História Tricky Love - Capítulo 3


Escrita por: ~, ~laraa777 e ~LuanaJapo

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), NCT U
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Taeyong, V
Tags Bts, Muitolemon, Namjin, Taekook Yoomin, Vkook, Yoomin
Exibições 48
Palavras 4.815
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Por onde começar? Yaa, vou começar pedindo desculpa mesmo
Sério gente me desculpem pela demora, ela aconteceu por muitos motivos... Todos que fazem parte desta fanfic têm outras fanfics para atualizar, principalmente a Lara que atualiza toda semana, e infelizmente todas nós ainda estudamos, então são muitas provas finais, muitos trabalhos, muitos problemas de final de ano...
A Luuh tava sem inspiração para escrever mas conseguiu me entregar a parte dela na metade desse mês, já a Lara tava atolada de coisas para fazer e só me entregou a parte dela no final de semana, mas acontece que ela acabou se confundindo - todas nós temos nossa parcela de culpa quanto a confusão - então eu tive que fazer a parte dela também, por isso demorou...
Eu fiz meio correndo, cheguei até a carregar o pc por aí para poder escrever onde desse e saiu este cap
Apesar da correria eu gostei muito dele e espero que vocês gostem também :3

Queria agradecer pelos quase 30 favoritos <3 todos vocês moram no meu kokoro <3

No mais era só isso mesmo...
Boa leitura ^-

Capítulo 3 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction Tricky Love - Capítulo 3 - Capítulo 2

 

Taehyung P.O.V

 

[Seul, Coréia do Sul. Julho de 2016]

[Casa dos meninos]

 

— Jeonggukie tenha um pouco de amor nesse coração de pedra! – imploro quase me ajoelhando diante do meu namorado. Jeongguk veio com uns papos de que queria ser o ativo dessa vez. Será que já não ficou bem claro que eu tenho amor pelo meu brioco?

— Não. – diz frio e seco, yaa criança insistente!

— Mas Gukie você tem uma muralha da china! – da onde eu tirei isso? Não sei, só sei que eu não quero que ele enfie essa anaconda dentro de mim! Imagina se isso me atravessa!

— O meu é menor que o seu Taehyung! – esbraveja. Bom, com isso eu tenho que concordar, o Big Tae aqui é realmente uma coisa de outro mundo, principalmente quando fica animadinho aí que o negócio fica grande mesmo!

— Mas o seu é mais grosso! – retruco. Esse fato é de fato um fato. Melhor eu reformular. Essa é uma verdade verdadeira. O que eu tenho de comprimento pode apostar que o Jeonggukie tem de grossura.

— E daí Taehyung? – cruza os braços e uma vontade de apertar aquelas bochechinhas preenche meu corpinho divinamente divino – Você acha que não é pouco dolorido sentir isso ai – aponta para meu equipamento – quase atingindo meu estomago? – apesar de um pouco exagerado, é quase isso mesmo, a criança aqui é superdotada.

— Tá, mas isso aí – aponto para seu amiguinho situado entre aquelas coxas grossas e branquinhas, macias que me deixando com puta t... Tá, parei. – Pode acabar me arrombando por meses! Tem certeza que quer um namorado arrombado? – quando não se tem argumentos suficientes, parta para a chantagem.

— Não viaja Kim! – revira os olhos – E para de ser dramático porque nós não estamos em nenhum daqueles doramas que você tanto assiste!

— Ei! Não fala dos meus doramas! – Como ele ousa? Doramas são coisas divinas que nos ensinam a lidar com a famosa friendzone e a não sofrer pelo crush – o que, na realidade, é quase sempre impossível – Ou quer que eu fale sobre o seu tão idolatrado Homem de Ferro?

— Não ouse e também não mude de assunto! – o mais novo começa a bater um dos seus pés no chão, claramente impaciente. Ele parece tanto o Pernalonga agora, só faltam as orelhas, o rabo fofinho e a cenoura. – Você vai fazer o que te mandei sim, senão vai ficar sem sexo durante dois meses e isso incluí também sem beijos, além de que você vai ter de dormir em outro quarto... – parei de ouvir no “sem sexo”.

