História Treze é Demais! - Capítulo 35


Escrita por: ~ e ~lavignizer

Visualizações 1.091
Palavras 8.837
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oi oi amoras! tudo bem, eu demorei, me matem... mas antes deixem eu explicar aqui um pouquinho tudo o que aconteceu nessas 4 (?) semanas que ficamos sem 13. então, para o azar de vocês estávamos entrando em dezembro, última semana de novembro e além de ter sido a data escolhida para uma das provas mais importantes da minha vida, começou a tão esperada semana de provas na escola. basicamente, eu demorei porque estava focando nos meus estudos e sendo foda e tal, já que eu PASSEI (tinha passado desde o terceiro bimestre, mas né, abafa)! enfim, eu estava completamente atolada nos estudos, com meus trabalhos e todas as minhas coisas e simplesmente não tive cabeça para escrever porque eu realmente estava com um bloqueio enorme em tudo o que eu estava fazendo, então, eu meio que dei uma sumida por aí para me recuperar e focar nos meus estudos.
espero que entendam e eu acabei me alongando nas notas por causa disso, eu demorei sim para postar, mas foi por algo completamente necessário para mim e importante também.
sobre o capítulo, na capa estão todas as fantasias que eles usaram na festa do Chris que a Lari insistiu que eu colocasse que por mim deixava todo mundo no escuro mesmo e também TAN TAN TAN um personagem novo (?) *moonface*. esse negócio dá um trabalho, porra, quanta gente. a hobbit também quase morreu de tanto rir enquanto lia o capítulo, mas quero deixar claro que isso não significa grande coisa: ela ri de tudo que eu falo e minhas piadas são péssimas.
preparados para a volta de treze é demais?
novamente, desculpa pela demora e tudo mais, agora estamos de volta.
enfim, um, dois, três e...
(AÇÃO!)
enjoy it amoras ^^

Capítulo 35 - The Flash and The Robin's


Fanfic / Fanfiction Treze é Demais! - Capítulo 35 - The Flash and The Robin's

Ela muda meu mundo

    com a mesma facilidade que muda de humor,

muda de assunto...

Ela muda minha vida.

 

Ela muda meu mundo

   com um “bom dia” ou um sorriso

  ou quando fica triste...

Chove em minha alma quando ela chora.

 

E isso é tão assustador

A forma como lidamos com toda a dor

   A forma como nunca me solta

A forma que me ama...

 

Ela muda meu mundo

   e eu deveria ter medo, mas não tenho.

   Eu apenas posso suportar tudo isso, amigo...

Não importa o que aconteça...

Ainda é ela.

 

E sendo ela,

   tudo bem,

   somos nós duas

e isso basta.

Lauren acordou sorrindo. Mas como não? Era como se estivesse vivendo um sonho e tudo parecia simplesmente irreal demais. Por mais que um pequeno furacão que carinhosamente chamava de filhos pulassem sobre seu corpo, não havia razão para que não estivesse sorrindo naquele momento.

Toda a família estava em alerta no dia de hoje e a todo vapor levando em conta que o aniversário de Christopher era amanhã e o pequeno queria nada menos e nada mais que uma festa a fantasia – coisa que suas mães não poderiam negar de forma alguma.

A morena nunca havia visto Camila tão afobada para cumprir as exigências de Chris, sabia que no fundo a latina poderia estar se sentindo de certa forma culpada já que perdera dois anos da vida do garotinho que a essa altura não era mais tão pequeno quanto antes.

Ela estava se saindo bem na opinião de Lauren, mesmo que fossem catorze pessoas para dividir a atenção.

- Mommy! – Hazz gritou por atenção, se lançando sobre seu corpo em forma de protesto e fazendo com que Lauren gargalhasse.

- Bom dia, babe – a hispânica sorriu na direção do filho, observando Tyler correr de um lado para o outro no quarto fazendo barulhos engraçados. – Como dormiu?

- Eu tive sonhos engraçados... – o pequeno Hazz murmurou fazendo uma carinha pensativa. – Tinha uma cobra pirata! Ela era toda grande... E verde... E ela tinha braços e... Dentes grandes... E UM TAPA OLHO!

Lauren gargalhou da cara animada do filho enquanto o mesmo falava, não querendo dizer para o pequeno que cobras, na verdade, não tinha braços e principalmente... Não eram piratas.

- Que divertido, filho. – a morena disse com um sorriso no rosto. – E você ganhou das super cobras piratas?

- Claro! – Harry se levantou na cama ficando entre as pernas de Lauren com um sorriso egocêntrico. – Eu sou o super Hazz! – ergueu seus bracinhos, animado, fazendo com que sua mãe soltasse uma risadinha fraca. – Eu derrotei todas as cobras malvadas!

- Claro, super Hazz. – brincou de forma divertida. – E você, Ty? – perguntou ao outro filho que corria ainda pelo seu quarto. – Sonhou com algum monstro essa noite?

- Eu não! – Tyler exclamou pulando sobre a cama. – Eu era um carro! – franziu o cenho em seguida em completa confusão. – Que estranho.

Lauren gargalhou outra vez, não se contendo e puxando Tyler para o seu colo também junto de Harry beijando rapidamente a bochecha de cada um.

- Tudo bem, meus sonhadores – murmurou com um sorriso no rosto. – Algum de vocês viu a mama?

Os dois se entreolharam, colocaram as mãos sob o queixo e estreitaram os olhos como se pensassem a respeito para a resposta da pergunta da mãe antes que ambos negassem freneticamente.

- Ela não devia tá aqui?

- Eu não vi!

- Será que as cobras piratas pegaram ela?

- Ela pode ter virado um carro!

- Ou um dragão!

- Virado um dragão?!

- Ué, vai saber. Pode ser uma maldição.

Lauren franziu o cenho pela confusão dos filhos, gargalhando logo em seguida mesmo que não tivesse entendido muito bem o que eles queriam dizer no final.

- Talvez seja apenas uma emergência do hospital, pequenos – sorriu de maneira fraca pensando que Camila poderia pelo menos ter a acordado para lhe dizer isso.

- Ela já voltou... – Harry assentiu com a cabeça arregalando seus olhinhos em seguida e logo sentindo Tyler montar em cima de si e afundar sua cabeça no colchão.

- Era surpresaaaaaa! – o pequeno gritou revoltado fazendo com que Lauren gargalhasse em seguida, se sentindo estúpida por se sentir tão feliz apenas por aquelas palavras, antes que se inclinasse para salvar seu filho mais novo das garras de Tyler.

- Hey, vocês, podem ir parando aí! – disse de maneira séria e observou seus filhos se sentarem rapidamente de olhos arregalados. – E comecem a explicar.

- Foi tudo ideia da mama!

- É, da mama!

- Ela saiu... Eu acho...

- A gente não sabe, cobras piratas!

- Mas já voltou!

- Voltou rápido para a mommy!

- Ela ama a mommy!

- Nada de hospital, só mommy!

- Íamos fazer uma surpresa, mas o Hazz estragou tudo!

- É, eu estra... HEY!

