Você ouviu. – Eu respondi.

- Chega! – Falou meu pai meio alto e autoritário.

- Chegamos, senhor. – Falou o cara do táxi.

- É aqui? – Melanie pergunta após olhar a casa, ou melhor casona pela janela.

- É sim. – Meu pai responde.

Assim saímos do táxi e ficamos observando a casa enorme, e super esquisita. As cores eram marrom, cinza e preto. Tinha um enorme quintal e jardim pelo jeito, e tinha um portão grandão a frente, onde era a entrada. E um caminho, que levava até a porta. Tinhas umas 6 arvores, umas coisas bem antigas, tanto no quintal quanto na casa.

- Vou chamar a tia de vocês pelo interfone. – Disse meu pai.

Depois ele foi até, e depois de um tempinho, o portão começa a se abrir sozinho.

- O que? – Disse Eliot.

- Deve ser automático, idióta. – Fala Melanie.

Então assim nos entramos carregando nossas malas, ate chegar na porta de entrada e meu pai apertar a campainha.

- BEN OLHA SÓ VOCÊ AI! – Gritou minha tia Mira, após abrir a porta e agarrar o meu pai. – OLHA SÓ OS SEUS FILHOS, ESTÃO TÃO CRESCIDOS E LINDOS. – Gritou mais uma vez.

- Será que podemos entrar logo? Meus braços estão doendo. – Fala Melanie.

- Os meus também. – Falei.

- Claro, entrem. – Ela falou e assim fizemos e Melanie e eu cansadas e com dores nos braços. Jogamos as malas no chão.

- Recolham isso agora. - Falou meu pai.

- Pode deixar Ben, elas estão cansadas. – Fala minha tia.

- A sua é casa é tão... moderna. – Fala Melanie.

- Obrigada. – Diz minha tia. – Essa casa é da nossa família de gerações a gerações, e como o seu pai não a quis quando podia tela, eu fiquei com ela. – Ela fala.

- Legal. – Eu falo.

- STELA! – Minha tia grita e logo uma mulher com aparência de uns 40 anos aparece.

- Sim senhora, Mira? – Ela pergunta.

- Cadê a Lina?

- Esta na biblioteca.

- Pois a chame, agora mesmo. – Ordenou.

- Sim senhora. – Stela responde e depois sai subindo a escada.

Faz tempo que não vejo a Lina, éramos muito amigas, quando éramos pequenas.

- Essa era Stela, a minha governanta. – Minha tia diz.

- Ta.... onde é o meu quarto? – Melanie pergunta, sem nenhuma educação.

- Lá em cima, como os dos outros. Assim que Stela voltar, ela levara vocês até eles. Enquanto isso, porque não se sentam, e comam um biscoito? – Ela falou, e tinha uma bandeja com biscoitos em cima da mesinha que tinha ali.

- Claro! – Respondo e depois fui e peguei um biscoito e me sentei no sofá, e meu pai me encarava feio. – Que foi, eu nunca recuso comida de graça. – Falo.

- É claro!. – Fala minha tia. – Vem irmão, vamos conversar um pouquinho. – Falou ela e assim meu pai a seguiu, pra sei La onde.

- Ela ta alegrinha demais pro meu gosto. – Disse Melanie.

- Ela sempre foi assim. – Eu falo de boca cheia..

- E provavelmente, quer dar uma boa impressão. – Disse Eliot, também de boca cheia.

- Oi... – Meus irmãos e eu olhamos ao mesmo tempo para a garota, que apareceu perto da gente. Ela usava óculos de grau, tinha a pele um pouco clara, olhos azuis e cabelos castanhos.

- Oi, quem é você? – Perguntei.

- Lina, prima de vocês. – Ela responde.

- Nãooooo.. – Eu falei impressionada e depois me levantando. – Lina, é você mesmo?

- Sim. – Ela responde tímida.

- Incrível, não parece a mesma de quando éramos pequenas. – Falei. – Gente, dizem oi pra Lina, seus mal educados. – Falei.

- Oi! – Eles responderam e depois voltaram a atenção deles em seus celulares.

- Oi. – Lina fala tímida.

- Então... como vai indo a vida? – Perguntei.

- Bem, estranha as vezes, mais bem. – Ela responde. – E a sua?

- A mesma coisa. – Ela ri.

- To vendo que já estão se dando bem. – Vejo que era a Stela.

- Pois é. – Eu falei.

- Cj, você e seus irmãos me sigam, que eu irei mostrar seus quartos. – Ela dfala.

- Tudo bem. – Falei e depois de olhar para Melanie e Eliot, pego dois biscoitos e taco neles. – Acordem, bestas. – Eu falei.

- Eu ouvi. – Disse Eliot.

Então nos pegamos as malas e depois subimos as escadas com a Stela. Primeiro ela mostrou o quarto de Eliot, depois o da Melanie e, por ultimo ia ser o meu.

- É aqui. – Ela fala. – Essa é a chave do quarto. – Fala me dando e eu pego.

- Obrigada. – Agradeço e depois ela saiu e entrei no meu quarto.

O quarto era grande, mas não enorme. Tinha uma cama de casal, com lençóis preto e roxo.  E almofadas roxas. Um criado mudo, uma janela grande, um closet, um banheiro, uma mine sala e um computador. As cores das paredes era em roxo e marrom.

- Amei. – Falei pra mim mesma.

Então eu fui ate a janela e a abri, e consegui ver a bela paisagem que ela tinha da casa e um pouco da cidade e da arvore que tinha bem perto. Olhei para baixo e vi minha tia Mira falando com alguém, e quando esse alguém me nota e ela também. Ela chacoalha a mão e eu faço o mesmo e depois volto para dentro.

- Filha, posso entrar? – Ouço meu pai batendo na porta.

- Pode sim. – Respondi e assim ele entra, e eu me sento na minha nova cama.

- Vim te avisar pra você não dormir muito tarde. porque amanhã você e seus irmãos começam na nova escola. – Ele fala e eu fico tipo... O que? Mais como assim?

- Como assim? E por que já amanhã? Acabamos de chegar...

- Porque sim, e não se preocupe com material escolar. Sua tia comprou tanto pra você, quanto para seus irmãos. – Ele fala.

- Ai... ta né... fazer o que. – Falei e ele riu.

- Prometa pra mim que você não vai arranjar confusão em, já basta as que você arrumava em Nova Orleans. – Ele fala e eu reviro os olhos.

- Não se preocupe. – Eu falo. – Se ninguém mexer comigo ou pegar no meu pé, eu fico na minha. – Falei.

- Eu acho bom, mas de qualquer forma não precisa resolver tudo em brigas, ou com os seus poderes. – Ele fala e depois sai do quarto.

Meu pai, agia mais como mãe do que como pai. Engraçado isso, mas entendo, e sei como ele se preocupa comigo e com os meus irmãos.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado :3
Criticas construtivas são bem vindas <333


XoXo Lua <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...