História Trust - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Alfredo Flores, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette
Visualizações 24
Palavras 2.916
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E aqui mais um capítulo!!

Peço desculpas pela demora, mas estou em fase de exames e é mais sempre mais complicado!!!

Esta semana ainda vou publicar mais um!!!

Capítulo 35 - Dad


Fanfic / Fanfiction Trust - Capítulo 35 - Dad

EUA, Califórnia ,Los Angeles, 1 World Way, LAX, Los Angeles International Airport, 3 de Junho 2016, 17h10

 

Justin Bieber P.O.V.

 

Desci do meu Mercedes S600 Maybeach preto e ajeitei a minha sweat no corpo, já com os óculos escuros nos olhos e passei o olhar vagamente pelos fãs que estavam por ali. Nunca hei de perceber como é que eles conseguem encontrar-me.

 

No carro atrás do meu, um Kia Optima 2016 branco, saiu a Zoey com o típico sorriso no rosto. Ela ajeitou o cabelo com a mão direita enquanto a mão esquerda carregava a sua mala preta da Michael Kors (*84). O segurança que a acompanhava fechou a porta por onde ela tinha acabado de sair e rapidamente se pôs a seu lado como forma de proteção aos exageros dos fãs e dos fotógrafos.

 

Entrei diretamente no aeroporto sem falar com ninguém, para evitar as perguntas desnecessárias sobre mim e a Zoey. Fui cercado por flashes e inúmeras vozes que chamavam pelo meu nome. Dirigi-me até um café para comprar algo para mim e para a Zoey comermos. Tirei os óculos ao entrar no pequeno estabelecimento e pedi um bolo com creme pra mim e um folhado de fiambre, queijo e alface para a Zoey. Paguei tudo e voltei a sair do café em direção à área de embarque que ainda não tinha sinal da minha namorada.

 

Minutos se passaram e eu estava sentado num dos bancos do aeroporto a mexer distraidamente no telemóvel, quando oiço uma euforia que vinha da direção da porta principal do aeroporto. Os meus seguranças aproximaram-se de mim e eu esperei para ver os flashes dos paparazzi que perseguiam a Zoey a cada passo que ela dava. Assim que vi os seus cabelos a balançar pelos seus ombros e o seu típico sorriso nos lábios enquanto ela falava com algumas pessoas, provavelmente os seus fãs, levantei-me do banco e aproximei-me calmamente.

 

Eu tinha que ter uma conversa com ela sobre o tempo que ela passa com aquelas pragas.

 

Acompanhei os seus passos até às escadas rolantes que davam passagem para as pistas de aterragem e entreguei-lhe o seu bolo.

 

    Zoey- Obrigada babe. -*ela abriu o pacote onde estava o bolo e deu-lhe um dentada*-

 

    Eu- Como não sei do que gostas, trouxe esse a pensar na tua linha e essas tretas todas que preocupam as mulheres. -*revirei os olhos ao pensar em todas as mariquices que enchiam a cabeça da maior parte das mulheres.*-

 

    Zoey- Está ótimo babe, obrigada. -*ela deu-me um beijo na bochecha*-

 

Acompanhei-a até entrarmos no meu jato e logo quando ela estava lá dentro, dei-lhe um beijo e um último abraço, pois logo tive que sair dali para deixá-la descolar. Caminhei pelo aeroporto em direção ao meu carro sempre cercado por paparazzis e fãs.

 

    -Então é verdade Justin? Tu e a Zoey estão juntos?

 

    -Não achas estranho, ela ter aparecido logo agora que tu estás com tanto sucesso?

 

    -Se calhar é mais uma a aproveitar-se da tua fama de merda! Vê lá se não te lixas outra vez !

 

    -Justin amas a Zoey? -*olhei para a rapariga que me tinha feito esta pergunta e sorri levemente entrando no carro seguido pelo segurança que me acompanhava*-

 

No caminho para casa esta foi a pergunta que a minha mente repetia para o meu coração.

