História Troca de Destinos - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Angel, Aquarius, Aries, Cana Alberona, Câncer, Capricórnio, Charlie, Elfman Strauss, Erik (Cobra), Erza Knightwalker, Erza Scarlet, Freed Justine, Gajeel Redfox, Gildartz, Gray Fullbuster, Happy, Igneel, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Lector, Leon, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Metalicana, Midnight, Mirajane Strauss, Mystogan, Nashi Dragneel, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Ophiuchus, Pantherlily, Personagens Originais, Pisces, Ren Akatsuki, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Scorpio, Sherry Blendy, Silver Fullbuster, Sting Eucliffe, Ultear Milkovich, Ur, Virgo, Wendy Marvell, Yukino Aguria, Zeref
Tags Erza Scarlett, Gajeel Redfox, Gale, Gralu, Gray Fullbuster, Gruvia, Igneel, Jellal Fernandez, Jerza, Juvia Lockser, Levy Mcgarden, Lucy Heartfilia, Nalu, Natsu Dragnel, Rogue, Stincy, Sting, Wendy Marvel
Visualizações 76
Palavras 2.539
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!

Muito obrigado pelos comentários e pelos favoritos!
Estou sem tempo para fazer uma nota mais elaborada, porém no capítulo seguinte prometo colocar uma pequena homenagem à todos que comentaram e curtiram a fic.
Espero que gostem e tenham uma boa leitura.

Capítulo 6 - Isso Vai Além da Bizarrice...


Fanfic / Fanfiction Troca de Destinos - Capítulo 6 - Isso Vai Além da Bizarrice...



- MAS QUE PORRA É ESSA?!- ouvi uma voz muito familiar e me sentei de repente. Senti um peso nos ombros e quando ergui a mão, intencionando coçar a nuca, algo atrapalhar o caminho. Olhei pra baixo e vi duas montanhas. Duas montanhas macias e... Deve ser um sonho...

Me levantei, pensando em me enrolar em uma coberta e suspirei, resolvendo seguir para o banheiro. Se é um sonho, pra quê me vestir? Vou acordar logo, logo, de todo jeito...

Travei assim que me vi ali, parado diante do espelho, completamente nu. Meu corpo... Está agindo sozinho agora? Que sonho bizarro...

Ele se virou e me encarou, com os olhos arregalados. Me encarou de cima à baixo e seu... Meu... O queixo dele caiu. Franzi o cenho, esfregando meu olho, enquanto seguia para a pia, pra lavar meu rosto.

Aquele peso nos meus ombros era real demais pra ser um sonho. Mas ainda continua sendo um sonho. Bizarro e longo sonho. E esses peitos atrapalham...

Me endireitei e os toquei. São macios demais pra serem falsos. Olhei no espelho. Boca pequena, olhos castanhos, rosto delicado, cabelo amarelo como fios de ouro... Ah, isso é só um sonho mesmo.

Nunca que eu e Lucy trocaríamos de corpo. E é pedir demais que, de todas as sete bilhões de pessoas que existem no mundo, um cara como eu acabaria sendo presenteado com algo assim.

- Olha... Eu sabia que estava em boa forma... Mas... Isso é bizarro... – falei, me encarando de cima à baixo.

- Para com isso. – falou, tão calmo quanto um lago. – Não fique tocando meus... Seios. – completou. Me esqueci que eu ainda os tocava.

- Okay. – dei de ombros, antes de me dirigir de volta ao quarto.– De todo jeito é um sonho. – bocejei, me jogando na cama e me enrolando nos lençóis. – Um longo... Bizarro... E estranho... Sonho. – murmurei.

Fechei os olhos, tentando voltar à dormir, quando senti a cama afundar numa beirada. O cheiro do lençol, o peso desses peitos, essa ressaca terrível, o gosto estranho na minha boca.

Não estou voltando à dormir, muito menos acordando... Me sentei e toquei outra vez nesses peitos. 

São reais. 

Isso é real. 

Não poderia ser um sonho.

- ... Isso... Não é um sonho... Não é?- perguntei, com meus olhos arregalados. - O QUE DIABOS É ISSO!- apontei pro meu corpo.

- COMO VOU SABER!- gritou, me encarando de cima à baixo. - E AGORA?! Vou viver como homem pelo resto da vida? Não vou mais poder sair na rua com esse rosto... – ihh... Surtou.

Espera... Se agora eu sou a Lucy... Como ficam as coisas?

