História Try Again - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bae Suzy, Kim Hyun-joong, Kim Woo Bin, Lee Min Ho, Tiago Iorc
Personagens Bae Suzy, Kim Hyun Joon, Kim Woo Bin, Lee Min Ho, Personagens Originais
Visualizações 60
Palavras 1.533
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Chegueiiiii
Mais um capítulo ❤
Avisinho: Não me matem.
Spoiler: Vocês vão odiar o nosso Min Ho nesse capítulo.

Capítulo 32 - You hurt me.


Fanfic / Fanfiction Try Again - Capítulo 32 - You hurt me.

"Teria doído menos se nunca tivéssemos nos conhecido. Espero que você enterre nossa promessa de estamos sempre juntos..."
( BigBang-Haru Haru)





- O que está acontecendo aqui?!

Ao ouvir a voz do meu namorado eu empurro Tiago para longe.

- Não é isso que você está pensando Min.- tentei me aproximar dele.- Por favor deixa eu explicar!

Min olhava pra mim com uma cara nada satisfatória.

- Eu não preciso de uma explicação S/n, eu vi com os meus próprios olhos.

Quando eu ia tentar falar alguma coisa meu irmão aparece segurando um buquê de rosas vermelhas e uma  pequena caixinha.

Ele olha pra mim e sorri mas ao perceber o que estav acontecendo seu sorriso se desmancha. Ele entrega o buquê para Min e o mesmo fica olhando para o buquê.

- Não precisa mais Hyunjoong- ele jogou o buquê no chão.- Sua irmã não merece.- a caixinha que estava em uma de suas mãos foram ao chão.

Eu estava desesperada e com medo. Eu não tinha culpa do que tinha acabado de acontecer.

- Deixa eu explicar Min- comecei a chorar- Por favor! Eu te peço.

- Tudo bem, vamos conversar- Min olhou para o Tiago e avançou no rapaz, dando-lhe um soco em seu rosto.

O mais velho ia continuar com os socos, mas meu irmão o impediu de continuar.

- Para Lee Min Ho! Bater nele não vai resolver nada- meu irmão falou assim que tirou Min de cima do rapaz caído.- Vão conversar- ele olhou pra mim.

Eu apenas chorava.

Minha mãe chegou histérica.

- O que tá acontecendo aqui?!- ela viu o preferido dela no chão e ficou brava com Min- Você acha que aqui é uma casa de luta? Saia daqui agora mesmo!

Ela veio em minha direção e tentou me acalmar. Pela primeira vez ela fez isso.

- O que aconteceu querida?- ela passava suas mãos em meu rosto na tentativa de limpar as lágrimas.

Eu a olhei e chorei mais. Ela me abraçou e no mesmo instante Min puxou meu braço com força.

- Vamos! Você não quer conversar?! Então vamos.- me levou até a porta.

- Pra onde você pensa que vai Lee Min ho? Deixe minha filha. Você não está vendo o estado em que ela se encontra?.- Minha mãe segura meu outro braço.

Ótimo!

- Não queira se fazer de mãe dedicada e amorosa agora, mas eu tenho que conversar com a sua filha. Acredita que ela estava aos beijos com o rapaz ali?- disse cínico e apontou para Tiago.

- Outra hora vocês conversam Min Ho, deixa as coisas esfriarem.- Meu irmão tentava acalmar a situação.

- Você não viu HyunJoong? Eu fui traído!- apertou ainda mais meu braço.- Ela quer conversar e é isso que nós dois vamos fazer, vamos conversar S/n.

Me puxou para fora de casa e me colocou dentro do carro.

Ele abriu a porta do carro e se sentou furioso.

- Se você a machucar Lee Min Ho, saiba muito bem que eu irei transformar sua vida num inferno.- Minha mãe foi até o carro onde nós dois estava, ela olhou pra mim preocupada.

Min riu de seu comentário e logo deu partida no carro.

- Pra onde estamos indo?- perguntei ainda com dificuldade por causa do choro.

- Fique calada, eu não quero ouvir sua voz.- falou rangido.

Me encolhi no banco.

Depois de uns 15 minutos chegamos em sua casa. Ele estacionou o carro frente a sua casa e desceu, abriu a porta e me puxou com força.

Ao entrarmos em sua casa ele me leva até seu quarto e me joga na cama.

- Quer conversar S/n? Ótimo! Vamos conversar.

Ele tira a sua camisa e começa a tirar sua calça.

Ele iria me estuprar?

Era isso mesmo?

Iria ser estuprada pelo meu próprio namorado.

- Min... por favor... Me deixa explicar.- me sentei na cama.

- Eu iria te fazer uma surpresa S/n, iria oficializar o nosso namoro com um anel de compromisso, tive que ir pra Busan pegar os anéis e quando eu volto eu encontro A MINHA NAMORADA BEIJANDO OUTRO!

Ele vem até mim e pega meu pulso e o aperta.

- Ele que me beijou, eu não correspondi o beijo.

- E era pra corresponder?- uma de suas mãos foi para meu queixo e apertou o local.

- Para Min, você está me machucando.

- Eu to te machucando? Não S/n. Agora você vai se machucar.

Ele deitou seu corpo no meu e começou a chupar forte meu pescoço, eu me debatia mas não conseguia sair.

Ele arrancou minha blusa e eu entrei em desespero. Comecei a tremer e a suar frio, ao perceber a minha reação ele parou o que estava fazendo e saiu de cima de mim. 

