História Translucent - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Fantasia, Fantasma, Harry Styles, One Direction, Revelaçoes, Romance, Suspence
Exibições 7
Palavras 1.658
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - 0.7 Translucent


-Pode começar.- Digo receosa enquanto pego um pouco de cereal e como com dificuldade.

Não tinha notado o quanto estava faminta até aquele momento, por sorte, ou não, Harry havia sugerido que comesse alguma coisa antes de começar a me contar toda a história. Entretanto ainda tenho que lembra-me de o perguntar porquê só tinha varias caixas de cereais na cozinha. Aliais, será que ele poderia comer alguma coisa?

-Eu não sei por onde...- Divaga se aconchegando mais contra a bancada da cozinha.

-Ahm, quem sabe pelo começo?- Falo obvia.

Posso até parecer tranquila no momento, porém por dentro sinto meu estomago remexer loucamente com medo de tudo que está por vim. Ainda não esqueci-me da carta da irmã Judith, que foi, deveras assustadora. Era como se eu tivesse em meu estado de negação, sem querer acreditar que o ser que me encarava era um fantasma, e por mais absurdo que seja vou da-lhe um chance. Eu preciso fazer isso.

-Eu matei meu pai.- Solta e eu me engasgo com o resto do alimento que restava em minha garganta, de repente toda vontade que tinha de comer desapareceu em um instante.

-O-que?- Minha voz falha, porém não posso me importar menos com isso.

-Foi em uma tarde, que tinha resolvido ir ao seu escritório-Murmura roucamente.- Eu estava fulo por que tinha acabado de descobrir que o mesmo havia combinado meu noivado com a filha de um de seus sócios pelas minhas costas. De acordo com ele, isso ajudaria nos negócios quando assumi-se sua empresa. Porém eu não queria aquilo. Por mais estranho que pareça, eu acreditava no amor.- Me encara.- Acreditava que poderia casar com alguém que realmente me amasse e não que tinha visto no máximo duas vezes em minha vida.

- Então eu fui em sua empresa faltando em minha faculdade, com a esperança de o fazer mudar de ideia e perceber meu ponto de vista. Mas não...- Ele rapidamente abaixa seu olhar com a voz embargada, e mesmo que não fosse minha intenção, não pude impedir uma pontada de tristeza em meu peito.- Ele começou a gritar comigo, dizendo que o futuro de toda aquela merda estava em minhas mãos e que não tinha me criado para dar-lhe aquele desgosto.- Passa sua longa mão nervosamente por seus cachos os puxando e só ai percebo uma tatuagem de cruz na mesma.- Tudo passou tão rápido que nem me lembro direito do momento quando o respondi rudemente e virei-me para sair da sua sala, estava com a cabeça quente, eu realmente achava que ele se importava com o que eu sentia. Fui tão ingênuo.- Grunho porém parece não se importar com a pequena lagrima que o escorre no canto de seu olho, fazendo com que meu coração se quebre observando toda a cena, por um instante, esqueço todo meu medo e só sinto vontade de ir até ele e o confortar.

-Quando ele veio puxar meu braço para impedir-me que saísse, eu ignorei seus gritos, chateado de mais para dar importância, então....puxei meu b-braço com força, e....m...meu pai...per...perdeu o e...equilíbrio... foi tão rápido...- Ele fecha seus olhos fortemente.- E...eu não pude... fazer nada!- Finalmente eleva sua voz me fazendo pular com o susto.- E-e-ele...ba-bateu a cabeça....na ponta da mesa... e-e-e tinha tanto sangue...- Soluça fortemente, me fazendo deixar a caixa de cereal de lado e correr para seu alcance, nunca tinha visto alguém se quebrar daquele modo em minha frente.

-Não foi sua culpa.-Sussurro, porém quanto vou-me para tocar em seu braço o mesmo se afasta drasticamente e eu o olho confusa.

-Não me toque!-Exclama se levantando irado da cadeira e rapidamente abaixo meu olhar arrependida. O que deu em mim? Ele ainda pode ser um mostro. Onde estava com a cabeça?

-Me desculpe.- Peço baixinho, porém não sei bem porquê o fiz. O único que deveria desculpasse aqui era ele, por me manter presa. E, Deus, ele trocou-me de roupa. A Judith não avisou que ele seria um pervertido na carta.

- Não, não, não...- Murmura repetidas vezes e juro que posso ver um reflexo de arrependimento em suas feições. Nem tento disfarça a frustração, provavelmente evidente em minha cara, esse garoto me deixa maluca.- Olha, você não pode me tocar Okay? Então por favor, não se aproxime mais desse modo.

-O quê? Porque?- As palavras correm rapidamente por meus lábios sem que possa para-las. É logico, como fui burra, ele é um fantasma. Provavelmente eu passaria por ele se o tocasse, mas como ele poderia tocar nas coisas ou se sentar se fosse realmente assim?

-Meu deus.- Fala de repente e começa a rir exageradamente e eu o olho confusa mais uma vez. Céus, ele é assim sempre tão bipolar?- Perdão, é só que,- Diz com dificuldade se recuperando de seu show ridículo e eu cruzo meus braços desconfortável tentando entender oque teria tanta piada para ele.- Bem, eu não atravesso paredes ou qualquer coisa que esteja pensando.

-Você lé pensamentos?- Questiono o motivo mais óbvio que me vem a cabeça.