- E meu trabalho, a escola e aquele trato estúpido e... Ai meu Deus e agora?!- murmurei, sem achar resposta alguma no meu cérebro, até que resolvi tentar seguir pela lógica sem me desesperar. Respirei fundo e a encarei, enquanto ela ainda surtava. - Espera. - falei, vendo ela me encarar, com os olhos arregalados e o choque estampado na minha cara.

- Esperar?! Eu sou um homem agora! Eu nunca mais vou... Você sabe o que isso significa?! Significa que minha vida está arruina... – nossa, como reclama. Pensei em dar uns tapinhas em seu rosto pra fazê-la... Lo... Parar de surtar, mas acabei dando um tapa digno de novela mexicana, com “PLAFT” e tudo. - Porquê...?- murmurou, me encarando, confusa, enquanto a marca da sua mão ficava marcada no meu rosto. Que bizarro... Falar de mim como se fosse outro enquanto... Ai, minha cabeça...

- Eu sempre quis fazer isso. – menti, tentando despistar e ela semicerrou os olhos. Geralmente quando algo assim acontece em um sonho, a pessoa que deu o tapa ou a que recebeu costuma acordar. E seria um possível nós dois estarmos sonhando com a mesma coisa, ao mesmo tempo. -... Se nenhum de nós dois acordou depois dessa... Significa... – não é um sonho... Isso... É bizarro...

- Que... Não é um sonho. - completou, completamente atônita.

Não pode estar realmente acontecendo... Isso... É loucura... 

Por um longo tempo, ela permaneceu encarando o chão, como se ele fosse obrigado à dar alguma solução ou explicação de como ou porquê de isso acontecer. 

- Isso é bizarro. – murmurei, encarando meu próprio corpo. Não sei quantas vezes já disse que isso é bizarro, mas é porque, real mente é bizarro. Não é legal e nem nada do tipo, como os animes costumam mostrar. É como de ru experimentasse uma experiência extracorpórea, vendo à mim mesmo agir e pensar, sem que eu eu tenha controle algum do meu corpo. 

- V-você... – ele disse, depois de outro longo silêncio, em que nos ocupamos apenas de respirar. – Quem é você?- minha voz parecia muito mais afeminada do que deveria. Isso só pode ser um pesadelo.

- Natsu. E você, Lucy. A garota... – eu ia dizendo quando ela... Ele... Ele abraçou o próprio corpo, se afastando de mim.

- Por acaso é um stalcker? Você quem fez isso?! Porquê fez isso?! Faça a gente voltar depressa!

- O quê? Não, não sou um stalcker. – disse, inconformado e ela me olhou, chocada.

- Você me drogou e me trouxe pra cá?- perguntou, arregalando os olhos. – Por isso não me lembro de nada!

Lembrar... Pensando bem... O que aconteceu ontem? Me lembro de... Acordar e... E o quê? Tudo à partir daí é um enorme vazio. Tentei me forçar à lembrar de algo mais, mas minha cabeça doeu mais e desisti de tentar.

- Não uso drogas muito menos ofereço por aí. – falei. - E não sou nenhum stalker. E acha mesmo que eu seria capaz de fazer algo... Assim?- perguntei, apontando pra nós dois e ela roeu o interior das bochechas, fazenda um biquinho. Minha boca fazendo biquinho. Misericórdia...

- Então... Como sabe meu nome?- perguntou e de repente, uma lembrança me veio à mente. Naquele bar/galpão... Ela falou comigo primeiro... Por termos a mesma “paixão” pela Angel, ela me chamou pra beber mais e... E o quê?

- Estudamos na mesma sala. – resolvi responder quando ela me cutucou na panturrilha. – Desde o início do ano. – Ela fez careta, como se custasse à se lembrar de mim. Não me surpreende ela nem saber quem sou, afinal, está sempre ocupada, guiando seu reinado de terror pela escola que não tem tempo de olhar para nós, meros e desafortunados financeiros.

- Então... Você mexe com... Macumbas ou...?- perguntou após um terceiro longo silêncio e me vi tentado à me deitar e voltar à dormir. Ainda não estou certo de isso ser cem por cento real.

- O quê?- perguntei. - Macumba? Porque eu... Você sempre foi de fazer perguntas estúpidas assim? Como se eu fosse dizer: "Ah, claro! Eu faço sim alguns rituais bastante incomuns na calada da noite e adivinha? Tudo isso não passa de um erro na poção. Vou consertar isso ainda hoje, não se preocupe."- ela bufou.

