História Tudo por vocês - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Lucy, Nalu, Natsu
Exibições 143
Palavras 1.767
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Espero que gostem. Boa leitura!

Capítulo 1 - Princípio


Capítulo um — Princípio.

Era uma manhã ensolarada em Hargeon, apesar do vento frio, que fazia as folhas das árvores balançarem em uma espécie de dança.

Lucy acabara de levantar e tomava café da manhã em uma pousada do local. Riu baixo enquanto lia uma coluna do jornal Magos e MagasEspecial Salamandra. Por mais que não houvesse registros ou fotos do próprio homem intitulado Salamandra, fato que deixava a todos frustrados, Lucy suspirou imaginando um loiro alto, musculoso, de olhos azuis, estendendo as mãos para ela.

  – Salamandra...

Infelizmente, algo lá fora começara a tirar toda sua atenção. Parecia uma agitação. A garota levantou curiosa e caminhou para fora da pousada, seguindo a gritaria. Avistou uma roda de garotas que se espremiam e gritavam:

– Salamandra-sama!

Enchendo-se de expectativa e ansiedade, aproximou-se sorrateiramente do grupo e seu coração falhou brevemente.

— Não acredito! — pensou, assim que mirou o homem alto de cabelos em um tom loiro reluzente, musculoso e de olhos azuis, que sorria para todas as moças ao seu redor.

Como se fosse um imã, ele olhou para a loira e piscou de maneira sedutora, fazendo-a prender a respiração e corar de imediato. O suposto Salamandra aproximou-se de Lucy e pegou uma de suas mãos, a beijando sem desgrudar os olhos da mesma.

Com tantas mulheres bonitas ao redor dele, por que o famoso e galante mago escolhera logo ela? Com aquele rosto de criança e tão pequena. Lucy começou a achar aquela situação um pouco estranha quando olhou em direção ao ombro do outro e notou que havia algo faltando lá.

— Ele não deveria ter a marca de sua guilda no ombro, como dizia na revista? — pensou e começou  a então ligar os fatos. Se esse suposto Salamandra vivia rodeado de moças tão belas e causando tanto alvoroço, por que não haveria sequer um retrato seu nas manchetes ou revistas locais?

Antes que ela pudesse pensar ou perguntar algo ao homem que ainda segurava sua mão, ele fora atingido por uma bola de fogo, que faz com que seu corpo alto e musculoso seja lançado contra a parede; consequentemente deixando queimaduras notáveis e um grito de dor do mesmo.

— Dragon Slayer de fogo... Sensível ao fogo? — Lucy começara a ficar afobada com a situação e acabou virando-se para o local de onde havia sido lançado o feitiço. Havia um garoto de cabelo em um tom claro de rosa, coisa que a mesma achou cômico, envolto em um cachecol branco com finas listras pretas e olhos ônix vorazes; ao seu lado um gato... Um gato azul que estava voando.

Ela coçou os olhos imaginando estar alucinando, mas quando os abriu novamente ambos os homens começaram a travar uma batalha. Sem muito esforço, o recém chegado de cabelos rosas nocauteara o falso Salamandra, que partiu voando em um tapete mágico jurando vingança.

Lucy suspirou desanimada. O fato de admirar tanto o mago de fogo conhecido como Salamandra, era que o mesmo pertencia à guilda mais forte de Fiore: Fairy Tail, que almejava mais do que tudo ser membro. Mas como poderia ingressar se ao menos tivera chance de conhecer um mago de lá ou de sequer saber sua localização?

Ela se virou e foi até o vencedor da batalha, notando que antes dele chegar estivera presa em um feitiço de amor, provavelmente lançado por algum objeto mágico do falso Dragon Slayer.

— Ei... — tocou o ombro do rapaz rapidamente, fazendo-o virar para ela e encará-la de maneira curiosa com um sorriso no rosto. — Obrigada por ter quebrado o feitiço daquele cara, se você não tivesse chegado, agora provavelmente ainda estaria sob o encantamento. — Lucy sorriu para o mesmo, ouvindo o estomago dele roncar logo em seguida. — Posso pagar algo para você comer como forma de agradecimento.

