História Troca de Olhares. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gabriel "MrPoladoful", Igor Cavalari (Igão Underground), Matheus MoriMura Jordão, Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Gabriel Tenório Dantas, Igor Cavalari, Matheus MoriMura Jordão, Pedro Afonso Rezende Posso, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Exibições 10
Palavras 1.650
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - O Hospital.


POV Nala


Estava olhando dois passarinhos brigando enquanto todos conversavam quando eu vejo meu celular com uma notificação do YouTube, e digo:

-Nala: Vocês não tem que gravar?

-Gabriel: Nossa caralho!

-Igor: Como a gente esqueceu?

Caneda ia falar mas Ana o interrompeu colocando a mão na sua boca:

-Ana: Você cale sua boca, porque você já não posta vídeo! 

-Mori: Mas todo mundo aqui posta!

-Rafael: Vamos gravar alguma coisa todo mundo junto!

Todas acharam uma ótima idéia,  e estavamos levantando pra ir embora quando chegam duas meninas correndo e se agarram em Gabriel e em Guilherme, fãs com certeza, Igor me dá a mão. Ana parecia ferver de raiva, Alice estava mexendo no celular. Igor puxou meu rosto e me deu um beijo, eu assustei, foi derrepente, ele me abraça, e fala:

-Quer ver uma mágica? 

-Sim!

-Feche os olhos e diga uma cor!

-Hmm... Vermelho escuro!

Ele pede pra esperar e eu espio pelo vão dos dedos escutando as vozes atrás de mim, ele corre até o jardim da praça e procura uma flor, ele arranca uma e me olha voltando correndo, e fala:

-Pode abrir...

Eu abro e vejo uma flor vermelho vinho em suas mãos:

-É linda!!

-Nem todas as flores juntas são mais que você...

Eu pulo em sua pescoço dando um beijo nele.


POV Ana


Fiquei com ciúmes mas sabia que elas não tinham chance nem se ele quisesse. Eu fingi não dar atenção mexendo no celular, mas ouvi tudo:

-Mas é verdade??

Ele não responde, elas olham uma pra outra, e voltam e falar com ele, mas olhando pra nós (o grupo atrás de Guilherme):

-Ela está aqui? 

A outra enterrompe:

-Podemos falar com ela?

Ele fala sorrindo:

-Eu não sei... Eu não sei se ela vai gostar ela é ciumenta....

Ele me chama e elas olham sorrindo empolgadas, e pulando, eu sorrio e me dirijo a ele, mas elas me interrompem:

-É você????

-Claro que sou eu, eu não posso ser outra!

Eles riem, acho que elas entenderam a piada, e ele continua:

-Vocês são as primeiras que sabem que estamos juntos.

-Podemos tirar uma foto? Aí a gente deixa vocês em paz!

-Claro!

Tiramos fotos e voltamos pra casa


POV Talita


Estava ouvindo música e andando em volta da casa pra ver o que tinha, quando escuto Mori me chamar na frente, eu vou com passos lentos, quando o vejo sorrindo pergunto:

-O que foi?

-Onde você tava?

-Andando... O que foi?

-Sabe a Comic Con? Eles chamaram a gente!

-Bem loco... Quer um real?

-Você vai?

-Você vai?

-Vou!

-Então eu também! 

Eu entrei pra dentro e fui na cozinha com Mori me seguindo, e vi Nala pulando tentando pegar os Toddynhos na prateleira:

-Talita: Tá difícil Nala?

-Nala: Haha, que engraçado! 

Ela disse séria.

-Mori: Chama a Ana!

-Nala: Eu sei lá onde ela tá?

-Talita: Eu chamo! ANAAAAAAA

-Nala: se fosse pra gritar eu mesma gritava!

-Talita: Então porque não gritou?

Mori estava pulando tentando pegar os Toddynhos quando Ana apareceu e disse:

-Ana: QUE FOI? Não dá paz nessa casa! 

-Nala: Amiga linda do coração,  te amo!

-Ana: Fez merda ou quer alguma coisa?

-Nala: Pega o Toddynho por favor! 

Ana pegou a caixa e deixou em cima do balcão, e foi embora, Nala pegou quatro Toddynhos e saiu.