Ele me pegou, não há escapatória. Com certeza eu posso me arrepender muito disso mais tarde, porém não posso arriscar ficar sem o Jeonggukie daquela forma. Ficar sem seus gemidos praticamente cantados para mim. Não posso, não quero e não vou. Chega um momento na vida de um homem em que ele tem de fazer sacrifícios. Esse será meu sacrifício. Eu, Kim Taehyung, 23 anos, irei dar a bunda.

— Aish... O que eu não faço por você Jeonggukie... – apenas ouço o coro de “vai dar merda vai, vai dar merda, vai dar merda, vai...” quando meu antes tão inocente Gukie abre um sorriso maligno – do meu ponto de vista.

— Você não vai se arrepender. – sinto o calor de meu namorado me aquecer quando seus braços enlaçam minha cintura e caminhamos lentamente até nosso quarto. No entanto, nem seu corpinho praticamente colado no meu é capaz de fazer meus pensamentos irem embora.

Ah, Gukie, eu vou me arrepender sim, não consigo acreditar em você. Eu nunca fui passivo e agora você vem com essa palhaçada pra cima de mim? Brincadeira hein! Se eu me machucar um pouquinho que for Jeongguk, já pode ir pensando na frase que quer por em sua lápide. Talvez esteja exagerando?  Sim, um pouco, mas isso se chama nervosismo meus queridos amigos, nervosismo e medo de tomar no cu, no sentido literal da frase, afinal ele vai colocar essa anaconda na minha bunda! E se isso atravessar meu corpinho maravilhoso esculpido por Zeus e acabar parando na minha boca? Ok, eu estou exagerando pra cacete! Porém releve, eu nunca dei a bunda... E se doer? Aish... Será que ainda dá tempo de desistir desse fetiche maluco do Jeongguk? Yaa, se eu ficar com a bunda doendo eu vou fazer esse narigudo se arrepender de ter me comido! Espera só pra ver!

— Hyung? – o moreno me olha com uma expressão confusa. Estava tão perdido em meus pensamentos que mal percebi que já havíamos chego a nosso quarto e que a porta já estava trancada. Acabo engolindo em seco sem querer e Jeongguk ao perceber meu ato, ri todo fofo e meigo, nem parece que vai me foder daqui a pouco – Relaxa, ok?

— Como se fosse possível... – resmungo baixo.

— Eu ouvi isso! – Jeongguk abre ainda mais seu sorriso e anda até nossa cama king size, ele senta aquela bunda maravilhosa no colchão macio e bate no espaço vazio ao seu lado – Senta aqui. – assinto rapidamente e me sento no local que indicou – Você se lembra da nossa primeira vez Taehy?

— É claro que me lembro, teria como esquecer Gukie? – eu sorrio, um sorriso de verdade, sincero. Além de ter sido uma das melhores transas que tivemos, foi perfeito, em todos os sentidos. Lembro que naquela época eu não era tão agressivo no sexo quanto sou agora. Eu tratei Jeongguk com todo o cuidado preciso, não só porque era a primeira vez dele ou a nossa primeira vez, porque eu o amava e odiaria machucá-lo. É lógico que ainda o amo, diria que até mais, no entanto nosso nível de intimidade cresceu cada vez mais e deu espaço para alguns fetiches peculiares. Obviamente que odiaria machucar meu dongsaeng, mas depois de tanto tempo, todo aquele cuidado se fez desnecessário.

— Não. – ele ri anasalado – Bom, já que você lembra, deve se lembrar também do quão nervoso e ansioso eu estava, certo? – assinto devagar. Realmente Jeongguk estava um poço de ansiedade no fatídico dia. – Mas, apesar de eu ter sentido muita dor no inicio, a dor passou. – ele move sua mão até minha coxa esquerda e começa a fazer uma caricia suave ali – E deu lugar... – ele se aproxima de meu pescoço e assopra devagar. Sinto um choque percorrer por todo meu corpo e parar no meio de minhas pernas - ... Ao... – ele leva sua boca até minha orelha, chupa e morde fraco meu lóbulo - ... Prazer. – assim que ele conclui a frase, me deita com uma delicadeza extrema sobre o colchão com lençóis brancos e sobe por cima de meu corpo.

