História Troublemaker (EM REVISÃO) - Capítulo 49


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Iruka Umino, Jiraiya, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Ko Hyuga, Konohamaru, Naruto Uzumaki, Rock Lee, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Toneri Otsutsuki
Tags Criminal, Hentai, Naruhina, Romance, Sasusaku
Visualizações 490
Palavras 3.270
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 49 - Waiting for you


Fanfic / Fanfiction Troublemaker (EM REVISÃO) - Capítulo 49 - Waiting for you

Ele, que estava a 7 metros de Naruto e Hinata, começou a se aproximar.

Espera aí — Kiba franziu o cenho, apontando a arma para ele — O que você está planejando?

Eu estou no comando, não te devo satisfação alguma — rebateu firme. Os dois engataram em uma discussão.

 

 

Mantenha-se longe de Toneri e da bolsa — sussurrou. Naruto não pareceu entender, mas assentiu. Nenhum dos dois tinha tempo para ficar chocado com os fatos agora.

 

O que vocês dois estão cochichando aí? — Konan berrou, caminhando até Hinata. Ela mirou em Naruto — Se afasta — ordenou à ela. Hinata recuou — Se afasta ou eu acabo com ele. — Ela levantou do chão mas não se afastou de cara. Deu dois passos à frente, sorrindo para Konan. Se aproximou dela aos poucos, até estar a centímetros de seu ouvido.

Você está nervosa, huh? — ela pode senti-la tremer — Você é patética, por que não larga essa arma? — Hinata percebeu a clara instabilidade emocional de Konan e decidiu tirar proveito disso — Se fizer algo contra mim, Toneri mata você 

Eu não ligo — riu, posicionando a arma abaixo de sua língua — Vingar Shisui já faz isso valer a pena 

Faz? — riu — Largue essa arma, terá mais chances sem ela — em um movimento rápido, Konan lhe desferiu uma coronhada atrás da orelha, derrubando-a no chão. Naruto cerrou os punhos ao vê-la montar em cima de Hinata, aproveitando esse momento para roubar sua arma sem muita dificuldade. Ele a jogou para longe, atirando 5 vezes contra suas costas, o que atraiu a atenção de Kiba e Toneri novamente.

Largue a arma — Toneri apontou sua arma para ele enquanto Kiba corria até Konan

Gomen, não vai rolar — Hinata tirou uma faca da cintura de Konan que gritava e riu, se afastando rapidamente.

Konan! — gritou, o moreno a abraçou e seus gritos foram diminuindo até um silêncio pairar no ar. Hinata não entendeu se ela havia morrido ou desmaiado, mas deu de ombros. Kiba começou a se aproximar devagar, ficando á poucos metros dela.

Se afasta de mim — grunhiu

Vai fazer o que agora, Naruto? — o albino riu, claramente sem se importar com o que havia acontecido á Konan — Hinata está na minha mira, basta um tiro e fim de história — Kiba tinha a mira direcionada á Naruto enquanto Hinata se mantinha ofensiva, impedindo que Kiba chegasse perto do loiro. Ela o observou por um tempo e um nó se formou em sua garganta.

Porque está fazendo isso, Kiba? — sua voz saiu embargada

Por que eu amo você — falou sério, preocupado com a possibilidade de dar a louca em Toneri e ele atirar contra ela. Hinata achava aquilo um absurdo, ele não a amava de jeito nenhum. Isso não é amor. Ele tirou a faça de suas mãos em um movimento rápido e jogou a lâmina pra longe, puxando a morena para perto e enquanto Toneri mantinha sua mira em Naruto.

Hinata! — gritou, completamente impotente. Um sentimento horrível subiu por sua espinha.

Onegai, não faça isso — pediu. — Toneri, onegai... — ela começou a chorar e se debater, mas os braços dele eram fortes demais. Era impossível sair dali.

Por que se importa tanto? — Kiba franziu o cenho

Eu o amo, onegai, é meu único pedido — sussurrou — eu faço qualquer coisa, impeça-o. Qualquer coisa. Eu juro. — Apesar de que nem Naruto ter conseguido ouvir isso, Toneri pode ler seus lábios e isso o inflamou de ódio. Ela o amava? 

Amor, então. Por mais que ele a torturasse e machucasse, nunca conseguiria forçar esse sentimento. Nunca teria o amor de Hinata desse jeito. Ela estava mesmo disposta a se sacrificar por ele.