 

Será que eu realmente a amo?

 

Portugal, Lisboa, Cascais, N6 , Torres da Vergonha, Zoey Father’s House, 4 Junho 2016, 01H29

 

Zoey Petterson P.O.V.

 

Desembarquei na minha terra natal já a sentir o comum frio da madrugada, característica desta terra. Tinha o casaco na mão, mas achei por bem vesti-lo. Uma das coisas boas do meu país, é que os fotógrafos e os fãs não nos perseguem 24 horas por dia e tenho algum descanso.

 

Perto da porta do aeroporto eu tinha dois seguranças apenas por precaução. Eles estavam vestidos com fatos de treino ao seu gosto e assim que me aproximei sorriram e abriram-me a porta. Agradeci e seguimos pelo aeroporto sendo acompanhados pelos olhares atentos dos outros passageiros que se encontravam ali.

 

Fui parada algumas vezes quando alguém me reconhecia e eu parava para dar autógrafos e tirar fotografias. Segui até ao meu Kia Sportage 2016 branco e esperei que os meus seguranças entrassem nos seus carros para me seguirem até casa do meu pai, onde iria ficar até embarcar para o Canadá onde iríamos dar continuidade à tour.

 

Assim que cheguei às Torres da Vergonha, em Cascais junto à estrada Nacional 6, estacionei o carro na vaga do parque de estacionamento que me era destinada pelo prédio e desliguei o carro para subir para o apartamento. Tirei as chaves de dentro da mala e subi no elevador até ao apartamento que pertencia ao meu pai e à Elsa, sua namorada.

 

Abri a porta e sorri ao sentir o cheiro familiar do perfume do homem que me tinha dado vida. Pousei as minhas malas na entrada e acendi as luzes deparando-me com a sala de estar perfeitamente arrumada. Pela hora deviam estar todos a dormir, mas não me importei muito com isso pois já era muito tarde.

 

Peguei em tudo o que era meu e fui para o quarto que era destinado para mim. Não era nada comparado com o quarto da minha casa em Cascais, mas era bem aconchegante. Tomei um duche rápido e vesti o meu pijama que não passava de um top vermelho fino e uns calções largos pretos, e deitei-me na cama para dormir.

 

EUA, Califórnia , Pasadena, 1001 Rose Bowl Dr, Rose Bowl Stadium, 4 de Junho 2016, 17h10

 

Justin Bieber P.O.V.

 

Entramos no estádio sendo seguidos pelos inúmeros seguranças que garantiam a nossa segurança. Ignorei grande parte dos comentários que se faziam à minha volta e continuei a minha conversa com o Brendon e o Lewis enquanto o Neymar continuava a falar ao telemóvel. Sentamo-nos nos nossos devidos lugares e já estavam os jogadores em campo e eu pude notar uma grande ansiedade por parte do Neymar. Ajeitei o capuz na minha cabeça e bati palmas assim que o apito inicial se ouviu pelo estádio, eu estava a torcer pelo Brasil.

 

O jogo foi-se passando entre várias conversas e muitas emoções devido à bola que rolava a 30 metros abaixo de nós, devido às bancadas mais altas onde nos encontrávamos. No intervalo já o Brasil estava a ganhar 1-0.

 

    Lewis- E como é que tens estado com a Zoey? -*perguntou inclinando-se do seu lugar para olhar pra mim. Sorri ao lembrar-me da ultima vez que tínhamos estado juntos*-

 

    Eu- Estamos bem...ela quis ir ver a família antes de voltar para a tour, por isso levei-a ontem ao aeroporto. Está em Portugal…-*digo dando um gole na minha cerveja*-

 

    Brendon- Eu ainda não acredito que tu finalmente estás com alguém depois da Selena..-*disse ele distraidamente a mexer no telemóvel e eu apenas sorri e dei mais gole na minha cerveja*-

 

    Lewis- O que importa é que estás feliz, certo? -*perguntou o meu amigo pondo uma das suas mãos no meu ombro *-

 

    Eu- Sim, muito! -*murmuro sorrindo e olhando para o campo à nossa frente pensando em tudo o que tem acontecido nos últimos tempos entre mim e ela.*-

 

Tudo tem acontecido tão depressa que ainda nem tivemos tempo para absorver o que se está a passar. O sentimento que temos um pelo outro, a forma como nos aproximámos...está tudo tão intenso.

