História Triangle - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dove Cameron, One Direction, Zayn Malik
Personagens Dove Cameron, Harry Styles, Zayn Malik
Exibições 98
Palavras 4.428
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi meus amores!!!!!!
sorry pela demora, de verdade!
o placar da pesquisa ficou:
HARRY: 11 PONTOS
ZAYN: 7
então Harry ganhou, OK? Lembrando que não há influência nenhuma minha, vocês que escolheram!
Espero que gostem do capítulo mores sz
FELIZ NATAL ❄🎄🎅!!!!

Capítulo 2 - Poderosa.


Fanfic / Fanfiction Triangle - Capítulo 2 - Poderosa.

 

Bettsy on 

Minha cabeça latejava e meu corpo parecia estar com três vezes mais peso do que o normal. Mas imediatamente relaxei o corpo ao sentir a superfície macia e cheirosa em baixo de mim. 

 

— Ela parece estar acordada. — uma voz bem indistinta soa. 

 

— Eu quero continuar dormindo, mãe. — resmungo e ouço uma risada, fazendo com que a superficie onde estou deitada vibre por inteiro. 

 

— Bettsy? — meu corpo é chaqualhado. 

 

— Mãe... 

 

— Bettsy, acorda, minha filha! 

 

— Tiny, tenha mais cuidado com ela. 

 

Tiny? 

 

— Eu acho que ela está fingindo, só pra ficar deitada no colo dele! — essa é definitivamente a voz na Trinity. 

 

— Claro que não, cala a boca, Trinity. 

 

— Ela está demorando muito pra acordar, vocês não acham melhor levá-la a um médico? — É uma voz masculina. 

 

— Vamos esperar mais um pouco, ela já deu isso antes, caso ela não acorde vamos levá-la. 

 

Forço meus olhos as se abrirem, mas eles estão pesados demais. 

 

— Linda, acorde.

 

— Está vendo, ela não acorda, acho melhor levarmos ela á um médico. — uma voz aflita e masculina soa.

 

Eu abraço a superfície macia onde estou. 

 

— Ela se mexeu, mais alguns minutos ela acorda. 

 

Abro um olho e vejo vários rostos ao meu redor, Chloe logo vem a minha direção com um sorriso aliviado no rosto. 

 

— Amiga, você está bem? 

 

— Minha cabeça dói... — resmungo. 

 

Demoro tempo demais para perceber que estou no meio dos braços de alguém, mas quando isso acontece, dou um pulo de susto e acabo caindo no chão, de novo! 

 

— Quem é você? Porque vocês deixaram ele me pegar no colo? 

 

— Bettsy, ele te salvou! — Tiny disse. 

 

— Me salvou? Ele me salvou do... — e então vários flashs passam por minha memória. — Oh, você é o... 

 

— Anjo? Você me chamou de anjo, quer dizer, você nos chamou de anjo. — o garoto de lindos olhos verdes diz. 

 

— Eu me lembro, nossa, que vergonha... — imediatamente minhas bochechas estão quentes. 

 

— Eu sinto muito, sinto muito mesmo, acabei me descontrolando com a moto e quase te atropelei. — o da barba diz. 

 

— Está tudo bem, eu estou viva, não é mesmo? Com certeza você não fez de propósito. — eu o tranquilizo. 

 

— Cacete, eu me senti no filme Crepusculo, vocês sabem, aquela parte que o Edward salva a Bela daquela van desgovernada... Amiga, foi quase isso, o Zayn estava todo desgovernado em cima da moto... 

 

— Zayn? 

 

— Eu. — o moreno da barba sorri envergonhado. 

 

— Então vem o super Harry e te salva, como o Edward faz com a Bela naquela cena, você sabe qual eu estou falando, né? 

 

— Sim, eu sei. 

 

— Uau, foi de matar! — Tiny dá pulinhos de animação. 

 

— Literalmente, não é, Trinity? — Chloe diz, em tom de reprovação, vindo até mim

 

— Você está bem mesmo, Liz? Se quiser levamos você ao médico. 