Jeongguk conecta aquelas orbes negras às minhas de tom mais claro, e sinto meu coração acelerar como nunca antes. Prazer, amor, medo, ansiedade, nervosismo e... Expectativa. Todas as sensações tomam conta de meu corpo e nublam minha mente, fazendo me esquecer de todas as inseguranças que sentira mais cedo.

— Hyung... – ele me chama baixo e rouco. Estremeço sob seu corpo.

— Sim... – fecho os olhos e levo minhas mãos, até então caídas ao lado de meu corpo, até suas costas, traçando linhas imaginárias ali.

— Sabe, mais cedo eu realmente queria me vingar de você pelo o que você fez... – eu me encolho sob si e sinto o medo de antes voltar à tona – Mas agora hyung... – ele sorri e beija minha pintinha na ponta do nariz – Agora, eu só quero que você se sinta bem. – novamente o medo se esvai e aquela sensação de frio na barriga aparece de novo. Ele acaricia minha bochecha e une nossas bocas com um selar demorado, carinhoso. Ao separar nós dois abrimos os olhos e novamente aquela conexão se faz presente. – Tae, eu não quero te forçar a nada. – ele roça nossos narizes e aquilo é tão bom. Tá, eu tô parecendo um bobo apaixonado, admito. – Se você não quiser, eu entendo, eu não...

— Eu quero. – digo firme e puta que pariu, não sei da onde tirei tanta coragem. Mas estaria mentindo se dissesse que não quero experimentar. Afinal não deve ser tão ruim já que o Jeongguk geme que nem um louco quando transamos. – Se eu me sentir mal nós paramos, pode ser?

— Uhum... – ele concorda e novamente coloca pressão sobre meus lábios – Antes de qualquer coisa... Eu te amo hyung. – sorrio involuntariamente com aquela pequena declaração tão rotineira a nós dois.

— Eu também Gukie. – dessa vez sou em quem colo nossos lábios, não me demorando muito para pedir passagem ao encostar a ponta de minha língua em seu lábio inferior, passagem esta que rapidamente é cedida, minha boca invadida por aquela língua quente e úmida, tão macia a meu ver.

O beijo se desenvolve calmo e permanece assim por um bom tempo, afinal não há porque ter pressa. Após longos minutos – aprendemos a guardar oxigênio caros amigos – nos beijando tranquilamente afastamos nossas bocas e sorrimos um tanto ofegantes um para o outro.

Se tivesse que dizer o que mais amo quando beijo Jeongguk seria como ele fica lindo após nos beijarmos, as bochechas coradinhas, o peito subindo e descendo rapidamente, os lábios entreabertos, o brilho no olhar. Aish, como eu fui ficar tão apaixonado por este pirralho?

Jeongguk me puxa para mais um beijo, agora mais intenso. Nossas línguas enroscando-se, desesperadas por contato, seus dentes prendendo meu lábio, suas mãos passeando pelo meu corpo, tudo contribui para o gemido rouco que solto em meio ao ósculo. Sinto Jeongguk tremer sob minhas mãos, aproveito sua sensibilidade e deixo que minhas meus dedos deslizem para dentro de sua blusa, minhas unhas curtas arranhando sua pele. Jeongguk solta um arfar sôfrego.

Puxo seu corpo para mais perto do meu e acabo sentindo sua ereção recém-formada roçando em minha coxa, o que só estimula para que minha ereção também dê sinal de vida. O moreno desce com uma trilha de beijos até meu pescoço e quando chega à pele exposta do mesmo trata de marca-la com algumas mordidas e chupões leves. Sinto minha pele formigar com sua boca movendo-se por ela. No exato instante em que o Jeon deixa um chupão mais forte sobre minha pele acobreada, seu quadril se move levemente em meu colo, arrastando nossas ereções uma na outra. Não consigo conter um gemido mais alto e recebo um sorriso ladino por parte do mais novo.