 

    Brendon- Como é que vocês se conheceram mesmo? -*perguntou confuso e reparei que tanto o Neymar como o Lewis se interessaram na pergunta*-

 

    Eu- Foi o ano passado nos HALO Awards, estávamos sentados na mesma mesa. E depois a partir daí fomos nos encontrando por aí…-*encolhi os ombros*-

 

    Neymar- E estão juntos há quanto tempo? -*comeu uma batata e olhou pra mim*-

 

    Eu- Oficialmente, estamos juntos à poucos dias.

 

    Neymar- E achas que ela pode ser tal? -*olhei para ele assustado, mas pensei bem antes de responder alguma coisa*-

 

    Eu- Sinceramente eu não sei. Acho que ainda é muito cedo para pensar nisso. Não quero cometer o erro de apressar as coisas para depois dar treta.-*disse sincero*-

 

Focamo-nos apenas no jogo que acontecia um pouco abaixo de nós, mas a minha cabeça não me deixava prestar verdadeiramente atenção por manter presente a pergunta que o Neymar me tinha feito.

 

Será ela a tal?

 

 

Portugal, Lisboa, Cascais, N6 , Torres da Vergonha, Zoey Father’s House, 5 Junho 2016, 11H45

 

Zoey Petterson P.O.V.

 

Mal acordei, olhei pela janela que estava meia aberta vendo que o tempo estava quente e comecei a pensar no que iria usar hoje. Levantei-me da cama e cambaleei até à casa de banho ligando a torneira do box para poder tomar um duche rápido e foi o que fiz. Assim que tinha a minha higiene matinal tratada, sai da casa de banho enrolada numa toalha branca e preparei alguma coisa para vestir (*85) fiz uma maquilhagem básica no rosto e desci as escadarias do apartamento do meu pai com as saudades a apertarem-me o peito.

 

Assim que cheguei perto da cozinha ouvi as vozes do meu pai e da Elsa, sua namorada. Sorri e segui rapidamente para lá. Assim que a Elsa deu pela minha presença deixou o que estava a fazer para me vir abraçar enquanto o meu pai ficava simplesmente parado a observar-nos com um sorriso babado no rosto.

 

Assim que a Elsa me largou, eu agarrei-me ao meu pai para matar todas as saudades que ambos sentíamos. Ele pegou na minha mão e fez-me dar uma voltinha.

 

Pai- A minha menina crescida…-*disse com um brilho lindo nos olhos e eu sorri um pouco envergonhada escondendo o meu rosto no seu pescoço*-

 

Eu- É, a tua menina está a crescer paizinho…-*disse entre pequenas gargalhadas sendo acompanhada pela Elsa que estava junto ao fogão a preparar algo*-

 

Pai- O teu carro já está pronto..-*comentou ele pegando no telemóvel e eu olhei para ele de imediato*-

 

Eu- Carro? Pai, eu não pedi carro nenhum…-*ele olhou-me e sorriu*-

 

Pai- Eu sei, mas como costumas andar sempre de carro, eu já o preparei para não te preocupares.

 

Eu- Ah obrigada pai. -*fui até ele e abracei-o fortemente*-

 

Vi que a Elsa tinha ligado a televisão e dei um gole no meu sumo de laranja natural olhando o grande ecrã à nossa frente. Comecei a comer a minha torrada com manteiga quando recebi uma mensagem da Inês, uma das minhas melhores amigas.

 

    Inês: “Já chegaste?”

 

    Eu: “Estou bem, obrigada. E tu? Sim, já cheguei, estou em casa do meu pai.”