 

— Não, eu estou bem, Clo. 

 

— Miga, foi muito emocionante a cena, mas nós ficamos realmente preocupadas, nunca mais nos assuste assim! — Trinity diz. 

 

— Você ficou agarrada ao Harry o tempo todo. — Chloe comenta. 

 

Eu olho para ele, que sorri. 

 

— Olha, eu não tinha noção de nada, me desculpe... 

 

— Não precisa se desculpar, eu gostei. 

 

— Você... — mais uma vez, eu coro furiosamente. 

 

Ele me encara, sem pudor algum e eu sou obrigada a desviar o olhar por conta disso. 

 

Assim eu finalmente presto atenção no quarto ao meu redor. É bem espaçoso, com três camas e três armários. 

 

— Você gostou? — Tiny pergunta.

 

— Sim, é bem legal! — eu digo. 

 

— Essa é a sua cama, é perto da janela, imaginei que você gostaria de ficar aqui..

 

— Sim, obrigada. 

 

— É isso gatas, temos que ir agora. — um moreno dos olhos azuis diz. 

 

— Muito obrigada pela ajuda, meninos. — Chloe diz. 

 

Olho para Trinity que parece estar trocando números com o dos olhos azuis. Safada!

 

E então olho para o lado e os dois estão me encarando, Zayn e Harry. Eu sorrio educada e vou até onde minhas coisas estão, pego-as e levo-as para perto da minha cama. 

 

— Oi. — me viro dando de cara com o Harry. 

 

— Hm... Oi. — sorrio. 

 

— Você está bem mesmo? — ele coça a cabeça desconfortável. 

 

— Estou sim... Muito obrigada por ter me tirado do meio da rua, eu sou muito desastrada. 

 

— Não há de quê... Hm... Bem, vamos dar uma festa de boas vindas na minha fraternidade, gostaria muito que vocês fossem. 

 

— Ah não, eu tenho que organi... 

 

— Nós vamos, sim! — Tiny diz na minha frente — Como uma forma de agradecimento, não é, Bettsy? 

 

— Sim, isso! — eu digo. 

 

— Legal, vejo vocês lá! — eles saem do quarto e eu começo a organizar minhas coisas. 

 

— Ah... Bettsy? — eu me viro outra vez. 

 

— Sim? — Zayn coça a nuca. 

 

— Me desculpe de verdade, eu me distraí... Nossa, sério, eu sinto muito mesmo — eu sorrio tentando o tranquilizar. 

 

— Está tudo bem, não se preocupe. — ele suspira. 

 

— Se você se sentir mal... por favor, peça para alguém me avisar e eu te levo ao hospital. 

 

— Zayn... 

 

— Por favor. 

 

— Tudo bem, mas não precisa se preocupar, eu sei que não foi por mal.

 

Ele sai porta á fora e Tiny fecha-a reencostando-se nela e escorregando até o chão. 

 

— Meu Deus, esse Louis é um sonho! — dou risada. 

 

— Ele é sim, mas o Niall foi o que mais me chamou atenção... — Chloe comenta. 

 

— Amiga, ele tem mesmo tudo a ver com você. — Trinity diz e eu apenas balanço a cabeça concordando, apesar de não ter certeza de qual deles é o Niall... Imagino que seja o loiro. — E você sua safada, fingindo que estava mal só pra ficar no colo do gostosão do Harry!

 

— Tiny, eu realmente não estava acordada... Você sabe que eu não faço coisas desse tipo. — digo. 

 

— O outro também ficou interessado em você, uh. — Chloe diz e eu reviro os olhos. 

 

— Vocês estão viajando. 

 

— Olha! Acabei de receber uma mensagem do Louis gostosão! — Tiny diz em tom empolgado. — "Espero ver você na festa de hoje á noite e estou torcendo para termos a oportunidade de ficarmos a sós — ela lê em voz alta — O tema é festa do pijama, ou seja, venha de pijama, de preferência um bem sexy. Beijos." Uhhhhh Louis, meu amor, você que me aguarde! — Clo e eu rimos e começamos a organizar nossas coisas. — Qual pijama você pretende ir, Clo? 