Vestiu sua camiseta e logo pegou minha blusa e jogou em mim. 

- Vista-se!

Eu estava sem reação nenhuma.

- EU MANDEI VOCÊ VESTIR ESSA PORCARIA- Me levantou de sua cama e me levou para o banheiro e ligou o chuveiro e me colocou embaixo da água gelada.

- Você quer dar uma de louca S/n mas eu sou mais louco do que você possa imaginar.

Logo ele sai me deixando ali e trancando a porta em seguida.

A água gelada batia em meu corpo me fazendo tremer ainda mais, ao recuperar os sentidos eu desliguei o chuveiro e procurei por uma toalha, felizmente encontrei uma ao lado da banheira.

Ao me enrolar na toalha eu me olhei no espelho, eu estava péssima. Meus olhos estavam vermelhos, meus lábios estavam roxo e meu rosto estava inchado.

Me sentei no chão gélido e chorei ainda mais. Como uma pessoa tão amável podia se transformar em um louco?

Depois de um bom tempo chorando, logo bate uma enorme vontade de vomitar, vou engatinhando até o vaso sanitário e coloco pra fora todo o meu almoço, tento me levantar mas sou impedida pela tontura.

Minha cabeça estava girando e meu corpo estava tremendo.

Ele está sendo cruel comigo.

Nem sequer me ouviu e foi logo me tratando desse jeito. 

- Min por favor!- bati na porta- Me deixa sair daqui, eu não estou me sentindo bem. Vamos conversar civilizadamente, como duas pessoas.

Mas nada se ouvia.

Olhei pela pequena brecha da janela do banheiro e me desesperei quando vi que estava anoitecendo. 

Novamente sinto vontade de vomitar. Vomito na privada novamente e dou descarga, me sento no chão e abraço meus joelhos. 

Meu choro não cessava e meu peito doia, era como se tivessem pisando em mim.

Era assim como eu estava me sentindo.

Acho que eu tinha ficado ali naquele banheiro por umas 3 horas e nada dele abrir a porta.

Meia hora depois, quando eu estava quase dormindo ele abre a porta e me levanta.

Me olha por um momento e eu abaixo a cabeça. 

- Min eu não tive culpa de nada- falei baixinho.

- Cale a boca e vá embora daqui.

Me levou até a porta.

- Eu não sei como ir embora.- choraminguei baixinho.

É claro que eu não sabia o caminho de volta pra casa, afinal,  essa era a primeira vez que eu estava em sua casa.

- Problema seu. Pegue um táxi e suma daqui.

Abriu a porta e me deixou no lado de fora.

A rua estava deserta, quase nenhum carro ou pessoa passava pelo local. Caminhei um pouco pela rua procurando ao menos um ponto de ônibus próximo.

Continuei andando e só agora eu fui perceber que eu estava com a toalha cobrindo o meu tronco.

Mais à frente vinha um grupo de pessoas, se não me engano, era umas 4. 

Me desesperei quando eu ouvi risadas de homens. Mas logo me tranquilizei quando eu vi que era 2 homens e 2 mulheres.

Ao verem o meu estado eles correm até mim.

- Oh meu Deus! Moça você está bem?- Um dos homens perguntam.

- Claro que não seu idiota, não ta vendo o estado em que ela está ? - a mulher bate em seu braço.

- Eu estou bem, poderiam chamar um táxi pra mim? Eu estou sem celular.


(...)


Quando eu cheguei em casa encontrei minha mãe com o rosto inchado e totalmente preocupada. HyunJoong estava falando ao celular.

- Eu estou te avisando Lee Min Ho, se algo acontecer com a minha irmã, você é um cara morto.

- Cheguei- chamei a atenção dos dois presentes ali a sala.

- Meu Deus obrigada!- Minha mãe se levanta do sofá e corre até mim e me abraça- Eu estava quase enlouquecendo minha filha. Você está bem? Ele te machucou?- se separou de mim e procurou alguma marca em meus braços e rosto- O que aquele desgraçado fez pra você está apenas com uma toalha?

- Não foi nada mãe, eu estou bem.- tentei tranquiliza-la.

Meu irmão encerrou a chamada e logo ficou perto de mim.

- Olha como  você está S/n!- Me levou até o sofá.- Você não comeu nada até agora né?- Assenti- Eu vou pedir pra fazerem uma comida deliciosa pra você.- me deu um beijo na testa e foi pra cozinha.

- Vem vamos.- meu irmão estendeu sua mão para mim. o olhei sem entender- Vou te levar para o seu quarto.

Me levantei com sua ajuda e ele me pegou em seus braços e subiu as escadas. Abriu a porta do meu quarto e me colocou sobre minha cama.

- Vá tomar um banho, vou pedir pra dona Haneul vim te ajudar.- deu um beijo em minha testa e me abraçou.

- Obrigada Oppa.- comecei a chorar novamente.

- Não chore, vai ficar tudo bem.


"Eu quero que as lembranças desapareçam dentro da escuridão, em um lugar mais longe. Por favor, tome minhas lágrimas dolorosas."

(Kim Hyun Joong - Please)



Notas Finais


Tadinha da S/n 😢

Ficou um pouquinho grande porque hoje eu estava inspirada em drama e violência.
Até o próximo 💕
Deixem seus comentários ❤😊


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...