História Trusting Him - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Visualizações 45
Palavras 3.117
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá minhas lindas capivaras siderais
Turu baum?
Curtam aí, é nóis.

Capítulo 4 - Melhores amigos?


Fanfic / Fanfiction Trusting Him - Capítulo 4 - Melhores amigos?

P.O.V SHAWN

Estacionamos no carro no estacionamento do restaurante, Jordan saiu do carro mexendo nos fios rebeldes que ficavam soltos ao invés de presos, eu percebi que ela estava um pouco nervosa. Saio logo atrás dela e ela esfrega as mãos no jeans.

— Você tá nervosa porque? — ela lança seu olhar para mim como se desligasse dos pensamentos.

— Eu? Não estou nervosa. — ela agora torce os dedos.

— Amo o macarrão daqui. — Aaliyah para ao lado de Jordan que ao ouvir a palavra macarrão logo se vira para minha irmã.

— Aqui tem massa? — Karen trava o carro com a chave e me olha.

— Tem sim, fiquei sabendo que é boa. — ela vai andando pela frente enquanto eu e os irmãos vamos logo atrás.

Ela ultrapassa toda as pessoas presentes na fila na maior naturalidade, e vejo Shawn puxar o capuz de seu moletom e colocar um óculos escuro.

— Você continua fofinha com esse óculos. — tento ficar vesga e olhar para a armação mas não consigo.

— Deixam meus olhos extremamente grandes. — empurra com o mindinho o óculos até a ponta do nariz. — Vou andar assim a partir de agora.

Eu ri e minha mãe para na frente de um segurança que segurava uma corda para não deixar ninguém entrar, ele a olha e a mesma solta um sorriso pequeno se aproximando do grandão vestido de terno preto.

— Franklin, como vai? — ela dá um beijo em sua bochecha e ele olha para nós.

— Ótimo — mantinha o rosto para baixo e as mãos no bolso — Estão na lista de reserva?

— Sim, está marcado no meu nome. — o grandão, Franklin assobia e uma mulher vem em sua direção segurando um caderno encapado com o logo do restaurante.

— Karen Mendes? — a voz da mulher era rouca, como se estivesse doente.

— Sim, eu mesma. — ela pigarreia e abre caminho e eu passo primeiro pois vi que alguns que esperavam atrás de mim já estavam cochichando e apontando.

— Sua mesa está logo ao lado esquerdo, do lado do grande aquário. — Ela nos acompanha até o meio do caminho até chegar uma outra garota, um pouco mais nova que a da lista. — Essa é Quinn Ellsworth, ela vai lhes servir, mostrar o caminho e atendê-los gentilmente.

P.O.V JORDAN

A garota, Quinn, sorri para nós, seus cabelos rosa bebê me chamam a atenção e suas tatuagens pelo braço também. Ela nos guia sem pressa até uma mesa para quatro e coloca o menu sobre cada prato, sentamos e esperamos a mesma parar para explicar.

— Como vocês podem ter ouvido, eu sou Quinn e sou nova nesse ramo de garçonete ou sei lá no nome que eles dão nesses restaurantes caros. — percebo que ela tem um piercing no nariz e seus cabelos curtos estavam bagunçados e desfiados. — Vou deixá-los aqui para escolherem e quando decidirem acenem para mim, estarei logo atrás do balcão.

Ela sai sem nos deixar falar absolutamente nada. Olho para o lado onde Shawn apenas retira o óculos e puxa as mangas longas até o cotovelo, ele pega o menu junto da família, como se fossem sincronizados, então eu faço o mesmo e folheio a primeira folha e fico horrorizada.

Uma simples carne na panela ao molho madeira e batatas assadas, eram ao todo, 98,90 dólares.

Me recuso.

Não vou comer.

É caríssimo, meu Deus, não precisam nem assaltar um banco para ter tanto dinheiro assim. Olho em volta e vejo que o restaurante está cheio.

Isso é um roubo.

Aaliyah percebe meu olhar incrédulo e ri coçando a testa, ela põe a mão sobre a bochecha e a apoia olhando para seu irmão, depois para mim, o mesmo me olha e depois lê o que eu estou tentando digerir ser uma comida não uma jóia comestível dentro de um prato simples.

— Que cara é essa? — após Shawn pergunta e a mãe deles me estranha. — Você não gostou de nada? Podemos...

— Nada, nada. É só que eu vou deixar vocês pobres. — fecho o menu e o coloco sobre a mesa, Karen revira os olhos e volta a olhar o cardápio.

— Resolve aí Shawn, eu estou fora dessa negação. — ela abana as mãos e Aaliyah se vê perdida olhando os peixes dos aquários.

— Qual é? — ele abre de novo meu menu. — Escolhe algo, não vai ser minha mãe a pagar, e sim eu.