 

Chloe, apesar de ser bem reservada, adorava ousar e eu sabia, pelo sorriso que ela deu, que pretendia arrasar. 

 

Ela foi até sua mala e pegou uma camisola de renda transparente de cor verde água, realmente bem linda e que com certeza iria ressaltar as suas lindas curvas. Trinity escolheu um conjuntinho de seda vermelho sangue, com um shortinho curto e uma blusa que ressaltava seus seios. 

 

— Vai Liz, mostra, com qual você vai? — Tiny pergunta. 

 

— Eu não sei, acho melhor não ir nessa festa... Tenho que planejar minhas aulas e... 

 

— Pelo amor de Deus, deixa de neura, nós estamos na universidade alô! — Tiny diz.

 

— Melhor não... 

 

— Você vai sim amiga, se não for, também não vamos! 

 

— É! — Trinity concorda. 

 

— Tudo bem — suspiro — vou com meu pijaminha de joaninhas. 

 

— O quê? Não! Sei que sua mãe te deu vários pijamas sexys e provocantes, justamente porque você estava se mudando para a universidade! Nós vamos nesta festa para arrasar, meu amor... Eu não nasci pra fazer nada menos que isso — eu gargalho e desisto de debater, deixando-a revirar minhas coisas até achar os pijamas bem no fundinho da mala. — Gostei desse! — ela pega um conjunto que é basicamente um top branco e uma calcinha short na cor preta. Confesso que de todos que minha mãe me deu, aquele é o meu favorito. — E daí, você veste esse robe branco por cima, vai ficar sexy pra caralho, deixe o cabelo solto, você vai ficar maravilhosa! — ela diz empolgada. 

 

— Eu também acho, chega dessa coisa de cowgirl, estamos em uma nova fase das nossas vidas! — Chloe diz. 

 

— Isso! Nós vamos abalar essa universidade! 

 

[...] 

 

Eu estava verdadeiramente, muito bonita.

 

Eu estava com um batom nude e pouquíssima maquiagem, na verdade, apenas o rímel. Quando saio do banheiro, as meninas assobiam e eu sorrio. 

 

— Miga, você está maravilhosa! — Chloe diz. 

 

— Arrasou, meu amor! —  Tiny elogia. 

 

— Obrigada, mas comparada a vocês... 

 

— Bettsy, para com isso, estamos todas lindas! — Tiny faz cara feia pra mim. — Agora vamos, já estamos atrasadas. 

 

Pegamos nosso celular e vamos a pé mesmo até a fraternidade que não é longe dos dormitórios. 

 

Logo nos encontramos com os garotos, que parecem contentes ao nos ver. Eles nos levam até a mesa de bebidas e eu encho um copo de um líquido rosa para mim. 

 

Não vejo Harry e nem Zayn, Chloe se junta a mim e pega a mesma bebida que eu e então vamos para a sala, dançar. 

 

— Você não vai abrir esse robe? — ela grita, acima da música. 

 

— Não, pelo menos não agora. — Chloe revira os olhos — onde a Trinity está? 

 

— Em algum lugar com o Louis, provavelmente um dos quartos! — eu abro a boca surpresa. 

 

— Uau, ela é rápida! 

 

— É, mas enquanto isso vamos nos acabar de tanto dançar! 

 

Uma das minhas músicas favoritas começam a tocar: Body Moves do DNCE. Eu absolutamente adoro as músicas deles. 

 

[...] 

 

Minhas pernas estão dormentes de tanto dançar, o loiro levou Chloe para um canto qualquer me deixando sozinha. 

 

Ótimas amigas! 

 

Pego mais um pouco de bebida e tomo um susto quando uma mão toca meu ombro. 

 

— Oi. — É o Zayn e ele está sorrindo. Meu Deus, não consigo me concentrar em mais nada a não ser naquela boca maravilhosa! Uau! 