Ele se deu conta de que não havia sentido naquilo. Não valia o esforço. Seu ódio foi totalmente redirecionado a ela. Por que Naruto tinha que ganhar tudo?

Ela aproveitou a distração de Toneri e pressionou o botão lateral de seu relógio e um estrondo enorme pode ser ouvido lá fora. A hora havia chegado.

Esse era o sinal.

Nani? — Toneri cambaleou de leve com o tremor — O que você fez, sua imbecil?

Armei umas bombas por aí, nada demais — riu — Nos solte ou nós todos vamos morrer aqui

Você vai morrer aqui — e em um movimento rápido, ele direcionou sua mira até ela, disparando três vezes. Naruto gritou. Não haviam erros. Ela ia morrer na hora se os tiros chegassem á sua cabeça.

Mas eles não chegaram.

Kiba girou seu corpo bruscamente, recebendo todos os tiros em seu lugar. Ele caiu na hora, batendo no chão frio. Apesar do choque, Naruto não vacilou e aproveitou aquilo para se aproximar de Toneri, mantendo sua mira fixa. Hinata abriu a boca completamente extasiada, ajoelhando ao seu lado.

Por que fez isso? — ela não entendia por que, mas começou a chorar. Apesar de tudo, não era como se desejasse que ele morresse.

Está chorando por mim? — sorriu ofegante 

Kiba... seu maldito... — o abraçou, ainda chorando. — Você vai morrer, seu imbecil 

Eu não me arrependo — sorriu — Estou feliz em saber que você é a última pessoa que verei — ele fechou os olhos e respirou fundo, tentando se manter vivo o máximo possível. Seu coração havia sido perfurado, ele podia sentir — Gomennasai, sei que arruinei sua vida, isso é o mínimo que poderia fazer. Espero poder te encontrar no outro mundo, um dia.

Você não deveria falar... — ela grunhiu desesperada. Ele estava morrendo?

Aishiteru, Hinata. — sorriu. Ele passou a mão de leve por seu rosto e sustentou um sorriso por alguns segundos. Sua mão desceu devagar até pousar em seus joelhos.

Ele estava morto.

Ela começou a soluçar desesperadamente quando se deu conta da situação ao seu redor. Toneri e Naruto falavam algo enquanto tinham suas armas apontadas um para o outro, mas era impossível compreender o diálogo agora. O loiro a olhou de soslaio preocupado, mas ela estava aparentemente bem.

Os momentos a seguir ocorreram em questão de segundos, como um flash. O teto que era intercalado em vidraças se quebrou e Konohamaru e Sasuke adentraram por lá em um pulo.

Toneri travou o maxilar e apertou o gatilho. Ele sempre soube que Hinata não estava sozinha, mas isso era irrelevante á seu ver.

Poderia morrer ali, mas iria levar alguém com ele. E ele tinha um alvo certo.

O que ele não sabia, era que Neji havia entrado por trás e estava com a arma apontada em sua nuca. O Hyuuga foi rápido, o executando a queima-roupa.

Mas não rápido o suficiente.

O albino já havia apertado o gatilho, de qualquer maneira e as balas voaram certeiras em direção à Naruto. O loiro tentou desviar, mas foi inevitável. 

Três tiros e Uzumaki Naruto foi nocauteado.

O grito de Hinata ecoou alto pelo galpão. Ela largou as mãos de Kiba e rastejou como uma louca até Naruto.

Seu peito estava completamente banhado em sangue enquanto ele se encontrava muito ofegante.

Naruto! — gritou, trazendo sua cabeça para o colo. Ele não conseguia dizer nada — Fale comigo, onegai — ela acariciou seus cabelos de leve — Onegai... você está bem?

Não sei — ele beijou sua mão e sorriu. Neji correu rapidamente até eles, ficando branco ao fitar Naruto daquela maneira.

Não fale nada — pediu — Vamos sair daqui agora — Ele riu baixinho e tossiu, fechando os olhos — Naruto?

Eu te amo tanto, Hinata — falou, fazendo-a chorar mais ainda. Por que ele acolheu uma hora como aquela pra dizer aquilo? 

Pare de brincar comigo, sei que não está morrendo — falou séria. Ele ergueu os braços devagar até seu rosto, beijando-a com ternura. Tiros podiam ser ouvidos lá fora e dentro do galpão, mas nenhum dos dois parecia se importar. — Você não vai morrer. — ela começou a chorar desesperadamente. — Não me deixe, Naruto. Não, não, não. — Por que parecia que ele estava se despedindo? Ele estava... morrendo?