- Tudo bem, tudo bem – Lauren franziu o cenho já se perdendo nas palavras rápidas dos filhos. – Seus irmãos já acordaram?

- Sim, a Sav saiu com Avril para escolher uma roupa pra festa do Chris! – Tyler assentiu.

- Mas a Emma ainda tá mimindo, Ty – Harry encarou o irmão, alguns anos mais velho, que franziu o cenho em confusão para ele.

- Verdade, a Em tá dormindo. – Tyler murmurou com uma carinha concentrada. – Mas o Drac disse que ele e o Luke vão acordar ela porque eles também não têm roupa.

Lauren assentiu, se levantando da cama e tomando cuidado para não derrubar os seus dois filhos que logo se agarravam a sua cintura.

- Okay, e vocês já compraram suas fantasias?

- Claro, mom! Nós somos garotos espertos! – Harry murmurou orgulhosamente apontando para o seu próprio peito. – MELHORES ROUPAS!

- Sim, vamos estar mais bonitos que o Chris! – Tyler disse pulando animado em seu lugar.

- Tudo bem, garotos. Só não contem isso para ele porque é o aniversário do irmão de vocês, ok? – perguntou com uma expressão séria e viu os garotos assentirem rapidamente com as cabeças. Achava adorável todo o jeitinho deles. – Agora soltem a mommy para que eu possa fazer minhas coisas, ok? Já se escovaram?

- Sim, a Ash ajudou a gente antes de sair com a Rô e a Lex. – Harry deu de ombros. – A Rô não queria ir, disse que elas são muito chatas e pé no saco. Mommy, o que é pé no saco?

- Algo que sua irmã não deveria falar perto de vocês – revirou os olhos enquanto se soltava das mãos pequenas de seus filhos indo em direção ao banheiro, fechando a porta antes que Harry a seguisse também. – Esperem só um pouco, logo eu desço com vocês e preparo o café da manhã.

- Mas a mama já...

- AH! – a voz de Tyler seguiu a de Harry antes que o menor completasse sua fala e pode imaginar com clareza que o pequeno Hazz agora deveria estar correndo de seu irmão.

- Não, Ty!

- Você falou de novo!

[...]

Camila colocou desajeitadamente as sacolas da padaria sobre o balcão da cozinha enquanto tentava equilibrar Tommy em um de seus braços e ainda possuir fôlego para discutir no celular – que segurava entre seu ombro e sua orelha – com nada mais nada menos, que Dinah.

- Me dê um motivo para que eu aceite isso – murmurou revirando os olhos enquanto deixava seu filho mais novo sobre o balcão também, tirando rapidamente seu jaleco e respirando fundo. – Isso fez tanto parte da minha vida quanto da sua, e francamente, eu combino muito mais com ele do que com você.

 - Oh, foda-se que você não tem pais! Você parece uma Barbie ambulante, não vou deixar que desonre o cara mais foda de todos! – a polinésia gritou pelo outro lado fazendo com que Camila revisse os olhos, mas risse para Tommy que a encarava atentamente. O pequeno estava em uma fase que repetia tudo que ouvia, então Lauren a estava obrigando a ser cuidadosa perto dele para que não acabasse falando o que não devia e então seu caçula aprendesse algo muito errado. – A fantasia é minha, você vai de Robin! O Batman é meu!

- A festa é do meu filho, quem tá pagando sou eu! – exclamou também, de forma indignada, enquanto arrumava as coisas em cima da mesa para que parecesse pelo menos um pouco que ela mesma que havia feito o café da manhã, mesmo que qualquer um soubesse que a latina poderia ser boa em qualquer coisa em sua vida – desde que isso não fosse cozinhar.

- E daí, sua mão de vaca? Estamos falando de uma coisa extremamente séria aqui – Dinah murmurou com um tom nervoso. – Você acha que isso é uma brincadeira? É o Batman, o herói mais foda que você respeita.

- E é exatamente por isso que você vai de Robin e quem vai ser o Batman sou eu – sorriu de maneira convencida, lavando alguns morangos antes de estendê-los para Thomas. – Você combina muito mais com o Robin.

- E minha mão combina com a sua cara, sua ridícula! Eu não vou deixar você desonrar a memória do Batman! – Dinah exclamou de forma convicta do outro lado da linha. – E se eu sou o Batman, você logicamente é o Robin porque essa é a regra.

- Olhe aqui você, Laverne Cox – Camila ergueu um dedo como se a melhor amiga fosse mesmo capaz de enxergá-la. – Primeiramente, sua lógica não faz sentido. Segundamente, eu sou o Batman porque eu combino mais com ele. I’m Batman. Terceiramente... Jesus, meu filho está segurando uma faca!

- O QUE?!

Camila respirou fundo, se aproximando delicadamente de Tommy que ria de forma abobada, sentado ao lado do faqueiro e fazendo Camila se praguejar mentalmente por tê-lo deixado em cima da bancada possibilitando que aquilo acontecesse.

- Camila Cabello, se você e essa sua bunda gigante colocarem o meu bebê em perigo eu vou arrancar o seu útero com as minhas próprias mãos!

- O filho é meu, sua idiota! Ele saiu foi de mim, okay? – resmungou revirando os olhos e sorrindo na direção de Tommy. – Bebê, dá isso pra mama antes que sua mommy desça e veja isso então a mama vai ficar realmente sem um útero... Se eu ainda tenho um depois de ter treze filhos.

- Eu tive quatro e nenhum saiu de mim, ganhei – Dinah sussurrou em seu ouvido se gabando e a latina revirou seus olhos de maneira entediada.

- Tommy, dá isso pra mamãe – murmurou de forma delicada e com uma voz ridícula em sua mente enquanto estendia a mão. Tommy apenas franziu o cenho, tombando levemente sua cabeça para o lado como se considerasse aquilo que sua mãe lhe dizia.

- Dá! – o pequeno exclamou animado levantando a faca e a abaixando rapidamente na direção da mão de Camila que arregalou os olhos, pulando para trás e gritando assustada. Logo em seguida, Tommy começava a rir do desespero evidente da mãe achando a situação em todo hilariante. – Fa...

- Isso, uma faca. Uma faca está na lista de objetos que o Tommy deve ficar longe, uma faca está na lista de objetos intitulada “A Lauren arrancará sua cabeça se o Tommy tocar nisso”. Dá pra mama, bebê – estendeu a mão outra vez fazendo apenas com que o garotinho gargalhasse feliz, como se realmente estivesse alegre com todo o desespero da mais velha. – Okay, parece que eu terei que pegar isso a força.

- Se perder os dedos vai ser passiva pelo resto da sua vida, se você já não é – Dinah disse debochada do outro lado da linha e Camila revirou os olhos bufando pela fala da polinésia.

- Eu ainda tenho a minha língua e a Lauren ama ela, sua invejosa – resmungou irritada e escutou satisfeita o som de nojo que sua amiga fez de onde quer que estivesse. – Tommy... Eu te dou chocolate se me der essa faca.

Tommy estranhamente parou seus movimentos, segurando a faca enorme com suas duas mãozinhas.