 

— Olá! 

 

— Está se sentindo melhor? 

 

— 100% melhor, obrigada. — ele sorri, de novo, meu Jesus! 

 

— Você quer sair daqui? Digo, podemos ir para o quintal lá atrás, você sabe, tomar um ar... 

 

— Claro, não precisa ficar nervoso por minha causa, sou uma garota como qualquer outra. — dou de ombros. 

 

Ele parece estar decidido a me dizer algo, mas desiste e apenas maneia a cabeça para a cozinha e eu o sigo. 

 

Não preciso dizer que o ar está bem mais puro do lado de fora. 

 

— Graças a Deus um ar puro! — ele diz. 

 

— Lá dentro tá uma mistura de cheiros, sexo, maconha e bebidas... Uau, acho que acabei de citar os pecados capitais. — ele ri. 

 

— Sexo não é um pecado capital... 

 

— Tanto faz. — ele sorri e balança a cabeça 

 

— E então, me fala sobre você? 

 

— Sobre mim? — ele assente — Bem, eu sou do alabama e... 

 

— Alabama? Aquele lugar cheio de caipiras coisa e tal? 

 

— Ei! — eu o empurro. 

 

— É brincadeira! Mas você vestia aquelas roupas de cowgirl? Você sabe, sainhas de couro vermelhas, botas e tal... 

 

— Sim. 

 

— Hm... Sexy. 

 

— O quê? Você não acha... como eu digo? Meio brega? 

 

— Absolutamente não! 

 

— Bem, eu achava que garotos de universidade achavam meio estranho... 

 

— Não, pelo menos eu não, acho sexy. — ele dá um sorrisinho e eu coro. 

 

— E então, porque você não está lá dentro com o resto dos amigos?

 

— Porque estou aqui com você, gata. — ele acende um cigarro e expele a fumaça. 

 

Apesar de não gostar muito de fumantes, ele era sexy pra caralho fumando. 

 

— O que há por baixo desse robe, loirinha? — ele aponta pra mim. 

 

— Um corpo. — sorrio de forma debochada e ele se aproxima mais de mim. 

 

— Não dê uma de espertinha pra cima mim... Vamos direto ao ponto, ok? Você apareceu como uma distração ambulante na minha frente, e eu quase te atropelei...

 

— Distração ambulante? 

 

— Você sabe... — andei pra trás até sentir meu corpo em contato com a cerca de madeira. 

 

— Eu sei o quê? 

 

— Você é linda... — ele diz — e gostosa — eu arquejo surpresa. 

 

— E-eu? — gaguejo. 

 

Porra

 

— Sim, você. Tem mais como você de onde você veio? — sua mão passeia pela minha cintura e eu arrepio inteira.

 

— Não. — digo, apenas.

 

Ele fica em silêncio. 

 

— Você não tem nenhum comentário espertinho sobre isso? — pergunto. 

 

— Tem coisas mais importantes para acontecer do que eu me comportar como um babacão agora. — ele diz isso e abaixa o rosto, escondendo-o na curvatura do meu pescoço. — Caralho, gata, você tem um cheiro muito bom — seus lábios se arrastam pelo meu pescoço e eu me arrepio inteira. — me deixe ver o que tem por baixo desse robe, estou ficando louco de tanto tentar imaginar, mas nada na minha mente parece bom o suficiente... 

 

— Puxe o laço. — eu sussurro. 

 

Ele me olha e o puxa, quase rasgando-o. 

 

— Puta merda! Você é uma obra-prima, Elizabeth. — ele elogia.

 

Eu estou tão quente, que pareço estar com febre, ao passo que suas mãos estão tão geladas que me fazem estremecer, mas não de uma maneira ruin e sim de uma maneira deliciosa, que me faz querê-lo de uma forma tão safada que eu mesma me surpreendo.

 

A música estava alta e o burburinho era quase ensurdecedor, mas nada seria capaz de me distrair da maneira maravilhosa que sua boca trabalhava em meu pescoço. Suas mãos gélidas pousaram-se em minhas costas e sutilmente ele as desceu para minha bunda. 

