História True Love - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Maze Runner
Personagens Ava Paige, Mark, Newt, Personagens Originais, Sonya, Thomas, Trina
Exibições 20
Palavras 1.093
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Heeey seus lindos, como vocês estão?

Queria agradecer a todos que favoritaram e que comentam, muito obrigada por tudo <3 vocês fazem tudo isso valer a pena haha

Boa leitura e nos vemos nas notas finais ;)

Capítulo 4 - Novo integrante da família


- Oie, eu sou o Newt. - O garoto se apresentou. 

- Oi, eu sou o Thomas. - Por algum motivo eu estava nervoso e não conseguia estabelecer um diálogo decente, cadê o Thomas que é super seguro de si quando eu preciso dele? 

- O prazer é todo meu, mas agora eu tenho que levar essa menina levada de volta para a sala de quimioterapia, até mais Thomas.

- Newt espera, Tom você podia passar o seu número pro Newt? - Disse a Sonya com toda a sua inocência de criança.

- Sonya! - O rosto do garoto adquiriu um tom de vermelho que eu nunca tinha visto até aquele momento.

- A Newt, você sempre faz isso, fica com vergonha de pedir o número do garoto e depois eu tenho que ficar ouvindo você lamentando por ser tão tímido.

- Me desculpe por isso Thomas, agora vamos voltar pra sala Sonya porque a mamãe está nos esperando.

- Espera, empresta o seu celular pra eu te passar o meu número.

E naquele momento Newt paralisou, eu achei a coisa mais fofa quando suas bochechas ficaram mais vermelhas, se é que isso era possível. 

Sonya percebeu que seu irmão não teria reação alguma, então a pequena pegou o celular no bolso do irmão e me entregou o aparelho para eu registrar o meu número.

Assim que eu terminei de registrar o número, devolvi o aparelho ao seu devido lugar e ainda tive a audácia de sussurrar um " até mais loirinho" no ouvido do garoto. O que trouxe um sorriso divertido aos meus lábios ao perceber os pêlos de seu braço todos arrepiados.

 

*

 

Fazia uma semana desde que havia visto o Newt, desde aquele dia  passamos a conversar todos, absolutamente todos os dias, desde a hora em que a gente acordava até a hora em que um dos dois caia no sono.

É incrível como nunca faltava assunto entre a gente, por mais que nos conhecêssemos a pouco tempo, parecia que éramos amigos de infância. Falávamos dos mais diversos assuntos, inclusive descobri que Newt estava tirando a habilitação e que ele estava muito nervoso para o teste final.

- Newt, agora eu tenho que dormir loirinho, amanhã eu vou fazer um exame para saber o quanto do meu corpo já é feito de câncer.

- Tommy, não brinca com isso. - Disse o garoto no outro lado da linha, imaginei a cena perfeitamente na minha mente, Newt deitado em seu quarto, com os olhinhos apertados devido ao sono, mas se negando a dormir e perder um momento de coversa comigo, e agora ele estava bravo devido a minha piada.

- Hey, não precisa ficar bravo, você não vai se livrar de mim tão cedo, vou ficar muitos anos na Terra ainda, e não vai ser essa doença idiota que vai me tirar de você.

Eu disse isso apenas para acalmar ele, mas no fundo do coração eu queria que aquilo fosse verdade, eu queria acreditar nisso, não.... eu tinha que acreditar. Eu não queria morrer sem fazer algo incrível na minha vida, eu não queria partir sem ter vivido uma grande aventura.

Eu dizia para todos que estava bem, mas a ideia de estar morrendo me deixava apavorado, eu sorria como se nada estivesse acontecendo, como se não estivesse acontecendo uma guerra dentro do meu coração, como se não houvesse um emaranhado de pensamentos em minha mente.

- Tommy, você está me escutando? 

- Me desculpa pequeno, viajei na maionese agora, sobre o que você falava?

- Quem ainda fala "viajei na maionese"? Enfim... só estava desejando boa sorte durante o exame e dizendo para ter bons sonhos. - Newt bocejou do outro lado da linha. 

- Obrigada Newt, tenha bons sonhos também. - Me despedi e desliguei o telefone.

 

*

 

- Thomas, você tem que ficar quietinho para que o exame seja preciso. - Thomas conseguia ouvir a voz do médico, mas não conseguia entender uma palavra, naquele momento era Newt que dominava a sua mente, aqueles olhos castanhos e penetrantes que o deixavam cada vez mais intrigado.

- Thomas, é sério, você tem que ficar parado. - A voz tinha um tom ameno, entretanto exalava autoridade.

- Ele está impossível essa semana doutor, tudo isso por causa de um garoto que ele conheceu semana passada aqui n hospital.

- Mãe, você andou mexendo nas minhas coisas?

- Claro que não, durante a sua quimioterapia, uma garotinha adorável me contou que pediu o se número para dar ao irmão dela. - Respondeu Trina, dando de ombros.

Antes que Thomas pudesse responder, ele foi interrompido.

- O médico irá chegar vocês para falar sobre o resultado Thomas.

Quando se tem câncer, os pacientes desenvolvem várias técnicas e códigos para saber se o resultado é bom ou ruim, e um deles é que se o resultado é bom, a enfermeira que fez o exame, irá dizer na hora " está tudo certo com o fulano", entretanto se o resultado for ruim, ela irá te mandar para a sala do médico.

Aparentemente o câncer já reivindicou para si 60% do meu corpo, o remédio experimental que eu tomava parou de fazer efeito, e naquele dia ficou decidido que não tinham mais o que fazer, apenas continuar com a quimio. Minha mãe chorou o caminho todo até o carro, ter um filho morrendo era horrível.

Já no carro, minha mãe tentava iniciar um diálogo comigo.

- Filho, eu e seu pai decidimos atender a um pedido antigo seu.

- Mãe, a Angelina Jolie não vai casar comigo só porque eu estou morrendo de câncer. - Tentei dizer algo engraçado para que ela desse risada.

- Não era bem nisso que eu estava pensando, estava pensando em deixar você adotar um cachorro

- Sério mãe. Vamos adotar agora? - Sempre quis ter um cachorro, e não poderia ser em um momento melhor.

 

*

 

- Eu quero esse. - Depois de duas horas e de querer levar todos os animaizinhos de la, Thomas tinha tomado ms decisão.

- Esse aqui já foi devolvido cinco vezes. - Disse a voluntária com um tom de pena na voz.

- Então eu vou levar ele e dar um lar amoroso, o que acha amigão, quer ir para casa comigo?

Enquanto Thomas ficou brincando com o novo amigo, seus pais cuidaram de toda  parte burocrática, inclusive comprar tudo o que era necessário para abrigar o novo membro da família.

Na volta para casa Thomas apresentou o novo lar ao amigo, e ambos caíram no sono, depois de um logo dia.

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3 deu trabalho digitar tudo isso pelo celular hahaha

Comentem pra eu saber se estão gostando e pra eu saber a opinião de vocês

Nos vemos no próximo capítulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...