— Tá' aí mais um motivo para eu realmente não sentir fome.

— Seus móveis vão chegar e você tá enrolando. — Ele acena para a garçonete Quinn, que estranhamente vem suspirando. — Eu peço para você então.

— Decidiram? — Quinn olha pra Aaliyah que observava as tatuagens da moça.

— Sim, eu vou querer aspargos frescos e um rocambole de carne com recheio de queijo. — Ela da mais uma olhada e eu tento me pronunciar mas as mãos de Shawn voam até minha boca. — Um suco de morango também.

Aaliyah faz seu pedido e quando termina, Quinn se vira para Shawn, de primeira ela apenas o olha indo anotar seu pedido mas então abaixa as sombrancelhas e o encara de cabeça virada.

— Você não é aquele tio lá do Treat you better? O malhado e sarado. — Solto uma gargalhada junto da de Aaliyah e a mão do mesmo suprime mais contra meus lábios.

— Sim, sou eu. — ele sorriu e esperou a mesma parar de olha-lo.

— É Sean Mark né? — ela tenta pronunciar mas sai completamente errado.

— Shawn Mendes. — ele a corrige e vejo que o mesmo está ruborizado, rio mais ainda e Karen tenta entender a situação.

— Ata. — ela balança a cabeça olhando para nós. — Então o que vai querer senhor seja-la-qual-for-seu-real-sobrenome?

— Dois espaguetes ao molho francês com queijo, e duas limonadas suíças. — mordisco sua palma e ele solta um “ au ” reprimido.

— Olha moça, eu não... — dessa vez, a mão de Aaliyah se estende na direção da minha e Shawn ri.

— É só isso, obrigado. — a garçonete vai embora deixando a mesa o mais rápido possível com seu bloquinho e os cardápios.

— Quanto que era um espaguete? — Pergunto enquanto a menor fazia um joinha para o irmão. — Custou um rim né? Agora vou ter que não só lavar os pratos e talheres mas doar uns órgãos para dar dinheiro a eles.

— Para de drama menina, é presente meu e de Aaliyah. — a irmã o olha como se dissesse com os olhos “ o que eu tenho a ver com essa trama aí? ”

— Ah é? — A mesa arqueia as sombrancelhas.

— É, porque ela está sendo legal conosco. Me deu um quadro e agora vai começar a te dar aulas particulares. — Ela balança a cabeça balbuciando um “ ata, verdade ” — Só que no caso, eu que vou pagar.

— Isso sim que é irmão. — ela manda uma piscadinha e sorri.

— Ta bom, claro que eu vou deixar vocês pagarem um almoço para mim, isso deveria ser ao contrário. — cruzo os braços.

— Não vamos mais discutir sobre esse assunto, agora já era. — diz Karen pegar o celular.— Vamos tirar uma foto?

— Vamos! — Aaliyah sai de sua cadeira e corre até atrás de mim, onde a mesma põe as mãos sobre minha cabeça e apoia o queixo, Shawn apenas se aproxima e eu sinto seu perfume de baunilha me viciar. — Sorria!

Tiramos três fotos, uma com uma pose diferente. Caretas, sorrisos e uma natural, todo mundo falando e até que saiu bem divertido e legal.

— Ah gente, contei muita coisa sobre mim, agora se não for muito indiscreta da minha parte, gostaria de saber mais de vocês... — Ajusto os talheres na mesa. —... Claro, se não for invadir sua privacidade de querer manter o passado e as memórias guardadas.

— Não, imagina. — Karen estende sua mão e pega na minha a apertando. — Nós fomos muito chatos em relação a isso, você se abriu, contou muito sobre você e nós mal falamos sobre os Mendes.

— Pode perguntar o que quiser. — Shawn falou me olhando e sorrindo fofo e eu desvio o olhar para Aaliyah tentando esquecer o que ela havia me dito na escada a poucos minutos atrás, antes de chegarmos para o almoço.

— O que vocês gostam de fazer? — pergunto para todos e minhas mãos ainda estão dadas com a de Karen.

— Trabalhar. — ela solta um riso. — É estranho? Sim. Mas eu não consigo ficar parada muito tempo.

— Nunca pensei que ouviria isso de alguém. — Aaliyah faz menção com o dedo perto da cabeça de que a mãe é doidinha e eu ponho a mão na boca para não rir.

— Eu gosto de dançar nas horas mais inesperadas. — a menor imita um cowboy laçando um touro na mesa e todos gargalhamos.

— Eu toco quando estou estressado ou para matar o tempo. — ele morde o lábio e eu percebo que estou apertando a toalha da mesa.

Socorro.

Não.

Não.

Me recuso.

Faz poucas horas que nos conhecemos e eu já cai nos encantos de seu perfume de baunilha.