- Como se ele realmente entendesse tudo o que você está falando, gênio – a voz da polinésia que saia do telefone voltou a soar em seus ouvidos fazendo com que Camila risse debochada.

- E eu estou com uma faca em minhas mãos e dedos inteiros, meu filho é um gênio, muito obrigada – murmurou orgulhosamente e Dinah bufou em seus ouvidos, fazendo com que a latina estufasse seu peito e seu ego também. – Puxou a mama, com toda a certeza.

Camila riu satisfeita, colocando a faca de volta em seu lugar e empurrando o faqueiro para longe enquanto pegava seu filho no colo outra vez.

- Bom, Robin – frisou muito bem o nome do personagem pronunciado. – Eu te vejo amanhã para a organização da festa do meu amado sobrinho onde eu estarei orgulhosamente trajando o meu uniforme de herói da minha identidade secreta porque EU SOU O BATMAN!

- Você é o... – Camila começou, mas antes escutou o bip anunciando o término da ligação fazendo com que ela bufasse furiosa, revirando os olhos outra vez. Às vezes pensava que Dinah estava fazendo aquilo apenas para a irritar, mas sabia muito bem que a polinésia era tão fã de quadrinhos quanto ela. – Babaca. – respirou fundo, colocando seu filho sentado em sua cadeira e alcançando em sua direção uma rosquinha de chocolate torcendo internamente para que Lauren não descesse e visse aquilo. – Vamos arrumar logo esse café da manhã. Será que mommy se importa com suco de caixa? Eu não quero fazer suco natural... Acho que vou colocar dentro de uma jarra e fingir que fui eu que fiz.

- Mommy! – Tommy exclamou animado e Camila assentiu rapidamente com a cabeça enquanto arrumava as coisas sobre o balcão da cozinha.

- Isso mesmo, Tommy. A mommy – murmurou distraidamente enquanto arrumava algumas frutas também, sabendo que não importa o que fosse, Lauren sempre amaria frutas (e suco de limão).

- Mommy!

- Eu já entendi, Tommy – Camila revirou os olhos, estava nervosa internamente com tudo o que tinha acontecido e correndo o risco de ser pega bem no...

- Entendeu o que, Camila?! – a voz rouca disse atrás de si fazendo com que a latina gritasse pulando em seu lugar de olhos arregalados se virando rapidamente e encontrando sobre si os olhos verdes atentos e espertos.

- O-oi amor! Bom dia! – a latina sorriu de maneira nervosa enquanto escutava as risadinhas abafadas de Tyler e Harry agarrados mais atrás as pernas de sua ex-esposa. Pequenos traidores. – Eu fiz o café da manhã!

- Você ou o dono da padaria? – Lauren perguntou de maneira divertida, cruzando seus braços enquanto arqueava uma sobrancelha em deboche.

- Hey! – Camila exclamou fingindo ofensa. – Fui eu que comprei, tá?

- Aham... – a morena revirou os olhos, rindo. – Você não deveria estar no hospital...?

- Não ainda, tenho um tempinho com vocês antes de ir e pedi para a Jennifer ficar no meu lugar no plantão... – murmurou com uma mão sob o queixo de forma pensativa. – E eu tirei uma folga por causa do aniversário do Chris.

Lauren franziu o cenho em completa confusão, sabendo que aquilo quase nunca acontecia. A doutora Cabello nunca havia tirado uma folga por um aniversário ou faltado a um plantão médico, muito menos ficado para o café da manhã.

Ela particularmente gostava da nova Camila.

- Espere, por que o Tommy está todo sujo de chocolate? Camila, você deu besteira para ele comer a essa hora da manhã?! – o tom de voz antes amigável de Lauren se tornou duro enquanto Camila simplesmente franzia o cenho.

- Ué, e tem hora para comer chocolate? – perguntou em um tom brincalhão fazendo com que a morena revirasse os olhos, bufando em seguida. – Eu já disse que te amo hoje? E que eu trouxe suco de limão?

- Você é uma idiota, Cabello – Lauren riu, negando com a cabeça. – Ty, vai chamar seus irmãos para o café, mas não diga a eles que foi sua mama que fez.

- Mas a mama não sabe nem fazer o café mesmo, mommy – Tyler murmurou confuso fazendo com que Camila o encarasse com um bico nos lábios, cruzando os braços.

- É tudo um complô – a latina resmungou, revirando os olhos e fazendo com que eles rissem.

- O importante é que você ainda é linda, mama – Lauren brincou se aproximando dela e jogando seus braços em volta de seu pescoço. – E escreve ótimos poemas também... Bom dia, babe.

Camila sorriu, se sentiu uma completa idiota, por mais que não ligasse muito para isso enquanto fosse a idiota de Lauren estava tudo bem ser estúpida as vezes, contando que tivesse a hispânica perto de si e ela nunca mais fosse para longe.

Estava tudo bem, contudo que ainda tivesse sua família, não importava onde estivesse verdadeiramente.

- Então, já tem uma fantasia para amanhã? – a latina perguntou sorrindo de forma contida, enquanto a hispânica levava uma maça até a boca e mordia com vontade.

- Obviamente, comprei a minha junto com a dos pequenos.

- E você não vai me contar...? – voltou a perguntar, observando atentamente Lauren encarar seus filhos com um sorriso divertido.

- Você é tão esperta, Camz.

Camila revirou os olhos, rindo em seguida. Declarando com certeza em sua mente que definitivamente havia um complô contra ela naquela casa.

[...]

- Olha, esse é bem grande, caberia direitinho.

- Aí, eu não sei muito bem...

- Senta aí.

- O que? Não, muito obrigado.

- Mas...

- Vocês me dão nojo... – Rosalie fez uma careta olhando para a irmã e o primo ao seu lado enquanto escolhiam fantasias fazendo com que Ashley gargalhasse. – Já decidiram essa fantasia sim ou não?

- Escolher uma roupa é uma operação tão delicada quanto aquelas nojentas que a mama faz, Rosalie – Ash disse sabiamente fazendo a irmã gêmea revirar os olhos entediada.

- Se fosse assim, você já teria matado mais pessoas que um serial killer considerando que compra tudo o que vê pela frente – Rose resmungou e Vitor mais atrás riu da pequena discussão.

- Então, já escolheram? – Lexa se aproximou saltitante deles com um conjunto de roupas em mãos e Rose deu de ombros.

- Bom, a Ash com certeza vai deixar o paciente morrer, eu já salvei o meu – a loira murmurou simplesmente fazendo a melhor amiga a encarar como se ela fosse uma espécie de louca.

- Vocês são muito estranhas – apontou na direção das duas irmãs e Vitor concordou freneticamente com sua cabeça, por mais que tenha ganhado um tapa forte de Ashley em seu braço no segundo seguinte. – Enfim, Rô, me ajuda com a fantasia do Ben.

- Veste ele de banana, você ainda vai gostar dele e eu ainda vou achar ele um idiota – Rosalie deu de ombros, rindo e a Hamilton-Hansen revirou os olhos, pegando no braço da garota e começando a arrastar na direção em que deixara seu namorado. – Eu espero sinceramente que algum dos amigos catarrentos do Christopher tenha um irmão mais velho muito gostoso porque até agora essa festa só tá me dando problemas!