Cansado de tanta roupa, acabo por segurar a barra da camiseta que o moreno vestia e puxá-la para cima, passando-a por sua cabeça e braços, e a jogando em um canto qualquer próximo à cama. Ver aquela pele branquinha e imaculada, sem nenhuma marca minha ativou algo dentro de mim. Imediatamente jogo Jeongguk na cama, invertendo nossas posições, e passo a encher a pele tomada por pintinhas com marcas levemente arroxeadas, minha boca sugando com força cada pinta e puxando a pele logo em seguida, marcando desde seu pescoço, até seu tórax e barriga um tanto definidos.

Ao chegar próximo a sua calça, trato de abrir os botões da mesma e a retirar com certa dificuldade devido às coxas fartas e ao tecido de couro. Sua cueca boxer vermelha praticamente implorando para ser retirada por mim e enfim libertar seu volume. Quando estou prestes a fazê-lo, os dedos formigando com ansiedade, sou impedido pelo Jeon, que me puxa para agora ficar sobre seu membro.

— Gukie... – faço um bico deveras infantil e o menor apenas ri da minha cara.

— Sou eu quem vai fazer isso TaeTae... – Jeongguk aperta levemente minha bunda e acabo arfando com o contato.

O mais novo sobe suas mãos até a barra de minha blusa e a puxa devagar, retirando-a com a maior paciência do mundo e logo a jogando em algum lugar que não faço questão de saber onde. Ele se senta comigo em se colo e começa a desabotoar os botões de minha calça jeans, me deita outra vez na cama e termina de retirar o jeans preto. Após passar alguns segundos, que mais pareceram horas, analisando cada mínimo detalhe de meu corpo, Jeongguk passa a distribuir dezenas, se não centenas, de beijos molhados por todo meu tórax e barriga, o que convenhamos me deixou mais quente do que já estou.

Ao chegar próximo à barra de minha cueca, o Jeon assopra a pele sensível de minha virilha e sinto todos os pelos de meu corpo se arrepiarem com a sensação, fecho os meus olhos e tento reprimir quaisquer gemido que possa vir a soltar. Sinto seus dentes resvalarem em minha pele e se prenderem ao cós de minha boxer preta levemente melecada com o pré-gozo, ele puxa o elástico e o solta rapidamente. A sensação do tecido batendo em minha pele e a ardência que se segue só deixam tudo mais gostoso. Seus dedos gélidos arrastam o tecido pelas minhas coxas, pernas e pés. A sensação de ter meu membro liberto do aperto de minha cueca é maravilhosa.

— Aah, Gukie-e... – gemo arrastado e rouco quando o mais novo segura meu membro entre seu indicador e médio, e passa a movimentá-los para cima e para baixo, num ritmo mais do que torturante. – Mais rápido...

— Não, hyung... Eu vou fazer melhor. – ele fala baixo e arrastado do jeito que ele sabe que eu gosto, e aquilo só em excita mais – Mas tem uma condição...

 — Qual? – falo meio afobado, não me julguem, vocês fariam o mesmo em meu lugar.

— Eu quero que você olhe para mim. – ele diz cada palavra pausadamente e o máximo que consigo fazer é assentir todo embasbacado. Definitivamente eu não conhecia esse lado do mais novo, mas tô amando conhecer.

Jeongguk solta um risinho baixo e aproxima seu rosto de meu membro. Poderia chegar a meu ápice apenas com a visão de Jeongguk encarando fixamente minha ereção, as bochechas coradas, a luxúria queimando em seu olhar. A pontinha de sua língua rosada desponta para fora de sua boca e toca minha fenda gotejante. Minhas costas automaticamente se arqueiam com aquela pequena felação.

— Relaxa hyung... – ele ri anasalado e sua respiração bate na minha glande sensível, gemo baixinho – O melhor ainda estar por vir.

Ele diz com um sorrisinho de canto e por um momento não sei o que o moreno irá fazer. Praticamente grito quando ele envolve a cabeça de meu pau naquela boquinha quente e molhada, sua língua arrastando-se pela pele sensível e rosada, sua boca sugando suavemente. Minha sanidade escapa por entre meus dedos. Jeongguk para de sugar minha glande e solto um muxoxo baixo, ao que ele apenas ri. Seu músculo úmido deslizando pelas minhas veias saltadas e pulsantes, de cima a baixo, de baixo para cima, diversas vezes... Ah, isso é tão delicioso.

