História Troublemaker - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Igneel, Jellal Fernandes, Layla Heartfilia, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Michelle Lobster, Natsu Dragneel, Zeref
Tags Nalu
Exibições 586
Palavras 2.582
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hellooooooooooo amoressssssss ♥♥♥
Como vocês estão?

Voltei rápido, não é?! *O* "Mas você disse que ia voltar ontem a noite ryuu-san"... Sim, eu disse. Acontece que, por alguma razão, eu acreditei piamente durante um mês que dia 26 cairia numa sexta-feira, e eu prometi voltar dia 26 de uma sexta-feira. Mas sexta foi dia 25 ASHUSAUHAUShs' enfim, quando eu percebi minha burrice, eu fiquei indignada, claro... Mas aqui estou, sábado dia 26, comemorando UM ANO DE TROUBLEMAKER, YEEEEEEEEEEEY!!! ♥

Vocês me aguentaram por tanto tempo, como conseguem? :P

Já estamos quase na marca dos 900 favoritos, e isso me deixa imensamente feliz! Vocês nem tem ideia!

Mas enfim, não vou tagarelar mto, só dizer que hoje temos um especial narrado pela Lucy, e de certa forma vai nos fazer viajar para os melhores momentos NaLu durante esse um ano de fanfic! ♥ ~E LEIAM AS NOTAS FINAIS, POR FAVOR, TEM OUTRA SURPRESA PRA VOCÊS!!!!!~

Boa leitura *3*

Capítulo 42 - Especial: Lucy Heartfilia 2


Querido diário...

Eu sei que faz algum tempo que eu não escrevo aqui, (bom, já se passaram oito anos), mas a questão é que, há algumas coisas que eu queria escrever, porque eu sempre ouvi falar que quando colocamos para fora, tudo fica melhor e mais claro.

Pois bem, eu estou aqui pra ver se consigo deixar as coisas mais claras.

Você não sabe, mas me mudei de país faz alguns meses. Não sei ao certo quantos meses agora, mas foram bastante. Me mudei para a casa do meu padrasto, da qual casou recentemente com minha mãe, e ganhei três novos irmãos.

Bom, talvez um deles não seja exatamente só um irmão.

E é sobre ele que falaremos!

Acredito que Natsu estaria se achando a última bolacha do pacote se encontrasse isso aqui e me visse falando dele do modo como vou falar, então vou me certificar de rasgar essas páginas mais tarde e sumir com elas. (Porque o propósito mesmo é só colocar pra fora o que tanto está me perturbando ultimamente).

Pois bem...

Logo quando cheguei no Japão, e estávamos em processo de mudança, Natsu era totalmente contra o casamento, o que me fez querer matá-lo. Não, não só matá-lo, mas fazer picadinho de Natsu e entregar ao meu cachorro, Theodore. (Que inclusive adorou a mudança. Ele se acostumou mais rápido que eu).

Natsu foi muito egoísta e mimado no começo, e eu juro que se não fosse pela minha mãe, não existiria mais Natsu em nossas vidas. Mas isso também implicaria na minha convivência com o Igneel, que apesar de tudo ainda amava muito o filho.

Bom, coisas aconteceram então. O noivado quase foi rompido, e tudo por causa dele. Mas, depois do Natsu dizer qual era o real problema, conversar com Igneel e com mamãe, tudo foi se acertando aos poucos.

Até aí eu ainda não confiava muito que ele deixaria de fato o casamento rolar sem causar algum problema.

E isso tudo sem contar que, pra piorar, ele vivia me provocando com piadinhas maliciosas, que aumentaram minha vontade de lhe arrancar a língua com uma faca cega.

Havia tudo pra que eu odiasse Natsu Dragneel.

Mas, na verdade, eu me apaixonei por ele.

E agora, diário, eu vou deixar aqui alguns acontecimentos e razões pra tal atrocidade acontecer. (E digo atrocidades por motivos de: Natsu Dragneel é meu irmão postiço).

• Primeiro começou com a maldita dança de casamento. Minha mãe resolveu que era uma boa ideia nos fazer dançar juntos, e tivemos alguns ensaios então. Logo no primeiro dia, na qual eu pude constatar que Natsu era ruim em algo (porque até então ele era ótimo em tudo! É difícil admitir, mas é a cruel verdade), enquanto eu tentei ajudá-lo a melhorar com a dança, ele elogiou o meu sorriso E o sorriso da minha mãe, e aquilo com certeza me deixou mais boba do que deveria. E droga, Natsu também tem um sorriso maravilhoso!;