- Você só pensa em sexo – Lexa fez uma careta, negando com a cabeça.

- Ué, e você não? – a voz de Rose, Ashley e Vitor soaram em conjunto fazendo com que a morena revirasse os olhos.

Rose gargalhou da cara da melhor amiga, finalmente se deixando levar para o lugar onde quer que fosse onde Benjamin estava as esperando segurando milhares de fantasias entre os braços que fizeram a garota loira gemer em frustração simplesmente por as encarar.

- Hey, Lex. Você ainda é virgem, certo? – Rose perguntou como quem não quer nada, dando de ombros logo em seguida. – Porque, se você quiser, eu...

- Porra, fique longe da minha namorada, Rosalie! – Benjamin exclamou batendo com suas fantasias no braço da irmã gêmea que gargalhou logo em seguida.

- Aí, calma! Nada de ménage então? – perguntou arqueando uma sobrancelha.

- Meu Deus, que nojo, não! – Ben arregalou os olhos de maneira assustada, ainda com mais medo do sorriso no rosto da irmã.

- Rosalie, pare de tentar envergonhar o Ben, eu já fiquei com ele, ok? Parte para outra – Lexa murmurou de maneira divertida e Rose arregalou os olhos em seguida, fazendo uma careta de completo nojo e pavor.

- Ugh, que nojo, Lex! – exclamou. – Eu deveria ter ido com a Sav, a Avril e os veados, eu seria muito menos traumatizada.

Lexa arqueou uma sobrancelha enquanto encarava a melhor amiga de maneira debochada.

- Certeza?

Rose franziu o cenho, considerando em sua mente todas as opções que tinha.

- Tem razão, eu prefiro ficar aqui mesmo.

[...]

Louis se deixou arrastar por Tom outra vez para o outro lado da loja, completamente perdido em toda a situação desde que o garoto insistira que eles tinham que ir com uma fantasia combinando desde que agora eram um casal. O Hamilton-Hansen parecia simplesmente tão animado, que o moreno não teve como negar nada para o de cabelos azuis assim que viu seus olhinhos brilharem.

Adorável.

Ele secretamente tinha inveja de Avril, que estava escolhendo uma fantasia tranquilamente longe de Savannah – por escolha própria. Mas sabia que as irmãs não queriam dar muitos motivos para que as pessoas fizessem suposições a respeito delas desde que ainda não haviam contado para Camila nada sobre o relacionamento.

- Então, você já tem uma ideia do que vamos vestir? – Louis perguntou se sentando em puff no meio da loja e observando o namorado observar atentamente todas as fantasias que estavam ali penduradas. – Nós deveríamos ter vindo comprar isso antes, estamos encrencados agora.

- Vamos achar algo perfeito, babyboo – Tom murmurou com uma careta concentrada em tudo o que fazia, por mais que só passasse cabides de um lado para o outro. – E vamos estar perfeitos, não que você já não esteja de toda a forma...

Louis riu, por mais que suas bochechas estivessem ardendo em chamas, e deu de ombros, fechando os olhos e deixando seu corpo cair um pouco para trás. Pressentia que, talvez e apenas talvez, aquilo fosse demorar um pouquinho.

- Já pensou você de gladiador? – Tom disse animado, jogando sobre seu corpo uma fantasia um tanto quanto inusitada e que não tinha calças. – Que sexy. Ou então Júlio César, mas acho que eu não combino muito com a Cleópatra. Podemos trabalhar nisso...

- Babe, que tal uma fantasia mais simples...? – Louis perguntou delicadamente na direção do namorado que franziu o cenho em sua direção. – Ou em que eu tenha calças, por exemplo.

- Podemos trabalhar nisso – Tom gargalhou em divertimento e Louis apenas deu de ombros com um sorriso torto em seus lábios. – Podemos ir com algum animal... Eu poderia ser um leão, um leão assustador.

Louis arqueou uma sobrancelha na direção do garoto de cabelos coloridos, não conseguindo imaginar o tão temível leão que Tom tentava imitar.

- Você parece mais um gatinho pequeno e fofo, amor.

O outro garoto revirou os olhos, colocando as mãos na cintura enquanto o encarava com uma carranca antes que de repente arregalasse os olhos e pulasse em animação. Louis quase pode ver uma pequena lâmpada se acendendo em cima da cabeça do namorado.

- Isso! Já sei! – o de cabelos coloridos gritou animado, erguendo um braço. – Você é um gênio, LouLou!

Louis riu, achando fofa toda a empolgação de Tom por mais que no fundo de sua alma ele ainda considerasse aquele apelido ridículo – mas quem ligava? Ele não se importava se fosse Tom o chamando assim.

[...]

Casa Cabello-Jauregui, dia seguinte.

- Meu bebê tá crescendo...

- Camila, cale a boca.

- Ontem mesmo ele era do tamanho da minha perna e agora tá quase do tamanho da Lo. Já tá maior que a Ally! AÍ, AMOR!

- Eu mandei calar a boca, babaca – a morena resmungou revirando os olhos, por mais que tivesse um sorriso no rosto. No fundo, sentia saudades até das brincadeiras idiotas da latina.

- São seis da manhã! – Emma mais atrás exclamou em pura indignação, ainda vestida com seu pijama e pantufas. Qual é? Ela estava confortável!

- Você está tentando argumentar mesmo com a mommy? – Avril perguntou de maneira entediada e Camila assentiu freneticamente, concordando com a filha.

- É o aniversário do bebê da... – Lauren riu, negando com a cabeça e percebendo o que estava prestes a falar. – Do irmão de vocês.

- Eu sou o bebê da mama – Olivia murmurou emburrada, agarrada a cintura de Camila esfregando um de seus olhinhos numa tentativa de espantar todo o sono que sentia.

- Eu sou o bebê da mama – Rosalie revirou os olhos como se tudo aquilo fosse óbvio.

- Francamente, pensei que vocês eram mais inteligentes. Eu sou o bebê da mama – Ashley resmungou, apontando para si mesma, sendo a única entre seus irmãos vestida com algo que não fosse um pijama.

- Sou eu! – Harry disse embolado, por mais que estivesse agarrado ao pescoço de Louis ainda tentando acordar a si mesmo com todo o seu sono.

- Olhe aqui, vocês vão começar essa discussão, sério? – Savannah perguntou revirando seus olhos, apoiando seu braço no ombro de Avril.

- Obrigada, Sav... – Lauren começou, mas logo foi interrompida pela filha.

- Porque está óbvio que eu sou o bebê da mama!

Camila gargalhou enquanto Lauren apenas negava com a cabeça, revirando os olhos e rindo levemente.

- Tudo bem crianças, até o Louis é o bebê da mama, ok? – Camila sorriu de lado, sentindo seu peito aquecer de uma forma gostosa depois de toda aquela discussão entre seus filhos somente por causa dela. – Ser o bebê da mama não quer dizer ser o favorito e sim que para a mama de vocês, ainda serão aquelas coisas minúsculas que me pedem chocolate escondido. Que nunca vão crescer realmente para mim.

