História Truth And Challenge - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Blásio Zabini, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Ronald Weasley, Scorpius Malfoy
Tags Blacy, Draco Malfoy, Drarry, Harry Potter, Ronmione
Visualizações 461
Palavras 2.425
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Lemon, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


QUEM É VIVO SEMPRE APARECE
TARDA MAIS NÃO FALHA
E ai cubinhos? Na paz?
Finalmente voltei com essa fic ~Muitos cubos me cobraram

Agora tem capinha gente <3 eu quem fiz :3
Sem mais delongas, boa leitura :3

Capítulo 1 - Você nunca beijou um garoto?


 

 

Aula de Poções, um professor moreno e mal humorado andando vagarosamente pela sala, e um bilhetinho bem dobrado voando da mesa de uma Sonserina para uma Grifinória.

Mas não era uma Grofinória qualquer, a Sonserina tão pouco.

Pansy Parkinson convidava Hermione Granger e seu trio de ouro para participar de uma brincadeira que ela e seu grupinho fariam. Como todas as briguinhas e picuinhas entre Sonserinos e Grifinórios foram superadas, a grande maioria pelo menos, e ambas as casas estavam tentando se aproximar mais, Hermione decidiu aceitar o pedido.

As seis horas daquela tarde, os seis alunos estavam presentes na sala de astronomia, que deveria estar fechada a visitantes, mas nada que um Alohomora não resolvesse. 

Já la dentro, os dois inimigos que ainda não haviam de fato deixado de lado suas intrigas, pois ainda continuavam a se espetar aqui e ali, se encararam com desgosto. Draco Malfoy e Harry Potter.

— Potter.

— Malfoy — disse o moreno, sentando-se no meio de seus amigos, Hermione e Ronald.

— Porque o convidou mesmo, Pansy? — perguntou o loiro fazendo o mesmo que o moreno, se sentando de frente pra si, no meio entre Pansy e Blasio.

— Porque quanto mais gente brincando melhor fica, Draquinho. — sorriu a loira. — Fora que você terá a chance de humilhar o Potter sem ele poder contestar, devia me agradecer.

— E porque você aceitou mesmo, Mione? — perguntou dessa vez o moreno, não gostando nada de estar ali. 

— Porque vocês precisam se conhecer melhor e serem amigos. Fora que tudo o que ele pode fazer com você, você também pode fazer com ele. — Disse a castanha animando um pouco o amigo.

— Então, o que viemos fazer aqui mesmo? — Perguntou o ruivo só agora se anunciando.

— Verdade e desafio querido. Todos sabem como joga certo? Você gira a garrafa e pessoa em quem a boca parar responde uma verdade e paga um desafio até... — explicava a loira até ser interrompida por Harry.

— Mas verdade ou desafio não é jogado assim. A pessoa em quem a boca parar tem o direito de escolher se quer responder uma verdade ou fazer um desafio.

— Este é o modo trouxa, Harry — explicou Hermione. — No jogo bruxo, você faz os dois, e a ordem de girar a roleta é sempre anti-horário. Ou seja, se a Pansy começar, depois serei eu, depois você, Ron, Zabini e depois Malfoy, até a ordem recomeçar. O jogo acaba quando algum participante não quiser responder uma verdade ou fazer o desafio. Sendo assim, os outros jogadores vão se reunir e decidi qual vai ser a consequência dessa pessoa.

— E se eu não quiser fazer a consequência que o grupo decidir?

— Nós somos bruxos Harry, ou você faz, ou você faz. Acredite, se não fizer, vai ser pior depois — Disse Rony.

— Agora que o cicatriz adicionou algo novo em seu mente vazia, melhor começarmos logo antes que a lerdeza do Potter faça com que ele se esqueça — Resmungou Draco e Blasio colocou a garrafa no chão, girando em seguida, vendo a mesma ficar mais lenta até parar com a boca virada para a Castanha.

— Hermione. Pois bem, diga se é verdade que gosta do Roniquinho. E como desafio, se declare pra ele.

— Sim, eu gosto do Rony. — suspirou — Bem, não sou boa com declarações, mas senti seu cheiro quando vi a poção de Amortentia pela primeira vez. Creio que isso seja mais que o suficiente — disse corada.