É coisa da minha cabeça, apenas.

— Eles faziam muita arte quando crianças? — Pergunto olhando para Karen que rolou os olhos divertida.

— Imagina! Eles nem desenhavam nas paredes do cômodo da casa e ou pintavam nossas roupas com tinta... — ela olhou para cima e balançou a cabeça. — Nunca fizeram isso.

— Não creio. — ponho a mão na testa e troco olhares entre os dois. — Nem eu hoje que pinto até minha cara fazia isso quando criança.

— Mãe! Fica nos expondo. — Aaliyah põe o guardanapo de pano na cabeça e sua fala sai abafada. — Isso é vergonhoso!

— Eles também jogavam moedas dentro do vazo pois achava que dentro do esgoto tinha uma “ colônia ” de ratos, que no caso para eles era um rato rei que governava ratinhos e eles necessitavam de dinheiro para se sustentar no meio do lixo e cheiro ruim. — ela ri junto de mim e ambos os irmãos estavam com a mesma cara de emburrados.

— Olha isso! A mesma cara, são iguais. — aponto para o rosto deles e os mesmos continuam fitando a mãe.

— Só falta ela mostrar as nossas fotos quando criança. — Shawn massageia as pálpebras.

— Eu tenho em casa. Mais tarde passa para ver! — a mãe diz se divertindo com a reação dos filhos logo em seguida.

— Não! — Aaliyah comenta enterrando o rosto coberto entre as mãos. — É vergonhoso demais, ela corre risco de sentir vergonha alheia.

— Para com isso os dois, vocês eram uma gracinha! — A mãe estende os braços e aperta a bochecha de ambos, Shawn me olha e dá um sorrisinho forçado.

— Prometo fechar os olhos se tiver alguma foto sua sentado no vaso sanitário. — sussurro perto de seu ouvido.

— Mãe eu tenho foto no pinico? — Pergunta Shawn mas ele é interrompido por dois garçons e Quinn.

— Trouxe o almoço. — ela anuncia e os garçons colocam os pratos na frente de cada um.

Quando eu observo colocarem o meu espaguete, sinto meu estômago gritar. O cheiro penetrante da massa sobe em vapor até meu nariz me fazendo revirar os olhos esfomeada, eles também põe o suco e tento desviar a atenção para os peixes para não atacar o prato antes da hora. Shawn inclina para frente e sente o gosto do molho com a ponta da língua, havia dois pacotinhos de queijo ralado ao lado de cada prato. Eles começam a comer e eu tenho ao máximo manter a classe e não devorar e nem arrotar no meio deles.

Provo a primeira garfada e encosto o talher no prato e nego com a cabeça, todos ali presentes na mesa me olham curiosa e eu espero a comida passar pela minha garganta para responder as perguntas estampadas em suas feições.

— Isso não é espaguete. — encaro a massa com molho. — Isso é comida vinda do céu, tipo Maná.

— O que é Maná? — pergunta Aaliyah.

— Na Bíblia sagrada diz que Deus fez chover um pão feito de mel do céu no deserto, então eles deram o nome de Maná e tals. — respondo a sua pergunta e todos me encaram. — Que foi? Sempre fui boa em história.

— Estamos vendo. — ele aponta para minha comida com a cabeça. — Agora come, ou eu vou dar aviãozinho.

— Oi? Aviãozin... — ele pega na minha bochecha e a aperta fazendo com que abrisse Aaliyah pega meu garfo, enrola a massa e leva até minha boca fazendo um barulho de “ aaaaaaaa ”

Eles fecham minha boca e Karen começa a rir da situação e eu começo a ficar vermelha pela vergonha que eu passei, muita gente já estava olhando para nossa mesa como se fôssemos as pessoas mais indiscretas para se comer em um restaurante chique.

— Ih... Esta vermelhinha. — viro para ele e por provocação da minha parte levo meu garfo a seu prato e como sua comida.

Ele me olha incrédulo com a boca um pouco aberta eentão pega meu suco, que no caso eu não havia nem tomado um gole, dois goles, três goles de minha limonada suíça. Puxo meu suco de volta até meu lado e faço um não com o dedo.

— Mas... Você comeu minha comida. — e eu fiz uma cara de que nada tinha acontecido. — Isso é roubo!

— Não, é pegar emprestado e depois te pagar. — ele entendeu que depois eu iria pagar um almoço para ele pois ele fez o mesmo por mim.

— Você já me deu aquele quadro. — ele para de focar na comida e Aaliyah finge não prestar a atenção junto de sua mãe.

— Então vamos continuar a retribuir favores até não poder mais fazer nada. — solto um sorriso involuntário e me volto para a massa o deixando sem fala.

•••

Três meses depois.