Você me salvou, Hinata — sorriu — Viva por mim — Ele fechou os olhos e largou sua mão devagar.

Não me deixe, onegai! — soluçou aos berros, debruçando em seu corpo desesperadamente.

O grito de Hinata podia ser ouvido e sentido em todos os lugares da Terra. Seu coração se dilacerou em milhões de pedaços enquanto ela pode sentir o chão sob seus pés se esvair. Todos os momentos que havia passado com ele cruzaram sua mente e ela só sabia se perguntar "por que?".

E então ali, Hinata conheceu a maior dor que havia provado até hoje.

Ela havia perdido o amor de sua vida.

 

 

•••

 

 

Nas primeiras 4 horas, ela simplesmente não conseguiu se manter parada. Andou de um lado para o outro, sem descanso. Quando bateu 1h da manhã, Hinata resolveu sentar.

Graças aos esforços de Neji e depois de saírem daquele lugar debaixo de fogo e todo tipo de tiro, conseguiram trazer Naruto ao hospital inconsciente, mas ainda com vida. Não havia tempo para se importar com mídia ou fofocas. O estado dele era gravíssimo.

Imouto, venha comigo comer algo — pediu, acariciando seus cabelos

Eu não quero não, arigatou — ela segurou o choro. Era óbvio que não queria comer, a única coisa que queria no mundo era Naruto.

Uma equipe inteira fora mobilizada para operá-lo. Já eram 4h da manhã e nenhuma notícia. Ela levou as mãos até o rosto e começou a chorar.

Poderia ser o fim.

Seu pressentimento era o pior possível. A angústia e a falta de notícias a dilaceravam mais ainda. Sakura a abraçou em uma tentativa de confortá-la, mas aquilo só a deixava pior ainda.

Para Hinata, quem deveria estar quase morta era ela. Na fuga, havia sido perfurada no braço, mas Neji mesmo deu um jeito naquilo. Naruto tinha um filho pequeno que só tinha ele no mundo para cuidar, ele não podia morrer.

Ela só queria vê-lo. Só queria seu beijo, seu calor, seu amor. E se ele morresse? Como iria fazer para viver? Ela não existia sem ele. 

A pressão dela caiu. Hinata não se lembrava da última vez que havia comido e também são se importava.

Amor, chame um enfermeiro — Tenten pediu para Neji ao perceber que a Hyuuga estava desmaiando. Sakura a ajudou a se levantar, mas seus joelhos foram direto em direção ao chão. O mais velho a pegou no colo enquanto Sasuke se aproximava com um copo d'água.

Beba, Hinata. Não adianta nada ficar sofrendo assim — o Uchiha lhe ajudou a beber a água — O dobe é forte, você sabe que não é qualquer coisa que pode derrubar ele.

Eu não aguento mais... — falou em meio aos soluços — já são quase cinco horas e nenhuma notícia, não é possível... — Neji a ajudou a sentar novamente no sofá. Um tempo depois Tsunade, a madrinha de Naruto, adentrou a sala de espera. Enquanto todos erguiam o olhar para ela, Hinata já se encontrava de pé, á sua frente. — Senhora Tsunade, como está Naruto? — a loira estava visivelmente abalada. Por mais que fosse profissional, ela havia visto Naruto nascer. Aquilo tudo era duro demais.

Eu não participei da cirurgia por que não é minha especialidade, demo, o Dr. Mitsuki pediu para que eu desse a notícia a vocês — ela limpou a garganta 

Notícia? Que notícia? — Hinata levou a mão até a boca, desesperada — tudo correu bem, não foi? — ela apoiou as mãos trêmulas em seus ombros 

Hai, demo as primeiras 72h são cruciais para recuperação dele. Ele ainda corre muitos riscos. — ela tirou o óculos, exausta

Ele corre muitos riscos? — Hinata olhou pra cima, tentando conter o choro

Hai. — suspirou — Ele está em coma, querida. Eu não vou mentir, Hinata — suspirou — O pulmão dele foi perfurado e o pâncreas também, a cirurgia demorou por que alguns órgãos precisaram ser parcialmente reconstruídos.

Ela não pode vê-lo, ao menos? — Neji interferiu

Não, de jeito nenhum — negou — Você não pode, querida, gomen — ela acariciou seus cabelos de leve — Ele está na UTI respirando com ajuda de aparelhos, precisamos dar tempo ao tempo.