- Quanto doce, mama – Draco resmungou revirando os olhos. – Eu ainda peço chocolate escondido para você!

- E você dá esses doces para eles escondida de mim, Karla? – Lauren perguntou em um tom severo fazendo com que a latina sorrisse de maneira nervosa em seguida.

- Claro que... Sim, amor – murmurou com um bico nos lábios. – Nem só de mato viverá o homem, tá na bíblia.

- Vocês amam minha salada, francamente. Não é mato! – a hispânica revirou os olhos se virando para encarar os filhos que sorriam de maneira torta para ela. – Tudo bem, um doce não faz mal de vez em quando.

- YEAH!

De repente, uma porta um pouco mais a frente deles foi aberta e um Chris descabelado apareceu com os olhinhos inchados e bocejando enquanto olhava na direção deles.

- Vocês falam muito alto para fazer uma surpresa – o garotinho resmungou coçando um de seus olhinhos, trajando um pijama confortável do homem aranha e ainda descalço.

- FELIZ ANIVERSÁRIO!

[...]

- Ele realmente vai ficar vestindo isso até a hora da festa? – Camila sussurrou, se inclinando na direção de Lauren com uma carinha de confusão adorável na opinião da hispânica.

- O deixe, é o aniversário dele! – Lauren riu, dando um tapa no braço da latina que apenas deu de ombros.

- Mas é estranho e ele vai sujar a roupa... – Camila voltou a reclamar fazendo com que a morena revirasse seus olhos e a batesse outra vez.

- Pare, idiota. Olha o tamanho do sorriso dele – apontou com um sorriso ainda maior que o do filho. – Ele parece tão feliz, fique feliz também. Além do mais, você já tem uma fantasia? Eu sei como você e Dinah são exigentes nessas coisas idiotas e provavelmente serão mais crianças que os nossos filhos.

- Não são idiotas! É uma honra se vestir como um personagem que você admira, é uma imensa responsabilidade em suas mãos e você não pode desapontar de forma alguma sua representação!

Lauren gargalhou assim que a latina terminou sua fala fazendo com que a outra mulher, cruzasse os braços, irritada, e olhasse para o outro lado do quintal.

- Own, babe. Você é tão nerd – murmurou sorrindo e apertando as bochechas da outra mulher que apenas revirou os olhos.

- Eu não sou nerd, se você não respeita as leis do meu universo, que são muito rígidas e sérias, eu só... – sua fala foi interrompida pelos lábios da morena sobre os seus em um selinho delicado e longo que ainda sim fez com que ela se perdesse em suas palavras. – Eu só...

- Você só? – incentivou depois de se afastar um pouco da latina que engoliu em seco.

- Eu acho que você sugou minha memória, que tal mais um beijo e vamos ver se ela volta? Que tal? – Camila arqueou suas sobrancelhas repetidas vezes fazendo com que Lauren gargalhasse.

- Você é uma idiota...

- E você me ama – disse convicta fazendo com que a hispânica revirasse os olhos.

- Não se ache tanto...

- Mama, mama! – Chris surgiu puxando sua máscara vermelha para fora do seu rosto e respirando fundo. – Vem brincar com a gente! Você quase nunca brinca, vem logo!

- Uh, Barry Allen, calme aí – riu do pequeno afobado e se deixou ser puxada por ele para longe de Lauren. – Do que exatamente vocês estão brincando?

- De futebol, duh.

A latina gemeu em frustração, mas assentiu para o sorriso enorme no sorriso do filho que parecia realmente animado com tudo aquilo. E era o aniversário do pequeno, que mal teria fazer o que ele queria por uns minutinhos? Não a mataria.

Certo?

- Mommy, mommy! – Harry e Tyler se aproximaram correndo da hispânica que estava encostada no pilar da varanda da casa, pulando animadamente em sua frente. – Queremos vestir nossas fantasias também! Igual o Chris.

Lauren sorriu delicadamente, se inclinando para ficar da altura dos pequenos e estreitando os olhos.

- E vocês vão sujar elas?

- Claro que não, mommy! Somos meninos cuidadosos!

Lauren riu, sabendo que muito provavelmente os pequenos voltariam completamente cobertos de lama para casa e suspirou.

- Eu deixo vocês colocarem suas outras fantasias que têm guardadas aí do último Halloween, a da festa não pode.

Tyler e Harry se encararam, com bicos emburrados em seus rostos, mas concordaram com que a mãe propôs, a seguindo para dentro da casa em seguida.

Segundos depois, um baque e um pequeno grito de Camila por seu nome que só a fez rir ainda mais. Sabia o quão a latina odiava esportes e, particularmente, não era tão boa assim neles, e a hispânica agradecia internamente por aquela característica dela não ter se alterado – ela era hilária.

[...]

- Uma caveira? – Emma perguntou em deboche enquanto Draco se arrumava cuidadosamente em frente ao espelho, colocando sua máscara e logo depois, o manto sobre seus ombros. – Sério?

- Primeiramente, eu sou a morte – o moreno pontuou enfaticamente. – Segundamente, a Evil Queen? Sério?

- Ela é foda, por favor – Emma mostrou a língua para o irmão que apenas riu. – Estou curiosa para saber o que os outros vão vestir.

- O Chris tá de Flash – Draco deu de ombros e Emma revirou os olhos, já escutando toda a gritaria que vinha do andar de baixo já que Camila decidira que a casa era grande o suficiente para dar conta de dezenas de crianças e não quis alugar um salão de festas.

- Isso eu sei, né vagabundo – a mais nova revirou os olhos, se levantando da cama do irmão e fazendo uma careta. – Seu quarto tá um lixo.

- Como se o seu fosse um palácio – o garoto revirou os olhos, pegando sua foice e se ajeitando na frente do espelho.

- Você vai assustar um monte de criancinhas, tadinhas – Emma disse rindo. – E para sua informação... – colocou as mãos na cintura sorrindo. – Eu sou a rainha.

[...]

Camila estava ficando louca.

Fazia algum tempo que ela não ia a uma festa de crianças – ou em qualquer tipo de festa para falar a verdade – e ela jurava que a qualquer momento ela pudesse simplesmente morrer no meio de tanta gritaria e bagunça em seu quintal.

- Mama, mama! – Harry pulou na sua frente vestindo orgulhosamente uma fantasia do Buzz Lightyear que tinha direito até as asas do boneco e uma luz vermelha que imitava um pequeno raio laser. – Você não vem brincar?

Camila franziu o cenho, lembrando-se do desastre que fora ela brincando com os pequenos pela manhã.

- Olha amor, o tio Shawn chegou, olha lá – apontou para a entrada onde o amigo entrava junto de Ally e Anne, vestindo nada mais que uma fantasia do Ash Ketchum, ou para os mais leigos, um dos melhores mestres pokemons existentes que estava acompanhado até mesmo de seu próprio Pikachu: sua filha. Ela até mesmo gargalhou quando viu que Ally estava vestida de Misty. – Vá o chamar para brincar com vocês enquanto recebo o restante dos convidados.