 

Já podia sentir meus mamilos endurecerem, Deus, ele é bom, muito bom e olha que ele nem me beijou ainda. Zayn me apertou contra sua ereção, já bastante aparente e eu gemi. 

 

Ele estava demorando para me beijar, mas as mordidas e chupões em meu pescoço e ombro estavam bom demais. 

 

— Zayn, cara, estão te chamando para jogar! — é o loiro. 

 

Zayn suspira alto e deita a cabeça no meu ombro. 

 

— Zayn? 

 

— Porra, Niall, eu já estou indo! — ele xingou. 

 

— Ok, estamos esperando você. 

 

— Me desculpe, gata. — ele coloca meu cabelo atrás da minha orelha. 

 

— Tudo bem. — eu sorrio fazendo toda força para conter minha respiração ofegante e ruidosa.

 

— Merda, porque fui fazer essa hora pra beijar você? 

 

Minha vontade era de dizer que ele terá várias oportunidades para isso, mas o fato de que eu aparentaria estar sendo atirada demais me impediu de dizer tal coisa. 

 

— As meninas devem estar atrás de mim, melhor eu ir... 

 

— Pode me passar o seu número? 

 

— Claro! — soo empolgada demais. 

 

Anoto meu número em seu telefone e lhe dou um beijo na bochecha, entrando na casa logo em seguida. 

 

— Bettsy, onde você estava? Estava preocupada! — Trinity era sempre protetora com relação a mim e a Chloe. 

 

— Eu estava ali em fora. — digo enquanto fecho o robe.

 

— Fazendo o quê? 

 

— Tomando um ar, mamãe. — eu reviro os olhos. 

 

— Com quem?

 

— Com você e com a Chloe que não era, já que fizeram questão de me deixarem sozinha! Qual é a do interrogatório, hein? 

 

— Eu estava preocupada, apenas isso. 

 

— Eu estou ótima, Tiny. 

 

— Onde está a Chloe? 

 

— Não faço ideia, ela sumiu com aquele loiro o... 

 

— Niall? — balanço a cabeça — safada! 

 

— Safadas, você quer dizer, né? Você desapareceu com o bonitão... 

 

— Ai, ele é maravilhoso! — ela suspira. 

 

— Vocês usaram camisinha? 

 

— Claro, sua louca! — Zayn passa por nós e apenas dá um sorrisinho. — Ele é um puta gostoso, não é? 

 

— Ele é. — concordo.

 

— Agora vem, Louis deve estar nos esperando! 

 

— Pra quê? 

 

— Vamos jogar alguma coisa. — ela me puxa pela mão. 

 

Era tudo exatamente como eu imaginava, exatamente como nos filmes. Havia pessoas jogando Beer Pong, outras estavam jogando sinucas, alguns casais se agarravam e bem no canto, havia algumas pessoas sentadas em roda. 

 

Chloe estava lá ao lado do loiro bonitão, praticamente no colo dele, Louis e Liam também estavam lá.  

 

Mas eu quase perdi o fôlego quando notei a maneira que Harry me olhava. 

 

— Amiga, o Harry está te comendo com os olhos. — Trinity sussurra. 

 

— Cala boca, Trinity. 

 

Tiny se senta ao lado de Louis e eu me sento entre ela e Chloe e de frente para o Harry. Ele sorri pra mim, exibindo aquelas lindas covinhas e eu sorrio de volta. 

 

— Bem, a brincadeira é sete minutos no paraíso, é o seguinte: uma pessoa vai girar a garrafa e pra quem a garrafa apontar irá para um quarto com quem girou a garrafa, simples, e daí vocês terão sete minutos para fazerem de tudo o que quiserem, que comecem os jogos! — eu ri. 

 

▪▪▪

 

Apesar de achar que apenas crianças da quinta série brincavam destas coisas, eu estava me divertindo bastante. 

 

— Sua vez, gatinha, gire a garrafa. — Louis disse. 

