História Treat you better - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Tags Colegial, Primeiro Amor, Romance, Shawn Mendes
Exibições 45
Palavras 1.353
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiii amores!!!! antes tarde do que nunca neh kkkk. Demorei mas postei!!
Ameeei escrever esse cap, espero q vcs gostem tanto quanto eu :D
Queria dizer obg pelos favoritos e pelos coments, continuem pois isso motiva mttttt :3
Vou tentar atualizar com mais frequência, e sempre com capa para os cap :))
Boa leitura! <3

Capítulo 3 - Nightmare


Fanfic / Fanfiction Treat you better - Capítulo 3 - Nightmare

- Hum... Lana? Ela é... bem... Uma amiga minha. – não sei por que, mas algo na maneira como ele respondeu não me deixava acreditar completamente em suas palavras.

Espera. "Lana" não seria a menina que me entregou o convite hoje mais cedo? Se sim, agora entendi o porquê de ter percebido que  conhecia seu rosto de algum lugar. Era ela quem estava conversando com Shawn ontem.

- É dela a festa que vai acontecer sexta?

- É sim. Você recebeu o convite?

- Sim. Mas eu nem conheço ela, não sei por que me convidou.

- Eu pedi para que ela te convidasse. Já que você é nova na escola, eu pensei que fosse uma maneira de você se enturmar melhor com o resto do pessoal.

- Isso foi muito legal da sua parte, Shawn. – sorrimos. – Mas então, que revista em quadrinhos está lendo?

- Homem aranha.

- Eu não curto muito super-heróis.

- Como que a mulher maravilha não curte super-heróis? – eu pude sentir minhas bochechas pegarem fogo nesse momento. – você parece um pimentão agora. – ele estava quase rolando no chão de tanto rir.

- Não tem graça, tá? – virei o rosto em direção do corredor na esperança que a vergonha sumisse. – podemos mudar de assunto, por favor?

- Ok. Hum... além de histórias em quadrinhos o que mais você curte? – agora ele tinha parado de rir e sua expressão estava mais séria.

- Ahn, deixe-me ver... Livros, séries, filmes e música. Eu amo música.

- Que tipo de música?

- Curto de tudo um pouco, mas ouço mais pop.

- Curte Bruno Mars?

- Bastante. – sorrimos.

 

Já que mamãe e Greg sempre almoçavam no trabalho, não havia ninguém em casa. Então, mamãe tinha deixado meu prato para o almoço pronto. Depois de ter comido e lavado a louça resolvi subir para o meu quarto. Eu deveria arrumar a bagunça que estava exposta ali, ou então começar com os deveres de casa, que eram vários, mas a preguiça falou mais alto e logo eu estava de baixo das cobertas pronta para passar a tarde assistindo Pretty Little Liars. 

E assim fiz. Levantei somente depois que mamãe chegou – que para minha sorte foi antes de Greg - para ajudá-la com o jantar, e depois com a louça. Feito isso, fiz o dever de casa que parecia não ter mais fim, tomei uma chuveirada e logo estava de baixo das cobertas de novo. Meus olhos pesavam e logo me rendi ao sono.

 

 

Meus olhos permaneciam fechados e meus pés não tocavam em nenhuma superfície, permitindo que eu flutuasse pela água transparente, que me dava à visão de meu corpo sem nenhuma vestimenta. Só havia o barulho das ondas que iam e vinham me levando com elas. Ao abrir os olhos constatei que estava sozinha. A sensação de liberdade me preenchia.

Mas em questão de minutos o Sol forte acompanhado de um céu limpo fora substituído por nuvens escuras, a água que até então estava em uma temperatura agradável se tornara fria e ao olhar para frente, descobri que não estava mais sozinha: Shawn estava ali. E ele estava lindo. Ao contrário de como na escola, seu cabelo estava bagunçado, ele não usava camisa e seus pés descalços se arrastavam pela areia, vindo em minha direção. Ele parecia feliz, estava sorrindo largamente. Mas à medida que gotas começavam a cair do céu, seu sorriso se desmanchara. Desviei a minha atenção do menino para o céu, e pude perceber que uma tempestade chegaria logo logo. Ao retomar o olhar a ele, uma onda de desespero me invadiu. Havia um homem vestido de preto e com o rosto coberto segurando Shawn e apontando em seu pescoço uma arma. Nesse momento seu olhar encontrou o meu, e ele sussurrou um “me ajude”. Sem pensar duas vezes comecei a mover, mas cheguei a um ponto onde não importava a força que eu fizesse, eu não saía do lugar. “Katherine, por favor.” Decifrei o que seus lábios sussurravam. Tentei mais uma vez, sem sucesso. Conforme eu mexia meu corpo na tentativa de sair de onde estava e ir ao encontro dele, a água que antes estava na altura de minha cintura, de um jeito terrivelmente assustador começou a subir. “Katherine!” agora ele não sussurrara e sim gritara, fazendo com que meus batimentos cardíacos aumentassem absurdamente.

