História Transviado - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Frank Zhang, Hades, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper McLean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Thalia Grace, Will Solace
Tags Nico, Solangelo, will
Visualizações 225
Palavras 2.062
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OEEEE
ia postar esse cap. Só amn mas terminei ele hj e pensei "ah, pq n?"
Ta aq.
Espero que gostem.

Capítulo 2 - Medo


Fanfic / Fanfiction Transviado - Capítulo 2 - Medo



Capítulo 2- Medo

Nico olhava ao redor com impaciência. Dissera a si mesmo para não se preocupar com Will e curtir a festa enquanto ele não chegava, mas era difícil demais fazer isso. Considerando que era uma festa que provavelmente só acabaria amanhã pela manhã ele não estava exatamente atrasado. Ele havia confirmado hoje mesmo que ia para a festa então qual era o problema? Por que Nico tinha que ser tão paranóico?

Ia enlouquecer em breve se Will não chegasse logo. Estava tão nervoso. Perdeu duas horas escolhendo uma boa roupa e depois tentando controlar sua crise de ansiedade. Fazia meses que não precisava mais tomar aqueles remédios e estava tão feliz que havia ao menos se livrado deles, mas estava com um mau pressentimento terrível e seu coração simplesmente acelerou demais, ele começou a suar frio e tremer e os sintomas eram tão comuns que só pegou os remédios, tomou e se deitou para que tudo passasse enquanto uma playlist já preparada para esses momentos tocava em seu celular. Não ouvia aquela playlist desde a última crise.

Aquela era uma playlist engraçada. Quando a escutava durante uma crise ela lhe ajudava a se acalmar, mas se estava bem e ia escutá-la ela o induzia a uma crise. Sempre tentava se lembrar de comentar isso com seu psicólogo, o senhor sabe tudo  com certeza teria uma explicação científica para aquilo. Bem, ele não era má pessoa, só passava tempo demais estudando, na opinião de Nico.

Estava com medo de ter uma crise de novo, na frente de todas aquelas pessoas, e com medo de estar certo com seu mau pressentimento. Medo de Will não vir. Medo. Medo. Medo. Ironicamente todo aquele medo só o deixava mais à beira de uma crise.

- Oi, Nico. -Leo cumprimentou, surpreendendo-o.

- Oi, Leo. Arrasou hein?- Nico elogiou a roupa dele.

Leo estava com uma calça preta rasgada nos joelhos e coxas e uma camisa preta com mangas com um grande escorpião nas cores do arco-íris estampado na frente e seus cachos se emaranhavam no topo de sua cabeça. Nico tinha tanta inveja daqueles cachos. Leo sempre dizia que dava muito trabalho e vivia comentando sobre as hidratações loucas que testava pra cuidar de suas madeixas em casa - “Pobre tem que se virar”, ele dizia- mas pra Nico parecia valer muito a pena. Infelizmente, não tinha santo que fizesse seu cabelo ficar cacheado. Nem babyliss funcionava no cabelo liso herdado de sua mãe.

- Eu sempre arraso. - havia tanta convicção na voz dele que era impossível duvidar da veracidade da frase- Cê ta bem?- o tom dele era preocupado.

- Claro que tô.- Nico sorriu, mas não convenceu.

- Dá pra ver que não tá. Tá escrito na tua cara. Vamo falar com o pessoal, vem! Ta se isolando por quê?- Leo arrastava Nico pela multidão de pessoas-  E da próxima vez que tu mentir pra mim eu arranco essas tuas tetas na base do estilete, beleza?

- Seria um favor. - Nico riu de nervoso, porque Leo sabia muito bem como assustar alguém. E Nico não era exatamente alguém difícil de se assustar.

Lá estava o vale todo reunido: Percy, Hazel, Frank, Annie, Thalia, Pipes, Rey, e… mais alguém. Havia um cara loiro com eles, de olhos azuis que, infelizmente, não era Will. Nico sentia que o conhecia de algum lugar, todavia não tinha certeza de onde.

- Oi, Nick. - Pipes foi a primeira a falar com ele. - Então, tem algo que você tem que saber: eu e Annie terminamos há uma semana.

Nico estava em choque. Mas que diabos? Ele mal chegou e já é recebido assim? Uma semana?

- Pois é, Nico. Essa foi minha reação. Ainda tô tentando aceitar. Pelo menos agora eu e a Annie podemos ficar juntos. - disse Percy, abraçando a loira.

Nico riu, acostumado com as brincadeiras de Percy.

- Foi o que aconteceu, gente. Desculpa não contar pra vocês, é que nem a gente sabia bem como lidar, mas agora a gente tá bem. -Annabeth falou.