- Eu só estou tentando tirar alguma conclusão! Caso não tenha reparado, você ficou cinco minutos apertando meus peitos, seu pervertido!- disse, irritada... Do... Como me refiro à uma garota no corpo de um homem? Elela?

- Desculpe por isso. É que parecem reais demais e...

- Pervertido. – senti a facada do desprezo me atingindo as costas. Ótimo. Além de não me conhecer, ela me despreza... – Ai, e agora?!- se levantou e começou à andar de lado à outro, roendo minhas unhas. – O que eu faço?!- deu um saltinho, batendo as mãos nas minhas coxas e me encarando, desolada. – Papai vai me matar! As meninas estão preocupadas... Eu dormi fora... E... E quanto ao meu namorado?!- elela me encarou, mais chocada ainda. Eu mereço...

- Precisamos analisar essa situação com calma... – falei, tentando parecer calmo. É difícil, quando tenho a imagem de Gray e sua irmã na minha mente. Hoje é o dia da mudança. O caminhão já deve estar pegando as coisas. O melhor pra Ultear era sair daquele ovo o mais rápido possível e aquele apartamento que fui olhar com Gajeel era perfeito. Tudo aquilo por duzentos dólares. Basicamente menos da metade do meu salário semanal. Qual bobo iria recusar?

- ANALISAR COM CALMA?!- e surgiu a histérica, quase quebrando vidros de tão fina que minha voz soou. - Seu... Pervertido perseguidor de merda! O que diabos fez comigo noite passada?- se eu disser que seria o bastardo mais feliz do mundo se me lembrasse ao menos de como viemos parar aqui... – Você abusou de mim, não é? Você... Eu vou te processar! Te enfiar atrás das grades, seu...

- Gênia, olha bem quem vai estar em maus lençóis se alguém resolver abrir o bico?- falei, sem nenhuma vontade de continuar com esse drama todo. Se estou no corpo dela, terei de aturar aquele namorado irritante dela, a família ricaça dela e o clube das najas... Não estou nem um pouco afim disso.

- E-então eu digo à todos a verdade!- falou.

- “Ah, papai, dormi com um estranho em um lugar suspeito e acordei no corpo do cara estranho.” – falei, fazendo voz de coitadinha. – Acho que alguém vai ser muito castigada por falar e possivelmente... Transar com um estranho. Mesmo assim, o melhor que você pode fazer nesse momento é sentar aqui e usar esse seu cérebro que sempre tira as melhores notas da escola e me ajudar à pensar em alguma coisa. 

Ela fez bico, antes de hesitar um pouco, sentando na cama e suspirando.

- O que devemos fazer?- perguntou, num tom manhoso.

- Me dá seu telefone. – falei e elela me encarou, confusa, porém se levantou e de pôs à procurá-lo, entre as roupas espelhadas pelo chão. – Enquanto estivermos assim, não atenda o telefone à menos que estejamos juntos e o outro possa falar no seu lugar. Use mensagens. – falei, vendo elela ir de lado à outro, revirando em meio às roupas, até achar o celular dentro de uma bolsa rosa, cheia de purpurina. Veio até mim e o entregou. Anotei meu número e devolvi. – Me ligue caso precise de algo. – me levantei da cama e peguei minha blusa, mas parei de repente. Espera... Ela tem uma pintinha no lado interno da coxa?

- PARA DE ENCARAR MEU CORPO!- disse, tapando meus olhos. – Deita ali que eu pego minhas roupas!- disse, me empurrando na direção da cama. Me enrolei no lençol e deixei que elela fizesse o que queria. Elela até me vestiu, como se eu fosse uma boneca e no fim, até penteou meu cabelo.

- Então... Como fica?- perguntou elela, sentada do meu lado.

- Bem... Talvez amanhã tudo esteja de volta ao normal... Por enquanto, vamos apenas... Agir como o outro.

- Mesmo? E vai dar certo?

- Não sei. – dei de ombros. – Hoje tenho muitos compromissos. Você vai ter de ir pro meu trabalho às duas. Até lá... Ajude Gray na mudança.

- G-Gray?- gaguejou, me encarando, com os olhos arregalados. – Gray... Fullbuster?

- É, e daí?- perguntei e vi meu próprio rosto ficar vermelho. – Ele e a irmã vão precisar de ajuda pra levar as caixas e tudo o mais. Como o apartamento novo já é mobiliado, só vai precisar de arrumar os quartos.

- O-okay. – gaguejou.