Guardei em meus pulmões o máximo de ar que consegui, fechei meus olhos e afundei de vez meu corpo na água salgada, assim mexi meus braços na expectativa de nadar, porém mais uma vez sem sucesso. Voltei à superfície. O céu estava mais escuro, chovia, ventava forte e água agora batia em meu pescoço. “Isso é tudo culpa sua, Katherine.” Ele disse, e então o barulho de um tiro ecoou pelo lugar. 

 

Não fora um sonho. Fora um pesadelo. Acordei com a respiração pesada e os batimentos acelerados. Logo as lágrimas que eu estava tentando segurar começaram a escorrer pelo meu rosto. Por mais que estivesse tentando, eu não conseguia controlar o desespero. 

Silenciosamente a porta se abriu, mostrando a sombra de uma pessoa alta e forte. Greg. O sofrimento que eu já estava sentindo iria aumentar agora.

- Oi, docinho. Eu sei que está acordada. – ele fechou a porta e se aproximou da cama, abaixando o edredom que me cobria. – vamos nos divertir um pouquinho? – não consigo expressar tamanha raiva que venho sentido toda que vez que ele pronuncia essas palavras para mim. Agora minhas lágrimas não eram apenas de sofrimento, elas também estavam carregadas de ódio.

Apesar de toda a dor que Greg me causava quase todo santo dia, eu ficava feliz por ele nunca ter me beijado. Essa parte de mim nunca havia sido violada por ele, deixando assim que meus lábios permanecessem virgens. E eu, assim como toda garota sonhava com meu primeiro beijo. Mas a questão era que com 13 anos, quase todas as meninas já haviam perdido o “bv”, e eu não. Acontecera à mesma coisa com a menstruação, eu fui a ultima das minhas amigas a virar mocinha. Mas isso não vem ao caso. O que eu queria era saber quando o meu príncipe encantado chegaria para me beijar.

- Boa noite, docinho. – ele disse, me fazendo voltar à realidade. Logo fechou a porta, me deixando sozinha com minha dor novamente.

Não consegui dormir mais nem um minuto sequer. As imagens daquele sonho, ou melhor pesadelo, me assombraram o resto da noite. Sem que eu percebesse a escuridão do céu fora substituída pela claridade, mostrando-me que o dia começara. E com ele, novos momentos, oportunidades e quem sabe até sonhos...

 

Shawn POV

O dia custara a amanhecer. Passei parte da noite em claro. Tive um sonho com ela que não me deixou dormir depois que acordei assustado.

 

Eu estava em uma praia linda, o tempo estava ensolarado e quente, mas em questão de minutos nuvens escuras começaram a preencher o céu, a água do mar ficou gelada e então ela apareceu. Katherine estava linda. Usava um vestido branco, seu cabelo estava preso em um coque, e seus pés descalços. Ela estava como eu nunca havia a visto antes,-  já que ela sempre usava jeans e seu cabelo solto. - Então um homem mascarado a segurou e colocou contra sua garganta uma arma. Katherine me pediu ajuda, e eu tentei de toda forma que pude ir até ela, mas algo começou a me impedir, eu continuei tentando, mas sem sucesso. A chuva começou a cair e com ela, um barulho de tiro.

 

Agora eu estou aqui, no último banco da fileira esquerda do ônibus, indo rumo a escola. Sem conseguir esquecer as imagens daquele pesadelo estúpido. Coloquei meu fone de ouvido e liguei no último volume a música do meu MP3. O som dos acordes do violão de Jason Mraz foi direto para o meu coração.

Assim que o ônibus parou, desviei o olhar da janela para a entrada do ônibus. E ao vê-la vindo em minha direção com seu jeito desastrado, jeans escuro e cabelo preso em um coque, meu coração começou a bater rapidamente. Ketherine sorriu ao me ver. E naquele momento eu sobe que gostava dela.


Notas Finais


Comente oq achou ↕↕↕
Até a próxima, bjsssssssss ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...