 

Me inclino e giro a garrafa que roda com força. Quando ergo os olhos, lá está ele me olhando mais uma vez, e eu me pego torcendo para que a garrafe aponte pra ele. 

 

Não seja idiota, Elizabeth! 

 

Como esperado e para a minha própria frustração, a garrafa aponta para o garoto ao lado dele. Não faço a mínima ideia de qual é o nome dele, eu olho para as meninas pedindo ajuda, mas elas estão ocupadas demais com os garotos. 

 

Olho para Harry, que assim como eu, também parece frustrado e eu sorrio. 

 

— Vamos lá, gatinha, há várias coisas que podemos fazer em apenas sete minutos. — eu reviro os olhos. 

 

O garoto é bonito, na verdade, ele é lindo, mas consigo ler na testa dele que ele é um babaca de marca maior. Subimos para um dos quartos e ele fecha a porta atrás de si. A maneira que ele me olha me provoca arrepios, mas não aquele arrepio que senti á algumas horas atrás com Zayn, nem mesmo aquela sensação diferente que sinto no estômago quando pego Harry me olhando.

 

— Meu nome é Logan, e o seu gatinha? 

 

— Não me chama de gatinha, ok? 

 

— Hm... bravinha, eu gosto assim. — ele se aproxima. — O tempo está correndo, meu bem, mas posso te fazer gozar em apenas dois minutos! — ela dá um sorrisinho orgulhoso. 

 

— Gozar? — eu pergunto, assustada. 

 

— Sim, bebê, ou achou que viemos para o quarto brincar de casinha? 

 

— O quê? Cala a boca. — eu cruzei os braços — E me fazer gozar em dois minutos não é lá motivo de orgulho... — ele franze o cenho. 

 

Na verdade era sim, mas não seria eu a encher a bola desse garoto agora, não é? 

 

— Vem, deite-se aqui. — ele me segura pelo braço. 

 

— Não, me larga! — eu tento me debater, mas claramente ele é bem mais forte. 

 

— Calma, meu amor. 

 

— Você não pode me forçar a fazer nada com você. 

 

— A regra do jogo é essa! — ele me chaqualha pelos ombros. 

 

— Foda-se as regras, foda-se você, seu nojento! 

 

— Garota, eu não estou muito paciente hoje, eu já bebi e fumei tudo que tinha fumar e agora preciso me enterrar bem fundo em alguém e você foi a escolhida. 

 

— A escolhida? Como se houvesse várias garotas a sua disposição. 

 

— E tem! Algumas garotas se matariam para estar no seu lugar.

 

— Ah, fala sério! Como se você fosse um Justin Bieber da vida, me poupe, ok? 

 

Ele me segura pelo pulso de forma agressiva e me beija, a força. E então eu mordo seu lábio, com toda força e logo consigo sentir o gosto metálico de sangue na minha boca. 

 

— Filha da puta! Agora que eu não te deixo sair mesmo. — Logan vem pra cima de mim outra vez e eu dou um chute no meio de suas pernas fazendo-o dobrar o corpo e se contorcer de dor. 

 

Eu aproveito e saio do quarto, batendo de frente com quem? Harry! 

 

Ao lado dele está uma garota de lindos cabelos azuis e cacheados e eles estão de mãos dadas.

 

— Bettsy? Está tudo bem? — eu balanço a cabeça. 

 

Eu olho para o quarto e olho para ele, ele faz a mesma coisa, mas quando vê o Logan, jogado ao chão e se contorcendo de dor, ele franze o cenho. 

 

— O que ele fez? Espera... Barbara, você pode voltar para a roda? Vou resolver isso, me desculpe. 

 

— Tudo bem. — ela desce e Harry volta a me encarar. 

 

— Bem, estou vendo que não vou precisar fazer nada, você já fez. — eu dou de ombros. — Mas você está bem? 

 

— Estou... não sei... ele queria me forçar a transar com ele! Harry, esse gatoto é louco! — digo, agora que tomei consciência disso. 

