História Troublemakers - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Teen Wolf, Tyler Posey
Personagens Dylan O'Brien, Tyler Posey
Tags Comedia, Dylan O'brien, Escolar, Romance
Exibições 82
Palavras 1.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A SEGUNDA TEMPORADA ACABA DE COMEÇAR!!
Estou de volta!! nem demorei, afe haha

Sabe, a saudade foi tanta que para a alegria de ôceis trouxe um Ep novooo!! Tipo eu escrevi faz pouco tempo e espero realmente que todos gostem, sério, to morrendo de medo...
Então comentem para eu saber se estão gostando e tals, espero que vocês sobrevivam a esse primeiro ep kkk


(A musica é do Calum Scott♥)
Boa leitura, vejo vocês nas notas finais..

Capítulo 27 - Season 2 Ep1 - Dancing On My Own


Fanfic / Fanfiction Troublemakers - Capítulo 27 - Season 2 Ep1 - Dancing On My Own

1 ano e meio depois...

Meu celular tocou e eu não sabia nem onde ele se encontrava então resolvi ignorar o toque, deveria ser somente o banco me cobrando mais uma vez pelo empréstimo mamãe havia feito meses atrás para pagar minha fiança, longa história.

Enfiei a cara no travesseiro na esperança de não ouvir o toque mas parecia que eles não desistiam, minha paciência estava se esgotando quando finalmente me levantei cheia de ódio, então nesse exato momento o celular parou de tocar. Revirei os olhos e voltei a dormir.

Horas depois...

Meu celular novamente volta a tocar, tento ignora-lo novamente mas a pessoa parece não desistir. Levanto transtornada e quando finalmente acho com o celular não consigo atende-lo de outra forma.

- O que é?! – digo irritada.

- Me -meg? – ouço aquela voz e então meu coração paralisa e eu prendo o ar, Lucy. – Alo?

- Número errado, adeus. – digo rápido mas antes deu desligar ela grita.

- Megan me ouve! Seus pais morreram!

(Narrador On)

As horas se passavam lentamente, Meg só conseguia pensar em que já havia demorado muito tempo para reconstruir sua vida quando perdeu Lucy e Dylan e agora que tinha conseguido se estabilizar perdeu mais duas pessoas importantíssimas. Ela tinha medo de não conseguir se recompor novamente, doía muito, algo tão insuportável que chegava a ser pior que qualquer dor que tinha sentido na vida, apenas uma coisa era pior que toda essa dor, a culpa.

As imagens de Jhon e Camille voltavam e voltavam a sua mente toda hora, e ela lutava para substitui-las com lembranças boas de bons momentos. Mas a culpa preenchia seu peito de tal maneira que chegava a ser insuportável. Se soubesse que tudo isso iria acontecer não teria sido uma garota tão idiota nos últimos meses.

Todo aquele processo para superar Lucy e depois Dylan tinha transformado Megan numa garota um tanto insuportável, ia a baladas, usava drogas, pichava muros, bebia como louca, ficava com vários, na verdade tudo que fazia durante a noite era um mistério, já que nunca lembrava de nada no dia seguinte. Ou acordava em casa, ou no gramado de casas estranhas, ou na casa de seus novos “amigos”.

Todos devem estar se perguntando “Meg e Dylan já acabou?”, “Como assim já acabou?”, “Ele não foi buscar ela?”, “Ela não foi atrás dele?”, “Eles não se amavam tanto?”...

Pois é meus caros leitores, a vida tem dessas. Até mesmo os melhores e fortes amores podem morrer se pegarmos num ponto fraco chamado distância, uma coisa é ser separados por uma cidade ou duas, outra totalmente diferente é você ter um oceano inteiro te separando da pessoa. É algo muito complicado mas muitas vezes Megan precisava de Dylan e em vice e versa, e nenhum dos dois podiam simplesmente correr para o outro lado do mundo somente para ficar com o seu amor.

Eles conversavam por Skype, mas não era o bastante, precisavam do toque, daquele beijo, aquele abraço apertado e até daquelas brigas nas quais ela iria pra cima dele para o encher de tapas e ele daria risada da falta de força da garota, então a derrubaria e a beijaria até não lembrarem mais o motivo da briga. Sabe, muitos julgam os amores que acabam rápido, “Mas vocês conseguiriam ficar tanto tempo longe dos seus amores?”

Eles tentaram e durou cerca de um ano, tanto Meg quanto Dylan, escondiam a dor de não estarem perto um do outro, Meg sorria na frente da câmera do celular e Dylan fazia piadas do novo visual da garota, “Odeio garotas com cabelos curtos” dizia, “Vá namorar outra então!” Megan rebatia já com raiva, mas os dois sabiam que não tinha como irem atrás de novas pessoas, já tinham suas almas ligadas, até que um certo dia a discussão foi séria.