- E... Não fique fazendo perguntas pra ele ou ele vai desconfiar. Aquele mané me conhece desde pequeno e sabe que perguntas demais ou ficar cutucado o mesmo assunto não é a minha.

- Certo. – cantarolou. Elela está felizinha demais pro meu gosto.

- E quando chegar no meu trabalho, tente não agir estranho. Hoje seremos só eu e Lis de novo. Quando forem fechar, fique com ela. O irmão dela me dá uma carona e... – notei que elela olhava as próprias mãos, contendo um risinho, com as bochechas rubras. – Ei!- dei um tapa em seu ombro e toda a magia no seu olhar se foi. Já entendi o que está havendo. A Maga Celestial tem uma queda pelo único mané que nunca tentou se aproximar dela. Na verdade, Gray disse que a mais bonita daquele grupo é Erza... Ele nunca a olhou uma segunda vez... - Concentre-se!

- Okay. – elela disse. – Natsu... É o seu nome, não é?- não sei se me sinto irritado ou triste por ela nem saber quem sou. Na verdade, sequer deve lembrar de mim. Não tenho motivos pra gostar dela. Não tenho nenhum mesmo. – Então... Meu pai está voltando de uma viagem hoje. Não seja rude e ria quando ele rir. Ele é um pouco severo e está feliz por eu estar com o mané do Sting, por isso pode pedir qualquer coisa à ele. E com qualquer coisa, eu digo coisas que eu pediria. Não diga besteiras, por favor.

- Tá, tanto faz. – falei. Um idiota. É o que eu sou. Um burro idiota ignorante. – Tente não me fazer perder o emprego. E seja gentil com Lisanna. Não acho que queira ser vista comigo, então eu vou primeiro. – falei, me levantando. – Fique com seu celular e me ligue caso seja necessário. E lembra de não atender ligações.

- Espera... – me chamou, quando eu estava indo em direção à porta. – E... Onde você mora? E como devo ajudar o Gray se... Nem sei onde...

- Me envia uma mensagem de onde mora que eu envio uma de onde eu moro e de onde vou morar. Gray e a irmã devem estar no apartamento novo agora.

- Okay. – murmurou. - Ah... - ia acrescentar algo mais, mas não quis ouvir.

Abri a porta e saí.



Assim que entrei em um taxi, passei o endereço que elela havia me mandado e suspirei. Não aguento ficar no mesmo ambiente que elela. É mais sufocante do que pensei que seria...

Enquanto o taxi seguia, algumas mensagens chegavam no meu celular e antes de respondê-las, tirei aqueles saltos. Quase torci meu pé uma dúzia de vezes ao sair do elevador daquela pocilga de prédio até a calçada. Massageei meus pés e olhei para meu celular. Gajeel me ligava.

Esperei parar de tocar, antes de mandar uma mensagem perguntando o que ele queria.


Mensagens on:


09:47 Montanha: Porque não atende essa porcaria de celular, babaca?

09:47 Você: Não tenho ânimo pra isso. Levei três facadas ao mesmo tempo. Acho que tá na hora de partir pra outra.

09:48 Montanha: Do que está falando?

09:48 Você: Ela gosta do Gray. Não sabe quem sou. Ela é mais megera do que parece.

09:48 Montanha: Do que está falando?

09:49 Você: Nada.

09:49 Montanha: Vem logo que o caminhão acabou de estacionar na frente do prédio. Você nem tem tantas coisas assim.

09:51 Você: Já estou à caminho.

09:51 Montanha: Onde dormiu? Gray disse que te perdeu depois daquela merda de show.

09:53 Você: Que interrogatório. Por acaso virou minha mulher? Se sentiu minha falta, pode deixar que posso dividir meu tempo entre meus mascotes

09:55 Montanha: Espera só pra você ver a chave de braço que te aguarda, mané...


Mensagens off:



O jeito é seguir o hoje na esperança de o amanhã eu já estar no meu corpo. Se Lucy gosta do Gray, não vejo nada de bom saindo desse lance de eu e ele irmos morar juntos. E se Gray abrir a boca pra falar daquele assunto... Ela pode espalhar por aí e aí, acabou pra mim. Vou ser obrigado à me mudar outra vez e pronto. Reiniciar tudo do zero. 

Preciso ser cuidadoso... Principalmente por ser a Lucy agora.


Notas Finais


Eu realmente agradeço pra quem chegou até aqui.
Espero que tenham gostado e deixe um comentário sobre até plantação de feijão, que isso já me dá um ânimo kkk
Até o próximo 😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...