— Que melação — resmungou Draco girando a garrafa. Era quase palpável o desespero de Harry, mas por sorte, ou não, a garrafa passou direto por si, e acabou por finalizar seu movimento em Ronald.

Se sentia extremamente aliviado por não ter sido ele, mas também se sentia mal pelo o que o amigo teria que passar nas mão de Malfoy.

— Oh droga — resmungou encarando os olhos azuis cinzentos.

— Weasel, me diga, em até que nível você e aquela sem sal da Lufa-lufa chegaram?

— Hã... Não muito longe na verdade. Ela era grudenta demais. Não passamos de beijos e alguns toques.

— Como desafio, Beije a Hermione. — disse o loiro sorrindo malicioso. 

Ambos coraram fortemente, pois por mais que já tenham se beijado antes, nunca fora na frente de outras pessoas. Mas obedeceram. Rony e Mione ficaram de pé e se aproximaram lentamente, fechando os olhos. As mãos de Rony indo de encontro a cintura da garota, assim como seus cabelos, e as mãos da Castanha se cruzando atrás do pescoço do ruivo. O beijo fora lento e com tudo a qual tinham direito, entre beijos, chupões e mordidas de lábio. 

Quando terminaram ofegantes, se envergonharam um pouco mais por terem vários olhos atentos sobre si, e se sentaram em seus respectivos lugares, agradecendo por Harry estar no meio dos dois no momento. 

Pansy logo girou a Garrafa de vidro que fez um barulho característico no assoalho, e começou a diminuir a velocidade, parando enfim, na pessoa que menos queria ser alvo dos Sonserinos, apesar de ser inevitável que acontecesse. Harry Potter.

— Harry, Harry, Harry.... Vamos ver o que eu pergunto a você. Me diga a verdade, você já beijou algum garoto na vida?

— Eu? Não — perguntou confuso — porque beijaria? 

— Qualquer motivo serve não? Até por pura curiosidade dá. As vezes, só por vontade mesmo, ou até sem motivo — disse Blaise, divagando.

— Você já beijou garotos, Zabini? — perguntou o moreno vendo o mesmo assentir positivamente.

— Acho que todos aqui já beijamos pelo menos uma vez uma pessoa do mesmo sexo que nós. — E para a surpresa de Harry todos, Todos, concordaram. Inclusive Hermione e Rony.

— Bom, como podemos ver, parece que só o Poty aqui não teve essa experiência ainda, então porque não lhe dar a oportunidade de ter, não é? Como desafio, beije o Draco.

— O que?! — disseram o trio de ouro juntos, completamente espantados. Os olhos mal cabiam em seus rostos tamanho o susto que levaram.

— O Que?!! — perguntou dessa vez o loiro, que finalmente percebeu o que a garota havia dito. — Eu me recuso a beijar o cicatriz!

— E eu me recuso a beijar a doninha! — esbravejou o moreno.

— Tem certeza disso? Se ambos recusarem, ambos terão que pagar a consequência. E tenho certeza de que preferem se beijar do que dormirem juntos certo? — os olhos de ambos se arregalaram ainda mais.

— C-Como? — perguntou o loiro achando que não ouvira direito. É, com certeza tinha ouvido errado.

— É isso mesmo Draquinho. Ou vocês se beijam, ou se comem. A escolha é de vocês.

— Então né, levanta Potter. Não vai ser hoje, nem amanhã, e nem nunca, espero, que vou ver seu corpinho nu. Vamos acabar logo com isso. — Murmurou Draco ao se por de pé, vendo o garoto vagarosamente fazer o mesmo.

— Eu não acredito que vou fazer isso — resmungou o menor sofrido, revirando os olhos antes de suspirar dramaticamente.

— Para de fazer drama, Poty. E eu não quero um selinho não, quero um beijo de verdade. Igual o do casalzinho ali — Apontou Pansy para os Grifinórios ainda sentados. — E é pra ontem!

Depois de suspirarem mais um pouco, e verem o quão desconfortável era aquela situação, Draco sorriu libidinoso, despertando a curiosidade no rival.