 — Gukie-aahh! – gemo um tanto alto, levando minhas mãos diretamente aos seus cabelos, quando o mais novo envolve a cabeça do meu pênis naquela boquinha maravilhosa novamente.

Após chupar algumas vezes minha glande inchada, ao passo em que eu apenas soltava palavras desconexas, o mais novo envolve grande parte de meu membro em sua boca, imediatamente eu puxo seus fios emaranhados em meus dedos e inconscientemente impulsiono meu quadril para frente, fazendo com que meu pau entre por inteiro em sua boca. Jeongguk se engasga e tosse um pouco, suas vibrações reverberando em minha ereção. Tão, tão gostoso.

— Jeonggukie... Mais rápido... – digo com certa dificuldade.

Sem nem ao menos me responder com palavras, meu namorado começa a movimentar sua cabeça em um ritmo mais rápido, a imagem de meu pênis entrando e saindo de sua boca enquanto seus olhos queimam os meus, aquele som pecaminoso reverberando, Jeongguk engasgando, meu membro pulsando. Quando estou quase lá, o filho da mãe tira meu pau de sua boca, inchada e molhada por conta da felação. Tento fazer com que ele volte a me chupar, mas Jeongguk segura meus pulsos a fim de me impedir.

— Jeongguk! Eu tava quase gozando! – esbravejo claramente irritado, porém ainda ofegante.

— Eu sei hyung. – ele diz rouco, seu rosto se aproximando do meu.

— Então volta para lá. – faço um biquinho, sua boca encostando em meu ouvido.

— Quero que você goze junto comigo. – ele diz firme, seus dentes se prendem a meu lóbulo, o chupando em seguida.

O moreno volta a me encarar e não demora a atacar meus lábios. A saliva se faz mais presente fora de nossas bocas do que dentro delas. Nossas línguas competindo por qualquer espaço em nossas bocas, ao mesmo tempo em que se enroscam numa dança excitante. Suas mãos gélidas em meu corpo, apertando, arranhando. Minhas unhas perfurando a carne macia de sua bunda. Nossos gemidos abafados por nossas bocas.

— Awnn – gemo rouco quando seu dedo circula minha entrada imaculada, Jeongguk ri contra minha boca e morde meu lábio inferior.

— Posso começar hyung? – ele pede baixinho, o suficiente para que eu ouça. Apenas aceno levemente e mordo meu lábio com força.

Jeongguk se afasta momentaneamente de mim, pegando o lubrificante na primeira gaveta do seu criado mudo. Ele abre o frasco e despeja o liquido gelado em três de seus dedos, logo o fechando novamente. Engulo em seco.

O mais novo volta a se aproximar de mim e passa a distribuir beijos por meu rosto, o que me distrai o suficiente para que não perceba quando insere um dedo em meu interior. Cerro meus olhos com força e suprimo um gritinho que tenta escapar de minha garganta. Como que o Guk gosta disso?! É horrível!

Sinto o mais novo encostar seus lábios delicadamente sobre meus olhos cerrados, sua mão acariciando minha cintura, seu dedo ainda imóvel dentro de mim.

— O incomodo passa hyung. – ele roça nossos narizes e sela rapidamente nossos lábios – Quando quiser continuar é só dizer. – ele deposita um breve selar em minha pintinha.

Assim como Jeongguk disse, o incomodo passou quase que totalmente, ficando apenas um leve calorzinho por conta da ardência anterior. Sem que diga nada, movo meu quadril para baixo, fazendo com que seu dedo afunde em mim, gemo seu nome baixinho, o mais novo estremece.

Abro meus olhos devagar e encontro Jeongguk todo corado e sorridente acima mim. Não sei por que motivo, mas acabo corando também. Eu nunca fiquei tímido durante o sexo, que porra tá acontecendo? O moreno beija meus lábios calmamente, seu dedo se arrastando com certa dificuldade em meu interior apertado. Levo minhas mãos aos seus ombros e cravo minhas unhas na pele alva e macia. Após algumas estocadas leves de seu dedo, passo a me acostumar e a me sentir mais a vontade com aquela pequena invasão em meu interior. Fecho meus olhos mais uma vez, porem agora por conta do prazer que me é proporcionado.

