História Truth and Challenge - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Harry Potter, Hermione Granger, Pansy Parkinson, Ronald Weasley
Tags Draco Malfoy, Drarry, Harry Potter, Ronald Weasley
Exibições 395
Palavras 2.220
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Ficção, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aqui está a continuação que vocês tanto pediram.

Como eu disse, saiu antes do fim do ano :v

Antes tarde do que nunca.

Beijos e boa leitura.

PS: desculpem o horário, é que assim que eu terminei fiquei tentada a postar logo :3

PS²: desculpe se passar algum erro 💚

Capítulo 2 - Você nunca foi a um encontro?


Depois da carta nada convincente de Draco, Harry sempre dava um jeito de se esconder pelos corredores, nunca estando sozinho pra não correr o risco de dar de cara com Malfoy.

Não que acreditasse que ele poderia realmente fazer algo consigo, mas preferia previnir do que remediar.

Pansy realmente se declarou para Blaise, depois de um jogo da Sonserina contra Lufa-lufa, onde as cobras acabaram ganhando, e após o jogo, ela se declarou a ele o beijando em frente à toda Hogwarts.

Como bons sonserinos que são, não era necessário palavras bonitas ou coisas do tipo para que ficasse entendido ali que a garota gostava de Zabini, então logo depois disso começaram a namorar.

Pansy apareceu com um lindo anel de ouro branco e uma esmeralda encrustada no dedo pouco tempo depois, claro.

Afinal, sonserinos não seriam sonserinos sem formalidades caras.

Mas quanto mais o tempo do acordo ia se esgotando, mais Harry ia ficando temeroso, uma vez que Pansy sempre lhe dava um sorriso cínico e malicioso quando passava por si, o lembrando de que estava sempre disposta a lhe dar uma consequência pior do que o desafio imposto a ele.

Então faltando apenas dois dias pra acabar o prazo, enquanto Harry subia as escadas em direção a sua casa comunal sozinho e o mais rápido possível, já que não queria dar de cara com Malfoy e ninguém pôde o acompanhar, aconteceu o que ele menos queria.

Draco estava em frente ao quadro da mulher gorda, olhando perdido pra um canto qualquer, parecendo esperar por algo ou alguém.

Então antes que ele o visse, Harry pensou e dar meia volta e se esconder em algum lugar ate que ele fosse embora e a passagem estivesse livre.

Mas já era tarde demais.

Seus olhos se encontraram antes mesmo que os pés do grifinório se mexessem, e Malfoy veio o mãos rápido que pode ao seu encontro.

Assim que se aproximou de Potter, não pode evitar um sorrisinho travesso ao ver como o moreno tão corajoso estava travado e coagido perto de si.

Onde estava toda a coragem Grifinória agora?

- Finalmente te encontrei. Porque está me evitando, Potter? Nem respondeu a minha carta. - disse o loiro ao se aproximar de Harry, que apesar de alerta, não deixava de o encarar nos olhos.

- A sua carta indecente? O que foi aquilo Malfoy? - perguntou finalmente o afrontando.

- Só uma carta comum - deu de ombros - eu estava me referindo ao nosso suposto encontro. Se você iria até  minha casa para resolvermos isso, ou eu teria que vir à sua. Como fugiu de mim, vim até aqui. - disse com um sorriso malicioso - O que pensou que fosse Harry?

- Me poupe Malfoy. - disse nervoso - você pode pensar que me engana, mas não engana. E sinceramente, não estou nem um pouco a fim de ter meu primeiro encontro com você. - quase se bateu quando terminou de despejar a informação valiosa.

- Você nunca saiu pra um encontro antes? - perguntou o loiro agora um pouco chocado.

- Bem, sair com amigos eu já sai, mas um encontro amoroso ou algo assim, não. - nem sabia porque estava dando satisfação disso para o sonserino.

- Então eu fui seu primeiro beijo, vou ser seu primeiro encontro, provavelmente sua primeira paixão - sorriu cínico.

- Você foi o primeiro garoto que eu beijei, não a primeira pessoa. E eu já me apaixonei antes, está atrasado pra isso também.

- Que seja. Vamos nesse encontro ou não? - perguntou Draco desistindo temporariamente das brigas para que decidissem logo isso.

- Temos escolha? - disse Harry inconformado

- Tem que ser algo que os dois goste ou que ao menos não cause brigas, porque se for pra ficarmos discutindo, então não vou me dá ao trabalho de sair do castelo.

- Concordo - disse Harry, propondo em seguida - E se formos para um passeio de vassoura? Digo, nós dois gostamos de voar, e isso é considerado um encontro certo?