Ele riu de uma forma estranha, mas calorosa.

— Eu sou Lucy. — a loira estendeu a mão em sua direção.

— Natsu. — o rosado a apertou.

— Aye! — o gato azul comemorou, assustando Lucy. Claro que isso não passou despercebido pelo exceed, que logo tratou de aproximar seu rosto do de Lucy e com um sorriso debochado, dizer: — Natsu, essa Luxy é estranha, não acha? — prolongou o "u" de "Natsu" e rodopiou diversas vezes enquanto a loira limitou-se a fechar a cara e o rosado a rir ainda mais escandalosamente.

[...]

— Luce! — Natsu corria atrás da loira desesperado.

O motivo disso tudo? O mesmo de sempre. Natsu havia irritado-a dizendo que a garota estivera mais estranha do que o normal ultimamente.

Eles haviam acabado de retornar de uma missão junto de seu time: Erza, Gray e Wendy, então dirigiam-se à guilda.

Como Natsu e Lucy corriam bem mais à frente, fez com que chegassem primeiro no local, exaustos. Gritaram um "voltei" assim que abriram as portas, mas estranhamente tudo estava quieto e todos os membros presentes no salão olhavam fixamente para um lugar, com os olhos assustados.

Lucy que estava atrás do rosado sentiu um calafrio cruzar-lhe o corpo.

— Natsu... O que está acontecendo? — ela perguntou, enquanto sua imaginação criara milhões de situações que poderiam ter ocorrido com seus companheiros.

Ele se virou para ela e a única expressão em seu rosto era da mais pura preocupação e medo.

— Lucy... — Natsu sussurrou como se quisesse acalmá-la. Somente pelo fato de ter pronunciado o nome da maga corretamente já deixava claro que não estava para brincadeiras. Ela passou pelo amigo e, conforme prosseguia, todos abriam caminho e a olhavam com pena.

Foi então que Lucy viu a cena que a atormentaria para sempre, pelo resto de sua vida.

Suas pernas cambalearam e suas mãos subiram diretamente para cima, tapando a própria boca, enquanto seu cérebro tentava a todo custo processar a imagem que seus olhos haviam captado: Layla e Jude Heartfilia enforcados no pilar da guilda, com estacas atravessadas em seus corações. Uma poça formava sob os mesmos e na parede atrás deles havia uma frase escrita com sangue. Uma frase que fez com que todos os sentidos de Lucy sumissem de vez.

Venha até nós, Lucy... Nós a encontramos.

Todo o mundo da pequena Heartfilia desabara naquele instante, fazendo com que seus próprios pés não aguentassem o seu peso. Limitou-se a cair de joelhos no chão, lágrimas escorrendo por toda sua face e um olhar perdido, completamente perdido.

— Mamãe... Papai... — a dor consumira seu coração por completo. Como pudera ser tão tola? Como pudera acreditar que eles realmente haveriam de ficar bem? Cenas de momentos com sua família passavam pela mente da mesma, enquanto a realidade caia sobre si como uma chuva de facas.

Seus pais estavam mortos.

O grito que veio a seguir ecoou por toda a guilda, tal fora tirado do canto mais profundo de seu âmago, fazendo com que ela se debruçasse e chorasse dez vezes mais forte do que já estava. Lucy continuou gritando, tentando aliviar aquela dor, agarrando a pele sobre seu coração, mas no fundo sabia que de nada adiantaria. O que estava feito, estava feito.

— Eles se foram... — sussurrou com a voz falha. — Por quê?

A visão da loira começara a ficar turva e tudo a girar ao seu redor.

— A culpa é minha... Eles se foram... — era a única coisa que podia pensar, ver e dizer, nada mais poderia fazer sentido dali para frente. Em seguida, sentiu ao seu redor dois braços envolverem-na, um borrão rosa sobre si e dois olhos verdes suplicando, não, implorando para que ela ficasse. Ele gritava, mas ela não o ouvia. Como poderia?