Nico reparou um certo brilho de alegria passar pelo olhar de Reyna. Ou ele só estava vendo o que queria ver. Ele não pôde se concentrar muito nisso porque a mão de alguém estava em seu ombro e ele se virou para ver quem era. Então, ele esqueceu tudo.

William Solace. Sorrindo, de camisa amarela clara e calça branca. As cores claras que ele adorava usar. A covinha solitária no lado direito de seu rosto e os olhos azuis como o céu limpo de uma praia. Tão lindo. Tão maravilhoso. E tão cheiroso que Nico passou a respirar mais profundamente tentando descobrir qual era o perfume.

- Oi, Nico. Finalmente nos vendo fora da tela de um celular, né?

Nico fez algum esforço pra lembrar como se falava.

- Sim, claro. Haha. Esses são meus amigos: Leo…

- Lembro deles. Já fomos apresentados, como vão?

Tinha esquecido que Will já conhecia seus amigos por causa das vídeo chamadas que faziam com os outros por perto.

Nico assistiu Will cumprimentar todos do seu grupo e depois Leo chamá-los para outro lugar “disfarçadamente” para dar privacidade para Will e Nico.

- Onde tem bebida? - Will perguntou.

- Ali, vem cá.

Will perguntou o que Nico estava bebendo. Nico disse que era alguma coisa doce com vodka. Will bebeu e disse que era bom. Pediu uma adrenalina no balcão improvisado para o barman contratado. Nico também provou da bebida de Will. Era bom.

- Por que está tão tenso? - Will perguntou, tentando parecer relaxado quando estava, na verdade, preocupado. Nico parecia estranho desde que chegara. Será que o moreno não o queria ali?

- Estou bem. Só tive uma crise antes de vir e estou tentando me controlar pra não surtar de novo.

Nico pareceu convincente em sua resposta. Mas Will ainda não tinha certeza se ele o queria ali e ainda por cima ficou preocupado.

- Nico?

- Hum?

- Vai acabar tendo uma crise enquanto tenta não ter uma crise. Não pense em relaxar, só relaxe. Mais uma coisa: está tudo bem comigo aqui? Podemos ficar junto dos seus amigos ou se sei lá é estranho pra você eu…

Will estava se enrolando com as palavras. Deu um conselho maravilhoso para Nico, mas claro que quando se tratava dele  ele tinha que complicar tudo. Desajeitado como sempre.

- Não, Will. Deixe de ser idiota, por que está pensando essas merdas?

- É que você não me abraçou quando me viu e está calado demais e parece estar tentando manter distância de mim e isso é tão estranho. Se não quiser me ver hoje, tudo bem, sério, não fique se sentindo culpado pelo que eu disse sobre vir só pra te ver, eu entendo você…

- Já mandei deixar de ser idiota, seu bobo.

Nico sorriu e se esticou um pouco para abraçar Will. O loiro sempre era muito sensível. Nico deveria saber que ele podia começar a pensar besteira por causa de algo meio insignificante.

O moreno ia se afastar do abraço, agora mais relaxado para conversar normalmente, mas Will não o soltou. O loiro só ia o puxar de volta para o abraço pois ainda não estava pronto para o soltar, todavia seus olhos se encontraram  com os de Nico e ele simplesmente não pôde evitar.

O plano era curtir com Nico e beber mais um pouco para tomar coragem, contudo aquela era uma oportunidade não é mesmo? Não podia a desperdiçar. Então o beijou. Devagar, suave, com medo da reação do mais baixo.

Nico sentia como se fosse derreter nos braços de Will. O loiro o beijara. Beijo. Ósculo. Encontro de boca com boca. Seus lábios nos lábios dele. Era tão macio. Nico quem aprofundou o beijo, sem saber muito bem o que estava fazendo, só querendo mais daquela sensação. Gemeu quando sentiu a língua dele em sua boca e suas mãos foram para  a nuca dele, o arranhando e puxando seu cabelo.

Todas as dúvidas de William se dissolveram quando Nico aprofundou o beijo, e era simplesmente o paraíso. Apertou a cintura dele com força, apenas para que quem olhasse soubesse que Nico seria seu toda a noite.

Se separaram do beijo e liberaram o corpo um do outro enquanto se encaravam sem saber muito bem como agir.

Will não podia dizer que estava afim daquilo há muito tempo.

Nico não podia dizer que sonhara com aquilo milhares de vezes.

- Como vai a faculdade?- Will escolheu fingir que aquilo não era nada demais e continuar conversando normalmente. Não que fosse fingir que nunca aconteceu, pois se dependesse dele aconteceria mais vezes, só não queria um clima estranho.

- Tudo bem. Tá bem cansativa, na verdade, mas nada que eu não possa aguentar, sabe?

- Claro, claro.