- Um encontro tem três fases - explicou Malfoy - primeiro a atração, e com isso quero dizer a finalidade do encontro. Como por exemplo, o passeio de vassoura. Depois vem a distração, ou seja, sair pra comer alguma coisa, onde acontece as trocas de presentes, e depois, a despedida, que ocorre a melhor parte. Isso é um encontro a maneira Sonserina.

- Presentes? Que presentes? - perguntou Harry perdido.

- É tradição dar presentes ao seu companheiro no primeiro encontro, Potter - explicou o loiro. - é bom que me dê algo a  altura. - olhou desafiador.

- Se eu não te estuporar já se considere com sorte - murmurou resignado. - Mas acho que já tenho algo em mente pra você.

- Assim espero. Amanhã no campo de Quadribol, as quatro. E não precisa trazer sua vassoura. - sorriu cínico.

Se lembrava da vassoura de Harry Potter ter quebrado há alguns anos, e desde então ele não aparecera com nenhuma nova.

Draco, por pura coincidência, tinha comprado duas novas Firebolt's 2003, da nova coleção que nem ao menos tinha chego à Londres ainda. Daria uma para ele. Apenas porque tinha comprado uma extra e estava muito  em cima da hora pra buscar outro presente para o moreno. Apenas por isso.

Sendo assim, desceu as escadas seguindo em direção às masmorras, deixando um Harry confuso e curioso em frente ao quadro de sua sala comunal.

Mal podiam esperar para esse encontro.

+++

As quatro em ponto estavam Draco Malfoy e Harry Potter, olhando um pra cara do outro em seu primeiro encontro.

Era algo extremamente estranho para ambos estar ali.

- Bom, os presentes só deviam ser trocados depois, mas o meu se faz necessário que seja entregue agora. - disse o sonserino levitando o embrulho com a vassoura até Harry, que apesar de desconfiado  abriu o presente, se chocando em seguida.

- Draco... Isso é...

- Sim, a nova versão. Nem tem no país ainda. E nem pense em fazer a deselegância de tentar devolve-la a mim.

O moreno ficou um tempo admirando a vassoura extremamente rápida, cara e bonita a sua frente, sorrindo para o loiro depois.

- Obrigado. Deseja seu presente agora também?

- Não. Depois você entrega. - disse já subindo em sua própria vassoura. - Agora estamos em pé de igualdade.

Harry pegou sua nova vassoura e montou nela também, erguendo vôo e subindo numa altura relativamente grande, testando com algumas voltas a velocidade da mesma, gargalhando em seguida, assim que se viu novamente fazendo sua paixão. Voar.

- Tinha me esquecido de como isso é bom - disse o moreno com um grande sorriso.

- Corrida pra ver quem chega primeiro em Hogsmade? - disse o loiro ja pegando velocidade e sem esperar realmente a resposta do grifinório.

Harry pegou velocidade em seguida, estando lado a lado com o loiro, enquanto aceleravam mais e testavam a potência das vassouras.

- Quem chegar por último paga a conta - disse Harry ao conseguir driblar Malfoy com a ajuda de uma árvore e sair em disparate na frente.

- Prepare o bolso então -disse Draco ao ficar novamente lado a lado com Potter, se inclinando pro lado dele, o fazendo recuar um pouco, pegando mais velocidade assim e o passando.

- Isso foi desonesto! - disse Harry ao voltar a ficar a par com o loiro.

Ambos seguiam entre risadas e alfinetadas por todo o caminho, fazendo manobras arriscadas e, por vezes, apenas se deixando levar na presença um do outro até as manobras recomeçarem.

Realmente tinha sido uma boa ideia dar um passeio de vassoura.

Em determinada parte do caminho, o primeiro floco de neve caiu seguido de outros, a respiração de ambos se tornando visível pelas fumaças brancas, e os sorrisos não deixavam seus rostos por nem um segundo.

Já estavam próximos a Hogsmade quando aterrissaram perto da ponte que dava caminho a escola de magia e bruxaria, Hogwarts.

Ainda rindo um do outro e lembrando de manobras falhas que deram nesse curto espaço de tempo foi que entraram na Dedosdemel.

- Caramba, mas somos muito sem noção. Se você não tivesse parado, teria se machucado feio! - disse Potter em uma risada que não conseguia conter.

- Eu vôo muito bem pra sua informação. Obrigada - respondeu o loiro com toda sua humildade.

- Não duvido disso - retrucou Potter. - Acabou que ficamos sem um vencedor pra corrida.

- Considere um empate. Apesar de eu ter claramente descido mais rápido que você. - disse Malfoy se apossando de uma mesa bem localizada no local.