-Claro que não.-Responde divertido.- Você é apenas tão clara e ingenua. A coisa mais fácil de se fazer é ler suas expressões.- O olho furiosa, ele só está achando piada de toda essa situação. Não acharia estranho se descobrisse que seu ataque de minutos atrás fosse plenamente encenado, vindo dele, não duvido de mais nada.

-Deus, você é ridículo.- Grunho e volto a me senta, só que agora encima da bancada.- Está desviando do assunto! Porque não posso toca-lo, se não o atravesso?- Tentado parecer serio, porém percebo o quão estranho pareceu oque acabei de dizer e faço uma careta duvidando de minhas próprias palavras.

-Veja bem,- O mesmo começa assim que se senta a minha frente. Tudo bem, agora era eu que estava incomodada com toda a proximidade, mesmo que ouve-se mais de dois palmos de distancia entre nossos corpos.- Eu posso fazer e sentir qualquer coisa que o seres vivos fazem, e até mais, como quando te levei a flutuar,- Fala e sinto um arrepia quando me lembro disso, como poderia ter esquecido?- Porém, ainda tenho limitações, como não poder sair deste terreno, ou, bem...- Me olha apreensivo.- Tocar em seres humanos.

-Q-que?- Sussurro perplexa invertendo meus olhos de sua cara para suas mãos inquietas em seu colo.

-Por isso, aquele dia na frente do espelho fiz-te desmaiar. Quando vi seus machucados sabia que eles tinham que ser tratados rapidamente antes de ficarem infeccionados. Porém, também sabia que você em seu estado de choque inicial não iria nem reparar neles. Então eu tive que faze-los.-Diz e eu olho para minha mão machucada que se encontrava enfaixada com um tecido branco. Como não havia reparado nisso?- E antes que você pergunte algo, me deixe terminar primeiro.- Fala quando me preparo para abrir a boca, entretanto rapidamente a fecho e o mesmo continua.- Quando eu encosto em uma pessoa, eu simplesmente a causo dor, como se a mesma tivesse levado um soco na área que foi tocada. Descobri isso da pior forma possível.- Me olha rapidamente e eu o encaro sem expressão.- Assim que morri, vieram muitas pessoas a está casa e eu primeiramente ficava escondido no sotam ou no meu modo, que gosto de chamar de translucido- O interrompo curiosa.

-Translucido?

-Calma, ainda vou chegar lá.- Me manda um olhar repreendedor e eu me calo rapidamente, talvez pelo medo muito recende que ainda me corroía, mesmo sem querer admitir.- Voltando, em um dia a casa estava tão silenciosa que até tinha estranhado, ela não ficava daquele jeito a muito tempo, porém assim que tomei coragem para descer ao piso superior, me arrependi quando pude ver uma cabeleira loira encolhida no sofá. Era Gemma,- Ele solta um belo sorrio assim que se recorda dessa tal pessoa, e não consigo evitar soltar um sorrisinho quando vejo as covinhas em suas bochechas. Quando ele tinha se tornado tão lindo daquele jeito?- Minha irmã.- Informa.- Ela era tão bonita, acho que se lembra dela, no quadro do corredor. Sabe, vocês provavelmente se dariam bem. As duas são tão marrentas e difíceis de convencer.- Murmura.- Enfim, quando ela me viu seus olhos estavam inchados e seu rosto se encontrava molhado. Ficava me perguntando se eu era o motivo daquilo, quer dizer... Como ele poderia chorar por mim depois de tudo que fiz? Mas ela não se importou e saio correndo em minha direção assim que me viu, porém assim que seus braços me rodearam todo seu corpo se encolheu e ela gritou de dor. Foi agoniante. Nunca desejei que sofresse ainda mais por mim, por isso desde aquele dia, venho a evitar tocar em alguém. Não quero mais machucar as pessoas.

-Mas como sabe se isso realmente acontece toda vez? talvez...

-Não- Me interrompe.- Aquilo foi apenas a primeira vez, e mesmo que tenha evitado, não o consigo fazer sempre. Por isso já espantei muitas pessoas que vinham cá para me ajudar.

-Ah- Solto sem saber como responder.- Mas e o negocio de translucido?

- Bem, isso eu posso te mostrar.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

CANSEI! shusuhushuush, ai, eu realmente queria continuar esse capítulo mas vou parar por aqui porque já são quase duas horas da manhã e eu tenho aula logo cedo. Ahh e antes que me esqueça... MIL FUKING VISUALIZAÇÕES E QUASE 160 VOTOS E MAIS DE 300 COMENTÁRIOS?? VOCÊS SÃO DEMAIS DKEJDK

Agora vamos para a programação normal:

HEY FLOWERS!!! Como estão? Gostaram do capítulo?

Pois bem deixe-me explicar uma coisa, NÃO É QUE ELES NUNCA VÃO PODER SE TOCAR( Ou beijar), APENAS CONTINUEM LENDO, QUE MAIS PARA FRENTE TUDO VAI SER RESOLVIDO OKAY? por enquanto fiquem sofrendo ai um pouco shshushsu. Não tenho mais sobre oque falar nessas notas, até que não demorei tanto para postar não é mesmo? Enfim, até a próxima atualização criaturinhas. Bye.

Xoxo

- ☠F A Y E☠

Ps: Vão ler Blackwood, minha nova fic também com o Harry, que por minha parte está maravilhosa shsushus. Já tem dois capítulos então correm lá.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...