Eu fui pro quarto, puxando Mori pela mão, eu fechei a porta e pulei na cama, ele consequentemente veio até mim.

Eu sorri, e ele disse

-Vai ser assim?

-Assim como?

-Sei lá... Tem que ter magia...

-Você quer tranzar comigo ou com o Harry Potter?

Ele riu e me beijou. Nos beijamos muito até que senti uma mão por dentro de minha camiseta, soltando meu sutiã (meninas sabem que é a melhor sensação do mundo) eu estava nervosa, quando ele me solta e tira a camisa, eu pensei "Aí meu Deus é agora, fudeu! literalmente..." 


E simplesmente aconteceu...


POV Samy

Amava aquele lugar, mas eu amava mais ainda matar, e lá não podia, então eu pensei comigo mesma:

-Tenho que sair... Por mais que eu goste daqui... Eu tenho que matar...

As vozes começaram:

-Samy! Você sabe tomar decisões! 

-Claro que sei!

-Nem todos os psicopatas são tão inteligentes...

-Você está falando de mim não de qualquer um...

-Como vai sair?

Eu travei, comecei a pensar, não dava pra fugir, eu era forte, muito forte, mas não o suficiente pra quebrar as barras da grade...


~Dois dias depois...


Estava no banho de sol, e comecei a olhar o céu, até que achei a solução, lembrei que pessoas podem controlar as outras com palavras, e que a moça do "Star wars o despertar da força" fez o stromtrooper de trouxa.

Não sabia se daria certo, mas não custa tentar.

Eu estava na cela, e passou um guarda, eu chamei sua atenção:

-HEY!

Ele parou e me olhou:

-O que é? 

-Me dê sua arma...

-O que? 

-Me dê sua arma...

-Eu não vou dar nada! Louca!

Eu já estava sem paciência, mas continuei:

-Me dê sua arma...

Ele jogou a arma, eu suspirei, sabia que sairia de lá, já estava livre, peguei a glock do chão e continuei dando ordens:

-Agora... Abra a cela...

(isso realmente acontece na vida real, mas não tente, a pessoa fica em transe durante 3hrs - meu irmão já fez isso cmg)

Ele demorou um pouco mas abriu, eu sai, e enquanto andava pelo corredor, vi uma policial passar e me escondi numa sala que parecia do zelador, quando ela passou, dei uma coronhada na nuca dela, e ela caiu. Peguei a roupa dela, e me disfarcei, estava perfeito, não parecia uma prisioneira. 

Eu continuei andando e consegui sair da delegacia, fui correndo pra casa...


POV Nala


Estava olhando para o portão pela janela, quando eu vejo uma policial, pensei "lá vem treta" eu sai e gritei:

-Boa tarde...

-Olá Nala...

-Que??

Era Samy! Aí meu Deus,  ERA SAMY!!!

ela chegou mais perto e disse:

-Sentiu minha falta?

Logo ela desviou de mim, e abriu a porta, com a mão na cintura, pronta pra sacar a arma em seu sinto.


POV Samy


Vi Ana na sala, ela arregalou os olhos:

-Samy!!

-Cadê Alice e Rafa?

-Samy como você saiu?

Eu tampo a boca dela e falo de novo:

-Onde estão eles?

Eu solto sua boca e ela fala:

-Não sei...

Escuto Talita gritar do banheiro:

-SAMY? É VOCÊ? 

Eu respondo:

-Não viada... É só a voz dela...

Eu saio pela casa, era a hora da vingança, precisava matar eles... Quando eu pego uma faca na cozinha, tinha uma arma, mas com faca podia sentir o pescoço da vítima. Ouvi Alice entrar pela porta e fui em sua direção com a faca, ela me olhou assustada, não tinha mais ninguém na cozinha e quando eu ia cravar a faça em sua cabeça, ouço um grito:

-Rafael: NÃO! SAMY! PARA!

Eu o olho:

-Samy: E por que deveria?

-Rafael: Porque você a ama?...

-Samy: Será? Talvez... Eu não tenho motivos pra não te partir em pedacinhos...

Me virei pra ele, e fui andando devagar, falando:

-Samy: Você relou no meu óculos... Já é um bom motivo...

-Alice: Para Samy, não é um motivo! Você é idiota as vezes!