- Ty, o tio Shawn! – o garotinho exclamou, chamando pelo o irmão que estava vestido de Woody, com até mesmo o chapéu do cowboy.

Os dois gritaram em animação, correndo em direção aos recém chegados enquanto Camila suspirava em alívio.

Logo em seguida, pulou assustada ao receber com força um tapa na parte de trás de sua cabeça.

- Não acredito nisso, Karla Camila – Dinah exclamou praticamente rosnando e Camila abriu a boca em surpresa ao encará-la.

- Que porra é essa? – sua voz saiu fina, percebendo os trajes vermelhos, verdes e amerelos e não pretos da polinésia. – Eu pensei que você fosse o Batman!

- Pela primeira vez na vida, eu faço um ato de caridade e deixo você usar a fantasia de Batman E AÍ VOCÊ VEM VESTIDA DE ROBIN! – a loira revirou os olhos, gritando indignada em suas últimas palavras.

- Você que veio de Robin! – Camila gritou de volta ainda em choque. – Eu toda gentil com você... Na verdade, eu ia vim de Batman também, mas achei que você ia vir de Batman.

- Eu ia vir de Batman, mas você estava chorando porque queria ser o Batman então eu quis fazer uma boa ação e vim de Robin. – a polinésia explicou cuidadosamente, como se falasse com uma criança.

- E eu lá leio pensamentos? – Camila revirou os olhos, cruzando os braços emburrada.

- Por que você não me avisou que viria de Robin?

- Porque eu achei que você ia ser o Batman!

- Eu que achei que você ia ser o Batman.

- Mas você deveria ser o Batman!

- Nunca mais faço uma boa ação na minha vida... – Dinah revirou os olhos, irritada. – Como diria Shakespeare: se fiz alguma coisa boa na minha vida, dela me arrependo do fundo do coração. E eu estou me arrependendo nesse momento dessa coisa aqui que eu estou vestindo!

- Desde quando você sabe Shakespeare? Desde quando faz boas ações?

- Eu sei de tudo! E... Exatamente!

Camila revirou os olhos, respirando fundo para que não batesse na sua melhor amiga naquele instante.

- Você quase me matou para ser o Batman, sua retardada!

- Você estava chorando e implorando para ser o Batman. Você até disse “I’m Batman”.

- Eu me pareço mais o Batman que você – a latina deu de ombros. – Mas eu fui gentil sendo o Robin para você não me matar.

- Você? Parecida com o Batman? – Dinah gargalhou em divertimento e ironia. – Desde quando o Batman tem duas pernas esquerdas e um air bag no lugar da bunda?

- E você por acaso é? – Camila cruzou os braços, arqueando uma sobrancelha de maneira debochada.

- Eu sou rica e meu peixinho dourado chama Alfred, eu sou o Batman – a mais alta disse como se fosse uma coisa óbvia, abrindo seus braços.

- Oras, eu também sou rica! Mas eu não tenho um peixe.

- Viu? Eu ganhei, eu sou o Batman e eu me odeio por ter vindo de Robin.

- Isso não te faz o Batman, te faz a mulher do peixinho dourado.

- Isso não importa mais, agora temos dois Robin’s na festa. E adivinha só? Ninguém gosta do Robin! – Dinah exclamou quase gritando sua última fala. – A gente deveria ter mantido o plano original e ter vindo de Power Rangers.

- Eu seria o azul.

- E eu seria o vermelho. Mas o problema não é esse! Somos as únicas pessoas com fantasia igual nessa festa!

- Você que quis vir de Robin – resmungou como uma criança emburrada. – E eu acho que o Chris não vai ligar para isso.

- Eu quis fazer uma boa ação, vir de Robin foi uma consequência – franziu o cenho, parando para pensar um pouco. – Se o Chris perguntar, eu sou o Robin e você é o Roberto, o irmão gêmeo pedreiro do Robin.

- Eu não vou ser o Roberto, parece nome de cantor de fim de ano.

- Então fica quieto aí Roberto, porque hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa é de quem quiser.

- Você é uma ridícula.

- E você um cantor de fim de ano – a polinésia riu em deboche fazendo com que a outra revirasse os olhos. – Agora dá licença que eu tenho que achar meu sobrinho lindo e dar o presente de aniversário que eu comprei para ele.

- O que você comprou? – estreitou os olhos, desconfiada.

- Você não tem vergonha nessa sua cara, não? A festa é do seu filho e você ainda quer que eu te diga o que comprei pra ele? – arqueou uma sobrancelha. – Que feio Roberto, muito feio.

- Lógico – resmungou como se fosse óbvio. – Vai que você o traumatiza.

- Eu só dou presente indecente depois que ele fizer dezoito anos, ok?

- Estou até com medo do que você deu pro Louis nessa lógica.

- Camisinha que brilha no escuro, para ele brincar de mestre Jedi com o Tom.

Camila arregalou os olhos, fazendo uma careta de puro pavor em seguida.

- Aí meu Deus! Ele é meu bebê ainda, Dinah! – tampou seus ouvidos, logo em seguida franzindo o cenho. – Mas eu sempre quis saber como aquelas camisinhas são...

- Eu tenho algumas em casa, às vezes Normani e eu... – parou no meio de sua frase negando com a cabeça. – Deixa quieto, não vamos falar disso em uma festa de criança.

- Meu Deus... – Camila fez uma careta de nojo dessa vez, negando com a cabeça também para tentar espantar seus péssimos pensamentos.

- Vou procurar o Chris, soube que ele tá vestido de Flash. Tchau Roberto, boa sorte com seu um milhão de amigos. – acenou enquanto se afastava da outra que franziu o cenho em completa confusão.

- Um milhão de o que...? – perguntou para o nada, antes de arregalar os olhos e começar a correr atrás de Dinah. – Espera!

 

A loira sorriu observando a cena mais a frente, encostada na parede do lado de fora da casa e com os braços cruzados abaixo de seus seios, deixando a mostra o familiar símbolo com um “S” estampado em sua roupa.

- Elas parecem crianças – uma voz feminina ao seu lado murmurou de forma divertida e ela riu, negando com a cabeça.

- São minha mãe e madrinha – Rose disse, dando de ombros e olhou para o lado vendo a garota fazer uma careta com sua resposta.

- Oh, me desculpe... – a garota resmungou e Rose apenas deu de ombros, finalmente observando sua fantasia. A pele estava verde e o traje não lhe deixava muitas duvidas a respeito dela.

- Você não está errada, Miss Marte – riu observando os olhos da garota pararem em seu rosto e o sorriso se abrir nos lábios dela. Quando voltou a olhar para frente, gargalhou de forma gostosa ao ver que agora sua mãe e sua tia erguiam Chris nos ombros e começavam a gritar o nome dele no meio das crianças. – Apesar de que você se parece muito mais como Caçadora de Marte do que a Miss Marte em si.

- Acho que era essa mesmo a ideia, Supergirl. – ela riu, dando de ombros. – Sou Yasmin, irmã mais velha de uma das pirralhas amiga do Flash.