Meu dia continua corrido depois que eu fui contratada como estagiária onde Shawn grava e passa a maior parte do dia compondo, então eu vejo muito ele. Durante esses meses, viramos melhores amigos, sempre nos encontramos e mesmo que não tenhamos assunto nenhum, sempre damos um jeito de brincar ou fazer algo.

Sempre vou as sete e meia da manhã para o trabalho com ele pois quando o mesmo está na cidade, Aaliyah pede para que ele a leve para a escola. Os dois são muito próximos, o que é bom.

A buzina do carro me faz acordar dos meus pensamentos e eu corro até a porta, antes, pegando a bolsa amarela e a jaqueta jeans. Eu sempre quero me sentir confortável então eu ponho um macacão. Saio de casa e tranco as portas às pressas, atravesso o jardim olhando para meu all star de botinha, também amarelo.

— Desculpa a demora, perdi o tempo. — digo entrando no carro e então pondo o cinto. — Bom dia. — solto em um suspiro.

— Já era de se esperar, não me surpreendo mais com você — diz Shawn que deu partida no carro. — Aliás, bom dia flor de laranjeira.

Ele sempre dizia isso, “ bom dia flor de laranjeira ”.

Olho para trás e Aaliyah está tão concentrada em seu celular que acho que nem percebeu que eu estava ali, coço a garganta e ela nem desvia sequer o olhar, apenas acena com a mão sem esboçar nenhum tipo de expressão.

— Oi para você também. — solto um riso e volto a olhar para frente.

Sinto os olhos de Shawn caírem sobre mim, jogo meu olhar para a janela e observo os carros passarem por nós em alta velocidade enquanto o nosso não ultrapassava dos quarenta por hora.

— Olhos para frente. — advirto o olhando depois de tomar coragem.

— Ah, desculpe. — ele respira fundo e aperta o volante e vejo o nó de seus dedos ficarem esbranquiçados.

Depois de uns dez minutos de dirigindo, ele deixa Aaliyah na escola e a mesma ainda não havia tirado o olhar da máquina, apenas deu um “ tchau, vejo vocês mais tarde ”.

Ele continua a me encarar e isso está me intrigando muito. Então decido fazer o mesmo.

Jogo meu olhar para encontrar o dele sem ao menos falar nada, ele percebe a jogada e pra disfarçar, liga o rádio onde está passando os melhores hits do final mês de setembro.

E agora, nós viemos falar do nosso caro e querido amigo Shawn Mendes. — ele permanece o olhar no carro da frente enquanto vira uma curva. A voz do rádio é masculina, como se fosse a de um cara em anúncio. — Ele, o crush de muitas, tem feito muito sucesso, sua música pop teen tem trazido muitos fãs enlouquecidos, que ligam para nós pedindo sua música Treat you better! Um sucesso internacional!

Sim! E como vemos, acho que temos uma garota em sua mira... Diz ele, em muitas entrevistas que são apenas amigos, mas duvidamos disso. — ele muda a rádio rápido e para disfarçar seu nervosismo, falo:

— Ui, crush de muitas. — aumento o volume e a música “ Everyday ” começa a tocar.

— Ah para. — ele reprime um sorriso. — Isso é estranho de se presenciar.

— É né. Milhares de meninas atrás de você, e tu mais encalhado que baleia em praia.

— Nossa, valeu pelo apoio moral.

— Sempre a disposição.

Ele ri e paramos o carro do lado de fora da gravadora, não a ninguém ali a não ser o compositor Donovan, que sempre o ajuda quando não acha uma palavra para rimar ou algo do tipo. Ele falava agitado no telefone enquanto passávamos por ele.

— Oi Don. — aceno para ele é o mesmo me retribui com um sorriso.

Vou indo atrás de Shawn, que aparenta estar bem inquieto. Para brincar com ele pulo em suas costas e o mesmo se desequilibra mas me segura forte pelas pernas.

— Vamos unicórnio, avante. — batuco seus ombros. — Ao infinito e além.

— Beleza, Buzz Lightyear. — ele corre e eu reprimo um grito passando as mãos por seu ombro.

Passamos pela recepção que nem jatos super rápidos que eu nem tive tempo de gritar bom dia para a recepcionista, Gael. Agilizados, trombamos nas pessoas que andavam calmamente pelo corredor, eu pedia desculpa para cada encontrão. Paramos na frente do estúdio de gravação e eu desço de suas costas ainda energética, vejo que o mesmo ofegava e as pessoas olhavam para nós estranhando.

— Bom dia. — digo para todos e eles começam a se dispersar. Um murmúrio alto de muitos conversando me faz olhar para Shawn sorrindo.

— Foi louco. — ele abre a porta e entramos rindo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3
Quem shippa Shordan?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...