Eu dou uma risada e falo:

-Sua opinião não faz diferença... Na verdade, eu gostava de você Alice, foi a primeira pessoa que já me fez realmente feliz... Quer dizer... a segunda

-Alice: Me desculpa... Eu não sabia que você se machuca fácil...

-Samy: Machucar? Eu? Eu não me machuco... Eu machuco os outros... 

-Rafael: Pode me matar, mas ela não! 

-Samy: Deixa de ser idiota... Os dois vão pra cova... Vão queimar, e vão se lembrar de quem acendeu o fogo... 

Eles se olham, e eu prossigo:

-E então? Quem quer morrer primeiro?

....


Acordo em uma cama, tava na prisão. Bosta!

Estava tremendo de raiva, queria sair e matar aqueles dois desgraçados. Me vingar. Matar pessoas. Não aguento mais!

"Se esforce garota! Viu, psicopatas nem sempre são inteligentes..."

-VOCÊ CALE A BOCA, EU POSSO TE MATAR EM DOIS TEMPOS!

Um guarda me olhou, como se eu fosse louca. E não era?

Não conseguia parar de tremer. O guarda me levou pra ala hospitalar. Quando cheguei, vi uma enfermeira de cabelos curtos e brancos, com olhos azuis e era pálida. Lembrei de Alice na hora. Quando ela se virou pra pegar o medicamento, peguei uma pequena faca e cravei em suas costas e depois em sua cabeça várias vezes.

Quando fui sair, escorreguei em algo, cai no chão com muita força e bati a cabeça. Depois tudo ficou preto. 

-------------------------------


Acordo em um lugar branco, era o hospital. Por que estava aqui? O que aconteceu? Não me lembro de nada!

Uma médica entra e diz:

-Bom, Samara Alves, vi em sua ficha criminal, 59 assassinatos, 10 torturas, 2 assaltos, 1 atentado à uma casa de idosos. Como se sente sendo o demônio em pessoa? 

-Sinceramente? Muito bem!

Começo a dar risada. Mas calma, pelo que eu me lembre, só matei 30 pessoas depois que sai da casa de meus tios. 

-Bom, Sra.Demônio, você perdeu a memória dos últimos 3 anos. Então você praticamente se lembra apenas dos seus 16 anos de idade. Amigos para contatar?

-Ah, claro. Perdi a memória mas me lembro muito bem dos meus amigos, né? Inútil!

Cuspi as palavras em sua cara. Tava com raiva.

A médica saiu.


POV Autora.

Estavam todos deitados na sala. Assistindo coisas inúteis, quando o telefone toca. Rafael atende. Minutos depois desliga e olha todos, assustado.

-G..Galera.... Samy tentou fugir da cadeia... Então ela sofreu um acidente e... perdeu a memória...

Todos arregalaram os olhos e correram para o carro. Quando chegaram no hospital, o médico os levou pro quarto de Samy. Mas....

-SAMYYYYYY!

Talita pula encima da garota, que a empurra com força. 

-Te conheço? Eu acho que não. Então, não venha me abraçar, além de que, EU ODEIO QUE ME TOQUEM!

A garota menor grita, assustando todos. Ela olha para Alice e Rafael e fica com uma expressão brava. Quem não a conhecesse, falaria que é fofo por ser uma garota baixa. Mas não era.

-Tenho a impressão que "meu outro meu" tinha alguma raiva de vocês, porque quero pegar seus lindos pescoços e os quebrar em pedacinhos. 

Esqueci de falar? Samy é bem direta. Apesar de ser ótima atriz, na maioria das vezes não esconde o que sente.

Os dois a olham assustados.

A garota loira mantinha o desprezo no rosto.

-Se apresentem. 

Ordenou. 

-Eu sou Ana.

-Gabriel, ou Polado, como preferir. 

-Nala.

-Guilherme. 

-MoriMura.

-Igor.

-Alice.

-Rafael.

-Talita...

Depois de ouvir todos os nomes, pareceu escolher duas pessoas para serem sua "confidente".

-Vocês dois... Talita e Gabriel. Venham aqui.

Os dois foram até ela. A menor os abraçou, como se precisasse daquilo. O empurrão no começo? Segurança própria.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...