— P-pode por mais um... – Jeongguk passa a distribuir pequenas mordidas em meu pescoço exposto, as lambendo em seguida, seu dedo ainda se movendo. – Gukie-e... – gemo arrastado quando ele coloca o segundo dedo, contraio meu interior, seus dentes prendem a carne de meu ombro.

— Tá gostoso hyung? – ele murmura contra minha pele e alarga meu interior ao fazer movimentos de tesoura.

— Uhum... – Jeongguk me alarga mais e mais, afunda seus dígitos em mim, meus dedos, agora em seu cabelo, puxam seus fios. Respiro com certa dificuldade, dor e prazer se misturam e nublam minha mente, entorpecendo-me. Mordo meu lábio reprimindo os gemidos mais altos que tentam escapar por meus lábios, ato que se torna inútil quando Jeongguk adiciona mais um dedo. – Ahh, merda Gukie-e... – fecho os olhos com força e arqueio minha coluna, seus dedos cada vez mais fundos em mim, rasgando-me de maneira deliciosa.

Solto um resmungo baixo ao passo em que Jeongguk retira seus dedos de meu interior, deixando-me com uma sensação de vazio. Mordo o lábio cada vez mais forte conforme meus olhos percorrem o corpo bem talhado de Jeongguk, agora completamente nu, descendo por seu tórax até sua ereção entre as pernas. Minha boca se enche de água apenas a visão de meu namorado espalhando o lubrificante por toda a extensão de seu pênis orvalhado pelo pré-gozo.

Arfo um tanto sôfrego ao imaginá-lo dentro de mim.

Jeongguk se inclina sobre meu corpo, encaixando-se entre minhas pernas. A cabeça de seu pau exercendo uma leve pressão sobre minha entrada. Suas mãos seguram minha cintura com firmeza, seus polegares acariciam a tez acobreada do local. Fecho os olhos com força assim que ele introduz parcialmente sua glande em meu interior. Inconscientemente contraio minhas paredes, tentando expulsá-lo.

— Gukie... Tá doendo. – sinto meus olhos marejarem com a grande ardência que toma conta de meu interior apenas com parte de seu membro.

— Calma hyung. – Jeongguk beija o canto de minha boca e leva sua destra até minha bochecha, fazendo um carinho na mesma – Tenta não pensar na dor, hum? – ele sela nossos lábios devagar – Olha para mim... – nego com a cabeça, tenho certeza de que se abrir os olhos vou começar a chorar – Por favor. – ele afunda seu nariz em meu pescoço e repira fundo, os pelos de minha nuca se arrepiam automaticamente, sinto seus lábios pressionarem os meus novamente – Por favor, Taehyung.

Depois de pedir mais algumas vezes, acabo cedendo a seu pedido e abro meus olhos demoradamente. Assim como desconfiava, no instante em que abro os olhos, uma lágrima rola por minha bochecha. Jeongguk me olha, a preocupação transbordando em seu olhar e voz.

— Me desculpa... H-hyung, e-eu te machuquei? – a voz dele sai tremula e um tanto esganiçada, ele suspira e balança sua cabeça de um lado para o outro – É melhor pararmos.

Ele faz menção a sair dentro de mim, porém surpreendo a nós dois quando seguro seu quadril com firmeza mantendo-o no lugar.

— Eu quero continuar Guk. – digo confiante, apesar de estar mais inseguro do que o caralho a quatro.

— Tem certeza hyung? – ele morde o lábio, aparentemente apreensivo.

— Sim. – sussurro e levo minhas mãos até sua nuca, trazendo a boca alheia para mais perto da minha, por fim iniciando um beijo calmo e profundo.