"Volte, Lucy!", ele gritara. "Permaneça forte!".

Mas Lucy não o via sequer, somente o sentia embalando-a para frente e para trás, como seus pais costumavam fazer quando pequena.

Não havia mais vontade de viver em seus olhos, opacos. Como pudera deixar isso acontecer?

— Deixe-me definhar, Natsu... — fora seu último pensamento antes que tudo realmente perdesse o sentido e a escuridão fosse a única coisa a abraçar Lucy.

[...]

Em meados de seus catorze anos, Jude Heartfilia já arranjava um marido rico para noivar com sua única filha, Lucy, e estabelecer novas rotas de comércios, além dos sócios. Todavia, ele, anteriormente, jamais havia tocado nesse assunto desde que prometera à filha que ela teria liberdade de escolher quando e com quem quisesse casar.

— Não me casarei com alguém somente pelo seu interesse nos negócios! — rebatera a menina de maneira árdua, sem sequer mostrar hesitação.

— Irá sim. — Jude permanecera com a postura calma e séria, como se os sentimentos de Lucy não lhe dissessem respeito.

A jovem buscou apoio em Layla, que limitara-se a negar com a cabeça e desviar o olhar. Sentindo-se completamente traída, Lucy gritara ainda mais de forma irada:

— Não sou um objeto ao qual o senhor utiliza como troca! Sou uma pessoa... Uma maga!

— Chega, Lucy! — aquele assunto com certeza irritara o mais velho. — Se não me obedecer, suma dessa casa e não volte jamais!

Estática, ela não conseguira acreditar em seus próprios ouvidos. Aquilo havia sido uma facada em seu coração. Virou-se enquanto segurava as lágrimas e em sua última fala, esbravejou todo seu ódio em direção aos seus pais.

— Eu odeio vocês! Nunca mais precisarão me ver na vida! — correra para fora batendo a porta com força. Porém, antes que estivesse fora do alcance, ouvira Layra soluçar e Jude dizer para a mesma:

— Nós fizemos o certo, querida. Ela estará mais segura com a Fairy Tail. Tudo por ela...

E assim, Lucy fugira de casa e nunca mais voltara a ver seus pais.

[...]

Acordara assustada, sentando-se na cama. Seus braços trêmulos e a respiração descompassada.

— Não foi um sonho? — as lembranças vinham à tona. — Eles realmente partiram?

Antes que pudesse pensar em mais algo, uma pessoa a abraçara fortemente, como se quisesse drenar toda a dor que Lucy carregava agora. Virou-se para a cabeleira rosada e o encontrou sem nenhum sorriso, somente olhos vermelhos esbanjando preocupação e lágrimas rasas nos cantos dos mesmos.

— Natsu?.... — ela sussurrara. — Onde...?

— Estamos na sua casa. — respondera de imediato, com a voz baixa e embargada.

— Meus pais...

— Sinto muito, Lucy. — Natsu a puxou para um abraço carinhoso.  — Mas ficará tudo bem. Prometo que não deixarei que a levem, a protegerei a todo custo. — seu corpo quente tremia, e mesmo com suas palavras, Lucy começou a chorar, deitando-se com Natsu, onde o mesmo pôs-se a acariciar os longos fios dourados da maga.

— Eles me encontraram... — Lucy olhava para o céu através da janela, completamente sem expressão e perdida em seus próprios pensamentos.

Ela sabia que o Dragneel jamais poderia cumprir a promessa que acabara de fazer, pois seu destino fora decidido no momento em que adentrara a guilda naquela manhã. No momento em que eles a encontraram, seu destino já havia sido traçado. 


Notas Finais


Comentários?
Finalmente voltei, depois de um enorme bloqueio de criatividade, mas primeiro irei reescrever essa estória para depois começar a postar a reescrita da fanfic apagada Coração Indomável.
Até!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...