Rosalie arqueou uma sobrancelha, se corrigindo mentalmente porque afinal, não fora um irmão mais velho gostoso. Era uma irmã.

- Sou a Rose, irmã do pirralho vestido de Flash.

- O Chris, ele é um fofo. Você é muito parecida com ele – Yasmin murmurou com um sorriso no rosto.

- Não tanto, obrigada – Rose riu, negando com a cabeça.

- Você poderia me mostrar onde fica o banheiro? – a loira franziu o cenho pela pergunta repentina, se virando outra vez para encarar a menina marciana, mas sorrindo assim que viu o sorriso em seu rosto. – Espero que não seja algum problema.

- Não teria problema algum, vem – segurou sua mão a puxando para dentro da casa e mordendo de leve seu lábio inferior pelo caminho, apesar de não ter tanta certeza assim do que poderia acontecer.

 

- Que nojo.

- Como diabos ela consegue fazer isso?

As vozes de Ashley e Avril soaram juntas fazendo com que as irmãs rissem, ainda encarando a cena que se desenrolava ali a frente deles.

- Sua fantasia está ridícula, a de vocês no caso – Avril riu observando a irmã mais nova e o namorado dela vestirem algo como gêneros invertidos, Ashley com o masculino e Vitor como, bem, o feminino. – Barba falsa, Ash?

- Eu seria um homem maravilhoso, por favor, Alice – Ashley revirou os olhos, balançando sua mão no ar e Vitor apenas corou feito um pimentão, não sabendo muito bem como se portar e nem porque tinha concordar em vestir aquelas roupas apertadas. – Além do mais, perdemos uma aposta pro Benjamin e tivemos que vir com essas... coisas.

- Own, a Avril está fofa de Alice – Savannah riu, abraçando o corpo da irmã mais velha com o seu observando com divertimento o quanto ela também era capaz de corar às vezes.

- Cale a boca, Cupido – a loira mais velha murmurou com uma voz debochada. – Que tal você tentar flechar de uma vez por todas a Rô?

- Aquele coração de pedra quebraria qualquer flecha – Sav riu, negando com a cabeça. – Além do mais, eu acho que no dia que ela começar a gostar de alguém, ela vai correr para a cama das nossas mães e se encolher feito o Tyler quando tem trovões.

- A mama também tem medo de trovões – Vitor franziu o cenho olhando para o horizonte de maneira pensativa. – Mas da última vez que a perguntei sobre isso, ela me jogou um sapato na cara...

As garotas explodiram em gargalhadas enquanto o garoto apenas dava de ombros, sorrindo de leve, mas acariciando levemente sua bochecha como se realmente sentisse a dor de meses atrás ali outra vez.

- Nós deveríamos estar olhando as crianças já que está de noite e tudo mais, certo? – Ash perguntou, meio incerta com a resposta que ganharia. – A mommy tinha pedido isso enquanto ela ajudava a Oli a ir ao banheiro.

- Eu acho que a Oli nunca mais vai tirar aquela fantasia de Fada na vida dela – Vitor negou com a cabeça pensando sobre todo o assunto.

- Tal mama, tal filha.

- Deveríamos estar com as crianças, alguém se arrisca? Quem estava olhando antes era a Rô – Savannah murmurou, engolindo em seco em meio a toda aquela gritaria.

- O Ben já tá vestido de guerreiro também, ele tem até uma espada... E olha a Lex – Avril apontou para o outro lado do gramado assentindo dramaticamente. – Feitos para o serviço.

- Hey, Heda! – Ashley gritou pela morena que a olhou encostada debaixo de uma árvore junto a Benjamin. – Você e o Rei Pedro estão olhando as crianças!

- O que?!

 

Tom gritou quando mais uma vez, Tommy, que estava em cima de seus ombros puxou suas orelhinhas de gato e as soltou, fazendo com que sua cabeça latejasse em dor. O garotinho mais novo apenas riu, vestindo com sua fantasia azul e contente com suas próprias orelhas falsas da fantasia, mas extremamente hipnotizado pelos cabelos e as falsas orelhas de seu primo.

- Tire esse monstrinho de cima de mim, LouLou! – o garoto gritou em puro desespero ao qual Louis apenas riu, ajeitando sua própria fantasia e se sentindo particularmente ridículo por estar usando aquele rabo de cachorro.

- Ele não é um monstro, babe. Ele é o Stitch! – Louis gargalhou, acenando para o irmão caçula que há essa hora tinha uma das orelhas da fantasia de Tom na boca. – Tudo bem, meu pestinha... Vem com o Lou.

- O Lou – Tommy repetiu acenando com a cabeça, estendendo os bracinhos na direção do irmão e se deixando ser levado. – Tom gatinho.

- Eu sei que eu sou lindo Stitch, mas a gente tem tipo uns dezessete anos de diferença e...

- Tom gatinho mau – Louis completou a fala do seu irmão e Tommy gargalhou, assentindo com sua cabecinha.

- Ah é? Então eu posso pedir para aquele policial me prender, não é? – apontou para onde Justin conversava animadamente com Ariana. – Eu iria amar.

- Não me provoque, babyboy – Louis revirou os olhos, bufando como um touro raivoso. – Você não pode lidar com isso.

Tom riu de maneira divertida, cruzando seus braços e arqueando uma sobrancelha provocador.

- Tia Ari, tia Ari! – Tommy pulou animado no colo do irmão, apontando na direção da mulher que estava vestida como um maldito coelho.

- Perdeu seu policial, gatinho – Louis provocou e Tom riu, negando com a cabeça.

- Tudo bem, eu ainda tenho meu cachorro – o de cabelos coloridos sorriu, pegando Tommy de volta para seus braços. – E eu não estou falando da Cristal.

Louis gargalhou negando com a cabeça pela fala do garoto, mas sorriu na direção dele. Então, Tom gritou animado fazendo com que Tommy se assustasse e soltasse sua orelha de gato, que estava em sua boca, outra vez fazendo-o gemer de dor logo em seguida.

- O que houve? – Louis perguntou, igualmente assustado pela explosão repentina do outro.

- Além, da minha mommy, estar arrasando naquele look de mulher gato perto da minha tia vampira maravilhosa... Eu acabei de ver o Luke, vestido de faraó, entrar acompanhado de uma múmia, de mãos dadas! – Tom abriu sua boca em surpresa. – Eu não sabia que meu irmãozinho mais novo era tão gostoso assim, quando ele cresceu? Espera, espera, a múmia é... LUKE HAMILTON-HANSEN!

 

Camila, Dinah e Chris se prepararam juntos, ao som do coro de crianças. Lado a lado prestes a iniciar uma disputada corrida entre eles. Flash, Robin e... Robin lado a lado.

- UM... DOIS... – as crianças gritaram como um coral, animados para ver no que aquilo daria e as adultas se encararam mortalmente de frente para sua “disputa”. – TRÊS!

Camila se jogou para frente no chão, tropeçando em seu próprio pé e segurou o pé de Dinah a impedindo de correr enquanto Chris saía em disparada na frente das duas. A polinésia gritou irritada, tentando chutar a mão ou a cara de Camila para longe do seu corpo, errando quando a latina se levantou e começou a correr também.