Aos poucos Jeongguk vai se arrastando para mais fundo em meu interior, o que demora bastante, tanto pelo fato de que eu nunca fiz isso quanto pela espessura de seu membro. Tento ao máximo não demonstrar a dor que sinto ao ser praticamente rasgado pelo meu namorado, soltando alguns arfares sôfregos de vez em quando.

Passam-se cerca de dez minutos até que finalmente Jeongguk esteja por completo em meu interior. O mais novo me beija com carinho, amor, a fim de que me distraia do desconforto que é ter seu volume dentro de mim. Apesar de esperarmos por um tempo razoável, o incomodo não desaparece por completo, porém de alguma forma sinto que estou preparado, portanto mexo levemente meu quadril a fim de mostrar ao moreno que ele pode se mexer.

Ele inicia as estocadas, lentas e superficiais, apenas para que me acostume com a penetração. Ao contrário do que imaginava, estar por baixo não é tão ruim assim, é diferente lógico, mas não ruim. Ao passo em que Jeongguk aumenta a velocidade de suas estocadas, sinto um prazer diferente nublar minha mente e tudo o que consigo pensar é em como eu gostaria de tê-lo mais fundo, mais rápido, mais forte.

— Guk... – mordo o lábio e arranho suas costas – Rápido.

Jeongguk me direciona um sorriso sacana antes de entrar e sair rapidamente de dentro de meu interior, meu corpo sendo impulsionado para cima, meu pênis sendo arrastado entre nossas barrigas, o som oco dos nossos quadris se encontrando reverberando pelo quarto, o cheiro de sexo impregnando o ar. Solto meu primeiro gemido.

— Guk-aah – contraio meu interior impulsivamente e minhas pernas entrelaçam-se em sua cintura, em busca de mais.

— H-hyung... – ele diz ofegante – Não faz isso.

— O que? – digo com dificuldade.

— Não me sufoca desse jeito. – ele sussurra rouco – Assim eu vou gozar antes da hora. – sua língua desliza pelo meu maxilar e ele estoca mais fundo.

Não consigo pensar em nada coerente para lhe responder, somente me dando ao trabalho de gemer baixinho conforme suas estocadas aumentam. Nossos gemidos baixos e contidos se misturam numa música que é perfeita aos meus ouvidos, música esta que sai do tom quando Jeongguk atinge minha próstata.

— Jeongguk! – meu gemido alto e rouco preenchendo todo o quarto.

Jeongguk passa a direcionar suas estocadas àquele ponto, fazendo-me gemer em alto e bom som todas as vezes que o acertava. Contraio meu interior com força ao ter minha próstata atingida três vezes consecutivas, meus olhos giram nas órbitas, minhas unhas tiram sangue da pele macia de suas costas. Sinto o moreno estremecer sobre mim, suas mãos puxam com força meu quadril em direção ao seu numa última estocada antes que seu liquido quente me preencha.

A sensação de ser preenchido e as ondas de prazer ainda presentes da ultima estocada fazem com que eu também atinja meu ápice, melando nossas barrigas com meu liquido branco e espesso. Entro em estado de torpor. Minha mente foca-se apenas no alivio de ter gozado, esquecendo-se de qualquer coisa que não fosse relacionada ao prazer. Simplesmente delicioso.

Sinto Jeongguk se retirar de dentro de mim e me puxar para um abraço, ao que automaticamente retribuo, descansando minha cabeça em seu peito. O coração de Jeongguk bate acelerado, assim como o meu. Os dedos do mais novo se entremeiam em meus fios num cafuné gostoso ao passo em que traço círculos imaginários em seu peito desnudo. Minha mente recobra aos poucos a sanidade roubada e decido que seria uma boa provocar um pouquinho meu namorado.

— Até que não foi tão ruim... – digo com descaso.

— Até que não foi tão ruim? – Jeongguk arqueia uma sobrancelha e se senta na cama, fazendo com que eu me sente também – Sério? – ele parece decepcionado – objetivo completo – e eu rio contido. Subo em seu colo e olho em seus olhos.

— Nunca pensei que algum dia eu fosse ser o passivo... – isso é verdade – Mas acho que eu só gostei porque foi com você. – falo rapidamente.