 

    Inês: “Por mim podias morrer.”

 

    Eu: “Pra que? Tu vinhas atrás! :p”

 

    Inês: “Nunca se sabe, meu amor. Ahahahahaha xD. Quero estar contigo. Não te vejo há imenso tempo :( “

 

    Eu: “Claro, porque a última vez que nos vimos foi há 10 anos, não é? Mas pronto, como sou boa pessoa, vou aí buscar-te. Está pronta por volta das 15h. “

 

Fui tirada dos meus pensamentos e da minha conversa com Inês com o berro do meu pai. Olhei para ele assustada e ele estava a olhar para mim vermelho de raiva.

 

    Pai- O QUE É ISTO? -*ele apontou para a televisão e eu observei a imagem que passava. Imagens minhas no aeroporto em Los Angeles. Ontem. Com o Justin. Mais propriamente a fotografia do beijo que ele deu.-*

 

Fiquem sem palavras a olhar para o meu pai. Eu sentia que o meu telemóvel continuava vibrar em cima da mesa, mas resolvi ignorá-lo completamente. Voltei a olhar para a televisão que passava as notícias onde dizia que “supostamente Zoey Petterson e Justin estão a namorar “.

 

    Elsa: Não estou a perceber qual é o problema…-*murmurou a olhar para o meu pai que ainda me encarava completamente vermelho de raiva. Desviei o olhar para a Elsa e apenas encolhi os ombros não entendendo o problema do meu pai.*-

 

    Eu: Eu também não estou a perceber qual é o problema…-*dei um gole no meu sumo de laranja sem desviar o olhar dele por um segundo que seja*-

 

    Pai: QUAL É O PROBLEMA? -*fechei os olhos pelo grito que ele deu e vi a Elsa fazer o mesmo*-

 

    Elsa: Nuno, não precisas de estar a gritar pelo amor de Deus…-*ela voltou a fazer as suas coisas ao fogão e eu continuei a comer ainda um pouco assustada pelo modo como o meu pai estava a agir*-

 

    Nuno: Posso saber que merda é esta? -*ele apontou mais uma vez para a televisão que ainda passava notícias referentes a mim com o Justin em diferentes sítios e eu apenas fiz uma cara confusa ainda não percebendo aonde ele queria chegar com tudo aquilo*- É VERDADE? -*ele fechou os olhos e respirou fundo*- Vocês estão juntos?

 

    Eu: Ahm...estamos mas a comunicação social ainda não sabe de nada. Por enquanto as coisas estão entre nós os dois.

 

    Pai: Nota-se Zoey! -*ele apontou para a televisão com raiva*- Eu não acredito nisto !! -*ele deu um murro na mesa e eu dei um salto na cadeira pelo susto, assim como a Elsa desligou o fogão assustada e veio para ao pé de nós.*-

 

    Elsa: Mas qual é o teu problema Nuno Alexandre? -*perguntou mostrando curiosidade*-

 

    Pai: Eu não te quero com aquele...aquele rapaz. Ele não é homem para ti.-*franzi as sobrancelhas confusa com a reação dele*-

 

    Eu: Mas para quê isso tudo pai? Tu nem o conheces…

 

    Pai: E achas que quero conhecê-lo? Depois de tudo o que ele fez? Ele esteve preso Zoey! Preso! Com quantas raparigas diferentes já o viste? Quantas merdas é que aquele miúdo já fez, ao ponto de ser preso? Drogas? É nisso que te queres meter agora? -*fiz a minha melhor cara de indignação e ri nervosamente*-

 

    Eu: Primeiro, ele já não usa drogas, o máximo que ele faz é fumar um cigarro. Segundo, mesmo que ele ainda usasse drogas, não é por ele as usar que eu tinha que as usar também. E terceiro estás a julgá-lo por coisas pelas quais ele já pagou? Quando foste tu que disseste que a sociedade que faz isso, é injusta? Tu estás a ouvir-te? Estás a ir contra tudo aquilo que sempre me ensinaste! -*estava a começar a ficar farta desta conversa. Antes mesmo de eu entrar no mundo da música e ter o sucesso que tenho hoje, o meu pai odiava o Justin sem razão justa*-

 

    Nuno: Ninguém muda do dia para a noite Zoey. Ele pode já não fazer nada disso, AGORA. Mas acredita que ele vai voltar a fazê-lo. E vai magoar-te e depois eu vou estar aqui para te dizer “eu avisei-te”. Ouve o que te digo filha, pessoas como ele nunca mudam.