 

— Venha aqui. — ele me puxa pela mão e me leva para outro quarto. — E então, o que aconteceu exatamente? 

 

— Ele começou a agir como um idiota, disse que várias garotas se matariam para estar no meu lugar... 

 

— Merda, o Logan é um babaca! Eu sabia que não devia ter deixado você subir aqui com ele....

 

— Ele disse que já finha fumado tudo o que tinha que fumar e que agora precisava se enterrar bem fundo em alguém e que esse alguém era eu — disse alterada — esse garoto é um idiota louco! 

 

— Você tem certeza que ele não fez nada? Ele não te bateu nem nada assim, né? 

 

— Não, ele não é louco! — ele ri. 

 

— Ele disse mais alguma coisa? Você parece querer me dizer mais alguma coisa. 

 

— Ele disse que me faria gozar em apenas dois minutos... — digo, envergonhada. 

 

— Qual é o problema nisso? Porque você está corada? 

 

— Caralho, hein? Você faz perguntas demais! — ele sorri. 

 

— Não vai me dizer que você é virgem!

 

— Não! É claro que não! 

 

— Então qual é o pro... Ah! Você nunca gozou? — ele me olha sério. 

 

— Eu... — eu não queria admitir que ele estava certo, mas seria idiotice da minha parte mentir. 

 

— Não é possível que uma garota tão linda como você nunca gozou. 

 

— Bem, mas o que tem a ver eu ser linda e nunca ter gozado? 

 

— Tem a ver... Você já namorou? 

 

— Já! 

 

— E foi com ele que você perdeu a virgindade? 

 

— Foi. — ele franze o cenho. 

 

— E então qual era o problema entre vocês? — eu me ajoelho a frente dele, em cima da cama. 

 

— O nome dele era Dylan, e sempre que a gente ia... 

 

— Transar? 

 

— É, ele sempre me penetrava, mas eu não sei o que acontecia... Eu não sentia nada... 

 

— Ele era pequeno demais? — ele diz em tom debochado. 

 

— Não... sim! — eu digo frustrada. 

 

— Por isso você nunca gozou? Porque ele nunca deu conta do recado?

 

— Basicamente, sim. 

 

— Você sentia pelo menos tesão por ele? — Harry desce seus olhos por meu corpo e isso foi o suficiente para me deixar quente. 

 

— Não. 

 

— Não? 

 

— Não como eu estou sentindo agora, nada parecido. 

 

— Você está sentindo tesão agora? — Harry pergunta. 

 

— Sim — eu levo as mãos até o laço do meu robe e o desfaço. Harry termina de abri-lo e quando ele desce e cai no colchão, ele fecha os olhos e chinga um palavrão. 

 

— Deite-se aí! — ele manda. 

 

— O que você vai fazer? — eu pergunto, automaticamente fazendo o que ele está mandando. 

 

— Vamos resolver o seu problema. — Harry vem para cima de mim e eu logo consigo sentir sua ereção pressionando no meio das minhas pernas. 

 

— O-o meu problema? — Gaguejo. 

 

— Eu fiquei de olho em você desde a hora em que eu te vi chegando com seus pais, aquele quase desastre caiu como luvas pra mim e quando você chegou aqui na festa, imaginei várias vezes como você estaria de baixo desse robe, mas porra, nada passou tão perto. — Harry abaixa o rosto e chupa o lóbulo da minha orelha para dentro de sua boca.

 

Minha reação é apenas fechar os olhos e morder os lábios com aquela sensação.

 

— Preciso que me diga se quiser que eu pare. — eu balanço a cabeça freneticamente. 

 

Ele vai descendo, beijando cada parte do meu corpo. E quando ele chega na cintura e gargalho e ele me olha com a testa franzida. 

 

— O que foi? 

 

— É... é que eu sinto cocégas aí... — ele sorri e balança a cabeça.

 

E então desce mais um pouco, para o meu umbigo.