FlashBackOn

- Estou oferecendo uma vida nova totalmente paga aqui junto de mim e você me nega desse jeito Megan? – falou irritado.

- Entenda! Não é assim que funciona Dylan, não vou deixar minha mãe!

- Ela tem o Jhon agora! – passou a mão nos cabelos. – Sabe o que eu estou achando? Que talvez você esteja com outro e não me queira mais.

- Você é idiota? Não to crendo que disse isso Dylan O’brien.

- É o que está parecendo Meg!

- Quer saber, você não está aqui para ver o que acontece, minha mãe pode não dizer mas ela precisa de mim e eu não vou deixa-la!

- Ah! Então se um dia nós quisermos nos casar ou coisa parecida você não vai me rejeitar por causa da sua mamãezinha? – disse e eu fiquei em silêncio. – Quer saber, acho que já sei a resposta.

- Dylan eu..

- Não Megan, você é egoísta. Quero ficar com alguém que queira um futuro comigo. Eu estive aqui por um ano esperando por você, lutando para viver com você e parece que você não quer a mesma coisa então melhor acabar com isso antes que nós dois nos machucamos ainda mais.

- Como assim Dylan..? – falei com a voz tremula.

- Acabou Meg. – disse firme, parecia que ele não sentia nada. – Tenho que ir, boa noite, tenha uma boa vida ao lado da sua mãe. – disse e desligou.

FlashBackOff

Meg havia acabado de chegar do enterro de seus pais, estava um dia ensolarado mas ela via tudo totalmente escuro e nublado, nada mais para ela tinha vida. A graça, as cores, o frescor da vida haviam ido embora com seus pais, parecia que nunca mais conseguiria sentir alegria, era como se fosse algo que ela nunca mais fosse capaz de alcançar.

Levou suas mãos até sua cabeça e ficou em silêncio por um segundo a procura de qualquer barulho que fosse naquela casa, mas nada, não havia nada. Então gritou, era como um desabafo, ela precisava daquilo. Ela gritou por minutos incontáveis, seus gritos continham desespero, medo e tristeza. Sua garganta já ardia e sua voz estava rouca quando finalmente se deitou no chão da sala e chorou em silêncio. Logo a ultima lembrança que tinha da sua mãe com vida veio a sua mente então sentiu um amargo na boca.

FlashBackOn

- Megan estamos indo jantar fora, tem certeza que não quer vir? – Mamãe disse entrando no quarto com Jhon.

- Não. – me virei para o outro lado da cama.

- Vamos Meg, vai ser legal. – Jhon se agachou ao lado da cama.

- Não to afim de ser a vela de vocês! – falei rispida. – Vão embora, não to afim! Que saco!

- Ta... – mamãe disse meio preocupada e então beijou minha cabeça. – voltamos logo. Te amamos.

- Aham. – falei por fim, Jhon acariciou meus cabelos e então eles saíram.

FlashBackOff

- Desculpe mamãe... Me desculpe Jhon... Por favor...

Meg dizia sozinha, ela sentia que não tinha dado o devido valor que seus pais mereciam. Jhon tinha se tornado um pai para a garota e ela nunca havia lhe agradecido devidamente, nunca o havia chamado de pai, apesar de achar que ele sabia, ela sentia que deveria ter dito pelo menos uma vez.

- Droga, Droga, DROGA! – gritava enquanto batia seu punho fechado no chão várias vezes.

Aquilo estava corroendo Meg, ela precisava de alguém mas sabia que ninguém viria. Agora sim, estava totalmente sozinha.

No dia seguinte ainda estava jogada no chão na esperança de conseguir alguma força para sair dali, com a mesma roupa preta, com o mesmo cabelo desgrenhado. Seu rosto estava inchado de choro mas de certa forma se sentia bem mais leve, sentia seu corpo tremer de fraqueza, não comia a dois dias, hoje faria três. Mas a garota não se importava com sua saúde naquele momento, deveria mesmo ficar doente, ela merecia.

Lentamente tentou se levantar e quando conseguiu sentiu uma tontura pairar sobre seu corpo, estava gelada e dolorida. Agora seu corpo tremia com mais intensidade e sua cabeça doía demais, ouviu o som da campainha e cambaleando foi até a porta.

(Narrador Off)

- Daniel? – falei baixo me segurando na porta para não cair.

- Meg... Vim assim que soube.. – o interrompi.

- D- Dan.. Eu vou.. – senti tudo ficar escuro e então meu corpo amolecer e ser segurado por Daniel.


Notas Finais


E ai? O que acharam? Comentem e me digam! ♥
Vejo vocês logo menos!

Gente eu não postei mais ep na "I hate u I love u" pq estava totalmente focada nessa nessa fic aqui ♥ E tbm pq estou totalmente sem ideia para aquela fic ;(


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...