• Como você sabe (ou não), eu tenho medo de tempestades. Naquela mesma semana do primeiro dia da aula de dança, aconteceu uma tempestade terrível que até faltou luz dentro de casa. Eu cheguei a desmaiar, e estávamos sozinhos com minha irmã Michelle. Apesar dela me ajudar o máximo que pôde, quem conseguiu me manter calma foi Natsu, quando se ofereceu para que eu o abraçasse. Não só ele me ajudou a diminuir meus batimentos cardíacos consideravelmente, como também me falou que também tinha medos, e eu não precisava me envergonhar pelos meus. Nunca alguém foi tão gentil comigo antes;

• Logo depois Natsu ficou doente. A primeira vez, e única até agora, e fui visitá-lo no hospital por insistência da minha mãe, que dizia que ele vivia perguntando sobre mim. Eu fui somente pra que ela não ficasse chateada por eu ser a responsável pela nossa falta de afinidade (minha e do Natsu), mas digamos que... Não foi assim tão ruim. Novamente, ele me ouviu, foi paciente e bastante gentil. Toda a imagem que eu tinha dele do começo desastroso daquela mudança estava se dissipando aos poucos. Bem poucos, mas estava. Foi assim a primeira vez que tive vontade de agradá-lo, por ficar uma semana no hospital, e acabei fazendo um bolo após ele pedir (e eu negar);

• Outra coisa que me fez vê-lo com outros olhos, foi na ocasião da visita a catedral, no centro da cidade. Foi quando descobri que ele tinha medo de altura. Sua reação ao chegar no topo, quando estávamos no observatório a céu aberto, foi a coisa mais fofa de todas. Acredito que foi a primeira vez que me senti com vontade de cuidar dele. E bom, foi o que acabei fazendo. Levei-o para baixo novamente, perdendo uma vista espetacular, mas pelo menos Natsu estava bem, e naquele momento foi a única coisa que importou;

• Embora todas essas coisas sejam importantes, e talvez esclarecedoras sobre o modo como comecei a me sentir com ele, o que de fato foi o que o fez ganhar mais pontos comigo, foi quando resolveu proteger minha irmã de um colega de classe. Foi por ele também que descobri sobre isso. Michelle se apaixonou por um garoto mais velho, e não só isso, o mais mulherengo da escola, o pior tipo de garoto. Natsu fez de tudo (e continua fazendo) para colocar na cabeça dela que o Loke não é o único garoto nem melhor opção, e fiquei sabendo por terceiros que fez questão de ameaçar o Loke caso ele chegasse perto de nossa irmã. E digo "nossa" irmã, porque depois de ser assim tão protetor, eu tinha certeza que ele cuidaria tão bem da Michelle como eu cuidei por todos aqueles anos;

• Além disso, a forma como o Natsu sempre deixou claro o quão seus amigos são importantes pra ele, isso sempre mexeu comigo de uma forma significante. Em todo o tempo que morei nos Estados Unidos, minha única amiga foi a Levy, e depois acabei fazendo amizade com o seu namorado brutamontes também, então eu sempre soube o valor de uma amizade, e me esforcei ao máximo pra que nada pudesse abalar o que nós tínhamos (felizmente, sempre foi recíproco). Saber que Natsu pensa e age da mesma forma me deixou admirada. Acho, diário, que você também ficaria bobo se visse a forma como ele cuida de seus amigos;

• Zeref Dragneel, agora meu irmão mais velho, acabou se envolvendo com uma garota dez anos mais nova. Acontece, diário, que ele é o primogênito e herdeiro legal de grande parte do que pertence ao Igneel, então ele sempre precisou ser um filho exemplar e digno. Se Igneel soubesse dessa garota, ninguém pode dizer qual seria sua reação, mas por enquanto estamos tendo que manter em segredo. Bom, Natsu tem sido ótimo com isso. Talvez esse segredo entre eles os ajudou a se aproximar mais, e Mavis, a tal garota, virou quase uma melhor amiga do Natsu também, da qual ele faz questão de cuidar e deixá-la se sentindo de casa. Eu não me canso de dizer o quão ele é ótimo com os amigos!;

• Como você sabe, diário, algumas vezes eu tenho tendência a ser teimosa. Bastante teimosa. Em uma dessas ocasiões, eu acabei sofrendo um acidente, e machuquei feio meu pé. Claro, nada disso teria acontecido se eu tivesse dado ouvidos ao Natsu, em primeiro lugar (mas ele não precisa ficar sabendo disso). Entretanto, mesmo eu lhe ignorando, Natsu foi o primeiro a me socorrer, e cuidou de mim como se eu fosse uma princesa. Me levou ao hospital, junto com Zeref, e não contou à minha mãe o verdadeiro motivo de eu ter me machucado. Além, claro, de eu ter ficado sabendo mais tarde que ele me carregou até o meu quarto enquanto eu estava adormecida, depois de voltarmos da consulta, por conta do remédio que tomei;