 

Eu estava um pouco assustada com toda aquela proximidade... Harry era um completo estranho, eu não sabia nada mais do que seu nome, mas eu estava tão excitada que pará-lo era algo impossível de fazer nesse momento. 

 

Quando ele chegou na barra da minha calcinha, me olhou como se estivesse pedindo permissão e eu assenti, ofegante e completamente inquieta. 

 

Ele tira meu shortinho, junto com a calcinha e os joga em um canto.  

 

— Deus do céu! — ele fecha os olhos. — Alguém já te chupou antes? 

 

— Não. — ele dá um sorriso que chega a ser ridículo de tão sexy. 

 

— Isso é bom, mas não tão bom quanto a ideia de te beijar, algo que eu quero desde quando te peguei no colo e você dormiu agarrada a mim. — ele sobe e me olha tão intensamente que perco fôlego.

 

Então abaixa o rosto, beijando meu maxilar. 

 

— Você é muito cheirosa, baby, ninguém deveria ser tão cheirosa assim. — ele mordeu meu lábio inferior e o puxa. 

 

— Me beija logo! — digo. 

 

Ele sorri e enfim me beija. 

 

Puta merda! Uau! 

 

Harry me beija devagar, com a língua serpenteando em toda minha boca, sua boca tem gosto de morango! Eu adoro isso.   

 

Sinto sua mão descendo, passando por minha barriga até parar em minha intimidade. Harry começa a fazer movimentos circulares com os dedos e em poucos segundos, estou me contorcendo e arranhando todo seu braço. 

 

E quando eu sinto que estava chegando ao meu ápice, ele retira os dedos.

 

— É isso que seu ex fazia com você?

 

— Harry... Sim! 

 

— Calma, baby. 

 

Então ele faz outra trilha molhada até minha intimidade, ele passou a ponta da língua em meu clitóris e eu me contorci em baixo dele.

 

Languidamente, ele começou a me estimular, fazendo com que eu puxasse os seus cabelos e gemesse o seu nome em alto e bom som. 

 

Seu olhar não desgrudava do meu, enquanto ele fazia aquilo, e eu gemi jogando minha cabeça para trás e minhas costas se arquearam. 

 

Não demorou muito para que espasmos e ondas de prazer atingissem meu corpo, fazendo com que eu gritasse o seu nome e ele viesse pra cima para me beijar e abafar os meus gritos. 

 

— Agora você sabe como é... — ele diz. 

 

Não consigo dizer nada, apenas tento acalmar minha respiração e não pular em cima dele.

 

Harry torna a me beijar e eu abraço seu pescoço me sentindo verdadeiramente grata. Ele é muito bom nisso.

 

Eu me levanto e me visto, ele pega meu robe e me ajuda vestir, beijando meu ombro logo em seguida. Então me abraça e logo sinto sua ereção pressionando minhas costas. 

 

— Tenho que ir. — digo antes que eu vou pra cama com ele e dessa vez, de verdade mesmo. — Até logo, Harry. 

 

[...]

 

 

Acordo totalmente desnorteada, meu corpo está pesado. Chloe está deitada comigo e estamos no nosso quarto. 

 

Pego meu celular, são 10 da manhã.

 

Eu não dormi nada! 

 

Há duas mensagens de números desconhecidos: 

 

“Bom dia, baby! Será que poderíamos nos ver hoje? Harry.”

 

Porra, o Harry! 

 

A realidade do que fizemos ontem vem com um baque e eu me sinto... Não sei como me sinto agora. 

 

Abro a outra mensagem: 

 

“Bom dia, gata! Será que poderíamos nos ver hoje? Zayn.”

 

Só pode ser brincadeira! Os dois mandaram praticamente a mesma mensagem. 

 

Eu me sinto envergonhada, mas ao mesmo tempo poderosa.

 

São dois homens maravilhosos, vamos lá! 

 

No entanto, quando leio as mensagens outra vez percebo o que está acontecendo... Os dois querem me ver...

 

Meu Deus, ferrou!


Notas Finais


meperdoem pelos erros
Comentem!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...