- E a sua faculdade?

Will fazia medicina.

- Também muito cansativa e nada que eu possa aguentar.

Nico riu. Will se esforçava bastante pela faculdade e era bem puxado pra ele, um pouco mais  do que para si.

- Eu vi tudo, hein? - Leo gritou para eles enquanto passava com Hazel rapidamente- Deviam continuar.

Os dois riram, se encarando. Pensando “Boa ideia” ao mesmo tempo, mas com medo da reação do outro a um segundo avanço.  

Nico mordeu o lábio encarando Will e, por fim, deu o primeiro passo. Puxou o outro pela nuca e colou seus corpos enquanto o beijava com vontade, mordendo seu lábio.

Will não soube dizer como ou quando, contudo havia prensando Nico contra uma parede e o beijava ali, apertando sua bunda e cintura enquanto as unhas dele passeavam por sua nuca e costas por debaixo da camisa. Will estava ficando duro e os gemidos de Nico em sua boca não estavam ajudando muito.

Nico desceu os beijos para o pescoço do loiro, que agarrou sua bunda com força e permaneceu com as mãos lá, o apertando quando mordia mais forte a pele meio morena dele.

As línguas voltaram a se encontrar de forma obscena e o de olhos azuis não resistiu mais em esfregar sua ereção contra a coxa do moreno, gemendo e suspirando baixinho. Sentiu uma das mãos de Nico deslizarem por suas costas lentamente, descendo e indo para seu abdômen e descendo de novo até o cós de sua calça, onde ele fingiu que ia enfiar a mão por ali, mas na verdade passou a mão por cima e apertou sua ereção. Will mordeu o lábio do outro em resposta.

Um pouco mais rápido Will descia sua mão para entre as pernas de Nico.

Que o impediu pouco antes de chegar lá.

Antes que Will falasse qualquer coisa, Leo passou e os mandou ir para o quarto dessa vez. Então Will disse:

- O que acha de fazermos isso, hein?

O olhar dele era sexy.

Nico estava…

A ereção grossa dele ainda contra sua mão.

Nico estava…

Os lábios vermelhos e úmidos por conta dos beijos e o pescoço marcado.

Nico estava…

Will estava lhe chamando para um quarto. E eles poderiam simplesmente subir, já que estavam na casa de Leo e ele não se importaria.

Nico estava…

Apavorado.

Queria fugir.

Estava tremendo.

Will não sabia que ele era trans e esse não era exatamente o clima certo para contar. E se chegassem no quarto e ele descobrisse que Nico não tinha o que homens cis tinham e fosse embora? Ficasse com nojo? Broxasse? Se afastasse e nunca mais ficasse com ele?

E se perdesse Will para sempre?

E se ele lhe dissesse as merdas que ouvira a vida toda? E se ele dissesse que Nico não era um homem de verdade por não ter um pênis? E se ele dissesse que Nico era uma mulher? E se ele dissesse que sempre quis experimentar algo assim? Como se Nico fosse algum prato novo num restaurante chique.

Não aguentaria ouvir essas coisas de Will. Não suportaria.

Nico não percebeu, entretanto já chorava.

- Hey, Nico, não precisa. Me escuta, desculpa, não chora, se você não quiser não vou te forçar. Não fica assim, eu fiz alguma coisa? Me desculpa, desculpa, desculpa. Nico, olha pra mim. Nico!

Mas ele não ouvia. A respiração acelerada e o barulho e as pessoas e muita luz em seus olhos e as lágrimas e a boca seca. Nico estava tendo uma crise. Okay, aquilo era o cúmulo. Como Nico podia agir assim? Era a oportunidade dele e ele chorava? Imbecil, idiota, estranho, doente.

Nico se sentia um lixo. Um merda.

Nico correu rápido para casa. O caminho desde a casa de Leo era longe mas ele mal notou. Também não notou Will gritando seu nome quando saiu. Também não notou o celular que vibrava insistentemente com as mensagens do loiro mais velho. Também não notou quando pegou no sono nu na banheira de casa, o rosto manchado em lágrimas.


Notas Finais


Nico ta se sentindo um Juão Paulo KKKK
adoro uma piada meio pesada.
N se acostumem com essas postagens rápidas q às vezes eu demoro, okay?
Hey gente
Vcs tbm recebem notificação do spirit na sexta? Eu recebo por volta das cinco da tarde notificação pra ir atrás de histórias novas. Será q o spirit conta as fics na nossa biblioteca antes de mandar isso? Pq MAN eu tô cheia de fic ATRASADA pra ler e o spirit fica me mandando pegar mais? AAAAAAA

Indicação de hoje: O terno- Não espero mais

Espero que tenham gostado, até a próxima ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...