• Houve um feriado por aqui, em que eu decidi que iria fazer ele me levar até um zoológico, que tinha uma proposta incrível de poder nadar com alguns animais marinhos. Primeiro que ele já tinha prometido que sairíamos juntos, pra nos conhecermos melhor, e eu só aproveitei a oportunidade. Preciso admitir que Natsu ganhou muitos pontos depois de passar um dia todo me ouvindo falar mais do que o normal, por conta daqueles animais incríveis, e ele foi atencioso o dia inteiro, além de engraçado. O nosso dia terminou depois de ele ter me beijado, e preciso dizer algo sobre isso... Eu não queria que o meu primeiro beijo tivesse acontecido daquela forma. Mas, se não tivesse acontecido, provavelmente eu não teria ficado com vontade de repetir só para sentir os lábios do Natsu de novo;

• Após o acontecimento do zoológico, Natsu sempre foi muito claro sobre seus sentimentos por mim. Começou no último ensaio da dança para o casamento, quando quase nos beijamos de novo. Depois, ele insistiu durante o casamento E durante a festa. E então, foi a ocasião que o segundo beijo rolou. E mesmo que eu estivesse com medo que minha mãe visse, eu não me arrependi. Primeiro pela sinceridade dele, e segundo porque eu estava começando a me tocar que, depois de passar tanto tempo apreciando cada uma das coisas que eu mais gostava dele e citei aqui em cima, meus sentimentos não eram simples sentimentos. Eu estava caidinha pelo Natsu Dragneel;

• Mamãe e Igneel foram para a lua de mel, e com isso ficamos duas semanas inteiras sem eles. Logo no dia após o casamento Natsu teve um jogo importante em outra cidade, e me propôs de sairmos depois pela cidade. Por razões de querer ver até onde ele ia com aquilo, fiz uma proposta louca dele fazer quinze cestas durante o jogo. Ele não só cumpriu, como passou e enquanto se machucou sério durante o jogo. Tudo pra que pudesse sair comigo. Claro, nós saímos, e nossa tarde foi incrível. Nos conhecemos um pouco mais na beira da praia, comemos em uma lanchonete, e pela segunda vez eu enfrentei meu terrível medo de tempestades ao lado dele, que foi sempre muito cuidadoso, carinhoso e encorajador. Desfrutei de seu perfume mais tarde quando dormi com sua blusa e deitada sobre ele, e foi o melhor cochilo que tirei em tempos;

• Você pode não saber, diário, mas eu gosto de beber. E, em algumas oportunidades, eu acabo exagerando. Bom, um dia após essa fugida nossa, passei um dia inteiro com Levy e Gajeel, para me despedir deles, já que vieram para o outro lado do mundo para o casamento de mamãe. Digamos que abusamos um pouco da bebida. Voltei pra casa bem mais doida do que deveria, e aparentemente Natsu quem cuidou de mim. E digo "aparentemente", porque eu nunca me lembro desses momentos vergonhosos no dia seguinte. De qualquer forma, Natsu cuidou de mim, e acabamos dormindo juntos. Não, não passou disso. E eu tenho certeza, porque Natsu chega a ser cavalheiro muitas das vezes, e ele não faria algo depravado enquanto eu estivesse fora de mim. Outra coisa que eu admiro. E, depois de tudo, ainda ganhei um parceiro de baile... Sim, ele mesmo!;

• Na primeira semana que estávamos com nossos pais, eu e Natsu saímos juntos para diversos lugares. Desde uma pequena "invasão" em uma propriedade de um velho conhecido da família, com direito a nadar em fonte termal, admirar as constelações e comer docinhos, até uma simples saída até uma feira noturna no centro da cidade, onde nos divertimos em vários brinquedos e comemos várias tranqueiras. Apesar de seu espírito competitivo, Natsu era sempre muito tranquilo comigo. A não ser que fosse seu jogo preferido, aí não podia falar o mesmo. Mas se havia alguém mais atencioso e carinhoso que Natsu, estava pra nascer ainda;