Com ajuda de aparelhos? — as pernas dela fraquejaram e Hinata foi ao chão. Aquilo era o suficiente. Alguém que ela não conseguiu distinguir a segurou enquanto sua visão escurecia cada vez mais. Chamavam por ela, mas Hinata não se importava.

Talvez em seus sonhos ela conseguiria vê-lo, quem sabe?

 


4 DIAS DEPOIS

A vida de Hinata havia se resumido a um enorme vazio. Ela não comia, não bebia. Os pesadelos? Eram ainda piores, isso é, quando ela conseguia realmente dormir. O hospital havia se tornado sua nova segunda casa.

Itachi havia aberto um inquérito de faixada para investigar a "tentativa de sequestro de Uzumaki Naruto". 

Que piada.

A senhora deseja algo? — Hinata perguntou.

Não, querida — o sotaque americano sobressaía sobre sua fala — Arigatou. — A ruiva forçou um sorriso, completamente desolada. Seus olhos estavam inchados pelo choro recente. Um longo silêncio se estendeu, até que ela resolveu perguntar o que tanto martelava em sua mente — Você saía com meu filho? — Hinata assentiu com a cabeça. Bom, eles não saíam exatamente, mas era um bom termo. Ela sorriu. — Oh, que bom. Naruto é tão terrível, nunca pensei que ficaria com uma moça direita, que não quisesse só dar pra ele, dattebane — A morena corou, envergonhada pela falta de filtros de Kushina, lhe devolvendo um sorriso tímido.

Naruto continuava em coma. Os sedativos estavam sendo diminuídos aos poucos, mas ele precisava acordar por conta própria. Tudo dependia dele e de como o organismo dele iria reagir. Kushina havia vindo diretamente dos Estados Unidos quando soube do ocorrido. Minato veio no mesmo dia.

Apesar do Sr. Namikaze ter exigido discrição por parte do hospital, a notícia de que Uzumaki Naruto estava em coma havia se espalhado de forma viral. Estava na internet, nos jornais.

Os telefones não paravam de tocar por um mísero segundo.

Um loiro alto adentrou a sala de espera. Por um minuto, Hinata sorriu encantada, imaginando que fosse Naruto. Depois de olhar novamente, percebeu que era Minato. Ele falava rapidamente ao telefone, até pousar os olhos em sua ex-esposa.

Udon, falo com você depois — o celular escorregou de sua bochecha devagar enquanto ele analisava a mulher á sua frente. Os longos cabelos ruivos continuavam os mesmos e ela parecia tão bela quanto estava na noite em que o deixou. Seu físico continuava o mesmo: magrinha, a pele alva como leite, os olhos azuis que mais se assemelhavam a um vasto oceano. Ela o olhou de cima abaixo, pois não haviam se encontrado ainda. — Kushina...

É — riu sem humor — Que bela maneira de nos reencontramos. — Ele sentou ao seu lado. Ela mordeu o lábio em uma tentativa de segurar o choro preso em sua garganta, mas foi em vão. Minato a amparou, envolvendo seu corpo com os braços.

Aquilo deixava Hinata mil vezes pior.

Ela levantou e foi até Neji, farta daquilo.

Niisan — sacudiu seu ombro, acordando-o

Hai, aconteceu algo? — ele ajeitou a postura

Qual o número do quarto que Naruto está na UTI? — sussurrou

Você sabe que não vai conseguir entrar lá — falou sério

Tenho que tentar — mordeu o lábio — você pode me ajudar? — Neji analisou aquilo por um tempo. Hinata estava sofrendo tanto, se lhe ajudar fizesse com que sua cara melhorasse por alguns instantes, era óbvio que ajudaria.

Hai — suspirou — O que tem em mente?

Eu tenho um plano, vem — ela o puxou pela mão, indo para fora dali.

Tudo que ela precisava era ver seu rosto. Se conseguisse vê-lo por 15 segundos que fossem, já valeria o esforço.

 

 

•••

 

 

Será que isso vai dar certo? — sussurrou

Tem que dar —  prendeu a máscara á sua boca e ajeitou a prancheta contra seu colo — Estou parecendo uma enfermeira?

Hai, tinha que estar, esse jaleco foi caro pra cacete — limpou a garganta, ajeitando o estetoscópio no pescoço dela. 