— Ta rindo de que, Doninha?

— Bom, pelo menos você pode se sentir grato de ter seu primeiro beijo comigo. — sorriu ainda mais amplo e venenoso.

— Não é meu primeiro beijo. Só com um garoto.

— E te garanto que vai ser melhor do que com qualquer outra garota que você já tenha trocado baba. — sorriu triunfante e orgulhoso.

— Convencido. — bufou o moreno.

— Eu me garanto — deu de ombros se aproximando do moreno e o puxando para si pela cintura. As mãos de Harry indo uma parar em sua nuca e outra em seu ombro, apertando e puxando a blusa do loiro quando o mesmo relou os lábios nos seus.

Logo o contato foi feito e após o encaixe ser aperfeiçoado e os lábios explorados, Draco pediu passagem, que logo lhe foi concedida, e ambos passaram a explorar cada cantinho do outro.

As línguas se tocavam calmas e curiosas, um gostinho bom desprendia de ambos. De Harry, manteiga derretida, provavelmente por causa de cerveja amanteigada que tomara mais cedo, e de Draco, uma mistura de hortelã e canela que devia vir da sua pasta de dente junto da mistura de um doce que comera naquela tarde. 

Os dois se inebriavam e se entregavam aquele contato tão conhecido e tão novo ao mesmo tempo, se esfregando, encontrando, conhecendo e provando cada vez mais, e quando a ar fazia falta, voltavam a relar os lábios respirando fortemente, para logo depois se juntarem de novo, de maneira mais veloz e voraz que anteriormente.

Somente quando a falta de ar era tão grande que ofegos já não satisfaziam mais, e os lábios já estavam tão vermelhos e dormentes de tanto contato foi que se separaram, dando selinhos e mordidas no lábios inferior, se afastando lentamente e bem pouco, apenas o suficiente pra verem os olhos um do outro.

Azul no Verde.

Prata no Dourado.

Diamante na Esmeralda.

— Vocês estavam cumprindo o desafio ou a consequência? Porque só faltaram se despir — disse Pansy os fazendo lembrar que tinham plateia e se separarem rapidamente, quase que num pulo.

Sem responder a provocação da garota, os dois garotos voltaram para seus lugares, cada um com seus pensamentos, cada um com suas sensações e ambos sem olharem pra nada especifico, divagando nas lembranças de segundos atrás.

— Tenho a leve impressão de que eles preferiam ter feito a consequência — brincou Zabini também recebendo um olhar feio de Draco, que finalmente voltou a seu normal.

— Não tem graça Blaise, e você vai pagar por isso Pansy.

— Ah, Draquinho, não diga que não gostou! Só falta ficar com um sorriso bobo na cara.

— Então, vou girar a garrafa — anunciou Hermione, e a mesma parou virada para Draco.

— Então, Malfoy. — suspirou — O que achou do beijo com o Harry? — o moreno ao ouvir seu nome, voltou ao mundo real, fugindo de sua divagação e prestou atenção a sua volta, captando fragmentos do que a menina havia dito e logo se interessando pela resposta.

— Muito melhor do que qualquer outra garota ou garoto que eu tenha trocado baba, admito. — deu de ombros.

— Ou seja, no modo sonserino de dizer, o melhor beijo que você já deu em sua vida — constatou a Castanha, fazendo o loiro se encabular e o moreno ao seu lado sorrir.

— Você não pode afirmar isso. E eu não disse isso.

— E nem nunca vai dizer. Você não diria algo assim nem sob crucio, Draco — disse dessa vez Harry. Malfoy deu de ombros.

— E meu desafio? — desconversou o loiro, evitando encarar Potter.

— Chame o Harry pra sair. Mas é pra sairem mesmo, porque se eu souber que você deu um bolo nele depois, vai pagar a consequência. — acusou a Castanha

— E claro que como você parece ter gostado da fruta, a consequência vai mudar também — disse Blasio recebendo um outro olhar mortífero do loiro.