• Como você deve ter percebido, diário, há um pequeno problema em tudo isso. Eu e Natsu agora somos irmãos postiços. Infelizmente, isso me incomoda a consciência vez ou outra, mas eu prometi que deixaria essa história de lado e tentaria algo com ele. Mas bem, essa promessa só aconteceu por causa de um momento desagradável em uma festa que fomos no fim de semana. Apesar de evitar o Natsu durante uma semana depois disso, ele ainda assim foi paciente, me deu espaço, mas deixou claro que não havia desistido. Coisa essa que só me fez perceber o quão sério ele estava com tudo aquilo, e que eu deveria tomar uma decisão definitiva: Continuar tentando ou desistir de vez. Foi só depois do fim do campeonato, após um amasso (e que belo amasso!) no vestiário, que eu tomei uma decisão. E foi no cinema, no dia seguinte, que lhe falei sobre isso. Sua felicidade após isso foi tão grande, que eu coloquei na cabeça que era só com aquilo que deveria me preocupar, e não com o que as pessoas achavam. Bom, ainda está sendo um pouco complicado deixar a ideia de "irmãos postiços" de lado, mas ele me ajuda bastante a esquecer sobre isso quando está ao meu lado;

• Se já não bastasse Natsu ser totalmente cavalheiro no dia a dia, ele foi um total cavalheiro na minha primeira vez. Não, não vou detalhar sobre isso aqui, diário, porque eu fico constrangida só de pensar, mas o que precisa saber é que fugimos para a praia durante uma madrugada, depois de alguns dias anteriores termos tido uma discussão com minha mãe sobre nós. Eu não sei se disse aqui, mas ela não é muito a favor do nosso relacionamento "carnal". Mas, bem, eu e Natsu decidimos ignorar isso totalmente. Não por egoísmo ou coisa assim, mas porque a gente já tinha enrolado demais durante aquele tempo pra colocar nossa felicidade em segundo plano de novo. Ou eu ficava feliz, ou eu escutava minha mãe, não dava pra fazer ambas as coisas. Hoje ela nem sonha o que nós aprontamos naquela madrugada, mas isso não vem ao caso. Um dia, num futuro distante, quem sabe, ela não acabe descobrindo...;

• E por fim, mas não menos importante, a principal coisa que me fez ficar apaixonada por Natsu! A forma como ele sempre falou de sua mãe. Desde quando ainda estávamos iniciando uma convivência conflituosa até nos dias de hoje, Natsu sempre foi muito aberto sobre seus sentimentos em relação à sua falecida mãe. Todas as histórias, sejam tristes ou engraçadas, sempre saíram de seus lábios enquanto seus olhos brilhavam, e por vezes o vi chorando de saudades, o que sempre me deixava péssima, mas eu segurava as pontas o máximo possível para conseguir consolá-lo. E mesmo diante tudo, Natsu sempre foi incrivelmente brilhante e talentoso, e nunca deixou de sorrir ou ser quem era. Na verdade, suas qualidades apenas foram mais evidenciadas após a morte da Miyuki, e eu posso dizer com toda a certeza que ele a orgulha onde ela está hoje. E não só a ela, mas a toda a nossa família e nossos amigos.

Natsu tem sim seus defeitos, alguns até irritantes. Mas diante tantas e tantas qualidades, elas sequer incomodam de fato. Eu fiquei infeliz quando descobri que viajaria para o outro lado do mundo e perderia contato direto com minha melhor amiga, e mesmo sentindo muita falta dela, acredito que isso foi a melhor coisa que me aconteceu.

Não só por conhecer Natsu, mas por ter a oportunidade de ter feito amigos incríveis, através dele, por ter conhecido uma família maravilhosa na qual fui integrada, e claro, por ter aprendido sobre o amor da maneira mais bonita de todas.


Notas Finais


Espero, de todo o coração, que vocês tenham gostado do capítulo! Eu particularmente achei que ele ficou tão leve e gostoso, e mostra o lado da Lucy sobre tudo isso! ♥

E como eu disse, essa não é a única surpresa! Há um jornalzinho postado contando babados de troublemaker pra você, SIM, VOCÊ MESMO, leitor curioso que gosta de estar por dentro de todas as facetas da história > https://spiritfanfics.com/perfil/biadragneel/jornal/1-ano-de-troublemaker-7138055 <
Eu fiquei planejando esse especial, tanto o capítulo quanto o jornal, e o capítulo de quinta agora já tem duas semanas, e todo esse trabalho com certeza valeu a pena, então espero que vocês gostem do resultado tanto quanto eu!! *O*

Além do mais, minha waifu maravilhosa (@fadatail) fez um headcanon em homenagem ao um aninho da fic, e ficou a coisa mais fofa do universo!!!! Eu recomendo muitoooooo vocês lerem, corre lá > https://spiritfanfics.com/historia/challenge-7137185 <

E por hoje é isso, amores! Eu ainda não sei quando volto pra postar de novo, porque esse final de ano está beeeem cheio, mas eu prometo que vou me esforçar pra aparecer ao menos antes do ano novo :P

Espero saber a opinião de vocês do capítulo, e é isso aí! Até logo meus amores *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...