— Então eu posso ser o ativo mais vezes? – ele sorri todo fofo, nem imagina que vai quebrar a cara.

— Não. – respondo prontamente.

— Hyung! – a expressão de indignação do Jeongguk é impagável, eu to rindo internamente.

— Jeon Jeongguk, eu acabei de dar a bunda e você já quer que eu dê de novo? – o encaro com seriedade – Porra, eu nem sei se vou conseguir andar amanhã!

— Taehyung, nós transamos quase todo dia e eu nem reclamo de dor, menos. – ele responde sério também.

— Você tá acostumado! – exclamo um tanto indignado.

― Você também se acostuma. – ele rebate com aquela maldita sobrancelha arqueada. Sério, eu amo ele, mas tem vezes que a mão treme pra dar um belo de um soco nessa carinha de criança.

― Você teve que ficar pelo menos um vinte minutos sem se mexer só para eu parar de sentir dor! Como eu posso me acostumar com isso?! – aponto para seu membro descoberto – Olha a grossura disso!

― Você não pode se acostumar com isso... – aponta para o meio de suas pernas – Mas com isso aí – aponta para minha intimidade – eu posso né?

― Claro! – digo com convicção - Quase três anos juntos, é o mínimo que se espera, não acha?

― Então quer dizer que eu não vou ficar mais por cima? – um biquinho se forma naqueles lábios cor de pêssego levemente maltratados.

― Exatamente.

— Se eu não fico, tu também não fica. – por favor, alguém me diz que não é o que eu tô pensando.

— O que quer dizer com isso? – pergunto apreensivo.

— Quer dizer que tô de greve hyung. – ele bufa e eu me desespero.

— Tá! Você pode ser o ativo mais vezes! – jogo minhas mãos para cima em seguida lançando-lhe um olhar irritadiço – Feliz agora?

— Muito. – Jeongguk diz com um pequeno sorriso nos lábios – Te amo hyung.

— Nem me venha com essa Jeongguk! – digo indignado – Você estava me ameaçando até alguns segundos atrás!

— Ah, hyung... – ele sorri de canto e me pressiona contra seu colo – Você sabe que eu só digo isso da boca pra fora... – sua boca desliza pela pele de meu pescoço, mordiscando-a levemente – Sabe que eu não aguentaria ficar sem você... – faz uma trilha de beijos pelo meu maxilar bem delineado.

— Uhum... – murmuro ainda irritado e saio de seu colo, impedindo que continue com os beijos, deitando-me de costas para o moreno.

Fecho os olhos tentando pegar no sono, porém fica ainda mais difícil quando Jeongguk agarra minha cintura e me vira de modo que fique de frente para si. Seus dígitos deslizam pela minha bochecha.

— Taehyungie... – me puxa para perto de si e eu apenas o ignoro – Não fica bravo comigo... – beija minha pintinha na ponta do nariz e eu quase me derreto, quase – Eu te amo, muito.

— Idiota, não sei se percebeu, mas tô tentando dormir. – resmungo.

— Não me ama mais hyung? – ele se finge de afetado.

— É óbvio que te amo Jeongguk! – me exalto, abrindo meus olhos – Mas isso não te torna mesmo idiota! – tento me afastar de seu corpo, porém ele me segura firme – Me solta caralho! – bato no ombro dele.

— Boa noite hyung. – ele diz todo calmo e despreocupado, prendendo meu corpo ao seu antes de fechar os olhos.

— Aish. – suspiro alto e me permito ceder aos braços fortes do mais novo – Boa noite, baka.



 


Notas Finais


CHEGARAM ATÉ AQUI?

que bom!!! <3 por favor, comentem, é extremamente motivador e não que eu tenha vergonha de postar lemons - eu distribuo os lemons para os meus amigos e colegas de classe e não fico nn um pouco envergonhada u.u - e um pouco de insegurança em relação a escrita, entendem? então seria ótimo se comentassem sua opinião, seja elogio ou critica construtiva

quanto ao lemon, não se acostumem, eles vão ser mais pesados daqui pra frente, a intenção é que este aqui fosse fofo....
ENFIM
espero de coração que tenham gostado

bye bye baes ^-


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...