— Só abre a boca pra falar o que não presta? — questionou irritado, vendo o outro sorrir. Suspirou. — Então é isso cicatriz. Parece que vamos sair. Depois resolvemos os detalhes — disse sério vendo o outro assentir. 

— Por mim, tudo bem. Então vou girar a garrafa. — dessa vez o objeto parou virado para a Sonserina. — Pansy. Justo quem eu queria — sorriu maldoso — antes, uma fofoca que ouvi pelo castelo. É verdade que você tem interesses além de amigáveis com Draco? — a loira arregalou os olhos.

— Ta louco Poty?! Quem anda espalhando essa boato sobre mim? Eu e o Draquinho somos amigos, quase irmãos! É horrível que pensem isso de nós. Eu nunca tive, tenho ou virei a ter algum interesse pelo Draco. 

— E como vou saber se esta falando a verdade?

— Por Merlin Potter, por causa da garrafa é claro! Ela é enfeitiçada exatamente para esse propósito do jogo. Se você mentir, ela racha. Como vocês trouxas jogavam? — Se irritou Pansy

— Bem... Com uma garrafa normal. 

— Vocês simplesmente confiavam que as pessoas estavam dizendo a verdade? — questionou Rony dessa vez, parecendo abismado.

— Era idiotice, eu sei. Ta bom Parkinson, Eu te desafio a... Beijar o Zabini.

— Me recuso a fazer isso — resmungou contrariada.

— Certeza disso? Podemos ver uma consequência bem pior pra você. — brincou o loiro.

— Escuta aqui Draquinho, eu não vou beijar o Blasio okay?

— Eu sei — sorriu cúmplice.

— Então vamos decidir qual vai ser sua consequência. — disse Harry feliz. 

— E eu já sei o que vai ser — sorriu Draco maldoso. — Você terá que se declarar pra pessoa que você gosta. Tem o prazo de uma semana. — abriu o sorriso.

— E você por acaso perguntou se estamos de acordo, doninha? — questionou Rony contrariado.

— Eu achei uma boa ideia — disse Zabini sendo acompanhado de Harry e Hermione, deixando um Ronald resmungão na minoria.

— Então vai ser isso — Draco deu o intimado, para a infelicidade da Sonserina.

— Tudo que vai volta Draquinho. Tudo o que vai volta. — ameaçou.

— Então o jogo acabou certo? — disse Rony se levantando com um suspiro. — Nem foi tão ruim assim.

— Claro, sua penalidade foi boa — resmungou Harry.

— Como se você não tivesse gostado da sua — retrucou Pansy com um sorriso arteiro.

— Vamos logo porque eu tenho treino mais tarde — resmungou o moreno sem respondê-la, se virando e deixando o local com seus amigos.

 

[...]

 

No café da manhã do dia seguinte, podia se ouvir o borburinho que vinha do salão comum e seus estudantes, que estavam outrora alegres, outros com sono, outros atentados e uns ainda dormindo.

Mas nada era tão estranho quanto os olhares trocados pelo trio de ouro e trio de cobras. A garota loira que estava cercada por seus dois amigos tentava resistir as indiretas que Draco Malfoy lhe dava e não o espancar ali mesmo com medo de que ele revelasse seu segredo a quem menos queria, que por azar entrava sentado ao seu lado.

E o trio Grifinoriano ficava sorrindo ao ver as provocações e imaginando quando ela iria se declarar a Blasio Zabini quando o correio chegou, e uma coruja bonita e ponpoza soltou um envelope muito bem lacrado em frente a Harry, que logo o abriu com curiosidade para ler o que dizia em seu intimo.


 

Quando quiser outro beijo, é só pedir.

E se pedir com jeitinho, te mostro algo ainda melhor.

Nosso encontro pode acontecer no meu quarto ou no seu, o que me diz?

DM

 

Os olhos do moreno triplicaram de tamanho com a mensagem e logo se puseram a procurar o olhar do loiro a três mesas de distância da sua, que também olhava para si com um sorriso malicioso. 

Oh Merlin, Harry sabia que não devia ter ido aquele maldito jogo.

 


Notas Finais


ushaushaush Lembram dela? Logo logo eu posto o próximo e ai voltamos de onde eu parei ok?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...