Beleza. Vai dar certo, tenho certeza. — ela prendeu os cabelos em um coque alto e olhou pela fresta da porta do almoxarifado. Os dois saíram rapidamente dali e andaram calmamente até o elevador. Entraram e apertaram o botão do 4° andar

Quarto 17, Hinata — sussurrou — Seja rápida e tente não ser expulsa. Vou te esperar lá fora — ela assentiu. Saíram do elevador e rapidamente Hinata adentrou na ala de grandes e largas portas. Havia um segurança gordinho e bigodudo devorando uma caixa de donuts, ele a fitou por alguns segundos e a Hyuuga quase vacilou pensando que havia sido descoberta. 

Konnichiwa doutora — sorriu gentilmente, fazendo-a suspirar aliviada. Ela acenou para ele e seguiu seu caminho. A medida que ia passando pelos quartos, sentia seu coração acelerar cada vez mais. Naruto estava tão perto.

Quarto 14, quarto 15, quarto 16...

E quando finalmente rompeu a porta do quarto 17, foi impossível segurar o choro.

O loiro estava pálido, magro, sedado e entubado. O monitor cardíaco que estava conectado ao seu corpo por fios grudados em seu peito e no indicador esquerdo computava que seus batimentos eram fracos, mas estáveis.

Naruto-kun — correu até a cama e segurou sua mão com força. Estava tão fria e sem vida, o que a fez entrar em desespero. Só ali, Hinata compreendeu que se não fossem por aquelas máquinas, Naruto estaria morto. Ela começou a chorar no pé da cama e ficou assim por um bom tempo, até finalmente tomar coragem para se aproximar. Levou os dedos até seu rosto, tocando-o devagar —  Olha no que você se meteu... — soluçou — Me pergunto com o que você tanto sonha aí, estou com tanta saudade, quando vai acordar? Eiko pergunta de você toda hora... A dona Kushina é tão doce e gentil, você tem os olhos dela, sabia? — lágrimas grossas desciam pelo seu rosto, pingando sobre a manta que o cobria —  Porra, que saudade eu tô de você... — grunhiu, em meio às lágrimas — Eu me disfarcei toda só pra te ver, sabia? — ela riu sem humor — Eu não posso te perder — ela, que estava completamente trêmula, depositou um beijo em sua mão — O que vou fazer da vida sem você? — soluçou — Pra conseguir viver e aguentar essa merda, eu preciso de você. Muito. Quero que saiba que você é insubstituível e que eu te amo também. Eu juro, eu faço qualquer coisa se você ficar comigo. O que você quiser. Nós podemos ser amigos, namorar, casar, tanto faz pra mim. Eu adoro crianças, se você ficar, eu te dou quantos filhos você quiser, se você quiser. Se não quiser, eu não ligo também. Eu só preciso de você aqui —  ela desabou na beirada da cama, chorando como uma criança. Repentinamente, os batimentos dele pareceram aumentar, pois a máquina começou a emitir um "bip" mais frequente. Hinata levantou a cabeça e secou os olhos de maneira grosseira — Você está sentindo isso, trouxa? Consegue me sentir aqui? — Ela levou sua mão até a boca, beijando seus dedos de leve. — Eu tô aqui, amor. E eu sei que você tá aí. Eu sou sua, lembra? Eternamente sua. Então, eu só te peço isso... não me obrigue a viver uma vida sem você. Sem você eu não tenho motivos pra viver, o-onegai... se você for embora da minha vida de novo, eu não vou aguentar — A porta foi aberta e ela subitamente soube que havia sido descoberta

Senhora, essa área é restrita. Preciso que venha comigo agora — O enfermeiro alto falou em um tom sério, cruzando os braços. Ela o ignorou, voltando sua atenção á Naruto

Acorde pra mim, Naruto. Já chega de UTI, vamos pra casa — falou rápido. Quando seus lábios iam encostar na mão dele por uma última vez, ela foi puxada, sendo imobilizada pelo enfermeiro — Não, só me deixe ficar mais um pouco, onegai — pediu. Sua mão soltou a dele, que caiu fria na cama — Onegai, eu imploro — Ela se debatia. Os batimentos dele aumentavam consideravelmente enquanto ela era arrastada para fora da UTI. Hinata queria ficar ali, queria cuidar dele. Kami, quanta saudade sentia... — Naruto... — o chamou pela última vez antes da porta se fechar. — eu estou te esperando, Naruto-kun.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...