- A claro. Até parece. - disse Harry ansioso por estar ali. Tinha se divertido muito com o presente de Draco e com o passeio. Mas estava ansioso com o que ele iria achar de seu presente.

Sentou na mesa com o loiro, e após anotarem os seus pedidos, um silêncio de instalou na mesa. Viu agora um excelente momento de lhe entregar o presente, quebrar o silêncio e restaurar a conversa.

Mexeu em seu casaco tirando de lá uma caixa preta quadrada do tamanho da palma da sua mão.

Estendeu para Malfoy ansioso.

Draco olhou da caixinha para Harry, e com uma sobrancelha erguida, abriu o objeto.

Dentro da caixa tinha um medalhão. Um medalhão da Sonserina.

Um lindo medalhão de prata com uma enorme esmeralda no meio, e encrustado nele, uma cobra prateada.

Atrás do medalhão em letras caprichadas era possível ver escrito a magia: Slytherin.

Os olhos de Draco não poderiam estar maiores. Era simplesmente lindo.

- É de família. Era da família Black, mas depois que meu padrinho morreu, ele deixou tudo pra mim, o que inclui o medalhão. Achei que ficaria melhor com você.

- Potter você não faz ideia do que significa dar um artefato mágico de família para alguém num encontro, faz? - perguntou quase incrédulo, mas ao ver a confusão nos olhos tão verdes quanto a pedra do medalhão à sua frente, concluiu que não.

- Tem algum significado?

- Não. - mentiu Malfoy - quer dizer, é algo importante, de família, e não é algo que se dá a qualquer um, então de fato tem algum significado nisso.

Na realidade, formalmente, para sonserinos, quando lhes são dados um artefato mágico de família a gerações, é claramente um pedido de casamento, mesmo que não seja feito com a presença de um anel.

Mas nesse caso Draco iria relevar. Afinal, Potter provavelmente não fazia ideia nem da importância de um artefato assim, quem dirá o significado que ele tem ao ser dado à alguém.

- Eu só achei que você ia gostar. - disse meio envergonhado. - gostou?

- Coloca pra mim? - foi a resposta que o loiro deu ao virar-se de costas e deixar o medalhão na caixa para que Harry colocasse em si.

E foi com um sorriso satisfeito que moreno passou a corrente fria pelo pescoço claro, extremamente branco, e prendeu o fecho bem próximo aos longos fios loiros platinados.

Assim que o medalhão já repousava devidamente no peito do Malfoy, os pedidos chegaram, e foi engatados numa conversa extremamente banal sobre os pedidos um do outro que passaram o resto do dia.

+++

Quando já estavam de volta a Hogwarts, parados em frente a grande porta de entrada, finalmente perceberam o quão agradável o dia foi, e o quão assustador era essa nova vontade de passarem mais tempo próximos um do outro.

- Então...- Harry foi o primeiro a quebrar o silêncio, chamando a atenção de Draco para si - você disse que a despedida era a melhor parte. O que quis dizer com isso?

Malfoy apenas o olhou travesso, e antes que Harry pudesse reagir, os braços do loiro já estavam em volta da sua cintura, o prendendo fortemente contra o corpo alheio.

Draco de leve relou seus lábios aos do moreno, testando a reação antes, mas ao sentir o suspiro desejoso sair dos lábios de outrora, não se segurou mais, e finalmente selou os lábios a sua frente, iniciando assim o segundo beijo que realizavam.

O choque que percorreu os corpos quando as línguas se chocaram foi o suficiente para arrepiar cada canto do corpo de ambos, os fazendo ofegar e suspirar em meio ao beijo, puxando um ao outro mais pra perto, se perdendo um no sabor do outro e pouco se importando de estarem num local tão aberto onde qualquer um poderia os ver.

Quando respirar se tornou de vital importância, Malfoy mordeu o lábio inferior do moreno, findando o ósculo com um selinho breve.

- Adorei o encontro. Tchau Harry - despediu-se entrando enfim no castelo, deixando um Potter vermelho, ofegante e confuso, porém feliz, para trás.

No dia seguinte durante o almoço, enquanto Harry tentava fugir das perguntas de Hermione e Rony sobre o encontro do dia anterior, uma coruja solitária que Harry infelizmente reconheceu adentrou o castelo e deixou uma carta a sua frente.

Antes mesmo de abrir Harry já lançava um olhar intrigado pra certo loiro da Sonserina, que apenas lhe encarava de volta com olhar travesso.

Abriu a carta.

"Não foi tão ruim quanto pensei.

Quando descobrir o significado de dar um presente como aquele a alguém num encontro, me faça um pedido melhor sim? Estarei no aguardo.

Quando vamos marcar o próximo?

DM"



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...