 

    Eu: Pessoas como ele nunca mudam? E tu sabes como é que ele é por acaso? Não! Porque tu não o conheces e estás a julgá-lo por erros que a maioria dos adolescentes cometem e se calhar tu também cometes-te. Mas não vejo ninguém a fazer estes dramas quando são esses tais adolescentes. O que é? Só porque o Justin tem meio mundo atrás dele, não tem o direito de errar? Ele tem que ser perfeito para as câmeras é isso? Pois dou-te a novidade do século. Ele não é perfeito e nunca será.

 

    Nuno: Tu não sabes o que dizes…

 

    Eu: Não, tu é que não sabes o que dizes. Estás a ir contra tudo o que sempre me ensinaste e sem um motivo aparente. Não gostas dele? Tudo bem, ninguém te obriga a gostar. Mas eu exijo que o respeites, porque como já sabes, eu e ele estamos juntos. E se tiveres qualquer problema com isso, vai ser um problema teu. Não esperes que eu me afaste dele só porque tu queres.

 

    Pai: Problema meu? Ele não é bom rapaz para ti. Ele só te está a usar para subir mais um bocado na carreira. Enquanto estiveres no auge da tua carreira, enquanto estiveres nas bocas do mundo, ele vai estar a teu lado para tirar partido de tudo isso. Mas ele vai sempre voltar a fazer as porcarias que ele já fez no passado. As pessoas não mudam, podem camuflar-se, mas não mudam Zoey. E ele vai magoar-te como magoou a outra rapariga e nessa altura eu vou estar aqui para te dizer “eu avisei-te”.-*disse ele completamente sério*-

 

    Eu: Já disseste isso pai, mas não te preocupes. Eu sei cuidar de mim e se ele me magoar eu ei de me resolver com ele. Mas como o bom pai que tu sempre foste, eu não esperava que me dissesses algo assim. -*tirei o guardanapo do colo e peguei no telemóvel saindo dali e indo para o meu quarto*-

 

Estava a sentir uma raiva descomunal do meu pai como nunca tinha sentido na vida. Ele não tinha o direito de julgar ninguém, quando ele é o primeiro a dizer que quando era adolescente fazia imensa porcaria. Ele sempre foi o primeiro a dizer que não julgava ninguém sem conhecer a pessoa. Ele estava a revelar-se um grande hipócrita.

 

Tentei aproveitar o tempo que me restava antes de ir ter com a Inês, para fazer alguma coisa que se aproveita-se como compôr.

 

Peguei num caderno e sentei-me em frente ao pequeno órgão que tinha no quarto abrindo a tampa do mesmo e ligando os meus auriculares. Toquei as primeiras notas e mal encontrei uma boa melodia, registei-a no meu caderno.

 

As horas foram passando e as 15h aproximavam-se quando abandonei o apartamento do meu pai e entrei no meu Kia Sportage 2016 branco em direção à terra da minha infância. Mem-Martins, Sintra.


Notas Finais


84-http://www.polyvore.com/cgi/set?id=186105155 -84- (Zoey outfit in LAX, 4 Junho 2016)- “Dad”- capítulo 35

85- http://www.polyvore.com/cgi/set?id=181057963 -31-(Zoey outfit in Lisbon, 5 Junho 2016) -” Dad”-capítulo 35


O que acharam da reação do pai da Zoey ao namoro do nosso casal favorito?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...