Caindo outra vez, quando Dinah também segurou seu tornozelo e causando risadas histéricas nas crianças.

- Que... Dinah! – Camila resmungou tentando se livrar das mãos da amiga que ria e se levantava, logo caindo outra vez quando a latina chutou seu estômago.

- Porra Roberto!

- Para de me chamar assim!

- Chamar do que, Roberto?

Camila encarou a loira de maneira tediosa, se levantando e vendo o filho correr em volta de uma árvore e voltar rindo na direção delas. O sorriso da latina poderia rasgar seu rosto simplesmente por ver a felicidade no rosto de Chris, a gravidez do garoto fora tão difícil para elas e ela tivera medo que Lauren desenvolvesse alguma marca após ao parto, mas tudo ocorrera tão bem e seu filho estava ali... Feliz.

Aquela era a maior recompensa que poderia ganhar.

E ela faria tudo por aqueles treze pestinhas, para a felicidade deles e para que eles conseguissem tudo aquilo que almejavam. O sorriso de suas criaturinhas era muito mais importante que o seu.

- Eu ganhei, mama! – Chris gargalhou, se lançando sobre o corpo de Camila assim que ela se ajoelhou no chão fazendo com que a mais velha risse por sua felicidade. – Você me deixou ganhar?

- Lógico que não, Flash. Você é o homem mais rápido do mundo – sorriu levemente na direção do seu garotinho que já estava crescendo antes que ele a abraçasse forte.

- Obrigado por estar aqui no meu aniversário, mama – o loirinho sorriu animado. – É a melhor festa de todas! Você é a melhor mama do mundo! E você tá aqui e... e...

- Você realmente gostou, pequeno? – Camila riu perante toda a afobação do filho que assentiu freneticamente com a cabeça. – Prometo que a mama sempre vai estar aqui agora, okay? Nunca mais vou sair de perto de vocês.

- Sério? Que demais! – Chris gritou em animação. – Minha festa vai virar assunto no recreio por semanas, valeu mama!

Camila riu, beijando de leve a testa do filho e tentando se levantar, mas tendo complicações quando as pernas de Dinah estavam sobre as suas nesse momento e a polinésia deitada sobre a grama.

- Larga de ser folgada – revirou os olhos, empurrando a amiga para longe e sorrindo ao ver Lauren se aproximando delas junto de Normani. – Dinah.

- Sim.

- A Lauren está vestida de vampira...

- Sim, a branquela está até que muito bem...

- E a Normani está de mulher gato.

- Inferno – a polinésia assentiu freneticamente com a cabeça. – Com certeza vamos usar aquilo depois.

- E elas estão tentando nos matar.

- Com certeza.

- A mommy vai sugar seu sangue, mama? – Chris perguntou curioso e Camila arregalou os olhos por perceber que o garoto ainda estava ali as ouvindo.

- Vai brincar com seus amigos, ok? – beijou a bochecha do pequeno que assentiu, a abraçando rápido e correndo para longe.

- Está na hora dos parabéns – Lauren disse ao se aproximar, jogando seus braços ao redor dos ombros da latina e envolvendo seus corpos com sua capa. – Você está...

- Ridícula? – Camila perguntou arqueando uma sobrancelha como se fosse óbvio e Normani mais atrás gargalhou, concordando com a cabeça.

- Fofa – riu, puxando de leve a máscara negra da latina para cima. – O Robin era legal naquele desenho...

- Saudades Jovens Titãs... E Salsicha, a bunduda é o Roberto – Dinah apontou rindo. – O irmão gêmeo cantor de fim de ano do Robin.

- Vai se ferrar, Jane – Camila revirou os olhos, escondendo seu rosto na curva do pescoço de Lauren, sentindo suas bochechas corarem fortemente pela morena escutar aquele apelido ridículo.

- LUKE HAMILTON-HANSEN! – o grito estridente de Tom atraiu a atenção de todos para a entrada da festa, onde o mais novo dos Hamilton-Hansen’s adentrava a festa de mãos dadas com outro garoto. – AÍ MEU DEUS! EU SABIA!

- O Tom está correndo na direção do Luke segurando o nosso Stitch, Camz? – Lauren perguntou delicadamente e a latina rapidamente arregalou os olhos junto de Dinah, que ironicamente tinha uma adoração sem tamanho por Tommy.

- TOM HAMILTON-HANSEN! – Dinah gritou começando a correr na direção do filho mais velho que gritou assustado parando sua corrida e encarando Tommy em seu colo que agora mordia a patinha da sua fantasia. – Me devolve meu bebê, seu veado.

- Eu sou seu filho – Tom resmungou revirando os olhos.

- Eu estava falando do Tommy – a polinésia bufou, pegando o garotinho do colo do de cabelos coloridos que fingiu uma expressão de ofensa.

- E o filho é meu, Jane – Lauren resmungou ao finalmente chegar ao lado deles, pegando Tommy do colo da mais alta que fez imediatamente um bico enorme nos lábios.

Camila, mais atrás, riu debochando da careta da melhor amiga que simplesmente lhe mostrou o dedo do meio.

- Enfia...

- Camila! – Lauren a repreendeu, revirando os olhos pela infantilidade das duas.

- Luke? – Draco chamou pelo amigo passando por eles de olhos arregalados e sendo seguido rapidamente por um Tom saltitante.

Dinah franziu o cenho, logo os seguindo também e puxando Camila como consequência fazendo com que a latina gritasse em protesto.

- Nós somos o Robin, temos que andar juntos – a polinésia declarou como se fosse óbvio, bufando em irritação. – Hey Luke, você está seguindo os passos do Tom?

Luke, mais a frente, se virou para eles – já que estava encarando o garoto ao seu lado que riu. O mais novo riu também, negando com a cabeça e apontando para eles.

- Hey mama – sorriu animado. Um sorriso de rasgar bochechas deixando claro o quão a vontade ele estava. – Esse é o Fred.

A múmia ao lado do garoto acenou, puxando para baixo algumas tiras de seu rosto e deixando livre para ver o rosto de bebê e fios de cabelo castanho.

- Oi – o garoto sorriu de lado, de maneira um pouco nervosa.

- E ele é o meu namorado – Luke declarou por fim, ainda sorrindo fazendo com que Dinah e Draco quase caíssem para trás e Tom começasse a gritar animado. Camila apenas sorriu, estendendo a mão para Fred que a apertou rapidamente.

- Bem vindo à família, Fred – a latina sorriu tranquilizadora para o garoto que devolveu seu sorriso no mesmo instante. – E a propósito, não ligue para eles. São todos loucos, logo você se acostuma também. 


Notas Finais


então? como estamos? alguém aí esperava por esse final?
espero que todos bem por aí?
o que acharam? eu particularmente não achei grande coisa, mas o que importa é que voltamos de volta para vocês! então... não tenho muito mais o que falar e tal...
bom, o próximo é com a pequena. espero que tenham gostado do capítulo!
até mais amoras!
eu amo vocês ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...